Skip to main content

Full text of "Diccionario da lingua portugueza recopilado dos vocabularios impressos até agora, e nesta segunda edição novamente emendado, e muito accrescentado,"

See other formats


i 










á 



f''i 






mm^ 



DICCIONARIO 

DA 

língua portugueza 

RECOPILADO 

DOS Vocabulários impressos ate* agora , e nesta segunda 

EDIÇÁO novamente EMENDADO, E MUITO ACCRESCENTADO, 

POR 

ANTÓNIO DE MORAES SILVA 

NJTURJL DO RIO DE JJNEIRO, 
O F F E R E C I-D O 

AO MUITO ALTO, E MUITO PODEROSO 

príncipe regente n. senhor. 



TOMO SEGUNDO. 



F=Z, 



LISBOA, 

NA TTPOGRAPHIA LACERO IN A. 

Anno de 181 3. 

Ctm Licença da Meza do Desembargo do Pdço. 



Venie-se na Leja de Boret Borel , e Companhia , quasi defronte da Igreja de 
Nessa penhora dos Martyres , JV-* 14* 



1 




v..^^^ 




st' 





ICCIONARIO 



D A 



língua fortugueza. 



FA 



F 




íê' 



, s. m. Sexta letra do alfabeto 
Portuguez : devêramos chamar-lhe 
fè , e não éfe , já que soletramos 
fè a , fá,e não éfe a , éja. 

FÁ , s. m. mus. A quarta nota 
de Musica começando «í, re , mi, 



FABORDÃO , s. m. ( de Fam-bourdon ) mus. 
Composição , em que algumas vezes cantão com 
total igualdade no número , e valor dos pontos , 
e sem se esperarem pausas. §. f. Sá Adir. Es- 
trãng. (/. lé^.edii^. de Lira ^ dizem os nioces cjue 
os \>elhos cantão por huma corda só , e porfdbor- 
dão : i. é , desentoáo com semsaborias. 

FÁBRICA , s. f. A estructura , construcçáo , 
organização: v. g. /? labrica do corpo humano, 
do olho , do ouvido. §, Edifício nobre. Fase. Ar- 
te. 6 arquitecto primeiro elege a traça da fabrica 
Que ha de fazer %. Casa onde se trabalhão , e 
labricâo , v. g. pannos , chapeos , sedas , e ou- 
tras, manufacturas. §. Fabrica da Sacristia , ou da 
Jgreja ; as rendas applicadas as de^pezas da Sa- 
cristia , e reparos da Igreja , &c. §. O necessá- 
rio para a construcçáo do edifício, Co/íto , 4. 7. 
6. no fim. §. A gente , animaes de serviço , ma- 
quinas, provimentos, &c. para algúa obra, em- 
presa , facção. Couto , p. 20. mandar mtfita parte 

Tom. II. 



FA 



da fabrica da conquista para Çofála. idem , f . i^J 
com toda a fabrica do seu exercito : a fabrica dos 
engenhos d' assucar ; os escravos, e animaes de 
serviço 5 Scc. §. Artificio, trabalho, lavor; v. g. 
embarcar^des >4£ menos fabrica que as de agora. 
M. Liísit. ^T^Fabricas ; idéas , desenhos , traças , 
projectos. Fieira. § O acto de fazer aigúa acção, 
que demanda artificio , astúcia. " buscar escapula 
de humas culpas com a fabrica de outras. " £> 

4. 7- 7- 

FABRICADO , part, pass. de Fabricar. §. Imer- 
sos fabricados. D. Fr. de Port. §. Forjado no f. 
" ah peitos de diamante fabricados ! " §• Que 
tem fabrica de escravos , serviçaes , bois , e bes- 
tas de serviço: v. ^. este engenho está fabricado y 
e pelo contrario desfabrtcado. 

FAERICADÒR , s. m. O que fabrica edifícios, 
§. Edificador. M. Lusit. hum Rei tão. fabricador. 
§. Author, no f. v.g. todo homem he fabricador de 
sua fortuna , i. é , tem-na boa se he prudente , 
e virtuoso; má se he o contrario deste. §. — de 
demandas : calumnioso. Ord. yíf. 

FABRICANTE , s. m. O que fabrica manufactu- 
ras , tanto o mestre , como os ofRciaes. 

FABRICAR, V. ar. Construir, edificar: v. g. 
fabricar casas , navios, castellos. §. f. Deus fabri- 
cou o mundo : Fteira. §. Fabricar moeda ; cunhar. 
A §. Fa: 



■M\\^ 



I 



i 



a FAB 

5 Fazer: v. g. fabricar partnos , sedas , chapecs , 
vidros papel , e outras manujacmras. §. Fabricar 
hima )azendai cuhi valia. §. i. Cada himi íê la- 
brica sua fortuna: he hbncador delia. V. tabn- 
cador. §. Fabricar seus ganhos ; tirallos com algu- 
ma industria. Arraes 3 i. 5. 

FABRÍCO , s. m. O acto de fabricar, o tra- 
balho feito em qualquer manufactura. §. f. Ama- 
nho , V. g. — de terras. Leis mod. de z6. de Ou- 
tubro de 1765. r , ■ - 

FABRIL , adj. Artes jabris , sao as mecânicas. 
§. f. Artificioso. Er]eida , 8. 99. Fulcano ds obras 
fabris se vai direito. 

FAliRIQUÈlRO , s. m. O que cobra as rendas 
da fábrica da Igreja. Corograf. Port. 

FABRO , s. m. poet. p. us. Omcial artífi- 
ce. Uliss. 10. 47- ^ S7- ^ , , 

FÁBULA, s. f. Narração fabulosa, em que 
se introduzem a fallar os animaes , para se dar 
por elles algum documento aos homens : v. g. 
as Fabulas de Es opa 3 de Fedro são mui instructi- 
vas. §. A fabula da Epopeia , ou do Drama ; o 
successo principal verdadeiro , ou fingido, que nes- 
tes poemas se narra , ou representa. §. A historia 
Wythologica dos tempos Fabulosos , á cerca dos 
seus Deuses , semideuses , &c. e suas acções. 
§. Successo mentiroso , falso. §. Ser fabula da 
gente ; dar em que fallar , daí assumto a glosa- 
dores , e motivo , ou objecto de riso , e zomba- 
rias. £ufr. 14.- Ulis. f, 29. 

FABULAÇXO , s. f. Composição fabulosa. Hist. 
àe Isea , /. 1 1 8. escritores , que vendem suas en- 
ganosas tabulações misturadas com peçonha. 
FABULADO , part. pass. de Fabular. 
FABULADÒR, s. m. O que conta ; o que es- 
creve tabulas. Leão , Descrip>,^ão , /. 565. " Reis 
que estes fabuladores deráo a Hespanha. " Bar- 
ros , Cartilha , Bedic. /Esopo fabulador moral. 

FABULAR, v. at. Contar fabulas, contos, 
successo» mentirosos dos tempos das Fabulas do 
gentilismo , ou semelhantes a esses , e posterio- 
res ; inventar, e narrar qualquer historia , que não 
tem a verdade por fundamento. Barros , i. :5. 8. 
t ?. 4. I. " Rei... de que dles fabnlao gran- 
des cousas. " Freire : o (jue fabularão os Gregos , 
t Romanos. A4. L. fabulava a Gentilidade que 
Júpiter, <b'C. Arraes, i. 5. Lus. " darlhe nomes 
<^ue a antiga Poesia A seus Deuses ja dera/<3- 
bulando. 

FABULISÁDO, adj. Reduzido a fabula: v. g. 
O, Índole do avarento fabulisada na formiga , ó-c. 
FABULOSO , adj. Falsamente narrado : v. g. 
successo — . §, Os tempos fabulosos da historia ; a 
cpoca , em que os succcssos verdadeiros andão 
misturados com mil falsidades maravilhosas , ou 
envoltos , e encubertos em contos , e circumstan- 
cias sol-irenaturacs , quaes são os de que consra a 
Wythologia. 



FAC 

FACA , s. f. Instrumento de cortar vulgarissi- 
mo ; tem folha de ferro , ou aço , com gume , e 
cota , ponta , ou sem ella , e cabo. §. Faca de 
mato ; espécie de punhal , ou antes grande faca , 
de que usáo os caçadores. §. Cavallo pequeno , 
e membrudo. §. Faca de foice , ^^omia. — de fogo i 
faca grossa de muito ferro, com que os Alveitates 
cauterizáo , feita em braza. 

FACADA , s. f. Ferida feita com faca. 
FACALHÂO , s. f. Faca grande , í. famil. 
FAqÁLVO , adj. composto , ( de Alveit. ) Cavai- 
lo — ; que tem o focinho quasi todo coberto de 
hum sinal branco , dizem ser máo sinal. 

FACANÉE ; plur. Facanées : s. f. antiq. Faca- 
nea , ou hacanea , cavallo pequeno em que co- 
mummente cavalgáo senhoras , melhor que o sen- 
deiro e recim , e inferior ao cavallo de marca j 
hoje dizem um faca : Orden. Afons. L. 5. T, 
I ip. pag. 401 e 402. 

FAqÀNHA, s, f. Feito grande, heróico, ex- 
traordinário , que demanda grande esforço , e vir- 
tude , ou saber. Nobiliário : fez façanha de bom. 
§. Acção filha de huma maldade extraordinária. 
Ded. Cron. i. p. Bivis. 15. n. 922- §• Objecto 
mostruoso. Auto do Dia de Jm%o : " Santa Mar- 
tha que façanha vem aquella tartaranha l " §. Suc- 
cesso notável, que fica posto em memoria , co- 
mo exemplo , para em caso análogo regular o 
que se deve fazer. Leão , Cron. ae D. Af. 4. 
façanha he hum juizo sobre feito notável , e duvi- 
doso , que por autoridade de quem o fez , e dos 
que o approvdrão , e lòiívdrão , f.ca delle hitm di- 
reito introduzido para se imitar, e seguir como 
lei, quando outra vez acontecesse, pag. 172. edi^. 
de quarto : Cron. Af 5. c. 47-. "^0 embargantes 
quaesquer direitos , ordenações , leis , estilos , costu- 
mes , OH façanhas, arestos, sentenças, casos ;ul- 
gados. Orden. §. f. Modelo de bondade. Cron, 
cit.c. 51. ^'^ porque sejaes exemplo , numoria , e fa- 
çanha dos nobres naturaes d' Espanha ; " na car- 
ta da ExcelUnte Senhora. §. Conta-sc por façanha , 
por coisa monstruosa , maravilhosa. Ord. AJ. 5. 
/. 195. Cren. d' Af. 5. c. 50. por J acanha , t. é, 
por coisa notável , e digna de ficar em lembrança. 

Satítcs , Ethiop. z. p. f 7^- f- 

FAÇANHÈIP-O , adj. Patarata , que se jacta 
de ter feito , ou promette fazer façanhas. Ciabra. 

FAÇANHOSO , adj. Extraordinário , monstruo- 
so , memorável , por bom , ou por máo , ou so 
por maravilhoso. Ined. i. f 50?. " nom se con- 
tentava fazer nenhúa cousa , for boa e Ja^a- 
nhosã que fosse , debaxo do mando de outro ca- 
pitão. " Couto , 4. L>. L. 8. c. 8. /. 158- f. Fa- 
fanhoso , homem de corpo. idem. 5. 4- 9- homem fa- 
çanhoso CHI corpulência , c forcas ; golpes^ faça- 
nhosos. Palm. p. 2. c. 4?. Castan. 8. cap 105- p. 
154. e pag, 17^. do façanhoso Jc//o. §. Facauho- 
, so thítntiilo ; grande , monstruoso ( tiaha mais de 
' .50 



FAC 

50 marcos de prata ). §, Façanhosa deshumanida- 
de. Jrracs , 7. 17. façanhosh bistortãs : Azura- 
ra , ceip. I. jeito — ( de guerra ): -5. 4. 9. 17. 
FAC to, s. m. Faca grande, e muito forte. 
§. Entre Bombeiros , he huma peça , que serve 
para atacar, e acunhar aterra, ou filasticas á ro- 
da da bomba. Exame de Bombeiros , f. 160. 

FÁCC.ÃO , s. K Feito d' armas notável , jor- 
nada , empreza militar. Freire, e Fasconcelios , Ar- 
te , e Sitio ,/. 51. " escrevendo facções heróicas. 
§. Bandos, parcialidades, uniões , partidos. 

FACCIONÁRIO , s. m. Membro de alguma fac- 
ção , que tomou bando por alguém , que he de 
alguma das parcialidades , bandeado com alguém. 
Tácito Portag. 

FACE , s. f. A parte do rosto dos olhos até a 
barba ; o rosto todo. §. Superfície , flor, tona : 
V. g. d face da agua : Barros. 2. 8. i. §. Appa- 
rencia : v. g. faces da Lua, V. Fazes , ou Pba- 
zes. §. A face de hum dado , oit de huma pedra , 
huma de suas superfícies planas. Lucena ; pela 
face debaixo da campa : escrever em papel i mi 
folhas d' ola ( ao uso Oriental ) d' ambas as fa- 
ces. B. I. 9. 1,. no papel é pagina. §. V. Fachada 
do edifício, §. Na Fortif. a pirte do baluarte mais 
avançada á campanha , comprehendida entre o an- 
gulo da espalda , e o do baluarte. Fortif. Adod. 
§. A face do negocio; o lado, ou diverso respei- 
to por que se pôde considerar. Freire. §. Andar 
á face ; naver-se , fallar com singelleza , sem re- 
buço , nem dissimulação. Sd de Aíiranda : an- 
dava d face toda , ellas d'tnvés. §. Ver a Deus 
em sua prepria face , ou de face a face , he o 
modo em que o vem , e conhecem os An- 
jos , e Bemaventurados. Fieira. §. Recebido em 
face de Igreja : i, é ^ no templo pelo Ministro 
competente , perante testemunhas. §. " Com face 
de fingida honra encobrissem o envés do verdadeiro 
abatimento. " Jned, i. /. ^92. 

FACÉCIA , s, f. A qualidade de ser faceto. 
§. Dito galante , donaire : em facécias taes pro- 
rõpe. 

FACEIRA , s. f. de boi , a carne das faces. 
§. t. vulg. Vaidoso , patarata , casquilho rafado , 
que se sustenta com faceira de boi. 

FACEIRO , s. m. antiq., 

JACEIRÒA , s. f. ant. Traveceiro. Elucidar. 

FACER : V. Fazer. Elucidar. 

FACETA , s. f. Superfície regular , das muitas , 
com que se lavrão , e pulem as pedras precio- 
sas , para terem mais brilho. 

FACETADO , part. pass. de Facetar. 

FACÉTAMÈNTE, adv. Com graça, que faz 
r^r ; v. g. contar , narrar — . 
« FACETAR , v. at. Fazer facetas : v. g. facetar 
hftm diamante , hum topázio. 

FACETO , adj. Que diz graças , lépido. 

FACHA , s. f. Teia , tocha , ou feiche de va- 



, FAC 3 

ras , vimes breados , que se accendem para allumiar, 
e para pòr fogo ; facho. Uliss, 7. 80, §. Facha 
d' armas ; antiga arma como machado grande , 
usado na guerra para romper , e esmalhar a ar- 
madura do inimigo. Jned. 1. 489. §. O feiche "de 
varas com a machadinha , que levavão os licto- 
res dos Romanos. " foi S. Matinas apedreja, 
do ; e segundo o costume Romano ferido com nu- 
ma facha. " Fios Sant. V. de S. Mathias y pag. 
148. col. I. 

FACHADA , s. f. Golpe com a facha d'armaj»" 
F. delRei D. jf. i. p. 2. cap. 112. §. Fachada do 
edificlo ; a parte dianteira delle. §. — da Fortif. 
he toda a fortificação de hum lado exterior. 
§. f. Grande presença , mostra , apparencia ; v. 
g, fazer fachada , homem de grande fachada , 
ostentoso no famil. §. Ter — : boa presença , 
bons exteriores , que se fazem notar , e respei- 
tar. 

FACHÈIRO , s. m. O que leva a facha. §. O 
lugar onde está, ou a peça que sostem o facho, 
B. P. §. O que está ao facho para fazer os si- 
naes. Castan. 3. /. 181. 

FÁCHÍNA , s. f. Molho de varinhas , cu ver- 
gas atadas nos extremos, que servem na Fortif. 
para a fabrica dos Candieiros , e F-spaldas ; de en- 
cher , e cegar o fosio , &c. §. Hafachinas brea- 
das , para com ellas se queimar huma galaria , 
ou outra obra do inimigo. §. Fazer fachina: es- 
trago , destroço ; v. g. fizerão-lhe fachina nos 
bens , no dinheiro , nos doces. fr. famil. V- Gar^ 
ziva. 

FACHINÁDO , part. pass. de Fachinar. 
FACHINÁR , V. at. Atulhar , encher com fa- 
china. Exame de Artilheiros. 

FACHINÈIRO , s. m. O que faz , e ajunea 
fachmas. 

FACHO , s. m. A luz , ou matéria inflammavel ,' 
que se accende de noite nos portos de mar , pa- 
ra dar rebate de inimigo ■■, e de dia o fumo feito 
ao mesmo intento ; quando se avistava o inimigo , 
abatia-se o facho. Resende , Cron. "J. 2. c. 1 16. 
§, Daqui a frase " abater o facho por qualquer 
coisa ; " I. é , assustar-se facilmente , dar mos- 
tra de medo , e rebate de perigo sem razáo fun- 
dada. XJlisipo,f. 25-9, 

FÁCIL, adj. Sem difficuldade, que se enten- 
de , aprende , ou faz sem custo , nem trabalho 
notável : v. g. facíl de ver , de entender , de dizer , 
de persuadir. §. Homem — : lhano , conversavel , 
que se familiariza , e tem condescendência. §. Fen^ 
tre factl ; o de quem obra desembaraçadamente. 
§. Estilo fácil : não empeçado , não duro ; não 
escabroso, ou áspero; corrente, fluido. Fieira. 
§. Homem fácil em crer , imprudente : fácil em 
perdoar, que perdoa facil, e levemente. Ar. 
raes , 7. 6. 
FACILIDADE , s. f. opposto a di^culdadt , í«í- 
A li ío» 



h 



i^x 



» 



4 FAC 

to , e trabalho em cowprehender , ou fazer alguma 
coisa : V. g. explicar-se cem facilidade , parir , me- 
tieiar-se , <t'C. §. f. Sutileza ; v. g, a facilidade áa 
luz. Vieira. %. Facilidades; demasiada familiarida- 
de. §. Inconsideração; v. g. facilidade em fiares 
segredos a qualquer. §. Facilidade no agasalhar, 
e tratar os homens , opposr. a secura, severida- 
de , e avareza de cóprimentos, e bons cerm,os. 
£. 1,, I. I. " a facilidade , aindaque seja pródi- 
ga no acolhimento das partes, sempre ganhou o 
animo de muitos , e a severidade avara de au- 
tos , e palavras sempre perdeu com todos " 

FACILÍSSIMAMÈNTE , adv. superl. Couto , 
6. 11. 

FACILÍSSIMO , superlar. de Fácil. Jrraes , 
1. i8. ' 

FACILITADO, part, pass. de Facilitar. 

FACILITADOR , s. m. O que representa tu- 
do fácil. §. adj. Que facilita: " os estudos pré- 
vios facilitadores dos .subsequentes mais diíR- 
xeis. " 

FACILITAR , V. ar. Fazer facil , náo trabalho- 
so, náo penoso, Hisí. Nam. i. z^^z. facilitando a 
aspereza das serras. §. Reprezentar , pinta/ como 
coisa facil. §. —se; adquirir facilidade , desem- 
baraço com uso, e exercicio. Eneida, i. 146 
« Em atirar também se facilitão. " §. Alhanar- 
se , familiansar-se , íazer-se conversayel. §. — se 
a peccar. Vieira , 4. n. 7. 

FACÍLLIMO, superl. Muito faciJ 

FACILMENTE, adv. Sem trabalho, sem dif- 
iculdade, sem grande applicaçáo ; ^prfnííí-r — • 
falar — . ' 

FACINOROSO , adj. Que tem commettido gran- 
de crime, façanhoso em crimes , usa-se substanti- 
.yado: v. g. hum facinoroso, ou hum homem om mu- 
lher tacmorosa. §. Vida — , do que tem no de- 
.curso delia feito crimes façanhosos. 

FAÇÓM , s. m. anr. Execução , fazimento. 

Ja^om do meu testamento. " Elucidar. 

FAÇOULA. V. Façudo. Tem umasfàcoulas ' 

FACTÍVEL, que se pôde fazer. .^wMr^/, 12. 
ro pu §. Que pôde acontecer. §. Galhegos : era 
tactiyel a natureza , i. é , ella podia fazer 

FACTO , s. m. Successo , coisa que aconte- 
ceu, caso real, e verdadeiro: vamos d narração 
tio facto. § Questão de facto ; em que se dispu- 
ta se succedcu , ou náo a coisa , que se diz ter 
succedido , ou a cerca das suas circumstancias. 
S. Vejacío ; com eííeito , na verdade : v. ?. de 
íacto acomeceií. §. Jpso facto : palavras laFinas, 
jue vem as vezes em editaes, pastoraes , que 
signu^icao peio rnesmo feito, pelo mesmo caso, 
ern consequência de se haver feito, sem mais ou- 
tra coisa , como sentença , &c 

ro^^ífíJ?'^^ ' '• í' ° """"^ de fazer, fazimcn- 
^. ^l>ara de 24 de Janeiro de 1-64. §. Rol de 
mercadorias , e eíFeitos , que se' remetcem o 



FAD 

negociantes com os preços ; í. tnod. usUal no Com- 

mercio. 

FAqÚDO , adj. chulo. De cara larga. 

FACULDADE , s. f. Poder , potencia de fazer 
alguma coisa , íisica , ou moral : v. g. a facul- 
dade de rir , de fallar , entender , raciocinar ; de 
casar, dizer missa. §. Virtude física das drogas 
medicinaes. §. Sciencia : como v. g. Mathematica , 
Filosofia Natural , e Moral. §. Faculdades : pos- 
ses pecuniárias , bens. P. Per. Dedic. §. O corpo 
dos Doutoíes em alguma Faculdade ; v. g. Con- 
gregou-se a Faculdade Medica , decidiu a Fa- 
culdade Jurídica , Theologica , óx. 

FACULTATIVO, ad). Termos—; technicos, 
usados nas artes, esciencias, e de ordinário ex- 
pressivos de muitas ideias, que aliás seria neces- 
sário declarar com muitas palavras. 

FACULTÒSO , adj. Rico, que tem posses, 
caudaloso. " nobres , e jacultozas : " Lei sumpt, 
de i6yj. 

FACÚNDIA , s. f. Eloquência. 

FACUNDO , adj. Eloquente. Uliss. i. 27. o fa- 
cundo Ulisses. Camões , 8. 5. — língua. Arraes , 
5. 5. facundos advogados. §. Que inspira fa- 
cúndia : nas facundas aguas de Hypocrene. Uliss. 
4. 24. 

FADA, s. f. Mulher dada á arte magica, ou 
ás más artes ; que lè no livro dos destinos , pro- 
fetiza os destinos , e pôde por suas artes influir 
nelles ; e com ellas faz obras maravilhosas de 
encantamentos ; já hoje náo ha desta gente ; mas 
licáráo delia boas memorias nos poetas , e livros 
de cavallaria , e noutros mais sérios. . . Maga. 
Auto do dia de Juizo : " havia fadas boas , 
benéficas ; e fadas mas. §. Mulher vestida de Fa- 
da , fiara prometier bens , ou males futuros , co- 
mo vaticinando. Resende, Cron. J. 2, f. 76. f, 
col. 2. 

FADADO , part, pass. de Fadar. Fatal , em que 
ha influencia dos fados , regulado por elles , 
destinado ; v. g. " Por onde vem a eiFeito o 
fim fadado : " Lus. 9, 5. a fadada ruina de 
Tróia. 'M. Lus. o corpo fadado de Âquilles , que 
so na planta do pé podia ser ferido; i. é, em 
que havia a obra , ou eíFeito maravilhoso , e so- 
bre natural. §. Bem , ou mal fadado ; que tem 
bons , ou máos fados , que tem de ser , ou que 
foi feliz , ou infeliz em consequência da ordem 
do Fado. V. 

FADAiro: Veja Fadário. 

FADAR , V. at. Determinar , destinar , ou re- 
gular o destino , a sorte de alguém , influir nas 
suas coisas necessariamente. §. Declarar os fa- 
dos , ou destino futuro , o que se ha de fazer , 
ou sofrer no decurso da vida , as felicidades , 
ou infortúnios delia. Resende , Cron. J. 2. cap. 
125. Vieira : admirável foi a variedade , e repar- 
iti^ão de fortunas, çom que Jacob fadou a seus 

Ji' 



FAG 

filhos quando na hora da morte , é'c. §. Deus te 
íade bem; i. é, de boa tortuna. §. Fadar al- 
guém das mds fadas : fazè-Io infeliz. Auto do 
dia de Juízo. 

FADÁRIO , s. m. Propensão , que parece cau- 
sada por potencia , que violeiíta a liberdade do 
homem. §. Lida conrinua. Lobo : hum quartão 
que jd aturava aquelle íadario todos os dias. 
§. Vida trabalhada , aíanosa. o fadário de Phineu 
entre as Harpias. Eufr. i. i. §. Vida má; v. g. 
do corsário , ou ladrão , da meretriz , do taful. V. 
£. 3. 8. 2. " se contaváo de andar neste fã- 
dairo ( de cossairos ). " 

FADEJAR, V. n. Correr seu fado , obedecer , 
e comprir com seu destino ; passar o seu fadário. 
Sá À/ir. vou fadejando. 

FADIGA , s. f. Trabalho corporal , ou do es- 
pirito, §. O cansaço , que resulta do trabalho. 
Hiit. Dom. em que havia mais de mimo , que de 
fadiga. §. Fadigas luterarias : trabalhos em estu- 
dos , actos, exames , &c. 

FADIGADO, part. pass, de Fadigar. Arraes , 
I. 8. — com estudos. 

FADIGADÒR , s. m. O que atadiga. 

FADIGAMÈNTO , s. m. Fadiga. Ord. Jf. 2. 
f. 280. 

FADIGAR. V. Fatigar. Arraes ^ i. 4. : fadigar 
os bosques cagando. Ulissea. 

FADIGOSO , adj. Cansativo , que causa fa- 
diga. 

FADO , s. m. Segundo os Pagãos , a ordem 
necessariamente encadeiada de successos , a que 
os seus mesmos Deuses esravâo sujeitos ; outros 
faziáo o seu Deus autor do fado , i. c , de leis 
físicas inalteráveis , e de necessidade de obede- 
cer a ellas imposta a todo o ceado. Chamão-lhe 
Fado máo , Fortuna escura , o que he só Provi- 
dencia de Deus pura, Lnsiad. Cant. 10. £st, 38. 
Fieira : não está na mão dos Fados , senão this 
vossas:, i. é, está em nosso alvedrio, que não 
he necessitado por tados , nem destinos. §. Se- 
gundo os Theólogos , he a ordenança , que se 
vè em as coisas por Divina Providrncia. Arraes , 
9. II. §. Destino, o que' nos p.ircce acoKtei.er- 
nos necessariamente , sem o procurarmos , ou 
ainda forcejando por evitá-lo. Eufr. i. 1. §. Va- 
licinio, oráculo. Eneida, 7. 26. §. Morte, fim 
da vida. Auto do Dia de "Juízo. v. g. erão che- 
gados sem fados. 

FÁGO ; por faço , antig. Foral de Bragança. 

FAGOTE , s. m, Instrum. musico de sopro c pa- 
lheta , de som grave ; tem buracos como a frau- 
ta , mas he muito maior. 

FAGUEIRO, adj. Que faz afagos, meigo. 
Loba : " o bom soldado deve ser como o cão , 
fagueiro para os conhecidos. " " Pintarão Amor 
minino por fácil, q fagueiro. " Lobo , Corte , D. 
6. §. Arraes , 5. 18. «' quando a felicidade das 



FAX , 5 

coisas humanas se nos mostrar fagueira " : pala- 
vras — i Fernandes de Lucena. 

FAí , s. m. V. Faim. Reluzir os f ais. Cron.J. 5. 
p. ?. c. 57. 

FAIA, s. f. Arvore vulgar neéte Reino, de 
madeira rija , e branca , dá flores campanadas 
aJentadas na borda , e por fruta duas boletas tri- 
angulares , que se comem ( fagus , i ). §. A ma- 
deira. ( Faya melh. ortogr. ) 

FAIAL, s. m. Bosque, cu mato de Faias. 

FAIANÇA , s. f. coisa de — grosseira , mal obra- 
Ja. Ar:e de Furtar , c. 12, 

FAjM, s. m. ant. Espadim bastado. Barrei- 
ros , Corografia : em lugar de ferros de faim tra- 
zem nas lanchas ossos de animaes. Azagayas com 
fains mais agudos , e reluzentes que espelhos. Palm. 
2. §. Nas províncias chamão faim ao espadim. 

FAINA , s. f. Todo o trabalho náutico , ou na 
mareação, ou no dar á bomba, ou qualquer ou- 
tro. Brito : com a faina das bombas. Faina das 
velas. H. Naut. t. 3. Intel ligentes das manobras , e 
Í!L\nas marítimas. Rezolu^ão de S. Magcstade de iz 
de Agosto de 9^. para a criai^ão de Patroens Mo- 
res. §. Cortezia naval. Couto, 5. i. 9. " fazen- 
do-lhe a ( ElRei Badur ) todos suas fainas o 
íòráo acompanhando até o galeão. " Coiito , 9. 
27. " com carrancas , fainas , e salvas d' arte- 
Iharia. " '* os Naires do Çamorim também fi- 
zerão suas fainas " ( em terra ) parece ser cor- 
tezias com vivas, e outras demonstrações. Cou- 
to , 12.^4. í. 

FAISao , s. m. Ave de cores lindíssimas , e 
bom sabor. ( Phasis ou Phasiana avis. ) Faisães:^ 
Paiva, S. 1. f. 10 1. f. Cron. Cisl. 6. c. ^. 

faísca , s. f. a pequena porção de fogo , 
que sai da pederneira ferida, da braza , que es- 
tala , ou do ferro em brasa malhado, §. f. Huma 
í^^jsca de fogo do amor divino ; huma faisca dera- 
-ão ; huma faisca da natureza antes da corrupção 
pelo peccado. Macedo v. ( scintilla. ) Lobo , Prmu 
Jorn. f 

FAISCAR , v. intransit. Lançar faiscas. §. Fa- 
iscar , transit. fig. " os olhos falseando raios 
de amor. " Lobo, Primav. Flor. 7,. §. Faiscar 
nas miras : ajuntar terra dos córregos , e la- 
váia para colher algum oiro, que vai envolto 
nella. 

FA1SOUÈIRO , s. m. O que não lavra mina 
de meta! , mis aproveita lavar.do o rebotalho da 
terra , e cascalhos para aproveitar algúas piscas , 
ou faiscas de oiro , &c. Leis Noviss. O que 
busca piscas nos córregos , c lugares de enxur- 
ro , âcc. 

FAIXA , s. f. Cinta de enfaixar. §. fig. " hu- 
ma faixa de terra de té vinte legoas de com- 
primento , e dés de largo. " ^. 5, 2. i. V, 
Faxa. 

FALA ; V. Falia. 



¥m:m^}^^^^:>^mmi 




FAL 

FALÁCHA , s. f. C do Minho ) Bolo de cas- 

FALAMENTO , s. m. ant. Falia ; discurso por 
escrito , historiando á cerca d'aiguma coisa. Cron. 
3?. I. p. 1. c. ii6. Azurara i cc. 

'falange : V. Phalange. 

FALAR : V. Fallar. 

FALBALÁS , s. m. pi. As pontas do guardape ; 

folhos. 

FÁLCA , s. f. Torno de madeira talquejado 
com quatro faces rectângulas. §. Pedaço do bor- 
do do navio , o qual se tira para receber carga , 
e sè torna apor. Nos Ined, 2. ^7^6. e em Bar^ 
tos X. 7. 7. parece significar bordas alteadas. 
« o batel grande , . . a que mandou levantar 
húas fakas , para agasalhar a gente. " §. na Ar- 
telh. dois tabuóes do reparo parallelamente uni- 
dos pelas taleiras ; nas íakas se fazem as mu- 
nhoneiras dos canhões. 

FALCÁDO : V. Falcato. 

FALCÃO , s. m. Ave de rapina , he nome ge- 
nérico de todas as espécies d'ave d'akenaria. Leão , 
Orig. c. 10. falcão bmni , nebli , alfaneque , sa- 
cre , bahari , girifalte. pag. 69. ult. edi^. §. Foar 
o falcão dependurado , /. é , sem bater as azas. 
§. Canhão de 3. polegadas de diâmetro , o qual 
joga baila de libra , e meia. 

FALCÁR , V. at. V. Falquear , ou falquejar. 

FALCÁTO , adj. Coche — : armado de fou- 
ces , usado na antiga milicia. Fieira , e Fasconc. 
Arte. 

FALCATRUA , s. f. Peça cuidada , com que le- 
vemente se engana alguém. Leão ^ Orig. diz, que 
hc plebeu , por engano. 

FALCATRUAR , v. at. vulgar. Enganar com fal- 
catrua. B. P. 

FALCOÁDA , s. f. Tiro de falcáo. Couio , 4- 

8. 9. 

FALCOÁDO, adj. Perseguido do falcáo: v. g. 
agfíia — : que o falcáo fez remontar-óC. Gar- 
^a — . Cancioneiro , /. 47. f- col. 2. 

FÁLCOÈIRO , s. m. O que cria , e tem a guar- 
da , e penso dos falcões de caça ; o que caça 
com elles. §. — Mor ^ officio da Cisa Real, que 
tinha a inspecção das aves de prcar , e caçar ; 
e falcoeiros menores y que delles iraraváo. Ord. Aj. 

3. 4. i. 

FÁLCONÈTE, s. m. Peça d'artelh. menor que 

o falcão. 

FALDA , s. f. hoje se diz Fralda, Palm. p. 2. 
cap. 45. a falda do arnez. 

F7\LDlSTÓRlO , s. m. Cadeira de Bispo , ou 
Abbade mitrado , ao lado do altar mór. 

FÁLDRA , s. f. V. Fralda. Palm. p. z. c. 68. 
" estava ao da faldra de huma pequena villa. " 

FALDRÈIRO : V. Fraldeiro. 

FALDRÍLHA , s. f. Fraldilha. 

FALECIDO , Falecer , Falecimento , &c. V- 



FAL 

fali — . B. T. 4: II. " falecido de gente para ma- 
rear três navios. 

FALGUER : V. rust. Fazer , trabalhar. Auto 
do Dia de Jiíizo. 

FALHA , s. f. Racha nas pedras preciosas. §. f. 
Defeito físico , ou moral. §. S^m falha ; sem fal- 
ta , ou fallencia. §. Falhas ; defeitos do enten- 
dimento , ou da vontade. Arraes , i. 10. : c. 4. 
22. " as falhas de meu engenho. " §• Dar falha 
a alguém ; passar-lhe por algumas culpas , offen- 
sas , defeitos. Albttq, i. c. 44. dar falha a suas 
mentiras ■■, passar-lhe por ellas. §. Dias de falhas ; 
em que se náo trabalhou , não viajou , não se 
negociou. " passado o tempo , e mais alguns 
dias que lhe deu de falhas , parecendo-lhe ser pre- 
so &c. " B. 4. 9. 5, §. Lancear contas sem fa- 
lhas j i. é , sem attender aos descontos , prejuí- 
zos , estorvos , e quebras , que sobrevem na exe- 
cução daquillo , a que lançamos contas. Eufr, 
4. I. §. t. Provim. Esmola que se dá ao Cura 
por certos padrenossos rezados por alma dos de- 
funtos. §. ffalhas no Elucidar, art. Camalho , deve 
ler-se solhas de armar : ai mesmo abaixo escre- 
ve : sseu , por, seu. 

FALHADO , p. p. de Falhar. 

FALHAR , v. n. Estalar fazendo falha : v. gi 
falhou este copo. §. No jogo de gamão ; não dei- 
tar os pontos necessários para entrar. § Quebrar, 
ter diminuição no pezo ; v. g. o metal , que se 
lavra , perdendo-se partículas miúdas delle ;. e 
assim as drogas, que se seção depois de serem 
pesadas huma vez. V. Quebrar, 

FALÍDO , part. pass. de Falir , ( Fallido me- 
lhor orrcgr. V. ) Negociante falido ■■, quebr:.do , 
que não tem , com que pague as suas dividas , 
ou letras ; que pòs ponto. §. Moeda falida : a 
que náo tem o pezo da Lei , ou de valor in- 
trínseco , quanto tem no titulo. §. Falto ; v. g, 
a mcdecina não he falida de remédios. §. A coisa 
que não tem a quantidade necessária ; v. g» 
amarra falida 71 a grossura ; canhão falido no me- 
taj. Severim, Notic. f. 18. §. Pobre. %. Minguado ^ 
e — ds bom entender. Obras d'elRei D. Duarte : tri- 
go — 5 mal grado. Calvo , Hom. 2. f 90. 

FALÍFA , s. f. ant. Pellica. Elucidar. 

FALÍJA , s. f. Arma de pelejar antiga , de que 
se faz menção no Nobiliário. " era tão gordo , 
que na batalha não pôde ter senão huma faltja 
delgada na mão, 

FALÍR. V. Fallir. 

FÁLLA , s. f. A voz humana articulada , coni 
que declaramos os conceitos. §. Discurso , prati- 
ca , que se faz a alguém. Arraes , 8. 21. Albuq. 
4. i. : andar de falias tolhidas com alguém ; mal , 
não se fallar com elle : e íig. " ^andáo de falias 
tolhidas com os gostos da vida. " Ftyo , Trat. f. 
114. col. 1. §. Estar d falia; faliando. §. Fir d 
\ falia o navio ; vir fallar, responder a outro. §. Le- 



1:^^ 



FAL 

tra da cantiga. Banos , e Pahn. p. z. c. 109. as 
falas (la cantiga erao singulares , e a soada mm 
galante, c bem composta. §. Falia, ou falha , anr. 
miunças , ou dízimos miúdos : ou o que se dá 
por não os haver pagado em consciência , e co- 
mo devia ser. Elucidar. 

FÁLLACE , adj. Fallaz. Eneida , 2. 82. exer- 
cito — . 

FALLÁCIA , s. f. Sofisma ; engano , que se 
faz com razões falsas , ou mal deduzidas. " Era 
hum poço de fallacias : " Eneida , 2. 16. Lus. 
Transf. f. 125. " hmna — envolta em roço man- 
to. " §. Engano. H. Pinto , /. 496. cot. i. as fal- 
lacias do miíndo. ed. de 6Si. Feyo, Trat. de S. 
£stev. as — da vida. 

FALLÁDO , part. pass. de Fallar. §. no sent. 
at. bem faltado ; por , bem fallance. Leão , Orig. 
M. Lhs. hum dos mais bem íallados homens , í. 
£f eloquentes. 

FALLADÒR , s. m. — òra , f. Que falia muito. 

FALLAMENTO , s. m. ant. Falia , discurso , 
razoamento. Ined. 2. 224. 

FALLÀNTE , part. at. de Fallar. Sá Aí. quan- 
do tudo era fallante , i. é , fallava. §. Bem fal- 
lante : o que falia bem , eloquente. J. d' Jigora , 
2. D. 2. f. 83. Feo , Trat. 2. f. yj. f. cot. 2. 
** avisadas , e bem fallantes as línguas dos mi- 
ninos. " 

FALLAR , V. at. Declarar os seus conceitos 
com palavras : v. g. a fallar a verdade ; em ge- 
ia! dizemos fallar a alguém , ou com alguém. 
§. Faltar, dizer: o faltem ao Regedor. Ined. 3. 
571. : a mim fallou-o em segredo, tb. pag. 1,6. 
§. Fallar por entre dentes ; i. é , de sorte que se 
tiáo ouve bem. §. Faltar huma língua estrangei- 
ra ; fallar Francez , Inglez , <b'c. §. Falta o ins- 
trumento , i. é , soa bem , e declara os aíFectos , 
que a musica pôde exprimir. §. Fallar a ponto , 
e a favas contadas , ( fr. prov. ) í. ^ , a propó- 
sito. Eufr. 5. 5. 191. §. fig. " por ella faltava 
a idade , o tempo , e a necessidade. " F. do Ar- 
ceh. I. 20. ( orar, advogar no fig. ou indicar, 
dar a conhecer. ) §. — se com alguém : conversar , 
saudar. §. it. tratar , praticar , entender se , acon- 
selharse. Ord. Af. I. 51. 4. concordar com elle 
em resolução. 

FALLÁZ , ad). Enganoso , que engana , faz 
cair em engano , enganador. §. Esperança faltaz. 
Eufr. 2. 5. Arraes , i. 2r. 



FALLECER , v. n. Faltar : v. g. 



nao 



lhe 



fallece talento , e capacidade. " Eu(r. 1. 5. " ha- 
verá duplicado o tempo que fatkcia. " Ord. Af. 
^. f. 117. §. Fallecer de algúa coisa ; ter de rr.e- 
nos. " quanto honem faltece da idade , tanto lhe 
fallece o comprimento do siso. " Ord. Af. i. 
59. 14. ef. 479. " posto que do dito avaliamen- 
to lhe fãlleça hum marco de priua " : L'fs. 6. 
I7. " não Jallecem os negro? misiihóes, " deixar 



FAL 7 

de vir; idem , est. 12. §. Morrer. §. Faltcccr cm 
coisa da sua obrigarão : faltar a ella. Lobo. 
§1. " falleceit có amor a seu irmáo : " faltou. 
Ined. I. 394. e 3. 99. fallecer da verdade : faltar 
a ella, có obras , não as comprindo. 

FALLECÍDO , part. pass. de Fallecer. Morto. 
hefaltccido, nos Ined. 3.91. diz-se : " tantos no- 
bres Marius som fattecidos per morte nas grandes 
batalhas. " Fallectdos pois equival a faltos , desap- 
parecidos por morte , ou por outro modo. §. Fal- 
to , necessitado. — de armas para a defesa. Cas- 
tan. 3./. 172. §. Lei — ; que não abrange có 
providencia a tudo o que devera. Ord. Aj. 2. /. 
223. §. Pimenta fatlecida em pezo. B. 3. 4. 7. 
moeda — ; que náo tem o pezo da Lei. 

FALLECIIVIÈNTO , s. m. Falta : v. g. por fal- 
lecimento de sangue , que se lhe foi : fallecimento de 
forij^as. B. Ciar. f. 15. §. Defeito de qualidade 
prudência! , ou moral para algum cargo , digni- 
dade , &c. Ord. Af. 1. f. 8. e 9. §. Morte : por 
fallecimento de seu pai, §. a cidade repairada 
lios fallecimentos principies ; i. é , nas coisas , 
de que tinha maior falta. Ined. 2. 482. §. — nas 
forças , e animo ; por velhice , &c. Id. 3. 77. 

FALLÈNCIA , s. f. Falta : v. g. sem fallencia 
irei ; cumprir o promettido sem fallencia. F. do Ar- 
ceh. I, 20. " todos os dias sem fallencia lhe man- 
dava a provisão necessária. " §. Falta ; por igno- 
rância , ou engano. M. Lus. na escritura não^ pj- 
de haver fallencia. §. Fallemias da Lei ; excepções , 
limitações. . . Ord. Af. 4. 72. 2. " recebe ( a 
Lei ) muitas fallemias. " 

FALLIEILIDÁDE , s. f. A qualidade de ser 
tallivel , sujeito a enganar-se. §. Sujeito a fallir : 
v. g. a failjbil idade destes negociantes , de cem- 
mcnio , dos ganhos : fallibilidade da vida; dos^ 
cálculos políticos , e predicçÕes deites. 

FALLÍDO , p. p. de Fallir. Falto do pezo , v. 
g. moeda — : que náo tem o numero certo, ou 
devido, Ord. Af. i. /. 449. Trigo fallido : mal 
grado. Calvo , p. 2. Hom. 

FALLIKÈNTO , s, m. O acto de fallir. §. anr. 
Erro , culpa punível. Ord. Af. 1. 6y. §. 2. Os 
que cahirem ... an cada hum dos fallimentos su- 
so ditos , que paguem por cada hua cooima dos 
mil reis. §. Fallencia de successo. Obras delJlei 
D. Duarte. §. Diminuição ; V- ^. — do justo pre- 
Ço : i. é , o que se deu de menos. Ord. Af. 4. 
f. 171. §. Morte ; peccado , culpa. Elucidar. 
§. Omn-iissáo , falta. idem. 

FALLÍR. V. at. ant. Enganar. " me has fal- 
lido. " Ferreir. Son. 73. L. 2. §. Fallir, neurr. 
fallir de bens ; f.izer banca rota , náo ter com 
que pagar aos credores , cair em total pobreza, 

FAl LÍVEL , adj. Sujeiro a enganar se. 

FALQUEÁDO , p. p. de Falquear. 

FALQUEÁR , V. at. Aparar com o machado 
a casca , e tanto do toro de madeira , quanto he 

ne- 



I 

i 




FAL 

necessário para que fique com quatro fac« re- 
gulares em quadrado: curros dizem Fãlq'iejãr. 

FALQUEJÁDO , patt. pass. de Falquejar. 

FALQUEJADÒR , s. m. OiUcial que fal- 

flueia. ^, ^ , 

FALQUEJAR , V. at. V. Falquear. 

FALRÍPAS, s. f. pi. chulo: Grenhss raras, 
e curras : tem quatro falripis na cabeça. 

FALSA , s. f. mus. Consonância , que por se 
ter dividido em tons , sem itons sai redundante, 
ou diminuta em hum semiiom. 

FÁLSABRÁGA , s. f. de FortiL Pequeno re- 
paro com largura de 4. toesas , guarnecido de 
parapeito , e banqueta ; cerca toda a praça i ser- 
íe íara delle se fazer fogo ao m.migo , mu. 
avançado já para a praça; ou para recolher en- 
tre o seu parapeito , e a muralha as ruínas do re- 
paro da praça. Fortif. Mod. corresponde a bar- 

hacãa dos antigos. . „ , ,r „,u„ 

FALSADO , part. pass. de Falsar. V. o verbo. 
- 5. f. seus ardis falsados : i. é , frustrados. Paiva , 

'^'faLSADÒR ■ s. m. Que faz falsidade , falsa- 
rio : V. g. falsador de sináes. 

FALSAMENTE, adv. Contra a verdade. 

FÁLSAPOSiqlO , s. f. comp. t. Arimeth. Ke- 
Sra de falsaposição ; a que ensina a achar os ter- 
mos incógnitos de huma proporção , suppondo 
ou sustituindo em lugar dos conhecidos , outros 
que tenháo huma razáo sabida , e verdadeira com 
os próprios termos da proporção. 

FALSAR , v. at. Falsificar. Orden, falsar o si- 
nal ou sello delRei, P. Pereira, i. C;. V — f ''^ ' 

las. Ord. Af. ^ /". 58. §. F^'-'^'- "''"^"^"'i^tfZ 
dar. §. Mentir, faltar a promessi. Elílcdai. 
§. Falsar o escudo; baldallo , fazello inútil ao -do- 
no , passando-lho com a lança. W. delsea, xyi- 
■*. onde foráo falsados turtitos escudos. §. talsar , 
n. baldar : v. g. fahão os pés a quem vai a ar- 
dar , quando os náo assenta firme.-nente ; Jaha 
a espada , que quebra , ou entorta a quem vai 
dar o golpe ■; falsa a armadora, que s2 deixa 
penetrar , ou resvala da parte que havia de co- 
brir , e deixa entrar o terro. B'i'-ro'i , ?. 9 \ 
" faUando-lhe h:m gorjal. " M. Ccncj. falsando 
oescudo. §. Falsar ( neutr. ) n balansa : pezar t'l- 
so. Canu Redond. §. Falsar os desejos cU alguém : 
ftustrallos , baldar lhos. F. do Arccb. « vio todos 
os seus desejos fahados. " §. Falsar , n a corda 
na mmica; dar som falso V. Falsear. §. Fals^.r 
a base da coluna ; dar de si , e nao a suster. 
§ Falsificar : v. g. Falsar ura testamento : alte- 
íándo-o', ou dando-o como d' algum morto. 
Merende , Lei. f. 1 0. como faz o falsano. 

FÁLSA-RÉDEA , s. f. Correia , que prende o 
íocinlio da besta ao peitoral , para lho ter sogi- 
2jdo , e recolhido com boa compc;tura. 

FALSÁRIO , adj. Qu; jara Kilso. §. Que ial- 



FAL 

sifica sináes , firmas ; que suppóe re-nmentos ; 
que falsifica escrituras. Ord. Af. i 1. ii^. ';-'. 
faiairos de moedus :que fazem moeda talsa. §. Que 
náo guarda o juramento promissório. 

FALSEAR , V. n. Falsear a corda ; dar só 
falso na mus. §. at. — as armas : V. Falsar. Cia* 
rim. I. c. 17. " lhe falseou as armas. 

FALSETE , s. m. Voz que contrafaz , e arre- 
meda o tiple. 

FALSÍ A , s. f. V. Falsidade , engano Sá Mír. 
sem falsia. Lobo , Egl. 6. " amigo puro , e sem 
falsia. " u rústico. 

FALSIDADE , s. f. Alteração , corrupção da 
verdade. §. Qualidade do animo enganador. 
FALSIFICACiO , s. f. O acto de falsificar. 
FALSIFICADOR , s. m. — ora , j. Pessoa que 
falsifica : v. g. — de Ultras , documentos , moeda. 
Cam. Carta i . da índia. 

FALSIFICAR , v. at. Arremedar , e contrafa- 
zer , v. g. o sinal de outrem , e dallo como fei- 
to por elte ; suppor escritura , que não foi feita 
entre as pessoas a quem se attribue ; falsificar o 
testamento , attribuindo o falsiroente a alguém. 
§, — a moeda ; cunhaila sem authoridade de quem 
tem o direito de a bater tora da casa da Moe- 
da. §. Falsificar pezos ; lazendo-os não conformes 
aos podróes públicos, e ass n também as me- 
didas sem o comprimento le^al. §. Im-tar o ver- 
dadeiro , e natural ; v. g. falsificar a composuao 
de hum remedw ; falsificar pedras , arremedando a 
sua composição , ou as naturács com cnstahsa- 
çóes artificiáes. . ^ 

FALSÍFICO , adj, poet. Que usa , pratica fal- 
sidades, a — Ninfa. Cam. Ejl. 2. p. es. 

FALSO , adi. opposto a Verdadeiro ; dcsron- 
forme da verdade : V. g. conto', jUizo , discurso 
falfo. §. F3ls'ficado: v. g. " nnács falsos , pezoSy 
moedas, medidas falsas. §. Fingido : v. g-^f^si 
amizade , riso , falsos carinhos. §• Sobre faho, 
ou em falso , no fg. i. é, sem fund^rncnto h- 
zico , ou de razão ; V. g. por o pe em filso ; yii- 
7-0 , ou raciocínio :}ue assenta em falso. §. P:dra — ; 
,T que imita a fina verdadeira. §. Chave Jalsa ; 
a que se faz para abrir alguma porra a furto, 
e com dolo. §. Fazer fiU.zs nossas esperanças i 
baldillis, en^anallas, trustrallas. Palmeir. 4 P- J- 
i<, §. Porta falsa; a que he escusa, e serve 
para despejos , e sabidas occulcas. §. Fechar em 
faho ; não entrando o belho , ou lingueta da fe- 
chadura no buraco que a segura. §. Trucar de 
falso; fazer cacha no jogo, dando a entender , 
que tem bom jogo no truque. §. Cttar de jalso ; 
I c, tenros , que não existem, ou aUerados. 
* FALSURA, s. f. antiq. Falsidade, alleivosia , 
má té. Cron. J. u p. i. c. 118. em documeu- 
tos. Ord. Af I. T. 10. . 

FALTA, s. t. Carência de alguma coisa ne- 
cessitada delia : v. g- /^'^^ '^^ '^^ » ^ -^"'^l^^f 

pao 



zirrs^ 




FAL 

pão qne soffremos , fnhn de prfideucia , geito , ha- 
bilidOiie, coruzia, Scc. §. Culpa, deleito: v. g. 
discobrir ^s faltas alheias. V. do Ârccb. l. 4- 
§. Cahir em falta , ou ficar em falta com alguém ; 
náo lhe guardando a promessa , ou não satisfa- 
zendo as esperanças , que se lhe deráo ; e assim 
" Deixar alguém em falta ". ( Amo do Dia do 
Juízo ) assobiar-Ihe ás bocas. 

FALTADO , sup. de Faltar : v. g. tem faltado 
muitas vezes á sua obrigação. V. Falto. 

FALTAR , V. n. Haver falta , necessidade ; 
náo estar , não sé achar o número certo : v. g. 
falta pio em casa ; para a conta falta bum vin- 
tém. " a lingua , que fahar em ter escritores ern 
todos os ires estilos , será pobre , e deleituosa. " 
Severim, Dhc. z. §. faltar com o necessário; náo q 
dar. §. Náo fazer a sua obrigação : v. g. faltando ã 
verdade , ou não a dizendo , faltando d promessa , o:i 
ao juramento : " ainda quefaltemos. " T. d' agora , 
p. 2. f. 58. i. (?, ainda'que faltemos a nossas obri- 
gações , e deveres. §. Náo acodir , náo valer : 
V. g. faltão-vos nas pressas , e apertos. §. Náo se 
achar : v. g. falta hum garfo ; o criado faltou 
de casa esta noite. §. Faltar pouco : v. g- pouco 
faltou (jue o não matassem -, pouco lhe errarão de 
o matar , tiveráo-no quasi morto , ou esteve per- 
to de ser morto : pouco lhe faltou para desespe- 
rar , ou esteve quasi desesperado, §. Faltar da 
palavra , ou da promessa. Eujr. 2. 5' "áo a guar- 
dar. 

FALTO , adj. Carecido , necessitado : v. g. 
falto de dinheiro , de prudência , de forcas , &c. 
§. Defeituoso : v- g. este livro está falto de al- 
guma folha , ou quaderno. §. Moeda — ^ V. Falida. 
§. Falto : que se náo verificou , compriu , que náo 
succedeu , não se executou. " sendo quebrada a 
té, o accordo falto. " Eneida , 12. 68. 

FALVALÁ , s. f. V. Falbala.'' Nas sayas 
das mulheres , se poderá pòr . . . ou dous fal- 
vala-zes. Lei Sumptuária. 

FALUA , s. f. Embarcação de vela » e de or- 
dinário tem 4 remos , com tolda , andáo no 

Tqo. , ,,, 

FALUÈIRO , s. m. O arrkes da falua , ou 
os homens que a mareão , e remão.^ ^ 

FAMA , s. f. Reputação » credito a cerca .dos 
talentos , e costumes ; boa ou má. §. Vir ajama 
( no Nobiliário ) cair em discredito , ou ter ma 
tama : tomad. á má parte , v. g. uns roubào , 
outros levão a fama : " afama a tt se poe do 
meu peccado. Cam. ELgia 11. §. Noticia, que 
se dá, ou tem de algum successp ,ou pessoa, 
V. g. ter fama de hum 'homem , 4(1 jua mor- 
te, i. é , ter noticia. V. Palmer, 4. p. -.fy^y^' 
as famas que delle havia yi. é , ,noticia?,c.§. Em- 
palhar fama ■■, noticia. §. FamaX na Ãsia ) pro- 
cessão , com que lá anuncião ao público o prin- 
cipio de alguma novena. §. Famas , plur, noticias ; 
ZquI' II. . - 



FAM 9 

reputações. <' Ql(e nossas altas famas injuria. ". 
Cam. " Grandes nomes antigos , grandes fa- 
mas. " Caminha , Pocs. f 66. que/^HWí lhe pro- 

metterás. Lus. 4- 97" , c ■ 

FAMÁCO , adj. Miserável, pobre, tammto." 

p. usado. , • ,- p 

FÀME, V. Fome , como hoje dizemos, ii. 

Gram. f. 11. y •!■ 

FAMELIAIOS , ant. V. Fâmulos , Familiaref; 

Elucidar. _ 

FAMÉLICO, adj. Faminto, esfaimado. Leão i 

e Camões. 

FAMIGERADO , ad). Afamado , famoso. 

FAMÍLIA , s. f. As pessoas , de que se com- 
põe a casa , e mais propriamente as subordina- 
das aos chefes , ou pais de família. §. Os paren- 
tes , e alliados. §. Eilho famílias , t. jur. o que 
está sob o pátrio podet. 

FAM1LIÁ1R.1A , s. f. 

FAMILIÁIRO, s. m. ant. Pessoa, que se re-»' 
puta da mesma familia , congregação , ordem. 

Elucidar. c r^ 

FAMILIAR , s. m. Pessoa da família. §. ta- 
miliar do Santo Offic\o ; o homem » que feitas ^as 
provas de limpeza de sangue , tem carta do l ri- 
Lunal para servir em diligencias delle ; e gosa de 
certos privilégios , em razão de ser da casa, e 
seu serviço. §. Demónio, que certos mágicos, 
ou feiticeiros dizem ter á máo , e a orelha para 
os servir , e dirigir nas suas operações ! §. CoUr- 
to , 5. 6. 4. " feiticeiras , familiares , benzedei- 
ras , e lançadores de Espititos mãos. §. tx- 
mulo: os — ; commensaes de casas Religiosas, 
que talvez tomáo sinal do habito da Casa ; do- 
iiatos ; Príncipes e pessoas externas afiliadas an- 
tigamente aos mosteiros. V. Eluctd. art. J^amí- 
liares ; Confrades , quasi frades. 

FAMILIAR , adi. Da familia , caseiro , do- 
mestico ; e f. mtimo , sem cetemonia , que tem 
familiaridade : v. g. " exemplos familiares Vi- 
eira ; carta familiar , para pessoa , que tem u- 
miliaridade com quem lha escreve : prattca fa- 
miliar; simples, náo estudada, desenfe.tada,. 
como a que temos com as pessoas da família , e 
as ordinanas.§. Usual, habitual , e acostumado. 
^' tão familiar aos Religiosos o trabalho manual. .. 

V. do'.Jrceb. I^ I7r • >. . . , 

FAMILIARIDADE, s. f. Amizode , ou con- 
vivência sem ceremonias , e como d entre pessoas 

da familia. . . r 

FAMILIARIZADO , p. p. de. Familiaiizar. hg.; 

— T- com os vicjos , com os crimes. . 

' FAMILIARIZAR, v. a. Fazer alguém fami- 
liar em algúa casa,, conversação. §. Acostumar 
com a. ftSjuencia : v. e. >'"'""^'^,^-'' °;„;t"" 
nhos com os perjgos ia guetra. §• -f^^";'''^;^" 
zar os novatos com os anciãos. §. — se , renex. 
fazer-sc familiar , e intimo cotn alguém , de sor- 

B ' ' 




t 



VM^:': 



Ã^wx;^^" 



ÍO 



FAN 



té } que se não hajão como ejtranhos , ou com 
03 respeitos , e ceremonias usiidas entre pessoas , 
qUe não sáo familiares. §. e t. Fanitliarhãr-se 
çom os objectos , conhecendo-cs , acostumando-se 
a elles. §. Emparerjtaí-se , alliat-se com tamilias. 
M. L. " os Laras tão familiarizados neste Rei- 

no. 

FAMILIARMENTE , adv. Com familiaridade ; 

sem ceremonias. 

FAMILIO , s. m. ant. Fâmulo , familiar da ca- 
sa. D' Ottãm , pag. 624. 

FAMÍNTO , ad]. Que tem muita fome, §. f. 
■ — de homas , de novidade , ò-c. mui desejoso. 
§. Gião faminto ; peco , mal nascido , que dá pou- 
xz farinha. Couto , D. 10. 
^' FAMÓSAMÈNTE , adv. Egregiamente. 

FAlViOSÍSSIMO , superl. de Famoso. Lus. 2. 
58. " rumor — , e preclaro. 

FAMOSO , adj. Famigerado 3 celebrado com 
boa fama. §. Ladrão famoso , que se tem distin- 
guido por seus crimes, júrraes , 4. 50^ §. No- 
tável. 

FAMULÁDO , s. m. Acompanhamento , ou 
número de pessoas familiares subalternas , como 
criados , &c. M. Lus. ter obrigai^ão de famu- 
lado. 

FAMULÁR , V. at. Ajudar , auxiliar. " todos 
os membros, ajudando-se, e famulando-se muiui- 
mente. " p. usado. §, Servir como tamulo. " fa- 
mulassem a Senhora. " /í/o , Trat. 2. f. iz. ir. 
tol. 2. " famulando nesta parte a Divindade 
de Christo a sua humanidade. " idem , /". 45. ;i^. 

FAMULÈNTO , adj. poet. Faminto. Camões. 

FÂMULO , s. m. ( nas casas dos Bispos , e 
nos Collegios ) Moços estudantes , que servem 
á meza , e acompanháo , e fazem outros serviços 
familiares. 

FANADO , adj. Circuncidado. Castan. L. 5. 
/. I ^7. Mouros fanados ,' e alfenados. Azurara , 
cap. 60. " deixai vós os fanados. " §. Que não 
tem a largueza, ou fralda , e roda sufficiente : 
V. g. saia fanada. §. f. Miserável j pobre , mal- 
tratado : V. g. putinha fanada. 
■ FANADÚRA , s. f. A circuncisão , o acto de 
circuncidar. D' Aveiro, c. 81. 

FANAL , s, m. O farol grande do Navio. Mau- 
sinho , 2. ° cerco de Diu. " o luzÈnte fanal da 
Capitania. '' 

FANÃO , s. m. Moeda 'de ouro baxa , que 
vale vinte reis; Barros : Lucena diz, que 4(2& fa- 
nóes valem 4C0 crusados. §. Fanão na Ásia , he 
como entre nós o quilate á cerca das pedras 
preciosas.'^ •'''" i-"- ■' . /Í/a; ; ,.ri/l 

FANAR'-, 4. át;vGírcutiddar."^'vf/í>«,^!'3.*'p; V. 
14. Casvan^-^.L'.' 9. /. 107. §. Fainar (y ^vestido ; 
diminuif-lhe a largueza das fraldaá. §. Agorentá- 
lo muito. 

" f ANÁTICO , adj. O louco , desvariado , que 



Fi\N ^ 

imagina ter inspirações , e revelações. 

FAiSATÍSMO , s. m. O erro do fanático. 

FANCARÍA : V. Fanqueria j vulgarmente se 
diz fancaria. §. no íig. " ha huns virtuosos que 
o são de fancaria. " Feo , Trat. 2. j. 284. i^. 

FANCHÃO , s. m. V. Fanchono. Fanchão , B. 
P. Prozodia , verbo : Dcpyx. 

FANCHONÍCE, s. f. Vicio do fanchono , mol- 
licie.. 

FANCHONO , s. m. O puto agente , dado ao 
peccado da moliicie. §. Simão Macb. Com. f. 7. 
^. ''• Se arruais sois vadio ; fanchono se sois ca- 
zeiro : " i. é , molle , aífeminado. Ftrr. Liido , 
4. ^. ( de um bobo alcoviteiro ) " que hum 
— se vá rindo assi de mi. 

FANECA , s. f. Peixinho miúdo do mar. 

FÀNEGA , 5. f. V. Fanga. 

FA-NFARR^^O , adj. m. Jactancioso , ronca- 
dor j que piomette , e se jacta de ter feito mais 
do que pôde , em coisas de esforço , e libera- 
lidade ; o que traja mais custosamente do que so- 
frem as suas posses. Queirós. 

FANFARRARÍA, s. í". Fanfarrice. Eufr. i. 2. 
em promessas. 

FANFARRÍCE , s. f. Vicio do. fanfarrão , ja- 
ctância mentirosa de bravuras , larguezas , bizar- 
rias. F. Mendes , c. 6ç : orgulho do fanfarrão , 
hombridade , que assenta em falso. M. Lus. pa- 
garão caro a fanfarrice cem que hião. 

FANFÚRRIA , s. f. vulg. V. Fanfarrice ; cx- 
pressão jactanciosa do que a diz , para apoucar 
outrem. Eneida , 9. 1 50. dizer janfurrias. 

FÀNGA , s. f. Medida que leva quatro al- 
queires de pães , e grãos. §. A fanga de carvão 
de pedra são 8 alqueires cogulados. §. Fangas \ 
casas públicas onde se vendia o pão em grão. 
" a rua das Fangas em Coimbra, " Elucidar. 
" Em ajgúas villas dès o pobramento da terra , 
nunca houve Fangas ; e vendia cada hum o pão 
em sas casas , e pela villa , hu sse pagava. " ( on- 
de se contentava , ou lhe agradava de o vender. 
V. Pagar-se. ) 

FANGAPÈNA , s. f. Instrumento , de que o 
gentio do Maranhão ■ usa para cortar pedra, ^i- 
eira. 

FANHOSO , adj. O que pronúncia mal , por 
tláo soltar quando falia o ar poios narizes ; gan- 
gosd. ■ ' 

FANÍCO , s. m; vulg. Migalha , porção mui 
miúda. §. Carro , ou bestas do fanico , que andão 
fazendo carretos a caso , e ganhando pouco , e 
pouco; e assim meretriz, que anda ao fanico , 
a que riáò tem- amigo certo , e ganha sua vida 
castialtneijt»') € a pouco máo-preço. §. "^ogo de 
jjkn/fo ?ofítie'se''ioga barato, ou nào-fotte , nâo- 
grosso, , - ! . V- 

FANIQUÈIRO , adj. Que trata e ganha , co- 
mo OS do fanico i do jogador que pára pouco , 

ou 



FAN ^ 

ou faz jo^uinl-ios bAr.itinhos , cambem se diz fa- 
niil. que é jogador faniq/ieiro. 

fAnO , s. m. Templo de idolatria. Fieira. 

FANQUEIRO , s. m. Mercador que vende 
lençaria^^de linho, ou algodão: fatiqieira , fe- 

min. 

FANQUERÍA, s. f. Rua de fanqueiros. §. Obra 
de fanqucria. V. Fancaria. 

FANTASÍA , s. f. A faculdade, que tem a 
nossa alma de conservar as ideias dos objectos 
materiaes, e de compor, e descompor as suas ima- 
gens. §. fig. Phuor de fantesia , que segue o seu 
capricho , e não a regularidade de imitação da 
natureza. |. Imagem do objecto , que está na hm- 
tesia. §. Eftfr. 2. 5. cair alguma íoisa em fan- 
tesia ; viilhe ao pensamento , por ousadia , e 
presunção. §. Piesunçáo. £ufr. 2. 4- e 5. 2. 
I sois mulheres de vossa fantezia : Suberba , opi- 
-^ nião vá de si , e de suas cousas. Jiílcgr/ij. f. 
i^%. fnnteziãs sem alicece : /ííhí/zs/^í de donz-el- 
ias não ha quem como eu as qitére. Cam. An- 
fitriões. §. Famezias em musica ; prelúdios , ou pe- 
ças , que tem alguma irregularidade, em que o 
compositor obedece mais ao capricho de sua fan- 
tasia , que ás regras da arte. §. Lcvar-se de fan- 
tasias ; seguir os impulsos da imaginação , sem 
consultar a razão , e a prudência ; dar credito a 
coisas imaginarias , sem fundamento. §. Ficção ; 
V. g. fantasia poética. Brilto. Imagem poética. 

FANTASIADO , pare. pass, de Faniasiar. Fin- 
gido peia fantasia. Co^ninho , Proemio : realidades , 
e não fantasiarias imaginares. 

FANTASIAR , V. at. Imaginar , trazer na 
imaginação algum cuidado , ou objecto cercado 
por ella. Palm. p. 2. c. Hf. os cuidados longe 
de sua pena sempre fantesião algumas magina- 
cões , com que podem descancar. §. — : intrans. 
imaginar , compor , e descompor as imagens , 
que se conservão na fantasia , fingir objectos , 
e coisas imaginarias. Barros : veio a fantaziar. 
M. Lus. alguns modernos levados do que^fanta- 
seão : estar fantasiando , imaginando. Camões, 

FANTASIOSO , adj. Cheio de fantasias. §. Pre- 
sumido , presunçoso , vaidoso. Eujr. z. 7. 

FANTASMA , s. m. e, fem. Imagem, que s° 
representa á fantasia. §. Representação de figu- 
ras medonhas , espectros , sombras de mortos , 
&c. H. Dom. ^. p. L. i. cap. 8. huma fantasma. 
Palm. p. 2. c. 99. aqfiella janiasma. Eneida , 8. 
71. Nunca fantasma alguma amedroncar-te Po- 
de. 2. cerco de Dia , /. 245. " a quem fantasma 
appareceu de noite. " §. Sombra vãa : v. g- hum 
triste janMsm^ dm gríindez^ : Nebiltar. f. ^6. er(t 
fantasma n,^s Lides ; i. é , não pelejava nas ba- 
talhas, §. Os filósofos também dizem os fíint.is- 
mas impressos , e expressos. 

FANTÁSTICO, ad). Que nâo tem ser , senão 
na fantezia , e itnaginaçvto : v. g. fídm janta^- , 



FAR 



II 



tico bem. Camões , écloga i. imagens ,_^ e fantás- 
ticas pinturas diante dos olhos lhe voavão. §. Fen- 
da , credito , obrigado fantástica , i, é , fingido , 
simulado, em que ha representações faltas; v. 
g, venda — ; em que ha um fingido vendedor , 
e cóprador. " a armada era fantástica : " ( por- 
que não leva senão 500 homens ) Couto , 8. 2^. 
§. Homem fantástico ; o que dá mostras da alta 
opinião, que tem de sr, fantazioso. Eneida ^ p. 
78. c'o foberbo , ,e fantástico Rhamnetes. 

FANTÁSTIQUÍCE , s. f. Ostentação de con- 
fiança nas próprias praidas. 

FANTEZIA , s. f. V. Fantasia. Eufr. e Aulc 
graf. 

FANTEZIÁR. V. Fantasiar. Pai p. l.c. i^^. 

FANTÍL, adj. Cavalloy ou egoa fantil ; bem 
feito , de boa grandeza para raça , de marca. 

FAQUEIRO, s. m. Estojo de facas, garfos, 
e colheres. 

FAQUINHA , s. f. dim. de Faca. 

FAQUÍNO , s. m. Moço de servir , e varrer 
na Patriarcal ( do Ital. Fachino ). 

FAQUÍR , s. m. Asiat. Penitente. 

FARACÓLA, s. f. As. Pezo de 18 arrateiíç 
B. i. 10. 6. •'•' 

( FARÀNDULA , s. f. 

( FARANDULÁGEM , s. f. Pessoa , ou coisa 
de pouca conta , como são farçantes. 

FARAOTA , ou Farauta, t. do Minho, si f. 
Ovelha velha. 

FARÁUTE, s. m. O lingua , interprete; arau- 
to. Couto , 4. 6. " porteiros , farautes ( arautos ) 
e hum Rei d'armas desbaratado. " §. O corre- 
tor , e medianeiro de alguma negociação entre 
duas pessoas. §. O guia , chefe , cabeça d'i?l- 
guma empreza. /írte de Furtar. 

FÁRÇA , s. f. Drama ridiculo , menos artifi- 
cioso que Comedia. §. f. Scena cómica , successo 
ridiculo. Lucena, Fieira : tomavão o que vião 
por farça , e jogo : com desprezo , e far^a. Cas- 
trioto. §. " A morte dá fim á farça da poten-, 
cia hum.ana. " Arraes , 8. 4. . 

FARqÀNGA , s. f. Medida Itinerária Persia- 
na de ^o estádios. V. Parasanga. Barros, 2. 
8. I. " Far^ariga... medida a que os Gregos 
corruptamente chamarão parasanga. 

FARÇÀNTE , s. c. Pessoa que representa far- 
ças. Lobo. Feo, Trat. z. f 198. f. 

FARÇANTEAR , v. n. Fazer vida de farçan- 
te. §. Reprezentar ridicularisando , e como far- 
ça , arremedando , ou imitando ridiculamente. 
" Os Dramáticos daquella era farcanteavao a 
Paixão de Christo , o Dia de Ju.zo , e os Mys- 
terios da S. Religião. 

FAPvCÍSTA , s. f. O mesmo que Farçante. 

Lucena , /. 514. , .. , i •• ' j^ 

FARDA , s. f. A libré militar. §. Libre de 

criado. .ao 

r> ii íAR- 



Fí 




FAR 



FARDADO , part. pass. de Fardar. 

FARDÁGEM , s. h A fardagem de hum exer- 
cito, os btdos de provisões , e outros apare- 
lhos, cargas. B. 4- 6. 4. " carretas em que hia 
a fardagem delRei : " Ciar. f. 185. f. col. 2. 
*' fardagem de mais pejo , que hia i\o navio. 
P. Per. L. i. c. 15. §. Escudeiro de Jardagem ; 
o que por náo ser homem de feito , se punha 
cm guafda dos fardos , e carruagem. Eufr. 5. 1. 
hoje dizemos bagage. §. Mulcidáo de tardos de 

carga. 

FARDAMENTO , s. m. us. Provisão de far- 
das militares : v. g- dar — d tropa dt linha. 

FARDAR , V. at. Prover de tardas aos sol- 
dados , cu de librés aos criados que as trazem. 
FARDEL , s. m. O envoltório , ou lió de 
provisão que se leva para a jornada. Sd 
Jldir. e " fardel de pedinte nunca he cheio. " 
FARDELÁGEM , s. f. V. Fardagem. Cron. jF. 
I. c. 27. Com toda a fardelagem que vinha na 
vanguarda. F, Mend. Cap. 117. e cap. 326. 

FARDO , s. m. Huma porção de drogas , ou 
mercadorias seccas-eivvoltas , e conchegadas para 
se carregarem facilmente : v. g» fardos de ar- 
roz , tâmaras , pimenta , de papel , &c. baila 
§. Pezo , carga. 

FAREJAR , V. at. ou neutro. Tomar o faro , 
indagar peio olfacto , tomando o taro : fariscar. 
FARELÁGEM , s. t. Multidão de farelos. 
FARELÈNTO , adj. Que tem muiro farelo. 
FARELÍNHO , s. m. dim. de Farelo. 
FARELO , s. m. A porção mais grosseira , 
que se separa do trigo , depois de se separarem 
as sêmeas na peneira. §, í. Coisa de pouca va- 
lia. " a caridade, quando por vãgloria náo le- 
ve farello do mundo. " M. Pinto , c. 104. Usa- 
se de comum no plural. 

FARELÓRIO , s. m. chulo. Coisa de pouca 
valia. 

FARETRÁDO , ad). Armado de aljaba , e 
setas. Ekgiàda , Canto 5. 
(FARFALHA , ou 

( FARFALHADA , s. f. vulg. Bulha , estrondo; 
fazer farfalhada na viola , ou f aliando alto com 
alegria , &c. 

FARFALHADÒR , s. m. O que faz fai fa- 
lhada. 

FARFALHÃO , V. Farfalhador. Falador alegre, 
FARFALHAR , v. n. Fazer farfalhada, §. Pal- 
iar muito , e tolamente ( effutire ). 

FARFALHARIAS , s. t. pi. Palavras ineptas , 
e vangloriosas. Eufr. ProL 

FARFALHAS, s. f. pi. — de ouro , e prata ; 
as faíscas que o ourives tira limando, lavrando 
ao buril. &c. 

FARFÀNTE , s. ou adj. O vanglorioso , que 
conta altas proezas; fantarrão. Leão, Orig, f. 
}i6. JBneida i 10. ()i. farfama esquadra. 



FAR 

FARÍNHA , s. f. O pó de páes moidos , c 
de outras raizes tarinaceas como a mandioca , 
Scc. 

FARISCAR. v. at. Tomar o faro. " O cáo 
Jarisca os cantos da cozinha. " Farejar. 

FARMÁCIA. V. Pharmacia , Phatmacopea. 
FARNEL , em pleb, por Fardel de fardo , 
f ar d age , &c. . 

FARNESÍM. V. Frenesi. 

FARO , s m. O oltato dos cães , e outros 
animaes , que os faz presentir ao longe a sua 
relê , ou pessoas conhecidas ; ou os guia pelas 
suas pizadas ; diz se das aves de rapma , e ani- 
maes de caçar , e prear. £ern. Eibetro , egloga 2-. 
" hum cáo de grande faro. " §. O cheiro, 
exhalaçáo que os corpos deitáo de si. " os abui- 
tres a quem trouxe o vento da gente na cam- 
pal guerra detunta o faro funeral. " Mausinho y 
J. 97. ult. ed. f. " como lhe desse o faro do pec- 
cado. " Lucena , /. i ^7. §. Faro ; poi , leve no- 
ticia , indicio. Barreiros , /. 35. §. Jo faro de 
outros , f. seguindo as suas pisadas. Eíifr. 2. 5. 
§. Ardido no faro ; he o cáo , que o tem múi 
agudo , e vivo ; e no f. o que prevê , e con- 
jectura muito ao longe. Eufr. 2. 7, §. Dar com 
o faro a alguém ; descobrir os seus intentos , 
projectos , tenções. Eufr. 4. 6. §. V. Farol. Ca- 
minha, Pões. f. 65. " Es hum lúcido e formo- 
so faro. " no fig. 

FAROL , s. m. Lampião de poupa do navio ; 
faur farei ; allumiar aos navios para seguirem 
a mesma esteira de noite. Epanaf. §. e na espa- 
dilha , fazer farei , he lançar a carta de cujo 
naipe tenho o Rei para avizar o parceiro. §. fig. 
*' não posso errar seguindo o farol de S. Pao- 
lo. " ^. do Arceb. i. c. 25. Seguir o farol da 
boa razão , da Rívelaç^ao ; da Critica ; dos dieta- 
mes , e exemplos , dos prudentes , e virtuosos. 

FARPA , s. f. Tira pendente do pendão , ou 
estendárte recortado angularmente , aguda. §. As 
barbas do anzol , e das setas , para que finca- 
das não saião com facilidade. §. Farpa da bor- 
boleta , e insectos. V. Antenna. F. de D. Paulo de 
Lima. §. Tira de coisa rota , farpada , ou esfar- 
rapada. 

FARPADO , part. pass. de Farpar : veja o 
verbo, roupas — devia trazer o tabelliáo. Orden. 
Af. I. T. 2. i. é , curtas , leigaes , e não as 
fraldadas , e talares clericaes. 

FARPÃO , s. m. Arma de guerra , espécie de 
dardo , ou grande seta com haste grossa , e fer- 
ro com barbas , ou farpado. Ekg. f. 260. des- 
parado com besta. Couto , 6. 7. 7. §. Grande se- 
ta. §. e f. poet. os farpões de amor. 

FARPAR , V. at. Recortar em taipas , ou fa- 
zendo angules reintrantes , e salientes. §. Armar 
de farpas ; fieira : para vos se farpão (s anzõcs ; 
farpar fis mas, faxer-lhes bartas. f. Recortas 



FAR 

o vestido em farpas , ornato anti;5o. Btar. ã'Ou- 
nm , /, 604. , e 905. saios Jarpadcs oppóstos aos 
talares clericaes. §. Língua farpada, como se re- 
presenta a da serpente com três pontas angula- 
res. §. fulhas farpadas , que tem recortado an- 
gular. §. Fazer-se em tiras: v.^. o panno far- 
pou. § Farpou o vento as velas. V. Farpear, 

FARPEÁR , V. at. Ferir com farpão , har- 
poar. — o toiro. 

FARRÁGEM , s. f. Miscellanea de coisas mal 
ordenadas. 

FARRAGíÃES , s. pi. de Ferregial : agro de 
ferra, Eh.vdr. i. pag. 10;. 

FARRA('òULO , Ferragòulo, Ferraiuolo : ca- 
pote de mangas. Li de 1609. Farragoulo ; Far- 
rai^cilo. Lciíúo, Li.ú. 5./. 86. V. Farrai'íclo. 
Ferra;jo.'tlo. Lide 1609. E no ^uto d' declama- 
ção do Sr. D. João jy. o Príncipe vestido de 
tela branca com ferragoub de gorgoráo preto 
por cima. 

FARRAPlO , s. m. Que anda vestido de far- 
rapos. 

FARRAPARÍA, s. f. IVlultidáo de farrapos. 

FARRAPO , s. m. Panno roto , peças de pan- 
no roto , trapos. 

FARREGÒULO. V. Ferragòulo. 

FARRICÒUCO , s. m. chulo. Gato pingado , 
o que carrega a tumba da Misericórdia, 

FÁRRO , s. m. Caldo grosso de cevada pila- 
da ; cevadinha lhe chamáo hoje nos botequins, 

FARRÒMA j s. f. vulg. Fazer farroma , bra- 
vatear, roncar, dizer fanturrias. 

FARROUPÍLHA , s. c. Pessoa esparrapada, 

FARROUPÍNHO , s. m, O porco de menos 
de hum anno , que já não he bácoro ; o mar- 
ranito. 

FARRÒUPO , s. rr. Porco. Regimento dos Ver- 
des , e montados , cay. ?. " Farròupo he o porco 
que ainda não passa de anno. *' ibi §. 4. Sist. 
dos Reg. t. 6. f. 561. 

FARRUMPÉO , s. m. chulo , Farrusca. 

FARRÚSCA , s. f. Espada velha ferrugenta. 
• t. chulo. 

FARSÓLA , s. c. Pessoa , que se mette a di- 
zer graças , e arremedar para excitar riso. §. O 
que quer parecer mais do que he, fanfarrão. 

FARTADÉLLA , s. f. Tomar ÍMma firtadã- 
la , comendo , ou satisfazendo outra necessida 
de, ou pr.zer : y. g' huma fartaddla de mu- 
sica , até ficar farto. c. jamil. 

FARIM-DO , sup. de Fartar : v. g. tem — a 
Urra , a fome. Farto é part. irregular. 

FARTALÈJO , s. m. ( B. Pereira traduz //- 
xula ) Espécie de massa feita de farinha , agua , e 
queijo , pollenta, 

FARTAR , V. at. Satisfazer a fome, ou de- 
sejo ; e f, o ódio , amor ; a vista em algum obje- 
cto. Fieira ; fartar a fome de todos os outros de- 



FAS 



U 



zejos : a impiedade fartou-se na innocercia. D. 
Frmc. de Port. Fartar o dezejo. Gallcgos ; a vista. 
Lobo. §. yí fartar , i. é , até ficar íarto , enfar- 
tar , embeber bem os poros de algum corpo com 
outro liquido. " as cores na pintura a fresta j 
fartem bem a cal. " Jrte da Pint. f. 72. 

FÁRTAVELHÁCO , s. comp. Fruio de — ; 
grande , e grosseiro , vulgar. 

FARTE : antigamente diziáo : (jUe farte ; 
por , assas : v. g. virtuoso que farte. Rfsende , 
Misc. 

FÁR.TEM , s. m. Massa doce mais , ou me- 
nos _delicada , envolta numa capa de massa. " Po- 
derião vir comer os farteis em suas casas. " D. 
F. Manoel , Cart. 45. Cent. 5. Fartem dizem ou- 
tros. 

FARTO , part. pass. de Fartar. Farto de to- 
mer , de dormir, de brincar ; i. é , satisfeito. §. Ter- 
ra farta ; onde ha muitos viveres , e outras 
provisões. §. Livro farto de noticias ; quasi re- 
cheado , que tem grande copia delias. §. Ho- 
mem farto de honras : trazer a vista farta de al- 
gum espectáculo ; os ouvidos de musica , <&'C. 

FARTURA , 5. f. No próprio , he recheio ; 
usa-se no fig, o que basta , abundância , copia , 
com que não se sente falta : v. g. fartura de 
mantimentos. M. Lus. %. Satisfação da fome , e 
outros desejos. 

FASCÁL, s. m. Monte de páo junto da ei- 
ra , donde se vai debulhando. Góes , Cron. M, 5. 
p. c. 31. ou montes de trigo, que se fazem ao 
segar , cada hum dos quaes he carga para hum 
carro. Ined. 3. 

FÁSCES , s. plur. fem. Feixe de varas, no 
meio das quaes hia enxerida huma secure , in- 
sígnia do dire'to de punir, que levaváo os licto- 
res diante dos cônsules Romanos. JlL, Lus. e 
Arraes , 4. 13. e 7. i^, fdsces , e insígnias Prete- 
rias. V. Fach;i no ulr. sentido. 

FASCINAÇÃO , s. f. Olho máo , olhado, que- 
branto. 

FASCINADO , part, pass. de Fascinar. 

FASCINANTE, part. at, de Fascinar, O que 
fascina. Os olhos — . 

FASCINAR , V. at. Dar olhado, ou quebran- 
to. §. f. Enganar , hallucinar. 

FASQUÍAj s. f. Pedaço de taboa estreita, 
comprido. 

FASTA , adv. ant. ( de hasta Castelhano) 
Ate. Elucid. " Fasta o fim de Setembro. " 

FASTIDIOSO , adj. Que causa fastio i tedio- 
so ; molesto , enfadonho : V. g. fastidiosa clau- 
sura , discurso , leitura , subdivisão , <ò'C. 

FASTIÈNTO , adj. Que causa fastio: V. g, 
comer — . Barros. §. Que tem fastio , ou que de 
tudo se enfastia, id. 1. 4. ti. " os laz fastiet.- 
tcs no trabalho d« as querer contar^ " Ârraes y 

10. 84. 

fAS- 






*í'- ■ *'.• 



14 



FAT 



>Jv 



FASTÍGIO , 8. m, Cume , eminência : v- g. 
« atreveu-se no fastígio dos Reis. " Macedo , Do- 

fíiin. p- usado. 

FASTÍO , s, m. O tédio , ou aversão ao co- 
tner ou a cettos comeres , por doença , ou ou- 
tra causa. §. Enfadamento : v. g. os fastws do 
mar: Fieira; ds maiores delicias se segue logo o 
fastio d'ellas ; fazer faseio aos ouvintes com se;í 
discurso ; aturar os fastios de h;ma dama , i. é , 
as suas repulsas com mostras de desagrado : o 
fastio q'ie tinha aos infiéis , e hereges. Fios Sana. 
V. de S. Theotonio. §. " Palavras , a que pov^emos 
chamar fastios de gente doente de ingratidão. " 

£. 4. Prol. 

FASTIÒSO , adj. Fastidioso. Mrraes , i, 20. 

Tácito Portug. Prol, 

FASTO , s. m. Ostentação de grandeza , po- 
der , riqueza ; pompa, magnificência. §. Suber- 
ba, altiveza. Vieira ■■, Senhorio sem fasto : bi- 
bliotheca para fasto , e mo para estudo. Farella. 
§. Os Fastos consitlares ; registos , ou escrituras an- 
nuaes , em que se apontava o nome dos cônsules 
eleitos , e os successos notáveis do anno. §. V. 
Fausto. Corte Real , Nauf. f. 42- ^rraes , 7. 15. 

FASTO , adj. Feliz , prospero , o contrario de 
nefasto, dia — : Azurara, c. t,i. 

FASTÒSO 5 adj. Cheio de fasto , suberbo , al- 
tivo. ,T. 1 1 

FATÁCA, s. f. Peixe , a que no Mmho cha- 
máo Tamha , ^em Ribatejo ( tagana ) espécie 
de mugem grande. 

FATACÁZ , s. m. pleb. Grande pedaço : v. g. 
hum fatacdz de pão. 

FATÁGE , s. f. O acto de revolver , e reme- 
cher em fato. Eufr. 4. i. 

FATAL , adj. Que succede por força do fa- 
do segundo os Gentios, entre os Chri^dos se- 
gundo a ordem da providencia não opposra á li- 
berdade humana. §. Funesto. §. Destinado pelo 
fado : o varão fatal ; o momento fatal. §. Que 
parece succeder sem culpa nossa , e por ordem 
superior de Deos. 

FATALIDADE , s. f. Successo , que parece 
ordenado pelo fado ; para que os homens^ ctem , 
que não concorrerão , e que náo poderão ata- 
lhar. §. Caso fortuito. §. Caso funesto. §. Con- 
sequência , e inevitável de alguma acção. 

FATALMENTE , adv. Com fatalidade , por 

fatalidade. 

FATÁSSA. V. Fataça. 

FATÁXA , s. f". chulo. Façanha em bravura. 
D. Fr. Mmuel. 

FATEOSÍM. V. Emphiteuses , ou cmfircuses. 

FATEKA , s. f. Ferro com cabo , como o da 
ancora , e muitos dentes , para fundear barcos. 
§. Ferro r.<;m dentes de tirar do fundo do mar 
alguma coisa , em que pode fazer presa. 

FATÍA , s. f. Pedaço de pão , queijo corta- 



FAT 

do , estreito , e longo , charo,^ §. f. " Fez em 
fatias os membros do mártir. " Fios Sanct. V. de 
S. Thirso. 

FATIADO, p, p. Feiro em fatias , esfatiado. 
§. fig. Cortado de" golpes. " como aigúa adarga 
apparecia logo era fatiada. " B. 2. i. ^. 

FATIAR , v. at. Ésfatiar , fazer em fatias. 
Barros. 

FATÍDIGAMÈNTE , adv. Com poder, ou em 
consequência do poder de prever , e anunciar fu- 
turos. 

FATÍDICO , adj. Que prevê , e prenuncia , 
ou prediz os fados , e destinos, a fatidica cerva 
( de Sertório ). Lus. 8. 8. Eneida, 7. 18. o orá- 
culo do fatidico Fauno. §. Camões, Lus. 4. 85. 
a fatidica nau ; i. é , feita de madeira .do bos- 
que , onde havia o Oráculo de Jove. 
FATÍGA , s, í. V. Fadiga. 
FATIGADO, part. pass. de Fatigar. Fieira: 
fatigado do caminho , e do Sol. 

FATIGAR , V. at. Cançar , perseguir , amo- 
finar , affligir , acossar : v. g. fatigir o inimigo 
na guerra ; fatigando as feras na caía. Uliísea. 
§. V. n. Afatigar-se. Pieira : lidando , fatigando. 

FATIOTA , s. f. O fato , os bens moveis. Le- 
vantar a fatiota : fugir , ou levantat-se com^ os 
bens. §. V. Fateosim , ou emfiosis. Alvará de 
z de ^íin. 1765. 

FATÍVEL. V. Factivel. 

FATO , s. m. Os bens moveis , como rou- 
pas , e outros. §. Os vestidos , e roupas do cor- 
po. F. do Arceb. i. 20. quando se quis vestir 
sentiu a diferença do fato ( hábitos novos ). 
§. Fato : o número de cabras , que se apascen- 
ta ; Lobo : e fig. se diz por manada , ou reba- 
nho ; B. I. I. ri. Fato de ovelhas. Regimento dos^ 
Ferdes , e montados : " trazer gidos em fatos ; " 
rebanhos a pastar. Ord. Af. 2. éè. i. e i : e f. 
422. " posto que esses gados andem em fatos 
me'itmzàos. " fato de vaccas. Ineã. z.y^i.fato de 
ovelhas. Cron. J. 3. p. 2. c. 16. §. ^ogar a 
fnrta-lhe o fato ; no fig. mostrar-se sem se entre- 
gar, nem dar o senhorio de si: ]ogar a furta- 
Ihe o fato em amor -, não se entregando , apro- 
veitando as occasióes co::?iodas , e furtando-se a 
seus trabalhos. Eufr. f. 177. V. na Lusit. Transj. 
a fortuna furta a roupa aos amores ; i. e , furta- 
se-lhe, e desempara-os, 

FATUAMENTE , adv. Com fatuidade. 
FATUIDADE , s. f, Simpleza , falta de en- 
rendimento , tolice, necedade. Fieira. 

FÁTUO , ad). Néscio, tolo. Fieira : numa 
criada fátua. §. Fogo , ou chama — : que dura 
mui pouco. p. us. §. Fig. já:uas luzes , ou res- 
plendores ; que durão pouco , como as exhalaçoes 
da noite, , .. , 

FAVA, s. f. Legume maior, que o reiKAO, 
que nasce era vages grossas , dcUas ha mu tas 



:::OT22 



FAV 

espécies ; e outras medicinacs : Fav^ lie o nome 
gcncnco. 

FAVACÈIRO , s. m. prov. Picadeiro , quf 
conduz pescado , em terra de Miranda , e Bra- 
gança. Èlíiculãr. 

FAVAL , s. in. Horta , ou agro de favas. 

FAUC1í:s , s. F. pi. A entrada do esobgo. 
Cauu Rcdontl. Vlissea , 5. 7. 
.;FAÚLA , s. K Faisca. Elegiãdã , f. z^. f, 

FAULKA , s. i-. ( B. P. \raduz ; iu{g£ ) Bn- 
gatellas , tolices , coisas insignilicantes, §. O pó 
sutil da tariííha , que se está moendo, porque a 
íiulha mo enjarinhe a V. Ahcza. Âcscnde , Fula , 
f. 16. cnp. 8. 

FvVULHENTO , adj. O que diz bagateljas , 
coisas insigniíicances ( niígator , fiíiilis ). 

FAUNO , s. m. V. Dtccion. da Fab. Monstro 
fabuloso semicapro. 

FAVO , s. m. Humas casinlus de cera , em 
que a abelha deposita o mel. §. Favos ; buraqui- 
nhos preccrnaturaes , que vem a cabeçadas cri- 
anças. §. O favo da seda ; a qualidade do fio , a 
que tem bom favo , i. é , brando , he a que se 
corta menos, 

FAVÒNIO , s. m. Vento brando , que vem 
de Poente , aliás Zeíiro. 

FAVOR , s. m. A boa obra , que se faz sem 
obrigação de justiça, mas por beneficência, e 
graça. §. Auxilio , protecção , emparo , defeza ; 
Lobo : V. g. cartas de favor , com o favor dn 
iwite se salvarão do inimigo ; sentení^a a favor de 
alguém ; por elle , concedendo-lhe o que deman- 
dava, §. Em favor da vossa opinião ; i. é , para 
a. provar : favor í]Me faz a dama ; demonstrações 
de amor , e estimação : conceder os uhimos fa- 
vores j dar-se toda ao seu am^or. Paiva , Cas. f. 
Ettfr. :5. 2. £. Ciar. c, 64. §. Grangear o fa- 
vor de alguém, i. é ^ a. sua benevolência , e pro- 
tecção. 

FAVORÁDO , ad). Favorecido. Cartas deitei 
D. Duarte na H. Dom. p. 2. antiq. 

FAVORÀNÇA , s. f. ant. Favoreza , favor , 
mercê , graça. " lhe faremos — . " Ord. Af. 5. 

f' 3M- 

FAVORÁVEL , adj. Qje favorece , ajuda , 

auxilia , prospera , benigno , sadio : ache o juiz 

propicio , e favorável ; vento favorável ; clima — . 

Ji^. Lus. successo — . 

FAVORAVELMENTE , adv. De modo favo- 
rável. 

FAVORECEDOR , s. m. — ora , f. Pessoa , 
que faz favor ; que he do bando , e parcialidade 
de outrem , tavorecendo-o em suas empresas, vi 
justiça Ecclesiastica favorecedora de suas cau^as. 
Cron. Cist. 6. c. 4. Fios Sanct. pag. C. seus favo- 
recedores , íjue chamavão Joamtas. B. 5. 1. <). 
Nuno Faz com seos favorecedores. 
•FAVORECER j, v. at. Fazer favor, proteger, 



FAV 



^5" 






mxiliar : v. g. favorece os pobres ; 6 partido de 
liguem ; esta razão favorece a minha causa ; fa- 
vorecia-os o vento , ou a artelharia contra o immi- 
.^0, i. e , ajudava-os ; a lei favorece o ccmmercio ; i. éj 
cendc a seu beneficio. §. Favor.ar o pintor a 
pintura ou retrato ; pmtá-Io mais formoso , do que 
o origin.il c, §. Favorecer a informaç^ão : não 
informar tudo na verdade , por favorecer a pes- 
soa , não 3 representar táo feia como devera 
ser ; parcialisar. §. — se com alguã coisa : va- 
lerse d'ella , animar se , afoitarse cõ cila. Ined.2. 
74. favorecia se com os Portuguczes. Castanh. 7. 
c. 6. 

FAVORECÍDO , patt. pass. de Favorecer. §. Re- 
trato favorecido. V. Favorecer a pintura. 

FAVOREZA , s. f. antiq. V. Favor. Lopes , 
Cron. J. I. p. I. c. I. Ord. Af. i. T. 59. e 69. 
§. ^7. Ined. 2. ^^(). lhe fez muita favoreza. 

FAVORITAS , s. t pi. Nos antigos toucados 
erão dois canudos de pouco cabello , que caiáo 
sobre a testa. 

FAVORÍTO , adj. Mimoso ; a quem favore- 
cemos ; por quem somos perdidos com preferen- 
cia. Vliiipo , fr. 120, Ato 2. SC 7. he hum man- 
cebo , franco . . . em fim dos mais meus favoritos. 
§. Fazer volterete em favorita ■-, em copas. t. do 
jogo. §, A Sultana — : que é a principal mu- 
lher do Grã Turco. 

FAVORIZÁDO , adj. ant. Favorecido. Ord. Af. 
2. f. 494. 

FAVORIZÁR , v. at. ant. Favorecer , dar fa- 
vor. Elucidar. 

FÁUSTISSIMO , superl. de Fausto. 

FAUSTO , s. m. V. Fasto. Sousa , V. do Ar- 
ceb. 7,. 14. fumos e vaidades dos seus iiustos. 

FAUSTO , adj. Próspero , feliz. 

FAUSTOSO , por Pastoso. Arraes , 8. 14. 

FÁUTA , s. f. Dár quinze, e fama ( fr. do 
jogo da pella ) no f. atalhar alguém, com mjis 
saber, e mostrando mais discrição ; tirada a mer. 
do jogo , onde quinze é cada h.im dos dois 
primemos lances, e tentos, que se ganhão. 

FAUTORÍA, s. f. (r. da Inquisição ) O fa- 
vor , que se dá aos erros de alguém , defen- 
dendo o autor , e encobrindo es complices , &c. 

FAUTOR'izÁR, V. at. Ser rautor , favorecer, 
auxiliar : v. g. f autorizar a verdade. M. L. j au- 
torizar tal desobediência. 

FAUTRÍZ , s. f. Fautora. 

FÁXA , s. f. Tira de panno estreita compri- 
da , espécie de cinta de apertar. §. Faxa na Ar- 
chir. diz-se dos frisos , e das 3 partes , que com- 
põem o architrave. §. no Brás. Listão entre duas 
linhaa, que atravessa o escudo ao largo. §. Fa- 
cha do canhão ; moldura chata , e como huma cin- 
ta relevada , que cinge o canhão. §. Cinta de 
ferro , ou outro metal. Lobo. §. Barros : hun^a 
comprida , e estreita faxa de terra ; e Lucena ; /.''í- 




.JÊ 







i6 



FAZ 



ma faxa manthna ; i. é , ex-tensao longa ãe pou- 
ca largura. Cogito 4- 9- 6. " aquella faxi de ter- 
ra que hoje chamáo Malavar. " §. Faxas ; man- 
tilhas , que o Papa coscuma mandar aos primo- 
génitos dos Reis. fT r r-y 

FAXÁDO , p.íirt. pass. de Faxar. V . §. C^ue 
tem faxas : v. g. amas — : no Brasão.^ 

FAXÁR , V. at. Acar com faxas : tiao deitem 
as crianç^as de bm-^os quando as faxarem. 

FAXÍNA , s. l V. Fachina. 

FÁXO. V. Facho. ^ . , r r i, 

FÁYA, e FAYÁL. V- Faia, Faial, ifaya melli. 

ortosr. ") ^ 1 r 

FAZEDÒIRO , ad). ant. Que deve fazer-se , 

e é de razáo fazer-se. Eliícidar. 

FAZEDOR , s. m. O que costuma fazer. Ar- 
raes, lo. i. fazedor de milagres: c. 4- 2.S. Deus 
fazedor dos homens : — de Leis. Ord. Aj. a 71. 
7. o mandador, e o fazedor ( da falsidade > 
Ord. cit. 5. 2. 21. §. Feitor , que faz negocos 
de outrem. Elucidar. Deus fazedor de grandes 
mercês. Cathec. Rom. 6^7- 

FAZEDORA , s. f. ant. Vma — de manteiga : 
páo , ou hka^de manteiga. Elucidar. 

FAZENDA, s. f. Acção , procedimento : an- 
tiq. fez fazenda de bom cavalleiro : it. Peleja , 
duello. Nobil. ij. " Conde com vosco ^ quero en- 
trar na fazenda , e estarei na az : " ( dice a 
Rainha ) : Feito d'armas ; batalha , confl.cto. 
§. Saida a correr ao inimigo. Ined. z. 575- §• Li- 
da , serviço , labutação : " tinháo as Mouras 
que fazer na fazenda da casa. " Jf^cd. y /. 
280. C '^'^^i "°"^ fazendeira ) §. Nobiliar. a 
fl 270. erão cavalkiros de hum escudo , e_ htima 
lancha , e não de gran fazenda ; i. é , não es- 
forçados , ou pouco valerosos. §. Bens : v. g. a 
fazenda Real. §. Concelho da Fazenda: Iribunal 
composto de três Vedores Fidali;os , e 3 Des- 
embargadores ditos Conselheiros , e outros oíh- 
ciaes, no qual se despacháo os negócios da Fa- 
zenda Real , e bens da Coroa , e Conquistas , 
os contratos , e arrendamentos? , que a ella per- 
tencem ; tem tratamento de Majestade. §. Bens 
que andáo em Commercio ; v. g. loge de jazen- 
da, fazendas da índia, de roupas ordinariamen- 
te , e drogaria : a negociação de eíFeitos com- 
merciaveis : " o mandava com hum navio ^ ja- 
zer fazenda d'elRei , . . . outras mercadorias em 
que ie/ez boa fazenda. " B. 3. 3. 6. §. Fazen- 
da de lei : a que se gasta sempre , e não esta 
sujeita á variação das modas. §• Letra fazen- 
da : V. Letra, §. Diamantes fazendas ; são ok crs- 
tallinos , que valem por toda a p.ute a i^é- r- 
o quilate. §. no Brasil terr.is de lavoura , ou 
de gado : uma fazenda de cannas. 

FAZENDEIRO , adj. O que trabalha por ajun- 
tar fazenda. §. Que cultiva , e grangca fazenda 
alheia i v. g. rxo Brasú os padres ^kví admiais 



FAZ 

tráo as roças , e engenhos do Convento. §. NoU 
te fazendeira ; de trabalho , escura , trabalhosa de 
guardar o gado ; ou em que o mondor do ca- 
sal alheyo era pensionado com serviço , e ame- 
joada. A4en. e Mo^a ,1 c. 16. V Fazenda da 
casa: " boa mái de família em ser fazendeira ^ 
solicita. " Feo, Trat. 2. f 99- col. i. trabalha- 
deira na eeonomia e governo da casa. 

FAZENDINHA , s. f. Herdade pequena de poH- 

ca renda. 

FAZER , V. at. Produzir algum eíFeito , ou 
acção fízica , artificial , ou moral : v- g. fazer 
huma casa , hum capote , sapatos , <ò'C. §. Deixar 
alguém fazer : i. é , obrar o que entende , ou 
convém. B. 2. 10. 5- " ^^9 o deixasse fazer. 
§, Compor obra dependente do entendimento ,_ e 
ingenho : v. g. fazer hum poema , huma Oração , 
falia , petií^ão , arrezoado , suppiua , e talvez re- 
citá-la. §. Mmdar, obrigar: v. g. fazer vir ; fa- 
zer correr , saltar , dançar , cantar. §. Obrigar a 
fazer. B. Clarim, cap. 61. f 122. f. cot. 2. 
§. Fazer ver : mostrar , demonstrar , provar. 
%. Obrar , haver-se : y. g. " elle o fez acertada- 
mente em não vir. " Vieira., Cartas , 2. /. 314 • 
" os cavalleiros desra terra não o fazmx a lei 
de correzes. " B. Ciar. c. 61. §. Fazer execu- 
ção nos bens judicialmente : penhorar , e vender. 
§. Fazer crueldades em alguém : Clarim. l. c 22. 
§. Fazer desfeitas ; ou qualquer acçáo a alguem. 
§. Concertar: v, ^. fazer as barbas , npando-as ; 
ás unhas , aparando ; fazer a sobrancelha , con- 
certando-a que fique delgada , e arqueada , sr- 
rancando cabellos ; e assim Jazer a testa , dan- 
do-lhe a forma de ângulos regulares. §. Servir: 
V. g. o vento fazia-lhe para se acolher:, Castav. 
8/. 21. quanto a virtude faz mais para viver; 
Arraes , 7. 5. §. Faz^r por , i. é , ser a favor, 
V. g. isto faz por voísos inimigos ; Pinto Per. 2. 
f' 21. f. §. Concertar , ajustar : v. ^. fazer aj'is- 
te amizade , allianca , pacto , sociedade , negocio. 
§. Fazer , fingir : v. g. faz jue nao ve , que nao 
ouve , que não entende ; ou faz que dorme , que 
entende', é-c. §. Fazer ventagem a al^ucmj ter- 
Ihe , levar-lhe vantagem. §. Vir : v. g. nao faz 
ao cazo , ao propósito. §. Ser \^uz\ : parecta-lhe 
qne nada fazia a seu merecimento. H. Pinte. %. Fa- 
zer amor , dando presentes. Orden. §. — rnan- 
dan^a ; vida de casado, ant. §. — mostra , ou 
mostrança ; mostrar poi indícios , gestos. §. — ou- 
teiro ; montaria. §. — prestança ; boa obra , ser- 
viço , fazer amor. §. — refeitório , dar de comer: 

§, rogo ; ceder a empenho. §. — verdade ; 

provar em juizo a sua intensâo : it. guarda-la a 
,1 alguemJ §. Fazer o navio , ou armada a vel- 
i.í ; fazela navegar , sair do porto. Couto y 6. 8. 
^. a tez á vela na entrada de Abril. %. — se\ 
hngir-se ; v. g. fazer-se amigo. §. Vir a ser : v. 
g. fazer-se szu amigo; fazet-se grande «m corpa. 



FAZ 

ou saber ; hiet-se velho , woço. §. Fazer-se ver- 
melho , amarello , <í^c. tomar essas cores. §. Fazer-a 
só em alguns jogos , é não pedir a)uda a al- 
gum parceiro , sem comprar , nem chamar Rei. 
§. Fazer-se com terra ; julgar , esiimar que está 
junto ddla. §. e Fazer-se em alguma altura , ou 
longitude ; estimar , cuidnr , que cem vingado 
essa altura, ou longic. §. Fazer perda-; perder. 
GoeSfCrou. do Princ. c. ii. fazer ganho ; lu- 
crar, §. Fazer fazenda ; commerciar. F. Mendes. 
§. Fazer perda ; causá-la. Bem. Lima ^ Egloga 

1. §. Fazer auzencia ; auzeutar-se. Paiva , Cas. 
4. §. Fazer viagem , jornada ; ir de viagem , de 
jornada. §. — se de rogar ; encarecer-se em íazer 
alguma coisa , para que lho roguem muito. Sou- 
sa. §, Fazer armus ; ter duello , justa , ou bata- 
lha. Palm. p. 2. c. 1^4. c 129. qtte fizessem sc- 
br2 isso armas : daqui se entende a Orden, L. 

2. T. 26. §. 2. Item , dar lugar a se fazerem 
armas de jogo ( são justas , torneyos , correr can- 
nas por jogo , c divertimento. V. Jogo , e 
Rouoas de jogo ) ou de sanha entre os re- 
questados , e ter campo entre elles. §. Fazer, 
sustituido a infinitos de verbos activos , para se 
não tornarem a repitir : v. g. " e para que os 
inimigos me náo roubassem a honra , como o 
fazião á terra. " B. Ciar. cap. 7I. /. 14?. f- 
col. 2. Lucena , p. 5^9. ^- 5- f* ^^- "'^ ^^^ ''" 
cenca para ir surgir nesse porto , antes que os 
inimigos a teti despeito o facão. Lobo ; amar o 
que não conhecemos, como faz o cubiç^oso : Corte, 
Dial. 6. §. Fazer fogo ; accender. §. e Fazer fo- 
go ,n3. guerra: desparar os tiros contra o inimi- 
go, f. requestar : v. g- fí'-zer fogo a uma mo- 
ça ; oppor-se , contrastar eni alguma pertençáo. 
§. Fazer de sua honra : i. é , acção , com que 
ganhe honra , Jned. 5. 5. §. Fazer-se de novas , 
/. é , que ignora , e que se acha novo á cerca 
do que se lhe diz. §. Fazer-se. V. Afazer-se. 
§. Fazer um cav.^llo; ensiná-lo. §. Fazer-se bo- 
bo, ou fazer de bobo , i. é , pipel de bobo. §. Fa- 
zer o prato a alguém : tirar comida para essa 
fsssoa. §. Fazer^ frente Mn edificio ; estar no 
mesmo lançamento, e direcção : /^z /miíe para 
alguma parte ; ter a frontaria para esse lado. 
§. Fazer alto ; parar o exercito , companhia , ou 
soldado que vai marchando , andando. §. Fazer 
gosto ; ter gosto. §. Fazer frio , vento ; correr 
frio , vento. §. Fazer cravo , canela , marfim ; i. 
é , comprar para commercio. H. NaUt. i. /. 36. 
§. Fazer fé : ter té em juizo. §. Fazer tenção : 
ter tenção. §. Fazer confissão ; confessar-se. §. Fa- 
zer camará : dar de corpo. §. Fazer em si : au- 
mentar-se com sua diligencia. §. Fez das suas ; 
i. é f más acções , a que está habituado. ^.Fa- 
zer-se na y/olta: virar de bordo, voltar , arribar. 
§. Fazer costas : tapar para encobrir , entre ou- 
trem , para que náo veja o que se c^uet fazer , 

Tom. //. 



FEA 



17 



sem que clle de- íc. §. Fazer hm , ou boa : y. g, 
a venda , o contrato ; assegurá-lo , afiança-lo , 
tomar sobre si o risco : abonar. §. Dizçmos : 
Fazer injurias , beneficias , boas obras a alguém ; 
fazer estrago em alguém ; Lusiad. fazer tiranias 
no povo. Cron. Cist. 6. c. 5. 

FAZIMÈNTO , s. m. O acto de fazer , ou 
acção. Ord. Man. 2. T. 7,9. §. — de graças ; 
acção de graças. Arraes , x. 9. e Jreq. f^. de Su- 
so , /. 292. ult. ed. ^.-r-coyn mulher ; copula. Ord, 

^f ?• 15- ?^/• 5^- ^, ., 

FAYNGA. V. Fanga. Etuctdar. 

FÉ , s. h A crença de alguma coisa por amot 
da autoridade , e respeito da pessoa , que a affit- 
ma ; Fé Di/ma , fundada na revelação ; Fe hu- 
mana , fundada no testemunho dos homens.- 
§. Dar fé a alguma coisa: dar credito. §. Dar 
fé de alguma coisa; advertir, reparar neUa : ir. 
dizer como a coisa passou ; donde " nao doiA 
fé disso , " i. é , náo o affirmo , náo sei como 
passou. Com as mãos cortadas^ o despedirão, 
" para ir dar fé do que vira. " Couto , o. •}. 
9. Fir dar fé ; diz o vulgo por, vir espreitar 
para dizer o que viu : e nao deije disso; nao 

vi , não o adverti. §. Deixar algiM coisa na Je 
de alguém ; na sua verdade , ou veracidade. B. 

1 10. 4'. o mais leixamos na fe do autor. §. fi- 
delidade : V. g. guardar té a alguém. De hum 
peito aberto e limpo , e fé lavMa. Sa Mir. òo- 
neto :}!. §. Dm- se ( reciproc. ')fé de algua coi- 
sa: obrgar-se a cumprir fielmente, penhorar a 
sua fé. Castanh. 6. c. 11 1. se deráo a te de tr 
correr a Malaca : derão se fe de eterna amiza^ 
de , &c. §. Testemunho autentico dado por oifi- 
cial de justiça : v. g. escrivão que porta por Je, 
§. Fazer fé ; dar testemunho que grangeie cre- 
dito. Jrraes , 6. 4. fazemjé desta verdade. §. Fro- 
va : V. g. em té de sua antiguidade. Lobo. §. Com 
boa fé, i. é , com tenção pura, sem dolo, nem 
engano. §. Possuir em boa fé , possuidor de boa 
fé, estar de, ou em boa fé; cuidando que a coi- 
sa é sua : e de md fé , sabendo que e alheya , 
ou depois que é demandada , ou tem na sua 
máo titulo por onde lhe consta ser a coisi 
alheya. §. Ter fé em alguém ; fiar-se nelle. 
§. Amar por fé , i. é , por noticia que temos de 
pesssa que nunca vimos. §. Estou nesta je , t. 
é , cuido que isto é , ou não e assim com 
sinceridade. §. Empenhar a sua fe. §. Tomar js 
a alguém , i. é , palavra , ou promessa. Casian. 
8. U76. Palmeir. ?. p. c. 27. " tomando-lhe sua 
fé de que iria , <ô'C. " §. Fés, pi. Synodo de An- 
gam.^le\ Acção ?. Decr. 14. "ha três fes e 
crenças distinctas. " Elegiada , /. 9?- ^"'- «^' 
« — corruptas. " . , , „ 

FEALDADE , s, f. O contrario de belleza , 
formosura , bom ar, boa feição dos homens. 
§, f. A fealdade da culpa , peccado , vtcw. Lu- 










i8 



FEB 



í«5> 




tena. ( feyaldade , fiyo , &c. melh. ortogr. ) 

FÈAMÈNTE, íàv. Com deíormidade fizica , 
ou moraL : v. g. mentindo teamence , fugindo , 
sendo rechaçados — ; í. é , torpemente , có des- 
honra. 

FEANCHXo , adj. aum. de Feio , famil. 

FÉBE , s. f. poet. A Lua. 

FEBÉO , adj. poet. Do Sol : v. g. a luz fc- 
hea. Camões. 

FÉBO , s. m. poer. O Sol. 

FEBRA , s. f. Fibra da carne. 

FEBRÃO , s. m. Febre intensa , forte. 

FEBRE , s. i. Movimento desordenado da mas- 
sa do sangue , com frequência aturada das pulsa- 
ções , e lesáo das íunçóes , acompanhada de 
hum calor excessivo as mais das vezes ; a Febre' 
c contínua ^ ou intermitente , que torna de es- 
-paços a espaços. A febre contínua é simples , 
ou com repetições. A simples é efimera , ou 
dura so hum dia , ou dura até o quarto , séti- 
mo , ou mais dias ; e a febre ardente , muito 
violenta , e aguda. A febre com repetição é 
periódica , ou errática ■■, a periódica torna a ac- 
commetter dentro de dias certos , ou certas ho- 
ras , e é quotidiana , terçáa , ou quartáa. A er- 
rática não tem tempo periódico certo. A conti- 
ntta quotidiana vem huma vez por dia , e ás ve- 
zes repete segunda , e terceira ; a teri^ãa conti- 
nua vem cada dois dias , deixando ao doente 
lium dia livre de permeio , e se diz dobre , ou 
tripla , se nos dois dias accommette duas , ou 
wes vezes. §. A quanaa continua é a que repe- 
te todos os quatro dias inclusivamente , e se diz 
iquartãa dobre , se occupa o doente dois dias se- 
guidos , deixando só hum livre , ou quando em 
cada quatro dias repete duas vezes j e tripla se 
accommette três vezes. §• Febre intermitente^ 
ou que de^xa o doente ; quotidiana todos os 
dias i a terçãa , e quartãa também o são , &c. 
§. A febre aguda c contínua , violenta , perigo- 
sa , e cm breve tempo faz grandes progressos j 
as mais agudas matáo , ou acabáo em três dias , 
outras menos concluem em 7. §. A simplesmen- 
te aguda duta até 14, 15. e 21. dias. §. Outras 
agudas ha por decidencia , que se passáo dos 
quarenta dias , se dizem chronicas , ou lentas. 
§. Febre podre , de humores que adquirirão po- 
dridão nas primeiras vias. §. Febre láctea , que 
vem ás mulheres 3 ou 4 dias depois do parto. 
§. Febre maligna , ou pestilenre , causada de 
miasmas pestíferos, Scc. §. Fehrs escarlatina , é 
contínua , e nella se cobre a pelle de còr de 
escarlate. §. Lenta — , hectica. §. Leniicubr , em 
que o corpo se cobre de brotoeja como lenti- 
lhas. §. Milliar — , em que o corpo se cobre 
de folies , ou bolhas como grãos de milho. §. Ar- 
der em febre , declinar a jebre. §. O crestimento , 
Q suQimo ardçr da febre ; a iua diçlina^ão ^ a 



FEC 

despedida , o resíduo da febre. 

FÈLKE , adj. de moed. Fraco ( opposta a 
Forte ) a que falta algúa pequena porção do pe- 
so legal, desta febre uiuda : Cortes do Potto de 
1^72. §. Substantivadsmente 5 a porção muito te- 
lue que falta ao justo pezo da lei , se diz fè- 
jre ( do Francez ; FoWle ) : os febres da moeda. 
V. Fortes. 

FEBREFUGO. V. Febrífugo. 

FEBRICITANTE , adj. Doente de febre. §. f. 
Fontade — : levada , ou inferma de paixão vio- 
lenta. Fieira. 

FEBRÍL , adj. mcd. de Febre : v. g. o ca- 
br — . 

FEBRÍNHA, s. f. Febre branda. 

FECAL , adj. med. Qiie respeita a fezes. 

FECHA , s. f. A data da carta. 

FECHADO , part. pass. de Fechar. Cerrado : 
V. g. janellas — . §. Noite fechada , i. é , perfei- 
ta , e escura. §. Homem fechado ; o que occulta 
os seus pensamentos , sentimentos , íkc. o ho- 
mem publico que não admitte vizitas , nem se 
deixa conversar dos que o buscão. Couto , 7. 6. 
6. não erão es Governadores tão sobre si , nem tão 
fechados. §. Ter fechado na mão , i. é , cm seu 
poder , a seu arbítrio : V. g. tem fechados na 
mão a paz , e, a guerra. M. Conq. 

FECHADURA , s. f. Engenho de metal , que 
applicado ás portas , e ás gavetas , armários , &c. 
serve de os fechar , e segurar por meio da lín- 
gua , que se volve , e move com a chave. 
§. V. Talambor. 

FECHAR , V. at. Cerrar a porta , armário , 
gaveta com chave , ou sem ella , com ferro- 
lho , ou outro artificio que a segure. §. Pòr a 
chave ; v. g. fechar a abobada , o arco , í. é , a 
ultima pedra com que se acaba. §. Fechar a mão ^ 
juntando os dedos com a palma. §. — a carta ; 
dobralla , o pòr-lhe lacre , ou obreia , que pren- 
da huma parte delia na outra. §. Acabar , con- 
cluir : V. g. fechar o discurso, o sermão. Fiei' 
ra. §. Fechar o olho ■■, fr. fam. morrer. §. Fechar 
os olhos a alguém ; cerrar-lhos depois de morto. 
§. Fechar-se numa casa , tirando a porta sobre si. 
§. Fechar os olhos ao perigo ; desatendello. §. Fe- 
char-se á banda ; insistir , obstinar-se. §. Fechar 
com alguém brigando: investir. £. 2. i. 5. fechou 
com o xeque pondo nelle a Un^a. §. Fechar as 
contas ; encerrar. V. Encemmento de contas. 
§. Fechar os olhos; dissimular. §. Fechar-se: ca- 
lar-se , não manifestar os seus sentimentos por 
obras, nem acções, §. Mão contribuir ás despe- 
zas geHerosamente. Couto , 10. 8. 17. Se se os 
homens fecharem ( náo emprestando para neces- 
sidades publicas ). 

FECHO , s. m. Ferrolho , ou coisa , com que 
se fecha. §. Fechos da espingarda ; a peça com- 
posta de outras míiicas , que concorrem para ar- 
mar. 



/ML-ak: 




FED 

mar, e desarmar o cão onde está a pederneira, 
que dando no fuzil íere fogo , e accende a 
pólvora , c^ue está no íogão junto ao ouvido , por 
onde se communica á carga. §. Fim , conclusão 
do discurso , ou canção. §. Pedra , com que se 
cerra , e techa o arco , ou a abobada. V. Chave. 
§. Fecho de assncar , hum caixão pequeno. §. Ho- 
mem duro dos fechos : o que se não deixa dobrar 
facilmente ; apegado ao seu. E'^fr. i. 3. 

FECIÁL , s/m. Sacerdote Romano, que hia 
declarar guerra , ou assentar pazes com o inimi- 
go. Eneida , 12. 59. Scverim , Not. 

FÈC r J , antiq. V. Feito , partic. e nome. 

FECUNDADO , p. p. de Fecundar. 

FECUNDADOR , s. ou adj. mascul. Que fe- 
cunda : V. g. chuvas — , estrumes — . 

FECUNDAR , V. at. Fazer fecundo , fructi- 
fero : v. g. fecundar a terra ; a mulher que era 
estéril. Fieira , Barreto , Prat. §. f. Aumentar , 
fazer adiantar. Vliss. 4. 98. cem premio , e casti- 
go , nutrindo , e fecundando artes Diviuas. 

FECUNDIDADE, s. f. O fcr fecundo , e ge- 
rar filhos ; dos animaes , e mulheres. §. — da 
terra ; fertilidade. §, Das plantas que lançáo miíi- 
tos renovos. §. — do engenho , que produz mui- 
tas obras , e invenções. 

FECUNDO , adj. Que pare , e náo é ma- 
ninho , ou estéril. §. — Terra : a que produz 
espontaneamente e sem adubíos hervagens , e 
todos os vegetaes : ir. fértil. §. — engenho ; que 
compõe muito , e produz muitas obras. 

FEDEA , s. f. Moeda de Cambaya do valor 
de 12 réis. B. 2. 2. 9. 

^ FEDEGOSO , adj. Herva — : esp. de urtiga 
morra. §. Coisas fedegosas : fedotentas. Ord. Ãf. 
I. 28. §. i6. 

FEDELHO , s. c. O pequeno , que inda fede 
a cueiros. §. Fedorento. 

FEDER , V. n. defect. Deitar , ou dar máo 
cheiro de si : v. g. fede a vinho , a arruda 
Verbo defectivo onde deveria terminar em ^í e 
o se rosse regular , náo se diz feda , nem Jedo, 
nem fét^o como o vulgo. 

FEDÉRxiDO , adj. Confederado, jdrraes , 4. 
12. federados com os Romanos. 

FEDÍFRAGO , adj. Que hlta á -fé , náo guar- 
dando os pactos 5 tratados , confederações ; nem 
as suas condições. M. Lusit, reconhecido por fe- 
di frago. 

FEDO, adj. Feio. Luz da Medicina: lepra, 
e outros achaques tédos. p. usado. 

FEDOR , s. m, Máo cheiro. 

FEDORENTO , adj. Que deita máo cheiro 
de si. §. f. O descontenradiço de tudo por mi- 
mo. Arraes , i. 

FÈFE , s. m. Animal da China , que segundo 
z descripçáo parece ser o Orang-Otang. 

FEGURA , s, f. ant. Figura , retrato. Ined. 1, 109. 



FEI 



^9 



"*f 



FEIC.ÀO , s. f. A forma , ou figura, talhe , 
corte , ' liniamentos : V. g. a feijão , ou fcií^aes 
do rosto ■■, o feitio que se dá a qualquer corpo. 
§. Armas d feiç^ão Troiana ; parecidas , feitas 
por seu molde. ' £»fií/^ , 10. 157. §. Ordem de 
peleja. M. Lusit. poz a gente em feição. §. Ho- 
mem de feijão ; de maneira , nobre , de gradua- 
ção , que tem direito de entrar no Paço ent 
certas casas conforme sua graduação , e servi- 
ço. Ined. ?. 443. §. £tn feiç^ão de pelejar. Cron. 
de D. Duarte, c. 11. v. em som. §. Jovialida- 
de de animo sem ceremonias , alegre , condes-, 
cendente. §. Em feição de servir a scena , i. é , 
em ar, em som. Eufr. Prol. §. De feijão, i. é , 
de modo, de sorte. Couto , 4. 8. 10. lestes 3 C 
prontos de feição que se quizesse , &c. 
FEIDATAIRO. V. Feudatario. Ord. Af, 
FEIJÃO , s. m. Grão leguminoso vulgar , de 
que ha muitas espécies. §. Ave , de que se faz 
menção nos roteiros. Piment. f. 350. Maríz , 

p. 12. 

FEIJOADA , s. f. Panellada , cosedura de 
feijões. 

FEIJOÁL , s. m. Plantação de feijões. 

FÈIO ; por Feo ; fejo melh. ortogr. e nos 
deriv. 

FEIRA , s. f. Lugar , onde ^em certos dias 
semanaes , mensaes , ou de anno a anno concor- 
rem tratantes , mercadores , e lavradores a ven- 
der os productos da terra , e das artes , e me- 
cânicas. §. Feira ■■, a]unca-se aos nomes dos 
dias da semana , exceptos o sabbado , e do- 
mingo : V. g. segunda feira , ter^a , quarta — , 
8cc. ■ ^. 

FÈIRA ; ^or, fira subjunt. de Ferir. Ord. Af 3. 
/. 444. é antiq. ^ . 

FEIRAR, V. at. Mercar na feira algum coisa, 
§. it. Trocar , escáibar , negociar algúa coisa. 

FEIRÍR , anr. Ferir. V. o art. Enxovar. 

FEITA, s. f. D'esta feita , i. é , desta veZ, 
desta acçáo, Cam. Ltis. 5. 33. que a cor ver- 
melha levão desta feita ; fallando da briga em 
que houve feridos ; d'aquella — . B. z. 6. 7. 

FEITIÁR. V. intransit. ( V. Feitio ) Evacuar o 
feitio , diz-se de certas caças. 

FEITICEIRA , s. f. Mulher que faz feitiços. 
§. Peixe , aliás Freira. 

FEITICEIRO , s. m. Homem que faz male-: 
ficios , ou doenças com hervas venenosas , e ou- 
tras drogas ; e talvez intervindo obra diabólica ! 
§. f. Encantador, fascinador. Cam. Son. 121. ai 
que estes bens de amor são feiticeiros. 

FEITICEIRO , adj. Que agrada , encanta mui- 
to : V. g. tem olhos ,' agrados feiticeiros ; modo , 
conversação , geito feiticeiro ; &c. 

FEITiCERÍA , s. f. O malefício , ou veneti- 
cio feito pela feiteceira, ou feiticeiro ; magia, 
encanto , fascinação. 

C ii ^^' 



\ 



iis; 



VV^^ 



m 



20 FEI 

FEITICÍNHO. s. m. dim. de Feitiço. Afelí — : 
expressão carinhosa. ^ 

FElTÍqO , s. m. \''eneno , ou drogas prepa- 
radas por arte diabólica para fazer criar amor , 
ou ódio , &c. §. f. Coisa que em beiieza encan- 
ta : V. g. meu amor , e meu feitiço. 

FEITIQO , ad]. Não natural , teito por artifi- 
cio. §. £ftlha , Origa , anutdo fmu^o : íing-do , 



e não verdadeiro. Sarros 
gazúa 



§, Chave- 



talsa , 



FEITÍO , s. m. O trabalho do offi-ial, o seu 
lavor, e obra para fazer alguma coisa : V. ^. 
ftrder o tempo , e o íeitio ; v. g. do vestido , das 
jivellas : a leiçào , e forma que o artista dà. 
V. g. jivclias de bom íeitio ; o teitio da moeda : o 
lavraniento , o trabalho de preparar os metaes , 
e cunhalos. B. 2. 6. 6. " encommendou-lhe o 
fettio de hum indcx ( de livros reprovados ). 
^. do Arceb. z. 8. §. O preço que se paga pe- 
lo trabalho de fazer : v. g. o fe.tio são mtl reats. 
Couto ^ 6. I. I. coisa de muno feitio. §. Diligen- 
cia. F. do Arceb. A- c- ^o. §. f. Casca, sorte, 
laia. Lvbo i não achareis discreto d'esse feitio. 
§. Fehto entre cai^adores ; os excrementos maio 



res do coelho , raposa , e outros ammaes ; e 
Feitxar j evacuar o feitio. V, Frago. 

FEITO, s. m. Acção : v. g. foni feito í//«$- 
ire , hum íeito ruim ; meu dito meu feito ; K é , 
em dizendo fazendo. §. Feno d'armas ■■, facção. 
Barros. §. Homem de jeito ; capaz d entrar em 
facção , que demanda vaior , e prudência. Bar- 
ros , Ciar. c. 68. Castan. 8./. 11. Palm, p. 2. c. 
67. dey-is de ser pessoas de grani feito d'armas. 
§. O jeito , no foro j o processo , os autos da 
demanda. §. Falar o juiz a jeito : despachar , 
deferir , dar copia de si. Galv, S\rw. 1. f. 16. 
$. Falar a bem defeito o procurador : allegai 
facto , ou direitos a favor do seu cliente , e de 
manda. Ord. ^. 20. 28. §. Fatiar ao mmiigo afei- 
to ; provocá-lo. M. L. §. Feito , por facto : v. g. 
iittvida , ou questão de feito , a cerca do facto. 
Vieira. §. De feito ; de facto , realmente. Ama- 
ral , 7. §. O Feito d'algutm : aquillo em que cui- 
da , e se Qccupa : v. g todo o seu feito he bus- 
tar passos de amores nos livros , que lè. Eufr. 
jf 142. e /. 10^. todo o seu feito agora he tro- 
var: todo seu feito ( modo de pelejar ) são cor- 
rdas , talhando os frutos, idem , 4. 6. 2. todo seu 
leito era fazer cravo. Castanh. 7. 74. §. Lançar 
o feito a zombaria : dizer que se disse , ou fez 
por gracejar aquillo que levava , e tirava a in 
tento seno. £ufr. ^. 1. §. O Feito nu espadilha, 
vcierete , é o que se propoz logar para ganhar 
o bolo , jazendo-se so , i. e, )og.indo comas sua> 
9 cartas , ou indo d ca^carra comprar. §. FazLi 
ftin homem seus jeitos : ddr de corpo , desonerai 
o ventre. Couto , 6. 9. 20. §. Os Feitos , forers 
aytos dos processos } continuar os leitos ao ad' 

Viigtiáo» 



FEI 

FEITO , pnrt. pass. de Fazer. Obrr.uo , aca- 
oado , completo. §. Tintpo jítto ; o favorável á 
navegação , e que pronictte duração. §. F. do 
Arceb. L. i. c. i. jeito ao , ou de pincel. §. Mo- 
.0 , ou homem jeito : que tem enchido os an- 
>os , em que a pessoa se diz moço , e homem 
em quanto a idade. §. Acostumado, aííeito : V. ^. 
feito aos trabalhos. Eneida , 9. 146. §. Ades- 
trado : V. g homens teitos na guerra d'^ Africa. 
§. Que foi Jeito , que e jeiío í interrogações p^ua 
tomar infoimação da pessoa , ou coisa de que 
se não sabe , que desapareceu. §. Espada feita ; 
posta em termos de tenr. Lucena : arnmctcii 
com a espada — . §. Feno é : acabcu-se , não ha 
remédio. Ulisipo , f. 7^-7. f. " se entender que lhe 
tendes amor,Jt!ío he ^ sabei que vus ha depor 
os pes nos focinhos. ' Ferr. CwíO , At. 4. se. 7. 
FEITOR , s. m. O administrador, e negocia- 
dor de fazenda alheya , com que commerceia pa- 
ra seu damno. Resende , Cron. ^. 2. c. i8ó. §. O 
que faz grangear , e adminibira alguma herda- 
de. §. Offlciai d'Alfandega , que àà bilhete com 
clareza do género , o qual se leva á meza 
grande , para por ella se pagarem os direitos. 

FEITOR , ad] Fazedor , o que faz , ou 
fez. " feitor de moeda falsa. " Ord Afons, 5. 
§. " Deus creador , e feitor de todas as cousas : 
que as fez. Caihec. Rom. --fj. §. Autor de alguma 
acção. Nobiliar. j. ^04. Eneida, 12 i(;6 §. C.r- 
po feitor : homem useiro , e vezeiro a fazer al- 
guma coisa. Utisipo , j. 6. " suspeita subre cor- 
po feitor. " V 

fEITORÍA, s. f. Officio de feitor. §. íig. Fei- 
toria das almas, e negociarão dos talentos. Fco ^ 
Tr. 2. f, 175. §. O Salário do feitor. §. Casa 
onde se recolhem os feitores , com os olficiaes , 
e a fazenda do trato da fetoria. §,. Os sujeitos , 
que teitorizão a fazenda em algumas terras da 
<âsia, costa d'Afiica. §. As fazendas, que ha no 
armazém da feitoria. Ãlbuq. i. 45- Resende , Cron, 
J. 2. c. 186. 

FEITORIZÁCO , p. p. de Feitorizar. Fazen- 
da — . 

FEITORIZAR , V. at. Reger, e administrar 
como feitor. Ord. i. 52. §. 2. para dali feito- 
rizar cairo , e outras cousas que ha na terra pa- 
ra provimento das armadas. B. 7,. 5. 7. Nego- 
ciar ; qvnta que feitonzava. Rcseikle , f^ida , f. 
iz. feiíorizando carga de pimenta aos juncos. 
B. 5. 2. 6. e ^. 4. 7. feitorizar a coiupra da pi- 
menta. §. íig. Deus nos fcitoriza. Fejo , Trat, 
z. j. 1. 

FEITURA , s. f. O fazer : v. g. d feitura 
lesta carta ; í. é , ao fazer delia. Eufr. 5. i. Ar 



raes y I. 19. para na feitura do huiuem mostrar 
Deus o seu saber. §. Feitura do edtfcto. N^ln- 
liario ,/. ^45. §. Criatura : v. g. o honum teuu- 
ra ue j^iUi : o Cardeal era feitura àel-Rei. Góes , 

Gon, 



FEL 

Cron. do Pmcipe. Castau. v f. J$:i. pelo cre/ir , 
€ ser :ua tticur.i. Eu v^iso criado , e vossa tei- 
tura som. Jucá. \. ^i. $;. Filma de amor i o que 
tile causa , e [Todiiz. 

FEIXE , s. ni. Molho , ou muitas porções 
junus , e atadas : v. g. tcixe de varas ; ãe espi- 
gas , vft pcvca ; ttixe de Unha. §. Feixe do la- 
gar j o páo , ou vara que espreme. §. Dar al- 
gumas coisas todas em teixe, pjia mostrar a pou- 
ca diíFereiíça de bondade , e a pouca conta , em 
que as temos. Eitjr. 5. 2. 

f EIXÍIMHO , s. m. dimin. de Feixe. 
FÉL , s. m. Humor animal mui amargoso con- 
tido numa btxi|;a. §. Ódio , rancor : v. g. cora- 
ção cheio de íél. '' o homem «que anda em ódio 
vai sempte crescendo no fel e rancor. " /^, do 
jirceO. 1. nj. " nunca filho muito mimoso dei- 
xou de ser fel aos pães que neiles põem o s.eu 
gosco. " Enjr. 4. 8. §. Fel da terra : herva mú: 
amargosa , é a centáurea" menor. §. Pouco fél 
jaz ama>go muito n e! : hum pequeno desbvor 
taz pcrcer o sabor , e preço a muitos favores ; 
cu peqi;eno desgosto , desconta , e laz desabri- 
dos os n.úitos prazeres. Llissipo , J. 9. 
FELTCE, nd). FeliZ. 
FELÍCEJviENTE, adv. Felizrnente. 
FELICIDADE , s. f. O conteniamento , esta- 
do do que goza á(.s bens desejados , d^ corpo , 
e do espirito. §. Dita , boa ventura , "b^a íortu- 
na. §. Salvação : v. g- a eterna jtlicidade. 
FELICITADO , p. p. de Felicirar,;' ,2,, 
FELICITADÒR , s. m, O que fez feir?. * , 
FELICITAR , V. at. Fazer feliz , bem aven- 
turado , bem escançado. Pltira : felicito.u lhe o 
parto: — o succísso , a empresa ,ó^fi %.,Dàt o 
parabém , os emboras. 

FELÍZ , adj. Dotado , e acompanhado dè fe- 
licidade , ditoso : V. g> feliz homem; csítccessoje- 
I1Z. V. Felke. 

FELÍZKÈNTE, adv. Com felicidade. 
FO^LIPÓDIO. V. Polypodio. ' ^, 

FELPA , s. f. Fello, ou cabello. Resende \ 
Cron. jp. 2. c. 128. Leões com as felpas doura- 
das, §. Tecido com cabos de fios por huma ^ 
ou por ambas as faces , de seda, láa, &c. §. En- 
tre esparreiros , esteirinha cpm c^Hjç)s ,dé fios . de 
ctparro para pòr os pés em cima. , , 

FELPÁDO. V. Felpuda, M. Faria ^So'isa. 
FELPECHÍM , s. m. Panno de láa. Inglez , em- 
prensado com ferros quentes, de que lhe íicào 
lavores mui lustrosos. 

FELPUDO , adi. Velludo , cabelludo , com fel- 
pa : cbapéo , cara , cão — . 

FELTRADO , part. pass. de Feltrar. §. Ves- 
tido de feltro : v. g^ os feltrados pés. 

FELTRAR, V. at. Trabalhar os materiaes pa- 
ra delles fazer o feltro. 
FELTRO , s. m. Espécie de panno não te- 



FEM 



21 



^ 



eido , mas unido , e feito como o pnnno dos 
chapeos. Banos , 4. 6. 2, " vcstmdo-se ro in- 
verno de acolchoados , e de feltros para a chi'- 
va. " ( se não c chaptos de teltro. ) A^. Com], 
6. 1. o califado de teltro não jaz bulha ao iiii' 
dar. §. Feltros ; chapeos feitos d'cl!c. Cron. j^. 
]. p. ^. c. 54. os Jani^aros com seus fcltrob nas 
caleiras. 

FELÚGEM, s. f. \. Fuligem. 

FEIyiEA , s. f. Mulher. " queria ver as fê- 
meas que pariáo homens táo cavalleiros , e gcn- 
tishomens , como eráo os Portuguezes. " B. 1,. 
4, 7. Fios Sane. p. XIF. prudentíssima lemea : 
Ulisipo , j. 9. f. minha mãt , que Joi huma san- 
ta femca . V. de Suso. §. O animal do sexo íe- 
ininino , de todas as classes de animaes : v. g. 
a fêmea do pardal , do tigre , <&'C. aquella que 
pare , ou põe os ovos. §. A peça da dobradi- 
ça onde se emíbebe o espigão do macho. 

FEWEÁqo , s. m. eh. As fêmeas, mulheres 
de paitido. 

FEMEÁL , adj. Feminil. Guia de Cisados. 

FEAiENÇA , s. f. antiq. Attençâo. Azurara , 
c. 15. se trabalhava de esguardar a Cidade ( Ceu- 
ta ) com femença ( para depois a irem comba- 
ter ) : f cap. 16. consirar com femença: cor- 
rupto de vehemencia , torça , attençâo , boa dili- 
gencia. Senti com femenia : Ined, 2. 290. exa- 
ctidão , vehemeticiu no fazer algiãa coisa , gran- 
de diligencia. , 

FEIviENÇÁR , V. at. ant, Haver-se, olhar , con- 
siderar , obrar , cem feiíiença. V. Stmen^ar y que 
cuido ser erro por Femen'^ar nos manuscritos. 
EUtcid. v. Semeni^ar. e aqui o are. /ífemencar. 

FEMENTÍDO , "adj. Que mente , e iaita a lé 
dada , á fidelidade. Vieira , e Freire , fallando 
de pessoas. " Vendo Egas , que ficava jen emulo 
!( n?:ó fazendo corhprir a promessa). " Lus. t,. 57. 
§. LOs fementidos fados ; C.uwes : Aí. Lor.q. as 
armas .^-, , 

FEMINÂDO. V. Afeminado. Jmd. i. 280. El- 
Rei ficará Jraco , e feminado. 
! FÈML\ÉLA , s. f. d'Artelh. Peça de madei- 
ra , que une a cocharra , ou a massa do soque- 
te , e lanada ás suas hastes. 

FEMLNIDÁDE, s. f. Fraqueza, ou molleza fe- 
minil. Brachiol. f. 251. não seguir as difficuliladcs 
he feminidade. 

FEMLMÍL , adj. Mulheril , próprio do sexo fc- 
mnino. Eneida, 11. no Ârgum. o gemo femini). 
Vitira ; própria da natureza feminii : Cvua ; a 
turba — . M. Conq. 

FEMINÍWO , adj. Próprio de fêmea , de mu- 
lher':' v.^. voz íeiTiinina , e muito delguda. lo- 
bo. §. t. Jstron. planeta fev.tnnio ; aquelle tm 
que mais domma a himudade , que o calor. 
§. Nome do género feminino ; na Gram. o que m- 
jjniíica da sua espécie os indivíduos que sío h- 



5 



^ÍSS^JSSÀ 



WÇ»^'^ 



12 



FEN 



li 



Mi! 




tneas : v. ^. Leoa , Cerv^ , Coe/^^ , Loba, &c. 
FENDA, s. í. Greta, abertura de alguma coi- 
sa cujas partes se desunem , e abrem como 

iiuma rasgadura. . ^ . , ,, ,, 

FENDELEIRA , s. f. Espécie de cunha de 

íerro para talhar , e fender as barras deste me- 

^ FENDENTE , s. e parr. at. v. g. de htm 
fendenle, i. é, golpe, ou cutilada torte , que cor- 
ta muito. M' Lmit, t. z. §. adj. de bum re- 
vés fendente. Elegia , /. 202. 

FENDER , V, at. Cortar , abrir protundamen- 
te ao comprido : v. g- fender tenha, com macha- 
do § i. Retalhar : v. g. o rio tende a Cidade , 
o 'valle, o prado. D. F. Man. Epanaf. B. 3. 2. 
5 rio QUe vem fendendo todo o Reino de Siao. 
§', Fender , sulcar : v. g. fender os mares o bai- 
xel, a não. Cam. Lus. 5. 77. de nãos como as 
vossas o seti mar se fende. §. Fazer aberta : 
V. P-. N'hwn valle ameno, que oS emeiros fen- 
de :' Lus. 9. 55 ' valle que fende duas serras. Ele- 

giada , f. 45- f' ■ _ , r. 1 j 

FENDIDO , pârt. pass. de Fender. Kachado , 
desunido por huma parte : v. g. mha tendida 
do boi. M. LUiiU vasos fendidos; Arraes ,\. 
24 : anca fendida , com rego pelo meio , formo- 
sura no cavallo. Elegiada , /. 2.54. f- 

FENECER , V. n. Terminar ," acabar. Castan. 
8. /. 172. a serra que tehece perto da fortale- 
za : ' logo fenece o estado , e se^ dd na Lombar- 
dia'. V. do Jrceb." Í..4- Sai-relros , Corogr. vai 
fenecer no mar : e vai fenecer no primeiro mã- 
ro. Vosso tr/ibalbo longo aqui fenece. Zí^í. 6. 9^. 
§. Para que o armo não fenecesse sem.almma 
acção dei Rei. M. Lusit. Findar. §. Moerei. Jorn. 
d'Afr. f. 67,. tenecendo os fidalgos jÇ.^ ., ^^,'^ 
FENECIi.lÈNTO , s. m. _ anc' Acábáríiçnto , 

fim. .r> ■ f 

FENECÍDO , part. pass. de Fenece'r. fenecida 

a campanha : M. Lusit. §. Morto. Coutinho , /, 
I. f. Cam. Filod. 3. se. 4. filho ... onde fostes 
fenecido, seja também vosso pai. §. Ter, fene- 
cidas todas as outras ajudas. Palm." pl['.J^. c 
169 _ , I ' 

FÉNIX. V. Phenis. de córnum escrevemos Fé- 
nix. Souza, Hist. Dom. 2. .fr.^i., as^.^,aguias j,oy 
grijos , as tenix. ' * - ' l í 

FENO , s. m. Herva que cresce nos prados , 
e defezas , consta ue humã cana com seu pen- 
dão , onde ha alguma semente pequena ; secca- 
se , e recolhe-se para pasto de cavalgaduras ,. e 
bois. §. Traz feno no corno ; ir. prov. não é 
seguro 5 taz mal, quando menos se espera ; é, 
hum furioso. Eufi: 3.2. a ^ minha galanlerid, 
traz o feno no corno ; i. é , é conhecida , para 
que se guardem delia por perigosa, (o feno no 
corno poe-se aos bois , que costumáo remctier , 
para acautelar dclles quem çs encontra , ou 



FER 

anda entre outros bois sem suspeita ) 

FENÓMENO. V. Phenòmeno. 
FEO , adj. ou antes Feyo. Mal parecido , mal 
encarado. §, Desagradável á vista , não formoso. 
§. t. Vergonhoso , indecente moralmente ; v. g. 
quão feio he o mentir ; teo caso ! M. Lm. 
§. Palavras feas ; deshonestas. §. Que faz hor- 
ror : V. g. a tea morte. M. Conq. ( feyo : melh. 
ort. ■). 

FERA, s, f. Animal indómito, feroz, e car- 
niceiro. 

FERACÍSSIMO , sup. ( do latim : ferax ) 
múi fértil. Descrip^ão por Leão , f. 60, f. terre- 
no — . §. f. Feracissimos de vicias. F. de S. João 
da Cruz. 

FERDIZÉLLO , s. m. Ave. ( Atricapilla ) Ar- 
te da Caça , f. 105. f. V. Ferdizella. 

FEREFÒLHA , s. c. Pessoa , que nunca está 
quieta , que se entremete em tudo , e se da 
pressa no que lhe não toca. ( Ardelio ) Sento 
Pereira. 

FÉRETRO , s. m. Ataúde , tumba , esquife. 
Af. Lus. tj 6. e j. 

FEREZA-, s. f. Ferocidade , braveza das fe- 
ras , e dos animaes indómitos. §. f. Deshumani- 
dade , crueldade de animo. 

FÉRIA, s. t- iào Breviário ) Rezar de feria i 
i. é\ a •fèjzâ "de hum dia de semana. §. A lista 
dos jortiaà 5 cos trabalhadores: v. g. apresentar 
a íéi\z;'pagar a féria. §. Ferias: os tempos de 
vacaçóes, em'que não ha estudos, nem exei- 
cicio dè alguns tribunaes. §. Dar ferias ; i. é , 
descariço : v. g- dar — ao cuidado : Lobo. §. Fa- 
zer feria com ^liguem ; acabar o trato , e conver- 
sação , não ter dever com elle. B. Lima , c. z6. 
com filhos da fortuna já fiz teria : Prestes Can- 
tarinh. 

FERIADO , part. pass. de Feriar. 

FERIÁL , zdj. Dia — ; feriado. B. 4. Prol 

FERIAR , V. n. Não trabalhar, tomar hum 
dia feriado. Arraes , 10. 75. no dia . . . feriava 
■toda a Cidade : vagar em ócio.^ §. Interromper 
o trabalho , expediente , conferencias de algua 
junta , Tribunal; espaça-lo. 

! ' FERÍDA ,' s. f. Qualquer rotura , ou golpe 
tecénté com instrumento cortante : ferida smples , 
a que pode unit-se bem; composta é pelo con- 
trario ; a ' espédaçada , aquella em que o golpe 
cortou do corpo'' alguma porção de carne. §. Ba- 
talha sem ferida , i. é , golpe , nem sangue. M. 
Lus. %. Renovar a ferida ; f. trazer a memoria 
coisa, que lembre males passados. §. t. de Ca- 
tador ; o lugar onde se acolhe a perdiz , entre 
tochas , barrancos , &c. fugindo ao açor. Arte da 
Caça. §. Latir d ferida ; descobrir O cão , onde 
a caça cstá-^ escondida : e no t. acertar com al- 
gum pensamento occulto , mistério, ou coisa 
ignorada , dar nella , descobrir , artingir bem as 
° coi-, 



FER 

coisns. Ulis. prol. f. i. §. ferida tia alma : Cam. 
Ode IO. §. Chegar ão atar das feridas : ii. prov. 
quando é acabado o feito perigoso , e já se cu- 
ráo os feridos , vir já tarde , e quando não pode 
ajudar, barros. Dccad. 3. 8. ^ §. Feridas cbans: 
contusões lividas , nódoas , e pisaduras sanguen- 
tar , dis o Elucidar : ou talvez a em que só hou- 
ve rasgadura de carne , sem se cortar fora par- 
te delia , ou sem laidamento , e alejáo ? §. Fe- 
ridas conciliadas. V. Concclhadas. — consuladas , 
o mesmo. §. — divisadas ; v\si\els. feridas — (]ue 
sejom sangcentas. %. — negras ■■, chans. §. — san- 
goentas ; Jonde saiu sangue. Elucidar. 

FERIDADE, s. f. poct. Fereza. Lus. ■>,, 129. 
PÕc-me onde se use toda a feridade. Já qiíe d 
bruta crueza e feridade Poseste nome , esforço , 
e valentia. Lils. 4. 99. e Medea " surgem-me hór- 
ridas , brutas feridades " no peito injuriado. 

FERÍDO , pare. pass. de Ferir, §. Batalha bem 
ferida ; em que houve muito sangue espargido. 
Fasconc. Notic. 

FERIDÒR , s. m, O que fere. M. Conq. i. 
B^- feridores de espada, e 9. 12^. seguem os Lu- 
sitanos feridòres os rotos esquadrões. §. Fuzil de 
ferit lume. §. O feridòr : o que feriu no desa- 
fio. Jrraes , 7. 23. §. aá]. ferro — .Eneida, 8. 
107. 

FERIMENTO, s. iti. O acto de ient. No fe- 
rimento da batalha ; cm quanto se peleja , de- 
-pois do rompimento. §. O ferimento do compasso : 
o bater a primeira pancada no cháo. Nunes ; de- 
pois do ferimento do compasso. 

FERÍNO , adj. Feroz , de feraj Lusiada , 4- 
^S- ^ natura ferina , e a tra nao lhe compade- 
cem é^c falia do Leão cercado , e acossado. §. f. O 
animo ferino. Barreto , Vida do Evangelista. Do- 
ín^a — . Curvo. 

FERÍR , V. at. Abrir golpe , scissura cortando 
com ferro cortante , ou agudo : v. g- ferir com 
faca , lança , espada. §. Ferir com tiro de mosque- 
te , ó'C. "Dizemos : ferir bum homem ■■, feriu-me o 
peito ; e ferir no inimigo. M. Conq, 9. 84. §• ^• 
p Sol fere as nuvens ; i. é ,, chega a ellas com 
seus raios : os raios do occaso ferem o Oriente ; 
Fieira : os dois relâmpagos vos ferirão os olhos. 
Fieira. §. Ferir o ponto ; attingir , tocar nelle. 
§. Ferir a lyra ; tocar , poet. Galhegos. §. Ferir o 
som , ou estrondo o ar ; i. é , soar , ouvir-se for- 
temente : V. g. os gritos feiiráo as estrellas , /. 
é, chegarão com seu som ás estrellas, exagera- 
Uvamente. AI. Conq. 2. 11. o doce clarim que ie- 
jre os ares : Galhegos. §, " duas bocas das mi- 
nas que hião ferir ( d:\r , parar ) antre as estan- 
cias. " Couto , 10. 10. 7 : vai ferir «o ribeiro, nas 
penhas altas , no moinho. Elucidar. Ferir. §. Ferir a 
luz os olhos i fazer impressão , dar nelles ; e as- 
sim o som , a Musica íere os ouvidts. Nunes : 
fuspiros íetiríQ nos offvidcs,^ M> Onq- 5« 84. 



FER 



^ 



^3 



"H 



§. Tocar : v. g. ferir o Ceo da boca com a lín- 
gua ao pronunciar alguns sons. Lobo. §. O Sol 
quanto de mais perto fere ; Fase. Notic. a terra 
ferida dos raios direitos. §. Ferir com remo as 
aguas , poct. remar, feridas as ondas a compasso, 
do remo. 2.° C.rco de Liu. §. Ferir a batalha j 
começar a pelejar, e a fazer damno ao inimi- 
go. §. Castigar com aigum mal. Arraes , 3. 2?. 
ferir-te ha Deus com sandice ; do mesmo medo 
que dizemos ferido , ou tocado da peste ; ferir 
com peste , fome , guerra, <ò-c. ferir com sentença 
de excomunhão e censuras espiriluaes. Cron. Cist. 
6. c. 10. §. Offender : v. g. são injurias , que fe- 
rem muno. 

FERÍSSIMO , superl. de Fero. — gente. 2.'^ 
Cerco de Diu, 

FERMÈNqA , s. f. ant. Fe , credito, nunca 
tive fermença em sonhos, Ined. 2. 251. 

FERMENTAC^ÂO , s. f. Movimento intestino, 
que se excita no liquido , e que faz com que 
as suas partes se decomponliáo , e formem hum 
novo corpo : os Quimicos reconhecem 5 sortes 
de fermentação , a espirituosa , de que resulta 
liquido espirituoso , iníiammavel , que se mistura 
com agua ; a acida , de que resultão os vina- 
grés ; e a outra podre , ou que he causa da po- 
dridão. 

FERMENTADO , part. pass. de Fermentar. 

FERPAENTÀNTE , p. prés. de Fermentar. Que 
está em fermentação : v- g' o liquido — . §. c. 
que excita a fermentação. 

FERMENTAR , v. n. Padecer alguma das 

três sortes de fermentação. §. Diz-se também 

da massa , em que se lançou fermento. §. v. at. 

pequeno fermento fermenta muita massa : Arraes , 

6. c. r. V. Levidar, 

FERMENTO , s. m. Porção de massa de fa- 
rinha , que entrou na fermentação acida , a qual 
se lança em massa fresca para pão, para a fer- 
mentar , e- levedar. Arraes ,6. i. §. f. Priíicipio 
activo que obra solapadamente : v. g- deixando 
entre clks fermento de discórdia. B. 3. 1. 10. 
" Sobre mandar que he o fermento de toda dis- 
córdia. 

FERMÓSAMÈNTE , adv. Bella , elegante- 
mente. 

FERMOSEÁR , v. at. Fazer fermoso. §. f. 
para fermosearem a letra. §. Adornar conciliando 
belleza '. v. g. o vestido fermosea o homem : vin- 
te rios fermoseão as praias. Fase. Not. 

FERMOSENTÁR. V. Formosear. Fios Sanctor. 
F. de S. Ignez: {etmosemou minhas faces. §. — • 
ornando có lavores : v. g. a prata , e outros me- 
taes , madeiras. 

FERMÒSO , adj. De boa forma, ou feição, 
nello ; diz-se dos homens, c dos animaes,_e (.is 
coisas ina!i!ma.'as : v. g. ave f ermos a , c/V/iv/c i 
dia — ; sim — : outros dizem formoio. 






V tw 



vx^a? 



J» 



24 FER FER 

PFRMO=!ÚRA, s. t. Boa feição do rosto, e\ FERRADURA, s. f. 9 circulo de ferro, que 
rcri."^ - 3 _ j - ralraHn aí? bestas . e talvez aos 




membíos , belleza. §. f. — da letra : — de 
costumes. Banos, Granuf. 265. Formosura, V. 

FERO , s. m. Ameaça suberba , bravata , des- 
peito ; fanfarrice , ameaça váa. Leão , Cron. J. 
I c. 54- «y^ ^"■' P^*"^ °^ pequenos huns Neros , 
para os grandes lUdo feros. Cam. Redond. Freire : 
Carta composta de feros , e lisonjas. Lucena : sem- 
me havia estas carrancas , e feros por mostras de 
medo. §. Basoíias. Euf. i. i. 

FERO , ad). Que tem animo fermo ; cruel. 
homem d'entranhas feras , e danadas : Ferr. Cas- 
tro f. i \<^' Vieira : os homens mais feros tenta- 
dores ': Neros , Decios , Dioclecianos mais feros , 
í«e as mesmas feras : rjeiVá , 4- «• 165. §. -5í3í^- 
fjja : em que houve múito sangue derrama- 
do , e mortes. §. Muito grande , monstruoso : v.g. 

fero colosso. _ , . 

FERÓCES , piur. de Feroz. Palmetr. i. p. c. 

FEROCIDADE , s. f. Natural feroz , ferino 
como é o das fera?. §. f. Dos homens : amea- 
çando com ferocidade os Ceos : Lavanha. natural 
ferocidade ( delRei p. Sebastião para a guerra > 
^orn. d' Africa , 15. §. A ferocidade das palavras ; 1. 
é das que dáo mostras de animo feroz , indó- 
mito. Barreiros , Corogr. arrogância , orgulho. 
§. Acção ferina. H. Domin. ?. p. L. s- f- "• 

FEROZ , adj. Bravo , cruel , deshumano , vio- 
lento : V. }. animal feroz. f. homem — : semblan- 
te — . Galhegos, 

FEROZMENTE, adv. Com ferocidade. Fiei- 
ra : aspecto ferozmente triste. 

FERRA , s. f. Pá de ferro com cabo do mes- 
mo , de tirar brazas , e borralho. §. O acto de 
ferrar gado. 

FERRIa. V. abaixo de Ferral. 

FERRADA , s. f. V. Ferrado de criança. §. Bal- 
de de tirar agua. 

FERRADO- , patt. pass. de Ferrar. §. Com 
ferraduras : v. g. cavallo — §. Com ferrão en- 
xerido Aa ponta ; v. g. bastão — . §. Guarneci- 
do, chapeado de ferro : v. g- a ferrada burra , co- 
fre : caixa—. Arraes , 4. 3- §• Marcado com 
ferrete : o escravo —. §. ferrado é o escravo com 
ferrete do Senhor. " Servo assinalado , c Jerra- 
do do Senhor. " Feyo , Tr i. f zi : ou o ga- 
do , e cavãUana. §. Que tem o corpo lavrado , 
ou pintado com golpes , ou queim:iduras feitas 
a ferro , por enfeite , ou p.ira se conhecerem com 
os da sua nação, uso bnrbaro. Galvão, Dcscobr. 

/. 71. Barros , 3. 2. 5- §• ^gi^-^ — ' ^"^ ^"^ l^ 
apagou ferro em braza. §. Estar ferrado ; mui 

agarrado. 

FERRADO , s. m. Tinta negra que a ciba 
deita. %. Excremento denegrido , ou verdenegro , 
que as crianças recemnacidas deitáo por baixo. 
§. Tatro , vaso 4*^ ordenhar. 



se põe por calçado ás bestas , e talvez aos 
bois. §. As ferraduras de tornozelo , são tortas nas 
pontas , a que chamão encalhos. Galvão , Gineta , 
/. 45. §. Uma imposição antiga, de ferro para 
ferraduras , e cravos , nos Foraes Antigos. Elu- 
cidar. 

FERRAGEM , s. f. Obras de ferro para vá- 
rios usos : V. g. os pregos , dobradiças , fechadu- 
ras , espelhos delias , as peças de ferro da sel- 
la , do freio , das caixas ; do engenho_, e outras 
máquinas , &c. §. As ferraduras. Galvão , Gine- 
ta , /. 45. §. Ferragem , ant. o mesmo que Fer- 
rãa. Elucidar. 

FERRAGIÁL. V. Ferregeal Agro de ferra. 
Elucidar. 

FERRAGÒULO , s. m. Gabão de mangas cur- 
tas chamadas Desçamos , com cabeção , e hum 
capello com que se cobre a cabeça ; usâo delle 
rústicos , c pescadores. Lobo : Arraes , 4. 28. 
ferragoulo de grãa. podiáo usar os moços dos 
Estudantes na Universidade. V. Ferraruouh. 

FERRAIÒULO. V. Ferragoulo. ^ H. Dom. p. 
I. /. 1^4. posto que ferrawulo é mais chega- 
do ao Italiano : ferraiuolo ; donde se deriva. 

FERRAL , adj. Uva — : grande , negra , de 
pelle grossa. 

FERR X A , s. f. Cevada semeada com as pri- 
meiras aguas no outono , que se sega antes de 
espigar , para os bois , e bestas. ( Ferra melh. or- 
togr. ) 
FERRXe. V. Ferrãa. 

FERRAMENTA , s. f. Os instrumentos de fer- 
ro de vários mecânicos. ' 

FERRAMENTÁL , s. m A ferramenta de um 
oííicial d'officio que a tem. Azur. c. 6j. 

FERrXo , s. m. Pua , ou ponta de ferro en- 
xirida , e engastada no bico ; v. g. do pião , do 
aguilhão , do bordão ; o que esiá pregado na por- 
ca da atafona. §. A tromba de alguns insectos 
como a mosca , abelha , mosquito , &c. 
FERRXOSINHO , s. m. àm. de Ferrão. 
FERRÁPO. \^^. Farrapo, como dizemos. Fe>0 , 

Tr. 2. /. 18?. ^ , 

FERRAR , V. at. Pregar ferraduras nos cas- 
cos das bestas : v. g. ferr.ir hum cavallo. §. En- 
xirir ponta , ou remate de ferro : v. g- ferrar o 
bordão , ou aguilhão. §. Marcar o escravo , ou 
gado com ferrete , sinal visível para se conhe- 
cer o dono. §. Guarnecer de laminas , ou cintas 
de ferro. §. t. naut. Colher : v. g- ferrar a vela, 
o panno. §. t. de marcen. /err^r as barras , do 
leito ; metter-lhe porcas quasi nos extremos. 
§. Lançar ferro ou ancora ; f. tomar porto : 
V. g. ferrarão o porto de Coulão : Vieira. Freire : 
ferrou a barra. §. Ferrar o bordão ; pregá-lo no 
chão; fig. vulg. Ficar de estada em algum lu- 
gar. '§. Ferrar as unhas ; pregá-las , crava-las. 
o •* « Laa- 



FER 

'* Linçou-íe ( o Mouro ) ao mar , e foi ferrar 
huma lanchara ( pegar-se a ella para o recolhe- 
rem ),. " Couto , 4. 4. 7. §. Fenar-se : cerrar , 
arcar , travar. AÍ. Lm. ferrarão hiítis com outros. 
Como , 5. 9. 4. " e ferrando com os de ca- 
vallo , &ÍC. " §. Ferir , e segurar com harpeo. 
Eíifr. 2. 7. §. Ferrar no sono : adormecer pro- 
fundamente, §. — do trabalho. Couto yí^, i. 4. " e 
o primeiro que ferrava do trabalho : " i. é , 
lançar mão , por as mãos com força , e pegar. 
§. Ferrar-se : marcar , e pintar o corpo com gol- 
pes , ponçóes , Scc. como fazem os negros gen- 
tios por enteice, ou para se conhecerem as na- 
çõeó , umas das outras. B. ^. z. 5. O verbo 
Ferrar tem é agudo no Indicar. Eu ferro , fer- 
ras , ferra ; pi. Elles ferrão: no Subj. Eu fer- 
re y zu ferres , elle ferre ; p\. E\hs ferrem. 

FERRARÍ A , s. f. Fabrica , onde se forjáo , 
e lavráo obras de ferro : as ferrarias de Vulca- 
no ■■, M. Lusit. e Ulissea. Couto : " Jorge Cabral 
mandou ao mestre da Ferraria , que fizesse 500. 
pandeiros para a armada. " Mend. Pinto , c. 115. 
§. Ferraria , onde se prepara o mineral extraí- 
do das minas ; ou o trabalho de extrair o fer- 
ro , e lavrar as suas minas , ç apurá-lo para se 
lavrar em barras , fundir , e servir de material 
a outras fabricas. Leis Noviss, " o Intendente 
Geral , e Administrador das Ferrarias. 

FERRARUÈLO , s. m, Ferragoulo. Estat. ant. 
da Univ. de Coimbra , 5. ^. :;. 

FERRÁZAS , s. K pi. ant. Ferraduras , imposi- 
ção. Elucidar. 

FERREGIÁL , s. m. Agro de Ferráa : ir. de 
pães. Leão , Descr. c. ^s- " "igo ^o termo d' 
Évora , e seus Jerregeáes. " 

FERREJÁR. V. intrans. Segar ferrãa. §. Cor- 
tar , e hzer herva para as bestas , e provisões 
de cavallaria. §. f e eh. Negociar. 
FERREJEÁL. V. Ferreg ai. 
FERREIRÍNHO , s. m. V. Ferreiro : ave. 
FERREIRO , s. m. Mecânico , que faz obras 
de ferro. §. Uma ave branca , e preta , menor 
que o pardal. 

FERRENHO , adj. Da còr , e dureza do fer- 
ro : V. g. pedras ferrenhas ; que são duras; de la- 
vrar, e de quebrar, B. 2. 7. 5. pedra negra fer- 
renha : agua — , Pács , Serm. 2. 229. H. Dom. 
I. /, 58. seixo — . §. Homem — : duro , pertinaz , 
inHexivel. 



FER 



^5 



uma hasre com seu cabo , c tio outro tem la- 
vrada alguma cifra , ou figura ; feito em brazi 
se punha na testa dos escravos , dos ladroes 
por castigo , e para saber-se se reincidiu ; e nas 
ancas dos gados para se conhecer seu dono. 
Lobo y Primav. Eufr. z. 2. §. f. Sinal de obri-» 
gação, ou escravidão: v, g. estes favores 5Ío fer- 
retes que me posestes ; i. é , obrigação de vo los 
servir. §. O ferrete do peccado. §. Do crime ^^ 
'ò'C, a infâmia, labéo , macula ou mágoa, man?, 
cha. 

FERRETOÁDA , s. f. Picada da abelha , ves- 
pa , ou outro insecto : ferretoada do mosquito» 
Cosia , Firgil. 

FERRETOÁR , v. ar. V. Picar a vespa jf 
Scc. 

FERRICÒCOS , s. ra. pi. Gatos pingados , 
carregadores da tumba dos pobres da Misericór- 
dia : it. homens vestidos de túnicas escuras com 
o rosto coberto de capuz , que andáo pelas ru- 
as á noite rezando terços , e em certas devo- 
ções- 

FÉRRICO QUE , s. m. Homsm baixinho. £^ 
Per. 

FERRO , s. m. Metal vulgar, de que se fa- 
zem as facas , espadas , e outros miáitos instru- 
mentos , de còr cinzenta clara , duro, malleavel, 
quando está em braza , e pouco quando frio. 
§. Instrumento : v- ^, Ferro d' encrespar o cabei- 
lo, de assentar. §. A ponta de ferro : v. g, o 
ferro da lan^a , da seta , &-c. §. Ancora : v. g. 
lançar ferro ; estar sobre ferro ; ancorado. §. -<?- 
char ferro A armada , í. é , fundo , ancoragem. 



FÉRREO , adj. De ferro : v. g. instrumento 
— . Recopil. da Cirurg, §. O férreo cano : Camões. 
§. O férreo dente : a ancora. M. Conq, 1. 13. 
§. A férrea porta do Inferno ; Ulissea : o férreo 
tnuro ; M. Conq. i. 85. de férreas almas duros 
homicidas ; Uliss. 4. 46. §. Sono férreo ; por sono 
da morte, eterno. Eneida, 10. 185: iz. 75. de 
térreo sono os olhos se cobrirão., 

FERRETE , s. m, liistrumento iç ferre ; é 

Tom. II. 



§. Deste ferro , i. é , desta viagem ; e f desta 
vez, Castm. 3. c. 76. mandou-lhe dizer que ain- 
da d'aquelk ferro o nao podia restituir ao seu es- 
tado. §. Ferros : cadeyas , grilhões , e outras pri- 
sões. §. Arma de ferro , ou aço : v. g. passar , 
por a ferro , e fogo ; experimentar o ferro , i. é , 
os golpes das armas. §. Pdo ferro ; madeira múi 
rija da Ásia , e do Brasil. §. Corpo de ferrai 
miii rijo, §. Corarão de ferro ; duro , insensível. 
§. Foz de ferro ; forte , incansável. §. Século de 
ferro ; em que as boas artes , e policia andáo 
apagadas 3 bárbaro. §. Ferro velho ; o que já foi 
obrado , sérvio , e está gastado do uso. §^ Fer- 
ro morto ; i. é i destemperado. Barros : usão es- 
padas de ferro morto. §. Ferro doce , pedrez , <ò-c^ 
V. esres 2. adjectivos. §. Tomar ferro caldo , 01» 
sm braza ■■, era tomar uma barra de ferro en- 
cendido nas mãos nuas , para provar a inocên- 
cia , se o ferro não queimava a pessoa, que o 
tomava. Cron. J. 1. por Leão , c. 5. M. Lusit, 
z. f. 299. col. I. e na pag.f. col. i. salvar-se 
por ferro quente , /. é , mostrando a sua inocên- 
cia com tomar o ferro caldo ; prova judicial usa- 
da naquelles tempos. V. Elucidar. 1. f. 447- 
moído , lavrado i — moludo ■} o me$-. 
P rao 






»^ li, 



FEPv 

mo que moido. Elucidar. — mudo , moído. ibid. 1 

FERROBILHA. V. Farrobilha. 

FERROLHÁDO , parr. pass. de Ferrolhar. 
''jirraes , 2. 5- §• "o ^g- '^rraes , 5. 6. corações íer- 
íolhados , KO- Oíi/o , i. é , obstinados. §. £^«/. 
ferrolhada : peyada com peya de ferro. §. — M 
remo. Cam. San. 7. 

FERROLHAR , V. at. Fechar com terrolho. 
'Maus. f. 15. f- " Ferrolhar em prisões de eter- 
no grito : " prender. Como , 5. i. 2. " ferrclhou 
todos os marmheiros com cadeyas. " Cron. J. ^. 

p. 4. c. 94. 

FERROLHO , s. m. Ferro , que corre hon- 

sontalmente por dentro dos anéis , ou armellas 
das portas , e embebendo-se na armella do ou- 
tro batente , ou em o buraco da humbreir.i , 
ou ilhós , íecha , e tem cerrada a porta. §. fig. 
" fechar as portas do Estreito com huma boa 
fonaleza , . . . porque lançado hum tal ferrolho 
tvaquelle lugar &c. " B. 2. 7. 7. 

FERROPÈAS, s. f. pi. Grilhões. F. Mendes: 
Unhamos ferropeas nos pés. Cap. 119, e Tenrei- 
ro , cap. 28. 

FERROTOÁDO. V. Ferre toada. 
FERRUGEM , s. f. A côdea , que cria o fer- 
ro , ou aço terso , exposto á humidade , a qual 
o vai gastando. §. Doença das plantas , espécie 
de poeirí , ou còstra negra , que se lhe assenta 
nas folhas. V. Alforfa. §. Criar ferrugem a ar- 
ma ; fig. estar sem uso ; e no f. criarem ferru- 
gem os vassallos , náo se exercendo na guerra , 
€ nos úteis exercícios de paz ; perderem-se em 
ocio. Barreiros, Corogr. f, 45* 

FERRUGENTO , adj. Picado , ou coberto de 
ferrugem. §. f. Velho , de máo gosto. Lobo : 
fríHfíp/Oi de grammatica ferrugentos. 

FERRUGÍNEO , adj. poet. Còr. de ferrugem : 
e f. negro, escuro, triste. y^f/J/<J5. /. 27.;;?^. Uliss. 
«O. 41. còr ferruginea. 

FERRUMPÉA , s. m. pleb. Espada ferrugen- 
ta j farrusca , tarasca. 

FÉRTIL , adj. Que produz miáito : v. g. cárn- 
eo — : e no f. engenho — : abundante em no- 
vidades : V. g. anno fértil. §. Férteis no plur. 
Veiga, Ethiop. e Eleg. f. 2^A'f- Fer tiles ; Lu- 
sit. Trmsf. de ordinário dizemos Férteis. 

FERTILIDADE , s. f. O poder de produzir 
muita copia de frutos por industria do homem , 
contrap. á fecundidade, que é fertilidade natu- 
lal , e sem induscria de cultivaçáo : v. g. a fertili- 
dade da terra : talvez se confunde com fecundi- 
dade ; e no fig. dizemos a fertilidade ou fecun- 
didade de um ingenho inventor , ou que produz 
pensamentos , e escritos : da musa poética j dos 
recursos , alvitres , <&'c. 

FERTILIZADO , p. p. de Fertilizar; 
FERTILIZAR , V. at. Fazer fértil , fazer pro- 

'jâuzir muitos fiuto^ ; V S' a çhuva kiúliji». Çi 



FER 

campos. Jirraes, 2. ?. §• /. Fertilizarão seas cam- 
bos com o gráo do Santo Evangelho. Ccuto , 
12. I. 19. §. Fertilizar , neutr. Ficar fértil, ou pro- 
duzir muito. " para que os campos com falta 
d'agua nâo ftrtUisassem : " Fejio , Trat. 2, /. 10. 
FERVEDOURO , s. m. Operação para fazer 
conciliar amor , talvez com alguns ingredientes na- 
curáes , ou obras em que o diabo entra ! §. Fer- 
vedouro de formigas. V. Formigueiro. §. f. — de- 
gente , junta , e em acção. 

FERVÈNCIA , s. t. Fervura, §. Eífervecencia. 
FERVENTE, part. prés. de Ferver. Auto do 
Dia de Juizo : botai-o em pez fervente : metal 
— . Fios Samt. V. de S. Tirso : ferro —. tbid. 
\f. 246. §. f. Muito quente , ardente : v- g. san- 
gue fervente do mo^o ; Sã Aítr. Clima ferven- 
te ; o fervente Cancro { trópico de Cancro , e o 
clima a elle respondente ). Ferreira , Castro , /. 
169. §. Fervoroso : v. g. fervente oração, e ca- 
ridade. Lucena , f 2. c. 2. /. 70. c. i. «varões 
ferventes no zelo de Deus : " Fios Sanct. S. João 
Chrisost. §. Que se revolve muito : ondas ferven» 
tes C Clarim. 5. c. 17. ) de fogo de enxofre. 
§. — desejo: Ined. 2. 71. Cam. cm<i. n. 

FERVENTÍSSIMO , superl. de Fervente. Feyo, 
Tr. 2. /. 21. ferventissimo amante : Sol — ; ureá- 
es — de Jfrifa ; clima — . V. Fervente. 

FERVER , V. n. Mover-se o liquido pertur- 
badamente por causa do grande calor que tem 
concebido : ou mover-se do mesmo modo , quan- 
do fermenta. §. f. Ferve o sangue das veias com 
grande febre , agitação , ou comoção das pai- 
xões de ira , e sensualidade. §. f. Agitar-se mui- 
to , como o fervor dos líquidos a fogo. o mar 
fervia ( durando o tufão ). Conto , 5. 8. 12. 
Ferve a areia com mar e com as bravas ondas se 
mistura : Eneida , 5. 125. fervia o espirito com 
medo: B. 2. 2. 5. fervia o espirito em b lascar me- 
dos como a jortaleza não fosse avante : id. 2. 2. 
4. §. Estar em grande ardor , e causar grande 
calor: " o Sol que nella feive (junto do Mon- 
te Félix y '* Cam. Eleg. o Poeta &c. Quando 
o dia fervia. Calvo , 2. p. Fíom. f 79. §./. Fer- 
ver em ira, zelo, desejos , <b'C. V. Couto j 7* ]• 
6. ( do animo ) §. Sair com impero , e fazendo 
bulhões : v. g- ferve a fonte , que brota debai- 
xo , ou caindo em tanque excita uma como fer- 
vura na agua d' elle. Camões , Eleg. « Nem rio 
claro corre , ou ferve fonte. " §. Andar , ou es- 
tar um grande número em acções perturbadas, 
e desvairadas bem como os bichos , de que al- 
gum sitio está inçado : v. g. ferve em , ou com 
piolhos ; fervem as praias da gente , que concorre 
a ver ; Lusiada , 2. 9^ Fervem os enxames de 
abelhas : ferve a gente em desordem : por estarem re- 
colbendo a artelbarta com muita pressa , e ferverem 
os Turcos Tia embarca-^ão : Couto , 5. s* ?• " i"^' 
' telharia «jue afuzilava pot huma parte , e as /re- 



FER ^ 

th^s fervido por outra. " B. t. ^. 6. coelhos (Jite 
ferviáo como. bichos ; Leão, Cron. jf. i. c. 98. 
gente , (jiie por ali fervia ; P. Per, L. z. c, 10. 
§. fervevi as iemandas nos Tribunaes. §. Estar em 
grande agitação, e trabalho, ou acção : V. g. 
*' fervia a guerra em todos os lugares : " Frei- 
re. " fervendo a perseguição dos Christáos : 
Fios Sanct. pag. LXXVIl : o meu desejo está fer- 
vendo para ter. .. Chagas : fervs a cubica ; V. 
do Arceb. i. 5. ferve a laranjada pelo entrudo, 
«br. ^^ fervendo elles em seu appstite. " Ined. i. 
112. fervendo o amor. Galvão , Serm. i. /. 116. 
-jr. §. Fadigar , afanar-se : Deus estd-se rindo do 
tiosso ferver. Vlisipo , /. 277. §. v. ai. Fazer fer- 
ver : V. g- Ferva-se em vtnho huma portão de ca- 
nieesas , éi^c. 

FERVÍDO , part. pass. de Ferver. 

FÉRVIDO , ad). Ardente , fervoroso , com 
muito fogo, energia, ou paixão. Lus.^ 5. 152. 
os matadores- de D. Inez se encarnicavão fervi- 
dos , e irosos. §. Abrasado : v. g. os fervidos cam- 
pos da EthÍGpia : Galhegos. §. Kapidissimo : v. g, 
férvida roda do coche : Uliss. férvido carro, idem, 
8. 149. §. Que abrasa, no f. o fervido azorra- 
gue : Barreto. §. Fogoso : v. g. o fervido cavai- 
lo : Galhegos. §. Humor fervido C t. Med. ) múi 
ardente , como a agua , que ferve. §. Fervoro- 
so : V. ^. fervidos desejos. 

FÉRULA , s. f. Flanta. V. Canafrecha. Cos- 
ta , yirg. 

FERVOR , s. m. Fervura : v. g. da agua. B 
Ciar. c. 79. da agua entrando com força : v. g. 
por um rombo no navio. B. 2. 2. 8. f. Ar- 
dor , grande calor : v. g. o fervor do Sol , das 
calmas , do estio. Arraes , 7. 4. §. i. O ardor , 
energia , dos sentir.entos , das paixões , e ac- 
ções : V. g. o fervor da mocidade , o fervor de 
espirito. M Lus. Arte de Furtar , 7. espertar em 
feito vil fervores de honra : abater os fervores san- 
tos do Arceb spo. ( edificando a Academia Bra- 
carense j e outras obras taes. ) F. do Arceb. 
I. 19. §. Fervor do animo indignado : Arraes , 5- 
5. no fervor do seu alvoroço. Clarim. 2. c, 52. 
§, f, O afanar, e cançar , ferver z-v. g. ,"./^^; 
vor , que os Mouros tinháo de levar especiaria. " 
B. ^. (). ^. no fervor da occupa^ão de aquirir fa- 
zenda , i. é , quando cançamos mais por isso. 
Barros ,1,. foi. zz. f. c. 2. de apparelbar-se para 
a guerra. §. — dos bateis. B. z.-z. 5. §. O fer- 
vor das s'(pplicas , orações , é^c. 

FERVORÁDO. Arraes y 6. iz. jervorodo em o 
servido de Deus. ( V. Afervorado. ) — desejos, 
idem , ^.18 

FERVORÁR , V. at. V. Afervorar. 

FERVOROSAMENTE , adv. Com fervor, v. g. 
orar — : pedir — : trabalhar — : negociar algúa 
coisa — . 

FERVOROSO j adj. Que tenj fervçr, que çbra 



FES 



27 



com fervor ; acompanhado de fervor : v. ,^. espirh- 
to — ; orarão — i diligencia — ; actividade — i 
caridade — . 

FERVURA , s. f. O movimento sensível , e 
perturbado do liquido , que ferve. §. fig. o mar 
empollado , e de fervura. B. 2. 8. 1. §. Tomar 
fervura ; começar a ferver : levantar fervura ; 
quando com ella o liquido se rarefaz , e au- 
menta em volume. §. Deitar agua na fervura i_ 
para abater o liquido que levanta fervura : e figi 
abater , quebrar o fervor do animo ; fazer abran- 
dar a paixão , alacridade , a esperança viva , C 
alvoroço. 

FESTA , s. f. Acção , ou funcçáo feita eitl 
honra , e obsequio religioso , ou urbano. §. Fes- 
tas: demonstrações de alegria, gosto, amisade, 
com que se agasalha alguém , ou alguma boa 
nova , e successo. §. Fcsíido de festa : o que se 
usa em dias de festa , o mais luzido , rico , lou- 
çainha. §. Cuidar alguém q:íe enche as festas ; 
i. é , que é múi importante nellas , e o tudo. Sd 
Mir. Ed. 8. Basto. 

FESTÃO , s. m. Ramalhete de rama com flo- 
res entresachadas , com que se adornão templos , 
&c. §. Obra de escultura , que imita os testócs 
naturaes , ou lavrada em metaes. 

FESTEJADO , part. pass. de Festejar. 

FESTEJADÒR, s. m. O que festeja alguém , al- 
gum dito , boa ventura. §. Festivo , alegre : 
V. g. homem pouco risonho, nem festejador. Ined, 

FESTEJAR , V. at. Fazer festa , mostras de 
alegria , por algum motivo , ou occasiáo : v. g» 
festejar a nova , o bom successo. §. Festejar com 
sigo : alegrar-se entre si. §. f. Festeja o cão a seU 
amo. §. Fazer festa : festejarão sua Magestadí 
com luzida mascarada. Lavanha , Viagem , p. 2. 

FESTEIRO, s. m. O que faz a festa á sua 
custa. §. como adj. O que anda por Festas, e 
as frequenta. , 

FESTÍM , s. m. Festa particular , em que ha 
bailes , e outros divertimentos , e talvez banquer 
ce. §. Farella : em piíblico festim ; perante as pes- 
soas que assistirão ao baile , e divertimento. 
Freire : Bailes , folias , e festins, f. 50. 

FESTIVAL , adj. Alegre como em acto de 
festa. Arraes , 5. ^. " a companhia que vinha /fí- 
tival : " Lusit. fransf. f. 92. Contos festivdes ; 
idem , /. 92. f. §. Dado a festas alegres , e jo- 
gos nêllas. Lan<^ão-se a festiváes ( hoje dizemos 
Festeiros , ou Carolas ) : Apol. Dial. f. 2^9- 'co- 
rnem de boa condirão , festival , alegre : Lobo , Pe- 
re^r. L. z. Jorn. 4. " ó festival cabeça , ho- 
mem jucundo : " Costa , Terem. 2. f. 227. §. Dia 

—. B. ^. 3. 10. f • T 

FESTIVÁLMÈNTE , adv. Com festejo ,_^e ale- 
gria. D* Aveiro, ç. yó. tocavão os mos mut Jes- 

íivahmmç, „„<, 

D ii f ^^ 



^u 



FEV 



FIA 






FESTÍVO , adj. De festa : v. gi. o festivo /o- 1 Barrigas , Calvos , Delgados , Feyoi , &c. " Je- 
so- o iestWo espectáculo. Traslad. daHamba San-\verm , Not. Disc. ^. §, 2. pag. 1H8. 5. e^íi^. 
ta' e Farella: dia — i iesúwzl _ FEYRIR. V. Fm>. ^ 



FESTO , s. m. A longura , ou comprimento 
do panno , opposto á largura ; ou o panno pos- 
to segundo o seu longor. §. Chamáo hoje : pan- 
no , ou fazenda de festo , aquella cuja largura 
vem nas peças dobrada pelo meio , como os du- 
rantes , os pannos íinos^ Inglezes , os baiecóes , 
&c. outros dizem que é o direito opposto á su- 



FEZ , s. K A borra , pé , sedimento : v. g. do 
azeite, e outros líquidos , as tezes, ou borras do 
vinho. Costa , Terem. t. i. /. XLVUI. " da fez 
a que os Gregos chamáo -v^vy^av , . . untaváo o 
rosto com fezes. " Ferrar. Põem. Carta 9. L. 2. 
a féz. §. A parte sórdida , e grosseira , que se 
estrema dos metaes apurados : v. g. fezes da pra- 



OCC, outros ulZCIll que c u uiicitu uj^^Juaiu a. ,3u- 1 v.si.iv.iiia uus invi^v-i. c|--.-w.«^j . r. ^. _,._.- — ^ 

perficie menos bem trabalhada, que se diz o\ta, do ouro. §. fezes de ouro. V. Litargirio. §._^ 
avesso do panno , que vem dobrado ao longo. \fez , ou as fezes do powo : a infima plebe. Leão , 
§. Uma droga grosseira. Lobo : mantéos de Cron. delRã D. Fern. pag. 525. j^ente de baixa. 



festo. 



FÉTÁL, s. m. Campo de muito feto, herva. 

FÉtIO. V. Feto herva. 

FÉTIDO , adj. Fedorento. Lusíada : fétido , e 

Iruto. 

FETO j s. m. Planta de que há duas espécies 
principáes , o macho , e fêmea , ( fillx , kis. ) §. A 
criança em quanto anda no útero materno : e 
f. os fetos dos outros animáes. 

FETÒR , s. m. ant. Feitor. Elucidar. 
FÈTTO , adj, ant. Feito. Elucidar. 
FÈVARA , s. f. V. Fevcra , ou Febra. 
FEUDAL , adj. Que respeita a Feudo : v. g- 
'2)ireito — ; jurisprudência — ; Senhorio — . 

FEUDATÁRIO , adj. Que paga feudo , ou 
foi recebido em feudo : v. g. terra feudataria a 
elRei. " Se forem reguengos tributários, ou feu- 
datarios. " Ord. Af. 2. /. 7?- §■„%• " ^ ^^''' 
cia he feudataria da ociosidade. " Insulana. 9. 
182. §. substant. O Vassallo , que possue feu- 
do , e deve fidelidade , e homenagem ao Se- 
nhor , e que paga feudo. 

FEUDO , s. m. O dominio , possessão , ou 
herdade , que o vassallo recebe do Senhor com 
obrigação de homenagem , e fidelidade ■■, presta- 
ção de certos serviços i e algum conhecimento , 
ou tributo. Orden. /if. , 

FÈVERA , s. f. As fibras, ou espécie de fi- 
laças, em que se divide a carne. §. As feveras 
do açafrão. §. Homem de — : alentado , valen- 
te. §. Carne defeyera : muscular , sem osso , nem 



maneira , e da fez do povo. §. f. Alegrias que 
trazem tantas fezes de tristeza : Conspir. j. 329. 
(li — do peccado. Vieira. De quem não se emen- 
dou , ou corregiu de erros , e máos sentirnentos 
inteiramente , dizemos ; que ainda lhe ficarão fe- 
zes. Ferr. Bristo , 5. 4. Ainda lhe a este ficarão 
fezes. V. Fcx. 

FÍA, s. f. V. Fiada. Castan. L. 5. c. 6j. 
FIAÇÃO , s. f. O trabalho , exercício de fiar 
algodão , lá , linho , seda. 

FIADA , s. t. C de pedreiros ) Carreira de pe- 
dras , ou tijolos assentados na cal. P. Per. 2. f. 
14. paredes de huma só fiada. §. Castan- falando 
da estreiteza , com que se repartia a agua por 
falta delia no mar , diz que não se dava á 
gente senão huma fiada delia por dia. ( Vira 
do Italiano Fiata, e será huma vez d' agua por 
dia ; os nossos primeiros almirantes forão Italia- 
nos , e delles ficarão outros termos na marinha 
como era natural : ou será fiada àefio, por um 
fio d'agu3 , porção múi ténue í ) Couto , 4. 6. 
8. " vindo nos já a fiada d'agua. " §. V. Fiã. 
" 16 fiadas a cada alqueire de manteiga : " 

vera a ser medida de - de alqueire , ou meyo 

Io 

salamim. Elucidar, art. Fiada. 

FIADÍLHO , s. m. Borra de seda torcida em fio. 

FIADO , part. pass. de Fiar, V. o verbo. §. 0«- 
ro — : tirado pela fieira. Castan. z. f. ifTO. 

FIADOR , s. m. ora , f. Pessoa que afiança 
outrem , e toma sobre si desempenhar a obriga- 



gorduras. §. fig. ao vicio mostra coragem, e fe-lção, que contrahe aquelle de quem se diz Fia 
vera. Ceita , Serm. p. 544. ed. cit. máo sem- dor. §. Cordão que prende, e segura ao braço : 



blante. 

FEVEREIRO , s, m. O segundo mez do nos- 
so anno. 

FEVERÒSO , adj. Janeiro geoso , fevereiro fe- 
•veroso .... fazem o anno formoso. 

FEúZA. V. Fiaza , cófiança. " — em a vir- 
ginal Madre. " Ined, 5. 15. (^de Fiducia, Lat.^ 

FÉX , s. f. Ferreira , Carta 9. L. 2. /. 100. 
Costa , Terêncio ; e Leão : a fex do Povo. V. Fez. 

FEYO , adj. melhor ortogr. que feo , ou feto. 
** Tomáráo-se também os sobrenomes de alcu- 



nhãs i.f de algua qualidade do corpo , como 37. 2, 



UVA* iy» *..»v»v..*v -^w-^ |--^ :7 - c ■» . 

V. g. o fiador da espada , do falcão , do cavai- 
lo, &c. §. Os clássicos usão de fiador no gé- 
nero feminino, Eufrosina diz : eu fiador , e não 
eu fiadora; e assim mulher fiador : Ord. Af. A-f 
8p, e no §. ^. ser certificada e sabedor. Ulisi- 
po , X, SC. í. eu fiador ( fem. ) que vos não dem 
desgostos. 

FIADORÍA, s. f. O acto de ficar por fiador, 
e a obrigação contrahida por isso. Ord. Aj. 2. 
pag. II. entregão nos com caucom ou fiadoria : 
e pag. 459. dar — i '• ^ j fianja. Oíden. }. 



FIA 

FIADÚRA , s. f. V. Fiadoria. ant. 

FIÃ , s. f. Vaso como almotia , que_ antiga- 
mente chamaváo Fiaa , ou S^aa , &c. Fã de \6 
em alqueire : fiã de manteiga, , - de almude. Elu- 
cidar, aí se diz fiã , por jiada , uma fiada d'a- 
gua. Elucid. Supl. Fiãa de manteiga, duas ca- 
vadas. 

FIAMBRE , s. m. Vaca , presunto , gallinbas 
de fiambre. §. Ftambres em geral , são os que se 
cosem , ou assáo para se comerem , quando es- 
tão resfriados , e ficarem para outras comi- 
das. 

FIANÇA , s. f. A obrigação que contrahe o 
que fica por fiador de outrem , tomando sobre 
si o pagamento da divida , ou muita , em que 
o afiançado incorrerá contravindo a alguma lei , 
ou obrigação, §. Livrar-se sobre fiança ; i. é , 
solto , dados fiadores. §- Abonação , confirmação. 
M. Ltisit. t. Dedic. para fiança da verdade com 
que escreverei. §. Os negros de pouca verdade , e 
menos fiança: i. é , fé, confiança. 7ned. i. ii. 
§. Confiança , confidencia , que se faz de , ou 
péi em alguém. Ord. Jf. 5./. i ip. §. Esterco, 
estravo das bestas. 

FIANDEIRA, s. f. Mulher que fia. Uliúpo ,f. 
15. e talvez vive de fiar. 

FIANDEIRO , s. m. O que fia. Prestes , /. 

112. f. 

FIAR, V. at. Reduzir a fio, puxando, esten- 
dendo , e torcendo as fibras : v. g. fiar linho , 
lã , algodão. §. Fiar alguém : abonallo , ficar por 
seu fiador. Orden. 5. 57. 2, Filhalp. 5. se. 5. ora 
eti o fio. §. Fiar alguma coisa de algum : ven- 
der-lha a credito , havendo a palavra do com- 
prador por empenho da paga. §. e no f. espe- 
rar , e ter quasi certeza , de que o sujeito de- 
sempenhará o que delle se cuida , e espera : 
V. g. fiando delle os maiores negócios ; i. é , con- 
fiando ao seu segredo , direcção , ou execução : 
V. g. fiar os particulares cargos , e fac>^Ões da guer- 
ra. Vasconc. Arte. §. Entregar com confiança ; 
no f. fia o lavrador as sementes da terra. Âr- 
raes 3 i. 4. não fiáramos as vidas ás ondas. Fui- 
ra , Serm. 3. n. 885. aventurar , arriscar. §. Fazer 
fundamento , escorar , estribar : v. g. fia se na 
justiça da sua causa. §. Ftar-se de alguém ; de- 
positar nelle a sua confiança , e esperança : f. 
fiar-se d , ou da cortezia dos mares. §. fig. Os 
que não fiassem de si tanto ; i. é , tivessem con- 
fiança de suas torças , diligencia , pontualidade , 
virtude. F. do Jrceb. 5. 13. (fiando da obser- 
vância do instituto reformado ) Is\o fio eu delle : 
i. é , tenho-o por capaz de o fazer , dizer. §. Con- 
fiar. " ou por que fiavão demasiado de sua jus- 
tiça. " ( e6tar confiado , e esperançado. ) F, do 
jírceb. 3. 14. 
FÍÉRA , s. f. Feveia , fig de carne animal ; 



FIC 



25> 



e f. do linho , ou algodão , abertos , e antes de 
torcidos. 
FÍEULA , s. f. Fivela. Ulissea , 8. 1 10. p. usado, 
FICADA , s. f. O contrario de partida , ou ac- 
ção de ir-se de algum lugar. H. NaUt. I. /. 158. 
Ined. 1. zyj. Couto, y. 3. 8. 

FICAR , v. n. Não ir , náo se partir de al- 
gum lugar. §. f. Permanecer , durar , restar : v. g. 
não me fica nenhumíi esperança , remédio , recurso. 
§. Afiançar : v. g. eu lhe fico, que elle cumpra a 
sua promessa : i. é , eu te fico por fiador ; como 
no mesmo sentido Camões , £gl. " eu te fio , 
que em virtude dos versos que cantaste sempre 
viva o pastor que tanto amaste. " §. Ficar em 
alguma ac^ão : v. g. em ir , partir , comprar ; i. é t 
estar , ou vir a ter a resolução final de ir , par- 
tir , &c. §. Estar : v, g. fica de saúde ; mas di- 
zemos de pessoa ausente , de quem nos apartá- 
mos , ou de nós mesmos a outrem ausente ; e 
f. estar : v. g. fica em pé a lei. §. Fica claro : /. 
é , em consequência de razoes , provas , ou coi- 
sa fisica : V. g. (om duas luzes fica o quarto as- 
sas alumiado. §. Concertar se em alguma coisa : 
V. g. ficamos em ir á Penha. §. Ficar a vitoria 
com alguém : ser vencedor esse com quem ella 
fica. " vendo ficar com sua neta a gloria. 
Pãlmeir. 4. p. f. 49. §. — se com alguma coisa ; 
retella em seu poder. §. Ficar alguma coisa por 
alguém : não se eíFeituar por sua causa , ou cul- 
pa desse por quem dizemos que ficou : v. g. por 
mim não ficou que se não fizesse a festa. Arrats , 
3. II. Se por etles não ficasse j se não fosse pot 
elles. V. P. Per. 2. /. 119. U/ní>o , /. 129. 
não fique por isso ; não deixe de fazer-se pot 
esse respeito , ou por falta disso. §. — se em 
algífa parte ; i. é , ficar por sua vontade. " E 
ficouse ( Amor ) com ellas desarmado. " Cam. Son. 
203. Ficar neutramente se diz de quem ficou 
por vontade , ou constrangido , e obrigado ; fi- 
carse espontaneamente , assim como estarse : e com 
a mesma analogia dizemos^: " Seja-se elle vosso 
amante , e de mim não cure embora, ■'^ V. Es- 
tar , e Ser. §. ant. Fincar ; v. g- os joelhos no 
chão. 

FÍCC^XO , s. f. Invenção fabulosa. §. Inven- 
ção engenhosa. §. O fingir : v. g. ns ficçóps do 
Gentilismo -^ as ficções poéticas: fabulas. §. So'f- 
posiçáo que o Orador faz para dar mais íorça 
ao seu discurso. 

FICHÚ , s. m. Lenço bordado mayor , que co- 
bre o pescoço, do Francez Fichu. 

FICTÍCIO , adj. Fingido , fabuloso : V. g. no- 
mes fictícios : Barreiros , Ccregr. 

FÍCTIL , adj. Ficticio. Fénix da LUsit. 10. p. 
usado. 

FIDÁLGAMÈNTE , adv. Ao uso dos fidalgos. 
§. f. Nobremente , com explendor. 

flDÁLGARRlO , s. m. Grande fidalgo ; r; 

cha- 



t 



V X^X 



30 



FID 



chulo ; díz-se á má parre do que arroja fidal- 
euia. Apol. Dial. f. 250. 

FIDALGO , usa-se subst. e adj. ( composto , 
e abreviado de Jilho d'algo. Nobtliarw , e Cron. 
-do Condestavd, c. 58./. 51. filho de haveres, 
bens , da fortuna , ou da educação , e acções 
generosas, e boas, porque com quaesquer des- 
fas partes se serve a pátria, e se e nobre :> 
Homem nobre que tem o foro, e qualificação 
civil dita Fidalguia , a qual se adquire mandan- 
do elRei escrever em seus livros a pessoa ele- 
vada a essa dignidade , e consiste em gozar de 
certos privilégios , e distinções ; havia fidalgos h- 
Ihados pelos Infantes, fidalgo do Duque de 
Bragança: Mendes Pinto, c. 206. Ined. z. 217. 
« Martlm Corrêa fidalgo da casa do Infante D. 
Henrique. =' B. i. 4- i- " ElRei declarou a 
Vasco da Gama , fidalgo de sua casa , por ca- 
pitão mór das velas. '' Esta c fidalguia de car- 
ta , ou mercê , por mercê ào Soberano , ou pa- 
ga , e remuneração de serviços á Pátria. §. fi- 
dalgo de Solar , de Linhagem : o que )a descende 
de outros ; o que tem nobreza conhecida pelo 
Solar : de grande Solar conhecido C V. Solar ) 
o que véi , e descende de avoengos fidalgos. Ord. 
ji\ I. 64. T,. Fidalgos de Linhagem ou de cota 
d' armas ( que tenha brazóes de seus mayores ) 
Cit, Ord. §. 14. §• Fidalgo monturciro. V. Mon- 
tureiro. §. yícção fidalga ; nobre. 

FIDALGUÍA , s. f. O foro , ou caracter civil 
de fidalgo , que elRei concede mandando lançar 
em seus livros o nome da pessoa , a quem to- 
ma nesse foro para seu serviço, com exercício 
do serviço, ou sem elle. " jÍ honra da fidal- 
guia , que foi dada aos Fidalgos primeiramente 
antre os outros homens , por filharem carrego , 
e servirem em detensom da terra , d'hu som 
naturáes , ou em que vivem &c. '^ Ord. Jjons. 
4. 26. §. B. f. 120. §. J fidalguia; o corpo da 
Nobreza. Ord. Aj. 5. \>^g. ?47- pnvilegw de fi- 
dalguia , cavallaria , ou doutorado §. Ha fidalguia 
de Solar , de Linhagem , e de Aíercè &c. §. Ac- 
ção fidalga , nobre. Cron. Af. 5. c. 4. §• fig- ^ 
fidalguia da verdade , e da virtude. Galv. Serm. 

I. /. 27. t. , , . „. . .. rr 

FIDÉDIGNISSIMO , superl. de Fidedigno, 7. 

d'> Agora, 2. 2. /. 85. testemunhas fidcdignisst- 

mas. 

FIDÉDÍGNO , adj. Digio de credito : v. g. 
mthor , testemunha , pessoa fidedigna. 

FIDEIGOMMÍSSO , s. ni. Disposição , pela 
qual o testador instliue algucm seu herdeiro, 
ímpondo-Ihc obrigação de restituir a herança, 
ou parte a outrem , ou havcr-se de modo que 
lhe venha a cahir em poder. 

FIDELIDADE , s. f. Guarda , observância da 
fé dada , promettida , empenhada ; oppóe-se a 
Infidelidade. §. O náo descrepar , aparcat-se da 



FIE 

verdade , ou do original : v. g. dar os recados , 
e embaixadas com fidelidade 3 traduzir com fideli- 
dade , <i^c, 

FIDÈOS , s. m. pi. Aletria , ou feveras de 
massa por cozer , como aletria , ou pingos de 
massa , os quaes se cosem em caldo de vaca ; 
ou com leite , e assucar , &c. 

FÍDO , adj. poet. Fiel. Jnsul. amante — : 

cão — . 

FIDÚCIA , s. f. Atrevimento , ousadia ; con- 
fiança , estorço. Eneida, 9. 51. mas não falto» 
fiducia a Turno ousado, 

FIDUCIÁL , adj. Linha — : cabello ; ou fio de 
prata sutilissimo ãpplicado sobre a lente dos ócu- 
los Astronómicos. 

FIDUCIÁRIO , adj. Jur. Que se dá , ou faz 
em confiança ; que faz as vezes de outro. 

FIEIRA , s. f. Chapa de aço com buracos re- 
dondos de vários diâmetros , pelos quaes se pas- 
sáo barrinhas dos metaes ductis , e se vão es- 
tirando em fio. §. Tirar a sentença pela fie ra da 
justiça , i. é , dá-la conforme á justiça. H. Pin- 
to , 2. p. c. 16. *' Se homem houver de tr pela 
fieira da consciência : " i. é , seguir os rigores , 
e escrupulosidades da moral, Paiva, S. i.-ico. 
f. §. Estar a balança na fieira : bem equilibra- 
da , afilada. Ord. AJ. \.T. 5. §. Tomar contas 
pela fieira , i. é , estreitas. Eujr. f. 9, f. §. Dar 
pola fieira : delgado , pouco. Não dá por junte , 
dd pola fieira. Galvão, Serm. 1. f. 32. §. Cor- 
del de atar o pião para o fazer dançar. §. Fi- 
leira : V. g. " huma fieira de cazas. '^ P. Per. 2. 
31. f. Castan. ?. /. 156. col. 2. fez quatro fi- 
eiras dos seus calaluzes , linhas , renques : de gen- 
te , Castanb. 2./. 189. B. i. v 9- " \'inháo em 
fieiras : =" fileiras. §. " Huma fieira de aves. =" 
Palm. p. 3. /. MO. f. 

FIEL , adj. Que guarda a fe promettida , que 
I desempenha a promessa. Leal. §. Que morreu no 
grémio da Igreja: v. g. os fie\s defuntos. §. Cora- 
ção — ;■ náo dobrado. §. Exacto : v. g. Me- 
moria f.el ; que náo falha. §. O fiel movwtento 
dos astros ; bem regulado , e que náo se des- 
mente. 

FIEL , s. m. O fiel d^ alguém ; a pessoa de 
sua confiança , de quem se fia. §. Fiel da ba- 
lanç^a ; ferro perpendicular fino , no centro de 
gravidade dos braços da balança , o qual mos- 
tra quando ella está em equilíbrio. §. Olhcial 
que vigia sobre a exactidão dos pezos : v. g. 
o Fiel da balança d' Alfandega , Casa da Moe- 
da , <í^c. §. Fiel do Thesoureiro mór : o que guar- 
da , e recebe, e entrega dinheiros ás partes. 
§. Fiel entre partes ; o que faz negócios de dois ; 
V. g. o corretor. Ord. Af. i.f. 90. o arbitro. §. Fi- 
el dos cábios ; o que assistia no cambio das 
moedas estrangeiras correntes em Portugal , como 
corretor entre o cambiador , e «juem lhe leva- 



FIG 

va dinheiros a cambiar, ou examinar o seu in- 1 
trinseco valor. JiUil. ^. 45B. §. Fuis de Dcm : 
montes de pedras arrimadas nas estradas, ou 
junto a cruz posta onde matáráo alguém na es- 
trada pública. EUládar, §. Fiel , na Camará de 
Barcellos : oííicial , que aponta todo o anno os 
preços do pão , e vinho. Barreiros , Corogr. 
§. Fiel , nas vinhas : bocado de vara , que se 
deixa por baixo das outras para delia nascerem 
varas , e se fazer videira nova. §. fieis de Detls^ : 
montes de pedra , com que antigamente cobriáo 
os criminosos apedrejados, it. Os mortos desco- 
nhecidos , e que não tem quem lhes faça tune- 
ráes. §. Fid do Carcereiro: homem de quem el- 
Ic se fia , e que o serve na guarda , e serviço 
da cadeia. §. Fiéis do campo ; eráo os que punha 
quem dava capo, ou praça aos desafiados para 
fazerem seu dueilo ; e os Fieis faziáo o capo se- 
guro de fraude , ou engano , tiraváo os desafia- 
dos do capo quando seu reto era acabado, ou 
parecia razáo que se dessem por satisteitos ; os 
Fieis éráo nos reptos por autoridade publica o 
que sáo os padrinhos nos desafios particulares. 
Inedit. 2. pag. 489. e. 564. 

FIELDÁDE, s. f. Fidelidade. B. ?. 8. i. Enfr. 
I. 6. Testamento dúRei D. Jf. 5. Palmeir. p. 2. 
c. 15^. a verdadeira fieldade : pòr bem em-—; 
deposita-los por autoridade publica em máo 
de pessoa fiel , que bem os guarde , e adminis- 
tre. Orden. Afons. 2. f. 215. §. Faço carta de 
fieldade , e fnnuião a vos Mouros : de promes- 
sa fiel. Orden. Jfons. 2. f. 529. §. A fieldade do cu- 
nho Real •, a segurança que o cunho abona de 
ser a moeda de boa Lei , e justo peso. Ined. 
:}. 4^4. a fieldade de nossas moedas ao nosso cru- 
nho ; a conformidade delias cm serem quaes 
o Cunho afiança , e correspondência exara 
do toque , e peso com o valor indicado no 
cunho. 

FIELMENTE , adv. Com fidelidade. §. Cem 
exactidão : v. g. traduzir — de himn lingna an 
outra. §. Sem duvida , sem diminuição, eiure- 
gou fielmente o deposito ■■, a caixa do contrato : 
restituifí — o que achou, 

FÍGA , s. f. Figura , que se faz fechando a 
máo , e mettendo o dedo polegar entre o mos- 
trador , ou Índex, e o dedo grande. §. A mes- 
ma figura feita de corno , azeviche, ouro, pra- 
ta , &c. §. Dar figas : fechar a máo fazendo 
f.gas em sinal de desprezo. H. de S. Dom. p. 
2. fechando a mão etn figas ao Demónio. §. Fi- 
gas : redemoinhos de cabellò , que os cavai- 
los tem onde é coitume picá-los com a es- 
pora. 

FIGADAL , adj. Do fígado , entranhavel : v g- 
amigo—, ArraeSf i. 2. §. Alegre , cheio de in- 
terior satisfação. Sd Mir. nunca o tão figa- 
dal vi. 



FIG 



31 



*« 



FIGADÁLMÈNTE , adv. Entranhavelmente. 
FIGADÈIRA , s. f. Doença de fígado , que 
vem aos animáes. 

FIGADÍNHO , s. m. dim. de Figado. 
FÍGADO , s. m. anatom. Uma entranha gran- 
de dividida em ires lobos , ou •; ^iicas , situada no 
hipocondrio direito. §. 1. ''Z ior , espíritos : v. g. 
homem de figados. §. Lisposiçáo do coração : 
V. g. homem de bons , ou mdos figados ; de boa , 
ou má vontade, disposta a fazer bem , ou 
mal. 

FÍGO , s. m. Fruto arredondado com uma 
feição de funil, com que se vem adelgaçando 
até o pezinho ; consta de casca mclle , e den- 
tro tem massa branca , ou roixa , doce , succo- 
sa , com seus carocinhos ténues. §. Carnosidade 
exterior nas ranilhas , e talvez em parte da pal- 
ma do casco da besta. §. Figo , na Índia : a ba- 
nana do Brasil. H. Naut. 2, /. ■^,69. §. Nav va- 
ler um figo : sent. prOv. náo valer nada. ( do 
Ital. ) Ulisipo , 5. 7. 

FIGUEIRA , s. f. Arvore vulgar, que da os 
figos. §. Figueira Baforeira , ou de tocar, V. Ba- 
foreira. §. — douda. V. Sycomòro. §. — do in- 
ferno : que dá semente parecida com carrapatos 
de cães. C Pemadactylon ) — da índia. Vide Manr 
gue , e Opuntia. 

FIGUEIRÁL , s. m. Mata de Figueiras. 
FIGUEIREDO , s. m. Mata de fígueiras i hoé 
je é appeliido. 

FIGUÍNHO, s. m. dim. de Figo. 
FIGURA , s. f. A Forma externa , a feiçáa 
de qualquer coisa : v. g. hum vulto com figura 
humana. §. na Math. o espaço fechado por 
uma linha' : v. g. o Circulo ; ou por varias , por 
exemplo , o Quadrado , Cifíndro , &c. §. Modo 
de falhr diverso do usual , e regularmente sufR- 
ciente para declarar es conceitos , feito por mo- 
tivo de brevidade , por energia , ou qualquer 
belleza , e adorno do discurso. §. Pintura. §. Le- 
vantar figura : fr. Astrol. fazer certas observa- 
ções nos astros, das quaes pcrtendem tirar o co- 
nhecimento dos futuros contingentes á cerca de 
alguma pessoa , &c. §. Symbolo , imagem signi- 
ficativa de coisa futura : V. ^. o nuiná era fi- 
gura do pão Cíleslial , que Cmsto nos deixou na- 
Eucharistia. §. Figuras : actores , e actrizes. 
§. Nota musica. §. Em figUra ; i. é y em ac- 
ção , ou postura : v. g. pmtão a Hercules em fi- 
gura de receber sobre os hoitibros o mundo. §. Es- 
tar em boa , ou md figura ; /. é , bom , ou 
máo estado , e circunstancias. §. Figura de juí- 
zo; a forma ordinária de processar : setn figura 
de juizo , 1. é , sem as formalidades , e estré- 
pito ordinário do foro ; múito summariamente. 

Ord. ^ ^7. I. ^ . 

FIGURAÇÃO , s. f. Astrol. Nascimento de 
— j é o em que se toma o aomc da figura ,, 

que 



^1 



i 



í^?r>«v: 



■:s>r^ 



l'^ 



FIL 



% 



' li 



■ « 



^■/. 




oue s' levanta para saber o tempo , e hora , 
em que os planetas nascem no tal horizonte , e 
chegao a seu meridiano ; serve esta observação 
para se conhecer , quando as hervas tem maior 
Virtude , &c. segundo a vaidade astrolog-ca 
FIGURADAMENTE , adv. No sentido hgu- 

'^fTgURÁDO , part. pass. de Figurar. §. Em 
que há figuras grammaticáes , ou rhetoricas : v. g. 
tm\o íigmaào. §. Imaginado , supposto: v. g. ho 
figurado caiO de se mo cumprir o Dromettido. §. hr- 
ç^lss — ê cachopa ; i. é , pintado representado 
em figura , e trajos de moça. §. Saúe — ; em 
que há figuras que representao , e alludem a ai- 
gúa representação. §. Figitrado em pintura , ou re- 
levo. Arraes , 4. 28. - . , 

FIGURÁL , adj. mus. Canto — ', U e , canto 
de orgáo, o que náo é canto chão. §. ^ue 
serve de typo , 'ou figura. « Sacramental , ou^^«- 

ral" Arraes , ?■ 18. 

FIGURAR , v. aí. Representar ; /. no pensa- 
mento. M. Conq. figurando no pensamento ver- 
se recuperado. §. A pomba figura o Espirito San- 
to. §. V. n. Parecer , representar-ss. Emtda , 7. 
7 o mar que ser de mármore figura. §. rtnra : 
figura-se-lhe que as arvores sao homens. De or- 
dinário dizemos jigurar-se , como no exemplo de 

FIGURARÍAS , s. f. pi- Guia de Casados., f. 
167. Momos , ademáes , gestos que se tazem 
aos meninos para os divertir. 

FIGURATÍ VÃMENTE , adv. Por figura , 
svmbolicamente. Fieira: Jacob na luta, que te- 
ve com o mesmo Ferbo figurati vãmente Encar- 
nado. ,. ^ 1 £ 

FIGURATÍVO , ad). Que serve de figura , 

ou symbolo. O Cordeiro Paschoal figurativo da 
Humanidade de Christo. VJvdro, c. 57. 

FIGURÍLHA , s. c. Pessoa de ma , e peque- 
na figura , manequim. 

FUNDA , s. f. As clausulas , com que se con- 
clue a carta. V. g. lUusir. Senhor D. F. á 11- 
lustr. pçss. de V. S. guarde Deus &c. V. Jned. 

2, 402. e seg. r 

FUNDO , de Fúr. Acabado, anr. Orden. AJons. 
FIIR C do Latim Finire ) Acabar : antiq. Testam. 

^elKei D.J.i. 

FÍLA , s. h militar : Ordem dos soldados pos- 
tos um atraz do outro. §. Cerrar as filas ; es- 
treitar o espaço entre ellas , achegando-se : Cer- 
rar as filas ; ajuntaremse os soldados de uma fi- 
la , e chegaremse para ficar unida , e sem claros , 
quando delia se tirarão homens , ou cairão mor- 
tos na batalha , para náo apparecer claro , ou fal- 
ta na fileira. §. C^bo de fila ; o soldado que es- 
tá no couce da fila. §. Fila de cães ;_varios cães 
que vão ajoujados para a caça. §. Cão de fila : 
cáo gtande , e bravo , cuja espécie c bem vul- 



FIL 

gar : os nossos mayores diceráo neste sentido Md 
de filhar. 

FlLÁqA, s. f. Fio de linho. 

FILACTERIAS. V. Filaterias. 

FILAGRÀNA. V. Filigrana. 

FILÀNDRAS , s. f. pi. Vermes muito delga- 
dos , que se crião nos intestinos de algumas aves , 
principalmente das de alienaria. 

FILAR , V. at. Lançar , e estimular , ou açular 
o cão de fila a aíFerrar, §. Intransit. Afferrar o 
cáo com os dentes na preza. V. Filhar. 

FILAR ÈTE. V. Fikrete. 

FILASTÉRIAS , s. f. pi. " Filasterias se cha- 
mavão uns pergaminhos á feição de capellas , 
em que os Fariseus inventarão trazerem escritos 
os mandamentos da lei , e os que se qucriáo 
fazer mais santos traziáo-nos múito mayores. '.' 

Paiva , S. I . /. 46. 

FILÁSTICA , s. h O fio , ou estopa , que se 
tira dos cabos das amarras destorcidos ; delle se 
taz raialhar , e deste os arrebens. 

FILATERIAS , s. f. pi. Minúcias , e sutllezis 
misteriosas, e supersticiosas. Ulisipo , f. 107. f. 
" as filaterias dos contemplativos. " V. Philacterias. 

FILATÓRIO , s. m. Maquina do — : empic- 
gada na fiação da seda. Leis Novis s. 

FILEIRA , s. f. A ordem dos soldados dis- 
postos em linha , de hombro a hombro F. do 
Arceb. L. 2. c. 1 1. V. Fila. §. f. Fdeiras de ar- 
vores em linha 'recta ; alias — de tochas accezas. 
V. do Arcèh. L. 6. c. 20. 

FILÈLE , s. m. Tecido de lã de Berbéria. 

FILERÈTE , s. m. Instrum. de marceneiro , a 
modo de junteira, mas corta da parte direita do 
corpo. §. As redes que vão pela borda do navio , 
dentro das quaes se mettem sacos de penna , 
ou de rolha , para embaçar as balas no tempo 
da peleja. Lavanha , Fiage de Felipe , f. 8. do 
Hespanhol , Filarete. 

FILETE, s. m. d' Arquit, Membro de moldu- 
ra o mais delicado , é como uma^ Usta larga , 
e quadrada , listão, §. Da toalha ; é circulo etn 
forma de torcido , que remata a toalha de frei- 
ra , pela borda que vai junto ao rosto ; e quan- 
do c mais grosso chamão-lhe repolego. §. Ura 
dos membros do capitel na Archit, §. A volta 
espiral do fuso, ou parafuso. 

FÍLHA, s. f, A fêmea a respeito de seu pi, 
e mái. §. f. " ilhas filhas daquelle oceano. ' £. 
I. 9. I. nascidas nelle : assim dizemos filho, ou 
naturol de Lisboa , da Madeira , &c. §. ant. Fi- 
lhada , tomada. A filha da terra : o desembar- 
que. Ined. 2. /. 459. Cão de filha ; vul^o , de fi- 
la , de filhar. 

FILHAÇlO , s. f. V. Filiação. Af. Lus. « con- 
vento da filhação de Cister : " da mesma Ordem. 
Cron. Cm. L. 6. c 28. e freq. 

FILHADA } s. f. antiq. Tomadia. Ord, AJ. 2» 

/• 



S?ei^ 



FIL 

/. ^87. " polas forças , dápnos , malfeitorias , e 
filhadas do rempo passado. " Penhora , e filhada ; 
tomada. Ined. ^. 212. " m filhada ^ e defensem 
desta villa. " Fazer penhora , Jí/,W/í , e appre- 
hensáo ; frase usual nos autos de penhora , e 
Forense. 

FILHADÁLGA. V. Fidalga. NobilUr. f. 21^. 

FILHADO , p. p. de Filhar. §. Subst. PagUe 
o filhado : i. é , o que tomou contra tóima da 
Lei. Ord. Af. 2. 60. 11. " haja a parte , que o 
accusar por o filhado , ou dápno ... o preço 
dessa coisa : " i. é , o simples valor d'ella. 

FILHADÒIRO , adj. ant. Capaz de ser toma- 
do , recebido. Elttctdar. recebondo, V. 

FILHADÒR , s. m. ant. Tomador ; o que fur- 
ta , ou toma á força. Ord. Afi i. /. 299. 

FILHAJVIÈNTO , s. m. O acto de tomar por 
força : V. g. " astem-te do filhammto das cou- 
sas santas. " Orden. Afons. z. f. 51. filbameuto 
da praM , castetlo , terra , 8cc. neste sentido é 
antiquacio. Ined. i. 525. §. Livro dosfilhamentos ; 
é onde se lançáo os nomes, e foros dos que 
elRei fillíof* , ou tomou por seus , em foro de 
fidalgo , moço fidalgo , &c. por cavaileiros , es- 
cudeiros , &c. Lobo. Ined. i. 447. " encommen- 
dando os filhamentos , e vivendas de seus criados 
( que despedira por pobreza ) áquelles Senho,res 
de Cascella , &c. " i. é , que os tomassem pa- 
ra si , e para viverem com os Senhores. 

FILHAR , V. at. antiq. Tomar por força ^ ou 
o que se dá. NobtUar. frequentnsmamente f. 12. 
Receber : " filhando muitas mulheres , que lhe 
foi má estanca. " §. E daqui FUbametUo ; tonia- 
dia para o serviço del-Rei : e Filhur , tom^ir pa- 
ra criado , ou para servir a el-Rei , escrevendo- 
Ihes os nomes no livro dos filhamentos , com o 
foro em que os toma , com a moradia , ou acos- 
tamento , que -lhes dava. ElRei lhe fiz mercê, 
e o filhou em bom foro. Cron. jf. ^. p. ?. c i\. 
§. e o filhava ( o Infante D. Duarte a um mo- 
cinho ) de escudeiro de sim casa, Eesende , F. do 
Jnf. c. 8. i, é , filhava em foro de escydelro. 
§. Cão de filhar ; i. é , de agarrar , ou aíFerrar 
com os dentes. Barros , 4. /T 1 29. dous grandes 
librés de filhar. Cron. "J. 5. p. 2. c. $0. Eufir. f. 
190. lan^ar-lhe-etnos algum capoeirão por rafeiro , 
que no-lo filhe : cáo de fila. 

FILHÈIRO, adj. fam. Que faz muitos filhos , 
e os tem cada anno sendo casado. 

FILHICÍDIO, s. m. O acto de matar o fi- 
lhe. Apol. Diaiog. f. 540. 

FILHINHA , s. i. dim. de Filha. 

FILHÍNHO , S. m. dim. de Filho. 

FÍLHO , s. m. O macho das espécies ^nimáes 
a respeito do pai , e mái. §. EíFeito , obra : 
V. g. filho do seu engenho. §. Filho do meu amor ; 
í. í , a quem amo como filho. §. O renovo da 
arvore , gomo. §. Natural ; v. g- filho de Lisboa, 

Tm. IL 



FIL 



33 



Lusíada y 5. 52. 5. no f. O estrangeiro que tefa 
boa fortuna na terra estranha : v. ^. filho da ín- 
dia. Barros. §. Filho natural , de comum se dis 
daquelle , cuja mái podia casar com o pai ; em 
cujo nascimento náo há sacrilégio, adultério , in- 
cesto ; só falta de sacramento. V. Bastardo > Esr. 
purio. 

FILHO , s. f. Maça estendida , e delgada fei- 
ta em azeite , e passada por mel , ou calda de 
assucar : na Eufr. 4. 6. se acha mascul. não v^ 
por ahi o gaio aos filhos ;/ 157. ir. §. fig. huA 
filho de estopa para emplasto. Curvo. 

FILHODÁLGO. V. Fidalgo. Nobiliar. fre^. C 
f. 2^^. hum peão filhodalgo ; i. é , soldado d'in- 
fantaria nobre. Filhodalgo , diz /* Orden. Af. que 
em lingua de Hespanha , quer dizer Filho de bem, 
V.L. I. T. 63. §. 6. V. Algo. 

FILHOTE , s. m. filhot^i , f. O homem , ou 
mulher natural da terra : v. g, este sujeito é fi- 
lhote de Coimbra , de Lisboa , &e. terrantez. §. O 
filho tenro do pombo, 

FILIAÇÃO , s. f. A descendência de pais a 
filhos. §. A relação que há entre as capellas , 
e mosteiros , que são como filhos , e dependem 
de alguma matriz , ou Prelado do principal Con- 
vento ; aliás filhado : mas filiado é mais pró- 
prio , e náo se equivoca com filhaçao t que po- 
de alludir ao acto de filhar , por tomar , antiq: 

FILIAL , adj. De filho. V. Amor — • Lucena, 
§. Convento — ; capelta filial : a que tem filia- 
ção a respeito de outro Cpnvento , ou Igreja 
matriz. 

FILIGRANA , s. f. Obra sutil de fio de pra- 
ta , ou oiro torcido. §. Razoes sutis , discrições 
alambicadas. 

FILIPÈNDULA, s. f. Herva — Filtpendula. 

FILISTRÍ A , s,. f. chulo. Floreio , brinco pe- 
rigoso. 

FILLÁDA , s. f. ant. ( dois LL por LH como 
se acha muitas vezes ) Tomada. V. Filhada. 

FILLO ; por , Filho. Docum. antig. dous LL 
por LH. 

FILOMELA , s. f. poet. A andorinha. 

FILOMÉRAS. V. Filandras. 

FILOSOFAL , adj. Filosófico : v. g. A esta rO: 
zão íilolofal. Barros , Cartilha , Dedw. 

FILOSOFAR : assim se escreve de ordinário j 
contra a Etimologia que é Philosophar ; V. e os 
mais deriv. com Ph. Ulísipo , Com. Prol. " al- 
guns se inçlinão a filosofar. ^^ 

FILOSOMÍA. V. Phisionomia. 

FILTRAÇÃO , s. f. Operação de filtrar; 

FILTRADO , p. p. de Filtrar, o humor , e li- 
cor filtrado. §. Acópanhado de filtro ; temperado , 
envenenado có filtros amorosos , ou amavias, 
r V. Filtros ) Filtrados pomos. 

FILTRAR. , V. at. Passar o liquido por penei- 
ra cobeita de papel pardo ; por vaso cheyo de 
^ E are- 



/ 




mM^^:^. 



jm 



FIN 




ateva , por pia de pedra , ou outros taes coadou- 
tos que o purifiquem do pe , sedimentos , ou 
corpos estranhos. §. — se , no f. passar pelas 
glanduto , poros , ou meatos estreitos dos cot- 
ios animáes , ou vegetáes , ou pedras porosas. 

FÍLTROS , s. m. pi. Amavios , remédios pa- 
ta fazer conciliar amor. Cam. . - u 

FIM , s. m. C antigamente femenino ) <^abo , 
extremidade : v. g. o fim da rua , da regra , do 
ma , do discurso , do livro , da campanha , da 
demanda, da vida, da guerra , é-c. §. Intento; 
aquillo , que nos propomos , ou mtentamos con- 
seguir , pondo para isso os meyos : v. g. o hm 
ào meu discurso foi provar , que &c. o fim do 
'homem deve ser a eterna bemaventuranca. §. Mor- 
te. §. Termo , limite : um reino que nao ha de 
ter fim. §. fazer fim ; pòr termo. Góes : ií._ aca- 
bar , fenecer , morrer : aqm onde meus mnaos h- 
zeráo fim. Palm. p. z, c. io6. e c. 169. ali tez 
fim tl-Rei de Parthia : i. é , morreu. §. Q.ue Jo- 
rão feitos daquelles cavalieiros í 1. e, que fim fa- 
rão feitos. Ined. 5. ^2?- „ . , , , 
FIMBRÁDO , adj. do Brás. Franjado : banda 

fimbrada de vermelho. 

FÍMBRIA , s. f. Cadilhos , ou " franja , que os 
]udeos traziáo nas pontas dos vestidos , para re- 
lem sempre na memoria a Lei de Deus. Paiva , 
Serm. i. /. 46. Conspir. f. 99- col. 2. " na fim- 
pria , ou orla desta roupa. " §. pleb. Febre , e- 

fimera. T^• j 

FINADO , part. pass. de Finar. Mor co. Dia de 

finados ; de defuntos. V. 

FINAL , adj. Que respeita ao fim : v. g. ata 
Bnal do anno ; ultimo. §. Aquillo por cujo con- 
seguimento fazemos alguma coisa. §. Sentenciar 
a final ■, t. forense , sentenciar a terminar a de- 
manda principal. §. Arresoar a final : allegar de 
direito no feito para haver de sencenciar-se a 
£nal. 

FINALIZADO , p. p. de Finalizar. 
FINALIZAR , V. at. Pòr fim , ultimar , aca- 
bar : V. ^. — a escrita , contas , negocio , obra. 
■FINALMENTE , adv. Em fim. 
FINAMENTE , adv. Com iiaeza : v- g. ais- 
torrer finamente j miar — . Fieira , 4. n. 5. 

FINAMÈNTO, s. m. antiq. Morte. Ord, Jj, 
2. j. 282. 

FINÀNQAS , s. f. pi. Dizem hoje por Fazen- 
da Real , ou a parte que o Rei tem dos bens 
do Estado , para acudir ás necessidades delle. 

FINANCEIRO , s. m. Usual. Intelligente de fi- 
anças ; empregado nas rendas Reáes , que as re- 
cada , e faz boas ao Etário ; ou trás de renda 
os ramos delias por certa coisa que dá ao The- 
jsouro Real. 

FINÁR-SE, V. at. refl. Attenuar-se, definar- 
se. §. antiq. Morrer. §. f. Finava-se de riso ; Sá 
Mr, H. JpQm, 2. /. 251. §. Fitm-ii dç amoras , 



FIN 

sãflããdes , penas , misérias ; it-se secando , esti- 
lando , definando. 

FliNCÁDO , p. p. de Fincar. ^ ^ 

FliVGAPÉ , s. m. O acto de per o pe com 
força para se estribar , e escorar. §. no t. Fazer 
fincape em alguma cA.a , v. g' na protec(tã,o àe 
algiíem , escribat-se , escorar , tazcr fundamento 
delia. ///. L. Andaluzes , em q-ecvi os Romanos ja- 
zíão fincapé , quando querúo destruir os nossos. 

FINCAR , V. at. Enxerir , embeber por tor- 
ça alguma coisa aguda : v. g. um prego. §. f. 
Metter com força : v. g. fincar o cbapeo na ca- 
beia. §. Fincar os dados , no jogo : trapaça , que 
consiste em se lhes dar tal geito , que pintem o 
ponto , que queremos. §. — se : ficar parado , 
immovel num lugar. §. fig. Ficar-se , insistir , 
instar ; pòt-se nos seus treze. 

FÍNCO , s. m. ant. Escritura de contrata, 
obrigação. Elucidar. 

FINDA , s. f. ant. Fim , conclusão , fecho : 
V. g. da carta escrita. Ined. 3. as cartas não ha- 
verão — . 



FINDADO , p. p. Acabado , ultimado. 
FINDAR , V. at. Acabar , concluir , finalizar, 
ultimar : v. g. findar a demanda , disputa , con- 
trovérsia. §. V. n. é mais usual. 

FINDO , part. de Fíir. ant:q. Acabado, v. g. 
findo o tempo. 

FINEZA , s. f. Delgadeza, oppondose 3 gros- 
sura : V. g. a fineza do panno , da seda. Góes. 
§. Pureza do ouro , ou prata sem tezes. Ouro e 
prata de grão fineza. Jpol. Dial. f 21?. §. Das 
pedras preciosas limpas. §. Delicadeza de afíecto, 
amor, mostrada por acções nobres, não vulga- 
res, nem grosseiras. Paiva, Cas. §. Acção apri- 
morada, abalizada, estremada entre as do seu 
género : i'. g. fizerão mil finezas na batalha. P. 
P. z. j. 141. §. A fineza da vida christãa con- 
siste , <b'C. Arra.es , 7. 10. /. f , a mais pura ob- 
servância do Chr.stimismo. §. Sutileza , e des- 
treza no meneio dos negócios pol ticos, com ar- 
dis , e artificies. Fieirz : não cuide alguém que a fi- 
neza desta politica fosse Romana. §. Acção que 
pede grande talento , e habilidade , sobre coisa 
arriscada, e diíHcil. Eufr. f 190, f. estou eu fa- 
zendo finezas ficando isento ; i. é , sem damno; 
§. Subtileza , delicadeza : v. g- a fineza da es- 
cultura. §. A fineza das tintas , que são finas , 
e vivas , e assim fineza da cor. M. Lus. fineza 
da còr branca. §. Acção nobre , e de primor, 
generosa. Fazer finezas por alguém : fazer fine- 
zas na batalha. Castan. z. f 164. façanhas, ac- 
ções valorosas , proezas. §. A boa qualidade em 
sabor : v. g. a fineza dos melões , vmhos , quei- 
jos. Leão, Descr. c. 35. 

FINGÍDAMÈNTE , adv. Com fingimento. 
FINGlDiqAMÈNTE , adv. Fingidamente. Ord, 



?ar 



FIN 

FINGIDÍC-O , adj. ant. Fingido , feitiço. Guer- 
ra — . Ord. Jf. 2. f. 20. 

FINGIDOR , s. m. Que finge. Vasconc. Sitio , 
/. 59. o temerário he — de esforço. 

FINGIMENTO , s. m. Acção de fingir. §. Fic- 
ção. 

FINGIR , V. at. Inventar alguma fabula , fa- 
bular : V. g. finjáo odres de vento. Cam. Lus. 
§. imaginar : suppòr por certo , ou real. §. En- 
ganar com ficções , mvençócs fabulosas , appa- 
xencias , contes , novellas : v. g. fingir que dor- 
mis : fingiu Mitbridates , (jue armava contra os 
visinim , para etnpreç;ar o golpe mais d'improviso 
no inimigo remoto ãa tenção delle. §. — se : dar 
ares , mostras falsas para enganar : v. g- fingir- 
se cego , doente , bobo. 

FINÍTIMO , adj. Confinante , commarçáo. Le- 
mos , Cerco. Fortalezas finitimas , e chegadas a seit 
Reino. p. us, 

FINÍTO , adj. Opposto a infinito. O que é 
limitado , e tem cerca grandeza , certos termos. 
DeUi he infinito , o Mundo finito : Fieira. Op- 
posto a eterno. B. Lima , Carta 55. se cuidão 
ser finita a opposição , ou eterna: Fida — . Cam. 
Son. p. " finita , e humana vida. 

FÍNO , adj. Não grosso. Panno , seda , ou- len- 
ido fino ■■, cujo fio é delgado. §. O que faz fi- 
nezas em amor , em ajmas. §. Delicado , náo gros- 
seiro : V, g. amor , o« amante fino. §. Sutil , de 
licado : v. g. pizo — ; agudo , penetrante. §. Na- 
ris fino ; do cáo de bom faro , ou do bom ven- 
tor. §. Ó/íro fino , ou prata ; sem fezes , nem li- 
ga , acendrado , apurado. §. Pedras finas , são as 
preciosas , diamantes , rubins , esmeraldas , &c. 
§. De tudo o que tem a sua qualidade em gráo 
eminente , dizemos que é fino : V. g. herva — 
( venenosa ) ; Barros, melão fino ; vinhos finos , 
peste — 5 veneno — : Conspir. f. \iz. peste a mais 
íina. §. Foz fina , náo grossa: cor fina, a subi- 
da , mais perfeita do seu género , e sáo as cla- 
ras. §. Cores finas , na pintura ; as em que se 
empregáo tintas delicadas. §. Trazemos o fino do 
mund» com nosco ; 1. é , o que hà de peior nel- 
le. Jrraes , 7. 7. falia dos mãos religiosos. §. Pól- 
vora — ; de espingarda , opp. á grossa , ou de 
honéarda. 

FÍNTA , s. f. Tributo Real , pago do rendi- 
mento da fazenda de cada súbdito ; de ordinário 
se impõe para obra pública ; v. g. para pontes , 
ou por occasiáo de guerra : também põem ou lan- 
çáo fintas as Camarás , com licença del-Rei. 
§. Collecta , ou somma junta do escote , e con- 
tribuições de vários , para despeza em commum. 

FINTADO , p. p. de Fintar. 

FINTAR , V. at. Lançar finta: v. g. fintar 
uma Província. §. — se , refl. contribuir de moto 
próprio, espontaneamente : v. g. alguns patriotas 
se fintarão para desafrontarpn a Na^ão , erigin- 



FIO 



35 



^ 



do lhe Um mõmmento. §. Fintar o pão ; (^ neutr. ) 
acabar de levedar. B. P. 

FÍO , s. m. Uma porção da fibra do linho } 
lá , seda , ou algodão , torcida. §. Fio de carrete j 
mialhar. §. Fw do lombo ; o meyo delle , onde 
está o relevo do espinhaço. §. O contexto se- 
guido : V. g. " que fazem ao_^0 da nossa histo- 
ria. " Couto, 4. I. 7. Ç ordem direita e enfiada )' 
O fio da pregação ; Fieira : da historia , ou nar- 
ração. M. Lus. " levar o fio destes descobrimen- 
tos tão continuado : " sem interrupção. B. i. I. 
2. §. Fio de perdas , ou contas : as pérolas enfia- 
das. §. Porção de metal dúctil adelgaçado pel» 
fieira. §. Fio de oiro , de prata , de arame , <ô^c. 
§. Quebrar a alguém o fio do que dizia : inter- 
rompè-lo. Jrraes , i. 2. " seus males náo que- 
brarão o fio de atormentá-k)^ " Palm. p. 4- /• 40. 
" começarão elles a correr a fio com ouro ■■, '-> 
i. c , a trazelo sem interrupção do trato. B. i, 
10. 3. §. O gume, corte da espada, navalha, 
faca ; e dar fio ; amolar bem. Eufr. 5. 1. §. Fe- 
rir alguém pelos seus próprios fios : voltar con- 
tra elle o mal , que nos destinava , e traçava. 
Freire , L. 4. §. f. A agudeza , a viveza ; tirada 
a metaf. do agudo do fio das aririas , ou o vi- 
vo do seu gume , como quina viva : V. g. em- 
botar os fios do desejo : diminuir o desejo. §. Fio 
de qualquer licor : o que cái sem se quebrar , 
ou des.ontinuar de correr, e não ás gotas; da- 
qui lagrnnas , ou pranto em fio : as que não são 
raras , mas continuas. §. As fibras da raiz , ou 
raigotas. §. Fios das flores ; estames. §. Fios , de 
panno de linho velho , tirados para curar feridas- 
§. O fio da gente: a serie de pessoas, que vão 
passando de 'continuo , que vão uns atras dos ou- 
tros , náo emparelhados B.A 6. I." ira^o: " no 
caminho estreito. §. no fig. Ir pelo fio da gente : 
não seguir estremes , nem singularidades i pen- 
sar , e fazer como os mais. Sd Mir. " a ver- 
dade era í> pelo fio de gente. " Eufr. i. i. ip.' 
Caminhar a fio ; i. é , desfilados , uns após os 
outros como em passos estreitos , e desfiladeiros. 
Cron. Man. 3. p. cap. 50. " pòr afio as fustas, 
catures, navios. " Ândrad. Cron. z.p. c. 30. "as 
galés vinháo a fio , -a. remo. " Conto , 6. 10. 20. 
§. Estar por um fio ; i. é , a morrer ; it. mal 
seguro em qualquer estado. §. Levar as coisas a 
fio ; i. é , a eito , seguidas , ou seguidamente : 
V. g. levou a fio os cargos da milicia : submdo 
dos ínfimos aos supremos , sem saltar os entre- 
meyos. §. Cortar o fio; atalhar: v. ^. no meto das 
prosperidades da fortuna , e da vida , vem a des- 
graça , ou a morte , que nos corta o fio. §• O fio 
vital ; poet. a vida -, cortar os fios vades : matar*, 
M. Conq. " passar mil vezes pelos fios da mor- 
te. " Couto , 5. 4. 2. §. O estremo fio da Vida; 
i. ^,, a ultima raia, ou linha. Eneida, 10. 199. 
%, Dar os fios d teia; acabá-la. Ultsipo , J. ià. 
E ii ^' 



1 



FIR 

^. §. e 'f. Já a minha copia verbomm hia dan- ' 
do* os fios. Lobo. §. Um fio de Talagrepos ; i. 
i, fileira. F. Mendes , c. 15-0, §. Mostrar ^ des- 
cobrir o fio : dar a conhecer , bem como o pan- 
no , que perde a íelpa : v. g. " tinha amizade 
ainda áquelles , que para com elle mostrmão o 
fio ao ódio. '' Cmspir. f. 454- Clarimmdo , c. 
38. descobrirão o fio de sua maldade. '■• por não 
descobrirem o fio de quam mal sabiáq tallar la- 
tim. " ( náo quizeráo ir á lição do Infante , du- 
rante a qual só se tallava Laiim. ) Resende , Fi- 
da , f. 10. §. ^brir o taboado de meyo fio ; com 
o cantil , obra de carpenteiro. Veja Macho. §. Ca- 
ç^ar com fios. Orden. 5. 88. §. i. e z. §. " Vossa in- 
sânia vai mostrando outro fio ; i. é , outra íace , 
parecendo outra. Jrraes . i. 5. §. Ouro_, efio; i. 
é , equilibrados , igualados : v. g. ficarão ouro , e 
fio na pena com essoutro: B, Ciar. L. i. c, 14. 
f. 20. col. I. Eneida j 12. 169. tem da balança as 
bacias ouro e fio. Barreiros , Corogr. f. 142. Lis- 
boa , e Milão estã& oiro e fio no numero dos ha- 
bitadores ; i. é , perfeitamente iguáes. o homem e 
uma balança ouro e fio de inveja , e desventura. 
H. Pinto , da V. Solit. c. 9. pézo ouro c fio es- 
terco , e bens da terra ; i. é ^ tenho em igual es- 
tima , ou conta. Conspir. f. 150. col. 2. H. Dom. 
p. 2. c. 14. /. 27. f- col. 2. « tanto a ouro efio 
se pezava naquelle tempo o ponto de náo possuir 
nada : " táo exactos erâo na observância de náo 
possuir nada. §. Ir por certo fio: v. g. " as esta- 
ções vão por certo fio : " succedem-se regular , e 
ordenadamente. Camões. §. Pender dos fios , v. g. 
da caridade , do primor , &c. esperar no pouco , 
que os homens fazem por táes motivos. Paiva , 

Cas. 4. 

FIRMA , s. f. O nome do que o assina de- 
baixo de alguma carta , escritura. §. Ponto de 
apoyo , fincapé : v. g. fazer firma na parede. M. 
jLusit. §. t. ant. a firma dos calções : a parte on- 
de ataváo com ataca , ou agulheta. F. de D. 
Paulo de Lima, cap. 14. §. Firma, ant. juramen- 
to de calumnia , ou probatório. Elucidar. §. ar- 
rendamento. Idem, §. Testemunho , e tudo o que 
corrobora aigúa escritura , e contrato j v. ^. o 
sello com firmai &c. 

FIRMADO , part. pass. de Firmar. §. No bra- 
são , é a peça que se estende até ás orla» do es- 
tudo , de sorte que náo fique claro entre ellas, 
e a peça que se diz firmada. §. " Se nossa ten- 
çam for firmada em lhe fazer ( a Deus ) aquel- 
le serviço, " Ined. 2. 247. §. Posturas — entre 
£eis : ajustadas. Cron. Pear. 1. c. 17. 

FIRMÁL , 8. m. Peça com que se prcndiáo os 
solpes dos vestidos antigos. Resende , Cron. J. 2. 
f. 76. col. 2. broche. §. Firmaes : as pontas do 
cabresto , que se aráo nas argolas das ilhargas. 
|. Espécie de relicário , ou verónica : sinete éc 
^Uaij antig. Ord, Âf. 5. 45. !• 



FIR 

FIRMAMENTO , s. m. O Ceo que Ptolomeu 
dizia estar fixo , c parado. §. O Ceo estrellado , 
ou onde estão as escrellas fixas. §, A pessoa , ou 
coisa que assegura , e faz estável, a jé é o fir- 
.-namento da Religião , e a boa razão , e a criti- 
ca apurada o forão da Je , com ellas se distingui- 
rão, &c. 

FIRMAR , V. at. Fazer firme , seguro , fixo , 
escavei : v. g- firmar os dentes abalados. Luz ^ éa 
Medic. " firmar os navios com ancora : firmarão 
j seu Império em Hespanha. " M. Lusit.^. Fir- 
mar os pes : pò-los com força , e segurança. Vli-ss. 
4. 29. Arraes , i. 12. firmar as ancoras ^ e amar- 
ras de nossas esperanças. §. Fumar a carta , ou 
^.scritura : assinar o nome em confirmação de ser 
verdade o dito, ou de latificá-la. §. Firmar com 
sello 3 pondo o sinete na escritura. M. Lus. §. Fir- 
mar j antiq. fazer firme , certo com prova judiciai 
de testemunhas , ou juramento. Fordes. V. Ajfir- 
mar. §. Approvar , haver por bom , e bastante. 
Ord. Afi. 2. /. 582. " se os penhores nom fo- 
rem bastantes , paguem o que dclles minguar de 
[ suas casas esses >urados , ou justiças , que os as- 
si firmarem : " i. é , tomarem por bastai.tes , ou 
decidirem que o são. §. Dar por certo. " onde 
eiles firmavão ser légua. " Imd. 7,. 179. §. Fir- 
mar pazes ; contraciar , ajustar. Cron. de D, Pe- 
dro , I. c. 17. §. Ordenar legislatoriamente. " as- 
si o firmamos. "- Orden. do Sr. D. Duarte, esta- 
belecer. 

FÍRME , adj. Fixo , immovel , que náo abalã; 
§. Terra firme : o seitão , opposto ao mar. §. Can- 
to firme : canto chão. §. Memoria firme ; que con- 
serva as espécies. §. Constante : v. g. animo , 
amor — . §. Perseverante : v. g. tinha todos fir- 
mes , e certos para a batalha. §. Carne firme : 
succosa , tesa » e náo flácida. 

FIRMEZA , s. f. A qualidade da coisa , que 
tem máo por ser sólida , dura , estável , e náo 
ceder , nem se abalar, ou dar de si: v. g. a fir- 
meza dos dentes ; das estacas , das arvores plan- 
tadas , ^c. §. f. Constância : v. g- firmeza do 
animo. §. Affinco. §. Firmeza da mão ; que não 
é tremula , boa parte nos pintores , e cirurgiões. 
§. Da voz , que náo falha , ou falsea. §. Da me- 
mória , que retém as espécies. §. O triangulo , 
que se póe nas imagens do Padre Eterno. §. Fir- 
mezas : condições , solemnidades, cautellas , com 
que se segura a execução , ou validade de al- 
gum pacto , contracto , &c. Palm. p. 2. c. 108. 
Leão, Cron. Jf. 4. /. 146. " posturas, escáibos, 
firmezas feitas entre os Reis de Portugal e Cas- 
tella. " 

FIRMIdIo , s. f. Jurid. Firmeza , estabelida- 

de : V. g' carta de doarão , e perpetua firmidáo. 

\Carta de 8 de Fever. de 1568. Contrato firme. 

\Ord. Af. " escrituras de obrigações, nem firmi- 

HÕes, - L. ?./. 25X. notar (o escrivão) os con- 



FIS 

tratos y e fir midóes ... e as facão , e afirmem : 
íirmidóei nos contratos ^ e tratados de Paz. Crou. 
de D. P. I. f. 17. 

f ISCÁL , s. m. Pessoa , cjue tem obrigação de 
vigiar sobre a execução de algumas leis , esta- 
tutos , e institutos : v. g. os íiscáes das faculda- 
des na Universidade , íiscal da fazenda : o que 
vigia por sua segurança , e boa direcção , ou 
administração. §. f. Censor, nao seja d ira fis- 
cal , óc, 

FISCAL , adj. Que respeita ao Fisco : v. g- 
lei — . 

FISCALIDADE, s. f. ou 

FíSCALlSAqlO , s. t", O exercício do Fiscal, 
de fiscalisar. 

FISCALISÁDO , p. p, de Fiscalisar. 

FlSCALlSÁR , V. at. Haver-se como fiscal , 
fazer o seu dever. V. Fiscal. §. f. Censurar , acu- 
sar , reprehender. Marinho , Bise. /. 24. 

Fisco , s. m. O thesouro do Príncipe como 
tal , donde elle c obrigado a suprir ás despezas 
públicas ; para elle se adjudicáo varias multas , 
condemnações , confiscos , Scc. §. Fisco , ant. Pen- 
são Real , foragem , que talvez por doação Re- 
gia passaria a algúa Igreja. Elucidar, Porco do — ; 
que se paga annualmente ao Mosteiro das Sal- 
zedas. 

FISGA , s. f. Instrumento de pescador , c co- 
mo garfo com haste de pão , as pontas tem far- 
pas , ou barbas. §. Abertura estreita : v. g. vi' 
giar pelas fisgas da porta. 

FISGADO , p. p. de Fisgar : f. c chul. Caído no 
engano. 

FISGADÓR , s. m. O que fisga. §. Chulamen- 
te , o que escarnece de outrem com dissimula- 
ção. 

FISGAR , V. ar. Pescar com fisga. §. t. chulo , 
Zombar de outrem com dissimulação. §. Fisgar , 
lig. Pescar pelos ares ; ver coisa que se escon- 
da ; entender como adivinhando. Hospit. das Lettr. 
f. 7,11. fisgar as cartas dos parceiros no jogo. 
íisga jis biscas conhecidas, 

FÍSICA , FÍSICO , boa ortografia é , e múi 
seguida hoje , mas V. Pbysica , 'éfC, Físico ; me- 
dico. 

FISQUÈIRO , s. m. V. Fisce. Pensão , e por- 
co do jisco. Elucidar. 

FISSÍPEDE , adj. Que tem o pé , ou unha fen- 
dida , patifendido. t. d'Hist. natur, o boi c Jissi- 
pede. ave — ; que tem os pés rasgados em de- 
dos, e não-patados , ou unidos os dedos por 
inemhrana. 

FÍSTUIa., s. f. poet. Frauta pastoril. Ulisséa, 
^i<). §. Chaga profunda , que sempre mareja ma- 
téria. §. Orifício : V. g. fistula lagrimai. 

FISTULADO. V. A fistulado. §. Que tem fis- 
tula , doença, Cron. Cist. 6. c. 14. pé tão fistulado, 
c /. 6. f. 35. " © peito esíjuçrdo Jisml^do coro 



FIU 



37 



hum cancro peçonhentissimo. " 

FISTULÁR-SE , v. at. refl. V. Afistular-se a fe- 
rida ; ficar em fistula. 

FÍTA , s. f. Tecido longo , estreito de lãa , 
ou seda para atar , guarnecer , &c. §. Fita gradu- 
al : instrumento d^Engenheiro , é fita de seda 
bem tapada de 52 até 40 palmos de longura , 
para se desenharem os ângulos na campanha , e 
tomar o valor dos desenhados. 

FÍTAMENTE, adv. Olhar, pensar, pregan- 
do os olhos , e o pensamento. 

FITAR , V. n. Dar no fito. §. at. Fixar , pre- 
gar : V. g. fitar os olhos em alguém. Fieira, a águia 
fita os olhos no Sol. Gatv. Serm. i. f 20. §. f. Fi- 
tar o pensamento , a considerarão, fita o sentido , 
e imagina<^ão no juizo dç £>i/fs. Paiva y Serm, i. 
f z. 

FITEIRA , s. f. Mulher que faz fitas. 

FITEIRO , s. m. Official que faz fitas. 

FITO , s. m. Páo fincado no chão , a que se 
faz tiro com a bolla. §. Pòr a sua no fito , f.' 
sair com o seu intento. Eufr. 2. 7. §. it. Obrar 
com acerto , a propósito , e convenientemente. 
Eufr. 5. 2. §. O fito de algum desenho : alvo. Góes ' 
tirar a dois fitos ; propor-se dois fins. o fio da 
sua vida ; o seu modo de vida , aquillo a que 
se ella encaminha : v. g. as lettras , armas , mer- 
cancia. V. Resende , Fida , c. 10. " polo estado , 
e fito de sua vida ( do Infante ) não se en- 
dereçar a essa profissão ( das lettras ). '^ Serrão, 
Disc, Polit. §. Marco levantado. Elucidar. 

FÍTO , adj. Fixo , fincado : v. g. os pés fitosi 
§. Com a espora fita ; í. é , fincada , ou pregada. 
B. e Arraes , 4. 10. correr a espora fita. §. efig. 
Protito , e prestes , como o está o cavalleiro com 
a espora fita. §. Dar & Sol de fito ; a plumo. 
Galv. Serm^ i. /. 70. §. Olhar cos olhos fitos: es- 
cuitar com orelhas fitas ; i. é , prompta , e atten- 
tamente. D' Ayeiro , c. 61. c ^i>'! 

FIVELA , s. f. Peça usual de 'apertar o sapa- 
to , e ligas dos calções , o pescocinho , &c. con- 
sta de arco , fuziláo , charneira , e botão. 

FIVELÁDO , p. p. de Fivelar. 

FIVELÂO , s. m. Fivela grande de apertar ar- 
reyos de bestas. 

FIVELÁR , V. at. Apertar com a fivela : v. g, 
— o sapato. 

FIVELÈTA, s. f. Levar as armas d fiveleta^ 
prontas para usar d'ellas em caso de attaque. 
Godinho. 

FIVELHlO. V. Fivclâo; 

FIÚSA , s. f. antiq. Fiducia , confiança, huma 
ucha de relíquias , em que tinheis muita fiusa. Eufr, 
i. y Calvo, Homil. i. /. ^93. *' d fiúza de sua 
paciência ( de Deus ) nos endurecemos mais. " 

FIXA , s. f. A parte da macha fêmea , que ea- 
ua na madeira , cravada na umbreira. 

f IXAC^AO , 5. f. O actg de fi;£ar : v. g. fixa- 
ção 



; 



íirn^M^ 



3^ 



FLA 



cio dos edídos , carteis. §. Operação Química , 
pela qual se laz , que o corpo volátil , exposto a 
fogo violento, não se evapore. 

FIXADO , p. p. de Fixar. Pregado, a cabeia — 
m uma lan^a. Seg. Cerco deDm,f. 175- "^0;° 
^ no chão. Cron. J. 3. P- 4- f. 84. bambm agu- 
dos bem — na terra. 

FÍXAMÈNTE , adv. Firme , seguramente. §. Com 
os olhos fitos. §. Attentamente. 

FIXÁNTE , part. ac. de Fixar. Na Fortit. li- 
nha de defensa fixante , é uma linha tirada do 
angulo da cortina até o do baluarte, sem locar 
a face. V. Flanco. 

• FIXAR , V. at. Fixar :, v.^- nxai os olhos , o 
pensamento em algum objecto. §. Pegar , ou pregar 
em algum lugar : v. f. fixar edktos , carms , ban- 
dos, é<. §. Firmar : v. g, fixar o fasso. §. Fi- 
xar , na Quimka ; fazer a operação chamada /.- 

Fixo , adj. Firme ,. estável , immovel : v. g. 
morada — . §. Henda fim ; i. é , certa. §. F.to : 
V. g. os olhos fixos; pregados. Na»fr. de Sep. 
§. Mstrellas fixas : as que náo mudáo a áistm- 
cia , em que estáo umas das outras. §. Sal fixo 
C na Quim. ) opposto a volátil , o que se náo 
volatiliza. §. Fixo; pregado, cabe.as úkís nas lan- 
ças. Eneida , 9. n?. §• f- o espirito hxoem Deus, 

Cron. Cist. 6. c. za- , . „ 

FIXÚRA , s. h O tístado da coisa fixa , o ser 
fixo. " Se entende huma espiriwal fixura do Geo. "^ 
Leitão de Jndrada, Dialogo XX. p. 628. 

FLÁCCIDO , adj. Murcho,, moUe , como a ba- 
dana , e as pelles , ou carnes dos velhos sem 
firmeza , por falta de cellular. C t- Medico. ) V. 

Fluido. , „ „ 

FLAGELLAÇlO, s.í,t.-,0 acto de . flagelhr 
FLAGELLÁDO , p. p. de Flageliar. Cam. Eleg. 
« de açoutes vigorosos fiagellado. ^' 

FLAGELLADÒR , s. ou adj. Que flagella. 
FLAGELLÀNTES ,.s. m.. pi. Discipiínantes. _ 
FLAGELLÁR , v* at. Açoutar. T. í/e S. João 
da Cruz. §. Atormentar. Eleg. f. Z79- i^^geUa 
tdnto o povo lagrimoso, e f. 158. t- Neptuno fla- 
géílando » tsna com tridente : sacudindo , açoi- 
tando. />„ 
FLAGÉLLO 4 s. m. Açoute ; usa-se no tig. 
« vós Rei Sereníssimo , fiagello da tyran.a. ] Ma- 
cedo. Barreiros , Corogr. « nosso Senhor quiz cas- 
tigar esta gente com o flagéllo dos Árabes. 
Camões , Ode 8. " o gráo filho de Thetis , que 
dez znnos, fiagello foi dos miseros 1 roíanos. 
« Deus permittiu , que os Árabes fossem fiagel- 
lo, e castigo dos peccados de Hespanha. '> £. 

' FLAGÍCIO , s. m. Crime infame, fabula dos 

Planetas, 

FLAGICIÒSO , adj. Múi vicioso , tacinoroso. 
Jlma Jnstr, a gmte mais flagiciosa de todos os 
feccadoresp 



FLA 

flAGRÁNCIA , s. f. Fragancia das flores , Zcc. 
Cron. Cist. 6. c. 26. e noutros lugares. 

FLAGRANTE , adj. ( deriv. do Lat. ) Encen- 
dido , abrazado , múi corado , ardente : v. g. ros- 
to — . Eneida, i. 161. a purpura — . f. a ira 
— . Eneida, 9. 191. §. fr. l^otense. Em fiagran' 
te delido ; i. é , achado a commetter o delicto , 
ou logo immediatamente , demonstrando as cir- 
cunstancias o que acabou de fazer. Jfieira , t, 
4. n. 2, 

FLAMA. V. Flamma. 

FLÀME , s. m. C entre Alveit. ) Máquina , de 
que saem com força algumas pontas de lance- 
tas , para fazer incisões ; os Cirurgiões também 
usâo delia , talvez a balestilha de sangrar. 

FLAMENGO , ad). De Flandes. Queijo flamen- 
go : sorte de quejo vulgar , de ordinário sáo ar- 
redondados. 

FLÀMINE, s, m. Sacerdote dedicado ao cul- 
to de algum dos Deuses dos Romanos antigos , 
e depois aos Imperadores endeusados. Severim , 
Disc.f. 178. 

FLAMÍNIA , s. f. Moça que ajudava a Sa-, 
cerdotiza Romana no tempo das suas idolatrias, 

FLÀMMA , s. f. Chamma de fogo. Fios Sanct. 
p. 2. /. FIII. f. ccl. z. dommio sobre as flam- 
mas , e fogo. Brachiol. de Prinápss. §. f /• — de 
amor. Camões em ambos os sentidos. Son. 6. e 7. 
erguei flammas no mar alto , Erithreo : e , Em- 
varias fian-.mas C d'amor ) variamente ardia. 
Da alva pretina flammas lhe saião. 

FLAMMÀNTE , adj. Que faz chamma , ou la- 
vareda ; ardente , mflammado : v. g. quando no 
Ceo se faz o Sol flammante ; o topázio , ou ro- 
bim flanimante ; ardente : vestido flammante ; còr 
de fogo vivo. §. e fig. O vestido de còr viva , 
e novo. Fem todo flammante ; vestido assim. " re- 
presentou-se-lhe que sacrificava , e que salpicada 
a pretexta do sangue da vicrima , lhe dava a 
Imperatriz sua avó outra flammante. =^ §. flam- 
mante noticia ; nova. Ciabra. 

FLAIVIMEJÀNTE. V. Chamejante. 

FLAIVIMÍFERO , adj. poet. Que traz chammas : 
V. g. o flammilero Phebo. Eneida, 7. U- e 10. 
191. o flammifero Ceo. , 

FLAMMI-SPIRÁNTE , adj. poet. Que respira 
chammas. " Flegon , e Pyro!s,( cavallos do Sol) 
flammispirames. =" Jifeno, Pões.. 

FL^MMÍVOMO, adj. poet. Que vomita cham- 
mas. Mausinho ,j. zj. f. o — pai de f mon- 
te; o Sol : o — vulcão ; ou garganta de togo. 

FLÀMMULA , s. f. Bandeirinha farpada , e es- 
treita , que remata as vergas , e gáveas do na» 
vio para ornato , ou sinal naval. 

FLANCO , s. m. dcFortit. Parte do baluarte, 
que ata uma face , e uma cortina aos seus dois 
extremos, uma a um , serve para defender a 
face do baluarte opposto. §. flanco coberto , o*. 



FLE 

retirado : casanjata com plataforma retirada par.i \ 
> junco da linha capital , e coberta de orelliáo. 
^ Ç. flanco fixante : aquelle cujos tiros se empre- 
gáo na hce do baluarte opposco, §. Flanco obli- 
mo , oa secundário : parte da cortina , c]ue lava 
obliquamente a face do baluarte oppoito. §. Flan- 
co razante ; cujos tiros razão , la vão , ou enfião 
a Face do baluarte opposto. 

FLANQUEADO , part. pass. V. Flanquear. 
FLAiNQTJEÁR, v. at. Flanquear a praça, edi- 
•ficalla de sorte que náo haja parte alguma del- 
ia , que náo seja defendida , e da qual se náo 
possa bater o inimigo de face , e de lado , e 
obrigallo a retirar-se. 

FLATO , s. m. Porçáo de ar entremetida nos 
conduccos do sangue , que causa dòr , e talvez a 
morte. §. f. Vaidade. ( de jlaMs , sopro ) 

FLATÒSO , adj. Que causa flatos : v. g. co- 
mer — . 

FLATULÊNCIA, s. f. V. Flata. 
FLATULÈNTO , adj. Da natureza do flato. 
FLAVO , adj. Loiro , còr de oiro esbranquiça- 
do , como é a dos pães maduros ; de ordinário 
se usa na pões. §. Òr flava. Queirós , Fida de 
Basto. §. Cólera flava Q t. Med. ) : da còr , e 
consistência da gema de ovo crua. Madeira, 
FLAUTA , s. f. V. Ftauta. 
FLÉBIL , adj. Choroso , poer. Fkbeis vozes , e 
dos instrumentos músicos maviosos , tristes. 

FLEEOTÓMANO , adj. Sangrador. §. Barbei- 
ro flebotómano ; que juntamente é sangrador. 
FLECHA , e deriv. V. Frecha , e deriv. 
fFLÉGMA, s, f. Arraes , i. 15". usa-o masc. 
^ FLÈIMA , s. f. termos Med. e Químicos. 
(^FLEUMA , s. f. Chamáo os Médicos ílegma , 
ou pituita ao humor húmido , c frio , que se 
acha no corpo humano , escarro , que se arranca 
com difficuldade , dos encatarrados , e tisicos. 
§. Fleima , no f. vagar , remissão , pachorra. Bar- 
reto , Prãt. §. Entre os Quim. flegma é a par- 
te aquosa , e insipida , que a distiílaçâo separa dos 
corpos. 

FLEGMÁTICO , adj. O que teni flegma , pi- 
tuitoso. §. no f. o pachorrento , va-garoso nos ne- 
gócios ; remisso , que náo se agasta facilmente. 
Luiz Marinho diz : Fleimatico. 

FLÈL^L^. V. Flegma. Fleima é mais usual por 
pachorra. Barreto , Prat. f. 46. 

FLEIMÃO , s. m. t. genérico dos apostemas , 
e inflammaçóes do sangue. 

FLEIMATICO, adj. V. Flegmatieo. Pachorren- 
to. Luiz Marinho f Disc. f. zi. 
FLEUMA. V. Flegma; 

FLEXIBILIDADE , s. f. A qualidade de ser 
flexivel. 

FLEXÍVEL , adj. Corpo dobradiço , que facil- 
mente se dobra sem quebrar: v. g. o arco. Enei- 
d^ j p. Í46. §. Foz ' — ^ que se requebra can- 



FLO 



39 



>^ 



canda ; e se acomtr.oda bera a ferir os pontos 
dilHccis. ^.Engçri^ho 'flexível; animo , que tatil- 
racnie se dobrgi á disciplina : e assim vontade — i 
que se accgaimocia á persuasão. Cenio , Índole fe- 
xivel ; a vossa amizade seja flexivel a boas obras , 
e mostrif.s verdadeiras de affeií^âo ^ mas não versa." 
til. V. rLrsatil. 

FLEXUÒSO , adj. Que vai fazendo voltas co- 
mo fariáo SS ligados pelos extremos. Lobo : 
" linhas fleXílosas. " 

FLOCO, s. m. V. Froco. 

FLOR , s. f. Producção dos vegetáes , que 
contém as partes da frutificação como os esca- 
mes , e pisnllo. §. Obra de pintura, ou escultu- 
ra, que imita as natutáes ; e também de seda ^ 
ou lençaria , lavrada de agulha, feita de papel 
pintado , &c. §. f. A flor da idade : o tempo 
em que o moço está mais vigoroso , e na bel- 
leza do corpo. §. Cortar a vida em flor ; i. é ^ 
na flor da idade. Camões ^ Soneto 12. fm flor vos 
arrancou a dura, sorte. §. Estar em flor ( como 
a arvore antes de fructificar ) : " estavão as cou- 
sas do Concilio tanto em flor . . . que passariáo 
muitos meses antes que tivesse começo. " Vid. 
do Are. 2. 6. §. Cortar em flor as esperam^as ; 
quando ellas erão imaiores. §. A parte principal r 
V. g. a flor da nobreza. §. A pane melhor ^ g 
mais sutil : v. g. flor da farinha , do eirxofre , 
do anil. A flor àa índia: a melhor p^rte des- 
ta regiáo. B. 1. 9. 1. Costa de zpCi léguas... 
" em que se comprehende toda a flor da índia , 
a mais trilhada de nós. '^ §. F'lor da donzella : 
a virgindade , o virgo. Tr^.nfoso , p. 2. c. i. 
" trabalhou com ella pqr lhe haver sua flor. ". 
Flor da virgindade : a virgindade ; e daqui Des- 
florar. V. §. Á flot'. aoiív-el, á superfície: v.^. 
os olhos á flor tio rosto ; os que não são sumi- 
dos. §. Á Floy da agua , d flor da terra ; á to- 
na d'agua , á superfície d'ella. §. Flor do vinho : 
espécie de nata fina , que se vè no alto da cu- 
ba. §. Flores , na Quimica ; a matéria pura , e 
sublimada : v. g. as flores de enxofre , e de anti- 
monio , éf-c. §. Flores da Rhetorica , ou de tro- 
var : adornos da eloquência , e poesia , em que 
há mais trabalho , e estudo , que verdadeiro , e 
bom ornaro , ou elegância de bom discernimen- 
to. " as flores da eloquência. " Barr. Pan. 2. 
Eufr. 5, 2. f. 105-. esses ecos , e derivações 
atido que chamais flores de trovar. §. Quebrar, 
ou rebentar o mar em flor ; quando a onda sobe , 
e rebenta em grossas escumas. Lucena , f. 349. 
" as ondas rebentavão em flor de dia ( escuma 
branca ) , de noite quebravão em fogo ( com a 
ardentia ^ . " 

FLORÁDA , s. f. Flor (k laranja confeitada 
em assucar., 

FLORXo , s. m. Grande flor; de ordinário se 
diz das de marcenaria, obra de talha com Hoióes , 

tf*- 



1 






i 



40 



FLO 




mdo dourado. Freire , pag. 454- §• ^''f^^J^ 
queno com portinholas etn lugar de estnbos a 
iastelhana. §. A grande flor , em que o mar 
tempesroso , ou mm p.cado arrebenta , que os 
antisos diceráo frorao. V. Frorao. 

FLOREADO , part. pass. de Florear, esgrtma 

■^°FLOREÀNTE^,* pâos at. de Florear. Trazendo , 
ou produzindo flores, riiioio. 19. u- " o verão 
que entrava floreante. " 

FLOREAR , V. at. Adornar com flores : no 
fi». adornar com flores de eloquência , e poe- 
sia. Fieira: resolH^ao floreada de tantos louvores. 
§. Obrar com geiío bom , e engraçado , que 
mostra destreza : v. g. florear , esgrimindo , com a 
espada. Simão MaSadoyf. ?4. florear a bandei- 
ra- Viriato , 5. 82. floreando o montante ; e 10. 
QO — as bandeiras. §. Florear com a lanceia : san- 
srândo mÚi iiestramente. %. Florear com a pen- 
na : escrever com ornato. Telles , Ethiop. J. 24. 
col I §. Florear nas palavras : dizer coisas dis- 
cretas', e bonitas. Eufr. f. 86. f. Jto , 2. se. 7. 

FLORECÈNCIA , s. f. O acto de florecer : 
V. g. a ttorecençia do Commenio. Gazetas de 
1729. 



FLORECÈNTE, part. at. de Florecer. . Que tem 
flor , ou está em flor- Camões , Lfís. i. 7- ^^: 
mo florecente. V. Oííe 7. florecences c^pW/^í. -^i- 
fír^ : « a vara de Aráo florecente. '' Campo flo-^ 
recente. « cm começo de sua — mancebia. 

Ined. z. 587. „ _^,. . r 

FLORECER , V. ar. Fazer florecer. Ulisipo , J. 
i6c ir. os passos de sua dama florecem tudo o 
me pizão. ( allude aos versos de Petrarca ) 
§ V. n. Lançar flor. Camões, Canhão 7. florecia 
a verdura , que andando cos divinos pes tocava : 
as arvores florecem na Primavera. §. f. Estar em 
vigor , actividade , torça , poder : y. g. fiorece 
o commercio , as boas artes ; a Repimica ; o Mi- 
no , ou Cidade bem governada, os bons engenhos ., 
e homens doutos então florecem , quando achao 
favor , e prudenu liberdade, florecem as leis, ou 
a sua observância ; a arte , ou disciplina militar, 
a Religião , <ò^c. §. Florecer o estado em varões 
illustres , em poder , e riqueza , <Ú!^c. Lobo. Flore- 
cer o estado em grandes homens ; florecer em com- 
mercio ; florecer hum em honras , virtudes, neutr. 
Catec. Rom. " vendo os mais /orscer em honras. " 
Çam. Lus. t,. 20. que íloreça nas armas. 

FLORECÍDO , p, p. de Florecer. Res. Lm , 

' FlÔreNCIÁDO , adj. do Brasão. CrUZ — 5 
cujos braços rematáo em flor de lis. 

FLORENTE , part. prés. de Florecer. Que es- 
íá em flor ; usa-se no fig. que florece : v. g. 
idade flarente ; Vieira : que está no auge ; v, g. 
florente reputarão , gloria — . §. Commercio fioren- 
te ; fortma — ; florente em riquezas. Severm Not. 



FLU 

f 10, — exercito , em que há assas forças de gen- 
re escolhida. M. Lusit. z. f. 318. império—. 

FLORENTÍSSIMO , superl. de Florente. No 
fig. o commercio , a agricultura ; a Academia ; a 
villa — ; por commercics: V. do Arceb. i. 24. 
§. Engenhos — ; mocidade ; alma — de discrição 
e virtudes : fortuna , exercito , ò^c. reinado — em 
homens de prol , e valor. 

FLÓREO , s. m. ( antes floreyo ) . O acto de 
florear, ou o brinco, e adorno floreando : v. g. 
floreios da esgrima , da espada , do rojão toure- 
ando , ou com a lamia ; flóreos de tambor , ru- 
fias , toques , com que se dá a conhecer a gra- 
duação dos generáes , ou postos pelo numero 
delles. §. Floreios no fatiar : bons ditos , discre- 
Los , palavras enfeitadas , adornos , e flores de 

elocução. , 

FLORESTA , s. f. Mata espessa , e trondosa. 
Benedic. Lusit. " foi-se á mata, on fl.oresta. " Ca- 
mões , Lus. 9- 67. B. Ciar. c. 6. §. it. Prado ame.- 
no com flores. B. Per. 

FLORESTAL , adj. De floresta , ou mata. %.St- 
encia florestal , que trata da creaçáo , reproouc- 
çáo , e conservação das matas , para ter madei- 
ras para edifícios , e construção civil , e naval , 
e para carvoarias. Ld e Regim. de 30 de Jan. 
1802. §. Direito—: a Leg.slaçáo sobre a crea- 
çáo , aumento , e conservação das matas , &c. 

Cit. Leis. 

FLORÈTA, s. f. Um paço composto, e en- 
graçado da dança. 

FLORETEÁDO , adj. do Brasão, floreado , 
adornado de flores : v. g. Leão — ; cruzes flore- 

teadas. 

FLORIDO, adj. Adornado dç flor , ou floretea- 
do. V. do Arceb. i. i. cruz florida de 4 flores, 
florido o prado ■■, o florido da gentileza. Vieira , 
4. tom. pag. 457. col. 2. Vieira , mesmo t. 4. ida- 
de florente . . . a gentileza o mais flórido , tiem a 
discrição o mais florido, . _ 

FLÓRIDO , adj. Dissemos estilo , ou discrr^ao 
florida : adornado de flores de eloquência ; ora- 
dor — ; &c. Eneida ,8. 174. o — manceho. 

FLORÍJVI , s. m. Moeda de prata , ou de oi- 
ro , HoUandeza , &ç. tem vários valores : o de 
Alemanha vai 420. réis : o de Hespanha 789: 
o de Palermo , e Sicília 45O : o de Hollanda ?6o 
réis , ou \5\, r. 

FLORZINHA, 8. f. dim. de Flor. 
FLOXIDÃO, e diriv. V. Frouxidão. 
FLUCTISONÀNTE , adj. poet. Undisono. Fa- 
ria f Sousa. T^ ., 

FLUCTUÁDO , p. p. de Fluctuar. Irazido, 
que se conduz aboyado , como as pipas da agua- 
da , balsas de madeira , &c. 

FLUCTUÀNTE , part. at. de Fluctuar. Que an- 
da vagando ao som das ondas , e á flor delias. 

§. Vaciilante, incerto , irresoluto. 

FLU- 



FLU 

FLUCTUÁR , V. n. Andar bovando ao som 
das ondas. §. Vacillar, estar irresoluto : v. g. íiu- 
ctuava o animo entre o medo , e a esperança : Cia- 
bra. " o vago juízo ( do Gama ) fliictíiãva : 
Ltts. 8. 88. M. Conq. ^' fliictuando com vários 
pensamentos os sentidos : " C. 7. est. 7. Uuctuati- 
òo niíin pego de cuidados : fiuctuando de hum 
cuidado em outro. Paiva , S. 1. f. 55. 

fLUCTUÒSO , adj. Agitado , que faz ondas : 
V. g. " as aguas fiuctuosc^s : '^ M. Conq. 5. 20. 
§. Mar fluuHOSQ : que agita , e revolve como as 
ondas ao que anda sobre ellas ; fig. Cam. Canç. 
II, " inàa agora a fortuna ptctuosã a tama- 
nhas misérias me compelle. " 

FLUENTE , adj. Fluido, a chamma é jogo flu- 
ente. §. Que vai correndo : v. g. " impeto do 
humor fluente. " 

FLUIDO , adj. Fis. opposto a sólido, O cor- 
po , cujas partes tem pouca uniáo , apego , e 
enlace entre si , e soltas ap.utío-se umas das 
ourras , e se accommodáo á figura dos vasos , em 
que se contém : v. g. o ar , agua , fogo , <b-c. 
%. Molie , sem firmeza : v. g. carne fluida : fiac- 
cida. §. Estilo fluido : corrente , não difficil , nem 
áspero. 

FLUVIAL , adj. Do rio : v. g. agUã — . Enei- 
da , 9. 17. Instrucc. da Academia em 1781. 

FLUX : estar a flux , adverb. V. Froxo. 

FLUXXO , s. f. med. Correnteza , ou corren- 
te de líquido , ou humor , que corre para aigúa 
parte do corpo : V. g. fiuxáo no pdto , nos olhos , 
lúi-c. §. t. mathem. Cálculo das fluxões , ou me- 
thodo das fuxões : o calculo diíFerenciaL 

FLUXIBÍLIDÁDE , s. i. O ser passageiro , e 
de pouca dura , como as ondas , que vão corren- 
do , e passando. Pinto , Gineta : o calor não se 
pode sustentar por si pda sua fluxibilidade. pag. 
oa cap. 7. 

FLUXO , s. m. Corrente àc humores , que a 
natureza descarrega : v. g- fluxo de sangue ute- 
rino , GU do nariz. B. Clarim, l. 2. c. i. " se 
trespassava com hum fluxo de sangue. " §. Tor- 
rente : V. g. flii^^o de palavras , do que falia mui- 
to sem cessar : á boa parte. P. Pereira , Prol. o 
correntíssimo fluxo da eloquência Tulliana. §. Flu- 
xo , e refluxo do mar : o encher , e vasar da ma- 
lé. §. Fluxo mensal das mulheres : menstruo , regra, 
baixa. §. Soltura de ventre , curso. Cron, J. 5. 
p. 4. c. 55. " deu-lhe hum accidçnte de fluxo , e 
vomito , de que esteve sem falia. " 

FOaO , s. m. Um homem , cujo nome se náo 
declara. Sd Mtr. aquelle amigo iozo, q 'te ao tem- 
po dessa mudani^a tua joi-te assim d mão : hoje 
dizemos Fulano. 

FOCA. V. Phóca. Foca/emm. Mansinho ^ f. 44- 
Lobo , Deseng. " o delfim , a foca , e a balea 
vivem da presa, ^^ 

FOqADO , p. p. de Foçar, 
Tom, IL 



FOC 



41 



^ 



FOCjÁR , v^ at. Revolver cavajido com o fo- 
cinho : V. g. foçar a terra ( do Francês ' Fos- 
se ') Fozar , ou Fossar tem o mudo ; except, no 
Indicar.^ eu Fosso ^ tu Fossas, elle Fossa ^ elles, 
Fóssão. Sub), eu , elle Fosse , tu Fosses , elles 
Fossem ; raives por distinguir de eu fosse, tufas- 
ses , elle fosse de Ir , se escreveu foiçar : mas 
o accenro distingue bem os sentidos , ou signi- 
ficados diíFercntes, 

FÓCILES , s. m. pi. anarom. Os dois ossos da 
perna , e os dois do braço. Eecop. da Cirurg, f. 

FOaNHÁDA , s. f. Pancada com o focinho. 

FOaNHÈIRA , s. f. Peça do arreyo do cavai- 
lo , alias bocal. Galvão ^ Gineta , j. 41. 

FOCiNHO , s. m. O rosto , ou os narizes ,• 
e boca do porco , do cavallo , do cáo , do pei- 
xe agulha. B. \. 3. i. §. f. Dos homens. Cou- 
to , 4. 7. 7. appresevtdrão-se os Soldados ao Ca- 
pitão com os focinhos in-hados. Com o focinho no 
cháo : o rosto caído. Eufr. t,. 5. 1 50. §. Cahir 
de focinhos : de bruços. §. Ter mão focinho; i. é ^ 
má cara. §. Dar com alguma coisa nos focinhos: 
lançar em rosto. §. Fazer focinho : mostrar dis- 
plicência : frases famil. §. RoiCo trombudo , car- 
rancudo. Eufr. 5. 5, M ■ , 

FOCINHÚDO , adj. Que tem focinho, ãmmal 
focinhudo. §. f. Carrancudo, Eufr. 2. 5. Leão ^ 
Orig. c. 18. diz que é plebeu, 

FOCO , s, m. t. físico , e mathem. O ponto on- 
de se unem os rayos de luz reflexos do espe- 
lho usrorio , ou r-^ractos por lentes , c como a 
ponta de um cone , e ahi a luz queima de or- 
dinário os corpos que se llie chegáo , e talvez 
funde os corpos , que resistem ao fogo mais in- 
tenso. §. Foco na Química , a parte do forno , 
onde está o fogo, V. Formiho. 5. Foco de qual- 
quer curva ; o ponro em que os rayos se háo de 
unir por refracçáo , ou reflexão sendo a prm- 
cipio dirigidos de um certo modo : v, g. foco 
da Parábola , rf4 Eilipse : o foco da Parábo- 
la é o ponto do seu eixo , que dista do vér- 
tice a quarta parte do parâmetro ; focos da El- 
Hpse , sáo dois pontos no eixo mayor equidistan- 
tes dos seus extremos ; se dos táes ponros se ti- 
rarem duas rectas á circunferência da Eilipse am- 
bas juntas serão iguáes ao eixo mayor : foco da 
Hypérbole, ponto dentro delia , que dista tanto 
do seu centro , quanta é a parte da assimptota 
comprehendida entre o centro , e o ponto , em 
que é cortada pela tangente , que nasce do vér- 
tice da Hypérbole. §. Foco, entre os Médicos, 
o lugar , onde reside a causa da doença , e donr 
de se derrama o mal, que faz pelo corpo. 

FODÍDINCÚL , adj. ant, O paciente da sodo- 
mia, Elucid. art. Corrcger , tom. i. pag. Jiz. _ 
FÓD'INCÚL , adj. antiq, O infame Sodomiti- 
CQ agente , puto. Eludd^^rio. 



m 







jm 



i 



FOG 



FÕG 



vnvicv s { Inchação , e molleza da parte 'ou annos de fogo morto. V. Mono. Ç. Fogos ar- 
.5o solida \.' Ostentação de riqueza i ou qnú- itifiade, , na Guerra , sâo bombas , granadas, 
nao soauct. vj. r 1 Si c. Item t os toguetes doar, e outros por tes- 

ta, §. Â fogo Unto ■■, queimando pouco e pou-co. 
§. Estar a fogo e a sangue com alguém, ou con- 
tra ãlguem : mui irado e desejoso de vingança. 
§. Fogo actual , t, cirurg, o cautério do terro 
em braza : potenciar; o cáustico. §. Foges errati' 
tes ; meteoros igneos. §. Foges artijiááes , os que 
se fazem com pólvora , por brinco , e testa. 
§. Fogo ; muitos tiros darmas : v. g. fazer fogo 
contra o inimigo : dar fogo ; pò-lo , v. ^. á foguei- 
ra , ao arcabuz , ao canhão , para despátar. §. Ca- 
sa , ou família : v. g' li^g^r de vinte fogos. §. Ar- 



quer coisa que se tiao ppssue. 
FOFÍiNHO , adj. dim. de roto 
FOFO , adj. MoUe , e poroso , que contem 
muito ar nos poros : v- "'. a esponja. Deixar a 
terra fif a ; nzo calcada. « terra grossa- , ^o/^, e 
ío sequiosa. " £. ?• 5- 5- §• ^- Va° '. «'^"^ ^";- 
damento , bazofia : v. g. o que falia sem saber 
da materii , com suberba. 

FOGÁC\, s, f. Bolo de nlassa , que se faz 
para se dar em preço , ou premio aos que lu- 
L, cantão ao desafio. Resende, Cron. c zcò 
Sd Mir, §. Levar a fogaça a alguém ,ona alguma 
(Oisa ; avamajar-se-lhe. Eufr. 5. 5- /• i»5- f« J^" 
raria que as culpas passadas levarão a fogaça as 
do tempo presente, §. Bolo que se oíferece a al- 
gum Santo , e se arremata ; quem o paga íica 
obrigado a dar outro tal, ou melhorado no an- 
„o seguinte. Ord. 5.^-40. §. Pensão de foro em 
pão , ou grão , que consta de diversas quantida- 
des segundo os foráes. §. Pão de lo , ou pao 
molle com ovos e assucar , que se leva de mi- 
mo ás recem-paridas. §. O bolo, ou boleima 
de soborralho : era foragem ant. convertida a 
varias medidas de pão: v. g. uma — de dois al- 
queires. Elucidar, it. Offerteira. 

FOGÁGEM , s. f. Iniiammaçáo sangumea , que 

sahe pelo corpo. 

FOGÁL , s. m. Tributo que se paga pelos fo- 
oos a 25O reis no Minho p».i cada lugar , c al- 
£uns pouco mais. 

FOGÃO , s. m. Lar , o lugar da cosmha , on- 
áe está o fogo. §. Lugar da culatra da peça , 
onde está o ouvido i nelle se poi a escorva. 
FOGÃOSÍNHO, s. m. dim. de Fogão. 
FOGAREIRO , 3. m. Vaso de barro , cobre , 
ou ferro , em que se accende lume em brazas, 
§. Fogatco. Resende, Cron. J. i. f. B5. col. 2. 

FOGARÉO , s. m. Concha de ferro aberta 
por cima , levantada em haste , em que se accen- 
dem pinhas , ou estopas embebidas para allu- 
miar de noite. §. Por festa. Jned. 2. /. no. A 
procissão dos fogaréos é de noite , e elles lhe pre- 
cedem era quinta feira das endoenças. " avante 
ç'os fogaréos : " siga a procissão , ou passe adiante. 
FOGO , s. m. Um dos quatro elementos, 
ouente , e seco : o mesmo elemento desenvolvi- 
do na madeira, e tudo o que c combustível. 
§. Fogo vivo, é o que nas queimas dos matos 
se ateya nos troncos ; morto , o cjue pega nas ra- 
mas. §. Direito de fogo morto , é o que tem o 



dor , vehemencia : v. g- o fogo da mocidade ; e 
f, das paixões : o fogo da herezia. V. do Arceb. 
L. 6. c. z^. §. Fogos : chamas amorosas. Ferrei- 
ra , Écloga II. t. I. /. 200. e f. 227. í. i. se 
me calo os meus fogos são mais fortes ; e Hist. de 
Isea , /. 70. meus ardentes fogos não tem pedido 
mudar teu cruel mimo. §. Tomar fogo: conceber 
paixão. §. Atiçar o fogo ; Bg. a sanha , discórdia , 
paixão. Como , 4. 4- 2.' §• O fogo dos olhos , de 
quem tem muita viveza , ou paixão. §. Povoar 
uma terra de fogo morto ; i. é , àQ todo , não ha- 
vendo antes nem uma só casa , ou fogo nessa 
terra. Leão , Cron. §. Arma de fogo , a que sé 
atira, e emprega por meyo da pólvora que em 
si contém ; v. g. pistolas , arcabuses , bacamar- 
tes , &c. e assim bocas de fogo. §. Fogo , ou 

fogos : foio de 48 - réis , que se paga era Chaves , 

e suas visinhanças ao Rei pelo 5». Martinho , 
aliás Martiniega. Elucidar. §. Casal de fogo mor- 
to ■■, deshabítado. idem. 

FOGOSO, adj. Abrasado, ardente: v. g. cli- 
ma fogoso. Fieira. §. FJomcm — : impaciente , co- 
lérico , ardente. §. Cnvallo — ■ : ardego. §. f. Com 
fogoso bmú amor lhe debuxa, a imagem no pei- 
to. Naufr. de Sep. e no mesmo poema : as fo- 
gosas bocas dos cavallos do sol ; i- c , que respi- , 
râo fogo : a carroça fogosa do Sol. 

FOGUEIRA , s. f. Matéria acceza em ala , 
e grande labareda , ou brazido , de rama , lenha , 
8cc. §. Fogueiras , Casáes , Reguengos , que pa- 
gaváo Jogos Á Coroa , ou fimadegos. Elucidar. 
§. Fogueiras de S. Miguel: direito Real, que se 
pagava no Aro de Viseu. Elucidar, 

FOGUÈO , s. m. Tributo que se pagava em 
Goa das importações , e export.içóes. Barros. 
FOGUETE , s. m. Pólvora molda , e tempe- 




rada , socada em canudos enleyadcs com 



cu na 



mas. ^. JJireito ae joyo m.onu , c o ^uc n-ui u rau« , ow...... ~... y...- — ^„..-- „ 

arroteador de alguma terra , para não ser cxpul- breàda , ou em papel , Scc. que se fazem parafogos 



so delia pelo proprietário. §. Arrendar algua la 
brica ; v. g- um engenho com um , ou dois 
annos de Jogo morto ■■, de comum se faz , quan- 
do está a fabrica , e orticina incapaz de labo- 
f ar , e por isso náç se paga a renda no anno 



de artificio , por divertirncnio , c alguns vão ao 
ar em canas para fazer sináes. §• Faza Joguetes 
no jogo : qualquer acç?.o que mostre paixão , e 
enfadamento. 
FOGUETEIRO 3 s, m. O que faz foguetes / 



FOL 

e fogos de artificio. §. Qjeiviz, fos-jetes, ac- 
ções arremessadas de agastado. 

FOiiNHA. V. Fuinha. 

FÒIO. V. Fojo , e Foyo ( donde o appellido 
Fòyos ). Buraco feitiço para cíír caça nclle , ou 
natural ; e de commum um grande olheiro d' 
agua , ç|ue amollece a terra , onde se sorve o que 
nelle cái. Leão , Croti. Af, i. pag. 102. uU. ed. 
" o buraco , ou. (oio da tlainha. 

FOJO , s. .m.. C.ova profunda , cuja boca é ta- 
pada com rama , ou caniçada subtil , e uma 
tona de terra , de sorte cjue ceda ao pezo de 
jniroal , que lhe passe por cima , paia tomar na 
<^á, lobos, e outras feras, ou caça. §. Cova 
nas minas. Orograf. Portrfg. Tenr. 24. perdem-se 
as bestas cm grandes tojos que hd nas ditas ser- 
ras ( de neve ). §. Cova , como o fojo de ca- 
çar , ouriçada no fundo de puas , e estrepes , 
que se fecháo com portas levadiças : c obra de 
Fortif. V. Fow. 

FOLAO , ant. Fulano. Elmidar. 

FOLAR , s. m. Mimo de massa, ou outro, 
que se manda pela Paschoa ; e em partes se cem 
tornado obrigatório pelo Natal. Do Francez poii- 
iarde ; os folares mais ordinários trazem uma fin- 
gida gallinha de massa sobre um ovo , ou mais 
simplesmente o ovo sobre o bolinho : aindaque 
Duarte Nmes , Orig. c. 16. diga que é termo pro- 
priamente Portuguez. 

FÔLEGO , s. m. Movimento alternado da inspi- 
ração , e respiração do ar. §. Colher fôlego ; rçspirar : 
tomar fôlego ; respirar : e tomar o fôlego ; parar 
espontaneamente, a respiração, fig. para a nuvem 
que abata o vento " Soltar o fôlego mais fu- 
rioso. " B, I. 5. 2. §. Tirar o fôlego : embaraçar 
a íespiraçáo. §. Tirar pelo fôlego : anhelar , ar-, 
quej«r. Sa Mir. §. Ter 7 folgos como o gato : 
ser vividouro : e f, resistir a censuras , pragas , 
trabalhos. Eufr. Prol. §. Fallar , otí dizer de um 
fôlego ; sem descançar. §, Fôlego ; o espaço de 
tempo que se dá parase fazer alguma coisa. §. A- 
lenio que se toma repousmdo , ou descançan- 
do , por diversão , ferias. Eíífr. Prol. vmdo iomar 
fôlego á pátria. §. Alivio a dor. Eufr. 1. e i. 
5. alivio de trabalho ordinário. Couto , 7. 4. 7. 
ferr. -Cioso , i. 4. §. .Tempo cm que se cessa de 
trabalhar, e se toma para folga , e recreyo, 
. FOLGA, s. f. Espaço de tempo applicado ao 
ócio , recreyo ( F. do Arceb. ) ócio , descanso. 
§. Ord. Af. I. ó8. §. 2:5. " bestas que nom possam 
armar ao cinto salvo com folgua , e polee. ^' (pa- 
rece ser instrumento , que facilita a armação das, 
bestas forces ) para com ellas armarem major 
besta , e tnais folguadamente. 

FOLGADAMENTE , adv. Commodamente pela 
largura do espaço, rio , eni tjue folgadamente po- 
dem andar navios d vela. Earros , i. B. 7. 
§. Pot largueza de tempo ; v. g. trabalho , que 



FOL 



4S 



^ 



folgadamente se pode fazer em 5 dias, 5- Sem 
cansaço , sem moléstia ; armar a besta — . 

FOLGADO , part. pass. de Folgar. §. Náo 
apertado , nem largo : v. g. vestido folgado. §. Náo 
molestado do trabalho , com trabalho moderado , 
descançado , e com alento, tornar ao trabalho 
mais folgado. Lusiad. 7. 87. §. Folgado na /W- 
zenda o que tem alguma coisa mais do suffici- 
enre. " ficou mui folgado '^ (_ co' um socorro, 
porque já tinha armada com que podia pelejar ). 
Como , 10. 7. 10. §. Trazer a mão folgada : náo 
vir cançado , mas com alvoroço. " trazião a mão 
folgada das victorias , que alcançarão. " Couto, 
§. Folgado pellouro : o que náo perdeu ainda _a 
força que trazia. Pint. Peretr. o pellouro vinha tão 
folgado, que passou, e varou o costado , ou bum 
fardo, <éc'. opposto a cansado, ou morto. Galo- 
pe — •. Sagramor , L. i. c 24. /• 9^- 

FOLGÀNCjA , s. f. aniiq. Descanço , bema- 
venturança. Eufr. 5. lO. Auto do dia de Juizo, 
folgança ■ na vida futura. " minha folgança he 
cevar me, epi corações apassionados. " Clarim, I. 

«■• 25. : ,.' . . 

FOLGAR, 5.. m. Divertimento , função de pra- 
zer , recreyo.. justas , tornejos , serões , e outros fol- 
gares. Clarim, ;5k c. 25. 

FOLGAR , V. ac. Largar , ou alargar : v. g, 
foigar o leme : t. naut. §. v. n. Cess^ir do tr^ba^ 
lho. §. Alegrar-se, ter gosto. Arraes , i. i. " oí 
males grandes tolgáo com silencio. Tem já folga- 
do todo Lisboa , vai agora pelo Reino acima^ 
D. F. Man. Cart. 51. 2. Cent. 

FOLGAS JiO , adj. mzsc Folgazono. , f. Jovial i 
alegre j amigo de brincar, %,Fida folgazã ^ ^Xí'. 
gre , e ociosa. 

FOLGO. V. Fôlego. 

FOLGUEDO , s. m. Divertimento , passatcm- 
po , brincadeir.a> r,v > 

FOLHA,, s. ,f. A parte exterior das plantas,' 
sutil , e chata , qiie serve á sua respiração. §. A 
parte das flores que nasce do calis , e rodeya os 
estames , e pistiUo : v. g. as folhas da rosa , do 
cravo , &c. §. Chapa delgada de metal , v. g' 
oiro, prata, estaaho :,e'/o//j^ de flandres; chapi 
de ferro delgada , . e \es"çanhada. A lamina del- 
gada ;, Joinga :,da espída. §. A lamina de fei- 
ro da serra com dentes. §. Livro , que diri- 
ge a reza do oiíicio. divino. .§. — da charrua : 
o ferrQ,q-ue íibre a. tetf a, -:§.„;. Folha do anno : 
papel impresso . cpm os safltps apontados pelos 
dias ■ ào mez ; as Luas y 8cc. folhinha. §. Fig. 
Coisa sem sustancia : v. g. em folha, de pala- 
vras , opposto á sustancia ckis coisas. §. Lamina 
de madeira melhor , para com ella ,, .se forrar o^- 
tra grosseira. §. A metade de. uma taboa serra- 
da d'al to a baixo. §. A metade da peça__: v. g. 
a folha Jas mangas, das pernas do cakao, &c. 
'§. .Nas her4ades, repartição das terras, que alr 
F ii . . *^^'' 



I 



44 



FOL 



temadamente se cukiváo , ou ficáo de pousio. J^e- 
verim. tendo hima herdade muitas tolhas , não ss 
semeia senão hima , e he cansa de faltar pão no 
Reino. §. Porção de terra de pasto. Barros. §. folha 
depmilhíis: a sentença cem a porçSo adiudicada 
a cada herdeiro. §. Folha ou jolhagem : lavor de 
escultura a modo de tolhas. §. O lavor de Ar- 
chitectos , pintores , bordadores , imitando tolhas 
d'arvores , e plantas , íolhagem. §. Rofipa em fo- 
lha: a que não toi lavada; a que náo foi pos- 
ta sendo de còr, §. Despacho d'aUandega com 
recenceamento das mcrcadorins , que se itanspor- 
láo,, e sua quantidade. §. Folha da feria. V. Fe- 




ria. %. Filho da folha : o que cçbra algum orde 
nado , e tem o seu nome na tolha , -que se ap- 
presenta no Erário , ou onde quer que se paga 
a tal tolha , ou lista das pessoas com seus or- 
denados por inteiro , ou a quartéis. Vieira , Car- 
tas , 2. /. 178. as folhas Ecclesidsticas. §. Firar 
folba , ou voltar folha a fortuna a alguém : mu- 
dar-se. Eufros. f. 479- §• Dobrar folha : parar de 
ler ; e íig. de conversar , interromper a pratica , 
c p'assar a outra. §. De folha a folha : de anno a 
anno , que a folha se renova. B. Lima , /. 75. 
5. Correr folha : consultar por autoridade do juiz 
os escrivães do crime , para que respondáo se 
tem no seu canorio querella daquelle , que corre 
folha : e t. dar a sua obra a rever , e censu- 
rar. Prestes : qiterem que o auto corra folha ; vá 
a censurar. 

FOLHADA , s. f. A multidão de folhas , espe- 
cialmente a cahidiça. kma folhada d'enxtirro : a 
^ue os enxurros trazem: B. 2. ^. 4. — das cã' 
sas ; que as cobria, id. ^. 8. 4. " atear se o to- 
go m' folhada das casas. '' 

FOLHADO , pair. pass. de Folhar-se. 
FOLHAGEM , s. t. Toda a folha <3e uma 
planta , ou arvore. §. Obra de pint. arquit. que 
representa tolhas : v. g. pari ornar columnas , 
&c. §. E paia or«ato do Brasão. Lobo. 

FOLHÃO , adj. " hum cavaílo — , e que se 
ia pondo sobre as pernas. " Couto , 5. 7. 4. 
■ult. edí^. inquieto. V. Folia. 

FOLHÁR-SE, V. at. lefl. CobrÍT-,se a arvore, 
ou planta de folhas. B. Per. 

FOLHEAR , V. at. Ler á pressa algum livro , 
passá-lo pelos ollios. 

FOLHÉCA , s. f. de neve. Floco. 
FOLHELHO , s. m. Pellezinha , que cobre as 
hervilhas , teijóes , tavas. §. Folhelho : coisa de 
muitas folhas , e escondrijos poí dentra §. A cas- 
ca do bago d'uva. 

FOLHETA , s. f. Folha pequena de metal , 
ordinariamente da que se pói por baixo das 
pedras engastadas. Leis "Jozcfinas. 
• FOLHO , s. m. Excrescência do casco da bes- 
^a. §, Folhos: guarnições pela, borda de panno 
mais fino , que se põem aos len^óes 3 sayas , ana- 
çuái, 9cc. - . 1 



" FOM 

FOLHOSO , adj. Folhudo , frondoso. Naufr. 
de Sep. c, 15. de folhosas canas coroado. 
FOLHÚDO , ad]. Folhoso , frondoso. 
FOLÍA , s. t. Dança rápida ao som de pan- 
deiro ou adiife , entre varias pessoas. M. Pin- 
to , c. 68. " por desfeita Portugueza veyo hu- 
ma folia dobrada : " parece pois que havia fo- 
lias singelas , ou por causa dos instrumentos , ou 
do numero dos tollióes. Leão , Descripc. as fo- 
lias das Bachmtes. Freire,}. 30. e 150. Resende, 
Cron. J. 2. c. 12^, 

FOLIÃO , s. m. O qu.e dança folias. Telles , 
Ethinp. f 96. Resende , Cron. jP. 2. c. 125. plur. 
Foliees , mais usado que foliães , que é de Re- 
sende , e Pina , Cron. J. z. c. 44- mancebos fo- 
liães. Leão, Ortogr. /. 225. follião , foUiões. {edi^. 
de 1784 ) 

FOLIAR , v. at. rntrans. Dançar folias. Góes , 
Cron. M.f. ?4i- col. 2. Telles, Eth. f. 55. ^ 

FÒLLA , ^. {. J tolla do mar_ ^ a marulha- 
da ) era tanta , que não poderão desembarcar, 
Ined. 2. 536. af. 402. vem gransoUa , por gran 
folia. C Ital. folia ) F. Ined. ?. /. ?i7. a gran- 
de tolla , que havia no mar. V. Levadia. 

FÓLLE , s. m. Máquina de fazer vento , e so- 
prar o togo , consta de perada , curvatóes , ro- 
detes , e tangedouros. §. Tanger os folies : andar 
com elles para receberem , e inspirarem o ar no 
fogo , ou para os canos dos órgãos. §. Dar aos 
folies ; í. é, aos ilháes ; respirar cançadimente , 
V. g. o cavallo que tem polmoeira. §. Saco de 
pelle de carneiro de levar grão ao moinho, 
§. Chegar ao folie, fr. vulg. Dar pancadas. §. En- 
cher o folie-, i. é , a barr.ga. §. Levantar os fol- 
ies ; no íig. ajudar. Eufr. i. i. Levantar os fol- 
ies a passatempos vãos. 

FOLLÍCULO , s. m. Follezinho , bolsinho. 
FOLÓSA , s. t. Ave , que tem as costas par- 
das . € a barriga alva. 

FOME , s. f. Vontade apertada de comer. §. Dar 
jome ao gavião ; não lhe dar de comer para que 
cace melhor: no t. dar fome a algum de algu- 
ma coisa ; fazer-lhe criar mais desejos. Eufr. 4. 
6. a alcoviteira q/ter-me dar fome da moca , pa- 
ra que eu lhe pague melhor a diligencia. §. Pe- 
núria , falta de mantimento. §. Fome canina: to- 
me insaciável , doença. 

FOMENTAÇÃO, s. f. Remédio para fomenr 

tar. 

FOMENTADO , part. pass. de Fomentar. ' 
FOMENTADOR , s. m. — ora , í. Pessoa , que 
fomenta. §. Fautor. P'. do Arceb. L. 4. c. 3. fo- 
mentador de litigantes. 

FOMENTAR , v. at. Dar calor brando com 
untura húmida e quente, com pannos quentes, 
com fricção. §. Pòr os meyos de se conservar , e 
aturar: V. g. fomentar ■ a guerra, a anuzAde , a 
sediúo , vàixoes » ira , discórdia , amcr. M. Conq, 

^ £00- 



rdír^^-LA 



FON 

contribuir para a sua existência , e dur;içáo. 
§. A gallmha fomenta os ovos ; cobrindo-os para 
os tirar. " a natureza ensina os brutos a crear , 
e fomentar os filhos. " Leão , Cron, Af. ^.f. 27'- 
§. Cevar, no fig. §. Proteger, para que vá em 
aumento : v- g- tomentar a indmtria dos vassal- 
los. §. Curar, corregir , emendar com meyos de 
brandura. " Sabia onde convinha /oiíiení^r, con- 
de cauterizar, " F. do Arceh. 5. 15. 

FÒMO. V. Forno ; que assim se chama no Bra- 
sil a peça de barro , ou cobre , como bacia de 
pouco fundo , cjue está sobre o lorno , ou fo- 
go , e na qual se torra a massa da mandioca 
escorrida da mayor patte da humidade, e passa- 
da por peneira rara. , 

FONAS , s. f. A cinza das faiscas , que sobi- 
ráo ao ar , e descem apagadas. §. £' um fonA ; 
i. é , ridículo ; mesquinho. §. h. Fanfarrão. 

FONFARRXO , e deriv. V. Fanfarrão. Cron. 
J. 5. r. p. c. 57. Como , 5. 5. 7. 

FONFARRÍ A , s. f. Dito , acção de fonfarrão. 
Cron. J. 3. I. c. 88. 

FONTAíNHA , s. f. V. Fontezinha. " mora 
(^ em Lisboa ) ás Fontaínhas. 

FONTANÁL , ad). Principio fontanal. t. Theo- 
log. Fonte : v. g. " o pai he principio fontanal 
do verbo. Fieira. 

FONTANÉLLA , s. f. Fonte aberta a cáus- 
tico. 

FONTÀNGE , s. m. Ornato antigo , peça , 
cu joya de pedraria ( do Francèz : fontange ) la- 
ço de fita do touCado. 

FONTE , s. f. Origem , ou mái d'agua , don- 
de se deriva a que corre ; e f. /? fonte do rio , 
ribeiro , arrqyo , ó^c^ H, Pinto , /. 427. col. 2. 
fccando-se a fonte , seca-se o ribeiro. §. Chaga 
aberta com cautério , e conservada para evacuar 
máos humores, abrir uma fonte , ott fontes , fe- 
char <b'C. §. Fonte baptismal : a pia do baptis- 
mo. §. f. Origem : v. g. o Sol fonte de luz. 
Fieira. §. Â fonte : o texto original : v. g. a 
ícnte Hebraica da Escritura. §. As fontes do Di- 
reito: os textos origináes , e não as doutrinas, 
que outros recopilarão delias. §, "a principal 
fonte do oiro desta ilha ; " í. é , donde vem a 
mayor pirte delle. Castan. z, f. 215. §. *' Fonte 
de lume incomprehensivel : " Deus em quanto il- 
Jostra o entendimento. Cronic. de Cist. 5. c, 28. 
§. Fonte de misericórdias ; Deus misericordioso : 
— de Sabedoria infinita , de bondade , <ò'c. o mes- 
mo Diíus. §. Fontes : parte <3a cabeça sobre as 
faces entre o cabello , e as sobrancelhas. §. Fon- 
te., masc. Resende , Lei. na Carta, 

lONTEZÍNHA, s. f. dim. de Fonte. 

FONTÍNHA. V. Fontezinha. 

FÓR , s. f. ant. Modo , forma , lettra. a fór 
à'ant}gua. Elucidar, talvez abbreviac. de foro. 

fÓRA , s. f. A parte externa j oppóe-se á de 



FOR 



45 



dentro : v. g. fora de rasa , da. Cidndc , /ci pnra 
fora, /. é , ác casa. B. i. 8. i. " Adem , edi- 
ficada V^e fora das portas do Mar Roxo. " §. Li- 
vre : V. g. está fora de perigo. §. Longe , remo- 
to : V. g. euá dem fora dcsícs cuidadas , trídwi- 
lhos. §. Eítar fora de ser amigo , ou inimigo : não 
o ser. §. Fora de esperança ; sem ella : " succc- 
deu-nos isto Jora de esperani^a. Coisas fora de en- 
tendimento : que não tem entendimento , insensí- 
veis , irracionaes. Cam. Cani^. 8. §. A fora : ex- 
cepto , de mais de. F. do Arceb. A jóra. Fern. 
Mend. cap. 116. a fora esses; i. é, ficando es- 
ses a fora da conta , além desses : " a fora te- 
rem táo fracos fundamentos . . . pendem da opi- 
nião : " i. é , além de terem &c. Paiva , Serm. 
^- P^S' 7^' " ^ foi'a de ser mancebo , dava mui- 
to ar , e graça &c. " ( alem de ser mancebo ) 
Clarim. 2. c. 7. §. Aredando-se a fora. Palm. 
1, p. f. 108. ir. §. Deixar de fora : excluir do 
número , ou não contar ; excluir , ou excusar na 
promoção , e ficar de fora , não ser admcttido. 
§. Por fora : pelo exterior. §. Sem : v. g. fora 
de zombaria. §. Sem , ou contra : v. g> íóra de 
razão : fora do costume dos fidalgos daquelk tem- 
po. Leão , Cron. jp. i. f. 96. §. De mar em fo- 
ra i i. é i da barra para íóra. §. Jogar de jóra : 
não ter parte em alguma coisa , ou influir nel- 
la } mas sem estar exposto a seus riscos , e in- 
commodos. Eufr. 5. 3. §. Fora , usa-se adverbi- 
almente , ou com preposição expressa : v. g, 
" huns dos muros a dentro , outros a fora. " 
Mausinho , /. 153. £«2 fo'ra. Men. e Adoça , /. 
89, ir. Com os verbos de quietação usamo-lo 
adverbialmente : v. g. está fora , janta fora , fi- 
cou fora , i. é f de casa. Ficar de fora: ráo en- 
trar na conta , numero , no case , negocio , acção. 

FORAGEM, s. f. Foro miúdo , miunças. Elu- 
cidiír. 

FORAGÍDO , adj. Que anda fugido por cri- 
mes , e delitos. P. P. L. i. c. 16. 

FORAL, s. m. Lei, que o conquistador, oa 
fundador dava á Cidade conquistada , ou edifi- 
cada , á cerca da Policia , Tributos , Juiso , Pri- 
vilégios , Condição Civil , &c. Os Senhores ter- 
ritoriáes tábem daváo forais ás Cidades , Vil- 
las , Concelhos , Julgados ; e até aos rendeiros 
de quintas , courellas , e silios , os quaes contem 
as leis , e condições do contrato , lirriites ào si- 
tio , pensões , Scc. §. Carta de privilégios , cu 
leis dadas a alguma corporação. Orden, Z. i- t. 
52. §. 4. e conhecerá dos feitos dos Jnglczes no 
modo , que por foral , que de ms tem , he orde- 
nado, §. Foral: lugar concelheiro para audiências, 
e juntas do Concelho : dia de Foral , de audi- 
ência nos Paços do Concelho , ou iugar conce- 
lheiro deputado para as audiências dos }alzc>, , 
os quaes julgaváo prelos Foráes das wrds , cu 
Lejs delias- §. Carta de aíoratHCnto , ou arrea- 
da- 




i 



FOP 




FOR 



daincíno de terras. CotUO, 7. 6. 7. as condições 
e oivus do alroramento. 

• FOR^'>lONTlO , adj. subst. Os lugares, ou 
cas-'c3 , e emphiteutas , que pagaváo foro de mor.- 
tària ou caça de veaçEo ; ou serviao os íjenho- 
res nas montarias. Elucidar. 

FORÃO. V. Furio. 

FORARÍ A , s. f . O mesmo que fôtsgemr Llii- 

FORASTEIRO, s. m. Homem estranho, pe- 
regrino, estrangeiro. ^ , j • 
FORCA , s. i. Obra de pao , consta de dois 
esteyos , o« três , fincados na terra , com uma , 
cu mais traves atravessadas , e fixas nos altos 
delles , onde se penduráo de cordas os con- 
demnadòs a morrer enforcados. ^ 

FORCA , s. f. A energia , acção que .pode 
produzir movimento , e se diz da dos corpos 
animados , dos elásticos: v. g. a força da mo.- 
la- ou os não elásticos, mas que receberão mo- 
vimento de alguma potencia : a forca da atrac- 
ção , de projecto ; centrijitga, <ò'C. §. Vigor, ro- 
bustez do corpo. §. Esforço do animo , valor , 
■Gonstancla. §. Actividade, energia, viveza :v. ^. 
força de imaginação. §. Violência : v. g^ ajotça. 
dWmas ; tomar por força •, por força , e mo por 
vontade; levar as coisas /í torça. §. Foríia: esbu 
lho , violência com que se tira a alguém o seu , 
o dominio , ou posse , exercendo no alheyo actos 
possessórios ; e se diz força nova , em quanto 
não c passado anno e dia , depois que se fez , 
ou commetteu a força : acção de força nova ; a 
que SC propói dentro de anuo e dia ; para que 
o forçador , ou expoliante , e esbulhador desis- 
ta da força , e esbulho , que cómetteu. t. foren- 
ses. §. Levantar, ou alçar força: faxer restituir 
o esbulhado. Ord. ^ 4. 8, prím. §. Elíicacia , 
actividade ; V. g. o vinho perdeu a sua força ; 
evaporoU'se-lhe a força ao vinagre. §. Energu no 
f?llar. §. O sentido próprio das palavras. §. A 
forca': a poder; v. g- á força de razões , rogos. 
§ 'Foder : v. g. " resistir com toda a sua jor- 
ca " ^.Tirar ioTçzs dafraíjueza: fazer mais do 
qnc a fraqueza sofre. §. Violência feita á mu- 
llier , para gozar delia. Lobo. §, A violência , 
que se faz , usando do que náo é proprio do 
íorçadoí , entrando por suas terras , c herdades ; 
tolhendo a outrem o uso do seu : fazer — : 
com-.neiier — . §. Tirar forças da fraqueza : t-izer 
esforços excedentes ao seu poier , resisimdo , 

• trabalhando, fazendo despezas além das posses. 
§. Por força : constrangidamente ; de necessida- 
de ; ind'ispensavelrocnte. §. Praça tone. A<f. Lus. 
§. Fortificações , lepairos : « »ez torres , e jor- 
cas , para defensão d'aqueUa entrada. '' B. 2. 7. 
5. Forças i milit. exércitos , tudo o que serve a 
at;aque , e defeza. " pòz em campo todas as suas 
forças, '> §. Fqtça bruta: máquina como aspas. 



^ ou tesouras , que apcrtandc-se , on fechando-se 
soscém e erguera grandes pesos ; outra maqui- 



na , na qual com uma roda dentada se taz subit 
um ferro , para levantar , e soster o pezo , que 
sobre ellc se pói a plumo. §. Força , na 
Mecan, potencia , causa motriz , o agente. 
§. Forca vii>a , segundo Lcibmtz , é o producto 
Ja massa multiplicada peio quadrado da poten- 
cia : força morta , o estorço de qualquer poten- 
cia , contra obstáculo insuperável para ella §. A 
forca do Ferão , ou Inverno; quando estas esta- 
ções dáo mais calma , e frio , ou chuvas. §. A 
forca do esteio ; o quando se estuda mais con- 
tinuadamente. §. Fazer forças para algum fim ; 
obrigar, violentar. F. do Arceb. i. 6. §. — das 
aguas da chuva : o pezo de sua multidão. " com 
força de neve Ihó estorvou. '^ V. do Arceb. i» 
^i. §. Número, quanridade: v. g. a maior — do 
peixe erão pescadas , ruivos , éx. F. do Arceb. L. 
6. c. 24. fig. " derramei /orj/z de lagrimas. '^Re- 
sende , Lei. f 87. no Sonho de Scip. §. As for- 
ças : a substancia , o principal : v. g. não tras- 
ladamos aqui a escritura por inteiro , mas somen- 
te as forças delia. §. Fonas do e>tado : as tro- 
pas , miíicias de terra ; e as armadas. §. Fazer 
forca de vela : soltar mais panno , e maneja-lo 
para vencer viagem , e surdir mais. 

FORqÁDAAíÈNTE , adv. Violenta, constrsn- 
gidamente : f. applicar — as leis aos casos. " es- 
ta alma triste se m'arrancava lío forçadamente. 
Castro de Ferr. Ato V 

FORCADO 3 s. m. Páo de duas pontas , ou 
duas pontas de ferro embebidas numa h.ista ; 
serve de revolver palha, e feno. §. 'Tijolo de 
— ; mais latgo , e menos alto , que o ordi- 
nário, ,., 

FORÇADO, part. pass. de Forçar. Impellido , 
violentado : v. g. do seu de':ejo. Ul^sipo , t. lu 
obrigado por força. §. Forçoso: v. g. <^ lauce , 
ou mate forçado; foi-lhe forçado dcíxar a guer- 
ra. Fase. Arte. " que causi tão forçada vos 
constrangeu. '' Eneida,^. 26. §. Estilo — ; nao 
taci! , náo corrente , náo fluido. §. Herdeiro Jor- 
çado : aquelle que succede em virtude da lei , 
que limita a liberdade de testar , ou abintesti- 
do. §. ForCíido , subst. o galeote. §. Favi^ado-, ndv. 
constrangidamenre, Eneida, 7. 5. §. Homan —- : 
esbulhado. Orden. Afons. L. 4. T. 65. §. 5- ho- 
mem forçado de algJia cousa. ^^ Azurara., c. :52. 
"forçado do seu. >> §. Cousa forçada : tomada 
por torça , esbulhada. Ord. Af. A' ^5- 5- 

FORQADÒR , s. m. O que faz força a mu- 
lheres. M. L. §. O que faz força esbulhando 
da posse. Orden. ?. 48. 5. esbulhador. Orden. A- 

fons. . 

FORCADÚRA , s. f. O espaço , ou angulo en- 
tre as pontas do forcado. §. Abertura que tem 
aquella feição daj do forcado, barreiros , Coragr. 



FOR 

tm na sua extremidade duas forcaduras , qttc fa- 
zem três promontórios. 

FORCjAftlENTO , s. m. Força feita a mulher. 
*' se seguem morres , forcamentos , adultérios , 
ííc. " Orã. Af. 5. /. :58o. ' 

FORCAR , V. at. Voltar o trií!o com o for- 



FOR 



cado. Enfr. 2. z. quando forcar não qiíeixar, 

FORÇAR , vt at. Constranger , violentar , obri- 
gar a fazer alguma coisa contra vontade. §. Fa- 
zer mudar a direcção , tendência , op^jondo for- 
ça maior. " para detrás a tone náo jorrando. 
( impellindo ) Ltts. 2. zz: §. forçar as linhas; 
rompè-las na guerra. §. forçar a praça; entrá-la 
a pezar dos defensores. §. forçar o remo : re^ 
mar com força , picá-lo. §. Tomar por força , 
esbulhar, o que fbrçarom e eibiilbarom. Ord. A\. 
5. f. I ^9. Se nigíia co'isa forçarem , oit esbiúha- 
rom. V.Cit. Ord. 3. /. 422. e 2./. 132. " (]ue 
lhe forçou algúas cousas das pertenças delia : ^^ 
( da Igreja ). " forçar o direito dos humildes de 
meu povo. *' Ootí. Ctst. 6. c. 8. §. for^^ar de alguém : 
propor acção de força contra elle. §. forçar o tem- 
po, t. naur. navegar contra vento , e maré. Al- 
buq. f. 73. P. Per. 2. 161. forçando a brave- 
za dos mares , e calamidade do tempo ; i. é , ven- 
cendo , obrando a seu pezar. §. forçar as velas : 
fazer força de vela , metter mais panno para 
accelerar a navegação. Cou(o _, 7. £0. 5. §. Ke- 
forçar : v. g. de tresdobrado ferro forçado tinha 
o peito, ferreira. Ode. §. forçar a mulher ; fa- 
zer-lhe violência para que se dè , e deixe go- 
zar. §. forçar alguém: obrigá-lo por força , vio- 
lentá-lo , a fazer , ou soíFrer algúa coisa. §. — 
as Leis , as palavras : dai-lhes interpretações , 
e sentidos, que ellas náo tem, nem abrangem, 
forçados , violentos. §. Nem força ; fr. ant. náo 
importa. Ined. 2. 508. §. forçar o navio de ve- 
la : fazer força de vela para navegar mais. Cron. 
'^. :?. p. 4. c. í>2. " foi forçando a fusta de ve- 
la. " §. forçar-se : vencei-se a fazer algiia coisa , a 
que temos aversão, pejo , e displicência: Meti. 
e Moça , i. c. 21. a fazer coisa , a que o pe- 
jo , e vergonha repugnáo. §. n. Forçar , e seus 
deriv. tem o mudo 3 except. no Indicat. Eu es- 
forço ; — orças ; — orça ; — orção. Subj. Eu , 
elle esforce ; tu — orces ; elles esjorcem. 

FORCARÈTE , s. m. Movei ant go. Prov. da 
H. Geneal. forcaretes de panno de ouro. 

FORCEJAR , v. n. Fazer ; ou pòr força pa- 
ra resistir , ou vencer : v. g- Forcejar com a cor- 
rente : Gma de casados. Forcejar contra o mar , e 
vento : Imul. 

FORÇOSAMENTE , adv. Com força física. 
Barros , Oar. c, i^. §. Por forra : necessaria- 
mente : V. g-f'Z' — ■ ; forçosamente ha de ser assim. 
§. No sent. Jurid. commetíjindo força , cspoliati- 
vamente : v. g. tomar forçosamente a herdade 
íilheja : tomar posse do que era nosso j e an- 



47 



dava alheyado sem autoridade de Justiça. Crd. Aí. 
4.65.5. ' 

tORe^ÒjO , adj. Dotado de forças ccrporács. 
§. Que faz força , obriga : V. g. c lance fcr^o- 
so ; que se náo pôde escusar : v. g. " a guerra 
era Jorçosa. " Cron. del-Rei D. Duarte , /. 29. é 
forçoso qae m escreva ; forçoso c morrer o hor 
mem. §. Que faz força ao entendimento , o'j á 
vontade: v. g. argumento — . Vieira. §. Hudãm 
— . V. Forçado. §. Fento forçoso ; rijo , tezo. 
Albuq. 4. 2. 

FORC5URA , s. f. Camarote pequeno nos thea- 
iros. §. Fressura , os intestinos do boi , vaca. 

FORÇURÈIRA , s, f. — o , m. Pessoa que 
vende forçura. 

FORÉCA , s. f. antiq. Quaderno , livro de lem- 
brança. Doação delRei D. fernando. 

FORÈIRÓ , s. c. adj. Que paga foro. §. O 
que traz aforada alguma herdade , ou prédio. 
Severim , Notic. f. 24. §. f. Obrigado a alguém 
por beneficio. Eufr. 5. i. §. fcreiro , ad). " o 
máo pensamento assentado no peito hc pcccado 
foreiro. " Galvão , Serm. 1. f. 16. ( que cada dia 
se vai accrescentando , como a pensão do foreiro 
com os dias , que vão perfazendo o anno. " to- 
do animal que nasce está foreiro a passar esr 
te passo estreito (da morte). ^^ Cam, £leg. 20, 

FORENSE , adj. Do foro judicial. 

FORESTÈIRO , s. m. Capitão General , ou 
Governador j titulo usado antigamente em Flan- 
des. Grandezas de Lisboa. 

FORGIGADO , part. pass. de Forgicar. V. Fru- 
gicado. fufr.^^. 2. tem hum estilo forgicado em 
breves sentenças ; i. é , formado. 

FORJA , s, m, O fogão do ferreirb , espingar- 
deiro , ourives , &c. §,, Andar , ou estar o nego-. 
cio na Jorjaí tratar-se de o fazer concluir. 

FORJADO , parr. pas«. de Forjar. Y. §. f. 
Palavras amorosas forjadas de seus engano;. Palm. 
p. 2. c. 10 7. fm, 

FORJADOR , s, m. O mestre da forja. 

FORJAR , V. at. Trabalhar obra de ferro , le- 
vando-a á forja, e sobre a bigorna: v- g- for- 
jar uma espada , um elmo. Vieira. §. forjar pc- 
lavrds : inventá-las , ou imitá-las , adopta las se- 
gundo a analogia da lingua, para cjue sáo adop- 
tadas. §. Fazer , e attribuir falsamente : v. g'j<^''- 
jar uma ordem em nome del-Ret. Port. Resu 

FORLÍES , s. m. ant. Florins , moeda. Elucidar. 

FORMA , s. f. l'ilosof. A disposição di ma- 
téria , quG constirue uma espécie ^disrincta da 
outra, §. Figura : v. g. tomou a fornia de um 
tigre. §. Modo: v. g. " desta _/o'm-tí. " §. A jor- 
ma do governo; i. í" , a pessoa , ou pessoas, em 
quem residem os direitos Majestáticos , i. e , o 
de Ic-gislar , impor tributos , fazer a paz , e a 
guerra. Vieira. §. forma : o que é necessário pa- 
ra que alguma coisa tenha ser : v'. g. " se o li- 
vro 





V 




'9: 



:>»^À^ 



FOK 

• j ^ U rlie^-ir a receber alguma /or;ií.'t. " 
;?irf § deíÍ?;Lsem moy^ ou Lac^^ 
í, á p^n-^ í-^e/055e rt toào^ iorm^ , c exemplo de 
sanUde^ios Lnct. pag. LXXl coK i a ter- 
ZdTtemp^rança em el-Rei D. Mam^^- p^f^ 
r Vármai V. Formalidades. §. Sm foruui de 
l'ror, o: contra o modo observado no tazer just.- 
^c, Mamlo , ma do Princ §. Modo de obrar 
e viver §. foVm^, entre osLog.cos, argumentar 
emíéma; regularmente , ;egundo as jegras , con- 
ckJentemente! §. Por forma : por íormahdade. 
t £m /.Vm^ , adv. Perfeitamente, -ab.da es- 
sencialmente. « sou patvo m forma. Ults. 

^'fòR.MA, s. f. Peça de madeira, á roda da 
qual o sapateiro coze, e ajunta as peças, de 
Z^ hz o sapato , para lhe dar a figura que 
?enV peça de" barro /ou madeira , sobre que se 
""nJlanno. ou papel P-a ^-r mascadas e 
obras relevadas : vaso de barro , em que se lan 
ra a calda de assacar para o avar , e purgar 
h o assucar em páo , que delia se t>ra. §. C.a- 

n^d^ de lata, ecn que se l^^Ç^iboa e^m qu" 
zer vçlas. §. t. de impressor ; Taboa , em que 
se conpòe a letra. §. Leira de jorma : a de me- 
nl , que erve para imprimir. §. Peça de taboa 
da teSo do perfil da perna, em que se en- 
fiáo as^tSeyas Se seda antes de as passar a fer- 

'"'fO^^MACIO , s. f. o acto de formar , ou 
formar-se. Ví>iM. necessária a íormaçao àa 

■^^FOKMÁDO , part. pass. de Formar. 

FOPJVIADÒR, s. m. O .que forma , e da ior- 
m. «!M- V ^. I>e«í brmador do homm , e 
7oyntlrso. Arraés, 8. i?. "Deus teu /or- 

'"f ÓRMAFLÀNCO , adj. de Fortificação. A■r^g,m 
_^ • é o que se forma da clemigoda , e Imr.a 
lançada entre os extremos da demigolla , e do 

'?ORMÁL , adj. Que respeita á forma. §. Aj 
palavras formdes ; as mesmas que alguém disse , 
ou que estão escritas , sem a menor a teraçao . 
V. e. estas são as palavras formaes da a. 

FORMAL , s. m. O formal de p^nd,m ; a_ to- 
lha i é , a enumeração dos bens , que tocavao 
ao he;deiro , feita em tolha , on autuada pelo 
escrivão , e assinada pelo juiz que julgôu a pnr- 
.ilha por sentença. §. a^ ^-± --^^r 



residência de algúa quinta , ou casal. Eluadtr 

FORMALIDADE , s. K A praxe, ou modo de 
proceder determinado pela lei , uso , ou costu- 
íc , para que a coisa seja le.ta nos termos , 
e vaho,a. § Regularidade : v. ,Ç. no argumentar 
c responder , segundo as regras de arguir ,e de- 

^^lORMÃO , s. m. As. Escritura , ou Carta Re 



FOR 

ai , ou de Vice-Rei : v. g. Forniâo para nave- 
qi'r livremente: Formão de perdão, <b'C. Loiuo\ 
c Mendes Pinto, cap. 119- àe nos passar logo dis- 
,0 hm: formão assinado com letras de oUro, 
§ Feiro de- carpent. e marceneiro ; e lamina com 
corte num extremo , e espiga enxerida em seu 
cabo no outro. , . 

FORMAR , V. at. Dar forma , figura ; tazer . 
V. e. formou Deiís o homem d sua nnagem. §. Ues- 
ci-ever : v. g. formar um triangulo. §. Ordenar ; 
V g. formar a companhia para exerdcto , o« pa- 
ra combater. §. Formar a chaga: enche-la de ti- 
os , ou mechas para a conservar aberta. §. 1 ta- 
car , meditar : v. g- formar um desígnio, pro]e- 
?roi fazer. P. Per. i. f. 161. ^ tormando we- 
cimtnto a hitns o seguro , e prudente conselho , a 
outros a ousada , e prestes execução. §. tormar- 
se o pinto, ou feto; ir tomando forma o em- 
brião. §. Fcrmar-se um tumor; tazer-se. §.. >or- 
mar se o Bacharel , ou estudante; cursar um anno 
além do de Bacharel , e sair approvâdo no hm 

delle- r ^ » t.f 

FORMATURA , s. f. O exame , que se raz 

no fim do anno , que se segue ao anno de ba- 

chareL §. A ordenança, ou ordem do exercito 

para dar batalha. r o J» c^ 

FORMÈIRO , s. m, O que faz formas de sa- 
patos ; formas de purgar assucar. 

FORMÍCA , militaris. V. Cobreio. 

FORMIDÍVNDO. V. Formidável,, temível. 

FORMIDÁVEL, adj. Qiie causa medo, que 
é para temer se , temível. P'i€tr. Cart. t. 2. /. 
^17. poder formidável a todos estes príncipes: ho- 
mem mão , e fotmidiveL _ 

FORMIDOLÒSO , adj. Que poi medo. l:.ueiaa , 

10. 142. temido. , A' ir 

FORMIGA , s. f. Insecto vulgar. §. A jornn- 
g;t : pouco , e pouco , coirio estes insectos levao 
l sua provisão para baxo da terra. Arte jle F.m. 
c .1 Couto, B. /. 153. correm embarcações a ior- 
miga: comprar mantimentos á formiga : pouco e 
pou o , dissimuladamente. idem , 6. i. 6. 

FORMIGÃO , s. m. Muro ae -- ; c;to de 
pedregulho , e saibrão , traçados com cal , e ca - 
cados entre taboas , como as pareces de ta.pa. 
§ _ de pólvora : rastilho para por togo a mina , 
&c. Castan. L. 5. f- 8é. f. sílcixa. 

FORMIGAR , V. rv Fsrnngar o cerpo ; scntir- 
se nelle comichão, como se por elle andassem 
tormigas. §. Alguns querem com este verbo tra- 
duzir o fourmúler Francez , mas nos dizemos. 
v% a terra está lufada de vadws , e um jor- 
migueiro de ladrões, ou fervedouro de ladroes, 

ou ferver com ellcs. . , - 

FORMIGUEJÁR , V. n. V. Formigaj. Leão, 
Cron. jT. I. c. 70. '• lhe fornngttejavao os bei- 



'formigueiro , s. mk Cova de íormigas.- 




ISF 



FOR 

§. Fervedouro de bichos jutuos : v. g. Um for- 
migueiro de bichos na chaga conuta : fig. formi- 
gueiro de gaite junta ; fervedouro. " Mouros que 
por acjuelU costa viviáo , que era hum grande 
formigUíiro dellcs , por razão da pescaria do al- 
jôfar. " £. 4. 8. I ?. " foinii\rth-iro de ladrões. " 
id. 1^. p. 5. V. Formigmlbo. 

FORMIGUEIRO, ad). Ladrão — ; de pou- 

quidades. Vieira : laàrão , qtie furta quatro 

reJes a (juairo homens : firata formigueiro ; que 
faz pequenos roubos, e a lurto. F. /í-/. c. 146. 
uimarul , 10. 

FORMIGUÍLHO , s. m. ou Formigueiro : do- 
ença do cavallo , buraco que sobe entre o cas- 
co , c o sauco. 

FORMOSEÁDO , p. p. de Formosear. 

FORMOSEÁR 3 V. at. Fazer tormoso. Cam. Ode 
I. V. Aforinosear. 

FORMOSO , e deriv. núra ; e é melhor or- 
tografia que fermoso : o Latim diz fonnosm , al- 
guns clássicos escrevem formoso ; sigamos a sua 
autoridade , e a etimologia. V. Fermoso. 

FORMOSURA, s. t. V. Fermosura. 

FÓRMULA , s. i. Contexto de palavras , de 
que é necessário usar , para que certos acros 
sejáo valiosos : v. ^. a formula da projissãu. 
Fieira. §. Método de proceder : v. g. nos cál- 
culos. 

FORMULAR , V. at. Dar certa formula , ou 
formar o contexto : v. ^. formular a lei, o bre- 
ve. Deduc^. Cronobg. foi. 298. 

FORMULÁRIO , s. m. Livro , ou apontamen- 
to de formulas , ou formaliJides. Vieira. 

FORNÁQA , s. f. ant:q. Fornalha. " fomaças 
da casa da moeda. '' ÂLUrara , c. 29. No Elu- 
cidar, se diz , que é casa da moeda. " Lavrar a 
dita moeda mais que em duis jarna^^as , e mais 
nom. ^^ Cortes do Porto de 1372. 

FORNACÈIRO , s. m. Official das fornalhas 
da casa da moeda. 

F0RNÁG03 , s. m. plur. de carpenteiro. Páos 
delgados , que vão pregados pelo espigão a 
cima.^ 

FORNADA, s. L O páo que se coze no far- 
no cheyo , de uma vez. §. Cozer a — i ir. vulg. 
í. é , cozer a bebedeira. 

FORNALHA , s. f. Forno grande : receptácu- 
lo de fogo mayor , para operar sobre o que se 
contem nos fornos : v. g. de tijolo , de vidro , 
e nos vasos de fundir principalmente em gran- 
de ; V. g. fornalhas para fundir ferro ; para as 
tachas de cozer mellado , assentadas sobre a 
fornalha ; as fornalhas de opejaçóes Químicas, 
&c. forja artificiah 

FORNAZÍNHO , adj, ant.- Filhos — : adulteri- 
nos. Orden. Âfons. 2. 72. pr. " E. casando sem ten- 
do o dito guete , se houverem alguns filhos, se- 
rom jornazinhos. " 

Tom. il. 



FOR 



49 



FORNEÁR , V. n. Haver-se como fotneiro , 
metter , e tirar o pão , &:c. §. Fornear as lan- 
fiís : dar botes com ellas , empuxá-las para di- 
ante para que o inimigo não se chegue. Castan, 
1,. f. 175. col. 2. Barros i l' foi. 68. 7^. fornear ,- 
e ensopar as lani^as mlles. 

FORNECER , V. at. Prover , bastecer : v. g. 
fornecer o navio., ou pra^a de muniç^Ões de guer- 
ra , de victuâlhas , de gente para o servido , tna- 
reacão y ou defeza. Castan. L. i.f 151. forneceu 
a MU de gente. Barros , 4. V- l/ilbuq. 4. 5. for- 
necessem as nãos dos aparelhos necessários , toman- 
do-os das náos dos Mouros. §. Fornecer , e adere- 
çar de baixellas. Leão , Cron. Af. 5. " o Impera- 
dor forneceria a Infanta de vestidos , e atavios de 
sua pessoa. " Cron. jF. 2,. p. i. c. 56. §. Forne- 
ceu-se de cavalhs , e elefantes para a guerra. B. 
4. 7. 4. §. — se de vitualhas , de mais armada. 
Cron. j. ^. p. ^ c. 48. 

FORNECIDO , part. pass. de Fornecer. Pro- 
vido. Albuquerque , 4. 6, — do necessário j embat' 
cagões fornecidas. Fieira. §. Exercito — de caval- 
latia : armada fornecida de gente. Leão , Orig. 
muro e barreira fornecidos de gente. Ined. 1. 565, 

FORNECIMENTO , s. m. Provimento do ner 
cessario. 

FORNÈlRA , s. f. Mulher que coze páo no 
forno. 

FORNÈIRO , s. m. Homem que coze páo no 
forno. 

FORNESÍNHO , adj. antiq. Gerado de co- 
pula illegiiima , bastardo. " os filhos de Agar 
fornezinhos. '' Vej. Fornizio. Orden. jífons. 2. 72. 

princ. 

FORNICAÇÃO , s. f. Cópula carnal : o espi- 
rito de Fornicação : as tentações da carne. ir. 
Gaspar da Silva , Fida , 7. 56. 

FORNICADOR , s. m. Fornicario , frasca-; 



no. 



FORNICAR, V. n. Ter copula carnal pecca- 
minosa : v. g. " O sexto , não fornicarás. '^ 

FORNICARIA , s. f. — o , s. m. O que e da- 
do ao peccado da fornicação. Lucena , L. IQ. 
c. IT./. 822. Arraes , 10. ?<,■. 

FÓRNICE , s. m. Arco de porta , abobada, p. 

usado. 

FORNICIO. V. Fornizio. Elucída.r. 

FORNÍDO , part. pass. de Fornir. Bastecido : 
V. g. fornido de carnes : corpolento , grosso. §. — 
de membros : membrudo. Ave — de pcnnas ; que 
tem miai basta , e espessa plumagem. Manta 
de madeira bem fornida ; í. ^ , grossa , e forte. 
Eneida , 9. 1 24. náos fornidas ; de costado grosso 
e forte. . 

FORNÍLHO , s. m. O foco da íor)a , a cova 

onde estão as brazas , onde vem ter o vento 

do folie , e onde se mette o cadinho : " em 

huma copelha em fogo de fornilho. '^ Resumo do 

^ G va- 



"/ 



l( 



5^ 



FOR 



valor do ouro , pag. 7. §• Forno pequeno. §. na 
Fortif. Fornilho , ou Camera da mina : a cova da 
mina , onde se ataca a pólvora , e carrega , ou 
se mettc em barril , para fazer voar o terieno ; 
ouuos fornilhos se íazem para lazer voar mu- 



FORNIMÈNTO , s. m. Madeira de bordo , 
em taboas. Pauta dos^ Portos secos. §. A grossu- 
ra corpulência , do corpo rebrçado , membru- 
do , carnudo. §. Fornecimento , o acto de prover 
do necessário. Cominho , /. 5. Andrade , p. 2- c. 
66 muitas cousas necessárias para íomimenio da 
armada. M. Pinto, c. 43. comas que se poderão 
aproveitar parti — de seus Livros ( os historia- 
dores > Ined. z. 274. e 154. bastectdos de pedra, 
e todo outro fornimento necessário (como madei- 
ra , ferragem , instrumentos , &c. ). 

FORNIR , V. ar. Bastecer , encorpar , ou en- 
grossar o corpo : v. g. fornir o feltro de laa, 
çom fartura : fornir a náo de madeira ; pondo-lha 
grossa no costado : a natureza lorniu-vos de 

carne, e grossura. ^ . . 

FORNIZÍO-, s. m. antiq. Fornicação peccami- 
ncsa , entre náo-casados. Orden. Jfons. 5. 14. 2- 
mao afazimento em feito de fornizio. Filhos defor- 
nizio : illegitimos , filhos de fornicação iilegal. 
Ord. cit. T. 12. Fazer fornizio , ou adultério. T. 
59. 7. a viuva c^u; fezer peccado de fornizio: 
'Dor se refrearem os íornizios. Cit. Ord. 2. /. 108. 

Jirt. XXI. . , 

FORNO , s. m. Obra de pedra, e cal, em 
que se mette fogo , íeita de soite que a acçáo , 
e força do fogo náo saya para fora de suas 
paredes ; e se dirija com a menor perda , e ope- 
re no corpo que a elle expomos ; é de varias 
formas : o dos padeiros , e pasteleiros aquece-se 
com lenha , c tirado o borralho se põi o páo 
a cozer ; e talvez se conserva o brazido , ou 
borralho , &c. os oleiros tem seus fornos ; os 
que fazem cal. §. Fundição de forno. V. Fun- 
dição. 

FORO , s. m. Tribunal onde se executa a Lei 
nos casos litigiosos , civis , ou crimers , e este se 
diz externo : Foro interno; o juizo da própria 
consciência. §. ií. A Jurisdicçáo : v. g. Foro ec- 
tksiauico ; sobre matérias de consciência , e pec- 
cado , e outras civis , de que conhecem por con- 
cessão Regia os Juizes ecclcsiasticos : Foro se- 
tular ; a jurisdicçáo dos ]uizes leigos : Juizes do 
seu foro ; nos loráes ant. da sua terra , e náo de 
♦óra. V. Elucidar, t. i. f. 161. §. Antigamente 
o mesmo que Foral , ou lei particular a algum 
Reino , Província , Cidade , Villa , ou Corpora- 
ções , c pessoas. Orden. Af. i. T. 23. §. 24. 
*' o Corregedor deve ser percebido de ver os foros 
de cada lugar ... ou se imos contra seu foro. " 
§. Os foros das Cidades , ou Villas daváo ás ve- 
zes a seus moradores grandes privilégios : v. g. 



FOR 

de infançóes , &c. e por isso elíes queriáo hon- 
rar casáes , que tinhào noutras partes , abuso a 
que se occorie na Ord. Jf. 2. 65. 17. §. Pra- 
zo. Elucidar. §. Casal de foro morto ; isento de 
o pagar. Elucidar. §. A condiçáo de que gozâo 
civilmente. " segundo o foro , com que andara 
na Costa da Arábia C «ride lota Capitão mór 
do mar > '' V. Barr. 2. 5. 8. el-jRei o tomou para seu 
serviço em foro de nw^o fidalgo : Daqui as tra- 
zes , foro de cidadão ( V. os art. Filhar , é 
CavaMro ") : ir pelo foro da terra , e íig. o mes- 
mo que ir pelo lio da gente , haver se como os 
mais. Eufros. i. \. estar posto em foro de fazer 
alguma coisa ; i. é , em posse , uso que consti- 
tue direito , ou privilegio. Barreiros. " viver sem 
foro; ^^ i, é, sem ter quem lhe tome contas. 
Eufr. I. I. o foto em que alguém se pÕi ; i. é , 
a condição , conta , est.ina , como proposta , e 
aceitada dos que lha querem guardar , e dar. 
Eufr. 1. 2. andava em toro de muito esforçado; 
i. é , em conta , estima. Palmeir. p. 5. c 26. 
" descubriu hum ferreiro , que andava encober- 
to , e em outro Joro : ^^ modo de vida , e con- 
dições annexas a elle , e mais consideração , de 
que gosa, B. 4. 9. 16. §. Postos em foro de não 
serem castiçados. id. 4. 9- 16. Por alguém em fo- 

■ ° « A:,^:t^ OT',- 



ro i i. é , uso , costume , posse , direito , gra- 
duação. Eufr. 2. 5. acolhestes vos ao foro das 
aguas letheas ( appellastes para o esquecimen- 
to > Eufr. s- !• j^zd o que deveis d virtude , 
sem ter conta com os foros do mundo. Eufr. 5. 
10, /. é , com as leis , usos, estilos, os Portugue- 
zes entrarão na índia em foro de mercadores ; U 
é, em condição. P. P. 2./. 15- f ■ tenh^o ^om 
nosco CS mesmos foros ; i. é , gozem das mesmas 
leis , prerogativas , direitos. Eneida. " tenhão 
juizes do seu foro : " iguáes da sua cond:çáo , 
1 nobre ou fidalgo , se os julgados ou a causa e 
Ide nobre , fidalgo , &c. Carta do Sr. D. J. u 
de IS de jMayo de 1^86. ( V. no cap. 14. da 
Cron. do Sr. D. jf. 2. per Pina, que o Duque 
de Bragança lhe mandou requerer para o sen- 
tenciarem judias paris curix. ) §. Oí foros da na- 
tureza ; as leis , os direitos. M. L. 7. /. 5. 02. 
§. Aloramento. Orden. ?. 47- ?'"'>'«• §' Obrigação : 
V. g. " dever de foro : " Eujr. f. 55. como a 
conhccença , ou o tributo , que deve o que traz 
herdade aforada. §. Foros desçursos : foros venci, 
dos , e náo pagos. 
FORÓL. V. Farol. 

FORQUÍLHA , s. f. Páo com três pontas de 
apartar herva miúda na eira , e lançá-la ao 
vento , para a separar do grão. §. Espécie de 
forcado para armar redes contra as aves. 

FORRADO , part. pass. de Forrar. Forro , li- 
berto. Ord. Af. ^ 7,6. 6. " o forrado aaquçl , 
que o forrou. " §. A vanguarda forrada de 
geme de pá. Uão , Cron. jT. í. c 55' 



THT 



FOR 

FORRADÒR , s. m. O que forrou , deu li- 
berdade. Ordeti. Jf. 3. pag. 125. §. 6. 

FÓRRAGAITAS , s. c. chulo. Pessoa que 
poupa ceitis. No Castelhano afonagaiias , o que 
taz forros para cobrir gaitas ; fig. o que se oc- 
cupa em cousas desta importância , e não ser- 
ve para mais. 

FORRAGEADÒR , s. m. Forrageiro , o que 
vai forra gear. 

FORRAGEÁL , s. m. Lugar onde há forra- 
gem. Ulísipo , Conu Ferrageal. 

FORRAGEÁR , v. at. Buscar o pasto para as 
bestas do serviço do exercito. Port. Jiesu 

FORRAGEIRO , s, m. O que vai forragear , 
forrageador. Firiato , 18. 49. 

FORRAGEM , s. f. A herva , palha , pasto das 
bestas do exercito , que se vai buscar ao cam- 
po. Ord. Af. I. 51. 42. Port. Rest. a cavallaria 
vinha carregada de forragem ■■, faltava a forragem ; 
ir d forragem. 

FORRAMÈNTO. V. Alforria. §. Forro , guar- 
nição. " mandou fazer um — ao muro , ^c fei- 
xes d'arcos de tonneis. " Jned. 3. 203. 

FORRAR , V. at. Pòr capa , ou coberta cx- 
lerna , que cubra o que ííca por baixo do for- 
ro : V. g. forrar o vestido de seda ; forrar a ma- 
deira vulgar , com folha de omra melhor , gru- 
dando-as ; forrar as paredes de taboado , papel , 
damasco , de lambias de tuarmore , ou prata , ou 
de espelhos , e assim os tectos dn casa : forrar- se 
o ar de nuvens ; toldar-se. §, Forrar-se de vesti- 
dos contra o frio; e {.forrar-se de camela, para 
evitar damno , ou engano ; e forrar-se de enganos 
para contra alguém : jorrar-se de fngimcnto ; usar 
delle em seu proveito. Etfr. i. z. forr^-se de 
comedimento , para o que vier. Eafr. 4. 6. §. For- 
rar : poupar ; V. g. tempo , despezas. §. Forrar-se 
no jogo : ganhar o que havia perdido ; desfor- 
rar-se . desquitar-se. §. Forrar hum .escravo: dar- 
Ihe alforria. §. Forrar-se ; poupar-se , Ivrar-se : 
V. g. por se forrar do trabalho. Lobo. " forran- 
do-se de todas as obrigações : " Couto , 4. 4. 8. 
§. — se : recuperar-se , resarcir-se. Lobo. quiz-se 
forrar d custa do estômago , de quantas^ vezes nos 
faltão estes regalos em tal lugar : entjegar-se. V. 
§. Livrar-se de alguma imputação, não nos pode- 
mos forrar de néscios. Paiva , S. i. (. 9. f. For. 
rar tem o mudo, except. no Indicat. e Subjunct, 
eu forro , tu forras , elle forra ; ellcs fórrao'. 
Subjunct. eu e elle forre , tu forres ; elles for- 
rem, 

FORREGEÁL. V. Forrageal. Ulisipo , Co- 
med. Muitos escrevem ferregeal ; deriva-se de fer- 
ra , e a. analogia quererá ferrageal. 

FORREJÁR , v. at. ( do Francês : fourrager ) 
Talar , roubar , fazer damno , como quasi sem- 
pre se faz pelos que vão forragear na terra ini- 
miga. Leão y Ong. 



FOR 




Ji 



FORRETA, s. m. E' um forreta; i. é, poupa- 
dor , ou poupado , íórragaitas , tacanho. 

FORRIÉL , s. m. milit. Posto de official,ittí 
f^erior ao Sargento ; é o que cobra os soldos , 
munições, c os distribue pela companhia , e as- 
sim as tardetas , &c. suppre as vezes do Sargen- 
to em falta dclle. §. Forriel Mor , antigamei> 
te era o mesmo que Aposentodor Mòr. 

FORRO , adj. Que saiu da escravidão , liber- 
to. §. Que não paga foro , nem direitos , livre.' 
Ord. 2. II. 4. " se obrigasse de a fazer forra 
da parte da Sisa , que a outra parte era obri- 
gada a pagar. " Como, 6. í. i. §. 7r forro, e 
a partir : entrar na negociação sem ir exposto 
ás perdas , e com direito á parte do lucro, yír- 
te de Furtar , /. 48. §. Livre , escansado : v. g. 
as nossas viagens tão forras de risco. Lucena, 
§. Faca forra , na Ásia , vadio , ocioso , sem 
modo de vida. §. Comer d tripa forra , i. é , i 
custa , e despesas de outrem : famil. §. Livre. 
não forra de direitos ; de os pagar. Couto , 9. 
13. oppõe-se a cativo. Vender o efFeito Jorro de 
direitos ; havendo-os pago o vendedor. 

FORRO , s. m. O panno , droga , seda , com 
que se reveste interiormente a peça do vesti- 
do : o forro da casa ; a madeira que cobre as 
paredes , o papel , &c, o forro do^ sapato , de 
pcllica, ou linho, &c. Plural; os forros, 

FORTALECER , v. at. Corroborar , reforçar , 
esforçar. " fortaleceu a fortaleza. " JB. 2. 7. 6» 
e 2, 6. 9. " fortalecendo bem aquella fortaleza. '' 
§. Fortilkar : v. g. Forialeceu-se Beja. M. Li 
fortalecera a vez , o peito , a saude fracos : o 
coraç^ão desanimado. Amaral , 5. 

FORTALECIMENTO , s. m. Fortificação. Cia- 
rim. 3. c. 15. por fortalecimento da Ilha; e " saiu 
pelas portas do seu forlalecinunto '. " entrincheiT 
ramentos. 

FORTALEZA , s. f. Praça pequena bem for- 
tificada ; flanqueada , e defendida ; força ; defe- 
za. §. Força de corpo ; estorço do animo. §, Fot- 
nimento , ou torça da peça : v. g. " as beestas 
de polee tenháo a forteieza , que requere a po- 
!ee. " Ord, Af i./. 492. §• 2- sejáo fortes , bera 
fornidas. 

FORTALEZÁDO , p. p. de Fortalezar. " for' 
talezados de muros. " Ined. 2. 258. 

FORTALEZAR, v. at. Fortificar com tranquei- 
ras , fortes, repairos e defesas militares. porfí/fK 
fortalezar vosso arrayal de cavas , e anificios de 
madeirav Azurar. c. 61,. §. — íe ( para se de- 
fender ) em Coimbra. Jned. i. /. 400. íazer-se 
forte, fortificar-se. V. Fortelczar. 

FORTE , s. m. Obra feita de trincheiras , desti- 
nada para occupar qualquer posto , segurar o pas- 
so de um rio , cercar monte , quç se quer coti- 
servar , e fortificar as linhas , e quartéis de al- 
gum sitio. §. Praça que é cercada de fossos, 
G ii ^^' 



\ 




*•/, 



FOR 

reparoi, e baluartes, e se pôde defender com 
pouca gente, §. t, de Moedeiro , o lenue exces- 
so , que tem a moeda sobre o pezo , que exacta- 
mente devia ter , pela difRculdade de a dividir 
exactamente. V. Febres. §. Moeda del-Rei D. 
Fernando que valia 29 reis , e dois seitis , ou 
ceitis. Severim , Not. §. Fortes : peças como íor- 
ro, para fortificar qualquer obra. §. Na Pint. a 
parte onde as cores sáo o mais escuras , que po- den. 
dem ser. Jrte da pint. f. 56. ^ 

FORTE , ad). Robusto , rijo : v. g. pao for- 
te ; homem forte ; cavallo , boi , muro , pjurede — i 
grosso , e sólido : na ç to forte ; de costado forni- 
do , &c. §. MiJi espirituoso : v. g. vinha forte , 
liqmres fortes. §. Agua forte : combinação qui- 
mica do nitro, e vitríolo, de que se extrahe 
por distiUaçáo a agua forte , que dissolve a pra- 
ta, -e outros metáes , e é corrosiva, §. Fortifica- 
do : V, g. pra^a forte. §, Fazer-se forte ím algu- 
ma parte : fortificar-se nella ; e fig. í? Demónio 
se fez forte na aima delle. Chagas. ^. Razão for- 
te ; que tem força para persuadir. Fieira. §. De 



FOS 

ca: V. g. combater , impugnar , contrariar , defen- 
der , resistir — . Eufr. 2.7. " conttariou-m'o 
fortíssimamente. >^ ^ l 

FORTÍSSIMO, superl. de Forte. fig. buma 
gente — de Espanha. Las. i. 31. 

FORTUITAMENTE , adv. A caso. 

FORTUITO , adj. Casual , cor.tingente ; que 
não é feito de propósito : v. g. damno — . Or- 

FORTÚM , s. m. Cheiro forte desagradável. 

FORTÚM , ad). Cheiro — : máo e foríe. Sant, 
Bthiop. I. I. 26. 

FORTUNA , s. f. Sorte , destino , dita , ven- 
tura, boa ou má; felicidade ou desgraça , suceá- 
so bom ou máo ; de ordinário se toma por boa 
fortuna : v. g' teve fortuna na Lotaria. §• Des- 
graça. Barr. 5. Dec. L. i, c. 4. Eufr. 2. 5- P^^' 
sdmos tmta fortuna ■■, i. é , trabalho. " muda a 
pobreza em riqueza, a /orííín^ em prosperidade. . 
Ferr. Brist. 5. 7. §• Incerteza, risco: v- g. ajor-. 
tma do mar , da guerra. Góes. §. Correr fortu- 
na ■,(.€, perigo , risco. Fieira. " a barca de i». 



te; que tem rorça para persuaair. f leuu. 3. l^c n» , «. v , i^<-"ft^ í ..->.„. . ..^... 

animo severo, ríspido. Eufr. 5. 5. tão forte k Pedro couc^. fortuna §. f««««f //\P°^„f/^' 

. _ _.._ II.. jX-^ ....... í- o... -)„., ,:^.-.^-,^c ^-,ko^óí>e farnlriades. fileira. ^. rOrtU- 



pai , que timo que lhe de veneno. §. Ser /ilgu- 
ma coisa íone de fazer i L é, áspera, dura-,díf- 
ficil , contraria á indole desse a quem a coisa se 
diz set forte àe fazer, Castan. L. 2, /. 149. §. Gé- 
nio ou condirão forte ; rigída , áspera, Albuquer- 
que , i Goés. §. Peíi^íís , QU moeda forte ; as que 
tem mais do pezo da Lei ; opp. a Febre , ad- 
ject 



riquezas , cabedáes , faculdades. Fieira. §. Fortu- 
nas : fados , destino , sorte , trabalhos, té que suas 
fortunas o tratarão de maneira <ò^c. B. 4. ^' 8. 
§. Fentar a fortuna a alguém ; favorecer, Eujr. 
I. I. §. Soldado de fortuna : o que não e no- 
bre , e espera o adiantamento do seu serviço , 
e trverecimento. §. Fencer a fortuna : conseguir o 
que ella de si não dava ; superar os trabalhos. 



VoRTELEGAR , v. at. .ant. Fortalecer, Tobo- L^-í. 8, 7^ S- t. astrol. O astro que influe be- 



rar a escritura. Elucidar^ 

FORTELÈZA. V. Fortaleza. Ord. Af. u pag. 

492^. §. i. . . ,, ^ , 

FORTELEZADO, FORTELEZAR. V. Forlale- 

%ado , Fortalezar. Ined. t.freq. V. z. 258. e 2. pag. 
26. trás afortellezar. §. '* costume fortelezado : " cor- 
roborado. Ord. Af. L. 2. 

FORTEMENTE , adv. Com força , fortaleza , 
vigor. 

FORTIDIo , s. f. a força do corpo , que se 
íiáo rasga , ou quebra facilmente. §. — do sabor : 
acrimonia, §. Fortidáo do tempo, vento, ou tem- 
poral. Castan. 7, c. 68. §. fig. — do génio , eon- 
iti^ão. 

FORTIFICAÇÃO , s. f. Qbra exterior , ou 
interior para defender , e fortificar uma Praça. 

FORTIFICADÒR , s. m. O que fortifica. Fe- 
nis da Lusit. 

FORTIFICAR , V. at. Guarnecer a Praça de 
fortificações ; o muro, o campo , &c. §. Forta- 
lecer , reforçar : v. g. fortificar o corpo com ex- 
trcicio e trabalho. 

FORTÍM , s. f. Obra de fortificação , peque- 
na , em forma de estrella , para segurai o cir- 
cuito das Linhas de circumvallação. 
fORTISSlMAMENTE , adv. Com muita fgxr 



nignamente : a parte da fortuna \ i. e , o lugar 
donde a, Lua vem saindo , quando o Sol veni 
saindo do Oriente. Thcsouro de Prudentes , f, 

XI 9. 

FORTUNADO, ad}. Felice. Macedo , Domimo. 
mais os míseros , e descmvarados , que os fortuna- 
dos e prósperos. Res. Lcl f. 39. §. Infeliz , des- 
graçado. Eufr. 2, I. e 5. 5. p. 186. f. e uji. 
fortunados pais , qiíe desventura a nossa, bem — 
viagem: Barr. i, 4. 2. 

FORTÚNIO , s. m. Destino prospero. Arraes , 
9. 1 1. fnge fortunios , e infortúnios , destinos fa- 
voráveis , e contrários. 

FOSCA , s. f. Mostra exterior , ameaça vá , rer 
presentação apparente ; v. g. fazer foscas de valen- 
te : a cada passo me parecia que via hum rio , fos- 
ca que faz aos olhos todo este deserto , porque co^ 
mo tudo nelle são planicies , representa 'ò-c. Godi- 
nho ,f. 115. Eufr. T,. I. fallando das promessas 
juradas de um amante, diz : " tudo isso sao 
ióscas , foscas : '' apparericias illusivas. >: 

" FOSFÓRICO , adj. Da natureza do fósforo ; 
que Km uma luz fraca , ou de pouca dura- 

o. , 

FÓSFORO , s. m. Qualquer corpo que luz , 
e resplandece de si mesmo no escuro , como ccr- 



FOT 

tas substancias podres , algumas que se infla- 
niáo logo que se expói ao ar. t, mod. usu.il. 

FOSSA , s. i. Cova. Compir. /. 5-. yl^emi Ptnt. 
c. 10. e no c. 144. àiz Foça por lugar , onde os 
porcos rem fossado , ou andáo fossando , e a ter- 
ra que assim revolvem. 

FOSSADA , s. t V. Fossado. §. A terra que 
os porcos fossarão e revolverão. 

FOSSADÈIRA , s. f. Terra obrigada a pagar 
o ífibuto chamado Fossadiira , o qual era o di- 
nheiro , que daváo os obrigados a trabalhar nos 
fossados das praças , paKi se remirem desse ónus , 
pagando-se outros que servissem por elles. £i!f- 
cidar. 

FOSSADO , s, m. Fosso. Góes , Cron. Man. /. 
17. I. Fossado em Hespanhol amigo é reparo 
dos muros e barbacáas. Fuero de Badajoz. An- 
davão jogando a pella nos fossados do Castello. 
Góes , Cron. Man. P. 1. c. 27. §. Fossado : servi- 
ço militar, que consistia em ir a qualquer fei- 
to d' armas, em que saiáo a talhar, e colher 
frutos da terra inimiga, suas novidades; empre- 
zas , a que ião gente de tropa regular , e lam- 
bem peões , aldeãos. Elucidar. 

FOSSADO , adj. Profunda como fosso, rirta- 
to, 10. 100. " cava- alta e fossada. 

FOSSAR. V. Foçar. A Etymol. pede Fossar. 
FOSSARIO , s. m. O lugar onde estão co- 
vas , Cemecerio. íned. z. f. J44- " "o fossaria dos 
Mouros ; " em Ceuta. 

FOSSÈTE, s. m. Fosso pequeno. 
FÓSSIL , adj. ( usa-se substantivadamente ) 
Tudo o que se tira da terra , como mineráes , 
conchas , marfim , pão , ou madeira i cavado da 
terra. t. d' Hist, Nat. 

FOSSO , s. m. Cava , cova aberta em redor 
da praça , por fora , para que o inimigo não che- 
gue ao muro facilmente; alguns são secos , ou- 
tros tem agua. §. Fosso : campo que ficava jun- 
to do Mosteiro, e que os entiteuras erão obri- 
gados a lavrar. Elucidar. " lavrar o fosso. " 

FOSTE , s. m. ant. Fuste , vaia^ de Ministro 
Régio. Elucidar, e poneiro com seu foste . . . e deu 
posse. V. Fuste. 

FÓTA , s. f. Tela fina , listrada , com cadilhos , 
que se enrodilha na cabeça a modo de turban- 
te. Góes , Cron. M. f 25- (ol. i. " fotas có c.v 
dilhos de seda. '^ Cam. Lm. 2. 94. Tenreiro, c. 
3. touca Mourisca. Jned. ^. 265. 

FOTEÁDO , adj. A modo de fota , ou forra- 
do de fota. Palm. Dial. 2. " tocas muito fotea- 
das;** na guerra. Góes ^ f. 2:5. toucas foteadas 
com vivos de seda. Elegiada , 66. ^í^. Prestes , ^8. 
f. Rebuço foteado : Tenreiro ^ c. ?. nas cabei^as 
humas beitilhas { beatilhas ) finas foteadas. Cou- 
to , ^. 6. 1. 

FOTO , s. m. " o mar he ali todo per al- 
io *. . e galé podia bem dar escala em terra. 



FRA 



53 



e estar em foto. =» Jned. 2. ^98. a gale podia 
lançar prancha , ou dar desembarque encostan- 
do-se á costa alta , e estar em nado , não em 
seco ? Livre de baixo , ou de ficar em teco na 
baixamar , e ser atacada por inimigos , de quem 
se podia defender , ou estava livre posta em 
nado i 

FOTÓQUES , t, Japonez. V. Lttcena , L. 7. c 7. 
FOUqÁDA , s. f. Golpe de fouce. 
FOUCE , $. f. Instrumento curvo de ferro com 
corte , ou com corte de serra ; a primeira se 
diz fouce roçãdoura , tem alvado que se embe» 
be em seu cabo ; a segunda é de segar pães , 
e tem espiga que se enxere no cabo. §. Há 
também fouces de podar vinhas , <òc. §. Fir o pão 
á fouce ; amadurecer. Leão , Descr. §. fig. A fou- 
ce àa perseguição derruba espigas ; i. é , o mar- 
tirio , ou males que os perseguidores fazem , 
com que dáo morte. Lucena , f. 127. col. 2. 
f FOUCÍNHA, s. i. ou 
l^ FOUCÍNHO , s. m. Fouce pequena. 

FO VENTE , part. at. ( do Latim Fovere ) t. 
med. Causa fovente do mal; i. é, que contribua 
pata a sua duração. 

FOUTÈZA. V. Afouteza. Eufr. 5. 6. UlisipOf 
f. 77. 

FÒUTO. V. Afouto , ou Afoito. Eufr. Prol. e 
I. I. 5. I. faltar fouto : chamar fouto o moço. 
Eneid. 11. 154. 

FOUVÈIRO , adj, Cavallo — : malhado de 
branco , ou seja o fundo preto , ou cachito , ou 
lazâo , castanho. Resende, Cron. J. 2. c. 1^2. 
" Cavallo fouveiro com remendos tão bem pos- 
tos, ^^ Clarim. 2. c. 28. ult. ed. 

FÒYO. V. Fojo. Brito , Hist. Brasil, precipita 
de huma serrania a hum foyo cavernoso. §. — 
do lobo : fojo, cova funda para caçar lobos, &c. 
Leão , Cron. t. i. pag. 102. " buraco, ou foio 
da Rainha. ^' ( sorvedouro onde ella foi sorvi- 
da nas andas em que ia. ) 

FÓZ , s. f. Garganta , passo estreito em ter- 
ra , ou no mar entre duas ribanceiras , motjtes , 
ou terras : v. g. a foz do rio. " o rio abre pou- 
co em foz. >> V. do Arceb. L. \. c. z6. §. De 
foz em fora ; i. é , tora do rio , ou barra para o 
alto. Góes ; e no fig. fora de razão , do curso 
ordinário. Sá Mtr. §. A foz do papo da ave í 
a entrada. Arte da caça , /. 53. 

FRACAMENTE , adv. Opposto a fortemente y 
com pouca força , com pouco valor. 

FRACASSADO , part. pass. de Fracassar. Firia- 

to, II. 97. 

FRACASSAR, v. at. Derribar, derrocar , arrui- 
nar. Firiato ,11. 12, v- ^. — o muro , as ar- 
vores. 

FRACASSO , s. m. Ruina , queda , e o es- 
trondo de edificio , que se derroca , e cahe, Fi- 
hiato 3 5. 81. (fim fracasso estupendo d ima che- 



\ 



t 

r 

I 




FRA 

na i o golpe da queda. Fieira, tendo o feto me- 
les bastantes para sentir o fracasso da qr^edaju: 
a mãi deu. §. Ruina , assolação. Af. Conq. Mar- 
ciáes fracassos. '' §• vulg. Desgraça, desastre. 

FRÁCQlO, s. t. Arimet. A parte, ou partes 
de aleuma unidade , ou inteiro : v. g. uma ter- 
ça é fracão , ou parte do covado , uma seisma , 
um oitavo , &c. §. Infracção , ou mfnngimento. 
Pastoral do Patriarcado , em 1745- 

FRACO , adj. Débil , de pouca força , e sus- 
tancia : v. g. corpo — , mííro — , voz — , saú- 
de—, visí^ — -> do que alcança a ver pouco: 
i. fraca armada , jraco exercito ; de poucos sol- 
dados , ou mal municionada. §. Fraca razão 5 nao 
forçosa : it. sujeita a ignorâncias , e enganos , 
que náo alcança muitas coisas: v. g. nossa hz- 
ca razão sondar intenta os abismos de Deus ! §. Fra- 
cos filósofos , ou estudantes ; que sabem pouco. 
fraco de lettrtis ; ou " nas matérias litterarias. 
F. do Arceb. i. 18. doutores , que o são bem fra- 
cos : Veiga , Ethiop. §. Fraco discurso , poema: mui- 
to mediocre. §. Fracos alHvios , ou confortos ; 
inefficazes. §. Fraco de muito trabalho ; debilita- 
do. §. Covarde , pusUlanime. §. Engenho — ; náo 
inventivo. §. Finho fraco ; sem espíritos. §. De 
pouca sorte. Deus serve-sir talvez de mcyos fra- 
cos , para grandes obras. §. Insignificante : v. g. fa- 
zer-lhe um fraco servido. §. O Jraco do garrochao , 
e outras armas , é ao longe donde se seguráo , 
ou empunbáo , porque o contrario com qualquer 
força nessa altura faz descobrir o contrario ; óu 
também a parte por onde sostém menos os gol- 
pes , e quebráo. 

FRACTURA, s. f. Quebradura ; v. g. de os- 
so, t. Cirur-g. §. — da pedra fina : falha. 

FRADARÍA , s. t. Multidão de frades, 

FRADE , s. m. Religioso de Ordem mendican- 
te , e náo monástica. §. Frades : peças do ban- 
co de espadeiro ; sáo dois ferros que sustentáo 
a travessa , sobre que se acicaláo as folhas das 
espadas. §. Na Imprensa , são os claros que fi- 
cáo nas palavras náo se imprimindo , ou dei- 
xando o sinal de alguma , ou mais letras , por 
taltar-lhes a tinta. §. Peça de páo roliça , em 
que se envolve a linha , de que se vai fazendo 
franja no teiar feito para isso. 

FRADÈSCO , adj. Próprio de frade ; diz-se á 
má parte ; v- g. despojo fradesco. " estan-res ao 
uso fradesco ( pobres , mal lavradas ). '' F. do 
Arceb. I. c. 10. 

FRADESÍLHO. V. Fradinho , ave. 

FRADÈTE , s. m. Peça dos fechos da espin- 
garda , que joga dentro na charneira. Esping. Per- 
feita , /. ^. 

FRADÍNHO , s. m. dim. de Frade. §. it. Me- 
nino vestido de frade. §. Ave como o papaíigo 
(^ ntricapúia ). §. Fradinhos : flor roxa , papilio- 
nacea. §. Fradinhos do lagar d' azeite ■■, páosmhos , 



FRA 

que servem de levantar a parte superior da sei- 
ra , para se meter nella a azeitona. §. Fradinho 
da mão furada : Duende. §. Fradinhos , Lares. 
Eufr. Prol. 

FRAGA , s. f. O tosco ,. e grosseiro da lenha 
que SC desbasta. §. Fragura. Cron. delRei D. J. 

1. c. 27. pag. 78. forão dar com sigo em huma 
traga muito pedregosa. Ferreira, Po:^mas , t. t. f. 
Z]i. §. Altibaixos, e brenhas. £. 3. f. 5. Ined. 

2. 330. pela grãveza da fraga , per q'te ha^âo 
de passar. Veja Fragoa , ou fragua , como diíFe- 
re. Nos Ined. 2. 309. parece significar mata , ou 
brenha. " em huma fraga que estava per aquel- 
le campo. " V. Fragueiro , subst. 

FRAGALHÈIRO , adj. pleb. Trapento. 

FRAGÁLHO , s. m, pleb. Trapo. 

FRAGALHOTÈIRO , s. m. Dado a mulheres 
VIS , trapentas. t. chulo. V. Frascario. 

FRAGÀNTE. V. Flagrante. " no fragante da 
morte do seu esposo parecia desconsolada viu- 
va ( logo depois ). " Feo , Tr. 2. f. 83. f. em 
fragante delicto ; commettendo-o , ou logo depois. 
Orden. 

FRAGÁRIA , s. f. A planta que dá morangos. 

FRAGATA , s. f. Navio de guerra , de ordi- 
nário tem duas cobertas ; é menor , e mais li- 
geiro que as náos de guerra. §. Embarcação pe- 
quena do Tejo , que anda á vela , c remos. 

FRAGATEIRO , s. m. Homem que rema , e 
serve nas fragatas do rio. 

FRÁGIL, adj. Quebradiço , como v. g. o vi- 
dro. §. f. De pouca dura : v. g- a frágil formo- 
s'íra. §. Sujeito a peccar facilmente. 

FRAGILÍDÁDE , s. f. a qualidade de ser frá- 
gil. §. f. Pouca duração , pouca firmeza. §. Fa- 
cilidade em peccar. 

FRAGILÍSSIMO , superl. de Frágil. Tacita Port. 
f. 130. 

FRÁGILMÈnTE, adv. Com fragilidade : v. 5'. 
— - caiu , errou , peccou ; por fragilidade humana. 

FRAGMENTO , s. m. Porçáo de coisa quebra- 
da , pedaço : v. g. os fragmentos do vaso , da 
hóstia. §. Pedaço de escritura , que resta de o- 
bra interna , e mayor. Barreiros , Corogr. 

FRÁGO, s. m. ( de Cai^ador ) V. Feitio. 

FRÁGOA , s. f. A parte onde o ferreiro tem 

fogo , e faz em braza o ferro ; a forja he do 
ourices , a fragoa do ferreiro. M. Lusit. i. 241. 
f. " Cincoenta jragoas continuas cm que se la- 
vra ferro. " Carta Regia , em Phebo , p. 2. De- 
as. 55. §. f. Fogo vivo. " o rosco feito huma 
fragoa : " i. é , eiicendido , ou em braza. Lucena , 
/". 521. §. A fragoa da adversidade \ onde se proj 
\ra a paciência , ou se vc para quanto ella e 
trabalhando ella a quem a sofFre. Arraes j 2. 19. 
§, Fragoa por fraga usa Camões (^ Cambão 12. ) 
por causa da rima. F. Frag'ia. 

1 FRAGOÁR, V. at. Metier na Iragoa o ferro 

pa- 



FRA 

para o lavrar , e fazef delle obra grosseira com 
o marcello somente , para depois se polir. 

FRAGOR , s. m. Lstrondo torce , estampido , 
fracasso : v. g. do trov.io , terremoto , <ó'C. §. Fra- 
gor da agua , que se despenha da cauvãia , ou 
d'ako. Leão , Descr. c. i'à. — do mar , alterado, 
quebrando na costa. Cron. Cist. 4. ç. ^o. 

FRAGOSIDÁDE , s. i. Fragura. rodando pela 
íragosidade da serra : fragosidades de Tangui. 

FRAGOSÍSSIHO , supcil. de Fragoso, r. do 
jírceb. 5. f. 5:. V. g- moine — ; terra — ; ó^c. 

FRAGOSO j adj. Chcyo de fragas , ou fragu- 
ras, altibaixos. B. ^. 5. 5. " tetià fragosa : Ne- 
ritos fragosa. '^ Eneida , 5. 64.. Aí. Ltls. Arraes , 
7. 2. fig. o caminho dos mãos he fragoso , e Ín- 
greme. 

FRAGRÂNCIA , s. f. O bom cheiro que se 
exhala das plantas aromáticas , e flores dos jar- 
dins , matos. Lucena , 125. col. 2. a — rosa. 

FRAGRANTE , adj. Cheiruso : v. g- — flores. 
§. Eneida ,9. 18. de fragrantes pinhos : que es- 
tão ardendo , ardentes , ou ardem levemente. 

FRAGRANTÍSSIMO , superl. de Fragrante. 
V. g. flores — rescendendo , e perfumando o ar. 

FRÁGUA , s. f. Fragura. " fragua do mon- 
te. ^' Azurara , f. 10. V. Fmga , fragoa , e 
Fragura. 

FRAGUEIRÍCE , s. f. Acção do homem fra- 
gueiro. F. Mendes, c. i^i. dormindo as mais das 
noites por fragueirice no mais áspero dos montes. 

FRAGUÈIRO , s. m. Deiribador de fraga , ou 
mata para fazer madeiras , que os carpenteiros 
lavrâo. Jned. 3. ^06. todos carpenteiros , fragueiros , 
calafates , serradores , óc. 

FRAGUÈIRO , adj. Dado a exercícios duros 
do campo e monte : e f. incansável , soíredor de 
trabalhos ; pouco conversavel , áspero de condi- 
f ão , mal sofrido. Barros ^ 2- 5. 7. fel. 258. e 
Albuquerque era mui fragueiro , e rigoroso , se o 
não comprazia qualquer cotsa. F. Mendes : os mais 
fragueiros sempre andavão no monte : cap. 159. B. 
^. D. f. z^íj. andando fragueiro na basca dellc ; 
i. é , sem descançar, ou impaciente: andar fra- 
gueiro na briga ; /. ^ , activo , fogoso , encar- 
niçado. Caitanh. L. z. f. 197. §• As ninfas da fra- 
gueira companhia ■■, /.. e , haiiitadoras do Parnaso 
monte fragoso , ou sequazes da Deusa caçadora. 
§. Não mimoso , dado a exercícios duros. P. P. 
2. c. 20. p. §. Calejado , e pouco sensivel por 
costume. Èufr. 5. 5. §. De condição livre. $. An- 
dar fragueiro no amor ; não se enlevar muito , 
não ser enleyado , e alejado nelle , e em suas 
coisas ; tratar os amores livremente. Clarim. 2. 
e. 40. ult. ed. ( onde se lè fagueiro , por erro. ) 
FRAGURA , s. f. Asperesa do monte barran- 
coso , cheyo d'aItibaixo3 , brenhoso. Ined. z. 5^2. 
FRAINEZA, s. f, ant. Pobreza , penúria , min- 
gua. Elucidar. 



FRA 



ss 



FPvAIRE , s. m. ant. Frade , ou freire d' Or- 
dem. Orden. Afons. z. 15. 7,. "que nom sejáo/rrtí- 
res , nem freiras , nem donas d* Ordens. •'* 

FRAIX.ÉL. V. Frouxtl. Elucidar. 

FRALDA , s. f. A parte do vestido da cinra 
para baixo : v. g. as fraldas da camisa , do vesti- 
do talar ^ ou roçagante. Estat. ant. da Universid. 
§. A ^ fralda da camiza da mulher de ordinário 
não e inteiriça , mas de outra peça de panno : 
em algiãas partes lhe chamáo ceroulas. §. Fralda 
de malha ; usada na armadura do corpo. Cas- 
tan. L. L. f. \ij-j. '■'■ fralda do cossolete : ^^ fral- 
dáo , que desce do corpo sobre as coixas. Cron, 
jP. 5. p. 3. c. 64. £, z. 2. 3. *' couraças de bro- 
cado com boceies , e fralda. '^ §. íig. As abas : 
V. g. fraldas do monte , outeiro , serra ; a parte 
baixa delle. as — do Oriente : as barras da ma- 
drugada. Ined, 3. 251. ( comas fraldai das rou- 
pas talares cobrem o corpo , e em se erguendo 
o descobrem ) as fraldas do arrayal : antes de 
chegar ao corpo , meyo , centro. Clarim, 5. c. i §. 

FRALDADO , adj. Com fraldas : v. g. o ves- 
tido que Usavão era mui fraldado , e comprido. M. 
Lus. Lucena : revestido nuns vestidos de seda mui 
fraldados : roupão mui — . Arraes , 4. 9. 

FRÁLDÃO , s. m. Parte da armadura , que co- 
bria da cintura para baixo, por baixo do frald.âo 
crava o buido estoque. V. Fralda, 

FRÁLDEJÁR , v, at. Caminhar pela fralda. Co- 
ei , Cron. M. p. 5. e. ?6. hum Mouro que vinha 
mui seguro fraldejando a serra. 

FRALDEIRO , adj. Cão — : de fralda , braço, 

FRALDELHÍM , s. m. que as mulheres tra- 
zião , e vem a ser o raesm<y que guardapé, f^i' 
riato , 14, 6j. rouhando o meio fralielim meií» 
vAsquinha. T. d' Agora , i . Fraldelhim. 

FRÁLDELÍM , s. m. Túnica , ou saya inte- 
rior. 

FRÁLDIDO , adj. Que tem fralda larga, o fo- 
go faz cesinha , e não mulher fraldida : pão, vi- 
nho, e vito andão caminho , que não moço fal- 
dido. 

FPvÁLDÍLHA , s. f. Fralda de coiro , que tra- 
ziáo antigamente os moços do monte , e hoje 
os porcamachados , avantal de coito. Severim ^ 
Not. 2. §. 5. Besteiros de — ; os que a traziáo , 
aliás do Monte, que eráo caçadores , ou Mon- 
tei ros de besta, 

FRÀMEA , s. f. Alabarda , oo bisarma dos an- 
tigos Allemães. Insul. 

FRANCALETE , s. m. Peça do coldre das sei- 
tas de Cavallaria , c correya com fivela para 
segurar ao arção. 

FRÀNCA]\1ÈNTE , adv. Com franqueza , lar- 
gueza , abundância, f^, do Arceb, i. 5. 

FRANÇAS , s. f. Os ramos da arvore mais 
altos. Castan, 2, f. 249. virando as raízes da pal- 
hmira para o ar ^ as franças para baixi, 

FRAX- 



P 



l 




FRA 




m 




FRANGEÁR , V. at. Andar pelas françns das 
atvori §. Corcar as franças. Fentx da Lusu. lo. 

'°FRANGÉLA , U Belr. V. ^eijeira. 

FRANCELHÍNHO , s, m. dim. de Francelho. 

"^ FrInCÈLHC) , s. m. Ave de rapina do tama- 
nho. de um pombo, com rabo betado de par- 

'%'raNCÈZ°; adj. Mal - : ^.lUco Coutinho f. 8. 
FRAIs^CHÁDO ; ad). do Brás. D.v.d.do diago- 
nalmente em duas partes iguaes , da direita pa- 

'%RScot'ad). Livre : v. g. Odade , FtUa 
■Franca. §. Aberto a todos : v. g. porta —. deu 
oiordál tranca passagem ao exercito de Motses 
§. Porto franco ; onde ha livre entrada , e ar- 
mazéns para se agasalhar , e recolher a carga de 
navios , que se náo ha de vender no po to , 
mas que se desembarca para concertar a embar- 
Scáo sem pagar aduana, nem costumagens. 
L?vr? de rpoSçles, tributos " pedem vos que 
os façáes francos. " Orden. Af. z. Orden d. Fa- 
zenda,c. i?9. distem, dos Regm. t. i. (de Ma- 

nescal.) tom. i. pag- If: V'""' ^' J' ^^^J "' 
cos de corretagem. §. Mais francos , os que go- 
2áo de mais direitos, liberdades , franquezas írf 
2. /: 256. §. Liberal : v. g. gasalharao com ^r^n- 
c^-^ hospedagem. §. Homem franco ; liberal. Nobi- 
liário. §. Meza franca ; para quem quer vir co- 
mer , de graça ; ou nas estalagens por dinhei- 
ro. i Ltngm franca ; é composta de palavras 
Francezas , Italianas , e Hespanholas, sem va- 
riações de nomes , e do verbo so os infinitos 
se usáo. §. Sincero, desenganado , nao dissimu- 
lado : V. g. ânimo — . §• Liberal : no f. sao os 
Médicos mm francos em tirar o sangue alheio 
Arraes , i, 20. §. Largo : t Nam F. M. c 15B 
« com a proa em partes a leste franco. §. U 
grande Epicteto o nobre esprito so hvre e Jran- 
CO. " Sá Mir. Carta fr. est. ^9. 

FRANCOLÍM , s. m. Espécie de tiisao ; tem 
crista amarella, o corpo salpicado de negro, e 
branco { attagen ): é pouco mayor, que a per- 
diz, e de boa carne. 

FRANDULÁGE , s. f. Mercadoria de pouco va- 
lor , como bonecros , agulhas , e coisas desta sor- 
te que véi de Frandes. 

FRANDÚNO , ad]. Homem , que foi a bran- 
des , e traz de lá as modas , e aífecia nao gos- 
tar das coisas da pátria ; e assim os que yuja 
rã o 



FRA 

' nidade. Ord. Af 2. ?• ^''^- 4- violar. ' 

FRANGIPÀNAS , ad). Luvas — : preparadas 
com certo perfume , em que há .almíscar ^ e 
sssim pòs frangipmos para o cabello ; aguajran* 

gipana. 

FRANGÍVEL, ad). Frágil , quebradiço : v.g.O 
ferro pedrês he mui — . Fxame d Artilheiros ,69. 

FRANGO , s. m. O filho da gallinha , que ja 
náo é pinto , mas crescido , antes de ser gallo. 
§. Frango de souto ; apirtado da mái , que bus- 
ca seu sustento por si. Fordes Ant. _ 

FRAiNGÒLHO , s m. "Nas Ilhas da Madeira, 
e outras chamão assim ao trigo quebrado gros- 
seiramente , ou em grão cosido para se comer. 
( do Castelhano FrangoUo ) 

FRÀNGUE , adj. Europeu , nome que os Mou- 
ros dáo aos Francçzes , Hespanhóes , Portuguc- 



zes , Italianos , &c. Freire. 

FRANJA , s. f. Cadilhos de linha , seda , oU 
fio de oiro, ou prata , para guarnecer. 

FRANJADO , part. pass. de Franjar, cadeira 
carmesi franjada de oiro. V. do Arceb. L. 6. c, 20. 

FRANJAO , s. m. Franja larga : augmentat. de 
Franja. 

FRANJAR , V. at. Orlar , e guarnecer com 

franja. _ 

FRANQUEADO , p. p. de Franquear. §. t<.s- 
seas — : livres de constrangimento de pagar di- 
reitos nos porros, feiras , &c. M. Pinto, c 21». 
FRANQUEAR , v. at. Fazer livre, patente, 
desembaraçado para outrem , para si próprio : 
V. g. franquear o passo , as portas , can.inbo. 
' Palmeir. p. 2. c. 74. fnuitos cavalieiros, q-ie m- 
zerdo franquear a passagem:, i. é, passar por el- 
la além , * pesar de quem lhes tolhia a passa- 
gem. §. Píiímetr. cit. c. franqueou a pente cem mor- 
te dgs guardadores delia. §. Franq'tear dijpculda- 
des ; tirá-las. M. L. §. Franquear o campo , no h 
alhanar, aplanar as difficuHades Enfr. z. 2^ nos 
franqueou o caminho da gloria. Lron. Cist. 6. c. 
z6. §. Franquear os portos ; deixar vir , ou ir a 
elles quaesquer navios. §. it. Tirar direitos, cu 
outras restriccóes. Orden. Afons. 2. T. 59- §• 5'» 
" vos pedem' que os franqucedes ( o seu sal , 
e averes ). " Daqui , porto franco , escada fran- 
ca ; onde se náo paga direito de entrada. §. Fran- 
quear o Commercio ■, consentir que todos o taçao. 
§; Franquear as coitadas; permittir a entrada, e 
uso delias. Fida do Arcebispo. L. 5./- i?- §• /^^^"' 
quear pontes , e montes ; passar além delles. §. -— 



lau , e mudarão cosrunies , trazendo os estra- 
nhos. D. Francisco Manoel. " vosse vem muito 

franduno. '^ • j - 

FRANGA , s. f. Gallinha nova , que inda nao 

pôi. 
FRÀNGÁO , s. m. Frango. 
FRANGER , v. at. ant. Quebrar, v.g. —a tmff' 



?ntVans.''largúear, gastar , franquear, comer, be- 
ber , jogar , franquear. Sá Mir. Estrang. J. 140. 

ult. ed. .,,••,■ 

FRANQUEZA, s. f. Immunidade , p/ivilegio., 
licença para entrar , sair , e passar livremente. 
Macedo. §. Vsavão destas franquezas , ^ P^''";'^' 
soes com a Nação Hebrea. M. L. 6. f. 18. §. Li- 
beralidade. §. Mo tallar , e dizer os seus senti- 

men- 



FRA 

mentos, sinceridade. M. Lus. i. 112. §. O ser 
franco ; livre era quanto á entrada , direitos, 

FRANQUÍA, s. f. Liberdade de mercado , oii 
porto hanco de direitos , ou restricçóes.F. Ad. 
c. j,6. E forque... era o tempo desta franquia, 
erão tantos os mercadores , <&-c. idem. com liberda- 
de j e franquia por aq/ielle mez. id. §. Couto , asi- 
lo. §. Entre os Árabes , Franijma é a Christan- 
dade , e suas terras. " Fem de — . " 

FRANQUÍDO, adj. snt. terra franquida ; arro- 
teada , reduzida a cultura : não será talvez franca 
d' impostos? do Francèz Franchi. Elite. Supl. 
;. FRANQUiSSIMAAlÈNTE, adv. sup. de Franca- 
mente. 

FRANQUÍSSIMO , sup. de Franco. " eu te fa- 
rei franqtitssima esta via. ^^ Eneid. 9. 78. 
FRANSÈLHO. V. Francelho. 
FRANXÁL. V. Froíixel. Elucidar. " hum al- 
madraque de franxãl. '"' 

FRANZÍDO , parr. pass, de Franzir. §. Olhos 
— ; múi apertado;. Lobo. 

FRANZINO , adj. Delgado , de pouco corpo : 
V. g. mios franzinas. Qiiciroí; o galeão era fran- 
zino , e lhe lançarão hum eutrecostado. Amaral, 2. 
FRANZÍR , V. at. Fazer pregas , ou rugas en- 
fiando uma linha pela borda do panno , e cor- 
rendo a unha por ella para o ajuntar , e reco- 
lher em menor espaço. §. Franzir as sobrance- 
lhas ; carregá-las para os olhos , com, o que fi- 
cão enrugadas na espertadura , e fazem cenho , 
ou carranca. Lobo. 

FRAQUEÁR , V. n. Perder o animo , não re- 
sistir com o mesmo esforço. §. Debilitar-se : v. g. 
fraqueáráo as forças. §. Fraqitear na tentação , 
não resistir. Vieira, ftaquear no trabalho .^ ""_/^ , 
(é>'C. " franqueou a minha constância. '^ Fieira , 
Cart.ç)^. t. z. 

FRAQUÈIRO , adj. Terra — ; leve , delgada , 
de pouca sustancia , e traça. 

FRAQUEZA , s. í. Falta de força : v. g. a fra- 
queza do miíro , fraqueza do corpo debilitado ; du 
estômago , que não digere bem , ou que sente 
uns como de&fallecimentos. §. Fraqueza da voz ; 
que não é forte , esforçada. §. Do animo , sem 
vigor, sem ousadia. §. Da vista; que não al- 
cança , a ver longe, §. Fraq/íeza; da humanidade, 
coiti que caímos em imperfeições , e culpas , não 
resistindo ás tentações , ou não vencendo as pai- 
xões. §. Debilidade de constituição. §. Não mos^ 
trar fraqruza , na guerra , briga , e onde cum- 
pre esforço ; nas occasiócs de despender , nác 
mostrar pobreza , ou animo iUiberal. 

FRAQUÍNHO,adj.dim.de Fraco. ^. do Jrc: 1.2 
FRASCA, s, f. A louça de meza., ou de co- 
sinha ( que hoje com nome Francês alguns cha 
mão bateria de casinha ) Pinto Pçr. 2. f 66. of 
Moitros J,evãrâo a roupa , e. fcíisc» da casinha 
Miar. d\Q!mm , /. 605. apparelho (k casa , e co- 



FRA 



S7 



sinha ; e f. 6:3. trem, bagagem. Azurara, c. 
',4. " os marinheiros cansados em arrumar nas 
náos tamanha multidão àa frasca. '^ Ord. Af. r. 
f. 29^. Ined. 2. f i8ç. " a frasca delRei era ja, 
enviada para Santarém. " id. f. í,6^. 

FR ASCÁGEM , s. f. ant. Frasca. « 5. bestas d»al-, 
barda com frascagem ( fato ; de escudeiros. " Lcpes, 
Cron. J. j. p. I. c. 103. (no L. vci frasquagem.\ 

FRASCÁL. V. Faseai. Ined. :^. 321. ( e antes 
traz fascaes ) " frascaes do pão que estava na» 
eiras e nos agros. ""^ 

FRASCARÍA , s. f. Putarla. Ferreira , Cioso ," 
I. SC. I. «' em cavernas , e em frasearias. '^ 

FRASCÁR.IO , adj. Azevieiro , dado a mulhe- 
res, putanheiro. Barros, 4. 5. 15. f. pp. Albuq: 

FRA.SCO , s. m. Vaso de vidro para líquidos, 
e talvez de barro vidrado, da feição dos de vi- 
dro. §. Duas peças de bronze , entre as quaes 
se ataca a areya , onde fica o molde da obra de 
prata , que se há de vasar. ( t. d' Ourives ) Fras- 
co de pólvora: polvarinho. 

FRaSE 5 s. f. Qualquer combinação de pala- 
vras , que não forma uma sentença , onde não 
entra verbo nos modos principacs : v. g. cheyo de 
pavor; nação cruel , e fera: talvez uma senten- 
ça breve ; y. g. vive Deus ; vai-te Id ; venha cá ; 'b'C, 

FRASEADO , adj. Discurso fraseado ; em que 
declaramos com frases por adorno , o que se po- 
derá dizer simplesmente numa palavra. 

F.RA-SEOLOGÍ A , s. f. O modo de compor as 
palavras segundo o uso de cada lingua , princi- 
palmente nas frases mais elegantes, e castiças 
desse idioma . 

FRÁSlS , s. m. Enfr. ^. 2. Veja Frase , e de- 
rv. bem como outros derivados do Grego, on- 
de tem seu caracter particular <p , que os Latinos 
suprem com ph , e não há razão para que não 
supramos com o nosso /. A frasis he boa , os 
versos &c. D. F. Manoel ,Cart. 35. Cfní< 2.,,-, 

FRASQUÁGEM. V. Frascagem. 

FRASQIUÈIRA , s, f* Caixa com repartições, e 
vãos para se levarem frascos de vinho , azei- 
te , vinagre , &c. 

FRASQUÈTA , s. f. Quadro de barrinhas de 
ferro , com gonzos , que se lança sobre o tím- 
pano para assegurar a follia de papel , que se 
há de tirar da Imprensa ; tem borda que cobre 
coda a parte , que não há de ser impressa , pa- 
ra quç se não borre. 

FRASOUÍNHO , s. m. dim. de Frasco. 

FRATERNA , s. f. Dar — ; i, é , reprehensáo. 
B. Lima, Caria 33. 

FRATERNAL, adj. Fraterno, de irmão. Lu- 
:ena. " fraternal amor. " 

FRATERxNÁLMÈNTE , adv. Como irmão, co- 
mo pro.ximo': v. g. receber — , reprekender — , aga- 
salhar — . 

FRATERNIDADE , s. f. Irmandade. Chagas. 
H Car- 



i 




JIP 



FRE 



Canas de fraternidade. , ^ ., . 

FRATERNO, ad). V- Fraternal. Caridade — . 

Lucena, f. 415- "'^f-^ -= ^""^'^^^ ' 4- 5- d« ''^- 
"" FRATRICÍDA , s. c. Que matou seu ptoprio 

irmão. M. Lus. . . j • -^ v: 

FRATRICÍDIO , s. m. Assassínio de irmao, /^í- 

^""fRATRÍSSAS , s. f. pi. Espécie de freiras da 
Ordem de Malta , que viviáo em suas casas. 
FRAUDE , s. f. Engano , malícia , falsidade , 

dolo. , , 

FRÁUDULÈNCIA , s. h Uso da fraude , en- 
gano. 




FRAUDULENTAMENTE , adv. Com fraude : 
V. e. ameir — . Carta de Gma. - 

FRAUDULENTO , adj. Que falia , ou obra com 
fraude ; ardiloso. §, Coisa enganosa : v. g. Lus. 
4. o<. hmt traudulenro gosto. 

FRÁUTA , s. f. Instrumento musico ; consta de 
canudo , com buracos , nos quaes pondo-se os de- 
dos , e soprando-se por um se variáo os sons : 
a frauta doce sopra-se por uma boca como a dos 
assobios , e pifanos ; a travessa , ou travessia , 
sopra-se pelo primeiro buraco do extremo tapa- 
do. Fern. Mend. Cap. 68. e 69. 

FRAUTÁDO , part. pass. de Frautar. Resende , 
Chron. J. 2. §. Trombeta — •, que dá som agu- 
do como de frauta. Fieira, na Tíbia , que he hu- 
fna trombeta f ramada. §. Foz f ramada. Eufr. 5. 
2. dis frautados , quando se magoava : brando , 

tnimoso. 

FRAUTÁR , V. at, Frautar o orgao , otí cra- 
vo : tapar os registos , ou servir-se do ingcnho , 
que faz saírem as vozes mais pianas e doces , 
trazida a metáfora da frauta doce , ou doçama •, 
tambenV se frauta a rebeca , e outros instrumen- 
tos. §. ííg. Frautar a voz ; pronunciá-la baixa , 
menos forte , e docemente. §. Frautar-se : fallar 
manso , para se não ouvir muito. Resende, Cron. 
J. z. c. 196. §. Fallar com voz abemolada, e 
brandamente affectada, 

FRÁUTÈIRO , s. m. Frautista. 
FRÁUTÍSTA , s. c. Pessoa que roca frauta. 
FRAZANGUE. V. Parasanga , medida itinerá- 
ria Pers. Tenreiro. 

FREÀMA , s. m. antiq. Era parte de animal , 
em que os carniceiros faziáo a fraude de a in- 
char para avultnr mais, " aqttel qUe inchar frea- 
ma , oií outras carnes .... peite cinquo soldos. '? 
Postur. de Fiseu em 1:504- talvez corrédo o ga- 
do , para inchar c'o sangue , que se não escoa 
bem , e apostema como diz a Ordenarão Filip. No 
Elucidar, art. Frama , se diz, que e prezunto de 
porco ; ou mais bem leitão , ou leitoa. 

FRECHA , s. t. Hasre com farpa lisa , ou far- 
pada , cujo extremo opposto se embebe na cor- 



FRE 

guerra , será : enrestar as frechas ■■, encará-las pa- 
ra as dcsparar. §. Espécie de alavanca , que ser- 
ve de erguer as pontes levadiças , por meyo das 
cordas , ou correntes , que á frecha estão acadas. 
§ De frecha ; adv. direito a algum lugar , ou 
pessoa, sem se divertir, ou parar :v. ^. "veio 
a mim de frecha. '' H. N^nt. t. \. f 5^,. ''aon- 
de a terra se demandava de frecha. '' Barr. 1.9. 
4. e freq. Coiítu , 10. 7. 6. , , , 

FRECHADA, s. f. O golpe da frecha. 
FRECHADO, put. pass. de Frechar. 
FRECHÁL, s. m, de carpenc. A vigora, que 
se pói sobre as paredes , na qual se pregão os 
barrotes , e caibros para o tecto da casa. 

FRECHAR , V. at. Ferir com frechada. /^í- 
conc. Not. " os bugios , quando os jrechao. 
§, Frechar o arco ; embeber frecha na sua cor- 
da para atirar. Naufr. de Sep. f 51. t- ^ ^«• 

FRECHARÍA , s. f. Multidão de frechas. P. 

Per. 1. c. 10. i ^ ^ 

FRECHEIRO , s. m. O que usa de arco , e 
frechas na caça, ou na guerra. 

FRÉGUÈZ , s. m. O que pertence a alguma 
parochia se diz {réguèz delia ; nrada a metaf. 
de quem costuma ir comprar a uma tenda , ou 
loge , que se diz freguez delia , e da casa. 

FRÉGUÈZ A , s. f. Mulher que costuma ir 
comprar , ou vender a certa tenda , ou pessoa. 

FRÉGUEZÍA , s. f. Igreja Parochial. §. U 
uso de ir comprar a certa parte. §. As pes- 
soas afreguesadas : v. g. " íazer , â]untzt f regue- 

FREI, s. m. Prenome que se ajunta ao no- 
me dos frades : abreviação de Freire. 
FREIÈIRO , s. m. O que faz íreyos. 
FREIGUÈZ. V. Freguez, cqmo se diz agora. 

Ord. Af z. f ^' .. 

FRÈIMA. V. Fleima. O sangue frio , ou es- 
tado de quem está sem paixão. Caminha , foes. 
Epigr. 96. " hora seja com jreima , hora com 
ira " §. Fremia do cstom^igo , por ancia , angus- 
tia. Cron. Cist. 5. c. 8. Neste sentido opposro ao 
de Caminha , dizem , v. g. " nada lhe da Jrei- 
ma : " paixão ■■, nada o abala. 

FREIRA , s. f. Sór , Religiosa professa. 

FREIRÁ.R , v. at. Receber por Freire de ur- 
dem Militar, "foi quem ofreirou. " %. Freirar-se;. 
fazer-se freire. M. Lus. 5./. 15:2. col. 2. 

FREIRÁTIGO , «. m. Homem dado a amores 

com Freiras. - ^„_ 

FREIRE , s. m. Antigamente o mesmo que 
Frade , ou Irmão , titulo usado entre Rebgiosos , 
hoje são Cavalleiros de Ordens '^'^'^^^^7 ' ^t 
tem alguns dos votos religiosos : v- g. os 1 reires 
de Avis , <ò'C. C do Francez Frere. ) 

FREIRÍA , s. f. antiq. Convento de Fre res. 



pada, cujo extremo opposto se embebe na cor- , l^^^^r." ' Z' ,\^. :^^^, Ordem de Freires, 
ia do arco para a desparar em caça , ou na iLfrfO, Lhron. t. 1. fa. 1774. ^^^^_ 



tsn^ 



FllE 



FRE 




FREIRI 
trnto j e 



ÍCF. , s. f. Maneira, diche de Freira; o; rcncia de pessoas. " Lia cm aquclli Universi" 
conversaçáo amorosa com Freiras. daJe com muiw honra , e Jn'/]/ícmia. " Resen' 

de , rida , c. IO. concurso de ouvintes , e dis- 



FREIRINHA . s. f. dim. de Freira. Di?-sc da 
moça em idade , ou novel no habito , e profis- 
sio. Cron. Cist. j. c. 26. 

FREITÁR , V. at, anr. Fazer dar fruito , apro- 
veitar a terra para dar fructos. Elilãdar. 

FREIXO , s. m. Arvore sylvestre grande , flo- 
recc antes de se folhar; e dá tlores como uns 
fios divididos a modo de cachos ; o seu fruto 
c a modo de folhelho membranoso , &c. ( fra- 
xims ) §, poet. e flg. Navio. Mal. Conq. p. 5. 
tom os freixos rasgar o pego undoso. 

FREMENTE , part. at. de Fremir. Que fre- 
me : o mar — . 

FPvEMÍR , V. neutr. Bramir , fazer grande es- 
trondo com uivos. " jremc a leoa : ^^ Lusi^ida , 
4. 57. " — o uso : ^^ Ekg. f. 206. §. Dar gran- 
de som, Co tropel dos cavallos freme a terr/^. 
X. poet. 

FRÉMITO , s. m. p. usado. Grande rumor , 
cstropido ; v. g. dos cavallos andando , dos seus 
rinchos , ícc. de vozeria. Maíísinbo ,jf. 188. f. 

FRENESI , s. m. ou 

FRENESÍA , s, f. Frenesi. Hist. Naut. t. i. f. 
360. 

FRENESÍS , s. m. Delirio continuo , com fe- 
bre. §. f. Disparate , capricho em que alguém es- 
tá teimoso. 

FRENÉTICO , ad). Doente de frenesi. 

FRENTE , s. f. A p.irte dianteJra , v. g. do 
edifício ; do exercito : v. g. marchava na frente. 

FRÈO , s. m. ( antes freyo ) Instrumento de 
varias peças de ferro , ou outro metal , algumas 
das quaes entrro na boca do cavallo , e nelle 
prendem as rédeas , para o governar. §. Tomar 
o cavallo o frcyo nois dentes : náo obedecer ao 
freyo , náo dar pelo freyo : e fig. tomar alguém 
o freyo nos dentes ; náo obedecer ao superior , 
não ceder á razão. §. f. Coisa que modera , re- 
freya , contém. " o Xeque Ismael . . . que era hun: 
freio , naquclle tempo do 'Turco. " B. 2. 10. 2. 
" o parentesco ( d'entre elllei e o Imperador ) era 
grande freyo para náo romperem de todo, " ( por 
causa das Molucas ~) Como, 4. 7- '• servem as 
lãs de freio de insolências : Fabula dos Planetas. 
Ceuta joi o freio de Mauritânia : JgioL Lusit. 
aquella fortaleza não estava como freio , mas co- 
mo emparo de seus habitadores : Freire. §. Lar- 
gar , o« soltar o freyo : íig. dar licença , ou li- 
berdade, não conter : v. g. largar o freio aos 
apetites , aos desejos. Vasconc. Arte ,f. 78. §. Freyo : 
ligamento debaixo da lingua , que talvez im- 
pede ás crianças o mamar , ou fallar, §, Liga- 
mento que prende o prepúcio á fava , ou cabe- 
ça do membro viril, 

FREQUÊNCIA , s. f. Repetição de actos , ou 
successos a iiiiúde. Guia de Casados. %. Concur- 



cipulos. 

FREQUENTAC.aO , s. f. Trato , communica- 
çáo j conversação frequente, c repetidas vezee 
com alguém. §. Frequentação do Commtrcio : q 
grande trafego , com que corre , vendendo-se « e 
comprando-se muito. Sitio de Li > boa , /. 12. §, O 
fazer alguma coisa com frequência. Arroes , 6* 
4, " frequentaç^ão da communhão, "''' ^ • 

FREQUENTÁDAMÉNTE. V. Frequentemente.' 

FREQUENTADO , adj. Onde concorre múitâ, 
gente, mííico navio, mijitos animáes : v.g.príí' 
ça , ou jardim frequentado de homens : empório , 
porto — de navios ; e na selva de feras frequen- 
tada. §. Visitada com frequência : v. g. casa 5 
corte frequentada de Príncipes. Lobo, 

FREQUENTADOR , s. m. O que vai , ou faZ 
frequentemente ; v. g. frequentador dos templos , 
e dos Sacramentos ; dos thealros , e asiembléyas. 

FREQUENTAR , y. at. Continuar , ir muitas 
vezes , visitar a miúdo , conversar com frequên- 
cia alguém , alguma casa , lugar , praça , tem- 
plo : V, g. um mancebo que frequentava esta, cor- 
tesãa : frequentar a casa de alguém ; as igrejas. 
§. Fazer alguma coisa a miúde ; v. g. " frequen- 
tar requerimentos com alguém. '^ Barr. 4. 2. j. 
frequentar os Sacramentos : chegar-se a elles mui- 
tas vezes. §. Concorrer miãitas vezes : v. g. o po- 
vo , que frequenta este jardim, 

FREOUENTATÍVO , adj. Gram. Ferbo — : o 
que declara que a acçáo significada por elle se 
repete múit:5S vezes : v. g. beberricar , sopetear : mas 
destes há mui poucos era Portuguez. 

FREQUENTE , adj. Assíduo , continuo em fa- 
zer alguma coisa : v. g. frequente na oração. 
§. Rcpecido muitas vezes , amiudado : v. g. fre- 
quentes ataques. 

íREQ Cientemente, adv. Muitas vezes, re- 
pct'das vezes , e a miúdo. 

FREQUENTÍSSTMAMÈNTE , adv. SUperl. de 

Frequentemente. ( o « soa ) 

FREQíjENTÍSSIMO , superl. de Frequente. 

FRESCAL, adj. v. ^. qtteijo — ; peixe fre^cal ; 
que não é inteiramente fresco ; mas tem algum 
sal, náo salgido , nem sal preso. 

FRESCAMENTE , adv. De pouco tempo , de 
fresco. 

FRESCO , s. m. O ar entre frio , e quente : 
V. g. tomar o fresco. §. Pintar a fresco; i. é, com 
agua , sobre parede não enxuta : t. de Pinr. 
§, Fallar fresco; i. é, palavras deshoncscas : fr. 
tamil. §. Logo em fresco : sem perda , ou inter- 
vallo de tempo. Couto , freq. V. 5- 8. ^ deixan- 
do guarnição numa fortaleza « foráo logo em 
fresco commetter a de SangcÇá. '' i'lon ,10. 4- 9- 

FRESCO , adi. Não quente , nem frio : v- g. 
H ii '»'• 







6o 



FRE 



ar fresco , ag^M fresca. §. Feito de pouco : v. g. 
queijo treâco, §. Posto de pouco: v. g. oww fres- 




cos. §. Vindo há pouco : canas , novas frescas. 
§. Peixe fresco , carne — ; não salpresa , nem sal- 
eadi. §. Carão fresco ; não crestado do Sol ; não 
quebrado , ou rugoso com os annos. §. Felho 
~ -, verde , rijo , robusto. §. Genie fresca j que ] 
chega de novo , que náo sérvio na guerra , ou 
batalha. §. Jgi'ía fresca \ que vem do poço , ou 
fonte. §. T^irtta fraca ; que ainda náo está seca. 
§. Sair fresco d' a\gm\ exercício ; sem cansaço , 
nem afronta. §. Vento fresco ■, favorável, e teso, 
ao contrario do escaco , que náo enfuna as ve- 
las,' Loho. §. Mer)xoria , nárra'^ão Jresca ; viva , re- 
cente. K do Jrceh. i. i. 

FRESCOR , s. m. Lusit. Transf. Seg. Cerco de 
Diu : o frescor das flores. 

FRESCURA , s. f. A frialdade moderada : v. g. 
das fontes , da sombra ■■, o viço : v. g- das flo- 
res logo que abrem: Arraes^ i. i. das plantas: 
y. do Aràb. i. 5. da idade : Paiva , c. 6. §. A 
frescura da idade; a flot. Etifr. 4. i. passa a 
frescura da idade em dois dias. 

FRESQUÈTA , s. f. V. Frasqueta. 

FRESQUIDAO , s. f. V^ Frescura. B. Clarim. 
t. 79. Deç. I. I. 2. — da sua ribeira. Como ^ s- 

>. 5. 

" FRESQUÍNHO , adj. dim. de Fresco. 
" FRESQUÍSSIMO , superl. de Fresco. 

'FRESSÚRA , s, f. Forçura, o figado , coração, 
bofe do boi , vaca , porco , e outros animáes , 
que se come ; deventre , debulho. F. Mendes , 
f. 5>7. diz Fressura. 

FRESSURÈIRA , s. f. Mulher que vende fres- 
sura. 

FRESTA , s. f. Abertura apertada na pare- 
de para dar luz ; pequena jancila. §. Fresta nos 
dentes ; vão entre os que são raros , e enfres- 
tados. 

PRESTADO , adj. do Brás Guarnecido de pe- 
ças dispostas como grades, ou gelosias : o Mm- 
po de oiro frestado de coticas. M. Lm. 

FRETADOR , s. m. O que fretou , ou tomou 
a seu serviço e uso por certo preço algúa em- 
barcação , de qualquer porte , e serviço, §. Fre- 
tador : o corretor , que intervinha nos contratos de 
Fretamento. Sist. dos Regim. t. i. /. 558. 

FRETAMENTO , s. m. O acto de fretar. §. Car- 
ta de fretamento : escritura , em que se contem o 
ajustamento do frete do navio. Caminha de Leb. 
Ord. Afons. L. 4. 

FRETAR , v. at. — Uma embarcarão ; tomá-la 
a ganho por fretamento , e preço para a carre- 
gar. §. Fretar com alguém; n. levar a carga del- 
le por frete. Cron. J. ^. p. z. c. 54. " se foráo 
carregar de mercadorias ( os Capitães ) fretando 
çom homens ricos. ^' 

FRETE , s, m. O ajuste , que faz o dono , 



FRI 

arráes , capitão do navio , ou barco , sobre o pre- 
ço , porque há de levar alguma carga, ou pessoa. 
FRETO , s. m. V. Estreito do mar : v. g. o 
Freto Gaditano. 

FRIÁCKO , adj. Tibio , froixo. B. P. famil. 
FRIAGEM , s. f. Cerração do ar , com frio , 
humidade , pelos princípios do Inverno. Barros. 
FRIALDADE , s. f. O ser frio. §. Humor trio, 
que cahe em alguma parte; do corpo. §. O frio : 
a frialdade da manhãa. §. Frouxidão , deleixo , 
inactividade. §. Falta de espirito , de viveza; 
semsaboria , insipideza. V. Fneirão. 

FRIAMENTE , adv. tig. Com pouco fervor , ar- 
dor , pouca actividade , energia , paixão ; tibia , 
frouxamente. §. Paradamente , descncalmadanien- 
te , sem se perturbar , sem se esquentar : v. g. 
amar — ; responder — ; haver-se no negocio — 5 
poetar — ■ . 

FRIÁVEL , adj. Que se quebra , e faz em 
miúdos com facilidade : v. g. a folha seca, e 
torrada , alguns barros , Scc. 

FRICASSÉ , s. m. Guisado de carne picada , 
ou aves em pedaços , fritas em niantciga. 

FRÍCqAO , s. f. Êsfregação , untura : V. g. 
com unguento de azougue , com escova , &c. 
§. O attrito do corpo , tjue se move por cima 
de outro , ou por algum meyo , o qual attrito 
retarda o movimento , e nas maquinas é neces- 
sário aumentar a potencia , ou força movente , 
para que dè o eíFeito , que queremos , sem a que- 
bra , ou desconto da fricção , que o diminue. 

FRIEIRA , s. f. Inflammaçâo de sangue es- 
tagnado por causa do frio , que depois se faz 
num folie de aguadilha , ou matéria : de ordi- 



nário nascem polas extremidades do corpo pelo 
T .'.'-3'q 

Inverno. 

FRIEIRAO , adj. Insulso , sem sabor , desen- 
graçado ; homem sem energia , engenho , e pa- 
ra pouco. Sd Mir. Estrnng. f. 169. 

FRIELÈIRA , s. f. Mulher de Friellas perto 
de Lisboa, que vende peixe pelas ruas ; costu- 
mão andar de botas , e a pé , com celha á cabe- 
ça , onde trazem o pescado de venda. 

FRIEZA, s. f. F.ilta de calor , viveza , ener- 
gia, actividade, ingenho , gosto ; tibieza, frou- 
xidão , falta de alvoroço. Fida do Jrceh. i. j. 
§. Mostrar frieza no comer ■, i. é , fastio. §. O 
defeito do homem frieirão ; sem saboria , sem 
graça. 

FRIGIDEIRA , s. f. Vaso de barro , ou me- 
tal , pouco fundo , para frigir. §. — de apanhar 
pingo : vaso raso ^ que se pói por baixo dos as- 
sados , para recolher a gordura , que reçuma del- 
les , e se derrete. §. Mulher que frege. B. Lima , 
Cart. " a cdrva frigideira. 

FRIGIDÍSSIMO , superlar. Múi frio : v. g. dia , 
clima fngidissimo ; tempo — . F. do Arccb. i. 14. 

FRÍGIDO , adi. Frio , poét. Camões , Ode 9. fn- 

si- 



FRI 

gida neve. §. Impotente , frio para o c6ito. 

FRIGÍR , V. at. Assar o peixe , ou carne na 
frigideira , em azeite , ou manteiga fervendo. 
§. DtÍKai-o frigir no seit azeite : consumir-sc , e 
raivar com as diHiculdades , e outras coisas que 
elle mesmo cuida , ou traça para se amofinar. 

FRÍJA , s. m. Alcunha , que em Lisboa dáo 
aos requerentes , ou procuradores de causas. 
FRÍiNCHA , s. f. provincial. Greta , fisga. 
FRÍO , s. m. A sensação , que nos causa o ar 
mais que fresco, e-^ neve, e. outros tács cor- 
pos applicados ao nosso. §. Tempo , ou aimos- 
iera que causa em nós a cal sensação : v. g. com 
os grandes Irios do Inverno ; Id vem os trios du 
Inverno ; faz trio ; a agita congtla-se com o trio. 
§. Sensação de trio , com tremor , do que tem 
maleitas , e que acomp.mha algumas doenças. 
( Soa fri-yo ) 

FRÍb , adj. Privado do menor calor sensível 
ao tacto : v. g. tenho as mãos frias ; esta agua 
é tria. §. fig. Sem energia , viveza , sai, engenho, 
sabor: v. g. orador frio; trio poeta; discfirso — ; 
poana — j versos — . Sá Mir. riamos de coisas 
frias , cie alguns , que agudezas vendem. §. Sem 
paixão : v. g. coração frio ; de sangue frio. F". do 
arcebispo. §, Homem frio : o que sabe encubrir os 
seus desejos, e appeíireSj e não mostra paixão , 
nem alvoroço. B. 3. 5. 7. " tão pacientes , e 
frios em descubrir seus appscites, e necessidades. 
íí, o que não gosta , ou é pouco amigo de mu- 
lheres , e não pode conversá-las carnalmente, '-frio, 
e ligado com malefícios. " §. Malhar em jerro 
frio , no fig. trabalhar de balde. §. f. O sangue trio 
í/e medo ; o 'frio medo. Malaca Conq. §. Faro J rio. 
" morrer a — ; '^ de golpe de espada , lança , Scc. 
Camões, a frias estocadas morto. Fieira, cinzas 
frias ; dos mortos. Lobo. §. A ji ia morte; poet. 
§. Beber frio ; i. é , agua , ou vinho trio em agua , 
ou neve. §. Pela fria ; i: é , pela manhã mú; 
cedo. B. Lima. §. frio de condição : desamoravel, 
seco, isento. £ufr. ^, i. desabrido. 

FRIOLÈIRA , s. f. chulo. Ditos , acções iri- 
as , sem sabor , mdiscretas ; despropósitos , tolices, 
coisas desenxabidas , semsaborias. 
FRIONEIRA. V. friokira. 
FRIORENTO , adj. Mui sensivel ao frio ; ta- 
mil. 

FRÍSA , s. f. O pello do panno. §. f. O pan- 
no que tem frisa. §. Cavalto de — .V. Cavai- 
lo. §. Frisa da Imprensa. V. Branqueia. 

FRISADO , pare. pass. de Frisar : v- g. panno 
— . Resende i Cron. jf. 2. §. Cabello frisado : _re- 
volto , e torcido , qual é o dos pretos. Galvão , 
Descr. J. 97. 

FRISÂO , s, m. Cavailo de Frisia grande , e 
possante. " açoita dois frisões , como elie , bay- 
os. ■• 

FRISAR , V. at. Pentear , e retorcer a frisa do 



FRO 



61 



panno. §. v. n. Ter semelhança , conformar : v. g. 
ene caso frisa com o outro : ser analcgo , confor- 
me, as suas disposições trisão com o seu gemo. Purt. 
Rest. Fejo , Trat.\. f. 18. f. 

FRÍSO , s, m. d' Arquit. A parte , que está 
entre o architrave , e a cornija ; a qual varia se- 
gundo as ordens das columnas. 

FRITADA , s. f. Coisa guisada em frigideira : 
V- g. fritada de evos , &-C, §. — de amor : fatias 
torradas com ovos , manteiga , ícc. 
FRITO , part. pass. de Frigir. 
FRÍVOLAWENTE , adv. Com frivolidade. 
FRIVOLIDADE, s. f. us. O pouco fundamen- 
to , o nonada de algíia coisa : v. g. das ra^óc^ , 
discursos , allegaçóes , &c. 

FR.ÍVOLO , adj. Vão , inútil , sem fundamen- 
to : V. g. palavras — . Fieira, frivolas alegrus ; 
discursos — ; escusas — . M. Lus. por não admit- 
tir cois.ts tão frivolas. Barreiros , Corogr. 

FRIZANTE, 3, m. Moeda antiga , que dizeni 
ser o mesmo que Besante. Elucidar. 

FROCADÚRA , s. t. Ornato , ou remate de 
frocos , ou cadilhos. Extrãvag. 4. p. f. iii.n. 5. 
FROCO , s. m. Cordão coberto de felpa de se- 
da fina desfiada. §. fig. Frocos de mve ; a que fi- 
ca pendurada; ou antes a que cai ramificada so- 
bre as arvores , e lhes faz como uma felpa de 
froco. 

FRÒL , s, m. V. Flor , como se diz, E o es- 
carcéo arrebentav:i todo em frol. Fern. Mend. cap. 
61. Barr. 5. 5. 5. " quebrava o mar em frol , e 
acapellava qualquer cousa que achava diante. !1 
FROLENQA. V, Floryes. 
FROLIDO. V. Florido. 
( FROLYES , s. m. pi. ant. Florins , moedas. 
L FROLYS , o mesmo. 

FRONÇA , s. f. Lenha miúda , franças das ár- 
vores , ou rama. Elucidar. 

FRONCÍL, adj. Lem^o — ; espécie , ou sorte 
de lençaria antiga. Cron. J. 1. p. i. c. no. 

FRONDÈNTE , adj. poet. Que tem folhas , ou 
de folha. Camões : a fronderítc coma das arvores, 
Lus. 9. 57. 

FRO NDÍ FERO , adj. poet. Que produz , e tem 
folhas. Camões., Canhão 16, trondífcras arvores. 
Eneida , 7. 90. 

FRONDOSO , adj. Folhudo , que tem folhas 
bastas : v. g. arvore frondosa. §. Eneida, 7. ii?. 
os frondosos cornos do cer^o ; ramosos , grancho- 
sos. 

FRONHA , s. f, O saco , que immediatamente 
contêm a lã , ou penna do travesseiro. §. fig. O 
corpo , ou o vestido. D, Fr. Man. esta tronha , an 
que anda o melhor espirito. §. Portí^ fronha ; no 
Minho , porta do páteo , fcránea. 

FRÒNTA , s. f. Denuncia , proposta , ou re- 
querimento : diz o Porreiro das arrtmaraçóes : 
Fronta ja^o que mais não acho , i. e ^ dou a .sa- 

bwt 



P 




^i 



l^J 



ÍP 




FRO 

ber que nio acho quem lance mais. §. « A Jwn- 
ta que os Corregedores fizerem aos Prelados , 
para que castiguem os Clérigos , que vivem mal - 
Oden Aí. 1.2?- 42. " sem mais outra /ro«W : '' 1. 
é requfrimento. Ord. eh. 2. f^^ ?B.. " estor- 
mentoi de frmtas , e protestações , que alguas 
pessoas fazem a outras, que lhes /ro«í^o , e re- 
querem que tomem , e tecebao alguas cousas. 

Cit. Ord. I. Mg- 275' §•. ^°- ^ „ 

FRONT' ABERTO , ad). composto. Lãvãllo — ; 

que tem grande malha branca na testa. J^ mato , 

^ ^FRONTAL, s. m. Panno, ou peça dfi armar 
a parte dianteira do altar. §. Peça do trevo da 
besta, que lhe cinge a testa. §. Parede ríe -j 
feita de tijolos assentados em grades de pao i e 
delgada , e de pouca fortaleza, principalmente o 
tomai ingelo, l nâo dobrado. §. Frontal da mu 
ra m Attelh. peça de madeira, ou metal , que 
rpói sobre o collo da peça para a apon ar 
ustamente, e pata cobrir a cabeça do artilhe.ro. 
^ FRONTÀLÈIRA , s. f. Sanefa do cortinado , 
ou a peça com que se atravessa a portada por 

^'TrONTÁR , V. at. -Fazer fronta , propor , de- 
nunciar alguma coisa Mobiliário, f. SM- >'• 
Frontar-. rlquerer. Orden. v4/. i. 23. 4- " ^ron- 
íem os Corregedores aos Prelados , que castiguem esses 
Clérigos. » V. L. cit. T. 5?. §. «3. P^g- V-'7- 
'^fmiterttCos officiáes da execução ) a Dona ou 
Donzella , que aquellas cousas que metreu den- 
tro em casa, em que deve ser ^^ita^ a penho- 
ra , que as ponháo fora de casa &c. ^'^Oíd 

tem os penhorados C requeirao > Crí. i>. 3- ^ • 

çí'. §. I?. vag. 359. . . , , 1 

FRONTARÍA , s. f. Frontispício , fachada , a 
frente. CoMo , 4. 6. 9. ^y^cinàoti assestar artilha- 
ria na frontaría da Odade. f. 118. t-/- ';/•,<-* 
espaço , terreno fronteiro a outra coisa. eie- 
geo por melhor desembarcaçao afrontaria de him 
palmar , onde se fazia modo de angra. J^arr. 2. 
I 2. §. Praça do estremo , e na fronteira de ou- 
tro Reino. F. Mendes. §. Terra fronteira a ini- 
migo , ou a outra naçáo , que tanto vai como 
inimiga. " afrontaria de Cepta. >' Ined. i 161. 
" guerra que obrigasse os Christáos a deixarem 
as frontarias , que tinháo em Africa. Cron. J. ?• 
p 4. c. u. §. Guerra na fronteira. Leão , CroH. 
i). Fern. f. 245. " no tempo destas frontarias. 
O presidio de uma praça , e o serviço militar 
nella. sino com que repicavÕo como cm frontana ãe 
contrários. Eufr. Prol. unha o povo de Marte con- 
tinua frontaria contra os Lusitanos. §. t. A pri- 
meira face , a mostra exterior. Jrraes , 7- 6. pro- 
mette hunui coisa na frontaria , e ra ponde com ou- 
tra na sabida. §. A fronte. tiroU-se dajronnu^ 
da fumada : de fronte donde elU vmha. íl. l. ». o. 



FRO 

FRONTE, s. f. Testa , ou rosto. TJlss. 1. ?•' 
S A parte dianteira que entesta com outra : da- 
qui , estar defronte de outro , ou com outro : de- 
frontar , estar no lado opposto , com rosto , fron- 
teira , ou frontaiia para a coisa , que esta no ou- 
tro lado ; estar fronteiro. §. Frente da terra , praya , 
ou costa. Lus. I. 10?. huma Cidade que na hon- 
te do mar apparecia. §. Face , vanguarda : v. g. 
da batalha. M. Líisit. i. ?co 
arrayal hum rio 
taro que vai muitas vezes a lumi. , 



tendo na fronte do 

, que lhe sérvia de cava. §. " can- 

muitas vezes a fonte , ou deixa a 



aza , ou a fronte. " prov. Vlis. i. i. 

FROxNTÈíRA , s. f. Confim , limite , estremo, 
raya. §. Capitão da fronteira ; fronteiro, f. M' 
Ltisit. §. Mulher , que mora em frontaria. hg. 
" as tentações ficáo fronteiras do Ceo. ' C .<^'^" 
mo o fronteiro , que milita por honra e premio ) 
Paiva , S. I. 101. §. Expedição contra terra d 1- 
nimigos , que ficava na fronteira. Elucidar. " pn- 
vile^^^io de náo irem em Oste , Fossada , Frontei- 
ra °ráo sendo besteiros, ou galeotes, ou nao in- 
do com el-Rei. 

FROiNTÈIRO , s. m. Capitáo de praça , que 
está nas raya^ , e fronteira inimiga, qtfe vos cbe- 
decw como a Capitão , e verdoileiro Fronteiro. Azu- 
rara , c. 100. §. Fronteiro mor : era o Capitão mor 
dos fronteiros. Jned. i. /'. 595- P^e^^ que era o 
de todas as fronteiras do Reino ; porque alias_se 
diz fronteiro Ja Beira , da Estremadura , é-c. Leac, 
Cron. D. Fernand. f 246. §. Soldado de presidio 
n..s fronteiras. Zo/^ ; Paiva, Serm. i. j. ico. f.^ 
" fronteiro que está vencendo uma Commeiída. 

FRONTEIRO , adj. Que está defronte de ou- 
tro. Barros : fronteiro d ilha. §. Sito nas frontei- 
ras : V. g' praça fronteira. 

FRONTERÍA. V. Frontaria. B. z. i. 6. ult. ed. 
FPvONTÍNO , adj. Cavallo—; que teni sinal 
branco na testa. §. Burro frontino , no f. pes- 
soa sem pejo , desavergonhada. Ulistpo,j. 51. sem 

decoro. , _ . , ., 

FRONTISPÍCIO, s. m. Fachada. Macedo : nos 
frontispícios dos paços. " fig. quem vos pintara ar- 
mado de diamante , no frontispício diajano do On- 



ente. Calhegos. §. O frontispício do livro ; a pagi- 
na primeira com o titulo. §. ( entre os arquite- 
ctos ^ c dianteira , obra que remata o pórtico. 

FRÒR, ant. Flor, dizemos agora. 

FRORÃO , s. m. ant. " a fusta . . . com 03 
frorÕcs alagou se. " Jned. 2. 566. o arrebentar o mar 
em flor , que acapella o navio ( frorao , flor 
em que o mar rebenta } 

FROTA , s. f. Número de navios mercantes 
comboyados por náo , ou náos de guerra. §• tt. 
mCiitos navios de guerra. Oi;d. Af uf ^^f- nia.s 
que armada. Ptnhiro, z. f. 46. o mar atalhado de 
íorte que nom cuide nossa íwt^ , mas as mesmas 
nossas terras lhe fazerem a guerra. Palmetr. p. 2. 



grande 



Ç. J 



:5o. soavão espantos da gramk troca 



mu- 
ni- 



-9¥ 



FRU 

tii^õcs Ma , mm de gigantes , e ferocidade del- 
Iti. Cáfila de navios. Lb/íW , 9. c. 6. 

FRÒUVA, s. h Ave parecida com a pega, tem 
a batri^i branca. Arte da caca , J. iii. ^. 

FROUXAMENTE , adv. Sem actividade , sem 
ener-^ia , com pouca diligencia, tibiamente, com 
negligencia, por comprimento, e formalidade. 

FROUXÉL, s. m. Fellosinho sucil , e brando, 
mais ainda que a pluma, das aves, f. M. c. 161. 

FROUXELÁDO , adj. Qiie tem houxel : v.^. 
dzas , o peito , e ventre — das aves. 

FROUXÈZA, s. i. Frouxidão no f. " a. frou- 
xeza da Jusiiça humana. " Arraes ^ 5. 4. 

FROUXIUÁDE , s. t. y. Froiíxcza. Fins Sanct. 

pag. XC!^'/Il. cot. I. 

FROUXIDÃO , s. i. O estado das coisas , que 
não estão estiradns , retesadas , mas bambas ; v. g. 
as cordas , ou correyas , ou rédeas não apertadas ; 
a largura , e mais que folgado dos vestidos. P^a- 
relia, era gala do scu adorno , a que cm César 
notarão frouxidão do vestido. §. /. Irresoluçào do 
animo, pouca actividade, falta de energia, pou- 
ca firmeza , pouco valor ; descuido do animo re- 
misso. M. L'M. sobre ^ floxidáo dos príncipes dor- 
me o cuidado dos ministros, t. 7. /. 241. §• Falta 
de diligencia no trabalho, 

FROUXO, adj. Não tezo , não estirado : v, g. 
corda — ; arco — ; vestido mais que folgado , lar- 
go. §, Terra — , V. Fraqmra. Jvcllar , Cronogr. 
§. fig, Irresoluto , tibio , negligente , remisso no 
que faz , nos negócios , no governo , Scc. §, ^ 
frouxo : V. g. foi a consulta a frouxo ; com to- 
dos os votos conformes, §. Estar a flux , ou a 
frouxo no jogo ; ter todas as cartas mayores , ou 
tudo trunfos , tirada a metaf. do fluxo , ou en- 
chente da maré. 

FRUCTÍFERO j adj. Que dá fruto : V. g. ar- 
vore — ; campo — . Arraes , 4- 15- 

FRUCTIFICÁDO , p. p. de Fructificar. Que ja 
tem fruto , caída a flor. " as larangeiras estão já 
fructifcadas. " ^ 

FRUCTIFICAR, V. at. Dar truto. " a planta 
friictifcará. " £. Gram. pag. 272. Dec. 1. i. 
2. " terra azada para fructificar todalas sementes, 
e' plantas de proveito. ** "Tudo iguãljruciifica , 
igual florece. " Utiss. i. 84. §• arraes ,1.1. fig. 
Produzir qualquer planta. Leão , Cron. jT. i. c 
98. terra grossa para fructificar todas as plantas. 
§. f. do animo , ou alma : dar de si obras do 
entendimento , ou da vontade. Lucena , J. 52^. 
que com sita virtude fructifiquem as almas : fa- 
zer fruto moral. Lucena, f. 5?. col, 2. com seu 
santo zelo fructificou muito naquella terra : Fios 
Sanct. pag. LXXFIL fructificar, não fruto da 
carne ^ senão do espirito, aquelle que mais traba- 
lhar , e fructificar , maior premio receberá, pag. 
CLII. doHtrina applicada a fructificar na Repub.^ 
Uhsipo, f. 8. '■'■ fructifiçassm em louvor de Deus. " 



FRU 



6? 




B. 1. 5. 1 1. ( cepas catholicas , ou gentios con- 
versos ^ " qujl historia será esta para fructificar 
em proveito próprio , e comum. " id. 3. Prol. 

FRUCTIFICATÍVO , ad). (^uc dá fruto, ou 
faz fructificar. virtude — . Paiva, Scrm. i.f. 205. -Jr, 

FRUCro, s. m. V. Fruto. 

FRUCTUÓSAIUENTE , adv. Com fruto , pro- 
veito , utilidade : v. g. negociar , pregar , estu- 
dar — : as terras tructuosamente roteadas. 

FRUCruÒSO , ad). Que da tturos. Terra fru- 
ctuosa. que ainda que Ormuz fosse estéril " per 
artificio elle esperava de a fazer mais fructuosa , 
que todo o seu Magoslão. " B. 2- 2. 2. Ane [rtl- 
ctuosa \ proveitosa ( a Comedia Antiga ). l/lisi- 
po , Prol. " o que he proveitoso , e JrucitiO' 
so. " Catbec. Rom. 6^4. §, Que concorre para dar 
frutos ; V. g. " ventos , e chuvas Jructuosas, 
Arraes ,9. 11. §. f. Útil , proveitoso : v. g. em- 
pregos , officiõs — . Arraes ,8, 14- " vida aprazí- 
vel , efructuosa. " oração — ; Fies Sanct. V. de 
S. Thomds : vergonha — . £. Gram. f. 270. 

FRUGAL , ad). Moderado na despeza , parco : 
V. g. mesa — ; homem — : sem luxo. 

FRUGALIDÁDE , s. f. O ser frugal : v. g. a 
frugalidade da mesa , nas despezas , aljayas , mo- 
veis , <ò'c. a parcimonia é mais estreita que a — . 
FRUGALÍSSIMO , superl. de Frugal. 

FRUGALMENTE, adv. Com frugalidade : v.g. 
viver — : passar — : tratar-se — . 

FRUGICÁDO. V. Forgicado. Eufr. 5. 2. Pou- 
co corrente , e fácil : estilo frugicado. 

FRUGÍVORO, adj. Que come, e se nutre de 
frutas. Animdes — 5 aves — ; e náo carniceiras , 
ou carnívoras. 

FRUIQÃO , s. f. O acto de go2ar , desfrutar ; 
logro , posse , gozo. Fieira, fruição de todos os 
bens. 

FRUÍR , V. n. Go2ar , desfrutar. Cunha , Hist. 
dos B. de Braga , t. z. f. 277. 

FRUITA , s. f. V. Fruta. Sousayfreq. e F. Mení. 
freq. tructa. 

^I^SÍíISírV- - — ""■"■*> 

culriyá-las , plantá-las d' arvores de fruto. Doe. ant. 

FRUITÍVO , adj. Que causa goso. §. Que con- 
siste em dcsftuitar: v. g. o direito fruitivo ; da- 
quelle a quem pertence o uso fruto : amor — j 
que goza. 

FRUITO. V. Fruto. Barros , Gramm. o iiúho do 
vicio. 

FRÚNCHO , s, m, mais Portuguez que Frun- 
culo , que é mais escolar , e pedantesco. Rccopil, 
da Cirurg. 

FPvÚNCULO , s. m. Espécie de apostemazinho, 
ou espinha carnal , ou fleimáo pontiagudo cora 
inflammaçáo , e dor. ■f 

FRUSTRADAMENTE, adv. Debalde, 

FRUSTRADO , pari. pass. de Frustrar-se. §. Fí- 



Y 
% 



\ 




'f 

t 




I 



FRU 

cm- frustrado ; o que não siiu com a sua per- 
lençao , que não conseguio o que negociava , es- 
perava. F. do Arceb. z. c. 27. — das esperançai : 
Lão , Cron. i. pag. 7. 

FRUSTRADÒB. , s. m. O que frustra e bal- 
da algúa empresa. 

FRUSTRXnEAMÈNTE , adv. Em balde. 

FRUSTRÀNIiO , adj. Baldado , inútil , sem ef- 
feito : V.. g' diligencias — ; disputa — : frustrane- 
as forão as outras sciencias. 

FRUSTRAR , V. at. Náo responder a algaem 
com o que lhe devíamos , ou esperava de nós , 
por promessa , ou obrigação ; baldar : v. g. " a 
vigilância dos Turcos nos frustrou o eííeito. 
Freire, frustrar as esperanças. %. — se : ficar sem 
o successo , êxito , eíFeito , que se esperava ; 
náo succeder : v. g. frusíráráo-se os rnens traba- 
lhos , e diligencias ; o meu amor ; frustrou-se a 
eleição. 

FRUSTRATÓRIO , adj. Váo , inútil , frustra- 
neo. Orden. L. 4. 50. §. i. seria frustratorio o be- 
neficio de -quem emprestasse , e pedisse logo a satis- 
fa<.ão da coisa emprestada. 

"fruta , s. i. Os frutos das arvores , pomos , 
abrunhos , e todos os que tem caroço , ou pe- 
vide : V. gf limões V laranjas. §. FrUta neva : es- 
pécie de albricoque. 

FRUTÁR. V. Desfrmtar. Colher os frutos. Elu- 
cidar. 

FRUTEIRA , s. f. Mulher que vende fruta. 

FRUTEIRO , s. m. Homem que vende fruta. 
§. Prato , ou vaso de levar fruta á meza. 

FRÚTICE , s. m. Planta menor que o arbusto. 
Telles ^ Cron. da Comp. 2- j. ^A- col. 2. zimbros , 
tojos , e outros frutices silvestres. 

FRUTIFICADO, p. p. de Frutificar. V. Fru- 
ctificado. 

FRUTIFICAR. V. Fructificar. " a doutrina mais 
applicada a frutificar na Repub. " Vlisipo , Com. 
Prol. " a falsa lei de Mafamede, que ssúm fr.'ítifico/{ 
por nossos peccados. " Couto , 4. 10, 4. £. Gram. 

f- 272- 

FPvÚTO , s. m. O producto do vegetal , que 
sahe da flor , e se diz das arvores , das searr.s , 
Bic. §. f. Frutos civis : o que se rira do comnier 
cio , do aluguer de casas , juro do dinheiro , 
qualquer mecânica, officio , ou industria , de que 
se vive. §. Pilhos : v. g. foi iwio .primeiro des- 
te matrimonio. §. f. O fruto dos estudos ; i. é , o 
melhoramento do entendimento , o que se adqui- 
re em razáo das lettras. §. Fr/íi^o de vicio. £. 
Gram. f. 272. 

FRUTTUOSO. V. Fructuoso. B. Gram. j. 270. 
• FRUXO. V. Frouxo. §. Fruxo de riso : risada 
longa sem interrupção. §. Diarrhca. Resende ^ Cron. 
J. 2. c. 208. 

FUAO. V. Fuiano. Eufr. 5, 10 

FUCINHÈIRA , e dcriv. V. Focinheira , Foci- 
nho , <ái'C. 



FUG 

FUÈIRO , s. m, Um dos páos fincados ao 
longo da borda do leito do carro , para empara- 
rem a carga , que vai dentro. 

FUGA , s. f. Fugida, Mon. Lus. Eneida , 12. 
63. §. Sospeito de fuga; i. é, que fugirá leve- 
mente , como capa em colo , ou que náo tem 
assento , ou tem poucos bens. §. Fuga , na Mus, 
período harmónico rápido , que parece expressar 
fugida ; ou quando diíFerentes vozes se seguem , 
repetindo o que a primeira voz cantou. §. Fu- 
gida : k. fazendo fuga dos vicios.para as virtUr. 
des. §. Fuga de casas : muitos aposentos com por- 
tas seguidas umas ás outras interiormente em li» 
nha recta. §. O vão , e espaço , que se dá para 
nelle andar , ou se mover alguma máquina, o 
pcior he , que os pannos dos muros não tem a fu- 
ga necessária , para o repuxo da artelkaria. Disc. 
Apologet. f. 124. ou a parte do edifício, contra 
a qual as outras restribão , e forcejáo de sorte , 
que cairiáo se ella as náo sostivesse. §. Entre 
fundidores , fuga , o óculo , ou buraco no rode- 
te do folie , por onde elle toma vento , e está 
tapada a _/«^^ com uma chapeleta de sola, pa- 
ra que o vento náo torne a sair , quando se fe- 
cha o folie, 

FUGACE, adj. Que foge rapidamente. Camões: 
a fugace lebre. Lus. 9. 65. §. Os fugaces annos , 
as fugaces horas; rápidos, fugitivos. 

FUGACIDADE, s. f. O fugir apressado : V. gi 
a fugacidade da vida, Ch/ígas. — dos dias ; —7^ 
dos gostos , e prazeres da vida , <ò-c. 

FUGALÁC^A , s. f. A corda , que se larga ao 
touro preso , ou á baleya harpoada , para corre- 
rem , e cançarem esbraveando-se , e náo mette- 
rem a pique o barco empuxando , ou barafustan- 
do, " lhe forão dando fulgalaç^a ( a um monstro 
marinho preso num laço ). '^ Couto, 6. lO- 20. 
§. O termo , ou' tempo , que se dá , para dentro 
delle se fazer alguma coisa. Couto 6. f. 2Í5. 

FUGAZ , ad). Fugace. M. Conq. 12. zz. qu.i- 
si da alma fugaz di/semparada : fugazes pés. MaU" 
sinho , f. 85. f. fugaz lebre; cavallo , '6-c 

FUGÈNTE , part. prés. de Fugir. Pintado cm 
figura , ou acção de Fugir. t. do Brasão. " o por- 
co montez deve estar fugmte. ^ Nobiliarch. > 

FUGIA.O , adj. Escravo — ; fujáo , costuma-i 
do 3 fugir ao senhor. Paiva, Serm. 1. f 155.' 

FUGÍDA , s. f. O acto de fugir , em quanto 
se faz , ou depois. §. Pòr em fugida : afugentar. 
Fieira : " pòs em fugida os inimigos. " Mettidos cm 
fugida : B, z. ^. lo. e mettcr em fugida ; pòr em 
fugida : id. 2. 2. i. e 3. 2. 2. 

FUGIDÍC.O , adj. Desertor. Ferreira , Cioso , /. 
1^^. fugidiço das galés. Couto, 10. 10. 8. 

FUGIDÍO , adj. O mesmo que Fugidiço. Cas- 
tan. 3. /. 65. " marinheiro fugidio. '^ 

FUGÍDO , part. pass. de "Fugir. Fugitivo : de 
que se foge. eu SOU dc ti fugida, passiv. Ecrr. 
Lgl 8. FU- 



FUL 



FUL 



6z 



FUGÍH , V. ar. Correr , e npartar-sc de algnm 
mal, perigo, ou coisa que opódehzer. §. Evi- 
tar , salvar-se , escapar. Banos, ^. f. 214. -f. fu- 
gindo de tantos perigos , não pode fugir iqtielk da 
morte, (]Ue lhe -estava limitada na "Jau a. quem kn- 
girá futuros males. Nnufr. de Sep. f. 86. Ferr. 
£gl. 8. /. 188. " a que o foge ( ao Leáò ). *' 
" foge o cobarde dos perigos ; o avaro foge as 
occasióes de gasrar. '^ Vasconc. Sitio , pag. p. uir. 
ed. §. Esquivar, evitar. " os homens foge ■, foge 
a \nz , e o dia. •'^ Ferr. Castro , /. 126, §. Fugir 
d vista : ser tão pequeno , que se náo divisa. 
§. Fugir de alguma coisa ; evitar fazc-la. " os 
Castelhanos /o^CTH de a escrever. " B, Pereira, Or- 
íogr. §. Fugir o corpo , ou com o corpo ao gol- 
pe, §. f. Foge o temp ; i. é , passa rapidamente : 
cuidar que lhe foge o tempo , dizemos do apressu- 
lado ,. que quer tomar o tempo muito de traz , 
e fazer as coisas mais cedo do que Gonvèm , te- 
mendo que lhe falte depois. Lobo. §. Fugir o pé : 
escorregar. §. Fugir a terra debaixo dos pés : náo 
poder soster-se , e cair , diz-se do que fica ator- 
doado , que parece não sentir onde pói os pés. 
§. Fugir a voz : fazer fuga na Musica. §. Fu- 
gir-se. " com que se foge , e náo se acaba a vi- 
da. >" Cam. Snt. i. §. Este verbo é irregular , 
por que muda o U em 0; v. g. Fuge , Fuge no 
Imperar. Lus. 2. 61. hoje dizem Foge no Indic. e 
Imperar, elle foge , foge-tu. Também muda o g 
em j antes do â , e do o : eu fujo , fuja elle , 
&c. 

FUGITÍVO , adj. Que fugio : V. g. " escravo 
— . ^^ §. Que foge, ou passa rapidamente , fugaz : 
V. g. os fugitivos annos ; esperanças — . Camões , 
Out, 7. est. ?2. §. Kio fugitivo. Galhegos , 4. 60. 
§. Razões — : que delongáo o processo , que de 
Direito náo pode embargá-lo. Orei. Af. 5./. 192. 

FUJAO. V. Fugião. Escravo — . 

FUÍNHA , s. f. Espécie de marta , ou raposa 
pequena múi daninha , que mata galinhas , e pom- 
bos. 

FUÍNHO , s. m. Ave , que anda pela lenha , 
e arvores pastando se de moscas. ( Certhia ) 

FULA , s. f. Empola. §. Entre os Canarins de 
Goa , flor. §. Fula fula ; pressa de gente , aper- 
to. ( de Foule : Franccz. ) §. Liquor forte espiri- 
tuoso , usado na Ásia. Camões na Carta ?. da 
Jndia. 

FULANA, FULANO: usamos destas palavras , 
quando queremos faliar de uma pessoa , sem a 
dar a conhecer : v. g. disse-me um fulano ; Uma 
fulana cujo nome me esqueceu : " Donde parece des- 
cortezia escrever em petições , nem em parte al- 
guma , diz Fulano , que hum Fulano , porque 
aquellc hum he fazer o outro muito baixo , e 
vil. -^ Leitão c? Andrada , Dialog , 18. p. ^A9' 

FULGENTE , part. at. ( do Latino fulgens ) 
poet. Que luz comg o fuzil , ou darão , que pre- 

Tom. IL 



cede ao trovão. Naufr. de Sep. o résplandor ful- 
gente : /. 109. a lamina fulgente da espada, ''ful- 
gente e armado Mavorte. '' Lus, 6. 58. " estrel-. 
las — . » id. 10, 88. 

FULGENTÍSSIMO , superl. de Fulgente, .^r- 
raes , i. 10. Sol — . 

FÚLGIDO , adj. poet- V. Fulgente. 

FULGOR , s. m. O résplandor , e brilho de 
algum corpo ; poer. o fulgor do Sol. Eneida, :}. 
1:52. — rosado : e 8. 104. na fabrica dos raios 
para Jove misturavão os fulgores terríficos ; /. é, 
o clarão que precede ao trovão. §. fig. O fulgor 
dos olhos. 

FULGURA, s. f. ant. Folgança , folga. Ord. Af, 
I. /. 28^ 

FULGURADO , p. p. Ferido do rayo : fig. des-í 
lumbrado do clarão muito forte da luz. 

FULGURANTE , part. prés. ( do Lat. FulgU^ 
rans ) Fulguroso. a espada — ; o rayo — ; o es-, 
cudo — . 

FULGURAR , V. at. Abrir clarão , que prece- 
de o rayo , lançar coriscos , ou rayos» §. r. Bri- 
lhar milito , lançar espadanas de fogo. Faria c 
Sousa. Eneida , 9. 6. " com os vestidos bordados 
fulgurando. ^^ " fulgurando nas armas de Lano^ 
so. '^ Uliss. 8. çç. 

FULGUROSO , âdj. Que fulgura. Elegiãd. f. 
lyj. f. vè saturno , perverso, e fulguròso. 

FULHÈIRA , s. f. Trapaça no jogo. 

FULHÈIRO , adj. Trapaceiro no jogo , o que 
amassa cartas , ou finca dados , ou faz pandi- 
Ihaj. 

FULÍGEM, s. f. A borra negra , que o fumd 
deixa assentada nas chaminés , e panellas , vul- 
garmente ferrugem , ou feluge. §. Entre os Mé- 
dicos , é vapor , que de escrementos adustos se 
levanta á cabeça para nutrir os cabellos. 

FULIGINOSO , adj. Denegrido com felugemí 
Fieira : " entre estes grandes vasos fuliginosos , 
e tisnados. ^^ 

FULLÀME , s. m. antiq. " Saberão se ha hi ar- 
mas de corpos d'homens , ou tróos , ou enge- 
nhos , efullame delles. ^^Orden. Afons. i. 27. 12. Se- 
rá abundância , do Inglez full ? ou apellamento ; 
i. é, os aparelhos para os trons , e engenhos po- 
derem jogar , e laborar ? 

FÚLLO. V. Fulo. " ofíúlo Same. '^ (o fulo Sa- 
muel : Same abreviar, em Inglez de Samuel. ) 
Garção , Odes. 

FULMINADO , part. pass. de Fulminar. " os 
azinhos fulminados. '^ Eneida , 12. 16^. " arvo- 
res dos rayos fulminadas. '' Uliss. 4. 9. §■ fig- P/o- 
posto , e disputado : v. g. Libello — em 22 dias. 
Ined. 1. f. 48. 

FULMINADÒR , s. m. O que fulmina , lança 

rayos. 

FULMINANTE , p. prés. de Fulminar. « relâm- 
pagos ao vmmáo fulminantes.^* Lus. 6. 78. Fulmina- 

I der , 




-tiry*. 



FUL 

dot , fig. a espada com que assististes fulminante ao 
lado de vosso saccessor. Fieira , 4. «• i4i- §• O 
cue faz rayos. Insul. 5. 11., §. Que imita o rayo. 
M' Conq. 10. 124/^^/^ o /íizem í/e peí(-<í fulmi- 
nante : a espada fulminante. Galbegos, 2. 50. §. Le- 
aião — . V. Legião. §. Ouro fulminante : ptepa- 
laçáo de ouro na Quimica , a qual exposta ao 
calor rebenta com grande estrondo , e estampido, 
e faz o seu eíFeito para baixo , e contra o fun- 
do da colher de ferro , em que de ordinário se 
pói ao lume. §. Barris fulminantes ; t. de Bom- 
beiros ; são barris cheyos de artifícios de togo , 
que se arrojão aos inimigos para es expulsar dos 
alojamentos. Exame de Bomb. p. 569. 

FULMINAR , V. n. Lançar rayos. entenebrece- 
fem-se as estreitas , relampadejar o Ceo , fulminar 
o ar i trovoarem as nuvens. Paiva , Serm. i. por 
mais tempestades que fulmine o Ceo. Fid. do Ar- 
ceb. I. 14- c'um rayo furibundo que do luzente 
polo Ibe fulmina. Eneida , 7. 179. §. fig. Raios ful- 
mina de Fukano : Insul. ( fallando da artelharia 
no sent. activo ) MH golpes jtúmina ; i.é ,àá com 
força, como a que o rayo traz. Galheg. 2. 121, 
e 16$. fulminando mortes. " O continuo fulminar 
da artelharia. " Cron. J. 5. p. 4. c. 102. §. fig. 
«« fulminando braveza , e ameaças. " F. do Are. 
3. i^. §. Fulminar nadas : dar grandes golpes , 
empregar muita força em corpo fraco, que é 
como nada. D. Fr. de Port. dar grandes penas 
a miseráveis. §. Fulminar anathema contra al- 
guém j escomungar : fulminar sentencia ; dá-la. Fi- 
tira: sentença fulminada por Deus. " os conser- 
vadores ( das Ordens Militares) fiilminavão in- 
hibitorias , e excomunhões. " Fida do Jrceb. 3. 
r. 8. Fulminar processo ; autuar , processar. /íntig. 
de Lisboa. §. E assim fulminar a prisão dei- Rei ; 
maquinar. P. Per. L. i. /. 104. Fieira, Cartas , 
2. F. f. 525. disgraç^a que me consta se fulminou 
for ordens secretas. §. Fazer estrago : v. g. a ar- 
telharia fulminou o inimigo. §. Castigar com ri- 
gor, quantas vezes havia de ter o Sol de "jus- 
tiça fulminado com seus raios as rcbeldias das nos- 
sas ingratidões. Fieira. §. Fulminar castigo , amea- 
ças , <ò c. 

FULMÍNEO , adj. poet. Que tem o brilho , e 
a força do rayo , para fazer os mesmos estra- 
gos. §. f. M. Conq. 12. 65, a dextra armada de 
fulminea lani^a. Eneida , <j. 195. o fulmíneo Mnes- 
teo : azas — de Cupido. 

FULMINÒSO , ad). Que respeita ao fulminar. 
. Naufr. de Sepuiv. f. 55. f. com fuIminosa^íníí«í- 
iria ( falia do que quiz imitai os trovões , e 
tayos de Júpiter ) . 

FULO , adj. Diz-se do preto , e do mulato, que 

náo tem a sua còr bem íixa , mas tirante a ama- 

ícllo , ou pallido. Barros , 1.4. ?• homens fulos 

. /. 6C. col. 2. ♦' o fulo Same : " Garç^ão, Odes , i. 

^ } Q fulo Samuel , npme abreviadg na Lingua In- 



FUM 

gleza em Sam , a que o Poeta deu desinência 
em Same por amor do rithmo. 

FULVO, adj. Còr entre roixo , e amarello , 
ou amarello tostado , como a dos veados ordi- 
nariamente. Fasconc. Not. " nacem os índios huns 
alvissimos , outros mais baços , outros fulvos. "■ 
§. Còr dourada \ v. g. o fulvo Leão , <ò'C. " o 
fulvo ouro. " Ltis. 10. 5. 

FUMÁqA , s. f. O fumo , que sai do fogo. 
§. Vapor de licor forte , que vai á cabeça , e 
tolda o juizo. §. f. Fumos de vaidade. §. Fumo 
que se faz com papel , ou lá a quem teve des- 
mayo , &c. 

FUMADA , s. f. Fumo feito para sinal áe re- 
bate , e appellido ao longe. Ined. 2. /. 593. an- 
davão fazendo suas fumadas : para convocar socorro 
dos vizinhos. 

Ç FUMÁDEGO , s. m. antiq. • _ 

(^ FUMAGEM , s. t. antiq. Pensão que o direito 
Senhorio recebia de todas as casas de seus vas- 
sallos , ou colonos pela faculdade , ou direito de 
habitarem. Elucidar. 

FUMANTE, p. ar. de Fumar. Eneida, 12. 80. o 
fumante suor. bramou, gemeu o cárcere fumante. 
M. Conii. 2. 8. §. Espirito de nitro fumante ; que es- 
tá fumeando na redoma , e se inflama com óleo 
de cravo &c. '"' 

FUMAR , V. n. Fumegar. §. íig. Jrraes , 4. 27- 
" fumar blasfémias pela boca. '' §. " O cavai- 
lo brioso pelas ventas sopra , e fuma. ^^ Aíau- 
sinho.f. 57. f. §. no f. Ter muita raiva, ira. §. Con- 
sumir , e fazer em fumo , que desappatece , dis- 
sipa : V. g. a fazenda , no sent. activo. " já fu- 
mou tudo. " 

FUMARÁDA , s, f. Milito fumo. §. f. Orgu- 
lhosa presunção, e vaidade. Fieira. " sobem as 
fumaredas ao alto. " P. Ribeiro , Rei. 5." §. 36. 
FUMARIA , s. f. Herva , fumo da teria. 
FUMEÁR. V. Fumegar. Firiaio Trágico. 
FUMEGAR , v. n. Deitar fumo, fazer fumo. 
suspirava Ulisses por ver fumegar as chaminés da 
sua pátria. Macedo , Domin. §. Elevar-se como 
fumo. Curvo : humores que fumegando d cabeia , 
ò'C. Eneida, 11. 221. " vio com o pó negro o 
campo fumegando. " §. Descobrir-se por indícios, 
e leves mostras. Paiva, Cas. 11. não se podem en- 
cobrir sem fumegarem as a^ei^Ões , e costumes. 

FUMEIRO , s. m. O vão da chaminé por on- 
de se encaminha o fumo para sair ; nelle se põi 
a curar carnes , peixes , &c. C^rne de fumeiro ; 
í. é , curada ao fumeiro. 

FUMÍFERO , adj. Que lança fumo : v. g- " a 
fumífera tea. >^ Eneida , (j. 19- 

FUMIGAR, v. at. antiq. Fazer fogo. " Serão 
obrigados a viver nas ditas casas , e as jumiga- 
rão. '' Elucidar. 

FUMO , s. m. A humidade , e outras partes 
oleosas , e heterogéneas , que o fogo desenvol- 
ve , . 



FUN 

ve, c hz subir -ao ar em corpo mais ou menos 
denso. §. O vapor denso , que se exhala : v. g. 
do vinho , do csrerco , &c. §. i. Vaidade , pre- 
sunção. Sá Aíir. " Dos fmnos daquelloutro , e 
opinião. ^^ Fcnctrn, z. f. i8. ^^ frmo de vaida- 
de. ^' Jicsaule, Vida , /. 7. " os vãos da terra nos 
fumos , e apparencias dos seus faustos. " Fid. do 
uirccb. 7,. 14. Tornar em filmo ^ fig. tornar em na- 
da. Eneida , 9. 75. " o vento todos ( os recados ) 
em fumo torna em hum momento. "'' §. Tecido 
de seda preta , crua , que se traz por luto ; é 
mui raro. §. Fawo da terra : herva molarinha 
{capuosy §. Carne de fumo ; chacinada, curada 
ao fumeiro. F. M. c. (j-j. 

FUMOSIDÁDE , s. f. Fumos , vapores. Fumosi- 
dades que vão ao celebro. Ined. 2. 466. 

FUMOSO , adj. Que lança fumo , e vapor con- 
densado. " terra húmida com as aguas , e quen- 
te do Sol , que cria grandes arvoredos , com que 
ella fica mui fumosa de tão grossos vapores. "^ 
£. :5. 5. I, C V. yl/umado) — nUvem : Seg. Cerco 
de Diu. §. Vaidoso , presunçoso , orgulhoso. Bar- 
ros , D. ^. 2. 8. " os Chiis nestas cousas eráo 
mui fumosos. " jírraes , 9. 15. povo cego, e fumo- 
so. Fídra , 4- "• ?I7- 

FUNÀMBULO , s. m. Volantim , ou volteador, 
o que faz habilidades , e equilibtlos na maro- 
ma , ou coida. P.A4aniíel Bernardes. 

FUNCqlO , s. f. Exercicio de faculdades físi- 
cas : V. g. as funcções vitáes do corpo. §. De fa- 
culdades moráes ■■, as funcções , e vezes do ma- 
gistrado. §. Festa, oú festim em casa , ou nos 
templos. 

FÚNCE, s. m. As. Embarcação de remo. F. 
M. f. 274. hím funce tamanho de huma galeota, 

FUNCHAL , s. m. Campo de funchos. 

FÚNCKO , s. m. Hetva hortense vulgar, de que 
há muitas espécies ; o manso c ftcniculmn , o bra- 
vo bypcmarathrum , ou fenkulum erraticunu%. Fun- 
cho "de porco ■■, peucedano. §. Marinho — : creta ; 
fíCniculum marinum. 

FUNDA , s. f. Pedaço de coiro como uma lar- 
ga fita , curto , de cujos extremos saem atilhos , 
um cnvolve-se no dedo , ou mão , o outro aper- 
ta-se entre os dedos , e assim se revolve , e ati- 
ra a pedra que está no coiro, §. Arca de mo- 
veis , espécie de estojo. Leão , Destripe. §. Liga- 
dura , ou peça de soster , e cobrir os peitos , usa- 
da das mulheres. Castan. i. f. 115. §• Botão com 
correyas ou mollas , o qual se applica , e aper- 
ta contra as roturas , ou quebraduras , para não 
sair por ellas o intestino , e não descer polo an- 
nel relaxado ao escroto ou bolso dos testiculos , 
&c. §. Espécie de capa , ou bainha ; v. g. para 
cobrir o escudo. Castan. L. 3. fundas quêcobrem 
os ferros da lança. Palmeir. i. p. c. ij. e :,. p. 
funda do escudo \ funda, da bandeira. Ord. Jf. i • 
/. 287. " Levar nossa bandeira mettida na fm- 



FUN 



6y 



da. " " tirar a Cruz Arccbispal dá funda '. *' Le* 
ão. De ser. f. 110. ult. ediç^. 5- O que alguma coi- 
sa funde, ou rende. Jlarte, f. 125-. denota abun- 
dância , e boa funda de vinho : i. é , bom rendi- 
mento, e safra. 

FUNDAÇÃO , 3. f. O acto de fundar, e crl-; 
gir ; V. g. mn edifício , collegio , cidade , hospital. 

FUNDADO ,part. pass. de Fundar. " valia ben» 
fundada :" Jned. 5. 47?. bem profunda. §. fig. Que 
tem fundamento , e base : v. g. fundado em vir- 
tude. Paiva , Cas. 5. §. Tinha o coração — em pro- 
funda humildade. Fios Sanct. f. 14?- coL 1. " o 
alicerce ( do Estado ) fundado sobre orfás ampa- 
radas com maridos. ^'' Cam. Est. idas. 13. §. Co- 
nhecimento fundado ; profundo , não superficial, se 
a alma está bem — neste conhecimento. Paiva, _S. i. 
/, 75. Santinhos mal fundados , íjue andão tão oti- 
f anos com humas flores de virtudes, id. f. 12. §. Edi- 
ficio fundado das victorias ; com os despojos dei- 
las. B. I. 4. 12. §. Ligado com funda para sos- 
ter- a rotura. §, Queixa , aggravo fundado ; que 
tem fundamento , e causa justa. V. do Arceb. 5» 
15. " sem queixa fundada da parte. ^* 

FUNDADOR , s. m. ora f. Pessoa que fundou 
Cidade , Templo , &c. 

FUNDÁGEM , s. f. Borra , pé , sedimento de 
liquido. 

FUNDAMENTAL, adj. Principal ; que serve de 
base , cimento , fundamento : v. g. os princípios 
fundamentáes ; as razoes fundamentáes da questão, 
§. Lei fundamental : aquella em que se contem 
as convenções entre o Soberano , e a Nação , 
á cerca do uso dos Direitos Majestáticos , e da or- 
dem de succeder na soberania : Ribeiro, Juizo Histi 
ou as Leis , que determinâo a Pessoa , ou Pes-. 
soas em quem reside , e entre quem^ se repar- 
te o exercicio dos direitos Majestáticos , que 
constituem a Soberania do Monarca , ou das au- 
toridades constituídas na Republica , para legisla- 
rem , executarem as Leis , e defenderem o Es- 
tado. 

FUNDAMENTAR , v. at. Assegurar , estabilitar : 
V. g. fundamentar a posse , fundamentar o razoa- 
do em provas de facto , testemunhos , ou textos , c 
razões jurídicas. 

FUNDAMENTO , s; m. Cimento, alicerce. §. Fa- 
zer de fundamento : levantar edifício desde os ali- 
cerces. Nobiliário. §. A coisa , ou pessoa era que 
fundamos , ou em que pomos a esperança , con- 
fiança de conseguir alguma coisa : v. g. sobre coi- 
sas vãas fiz o fundamento de minhas felicidades^ 
Eufr. 5. 6. 192. he grande engano fazer nenhum 
pai fundamento de filha : pessoa em sua casa de 
quem o Imperador faz todo seu fundamento. Hisi. 
dos illustres Tavoras , /. i iB. " as forças , de que 
fazia fundamento para sustentar Arzila. "^ Croiu 
J. 5. p. 4. c. 49. §• Facto , ou razão , ou ex- 



I periencia , em que se funda 
I ii 



algum 



raciocínio, 
lei. 





FUN 



FUN 



lei , sentença , &c. §. Saber a fundamento ■■, i. é, {dos. Escola Decurial , t.^^ n.^i^i, 
bem, e profundamente, náo d' ouvida , nem su- "" ^' 

perficialmente. §. Fazer fundamento : ter tensão , 
e resolução assentada para algum fim , propor- 
se por fim , e certo commettimento. " Que tan- 
to fundamento fazíamos de conquistar a terra , 
quanto do commercio da especiaria. ^^ B. i. lO. 
4. caso: '■^ (\\iQ fizessem grande //Sín^i^memo úa ami- 
sade dos PortSguezes ( para bem comum de to- 
dos ). " idem , ^ 5. 7- 

FUNDANÈIRA , s. f. antiq. Do couro a parte 
taixa , da borda, as garras? Ined. t,. 527. 

FUNDAR , V. at, Lançar os íundamentos , ali- 
cerces. §. Edificar , erigir: v. g fundar uma ci- 
dade , templo , hospital. " Deus que fundou o Ceo , 
a Terra , o mar irado. " Cam. Eleg. 11. §. fig. 
Estabelecer em principio , facto , razão , teste 




munho , autoridade : v. g. fundando a sua cren- 
£a na Escritura Santa ; o seu juizo , e argumen- 
tos nas experiências ; a sua these , ou asserção nos 
textos origindes , é^c. autenticar o milagre " {^a- 
ra pertendermòs , e fundarmos a Canonisação de 
quem &c. " F. do árceb. í,. 20. §. Sondar , ou pene- 
trar c'o pensamento mais ao fundo, ou occulto das 
coisa?. F. do Arceb. 3. 19./. i4i- outros fundaváo 
mais o negocio, e diztão. §. fundar uma vasilha, jpòi- 
Ihe fundo. §. Fundar, n. a arvore tunda muito; 
i. é i lança as raizes profundamente. §. Assentar 
como em alicerce , ou fundamento. F. do Ar- 
teb. L. 6. c. 17. " huma peanha . , . do altar so- 
bre quem/«níi^v^. " §. Fundar-se em alguma coi- 
sa j fazer fundamento : v. g. " fundai-vos lá ago- 
la em coisas do mundo. " Eufr. 5. ^, 

FUNDEAR , V. n. Ir ao fundo. Brito : quando 
fis baleas tornão a fundear. §. Dar fundo. §. To- 
car no fundo. Barros, 2. 8. 3. fundeava em algu- 
ma cabeça de areia ; o navio. 

FUNDÈIRO , s. m. O que faz fundas. §. O que 
atira pedras com funda. 

FUNDENTE , p. de Fundir , que se usa adj. 
ou subst. Os fundentes são os corpos que ajudão 
a derreter certos metáes , areyas , pedras , que 
lacilitáo a fusão. §. Na Medic. remédios — ; que 
promovem a fluidez , e evacuação de alguns hu- 
mores , ou matérias grassentas , e viscosas , pu- 
rulentas , &c. _ 

FUNDliiULÁRlO , s. m. O que atira com fun- 
da. Fieira. 

FUNDIÇÃO , s. f. O acto de fundir metáes. 
§: Fabrica de fundir obras de bronze , e ferro , 
como canhões, sinos, &c. §. Fundição de forja; 
é a de ourives em cadinhos. §. Fundição de for- 
no ; é a. das grandes fundições para sinos , ca- 
nhões , estatuas. §. De classia ; quando o metal 
se derrete , rodeando o vaso de barro , e arame , 
&c. §. Metal fundido. 

FUNDIDO, part. pass. de Fundir, §. fig. Arrui- 
nado de bens. f). Olhos fundidos ; &ntnidos,çnço\n- 



FUNDIDÒR , s. m. Oíficial que trabalha em 

fundição. 

FUNDÍLHO , s. m. Peça das seroulas , a par- 
te dos calções , que fica entre_ as pernas por bai- 
xo dos testículos , usado de comum no plural. 

FUNDIMÈNTO , s. m. Fundição, o acto de 
fundir metáes. Ined. 3. 45O. 

FUNDÍNHO. V. Fundilho. P. Per. 2. /. 88. 

FUNDÍR , V. at. Derreter metáes^ , fazer obra 
de metal fundido : v. g. fundir canhões , estatuas , 
sinos. §. f. Render : v. g. a azeitona , ou vinho 
fundiu pouco este anno ; a seara fundiu bem. §. f. 
As palavras fundirão pouco para seu requerimen- 
to. Barros, este seu jundanw.to lhe fundiu pouco : 
Barros : Euf. z. s- i- é , aprove. tar , ser útil, 
contribuir. " o qual trabalho lhe não fundio a seu 
propósito.^' Barr. 2. 7.4- §• Render, lhes pode fun- 
dir mais honra , e credito. Paiva , Scrm. 1. /. 17. 
§. Fundir a casa com brados : gritar muito. Guia 
de Casados. §. Fundir-se : tender , dar de si ; ir 
abaixo , ao fundo com o peso. Palm. p. 2. c. 99. 
" raios , trovões , terremotos taes , que parece 
que a terra se fundia : " ou " se abrira a terra , 
e se fundira , ou outro diluvio a alagara. " Fios 
Sanei, f CCXXXF. col. i. §. Esconder-se para 



baixo ; v- g. com os annos . . . tundem-se , e enco- 



vão-se os olím. §. Fundir cabeddes ; consuji.ir. nes- 
ta obra se fundiu miíito dinheiro. §. Muitos na- 
vios fundidos na carreira da Ásia : idos ao fundo. 
FUNDO , s. m. A parte interior do vaso , on- 
de assenta o liquido : o fundo do rio , ou leito» 
lastro ; o fundo do mar , do pc^o , tanque , caver- 
na , cova. §. fig. da fístula ; o baixo opposto ao 
alto , boca , &c. §. Deitar a fundo , lan.ar no 
fundo ; e f. deitar abaixo. Cron. jP. i. c 12. o 
fundo do monte. Ourem , Diar. f. 603. polo rio, 
ou rua «. fundo ; i. é , abaixo : neste sentido c 
antiq. Cron. do Condest. " de des libras afundo : '^ 
i. é, para baixo. Orden. Afons. 2. pag. 585. e 1. 
pag. ^3. §. 16. " Escreve logo hl a fundo. '* 
Gil Fie. Obras , 4. /• 244. f- §• Profundidade , al- 
tura : V. ^. " este poço tem muito /«híÍo. " §. Dar 
fundo o navio ; surgir , lançar ferro , ancorar-se. 
§. Dar fundo ao navio ; mettè-lo no fundo ; a pi- 
que. Amaral , c 4. e no c. 6. dar fundo aos mor- 
tos ; lançá-los ao mar com pesos , para item ao 
fundo. §. it. Metter a pique. Castan. 5. c. 87. 
davão fundo aos inimigos. Lançar ao mar. " de- 
rão fundou mais de 80 pessoas." Couto , 10. 8.^ 16, 
§. Achar o fundo a alguma matéria ; percebè-la , 
comprehendè-la bem. §. Ir ao fundo : ir a pique. 
§. O fundo dos negócios , c matérias ; o princi- 
pal , o mais ditflcil delles. Lobo. " ver o fundo 
ás mentiras do mundo. " Paiva , S. \. f 6. §. Ir 
ao fundo : sondar , profundar. Sá Mir. %. Metter 
alguém no fundo ; argumentando at,dhá-lo , en- 
leá-lo , embaraçá-lo, convencè-lQ, Jiracs , 3. i. 



FUN 

§. Fundo do exercito , a rcngnarda ; ant. hoje di- 
zemos tanWí (k fitndo ; i. é , tantos homens for- 
mados em tileiri uns atraz dos outros: v. g. a 
três de fundo ; em 5 fileiras umas atraz das ou- 
tras, 'tein vveito tundo , e pouca frente , ó-c. §. O 
fundo da pintura : os objectos que se represen- 
táo lirarem atraz do principal. §. Modernamente 
dizem o fundo, o capital, a substancia, e facul- 
dades : V. g. o fundo daffclla casa , de uma com- 
panhia , <á^c. '§. Navio cjue demanda muito — ; 
milito alto de t]uilha , que desaloja muita agua, 
opposto a raso por baixo. M. Pinto, c. 42. "de- 
verá saber o piloto, que tundo demanda o seu 
navio. " Cro)i. '^. ^. p. 4. c 68. " dcmandavão mui- 
to menos — . " 

FUNDO , aJj Alto , profundo. Fieira, veia mui- 
to funda. §. fig. Qce se nâo entende facilmente. 
C. Rei Seleuco. " a vclta do mote he zko Jiín- 
da , que nem de mergulho a entenderão. " §. Dia- 
mante — : o que é igualmente facetado por bai- 
xo , e por cima , como os brilhantes. V. Rosa , 
chapa. 

FUNDURA , s. f. O espaço d'alto a baixo. 
" rotura na terra de immensa futidttra. ^^ Aí. 
Lus. §. íig. Profundidade, yluto do Dia de Jui- 
%o. H. Pinto , f. 44. metidos num abismo , e fun- 
dura de pensamentos. 

FÚNEBRE, ad). Que respeita a exéquias, fu- 
neráes. §. Orarão fúnebre ; em louvor de algum 
morto. §. Pompa fúnebre; do enterro. §. Triste, 
melancólico , ou que inspira tristezas : v. g. o fú- 
nebre cipreste , <ò^c. 

FUNERAL , s. m. Exéquias , enterro , que se 
faz. 

FUNERAL , adj. Que pertence a enterros , exé- 
quias ; fúnebre. §. Que causa , traz , ou annun- 
cia motte. Vieira , Carta 49. do t. i. fogo fu- 
neral , ou rogai , onde se queimaváo os mortos. 
Eneida, 11. 45. §. Levar as armas em funeral 3 i.é, 
com as pontas , e bocas para a terra, 

FUNÉREO , adj. poet. Fúnebre , funeral. Cam. 
o funéreo enterramento. §. Que pertence a enter- 
ros. Eneida, 11. 3^. e oí funéreos brandões nas 
mãos accesos. 

"FUNESTAÇÃO , s. f. O acto de funestar. 

FUNESTADO , part. pass. de Funestar. 

FUNESTADÒR , s. m. ou adj. Que funesta. 

FUNESTAR j v. at. Profanar com sangue ; en- 
iristecer com a morte de alguém. Vieira, podeis 
cair , e dar queda , que funeste hum dia tão ale- 
gre: os quaes bens todos funesta, consome, e aca- 
ba o dia da morte. 

FUNESTÍSSIMO, superl. de Funesto. 

FUNESTO , adj. Mortal , ou que acompanha a 
morte : v. g. doença , accidente , symptoma funes- 
tos. §. Triste j deplorável , mteliz , desgraçado : 
v.g. successo , accidente — . §. Fatal. 

f ÚNGaO j s. m. Espécie de cogumelo , mas 



com diversa figura ( fungus pulvertíkntus ) : sc- 
ca-se , e dá uns pós de vermelho escuro paia 
tingir linhas , &c. há muitas espécies de fungáos , 
pola mayor parte são venenosos ; os menos ve- 
nenosos sáo os boi.tos ; e os melhores de comer 
aquelles que sáo cheirosos , e enxutos. 

FUNGAR, v, n. Fazer sonido, ou rohco sor- 
vendo o ar pelos narizes. 

FUNGO , s. m. Excrescência de carne verme- 
lha esponjosa , que nas feridas da cabeça sae 
pelo buraco da fractura. §. Cogumelo venenoso. 

FUNGÒSO, adj. Poroso, e esponjoso, a modo 
do cogumelo. 

FUNICULAR , adj. Máquina — ; em cujo tra- 
balho , ou composição entrão cordas : t. de Me- 
cânica. 

FUNÍL , s. m. Vaso de vidro , ou metal de 
boca larga campanada , da figura de um cone ás 
avessas , terminado em ponta que se embebe na 
boca dos vasos estreitos , para se encherem de 
liquido , sem se entornar. §. Dar alguma cotsa 
medida sobre o junil ; i. é , mais , além do que é 
devido, da justa medida, do promettido , ou es- 
perado. C. Filodemo, ato 5. se. 4. " deu-lhe a for- 
tuna seus gostos medidos sobre o funil. ^' fr. h-, 
mil. ( Inglez , funnel ) 

FUNILÈIRO , s. m. O que faz funis. 

FURACÃO , s. m. Vento repentino , e impe- 
tuoso , que de ordinário se move em rodomoi- 
nhos } é tal a sua violência , que ás vezes sub- 
merge navios , arrebata grandes pedras , derriba 
casas, &c. 

FURADO , part. pass. de Furar. %. Mal-fu- 
rado : doença de feitiçaria , ou bruxaria. Eiijr. 

1. A' 

FURADOR , s. m. Instrumento de ferro , de fu- 
rar. §. No jogo do ganaperde , chamáo-se fu- 
radores as cartas menores. 

FURÃO , s. m. Animalejo , de que os caça- 
dores usáo para caçar raposas , e coelhos ; en- 
trando pelas suas tocas , e fazcndo-os sair polas 
bocas delias , onde os caçadores tem redes es- 
tendidas -, e talvez aterrando delles , e trazendo- 
os a cima. §. f. O entremettido , curioso , que 
averigua , e descobre o secreto , e escondido. 

FURAR , v. at. Fazer buraco com furador , 
ou instrumento pontudo. §. íig. Furarão os PortU- 
guezes o Oceano : abrirão , ou franquearão o pas- 
so por elle. V. do Arceb. foi. 161. col. 2. §. Pe- 
netrar com o entendimento. §. Furar a noite , 
na Universidade ; não estudar nas tristes , ou as 
três horas do costume á noite, 

FÚRCULA , s. f. Anat. V. Milha , e Clavi-, 
cuias. 

FURÉNTE , p. adopt. do Latim. Que está en- 
furecido, poet. p. us. as — Eumenides : o vento , 
Noto — . 

FURFURÁCEO , adj. Como farelo. C'<rvo : 

hum 



» 



l 




^MMIí:^. 



FUR. ' 

« hum polme filrfurdceo. ^> . 

FURI^V s. f. Fabularão os poetas três Inuias , 
filhas da noite , alias Dirás no Ceo , Eumenides 
no Inferno , e Fúrias na terra , as quaes acormen- 
táo aos condenados. Camões , Ode ^. F. o Dlcc. 
da FabííU. §. Agitação violenta , causada no ani- 
mo pelas paixões. §. A grande força , e agita- 
ção , ou impressão das coisas inanimadas : v. g. 
a fúria das ondas , do vento. Lucena, a funa do 
tempo , ou temporal. §. Acção desacostumada , que 
se faz de repente , por brinco , ou nesse gosto. 

FURIBUNDO , adj. Furioso. " a suberba do 
imigo furibundo. " Camões : destmÃo furibundos 
a si próprios. Farella. — ondas. Cam. Eleg. i. 

FURIOSAMENTE , adv. Com fúria, envmr-se a 
filfruem — : jogava a artelbaria — . 

FURIOSO , adj. Que tem a alma agitada por 
srande paixão. « indinado por os damncs . . . e 
furieso de suas cousas lhe não succederem como 
elle desejava. » B. 4. 7- ^7- §• Doido furioso: o 
que faz bravuras , dá pancadas, maltrata-se , &c. 
§. Múi violento : v. g. furiosa paixão. §. Mui 
activo ,que faz muita impressão : V. g. vento tu- 
rioso, ondas , tormenta , &c. Arraes, 4. 2S- pes de 
furiosos ventos. Que indica funa , e sanha : pala- 
vras furiosas. Ferr. £risto , ^. 6. 

FURNA, s. f. Cova soterranea escura. Barros. 
se acolherão a huma furna , que estava debaixo de 
hms penedos. Góes , Cron. M. 5. p- c. 73. e Pan- 
tal. d' Aveiro, c. 54. princ Mousinho, j. 56. 

FURO , s. m. Buraco feito com verruma , ou 
outro instrumento agudo. §. Ser mais íimfuroa 
riba , t. superior , avantejado : descer mais umju- 
fo •■, apertar a fivela a baixo no loro , &c, 

FUROR , s. m. Violência de qualquer paixão , 
cue cega a razão. §. Loucura inquieta. §. Acção 
múi impetuosa ; v. g. das ondas , do vento , da 
tormenta ; fúria. §. Furor poético : enthusiasmo for- 
te. 

FURRIEL. V. Forriel. ^ 

FÚRTACÒR , s. Seda de furtacor , ou tajeta 
furtacòr : acatasolado , que faz cambiantes con- 
forme as superfícies que faz. §. Furtacorcs , na 
Pint. cambiantes. , 

FURTÁDAMÈNTE , adv. A furto , as escon- 
didas. B. Lima , Ed. 9. pòr olhos ^ furtadamente. 
<« furtadamente de nós passavâo d'ali para Cam- 

baya. » 2. ^. ?. 8. , , . , « ' 

FURTADÉLAS. Dizemos adverbialmence as 
furtadelas : " furtivamente , a furto de alguém , 

ás escondidas. ir r r f 

FURTADO, part. pass. de Furtar. V. §. r. Es- 
condido , escuso , desviado do commum ; occul- 
to, encohexio. Mm5inho,f 55. v.g. caminho —. 
§. Luz furtada ; escondida como cm lanterna de 
furtatogo, ou semelhante artificio, com que ap- 
parece múi pequena luz. §. Pòr os olhos furta- 
dos ; i' é , olhar quando os circunstantes não tem 



FUR 

os olhos enfi nós. Eufr. f 17. f. Fer a cíhos fur- 
tados : o mesmo. " nãos do M^hb^r furtadas de 
nossas armadas : " que passavâo longe das arma- 
das , ou de noite. B. 2. 7. 8. e L. 8. c. i. " a- 
gua que corre furtada per Idziko das areyas , ou 
da terra. " D. ?. L. ^. c 10. §. Filho furtado ; 
não legitimo , daqui o appellido dos Furtados. Di- 
as furtados ao estudo ; horas — ao sono ; que erão 
devidos ao estudo , e sono , e se deráo a outra 
applicaçâo. F. do Arceb. i- 27. tempo furtado ao 
descanso corporal. Ferr. Bristo, Dedic. §. adv. " meyo 
furtado dice : " i. é , quasi á puridade , com ten- 
to qwe não ouvissem todos. B. i. 8. 5> , 
FÚRTAFÒGO. Lanterna de furtajogo , a que e 
feita de sorte , que dando-se uma volta a um 
cilindro de lata , em cujo meyo anda a luz , par- 
te delle tapa a passagem dos rayos pelo lume , 
ou oculo com vidraça da lanterna. 

FURTAR , V. at. Tomar o alheyo frandulenta- 
mente , contra a vontade de seu dono. §. f. Fur- 
tar o tempo , ou horas ao sono : não dormir o de- 
vido , e necessário ao repouso , e á saúde. F. 
do Arceb. i. 2. furtar horas ao seu officio , empre- 
go ; occupá-lns em coisas desviadas do enprego , 
offlcio. §. Rci-irar: v. g. furtar o ccrpo ao golpe. 
B. I. I. II. íig. Furtar o corpo aos trabalhos, id. 
4. 6. 11. — a algucm ; desviar-se d'elle , evitá-io , 
escapar-lhe. §. Furtar fazenda aos direitos ; tirá-la 
por alto sem ir ás alfandegas: fig. furcar-se «fn.í 
mulher aos direitos ; admittir outro homem a fur- 
to do marido, ou do amigo. CoUto , y, lO. ir. 
§. Furtar o vento d seita. Eufr. i. i. desviar al- 
guém do propósito , e intento ; mudar de prati- 
ca destramente. §. Furtar os objectos ao sentido ; 
hzer com que se estorve a impressão, ou ac- 
ção delles. Palmcir. 4. p- /• 9- ^ distancia lhe fur- 
cava víuitas palavras: as trevas da noite que ja 
cahião forão-lhe furtando aos olhos oshincos^ do 
jardim. §. Furtar frmas , sinács ; falsifica-las imi- 
cando-as , copiando-as. §. Furtar a volta , o ca^ 
minho,é ir pelo caminho opposto encontrar-se com 
quem gira ,para o tomar , ou fugir-lhe. §. Andar a 
furtavasso ; f. c, depressa. §. — se: v. g. furtar-se 
ao vento ; fugir-lhe. V. Sá Mir. §. Doií navios 
que ião a encontrar-se numa tormenta " quando 
veyo ao segundo movimento ( dos grandes ma- 
res ^ fnvtou-se cada um para sua parte. '' B. i. 5. 
i. i. Esconder-se. " Lisuarte d' Andrade se fur- 
tou , e foi com os mais. " Castanh. 8, /". 198. 

FURTÍVAMÈNTE , adj. A furto , ás escon- 
didas , cbndestinamente : v. ^. casar furttv.tmente. 
FURTÍVELMÈNTE. V. Furtivamente. Ord. Af 

5. f. 172. ,. 

FURTÍVO , adj. Feito a furto , ás_escondi- 
das : V. g. jornada — , fugida — ; vinhão as em- 
barcações furtivas , e arriscadas. Freire, defensa sú- 
bita /e furtiva : v. g. a que é feita de noite , em 

quanto o inimigo náo dá fc delia, 

'■ ■ FURr 



FUS 

FURTO, s. m. Desvio, e occupaçáo fraudu- 
losa da coisa alhcya retida contra a vontade de 
seu dono ; a coisa furtada : v. g. ãcboit se com 
o furto íia mão. §. Coisa que se obra clandesti- 
namente , ás escondidas ; v. g' tratos amorosos. Cla- 
rim. 2. c. 2Ó. e :5o. *' o tempo que estes f/trtos 
escondia ( a noite , quando falava á sua dama ) : 
no mesmo sentido. Camões : "furtos de piiridades. 
§. A furto , adv. ás escondidas , sem conhecimen- 
to , sentimento , ou noticia ; v. g. socorro chegado a 
furto das sentinellas. Freire, L, z.f. 190. ed. de Gen- 
dron : quon pode j d mais pcccar a furto dos remorsos, 
senão os que tem a consciência, cauterizada , e de 
todo em todo amortecida \ Por os olhos a furto de 
alguém ; i. é ^ sem que elle veja que olhamos. 
Gozar a furto ; i. ^ , ás escondidas , e com te- 
mor de ser achado , e descoberto. £i(fr. 5. q. 
Cazar a furto ; i. é , clandestinamente. Couto , 6. 
7. 6. estava já casada a furto do pai : sem o el- 
le saber. " prometti huma noite ( da meretriz ) 
a Julio a furto de Octávio ( que era o amante 
certo ). '^ Ferr, Cioso, 2. 2. §. Haver filhos a fur- 
to. Nobiliar. f, 285. escondidamente , illegalmcn- 
te. 

FURÚNCULO. V. Frunciilo. 

FURUS. V. Foro. Foros. Elucidar. 

FUSA , s. f. Uma nota , ou sinal da musica ; 
é figura que tem um o sobre uma hastezinha 
perpendicular. 

FUSCO , adj. Escuro , tirante a negro. §. ííg. 
Triste. 

FUSÈIRO , s. m. O mecânico , que faz fusos. 

FUSÉLLOS , s. m, Páos roliços , que sostem 
as duas rodas do carrete parallelas 5 nelles se en- 
trosáo , ou endentáo os dentes de outra roda. 

FUSÍL , e deriv. V. Fuzil. 

FUSÍVEL , ad). Que perde a coherencia soli- 
da , e se derrete : v. g. os metáes ao fogo , a ce- 
ra ; 03 sdes era agua , &c. 

FUSO , s. m. Peça de pio roliça grossa na ba- 
se , que vem aíínando-se, e adelgaçando-se para 
cima ; alguns tem uma ponta de ferro com cor- 
te espiral até á ponta , e outros cabecinha nella ; 
deste instrumento usáo as mulheres para torcer 
o íio , que íiáo , e enrolá-lo nelle até fazer cer- 
ta grossura. §. O fuso de torcer linhas , é mais 
grosso em cima onde tem uma roda , e sobre 
ella um ganchinho , onde se prende a linha. §. Fu- 
so do lagar : páo torneado em espiras , que en- 
tráo pela porca , que está aberta na cabeça da 
vara. §. Fuso do relógio : a peça, onde se enro- 
la a corda de aço , se move quando lhe damos 
corda. t. de Relog. 

FUSÓRIO , adj. Obra — ; de fundição. 

FUSTA , s. f. Embarcação longa , e chata de 
vela , e remos : Barros : é de um a\é dois mastros, 
e de porte de ate po toneladas , tem velas Lati- 
nas , e serve de carga , ou na guerra , como se 



FUT 



71 



vc a cada passo nos escritores das coisas da Ásia. 
Fern. Mmd. cap. 5. 

FUSTÁLUA, s.^f. Multidão de fustas. Freire. 
" mulcidáo de náos , efustdlha. '' Góes , Chron. D. 
Manod , 2. p. cap. 12, Cron. J. 5. p. ?. c. 81. Bar- 
ros , 2. 2. 7. 

FUSTAO , s. m. Lençaria de linho , ou algo- 
dão fina , tecida de cordão. §. ant. açoites com 
varas: " entre em fustão : "~seja açoitado. £1«- 
cidar. 

FUSTARR/ÍO , s. m. Fusta grande. Couto , j; 
10. 10. 

FUSTAZÍNHA. V- Fustínha. Cron. J. ^ p. 4,; 
c. 30. 

FUSTE , s. m. ( d' Ourives ) Páosinho corti um 
extremo embetumado , no qual se pegão as pe- 
ças miúdas, que se hão de lavrar ao buril. §. Ca- 
vallinho fuste ; i. é , canas j com cabeças fingidas 
de cavallo. §. Fuste da coluna ; o cano , ou cor- 
po , e tronco delia entre a baze , e o capitel. §. Ord. 
yíf. I. f. 591. " armas de fuste, e ferro; " de 
páo : e Z. 5. 6:^. i. /. 2^6. " Se o nosso Por- 
reiro quer com lettras , c^uet com fuste , quer pet 
sy foi fazer execuçom. ^^ V. Talha de fuste ; e 
o que notei ao art. Palha , citar per palha , dar, 
palha. 

FUSTÈTE , s. m. Páo amarello , que serve na 
tinturaria. Pauta dos Portos sícos. 

FUSTIGADO , part. pass. de Fustigar. — d'ar- 
telharia. Couto, 7. 4. 7. 

FUSTIGAR , V. at. Açoitar com vara ; abor- 
doar. " aç^outar , e fustigar com varas. '-^ Fios 
Sanct. pag. LXXFIll. §. Castigar com guerra. 
M. Lus. §. fig. Fustigar com a artelh^ria ; vare- 
jar. Castan. L. 2. /. \^6. 

FUSTÍNHA, s. f. dim. de Fusta. Cron. J. 3. 
p. 2. f. 88. 

FUTÍL , adj. Frívola, de pouca consequência, ■ 
sem força : v. g. razões , desculpas — , 

FUTILIDADE _, s. f. Falta de força, incon- 
sistência das razões , fundamentos , e provas frí- 
volas. 

FUTILIZÁR , V. n. Dizer futilidades. " isso é 
futilizar em negócios graves , e sérios. ^^ t. usu- 
al mod. 

FUTURIDÁDE , s. f. A qualidade de ser futu- 
ro. §. Tempo , successo por vir , futuro. 

FUTURO , s, m. O tempo que ha de vir. Barr.. 
D. I . Prol. " em o futuro. '^ §. t. Gram. Varia- 
ção do modo verbal , pela qual se refere a um 
tempo por vir a existência do attributo verbal : 
V. g. amará ; i. ^ , o ser amante há de compe- 
tir-lhe em o futuro. 

FUTURO , adj. Que tem de ser : v. g. quem 
foge a males futuros. §. O que não existiu , nem 
existe , mas há de existir. « 

FUZÁDA, s. f. Golpe com o fuso. §. Um fu- 
so cheyo. 

FU- 



í 




í i V W.W'**»*^ 



/ 



FYS 




F^íZ;íO, s. m. O derreter, ou derreter-se , 
e ta^zet-se auido o metal , a cera. §. Fogo dep- 
^oTtâo intetíso , que p6de derreter , e tund.r 

""ÍUZÉLA , s. f. do Brasão. Peça a modo de 

^"'fuZÍL , s. m. Argola , ou malha, de que con- 
stáo as cadeyas de metal. fig. « azemos menção 
deste P'incipe Melrao e de Timo)a . . . por se- 
rem hum fizily que encadeya os feitos da nos- 
sa historia. " B. 2. 5. 10. §. Peça de aço, teri- 
dor , qae serve de ferir a pederneira para t.rar 
lume , feita como um fuzil de cadeya chato. §. Fa- 
zer fuzis no navio: queimar uma pouca de pól- 
vora á noite , para com a lavareda se reconhe- 
cerem o" navios. Brim, Rd. da Fiag. do BrasU. 
§! Argola dè ferro, com que « ";P^;"^,'^° «f; 
oura o ferro da enxó ao seu cabo. §. O clarão que 
se faz nas nuvens , inflammando-se a matéria cle- 

""ÍVZÍL, adj. ( de volat. ) Pennas fuzis úo as 
mayores , que estão nos cotos das azas do falcão , 
ou outra ave. V. 'Tesouras. 

FUZILÁNTE , patt. prés. de Fuzilar, fig. os 
cihos — " C de Cupido) do trado , &c. 

FUZILÃO , s. m. O ferro , com qué se prende 
a fivela na çorreya interior. . 

FUZILAR , V. n. Inflammar-se a matéria elé- 
ctrica nas nuvens , relampaguear. Fieira, o tusi- 
lar dos relamvagos. §. Dar clarão : v. g. o tuz.Iar 
dos mosquetes. Port. Rest. §. Fazer fuzis nauncos. 
§. Brilhar tr.Úito , como luz o fuzil. poer. ma- 
deixas de ouro fino, que nas azas cios Zehros 
fuzilâo. '* §. at. " Luz que C olhos } Juztlaes 
em torno. " §. f. Ameaçar como o fuzil^ ameaça 
com ra^-o^ou estrago, que se segue a inílam- 
maçâo da matéria eléctrica das nuvens, "a nu- 
vern da desgraça que ha tanto me /«zí/rt. Car- 

^"^ FYMÉNTO , s. m. anr. V. Affimento. Elucidar. 
FYSICA, FYSIGO. Os Etymologistas querem 
Ph\sica , e Physico , como se o nosso / nao re- 
presentasse o í> Grego , tao bem como o ph dos 
Latinos , ao menos como hoje se pronuncia , ou 
se o y entre nós nestas palavras nao soasse co- 
mo J, e náo como o f Grego. 



G 



G, s. m. A sexta letra do Alfabeto Portuguez , 
onde tem dois usos ; porque antes do e , e 
i soa como a consoante j : antes do a , o , U, 
e antes do e, e i precedidos de u , soa forte , 
e mii diverso i como V. g. ' gato , gorra , gu- 
wjcn<?, mena , guitarra : outras vezes o u pre- 
cedente soa por si, como em Gualbcrto , gual- 
teira , Guadamecim , aguada , e com isto amda se 



GAB 

.lugmenta a difficuldade de aprender a ler. Nos 
documentos antigos , e impressos ácha-se muitas 
vezes só , posto antes de e, e i , soando como 
gu : V. g. ninho de gincho por guincho ; gia por 
guia : e este apparente erro , seria o bom acer- 
to , se adopiássemos uma Ortografia Filosófica. 
( V. Ulisipo, Com. I. SC. 7. /. 99- "«v- ^diç. coii- 
cord, com a antiga ) Então não haveria tanta va- 
riedade em escrever je ou ji , on ge , gi , se o g 
soasse constantemente ^«e, e o j , je. Agora e ne- 
cessário saber quando no Latim cabe o j , e quan- 
do o ^ ; e outtas vezes variar , segundo se cui- 
da que adoptámos da corrupção Franceza , ou Ita- 
liana -, assim os nossos mayores escreverão jeítar 
do Francez , ou Lat. jácere , ou jetter , ou geitAr 
do [tal. geitare : a tantas difficuldades nos arras- 
ta a ortografia etimológica , ou casuística , que nos 
I necessita a saber as de tantas Línguas , para acer- 
tar na nossa , e ainda mal. E quando se perde o 
rasto das etimologias ? Esta difterença de som do 
a faz nascer a irregularidade , ou anomalia me- 
ramente ortográfica de muitos verbos : v. g. fu- 
jo, fuja , efoge , fuge , é^. o mesmo som que c 
]e escrito hora com g , hora com j : o mesmo^ c 
em ekgír , corregir : outras vezes serve o j so ; 
V, g. em padej ar, fadejar , farejar , mercadejar , -ò-c. 

GAAÇÁR. V. Gaancar. Elucidar. 

GAAqÓ.tl , s. m. ant. Ganhão. Elucidar. 

GAÁDO. V. Gado. §. it. Ganhado, antiq. 

GAÀNQA, 9. f. ant. Ganância. « filho de^^^I- 
ama : '^ bastardo , espúrio , ou adultenno. AjJíH- 
liar. §. Os ganhos , prezas em cavalgadi. Orl. 
Jfons. i.f YJJ. ''^wUasgaanças , que fizerem 

de consuum. " ^ , ^c ^ 

GAANqÁDO,p. p. de Gaançar. Ord. AJ. 1. 46. 

GAANÇÁR , v. antiq. Ganharão jogo. Ord. Aj. 
^. T. 40. §. Obter, conseguir , alcançar : v. g. 
— cartas , ordens , mandados , gra<^a. Cn. Ord. L. 
z. f III. — canas de seguram^a. 

GAÁNÇO , s. m. ant. Ganho, andar ao — . 
Ord. Af. 2. /. 142- Jned. 3. 479- §• Daqui talvez 
fazer um gancho o official , ganhar um pouco nu- 
ma meya hora furtada. 

GABADINHO , adj. fam. Que anda na moda , 
e é mais afamado : v. g. pregador — . 

GABADOR , s. m. O que gaba , louva. §. Ja- 

ctancio30. Eítfr. 2. ^^. 58. t- , . , , 

GABAMÈNTOS , s. m. pi. Gabos , louvammhas. 

ant. Elucidar. 

GABÃO , s. m. O que gaba , louva. Arracs, i. 
19. somos çrrandes gabões das coisas baixas. §.Alber- 
nóz , capote de mangas , e capuz. §• Fazer gran- 
des gabões : promettet largo , o que se nao ha de 

dar. Eufr. i. ?. r 1 u 

GABAR , V. at. Louvar , elogiar. Lobo. gaba- 
ráo-»ie de valente. ^. — se : Louvar-se , jactar-se 
de partes que se não possuem , ou das que se 
possuem. F. do Arçeb. i. i. pr isso nao hã qnem 



GAF 



GAG 



se gibe de filhos amigos : tenha razáo de contar 
com prazer. 

GAliÉI l.A, s. f. Diririto de 9. tostões , que de- 
posita na Chaiicellaria , quem agjrava de alguma 
senttnça. piíg^r íi — • 

GAbl NARDO , s. m. Espécie de gabão , ou sa- 
marra tom mangas perdidas. 

GABIiVÉTE, s. m. Camarim. §. Aposento do 
Principe , eu casa de Conselho d'Esiado , ou Pri- 
vado. Fieira. §. f. O Conselho Privado , ou de 
Estado iobre coisas politicas. 

GABIONÁDA , s. h de Fortif. Ordem , ou fi- 
leira de cescóes cheyos de terra , para cobrir os 
trabalhadores do togo do inimigo. 

GÁlíO , s. m. Louvor , elogio. Sá Mir. e Ar- 
racs , Dcd. §. Jactância. E/ifr. 5. i. 



GA BOLAS , s. 



c. Pessoa que se gaba , ou ja- 
cta ; jactanciosa. B. P. r. vulg. 

GAlillÍTO , s. m. Uma sorte de rede de pes- 
car. Orden. 5. 88. 86. 

GÁGHO , s. m. A junta do pescoço do boi , 
mais próxima a cabeça , onde assírnta a canga ; 
enjoujo dizem alguns j alias Mcho , donde ca- 
chaço. 

GADAMECÍM. V. Giiãdãmecins. 

GADANHA , s. f. V. Gadanho, Garra , ou foi- 
ce, a gadanha d^ Aíorte. Frsire. Elysios, 37. e 1^6. 
foice de cegar pães. Iried. :^. 122. 

GADANHO , s. m. ( do Hçspanhol giMdana ) 
Foice roçadoura ; usa-se no tamil, por dedos , 
garra. Fazer gadanhos ; i. é , mostras de pòr me- 
do. Eftfr. I. I, nad^i temer prr m/íií gadanhos ^«f 
lhe Jaca a razão ( para o desviar ) lóx-, 

GADELHA. V. G'{edclhn. 

GADO , s. m. Os animáes , que se criáo pas- 
cendo para a lavoira , serviço , e sustento. §. ta- 
mil, o gado /e')i7ií>30 , ou tnascilino ; i. é, as pes- 
soas do sexo masculino , ou teminiL Garção, So- 
iiet. o — arrebanhado, 

GAFA , s f. ( do Provençal gaja , croque ; ou 
do Inglez gaí^ ) Espécie de gancho , com que se 
puxava a corda da besta , para a armar , met- 
tendo-a na noz. §. Trazer alguma coisa sem ga- 
fas ; i. é , sem torça, nem violência. Camões , Fi- 
lodemo , 2. SC. 4. " eu vo-la Jarci hoje víV d noz 
sem gajas ; ^•' vir ao que quereis sem violência ; 
( gata seria como gatracha , ou armatoste ? ) a pag, 
170. ediç. de 178^, Tem. 5. se lè " vir a nos " 
confundindo-se 03 sentidos de vir á noz e vir a 
tios. Ulisipo, 2. 3. " já vou entrando em jogo com 
a minha gaita , que me parecia impossível vir d 
noz. " " São (as leis dg seu proveito) as gajas, com 
que as trazem a tudo, " ( reduzir , ou forçar , re- 
solver alguém ) L/Usipo , 2. 4. 
GAFADO , part. pass. de Gafar. 
GAFANHOTO, s. m. Insecto vulgar, que tem 
azas, e dois pcs longos , com que " ' ' 

cos ; anda nas searas. 
Tom. II, 



73 



GAFAR , V. ar. 
coi-sa com a gata ; 



arrebatar alguma 



dá grandes sal- 



1 irar , puxar, 
e no t. com as mãos , ou garras. 
D. Fr. Mau. Cartas. §. Gafar a péla , no jogo ; 
tíáo a lançar com a mão aberta ; mas retc-la algum 
tempo no concavo da mão. Prestes , ^8. -jir. "como 
péla me gaja. " §. Gajar-sc a azeitona ; cair da ar«; 
vore , moUe, e feita em papas. §. — se : encher-se 
de lepra , tazer-se gato. §. — se de sarna : ficac 
como gafo , ou leproso , coberto, e com as articula- 
çóej das mãos gafadas de sarna. 

GAFARIA , s. f. antiq. Hospital de leprosos. Gó- 
es ; e Orden. z, T. ^^. §. 18. 

GAFÈIRA , s. f. Sarna leprosa , ou lepra , que 
dá nos animáes , e nos homens. 

GAFEIRÈNTO , ad]. Cheyo de gafem : v. g. re- 
banho — , gado — . 

GAFEM. V. Gafeira. Fios Sanct.f. ijS' col. i. 
fig. sãs de ioda gatem de peccados. 

GAFIDÁDE , s. f. antiq. Gafeira, lepra. Orden. 
AJons. L. 5-. /. 6. 

GAFO , adj. Leproso de lepra , que corróe o cor- 
po , e faz encolher os músculos , e ficarem os de- 
dos como as garras da ave de rapina. §. Azeito- 
na gafa ; a que com as névoas engelha , e cái. §. f. 
Nossas almas gafas de peccados : Fios Sanct.f. 17J. 
ccl. I. leprosas. 

GAGÁO , s. m. Um jogo de parar aos dados.' 
GÁGATA, s f. Uma pedra betuminosa. Instít. 
GÁGE , s. m. A coisa que se dá em penhor : 
nos duellos antigos era usual lançar uma luva en- 
sanguentada em sinal de desafio j ou mandar al- 
guma peça , como uma e.^pada , &c. Palmeir, P. 
I. c. p. e P. z. c. 11'^. e logo passdrão gages do 
desafio. B. Clarim, c. 65. J. i^Z' ou 31. ediç. de 
i79r. Tom. 2. /. 363. " vez aqui o stMgage ( lan- 
çando um comete de oiro , que trazia ao pesco- 
ço ante o Emperadot)." Cron.'j.i. por Leão, c. 7,6. 
daqui " lançar o gage :" desifiar, Ulisipo, f 88. -^, 
A. z. SC 5. ^" por dá ca aquella palha lanção o ga- 
ge. " §. " Se alguém tomar prisioneiro, deve-lhe 
tomar sua te , e o bacinete ■, ou o guante d.reito 
em giiage ( gage , penhor ") de que é seu prisionei- 
ro ( de gnerra"^). " Ord. vi/, i. 5I §. óo. §. Soldo, 
salário, soldada. Leão, Cron. Af. 4./. 174. ediç. di 
1774. Aí. Liis. 5. /.24. e 62. P. Per. L. i. c. 

9' 44' 

GAGÈIRO , s. m. O marinheiro que vai á gá- 
vea , para espreitar ao longe as embarcações , ou 
costas. §. adj. Finho gageiro ; o que sobe á cabeça. 

GxíGO, adj. AqucUe a quem a falia se pega 
de ordinário ; e pronuncia interrompidamente pa- 
rando em alguma sillaba ; estorvado da falia. 

GAGÓSA , s. t. Levar o bollo d gngósa , no jo- 
go ; gar»há-Io o pé quando todos passáo , v. g. no 
trinta e um. 

GAGUEIRA , s. f. Defeito na pronuncia do ga- 
go. 

GAGUEJADO , p. p. de Gaguejar. Pronunciado 





«agaejando. "(ím sermão — sertã muito para se ouvir." 
^ GAGUEJAR , V. n. Pronunciar como o gago. 
§, f. Fallar sem certeza , nem conhecimento das ' 
coisas , e hesicando , no que se sabe mal. I 

GAGUÈZ , s. f. Gagueira. Cardoso, 

GÁI. V. Gaio. B. Clarim. Ferde gai ; alegre. 

GAIFÒNAS , s. h plur. pleb. Esgares , caretas. 

CAINHAR. V. Ganhar. Enfros. t Uíisipo,/. 115. 
1.1. Ord. Jf. L. 5. T. 15. §. 28. 

GAINHERÍ A , s. f. ant. Ganho. 

GAIO , adj. Alegre, Verde gaio ; í. é , vivo , ale- 
gre. B. Clarim. ^.^Cavalio — ; que tem rodomoi- 
nho sobre o coração. 



GALADÚRA , s. f. O ponto , ou parte branca , 
como clara do ovo , que está atacado á gemma , 
eé o esperma do galo, que fecunda os ovos; 
visto á luz parece uma coroa de matéria mais 
transparente. 

GÁLAGÁLA , s, f. Um betume , com que na 
Ásia se untáo os navios , para lhes vedar a agua , 
e impedir a criação do gusano. 

GALALÍM. V. Galarim. 

GaLaN , adj. ou subst. V. Galante. 

GALÀNGA, s. t Planta medicinal, cuja raiz 
é cheirosa , e se usa na Medicina : vem da Chi- 



na 



GAIOLA , s. f. Prisão movei feita de canas , ou 
■varetas , com grades de junco , ou arame , em que 
se fechâo as aves. §. Prisão estreita ; fig. casa pe- 
quena, V. Gayoia. 

GAIOLÈlliO , s. m. O que fáz gayolas. 
GAIPÈIRO , adj. do Minho. Amigo de uvas. 
GÁIPO , s. m. do Minho. Escádea de uvas. 
GAITA , s. f. Assobio , com buracos , pequeno. 
§. Algumas há , em que o vento se lhe communica 
de um folie , chamadas por isso gaitas de folie , 
usadas entre gente rústica. §. Tomar alguém com 
gaita ; enganá-lo, e yencè-lo com coisa de pouco 
valor , como as gaicas , com que se enganavão os 
bárbaros da Costa d' Africa , para os tazerem es- 
cravos. B. Lima, Carta z^. e Eufr. i. i.Ultsipo,/. 
14^. f. §. Estar de gaita ; i. é , alegre. §. Gana 
da lampreya ; a parte onde tem os buracos, e a mais 
gulosa ; daqui a frase , sabe como gaitas. §. Tocar 
a ^aita ; vulg embebedar-sc. §. Na primeira — ; 
i.^e , na primeira cantada do gallo. Ined. z.f. 510. 
GAITADA , s. f. Toque de gaita, 
GAITEÁR , v. n. Tocar gaita. §. Gaitear-se : en- 
feitar-se com garridice. 

GAITEIRO , s. m. O que toca gaita. §. adj. 
Alegre. §. Vestido de cores alegres , e varias. D. 
ir. Manuel. §. Brincalhão , divertido. Eufr. i. 5. 
í* eu sou já velha para gaiteira. " 

GÁIVA. V. Guaiva : corrupto do Hespanhol , 
gavia. 

GAIV^O , s. m. Espécie de andorinha mayor 
que as ordinárias ( Cypselus ) : aiváo ? 

GAIVOTA , s, f. Ave aquática, ( gavia , £ ) 
GAIVOTÃO , s. m. Ave como gaivota , mas 
'mayor , da Ásia. 

GÁJA.V. Gáge. Pinto Per, L. i. c. 9. Cron. J. i. 
eap. 16. 

GÁJE. V. Gage ( do Francez Gage ) Pahneir. P. 
I. c. ^o. escreve gaje ^ e P. z. e. 165. 

GALA , s. f. U.n estofo de lã fino , e lustro- 
so, quando lhe cái a felpa. §. Vestido de gala \i. é , 
de festa , em vestidos ricos , e de cercmonia. 
5. Dia de gala ; o em que se vai á Corte vestido 
de mayor lustre. §. Graça , garbo, frieira, para 
mayor gala do mysierio. 

GALADO , e deriv. V. Gallado. 



macop. 



]iiuL galanga maior e galauga minor. Phar- 

GALANÍCE , s. f. O garbo do galan , ou ga- 
lante. Chagas. 

GALANTARIA. V- Galanteria : galantaria pa- 
rece mais usado. 

GALANTE , s. e adj. Sujeito namorado , que 
corteja damas , e as galanteya : antigamente era 
termo honesto. Resende, Cron. J. 2. cap. 151. Lo- 
bo. Eufr. §. f. O homem polido , gracioso , bem 
posto , e concertado nos trajos. § Coisa bem 
ornada , elegante : v. g. — dito. Resende , Cron. c/í. 
c. 125. "tendas borladas , e mui galantes. 
§. Bem feito. Cron. cit. cap. i^i. galante escara- 
muça. ^ , ^^ , 

GALANTEADO , p. p. de Galantear. dama 

servida e çraLinteada. ^^ 

GALANTEAR , v. at. Servir damas por mere- 
cer o seu amor. §. Dizer galantarias. §. Dizer 
graças , e ditos lisongeiros , agradáveis. Couto , 6. 
10. 18. " galantearão com eile sobre isso. "' 

GALANTEMENTE , adv. Com galantaria , gta- 
-ça. §. Com bom concerto , e atavio louçáo. 

GALANTÈO , s. m. ou antes Galanteyo. As pa- 
lavras , e acções , o adorno , enfeites , gestos , 
com que o gaiante serve a dama , e tenta con- 
seguir a sua graça , e favor ; ou as mulheres fa- 
zem por namorar os homens , sendo namoradi- 

ças. . j 

GALANTERÍA, s. f . O galantear, e servir da- 
mas por amor honesto , ou deshonesco. Eujr. i. 
6. §, Discrição nas palavras , ditos lizongeiros , c 
agradáveis de galantes, dizia mil — . Carim. ^. 
c. 18. §. Aceyo , alinho , adorno , e boa compo- 
sição no trajar, e em alguma obra, enfeite. 
Cron. J. 3. P. ^ c. 87. " vendo as cores, e ga- 
lantarias , com que vinháo vestidos. '"> Clarim. 

2 C* I O. 

* GALÃO , s. m. Cairel de fio de linho , seda , 
ou de prata , ou oiro , ou lã, §. Tranco , que o 
cavallo dá , ou saico levantando as mãos. 

GALAPÁGO , s, m. Doença dos cascos da bes- 
ta , por pancada , ou topada entre o pello , e o 

casco. 

GALAR. V. Calcar , e Gaílu: 
GALARDiíO, s. m. lUmunerajáo , premio. 

LO' 



GAL 

Lolo. §. t. jurid. Despacho, "a p.nreque apparc- 
ceu h;ija seu gdlardão. " Oíd. Jlj. ^. j. loi. 

GALARDOADO , part. pass. de (jalardoar. Servi- 
ços — . 

GALAR DOADOR , s. m. O que galardoa. 

GALARDOAR, V. at. l^remiar, remunerar. Palm. 
P. 2. c, 5. galardoar teu trabalho, " à galardoou 
com honra , e mercês. " B. 1. 5, 4, 

GALARÍA. V. Galeria. 

GALARÍM , s. m. Pfírar ao galarím no jogo ; 
i, é , parar o dobro do que se perdeu na mão 
antecedente , e se ainda se perdeu outra vez pa- 
rar o quádruplo , e assim dobrando sempre a 
parada. 

GALASÍA, s. f. Fraude. Gzrí/oíO, Bicáon. Leão, 
Ori<^. c. 18, dis que é plebeu. 

G.ALATRISCA , ou GALATRISTA. V. Gallt- 
criita. 

GALÁXIA , s. f. V. Fia Láctea. Fieira. 

GÁLBANO , s. m. Planta de que se. tira a gom- 
iTia do mesmo nome por incisão. ( Galbanfím ) 
Tarmacop, 

GALDRÓPE , s. m. Cabo , que prende no ex- 
tremo da cana do leme , dando uma volta , e nas 
duas amur.idas , para que se possa governar me- 
lhor , quando o mar , e o vento sáo fortes. Tam- 
bém usáo de galdropcs , ou aldropes, para tirar com 
mpis força o mango das bombas dos navios, V. 
jíldropc ( do Castelhano Guldrope ). 

GALÉ , s. í. Embarcação de baixo bordo , que 
anda á vela , e remos , com 15. até 50. re- 
mos por banda , a cada um dos quaes corres- 
ponde um banco com 4. ou 5, remeiros , que sáo 
os galeotes , ou forçados das galéz j leva um ca- 
nhão grande chamado de cuxia , e outros pou- 
cos menores. " galez Reáes , bastardas ( V. Bas- 
tarão s.) e sotís. " Castanh. 8. /. 269. §. Conde- 
nar a galéz ; i. é , ao serviço de remar nellas ; 
hoje que não há galcz , é commutado em servi- 
ço de obras públicas, mas differente da c^/ieííí , 
que não irroga infâmia , como as galéz., §. t. de 
Impressor : Peça de tiboa , em que o compositor 
metce as letras , distribuídas em regras , antes de di- 
vidir as paginas na rama de ferro. 

GALÉA. V. Galé. Ined. 5. 584. nom som fará 
irem cm nossas galéas. 

GÁLEA , s. f. Capacete de coiro. Severim. Not. 
D. ^ §. 17. 

GALEAÇA , s. f. Gale grande de 5. mastros , 
que leva 20. canhões , e tem lugar na popa para 
muitos fusileiros. Barros. 

GALEÃO , s. ra. Navio d'alto bordo , de car- 
ga , ou de guerra : gakõcs d' alto bordo , por ex- 
cellencia , são as náos de guerra : v. 5. *' General 
da armada dos galeões d'aho bordo. ^^ 

GALEÁR , V. n. Trajar, e romper galas. 

GALEÓTA , s. f. Galé de dois mascros , e de 
alguns canhões pequenos ; tem 16, ou 20. remos 



GAL 



7S 



por banda , e em cada banco um só remeiro. 
GALEÓTE, s. m. Galeota. Lopes, Cron. J. I. P. 

1. c III. antiij. §. Homem obrigado a remar nas 
■pies delRei em tempo de guerra , cráo os vinta- 
neiros da costa do mar. Orden. /IJ, i. pag. 405. 
" apuraçom dos beesteiros e gíialíotes.^'' §. Força- 
do das galés. Nobiiiar. §. Um vestido de Inver- 
no , antigo , talvez como as capas , ou bedens dos 
galeotes. Lobo. 

GaLEóTO , s. m. Galeota , embarcação. Couto, 
12. I. 16. 

GALERA , s. f. Carro grande de transporte , e 
carga , de 4. rodas com dez ou doze bestas , que 
de ordinário vai coberto com rama, ou caniçada 
por cima. §. Uma sorte de navios pequenos de 

2. mastros. 

GALERÍA , s. f. Lanço do edifício ao compri- 
do , coberto , e sostido sobre columnas , ou com 
muitas janeilas. §. na Fort. O trabalho que fazem 
os cercadores no fosso de alguma praça , para che- 
garem ao pé da muralha com os mineiros defendi- 
dos da espingarderia inimiga. Exame de Artilheiros. 
§. Cavoucos , ou excavaçóes por baixo da ter- 
ra , que fica como abobada e sostida , para mi- 
nerar , e seguir as veyas dos metáes. 

GALERNO , s. m. Vento nordeste , a que no 
Mediterrâneo chamão grego , ou greco. 

GALERNO , adj. Brando , fresco ; diz-se dos 
ventos , em especial do galerno. Nailfr. de Sepulv. 
c. 5./. 56. f. fresco: v. g. mostrando-se galerno , 
e favorável o vento. Tempo galerno. Góes , Chr. de 
D. Man. Part. i . cap. 36. " ventos — de mon- 
ção tendente. '^ M. Pinto, c. 220. " assopra-lhe 
galerno o venço , e brando, -" Liís. 2. 67. 

GALÉRO , s. m. Espécie de barrete de pelle 
da feição de elmo. §. poet. É o chapeo de Mer- 
cúrio , Bellona, &c. Ulissea , i. ^j. Ltisiad. 2.57. 

GALFÁRRO , adj. ( de gafa , gafar ) O ladrão 
arrebatador. B. P. §. Aguasil , alcaide, agarradorw 
chul. 

GALGA , s. f. A fêmea do galgo. §. Mó de- 
baixo do lagar. §. Galga de paredes. V. Galgar. 
Galgas de pedras são pedras grandes , que se sol- 
tão do alto do monte , para virem rodando, e tom- 
bando , talvez para combater o inimigo , que vera 
subindo. Castan. L. z.f. 175. P. P.i. c. 7. Barros^ 
2. 7. 9. e I. 8. 8. Tomar galga a pedra solta, é 
ganhar impeto , e accelerar-se. §. Fome ; chulo. 
Ulisipo , /. 16. f. tamanha galga trazeis. 

GALGADO , part. pass. de Galgar. 

GALGAR , v. at. Galgar uma regoa ; lavrá-la de 
sorte , que fique bem direita , para regular bem 
as linhas. §. Galgar a parede ; acabar algum lanço 
por igual , e sení altibaixos , pelo alto delia , ar- 
rematá-la por igual, 

GALGÁZ , adj. Da feição do galgo , magro , e 
esguio , pernalto como o galgo. 

GALGO, s. m. Cão de caça, pernalto, es- 
K ii g"'Oí 





^ 




GAL 



de tocinlio longo , múi corredor. 
GALGUÈIRA , s. f. Cova comprida para se en- 
cher d'agua. 

GALHA , s. í. Excrescência do carvalho de Le- 
vante , produzida n.i sua casca , picada por algum 
insecto , da excravasaçáo de seus suecos ■■, é re- 
donda como uma noz , ou avelã , a sua tintura 
misturada com caparosa faz tinta preta. 

GALHARDA , s. f. Dança antiga ; e a musica , 
a cujo som se dançava a tal dança. 

GALHARDAMENTE , adj. Com galhardia. 
GALHARDETE , s. m. Bandeirinha farpada, que 
se pói por adorno , ou para fazer sináes no alto 
dos mastros dos navios : uzou-se também nos ex- 
ércitos. Cron. de Cister, l. :^. c, 5./. 125:, f. col. i. 
*' ganháráo-se muitos pendões , e galhardetes. ■''' 

GALHARDÍ A , s. f. Valor , animo , bravura. 
Cron. de Cister , /. ^. c. 2. §. Bizarria. 

GALHARDO , adj. Bizarro , bem feito , elegan- 
te. §. Esforçado , brioso , animoso : v. g- galhar- 
da resoluç^ão na guerra. 

GALHÈTA , s. f. Vaso de vidro , ou metal , 
em que se traz vmho para o serviço das mis- 
sas , ou azeite , e vinagre para o das mesas. §. V. 
Alhetas do gibão. 

GALHO , s. m. Ramo em que há muitos fru- 
tos : V. g. um galho de laranjas , de uvas , <ò^c. 

GALHOFA , s. f. Festim. §. Função alegre de 
brinco. §. Vida folgasá , e vadia , como a dos que 
comem sopa á custa do trabalho dos outros , ou 
vão a romarias. 

GALHOFARÍA, s. f. Vadiação. Jlbuq. P. i. c. 
■45. diz aos Capitães da sua frota , que o não que- 
riâo ajudar no trabalho da guerra , " que fossem á 
galhojaria das presas. " 

GALHOFEAR , v. n. Vadiar , levar vida folga- 
da , e alegre , e " ' 

GALHOFEIRO 
que leva vida 
brincalhão. 

GALHÚDO , s. m. Um peixe de Cesimbra des- 
te nome. §. Farricoco , gato pingado- §. Que tem 
muitos cornos , ou ramificações delles : v. g. vea- 
do — . Corno — , diz-se por insulto ao marido de 
mulher múi devassa. Galhúdos cardes ; de muitos 
ramos. 

GALILÉ , s. f. antiq. Ccmeterio murado para 
pessoas nobres , que antigamente havia nos Con- 
ventos dos Benedictinos. 

GALINEIRO , adj. ant. Mordomo — : avençai 
«jue cobníva os fotos de gallinhas. Elucidar. Suppl. 
GALIÓTE. V. Galeote. 
(GALLACRÍSTA ; Curvo ; 
(GALLICRiSTA ; 

(GALLOCRÍSTA , s. f. Herva de muitas folhas 
semelhantes a crista do gallo. ( crista , <c ) 
GALLÁDO , part. pass. de Gallar. 
^^íAlXADÚKA , s. f. Ps>nt9 btancp , que se vc 



pegado á gemma do ovo fecundado pelo gallo. 

GALLAR , V. at. Cobrir o gallo a gallinha. 

GALLEGÁDA , s. f. Multidão de gallegos. §. Di- 
to , ou acção própria de gallegos. 

GALLÈGO. Vvagalkgo , espécie delias. ^. Psal- 
terio gallego ; pequeno. Elucidar, art. Psalterio. V. 
Galliziano. 

GALLICÁDO , part. pass. de Gallicar. 

GALLICÀNTO, s. m, "Desde o £;allicanto 



até 



hora de véspera ;'^ i. é , desde a hora em que o 
gallo canta pela madrugada. Marullo de Fr. Mar- 



ht 
o , 
XX. col. 



ai rada 

s 



, e comer do suor alheyo. 
m. O vagabundo , ocioso. 



alegre. 



§. Que anda em galhofas ; 



de 
em que se commutou o serviço de 
pipas , a que erão obrigados os fo- 



cos , /. 98. f. Fios Sanct. P. 2. c. XX. col. i. " a 
meia noite , ao gallicanto vi vir os mancebos. ^^ 

GALLICAR , V. at. Pegar o mal Francez , ou ve- 
néreo. , 
GÁLLICO , s. m. Mal Francez , ou venéreo. 
GÁLLIGO , adj. Da natureza do gallico. 
GALLÍNHA , s. f. Fêmea do gallo. §. Gallinha 
do açor : foragem antiga de gallinha para os aço- 
res delRei ^ ou em vez do açor que deviáo pa- 
gar. Elucidar. §. Gallinha de canteiro : o foro 
uma gallinha , 
encanteirar as 
reiros. Idem. 

GALLINH4.ÇA , s. f. Esterco das gallinhas. B. 
Per. 

GALLINHÈIRO , s. m. Casa onde se recolhem 
gallinhas. §. O que cria , ou vende gallinhas. Jned. 
5. 508. — do Paç^o. 

GALLINHÓLA , s. f. Espécie de gallinha brava , 
de carne saborosa. ( rusticola ) 

GALLIZIANO , adj. De Galliza. Cavallo— : são 
de uma raça pequena. 

GÁLLO , s. m. O macho da 
penna 

deste nome. (fabcr , zeus ) §. Tumor sem sangue 
procedido de alguma pancada. §. Gailo das tre- 
vas : a vela do meyo , e mais alta do candiciro , 
que fica acesa , e se leva por ultimo , no fim do 
oíhcio de trevas. §. — da romã ; uma serie de ba- 
gos. §. Gallo do relógio. V. Gieardavolante. 

GALOCHA , s. f. Espécie de chinela , que se 
calça por cima do sapato , para este se não repas- 
sar de humidade. §. Sorte de pregos usados na 
construcção náutica. §. A vara , que nasce do en- 
xerto. 

GALONÁDO. V. Agaloado. 
GALOPADO, p. p. de Galopar. Andado de ga- 
lope : V. ^. 4. leguei — . 

GALOPADÒR , s. m. ou adj. O homem , 
vallo que galopa. 

GALOPAR. V. Galopear. Elegiada, f. s]- f 
ondas galopando i" em tormenta 



ha , ave 



de 



, s. m. u macno aa. gallinha , 
caseira , e bem conhecida. §. Um peixe 



o ca- 



as 



Passar um galope ; dar uma 



GALOPEAR , V. n. 
carreira a cavallo. 

GALRAR. V. Galre'] ar. 
GALREJADÒR , s. m. O que golra. 
PALR.EJÁR j V. n, Gairfr. Qirdoso. 



QAL- 



GAN 

GALRÍTO , s. m. Uma sorte de rede de pes- 
car. Ordcn. 5. 88. 6. ou antes espécie de còvào , 
que se mettc na boca dos caneiros , para apa- 
nhar o peixe c]ue desce. 

GALVETA, s. i\ Embarcação usada na Ásia, pe- 
quena , e leve. Freire. 

G-\ma , s. í. A fêmea do gamo. 

GAMÃO , s, m. V. Gamões , herva, §. Jogo de 
tabolas em tabuleiro , e dados. 

GAMÁR-SE , ant. Chamar-se. EUícidar. 

GAIMÁRRA , s. h Cabo que se ata da silha da 
besta ao bocal , ou cabeção , para lhe ter o rosto 
baixo. 

GAMBÉRRIA , s. f. pleb. Armar a gamberria ; 
i. é , cambapé para íazer cair. 

GAívllíÍTO , s. m. Dar d gambito lutando : tre- 
la para derribar o cot\trario. Sm. Mach. Comed. f. 
69. f. 

GAMBOA , s. f. Marmello molar , mais doce , 
e macio , que os de outra espécie. §. Gamboas 
sáo aceiros , que se fazem dentro na agua , on- 
de se toma o peixe. H. Naut, 1. 142- \, Gam- 
boa. 

GAWEÓTA , s. f. Arco de madeira , sobre que 
se formão as abóbedas , e se conserváo depois de 
fechadas até se soldarem bem, 

GAUlÉLLA , s. f. Vaso de páo como alguidar , 
ou concavo por igual em redondo para banhos , 
ou lavar o corpo ; para dar de beber ás bes- 
tas , &c. 

GAMÈNHO , adj. chulo. O galante que se ata- 
via para namorar. Cam. Filodemo. ^'moço gamenho.^'' 
Eufr. 1. 4. e 6. 

GÀMMA , s. f. mus. Taboada , ou escala , pela 
qual se ensináo entoações. 

GÀMMO , s. m. Espécie de veado , que tem 
os cornos espalmados , e é ligeiríssimo na car- 
reira. 

GAMMÓES, ou 

GAMWONITOS , s. m. pi. Planta , alias aspho- 
delo. B. P. 

GAMÓTE , s, m. Vaso de páo usado nos na- 
vios , para os esgotar da agua , que íizerào. Ama- 
ral , Ji. 

GANA , s. f. vulgar , Vontade , fome. 

GANÁDO. V. Ganhado, ant. Elucidar. 

GANÂNCIA , s. t. Ganho , lucro. §. Fdhs de — : 
V' Gaança : bastardo. Carta de Guia de Casados, 

GANANCIOSO , adj. Lucroso , que dá ganho. 

GANAPÃO , s. m. O que vive do seu jornal , 
e trabalho. Paiva, Serm. i.J. 67. f. *'Represen- 
ta Rei , sendo hum ganapãu.'''' 

GANAPÉ , s. m. ant. Travesseiro de cama. Elu- 
cidar. 

GANAPÉRDE , s. m. Jogo de cartas , ou da- 
mas , em que ganha o que faz menos pontos , 
ao contrario de ganhar por mais , como é ordi- 
rvarío. 



GAN 



77 



GANÁR. V. G:inbar. ant. E lucidar. 
GANCÁRES , s. m. pi. Nas teira s de Salscte, 
ião os arroteadores de terras , os que encana- 



rão nos 



H" 



e contribuem com donativos 



e ser- 



viços a el-Rei em casos de publica necessidade. 
GANCARÍA, s. f. Junta dos gancares €onvo- 

CíldoS. 

GÁNÇA , s. f. Gaainhiria , gaança , gainharla , 
;anhadea , ganhadia , guanhadea , e guança , t. 
íHt. Ganho , lucro. §. filho de ganca ; de mu- 
her que ganha pelo seu corpo, de partido, me- 
retriz. §. Palha , ou alimpadura , que fica do tri- 
go na eira, por antifrase ? 

GANÇÁR , v. n. ant. Ganhar , lucrar , aqul- 
rir , obter : v. ^. gançar mercês , grat^as , desem- 
bargos , dinheiro , <ò^c. Ord. Af. i.j. 415. '■'•gaan- 
Cf^am os meus herdamentos Reguengos , e tazem 
ende honras ( adquirem herdades ou terras Re- 
guengueiras , e honxáo-nas ) e nom dam a mim os 
meus foros , que ende hei d'aver." 

GANCHAR.V. Enganchar, '■^ganchando o bichei- 
ro C de ajuntar o fogo ) com outro do inimigo.'^ 
Como , 5:. A. II. 

GANCHÍNHO , s. m. dim. de Gancho. 

GANCHO , s. m. Ponta de ferro curva enxe- 
rida em haste , ou pregada pelo espigão. §. Lu- 
cro meretricio. §, O lucro, ou ganho do official 
em horas furtadas, ou escusas. §. Presente de gan- 
cho ; o que se dá com espera de retorno melho- 
rado. 

GANCHÒRRA , s. f. Haste com gancho, de que 
usáo os bari.]ueiros para atracar. 

GANCHÒSO , adj. Retorcido , e curvo como o 
gancho. §. Na!ífr. de Sep. 9./. 19(3. a ganchosa 
rez ; i. é , que tem cornos como ganchos. 

GÀNDA , s. f. V. Rbinocerote. Barros. 

GÀNDARA, s. f. no Mondego, são as prayas 
que deixa descobertas , quando vai múi sangra- 
do , ou em geral terra areyenta , e estéril , que 
mal dá tojáes , Scc. Ined. ^. 494. "Coutamento das 
guandaras d'arredor d*Aveiro." 

GAxXDÁRES , s, m. pi. Panos da índia risca- 
dos de azul, 

GANDÁYA , s, f. Lavagem do lixo, que se dei- 
ta fora , para se achar o que talvez vai perdido 
nelle. §. t. Vida ociosa de birbantes. 

GANDAYÈIRO , s. m. O que vive de andar á 
gandaya , lavando lixo. 

GANDRA, s. f. V. Gdndara, Charneca. 

GANGA , s. f. Uma espécie de aves palustres , 
perdiz palustre. §. Gangas : um certo número de 
pontos no jogo dos centos. §. Ginga : tecido de 
algodão loiro , azul , ou preto , que se traz da 



Ásia , estreito , basto, e de boa dura. 



m. 



cirurg. 



Ttó 



GANGLIÃO , ou GÀNGI IO , s 
iTior , que procede de nervo torcido, 
GANGÒSO , adj. Fanhoso. 
GANGRENA , s. f. Principio de corrupção n.is 

fc- 




78 



GAN 



feridas , e partes do corpo , que as vai amorte- 

'ganGRENÁDO , p. p. de Gangrenar. 

GANGRENAR, v. n. ou GANGRENAR-SE. Co- 
meçar a corromper-se , e a perder o sentimento 
alguma parte do corpo. 

GANGRENÒSO , adj. Da natureza de gangre- 
na : V. g' cor , cheiro , wsemibilidade — . 

GANHADÈA. O mesmo que ganhadia. Elm- 

àdr. . ^ , , 

GANHADÈIRO , ad). Que ganha , lucra. 

GANHADÍA, s. f. V. Ganância. Filho de ganha- 
dia ; bastardo. NohiUãr. f- 57- _ 

GANHADINHÈIROS , s. m. O ganhão, que vi- 
ve do seu meneyo , e jornal. Orà. Af, 4- 6i. i6. 

GANHADOR , s. m. O què fica de ganho no 
Í020 Amo do Dia dejuizo. T. d' Agora, uf. zM- 

GANHÃO , s. m. O jornaleiro , que por seu sa- 
lário cultiva os campos , e guarda gado , e acom- 
panha seu amo : no Elucidar, se diz , que e mo- 
ço do pastor principal, azagal, ou zagal ( Cas- 
telh. ganan'). §. f. Homem vil , da plebe , mecha- 
nico. Cron. de D. Pedro i. 

GANFÁR , v. at. Lucrar , adquirir com provei- 
to , e augmento do capital. §. f. Ganhar gloria , 
nome , rep/ítação. §. Vencer : v. g. — a demanda , 
batalha. §. Contrair : v. g. ganhar doença. J. Ga- 
nhar a vontade de alguém. Eujr. i. X. §. Apossar- 
se : V. g. ganhar Cidade , \>rãça d jorça d armas , 
e algum posto , o.'í p.rsso qtie elle occupava. §. — 
a evpada do contrario, desarmá-lo esgrimindo. §. Ga- 
nhar : tomar t>or força ; v. g. o escudo , a espana 
ao contrario rendido, "por as ganhar ( as terras^ ) 
das máos, e poder dos Mouros.'' B. i. i. i. §. Ga- 
nhar terra; ir entrando mais e mais por ella.§,— 
tempo ; apressar-se por o nio perder : item , deion- 
<^ar , metter têpo em meyo. §. Ganhar com tra- 
balho o tempo perdido : remediar a perda do tem- 
po trabalhando mais apressadamente. F. do Arceb. 
I. 27. §. Conseguir : v. ^. — perdões , indulgências. 
§. Chegar : v. g. ofo^o ganhou o alto da casa. 'ate 
canharem o alto da serra." F. do Arceb. 3. 5. §. — 
o barlavento de outro navio ; pòt-se a banavento. 
§, Ganhar pé no mar , ou rio ; tomar^ pe , poder 
S05ter-se em pé sobre o lastro , e fora d agm a 
cabeça. Sa Mir. 5- O contrario de perder ao jo- 
go : V. ^. canhei a aposta ; ginhei-lhe três jogos , 
três cruzados. §. Fazer , adquirir : v. g. ganhar al- 
guém por inimi<^o. B. i. 10. 6. 

GANHO , s. m. O lucro , proveito de trabalho, 
obra , ou commercio , deduzido o capital , ou des- 
pezas , que puséramos, "com o grande ganho que 
fez do que levou (a comerciar)." B. ^ 2. 6. 
§. Logro, usura : v. g- "dar dinheiro a ganho.'> Cas- 

tan. ].f. lyy- , , . , • , 

GAN í DO , s. m. A voz aguda do cao dondo. 
GANÍNFA, s. f. Aiquerevi.v, manto de escravos- 
GANIPÉ dis o vulgo , por Canapé. 



GAR 

GANÍR , V. n. Dar ganidos : v. g. — o cão es- 
pancado. §. t Gnne a raposa. §. i, "Ganir após pro- 
messas vás." Aukgr.f. 157. 

GANÍZES , s. m. pi. Peças de jogar o encar- 
ne , feitas de um cssinho da junta da perna do 
boi , ou carneiro. 

GANÓGA , s. f. Um peixe assim chamado: 

GANSÁR. V. Gançar. 

GANSO , s. m. Adem. V. 

GÀNTA , s. i. IMedida de Malaca 5 7 gantas fa- 
zem um alqueire Portuguez. 

GÀNTAS , s. ra. Asiat. Vistador.^ 

GANZÉPE , s. m. Furo de — ; é o que se faz 
nas taboas para encaixar nellas outra peça, de 
sorte que os lados do encaixe váo-se apertando 
da base para cima , assim como a base de um 
triangulo isoceles com seus lados interiormente. 

GARABÚLHA , s. f. Embrulhada , conluyo , 
confusão. Leão. §. f. Homem embrulhador , enre- 
dador. §. Lettra mal feita , gregotins que se náo 
lem. 

GARABULHÈNTO , adj. De superfície escabro- 
sa , com altibaixos. 

GARAJÁO , s. m. Ave marítima , que apparece 
na Costa de Guiné junto á Linha. 

GARALH -'-DA. V. Gralhada , e deriv. 

GARAMUFO , adj. chulo. Principiante , novato. 

GARANHÃO , s. m. Pai d'eguas._§. íig. O fras- 
cario , putanheiro , que requebra muitas mulheres. 

GARANJxtO , s. m. chulo. Homem descompas- 
sadamente grande. 

GARANTE , s. c. A pessoa , qae afiança garan- 
tindo , mantedor , segurador. V. Garantir. §. Ga- 
rante em termos de Commercio ,^0 que assina a 
lettra de um passador pouco conhecido , e acre- 
ditado , para abonar , e assegurar a sua firma, e 
poder girar-se , e ncgociar-se , assegurando o bom 
pagamento áquelles , com quem a negoceyao : 
abonador , assegurador da firma. 

GARANTÍ a', s. K Pacto entre o garante , e o 
garantido , a obrigação que delle resulta. §. Ga- 
rantia ; em commercios , é fiança , abono , e res- 
ponsabilidade , que toma o garante da pessoa, ou 
negocio , que quer que se haja por segu- 
ra , e sem perigo de perder com ella , ou nelle, 
bzendo-se responsável pelos máos casos, c fal- 
limentos aquelle que presta a sua garantia', ga- 
rantia de credito , e boa dita , a sua firma c mm- 
ro boa c certa g/irantia , &c. §. Axao de garan- 
tia ; a que compete ao dono de uma lettra , que 
náo foi paga pelo sacado , para haver o seu va- 
lor do passador , ou de quem direito tor sejao cn- 
dossadores , ou garantes e abonadotes da lettra nao 
aceita, ou não paga. • f ht 

G-VR-VNTÍDO , part. pass. de Garantir. §. mu- 
nido , acompanhado , assegurado com garantia era 
termos de Commercio. 

GARANTÍR , v. at. Obrigar-se , fazer-se res- 

pon- 



^S^ 



GAR 

ponsavd pch observância de algum tratado , pe- 
la conservaçiio de alguns estados , e possessões , 
sujeitando-se a recompensar a talta que houver 
por culpa do garante.TnJí. impresso em i7ii.§. Man- 
ter , assegurar; segurar, abonar, afiançar, hzer 
bom o trato, capitul.içáo , fazer obicrvar , e có- 
prir. §. [-"restar garaiuia de commercio : v. ^. ga- 
rantir uma ktlra cambial. 

GARANVÁZ , s. m. Talvez barambaz. '■'Somen- 
te nos guardíipés das mulheres ie poderá por Ima 
barra de seda de aluíra de bum palmo , e iHím ga- 
ranvàz com debrmi.^^ Lei Suiuiií.iria. 

GARAPA, s. F. Bebida feita de calda , ou me- 
laço com agua , e limão no BrasiJ. 

GARATUJA , s. f. Lettra mal íeita , garabulhas , 
gregotins. 

GARATÚSA , s. f. No jogo do Xiiindron dar 
garatusa , é descartar-se a reyo dos seus trun- 
fos , sem servir com carta alguma. §. Fraude , en- 
gano. £. P. 

GARAVÀNÇO , s. m. Peça de páo dentada , 
com que se limpáo os trigos na eira. 

GARAVANSÉLO. V. Bsparavão. 

GARAVÁTO , s. m. Gancho ; v. g. de colher 
fruta, yírte de Furtar , c. 57. §. Aza de ferro com 
duas cadeyas chamadas àe garãvato ^'cpe. se pen- 
durão nas hastes dos mancebos , ou em pregos 
na parede. §. Garavaios secos : lenha miúda. /^. 
Gravetos. 

GARAVÍAI , s. m. Toucado antigo ; era coifa 
de retroz com lavores de lio de oiro , &c. e 
com renda na dianteira. Tenreiro Itiner. 

GARÁYOS , s m. Aves marítimas , que se vem 
na derrota da índia, 

GARBO , s. m. Graça , bizarria , bom modo no 
fallar , e obrar. §. Gentileza no andar , e meneyo 
do corpo , e membros. §. Bom ar com que se aga- 
salha , ou faz algum beneficio. §. Brio , valor. 
homem de garbo : brioso , cavalheiro , cavalleiro. 
Ulis. u6. 

GARCIA, s, f. Ave aquática de rapina ; hi. gar- 
ças reáes ( ardea , <e ), e garras ribeirinhas ( ar- 
dcola , iC ). §. Gibas de garça ; i. é , verdes tiran- 
do a azues. §. Tomar a garça no ar , íig. fazer 
gentilezas maravilhas. Eufr. }. 9. 

GARÇÃO, s. m. Mancebo , rapaz. D. Fran. M. 
Ulisipo,/. 249, f, ou 250. gentil garção. Orden. 
jif. T. 5. pag. 2(,o. §. I. "que buscáo hi garçÕes , 
e molheres , de que devem d' aver algo.'" 

GARCEIRO , adj. Falcão — , que mata garças. 

GARÇO, adj. Zarco, "de olh.oíj ^/írçof.''^ Leão ^ 
^'''Sf- 5^' <^'^P- 8. ''garço , ou zarco.''' Cam. £gL 
6. "os olhos bellos tem da còr do Ceo , Garços 
os tem: '•'^ /. é, azues esbranquiçados. 

GAPvÇOA , s. f. de Garção. Rr.p-iza , rapa- 
riga, moça. ÂHlegraf.f. 175. moçoila. 

GARCjOTA , s. f. Garça bastarda , não real j ou- 
noá dizem que é garça nova. 



GAR 



79 



GARDÀNTE , ou GUARDÀNTE , p. prés. de 
Gardar. ant. ou Guardar. A parte gnrdante ; que 
cumpre , e observa o contrato. Eluadar. 

GARDÍNGO del-Rei , nas Leis Gothicas , é 
Desembargador del-Rei. M. Lus. 

GARÉLy^ , s. f. A perdiz , que anda ao cio. 

GAR FÁ DA , s. f. A porção que se toma de uma 
vez com o garfo. 

GARFÍLHA, s. f. Orla da moeda , ou medalha, 
junto á qual vai a lettra , inscripção. 

GÁRFO , s. m. Instrumento de dois ou mais 
dentes , em que se enfia a comida ; é de me- 
cal , ou de Outra matéria dura. §. Instrumento de 
que usaváo os tyranos para rasgar a carne dos 
mártires. §. na Agric. Ramo novo que se enxer- 
ta. §. Garfo de gente : uns poucos de soldados. 
Barros , 1. 6. 4. "repartir a armada em garfos.^'* 
P.P. L. I. c. 19. §. f. Pelo Baptismo somos como 
garfos enxertados em Christo. C^tb. Rom. 248. 

GARGALHADA , s. f. Gargalhada de riso : risa- 
da forte , e descomposta. 

GARGALHO , s. m. Escarro grosso , que se lan- 
ça com difficuldade. 

GARGALO , s. m. O collo , ou pescoço lon- 
go de alguns vasos, v. g. alambiques, garrafas. 
§. A parte da garganta por onde sái a voz. Lo- 
bo. §. Entrada , ou porta estreita. Guia de Ca- 
sados. 

GARGANTA , s. f. Pescoço , collo que une a 
cabeça ao tronco ; tem dois canáes , um que le- 
va o alimento ao estômago , outro por onde a 
voz sái encanada do pulmão. §. f. O canal da 
garganta. §. Todo o peito da mulher, com a gar- 
ganta. §. f. Voz : v.^. "tem boa garganta." §. Pas- 
so estreito entre vallados , montes ; a boca , ou 
passo estreito do rio , porto , barra , mar. Pieira , 
e Lucena, a garganta do vallc. Ined. 2. f. 364. 
"todalas ruas que vinháo dar com suas gargan- 
tas na ribeira." £. i. 8. 7. — do rio. id. i. 8. 8; 
§. Garganta de fogo : vulcão, idem. 5. 5. 6. "outra 
garganta de fogo como a de Ternate." §. Passos 
de garganta : o gargantear cantando. §. Pòr o cu- 
tello , ou baraço na garganta a alguém ( no fig. ) : 
pò-lo em aperto , escremidade. §. Deixar em a gar- 
ganta ; i. é , em aperto , na necessidade. UUsipOj 
f. 37. §. — das camias de assucar , são os gom- 
mos chegados ao olho , que crescerão perto do 
tempo da madureza , e ainda não estão maduros, 
de ordinário são mais grossos , e curtos que os 
outros. 

GARGANTaO , adj. Devorador , comilão , gu- 
loso, "o falcão , ou lobo gargantão." §. Homem 
gnrgnntão. Fúhalpandos, Ato ^!sc. 7. Prestes, f. 38. 
Arraes , 10, 49. §. Pentes gargantões, Regim. da, 
Fabrica dos pannos , cap. 106. talvez largos. 

GARGANTEAR , v. n. Gorgeyar , requebrar , 
trinar com a voz. 

GAKGANTÈO ( ou antes garganteyo ) O gar- 

gán- 



^ 11 -l-F 



8o 



GAR 



í^i 
!*!* 



«■intear , trlni-.da com a voz. 
^ GARGANTÍLHA , s. i. Peça de ornar o pesco- 
ço de pérolas 



ou pedraria , que se punha de 
íiombroa hombro. CodiO , 9- 22. "^//r^^níí/.^^^" (de 
contas de vidro) que as Cakas põem ao pescoço. 
GARGANTOÍGE, s. t. Gula , luxo nas mesas. 

Sd Miranda. 

GARGAREJAR , v. n. Lavar a garganta sosren- 
do nella o liquido com o ar , que moderadamente 
se impelle pelo gargalo , oa trachea. 

GARGAREJO. Remédio liquido para se garga- 

''^GaIotÈ?Ro';'s!* m. eh. Garganta , da voz. 
Sim Mach. Com. «se eu tiro o torno zo gargm- 
ro :'' se desato a cantar. ( a tracaartena ) 

GARITÈIRO , s. m. O que da casa de jogo. V . 

Cuariteiro. _ , . 

GARÍTO , s. m. ant. Casa de ]ogo. 

GARLINDÉO , s. m. naut. Peça de terro en- 
caxada na ponta do mastro , pela qual se enfia o 

mastaréo. , ^ . j 

GARLÒPA , s. f. de carpent. Instrumento de 
limpar a madeira titando-lhe as ultimas aparas , e 

fazendo-a bem lisa. , , ^ t. j <> 

GARiNÁGHA , s. f. Beca de Desembargador. §.en- 
tre rústicos ; Chuva de pedra. 

GARNEÁR, V. at. de Brumdor. Brunir, ou ali- 
sar o coiro com a maceta. . 

GARNIMÈNTO , s. ant. V. Guammento. Ar- 
revo. em — de bestas. Ord. Aj. 5. f. 155- 

GAROTiGE , s. t. Acçáõ , ou dito de garoto ; 

vida de garoto. , • , , ■ j^ „„ 

GAROTÍL , O alto da vela do nav;o , onde es- 
tão uns ilhós, que se fixáo nas vergas comos 

envergues. , . 1 • j 

GAROTO , 3. m. Rapaz bregeiro , mal criado, 

e petulante. 

GARÒUPA, s. f. Peixe como o enxarroco , se- 
não que é vermelho. §. V. Garupa. 

GAROUPÉS. V. Gurupés. 

GARRA , s. f. As unhas das aves de rapina e 
das feras , como o leão , tigre. §. Ganas do cavai- 
lo ; o pello longo , que nasce ao redor da )unra 
das mãos, ou pés. §. A parte do coiro que cobria 
os pés do animal, e as pernas , que os arcistas , 
que trabalhão em coiro, cortão i delias se taz 

colla torte , &c. 

GARRACICAO , s. m. Ave Brasílica , que vive 

de mel , e orvalho. Cron. da Comp. 

GARRAFA, s. 1. Botelha, vaso de vidro bo- 
judo , com gargalo , para vinho , azeite , agua na 
mesa , &c. ( Carafe , Franc. ) 

GARRAFAL , ad). Ginja — ; u e , grande , e 
mayor que a ordinária. 

GARRAFÃO , s. m. Garrafa grande. ^ 

GARRÀNA , s. f. Egui pequena , e nao tantU ; 
de serviço. 

GARRÀNGHO , s. m. Doença , que vem ao 



GAR 

casco das bestas, §. Ramos de pábs , e arbustos 
tortuosos. 

GARRAR , V. n. Ir o rtavio para traz , por- 
que a ancora não fez presa na vasa. Briío , f^ta- 

çem.. . , 

GARRÁYO, s. m. Boi novo no corro , mda 
não matreiro. §. t Pregador novo , t. chulo. 

GARRIDA, s. f. Sino pequeno. 

GARRÍDAMÈNTE, adv. Com garridice. 

GARRIDÍGE, s. f. A qualidade de ser garrido. 
Severim. a garridice dos versos pequenos. §. Eitjr. 
2,. 2. loB. f. grandes Príncipes fisdrãoo verso , noa 
por garridice , mas para coisas de tanto tomo : 
garridice aqui é lascívia do engenho empregado 
em pensamentos amorosos , jocosos, ^'as garri- 
dices de Ovidio , e doçuras de Petrarca , que 
nestes brincos muito se esmerarão." Barr. Gram. f. 

GARRÍDO , ad). antiq. Deshonesto , lascivo. 

Leão, Cron. Jf. 4./- n»- «'í- ^'''í- "^^°"°'^,i^T 
nes 7 annos antes de nascer )a era garrida. §. r. 
Amoroso , locoso , lascivo : v. g. versos garridos. 
Gandavo , Dialog. Homem garrido , garrida no v(S- 
tir^ com luxo , elegante , atilado , mui enfeitado 
com cores alegres , e brincos ; mais que louçao. 
GARRÓCHA , s. f. Haste de páo , com ponta 
de ferro farpaJi , de tourear. 

GARROGriáO , s. m. Garrocha grande de tou- 
rear a cavalio. 

GARROGH.ÁR, v. at. Ferir de garrocha. 
GARRÒGHO. V. Garrocha. Firiato , Trag. 
GARROTE , s. m. Arrocho , coro dé pao , com 
que se dá volta ao laço posto no pescoço para 
matar , ou estrangular , passado o laço pelo bu- 
raco do poste. §. Cartas de garrote ; as que su- 
cilmente se fazem mais curtas , que as outras. 

GARROTE A, s. f. Ord^m da — ; i. é , da Jar- 
reteira , que os Inglézes charaão Garter C Lobo): 
é ordem militar d* Inglaterra. 

GARROTÍLHO , s. m. Inflammação da gargan- 
ta ,que mata suííocanJo, e como d-' garrote. 

GARRÚGHA, s. f. Polé de dar tMtos. Fwra. 
5. Albarda de besta , antiq. §. t. naut. Garri{cr;.ts 
são , ou erio cabos , que se mcttcm nas rclingas 
por entre os chicotes , donde se fazem as puas 
Jas bolinas-, daqui vem agarriicbar , Scc. §. In- 
strumento de armar as bestas ditas de garr/ícba. 
Ord. Af. I. 6'i. §. 25. e p, "acontiados em besta 
de zarrucba?' e pag. A?';- «^rio bec^ta de ^xnuch^ , 
com sua garntcha. os besteiros do como, que e.ra 
da classe dos mesteres e pobres , tinhao bestas 
ordinárias, que se armavão com polé-, e o* m^ois 
ricos bestas melhores ditas âe garntcha. Cit. Oíd. 
pag. 477. T. 71 •' f- 2- ' K?- 49^- 5- i' "bestas. .. 
para se armar com garrucha. 
^ GÁRRULO , adj. poet. Ave - , que chilta , 
Mrgeya , atita , c canta múiro. Cam. f. Trovista — . 
^ GARúVa , s. t, a parte posterior dg cavaUo 



^^ 



'^^\.ÍI1''2S 



GAS 

iksJe o arção traseiro d;i selLi até o cabo. §. Dar 
garupa a alguém ; deixi-lo ir de ancas. §. Cor- 
reya com i]ue se uca a mala , ou alíorje sobre 
a garupa do cavallo. §. Mala , ou alforje, que vai 
na garupa. Jrte de Furtar, c. 52. 

GARUPÁDA, s. f. Salto que dá o cavallo co- 
mo a capriola ', mas sem mostrar as ferraduras. 

GASALHÁDO , s. m. Agasalho de casa , ou nas 
palavras , e bom ar , com que se recebe alguém, 
"hum gasalhado provido &c." ( hospedaria ) F. do 
Arceb. i. 20. V. Agasalhado. Palm. P. 2. c. 6j. 
§. Gasalhado no ato de saudar , e receber a pes- 



GAT 



8r 



soa. o recebeu de novo com outro gasalhado , e cor- 
tesia, era homem de grande — : que recebia , e fazia 
muito bom acolhimento , e tratamento aos que con- 
versava , e o buscaváo. Ined. 1. 526. "doces pala- 
vras , brandos gasalhados." Uliss. i. 46. 

GASALHAIVIENTO , s. m. ant. "quem seja em- 
paro , e gasalhamemo de meus criados :''' agasalho, 
abrigo com favor. Ined. 5. ^2. 

GASALHO , s. m. V. Agasalho. Ined. 2. 580. 
§. Gasalhos , pi. uma espécie de cogumelos , que 
se com.em. 

GASALHÔSO , adj. Homem — , que faz agasa- 
lho , bom acolhimento , e mostra agrado a todos, 
"homem de sangue, e criação, e muito ^^za//;o- 
so." Resende , Vida , c. 7. 

GASCOfiS , s. m. Peças do canhão do freyo de 
um feitio particular. Galvão. 

GASNÁDA,, s. f. O vozear áspero de cerras a- 
ves , V. g. dos patos , grous. F. Mendes , c. 75. Ar- 
te da Caç,a. 

GASNÁR , v. n. Vozear o grou , o pato , gan- 
so , o corvo : grasnar dizem outros. 

GASNÁTE , s. m. A parte do pescoço dita ca- 
na do bofe , áspera artéria. 

GASNEÁR. V. Gasnar ■) on Grasnar. Amaral^ 
II. 

GÁS.PA , s. f. Remendo ao redor do rosto do 
sapato : o rosto que se deita nos sapatos velhos. 
Madureira , Ortogr. f. Virão-se as gaspas a muitos 
doutores : Prestes : sciencia de retalhos , superficial. 
GASTADÍSSIMO,.sup. de Gastado, hompn — ; 
de doenças e fazenda. Eufr.^.i. 

GASTADO , part, pass. de Gastar, — á<7 ida- 
de , doença. Freire , L. 4. "gastáido menos dos an- 
nos , que dos trabalhos." [Squs/i. a nação — com. 
guerra. Arraes ,4, 15. gastado : corrupto. Leão , 
Orig. §. Dinheiro — . F. do Arceb. L. 6. c. 1^. "a 
prata lia via ja gastado." Freire, L. 4.-f. M9. "o dia 
era já mui gastado :" passada, grande ;parte. Cla- 
rim. 2. c. 29. §. "Fez grandes mçrcès..,.^ ç ty:ou| 
grandes rendas do pa,tj:itTionio' jda ;Coroaij vflus. ao 
diante foi riazo de yiver ( el^ei ^ ma.\s\ga^do 
do que a seu «stadp -9ompria.^^/He(^;.'5^5)4,,.(,ífal- 
to de àjnlmra^X^' ^'^ ^^^,^ ■,^^, ,^ ^, l^n^-^l-r 
G-^iSTADOR , sím;-i— ora, f,. Pessoa que des- 
pende com largueza i gente de' serviço que tr*- 
Tom. II. 



balha na fottificaçáo , cavando , trazendo achegas, 
no entulhar fossos , &c. §. adj. (^ue gasta , 
consume : v. g. o tempo — . Barreiros , Corogra- 
fia. 

GASTALHO , s. m. Instrumento de marceneiro,' 
que serve de apertar qualquer folha de madeira 
no banco. V. Talcira. 

GASTAMÈNTO , s. m. ant. Gasto , despeza. 
Lopes , Cron. ^. i. para o — ordenado : para a 
despeza ordinária. 

GASTÃO , s. m. O remate do bastão na par- 
te superior; cdiíJo vulgarmente. §. — do fuso. V. 
Maúnça. 

GASTAR , v. at. Despender fazenda , dinhei- 
ro : e f. tudo o que se emprega em algum ser- 
viço, e ralvez se desperdiça, ou consume com 
o uso : V. g. gastar óleo , cera ^ pólvora , <ô'C. des- 
truir, danificar, consumir: v. g. '4he destruí , e 
tomei ( os paraos ) nem tinha ( o Samorim ) at- 
telharia , nem bombardeiros, que tudo lhe gastei, 
e desfiz. '■* Como , 4. 6. 7. gastar a vida , a saú- 
de , a mocidade : gastar os car}ipos ; tallando-os , 
comendo-lhe os frutos. Palm. P. 2. c. \6o. "os 
mais ( homens ) gastou a terra, e as enfermida- 
des ( consumiu y^ Couto , 4. 6. 9. B. i. 4. 9. 
"hum e hum os iriáo gastando ( dando cabo del- 
les )." por se não gastarem com a chuva as enxar- 
ceas das nãos. B. 2. 5.4. §. Digerir r v- g. o es- 
tômago da ema gasta o ferrç : gastar o comer. §. — 
se : consumir-se , ou empregar-se em algum uso. 
§., Vender-se ; ter saida. §. — se o tempo ■■, perder- 
se , passar-se sem fazer-se o que nelle se houve- 
ra de fazer. Albuq. 4. 5. §. Gastar-se alguém ; des- 
pendendo s^s bens , e empobrecendo ; perdendo 
forças ; perdendo gente na guerra. B. 4. 6. 25. 
"mandar armadas , para assi se gastar ( diminuir 
em posses ) e ficar com menos gente." 
GASTO , s. in. Despeza , emprego. 
GATA , s. f. Fêmea do gato. §. Vela de ci- 
ma da mezena : t. náutico. §. V. Ágata. §. Um 
peixe do mar. §. Tomar a gata : embebedar-se 
até cambalear. §. Larga a gata , se diz ao bê- 
bado que vai cambaleando. §. Máquina de guer- 
ra antiga. Cron. J. i. c. 12. 

GATÁZIO , s. m. Unha de gato. §. f. Logra- 
çáo grande. P. P. 

GATEÁDO , p. p. de Qatear. — de ferro, de 
bronze , (ò-c. com gatos de ferro , de bronze. 

GATEÁR , V. n. Andar de gatinhas.* §. Subir 
agarrando-se. §. v. at. Ajuntar, segurar uma pe- 
dra lavrada á outra, ou peças de madeira com 
gatqs de bronze , ou de ferro. §. Arranhar com 
as unhas. B. P. e Cardoso. 

,GATÈIRA, s. f. Buraco na porta , para que o 
^ato possa entrar por elle. 

GATÈNHO , s. m. "Campo metade lavradio, 
e mstiàe. de. gatenho :" inculto , ou pousado. Eluctd. 
GATÍLKÓ, s. m. Peça dos fechos da espin- 
■■ ^ L garr 



r 




82 



GAV 



^^ 



li 






ií 




cao 



garda, a qual puxada para o couce faz cair o 

o 5 que esrava armado. 

GATIMÀNHOS , s. m. pleb. Por esgares de na- 
morar , tregeitos ; na Bujr. ^. 2. diz um a outro, 
faue escreva á sua dama , "e vá a carta com ga- 
mianhos ," i. è , corações asseteados , ou levados 

nas garras &c. , ^ , ^ , 

GATÍNHA , s. f. dim. de Gata. §. Jndar acn- 
m^a de gatinhas , i. é , sobre as máos , e pés , 
como o gato, Síc. 

GATÍNHO, s. m. dim. de Garo. 
GATO, s. m. Animal caseiro, e bem vulgar. 
§^ — carnoso , entre alveitaies , a múita carne , 
que hz pender as clinas , e torcer a um lado a 
taboa do pescoço do cavallo, §. Fender gato por 
lebre , no í. dar uma coisa por outra fraudulenta- 
mente. §. Fazer gato sapato : enganar grosseira- 
mente , fazer do Ceo cebola. §. Gato pingado : 
o homem que carrega a tumba dos pobres da 
Misericórdia. §. Pedaço de ferro como uma fi- 
ta , com duas pontas que se dobrão , e formão 
angules , as quaes se embebem , e chumtáo nas 
bandas de duas pedras do edifício , para assegurar 
a sua união. §. Lançar o gato ãs barbas de ou- 
trem : sacudir de si o perigo , ou trabalho. §. Co' 
mo o cão com o gato ; i. é , em desavença , dis- 
córdia. §. Q^cm lançará o cascavel ao gato i i. é , 
quem há de executar o conselho, e expedienre 
perigosissimo ? §. Buscar 5. pés ao gato yi.é, in- 
tentar provar , ou achar o impossível , com so- 
fisterios. §. Levar o gato d agua , fig, sair com a 
soa pertençáo custosa. §, Gato Teixugo : gato mon 
lez. §. Mostrar o gato por leão : enganar dando 
mais damno , quando promettia menos. £tijr. f. 4. 
**mostrou a fortuna gato por leão." §. Páo con- 
cavo de arcar as cubas no Minho. §. Gancho , do 
qual se pendura o raoitáo , ou cadernal. §. Peça 
de bronze ou ferro , fe como uma regreta com 
dois espigões nos cabos , os quaes se chumbão nas 
pedras, ou pregão nas obras de madeira, para 
ter as peças unidas entre si. 

GATÚiMO , s. m. Ladrão ratoneiro. §. O que 
furta ao jogo 



GATÚRDA , s. f. ant. Moda que se tocava na 

viola. 

GA VARRO , s. m. Apostema que véi as bes- 
tas. 

GÁVEA , s. f. naut. É armação de taboas , co- 
mo uma meza com bordas na ponta do mastro. 
GAVÉLA , s. f. Manipulo , molho de espigas , 
dos quaes , 6. ou 7. fazem uma pavèa ■■, entre os 
Hespanhóes a gavda{^ ou gavtlla ) consta de 6. 
feixes menores. 

GAVETA , s. f. Caixa corrediça de papeleira ,; 
cómodas, que está embebida nellas^ quando se' 
fecha. 

GAVIÃO , s. m. Ave de rapina a mais peque- 
na de todas. Fern. Arts da Ca^a. §. — da vuie : 



GAZ 

élo. §. Parte da estribeira , alias conto. §. — do 
cavallo; dente ultimo de cada banda dos 6. do 
mcyo superiores. Pinto y Gineta , j. 53. 

GAVIÈTE , s. m. Espécie de alçaprema , que 
serve para arrancar estacas , e na tanoeiria. Bar- 
ros. 

GÁVO , s. m. Gabo , louvor. M. Conq. 2. 16. 
GAXÈTAS , s. f. pi. naut. Cintas com que se 
ferrão as velas nas vergas. 

GÁYA , 8. f. Um dos rodopios extraordinários , 
que vem ao cavallo junto ao coração. 

GÁYO, s. m. Ave deste nome. Arte da Caça. 
GAYÓLA : melh. oitogr. que Gaiola : ant. Es- 
pécie de charola , que ia em procissão. Elucidar. 
QkZ , s. m. t.Chym. Substancia aeritorme , que 
se desenvolve da mistura de alguns metáes , ter- 
ras , ou cáes com ácidos , &c. 

GAZALHÁDO , 8. m. Agazalho. Lobo. acharia, 
gazalhado em algum hospital. M. Lusit. "o In- 
tante lhe fazia tanto gazalhado?^ homem de gran- 
de acolhimento , e gasalhado : que fazia bom aco- 
lhimento , recebimento , e agasalho a todos , ou 
geralmente, fned. 2. /. 220. 

GAZALHÁR. V. A^a^alhar. Fios Sanct. pag^ 
CF. f. ^'■gafalhdrão-se em casa de hum Christào." 
GAZ ALHOS AíviENTE, adv. Com agasalho. Me- 
nina e Moca , f. 61. f. 

GAZALHÒSO , adj. Com agazalho , boa som- 
bra , e bom ar , bom acolhimento. Camões , Lrí- 
^lad. <-'gazalho^o hospício." "homem m^xo gaza- 
lhoso:"^ae faz agazalho, e bom acolhimento. 
Resende , Fda , f. zz. c. j. 

GAZEADÒR , s. m. Costumado a gazear, 
GAZEAR, v. n. Faltar ao estudo, ou escola 
por vadiar. §. Dar a voz chamada gazeyo , como 
a garçota. ■ 

GAZEIO , s. m. A falta a lição , ou escola 
por vadiar. §. O som que fazem cetras aves. vír- 
te da caça : "a garçota levantou tal gazeio.' ( do 
Francez Gazouúler ? ) 

GAZÉLLA , s. f. Animal a modo de cabra , 
sem barba , e mais comprido , de corpo muito 
enxuto j daqui vem dizer-se , magro como ga- 

zella. . . 

GÁiZEO , adj. Olhos — ; que tem a menina bran- 
ca : dizem que zarco è o mesmo. Pinto , Gine- 
ta , f. 40. "a Gázea Palias." ( uculis caesta Mt- 

nerva ) , ,. 

GAZETA , s. f. Papel de noticias publicas , que 



sahe regularmente. 

GÁZETÈIRO , s. m. O que compor a gazeta. 
GKÍÍ-k,V.Gaz'r^ít: '^- - '" 
GA^ZÍLT adj. Muito alegre. B.Per. ^ 

GA'ÍÍ'VA , s. f. Ajuntamento para expedição 
militar dos Moiros em hohra , ou por acrescen- 
tamento da sua Religião. §. f..O^ damno feito 
pos estas gentes. Ulisipo: farão -em mtm gaziva , 
içomo os Mouros, ^^_ 



GEI 



/ 



GEM 



83 



GAZOPHILÁCIO , s. m. O cofre das esmollas I ol/;oí 



do Templo de Jerusalém 

GAZÒSO , adj. t. Chym. Da natureza do gaz , 
ou em torma de gaz. Cheiro — ; Sitbstandas — . 
GAZU. V. Gaziva , ou Gazita. Crusada encre 
Mouros. *'íazer gazú." 

GAZÚA , s. f. Ferro com gancho , de que os 
ladrões usáo para abrir fechaduras. §. Ferro , ou 
lança gazúa , a que tem obra em que a máo faz 
presa. §, Gãziía , ou Gaziya entre Alouros : V. 
Gaziv/i : expedição militar, ^'pregar gazua , oit 
apregoá-la contra os Pormgmzes." M. Lusu. T. 1. 
f. ^29. col. i. Cron, Cisterc. f. izo. col. 2, o damno 
que os Mahometanos taziáo aos apóstatas da sua 
lei, esíarrapando-lhe as carnes, &c. Leão ^ Des- 
cripc. f. (jS. Aiikgr.f. II. f. D. z. f. i^Ò. col. 
2. contra Cristão prizioneiro. B. 5. 7. 5. Couto, 
8. 20. "codos os que passavâo fazião nelle a ga- 
zua ( dando-lhe seu golpe ) , e já o deixarão por 
morto." §. "lanças com humas gazttas de prata." 
Couto , 10. 2. 4. 

GE , ant. por Xe. V. Xe. Se , pron. 
GEADA , s. f. Orvalho congelado com frio. 
Gear , V. at. Fazer cair geada em algúa coi- 
sa. Lobo , Écloga 7. o Ceo gea a planta mal na- 
cida. §. V. n. Cair geada. 
GÈBA , s. f. Corcova. V. 
GEGElAdO. V. Agegelado. EUmdar. 
GEHÈNA , s. f. Lugar de tormento , inferno. 
Arraes , 9. 5. "infernal gehena." 

GÈIRA , s. f. Tanta porção de terra , quanta 
pôde lavrar um arado por dia : as geiras do ca- 
po de Coimbra tem por cada um dos 4. lados 12. 
aguilhadas , ou ^6. varas de 5. palmos craveiros. 
§. Na Ord, Manuel, i. 44. §. 8. parece significar al- 
gum serviço , que se fazia aos juizes , ou elles ex- 
torcjuiáo. Filipina, L> 1. T. 65. §. 4^. "Se levarão 
serviços, geiras, ou outras serventias." §. Servi- 
ço , espécie de foragem ( análogo á corvée dos 
Francezes ). "pagará três geiras ás vinhas , hua 
a legar , outra a podar , e outra arredar ( ao ar- 
redrar )." El/ícid. art. Arredar. Talvez dia de servi- 
ço. Ord. AJons. 2. ^^. 29. 'dar geiras cada so- 
mana.' §. A geira de campo devia levar 4. alquei- 
res de centeyo de semeadura : a — de vinha , a 
terra que podiáo lavrar 50. cavóes de vinha. Y', 
Elucidar. Suppl. §. Serviço , obra feita por matar 
geira ; i. é , sem curiosidade , nem perfeição, mas 
por pagar a geira ao senhorio da terra , ou a quem 
a extorquia do pobre geirâo , e de má vontade, p^. 
do Arceb. 4. f. 8. 

GEIRÓM , s. m. aof, O que pagava serviço de 
geira. Elucidar. . ■ t^ 

GElTÁR , v. ant. Lançar. Geitar-se : lançar-se. 
vós vos geitades nos lugares da correi^om , e ja- 
zedes em elhs tempos períongados. §. — se: encer- 
rar-se. Elucidar. 

GÈITO , s. i. Feição , modo : v. ^. o geito dos , 



tem geito de lavadouro de roupa. M. Lus. 
De geito : de modo. Cam. Soneto. §. O geito da 
boca. §. f. O geito ^«e levão , ou tonúo os negó- 
cios. §. Um geito de penna ; qualquer movimento 
delia : Fieira : com qualquer geito de penna podem 
fazer grandes danos. §. Ter geito nos olhos : ser 
vesgo. §. Geito no volver dos olhos ; meneyo , mo- 
vimento. Camões, Son. 106. §. Ficar de geito : t. é , 
cómodo : v. g. para o tomarmos , para nos ser- 
virmos delle. §. Habilidade , préstimo , aptidão. 
§. Dar — de si : dar aso , commodo. Leão , Cron. 
J. I. c. 35-. §. Ter geito com alguém; cabimento, 
modos de o dirigir a seus fins. Ined. ^.6^. 

GEITÒSO , ad|. Que tem geito , aptidão para 
alguma coisa. §. C^ue tem bom ar , apparencia, 
§, Que tem geito nos olhos. 
GEJÚM. V. Jejrm. 

GELADO , pare. pass. de Gelar. Congelado, 
GELADÒR , adj. Que gela : v. g- fii^ — : Vftt-, 
tos — das montanhas. 

GELAR , V. at. Regelar , congelar. §. Gelar. n. 
congelar-se , endurecer , coalh.ir. ^'getou o oivalho 
matutino.''^ 

GÉLBA. V. Gelva. Castanh. z. f. 15I. 
GELÉA , s. f. Sumo de alguns frutos por si , 
ou em calda de assucar , que resfriados se con- 
gelão. §. Suco glucinoso tirado , por exemplo , das 
mãos de vaca , carneiro , ou pontas de veado , o 
qual fica congelado. 

GÉLHAS , s. f. pi. rust. O tiigo engelhado. 
GÉLIDO , adj. Congelado, múi frio. Eneida, 1 1. 
177, o gélido medo. 

GELO , s. f. A neve congelada , e vitrificada. 
GELOSÍA , s. f. -Raro de fasquias de madeira, 
com que se cobrem as janellas da vista dos visi- 
nhos. §. Multiplicar por ^eloslà.V.Muhiplicar.^. Ciú- 
me. Fieira , Cartas , T. 2. /. 255. "sobre seus por- 
tc-3 , e commercips vigião os Príncipes com tan- 
ta gelosia.'^' 

GÉLVA 5 s. f. Barco pequeno usado no mat 
roxo. Fern Mend. c. 5. 

GÉMEA 3 s. t. ant. Nos talhos de marinhas l. 
gémea são 64. talhos. Elucidar. 

GÉMEO , adj. Que nasceo juntamente com ou- 
tro do mesmo ventre : v.g^ "irmãos gémeos." §. Pòr- 
se a besta em gémeas ; erguer-se sobre os pés , para 
fazer cair o cavalleiro de costas. 

GÉMEOS , s. m. pi. Um dos Signos do Zodíaco, 
aliás Gemini. 

GEMER , V. n. Dar mostras da dor , e affliçáo 
com gemidos. §, Romper-se na costa , e esprayar- 
se com o soido brando : poet. "o mar geme." 
Camões , 5. 74. §. Geme o batel com peso ; a estan- 
te com os livros ; i. é , vai múi carregado. §. Gé- 
meo ar ferido das armas dos combatentes. Eneida, 10. 
87. "^eme a porta" sobre os gonzos ; range. U- 
Lss. I. 17. §, Ás vezes usamos de gemer com pa- 
ciente , o qual c a causa do gemido : v. g. "o seu 

L ii p"-. 







ti: 




84 



GEN 



GEN 



perdido amor a rola geme." B. Lima, Egl. 15. "ge- 
me a rola o seu perdido esposo." Cam. Canhão 
J5. "Chorando ( Christo ) e gemendo peccados 
do povo." Paiva, S. i. 94- lamentar gemendo, com 
gemidos. §. Gemer o prelo , ou a imprensa 3 tra- 
balhar j laborar imprimindo livros, 

GEMÍDO , s. m. Inspiração , e respiração do 
ar , sentida , que mostra a dor , e atflicçáo do 
animo. §. i. Som forte , v. g- de penedos encon- 
trados no ar. Eneida, t,. 130. vem com gemido os 
poios assombrando. 

GÈMINI. V. Gémeos. §. Emplasto d gemims.V. 
as Farmacopéas. 

GEMINO , adj. Dobrado. acj:íeUa — repetição. 
Feo , Serm. da Epiphan. f. 96. f. 

GÈIVIMA , s. í. Pedra preciosa. Lusiad. -J-Sl' "^e 
preciosas gemmas se adereça.'^ Faria e Soisa. §. A 
patte amarella do ovo. §. f. O meyo : v, g- na gem- 
ma do inverno. §. Enxertar de — ; é unir a bor- 
bulha de outra arvore , áquella em que se faz o 
enxerto. 

GEMMÀNTE , part. at. ( de gemmare lat. ) Bri- 
Iháte como a pedraria. Tavares, a gemmante Ju- 
rara, poet. 

GEMMÁR , V. at. d'Agric. Enxertar de gemma. 
§. na Pharmac. Temperar com gemma de ovo. 
GENCIANA , s. f. Herya medicinal. ( gentia- 

na) 

GENEALOGÍ A , s. f. Linhagem , descendência 
das famílias: v. ^. livros de — ; escritor de Gema- 
< logias. ^ 

GENEALÓGICO , adj. Que respeita á genealo- 
gia. §. O que a sabe. 

GENEALOGISTA , s. f. O que sabe de genea- 
logias ; o que faz arvores de geração. 

GENÈR , V. n. ant. Gener a agua j crescer, abun- 
dar na levada. Elucidar , Suppl. 

GENERAL , s. m. Oiíiciai em chefe de algum 
exercito , ou armada , ou provincia , das gales , 
da artelharia, Scc. §. adj. v. g. Capitão General 
( ou Geral como diziáo os antigos , e ainda di- 
zemos Geral de Ordens Religiosas ) que tem o 
governo em chefe Civil , e Militar nas Cidades 
das Conquistas , &c. §. General : o primeiro to^ 
que de tambor, que de. madrugada se faz no ex- 
ercito. ''-'■• 

GENERALADO , s. m. ou antes 



o General , superior a outros Geráes. §. Géne- 
ro generalíssimo , na Ontologia , o género supre- 
mo. 

GENERATÍVO , adj. Que tem virtude de ge- 



rar 



que 



eera : virtude 



GENERICAMENTE 



Feo, Tr. 2. /. p, f. 
adv. Em geral j sem fal- 



lar nos indivíduos; por mayor , sem entrar em 
miudezas. 

GENÉRICO , adj. Que respeita ao género. §. Ge- 
ral. 

GÉNERO , s. m. Ontolog. Semelhança de at- 
tributos , ou propriedades , que se acha em indi- 
víduos de duas ou mais espécies diversas por 
outras propriedades , que as fazem distinctas en- 
tre si : V. g. 3- propriedade de Animal é Géne- 
ro para os homens , brutos , feras , insectos , &c. 
e assim nas plantas , e metáes há géneros , e es- 
pécies. §. fíg. O género da eloquência sublime , me- 
diano , ou humilde. 

GENEROSAMENTE , adv. Com generosidade. 
GENEROSIDADE , s. f. Acção de homem ge- 
neroso. §. O proceder de nobre geração. 

GENEROSO , adj. Que vem de boa casta , ou 
geração , de pais nobres , e illuscres. §. O que 
procede nobremente, e tem as virtudes moraes , 
e urbanas , e sociáes. §. Liberal. §. Da melhor 
sorte : v. ^. \\v.\\o generoso. Eneida,-;. 55. homens 
generosos , almas generosas. 

GENESI , s. m. Génesis. Cathecismo Rom. f. 56. 
GENESÍM, ant. V. Génesis. Elucidar. 
GÉNESIS , s. m. O primeiro dos Livros sagra- 
dos do antigo Testamento ; trata da Origem , e 
Criação do Mundo , &c. 
GENETA. V. Gineta. Couto , 9. 30. 
GENETHLÍACA, s. f. Composição prosaica, 
ou poética celebrando o nascimento de alguém. 
Sever im. 

GENGIBRE , s. m. Raiz medicinal oleosa cáus- 
tica. §, — de dourar 3 é gengibre que tinge d' 
amarello. 

GENGÍVA , s. f. A carne que cobre os alvéo- 
los dos dentes , e parte d'estes ossos. 



GENIAL , adj. Conforme ao génio , gosto , in- 



clinação de alguém. 

GÉNIO , s. m. O talento , ou disposição , ap- 
tidão , propensão pari alguma arte , &c. fieira, 
o génio me guiou para este caminho. §. A indc- 



GENER ALÁTO , s. m. O officio de General , le , o natural : v. g. ttm bom , oU mao gemo. §. Ge- 



ou Gèral , v. g. do exercito : Aí. Lus. i. 156. 
ou de uma Religião. Lucena , /. 68. - ; 

GENERALIDADE , s. f. O geral , a mayor parr 
te com excepção de indivíduos ; o mais princí'- 
pal : V. g. falar nas generalidade^s do livro ; dize- 
mos ijlo respsit.indo d generalidade : sem o que- 
rer attribuir a todos os indivíduos. §. Genera- 
lato. 

GENERALÍSSIMO, s. m. General em chefe, 
e superior a todos os outros. §. Nas Religiões 



mos entre os Gentios ; espíritos , ou quasí dei- 
dades , a quem elles atcribuíão a criação , ou in- 
fluencia na criação das coisas , e suppunhâo que 
a cada pessoa assistíão dois , um qre os inclina- 
va ao mal , outro ao bem : a isto parece alh:- 
dir Ferreira, Castro , f. 128. ou quando minha es- 
tretla, e cruel génio te poder arrancar desta alma 

minha. 

GENITAL , adj. Que serve para a geração : 
V. gr membros gcnítáes. Lusíada, ó. 18. §. Substant. 



GEN 

o genital , o vergalho , ou membro do macho de 
<jualquer espécie de atiiniács. 

GEMTÍVO , s. m. O segundo caso das decli- 
nações dos Latinos , que nós de ordinário su- 
primos com a preposição de antes do nome, que 
elles usaváo em genicivo. 

GÈNlTO , adj. Gerado. Fergel das Plantas. 

GENITÓRIA, s. f. e 

GENITÚRA, s. f. Geração , origem , princi- 
pio. Barros , D. ^. 5. 5. /. 130. "a fabula da sua 
genitiíra (dos Reis).'' Coitto , 4- 2. i. "os Ma- 
layos pela divindade que tem attribuido a sua ^c- 
nit:(ra.'' 

GENÍZARO. V. "^anizaro. 

GENRO , s. m. O mando da falha a respeito 
do pai e mái de sua mulher. 

GEiVTÁLHA , s. f". A plebe miúda. Freire. 

GENTE, s. h Multidão de pessoas de ambos 
os sexos. §. Sua gente ; i. c , a sua família , pa- 
rentes. §. Concurso , nação , povos. §. Ser gen- 
te , i. é , pessoa de consideração. §. Tropas: v. g. 
gente de pé , ou Infantaria ; gente de cavallo , Ca- 
vallaria. §. Gente de armas ; homens nobres , e 
vassallos, que eráo obrigados a servir na' guerra 
armados , e acompanhados de certo número de 
soldados armados, para o que recebião soldo em 
terras , ou dinheiro. Severim , Not. f. 44. §. Gen- 
te de armas ( do Francez Gent d' armes ') ; tropa 
de Cavallaria armada de rodas as armas , e nisto 
difterente dos cavaltos ligeiros , e da gente de ca- 
vailo contraposta a peões. Barr. Paneg. i. pag. 164. 
ed. tth. Id. Dec. i. 8. 8. "entre a. gente de armas , 
besteiros , e espingardeiros :'^ aqui erão os arma- 
dos de armas defensivas , que pelejavâo de lan- 
ça , e espada , e os mais nobres. V. Lobo , Corte, 
£>, 15./. 29:5. ult. ed. de 1774. §. Gente do mar : 
os marinheiros , moços , grumetes , e os seus of- 
liciáes. Barros ,jreq. 

GENTÍL , s. m. Moeda deI-ReÍ D. Fernando , 
que valia 4. libras e meya ; a libra valia 56. reis. 
§. Outros gentis houve , que valiáo 7,. lib. e meya. 
§. Outros de 3. lib. e 5. soldos, que valiáo 126. 
reis. §. Outros em fira, que valerão 1 16. reis. Cron 
'J. I . por Lopes , P. i . c. 49, 

GENTÍL , adj. Nobre , de gente illustre. Ord. 
Af. I. 6:5. 6. ''os gentys foráo homens nobres."' 
V. Gentileza. §. Lindo , formoso. §. Gentio. D 
Fr. Man. §. f. Homem de gemís panes. Enfr. 5. 
10. escrita composta com gentil arte. ylrraes. Prol. 
*'alma gentil. ■> Camões , Son. 

GENTILEZA , s. f. Formosura. §. Gentilezas , 
pi. Policias , obras de manufacturas de luxo , bem 
obradas. Góes. §. Beilas acções , e feitos d'armas. 
Freire. §. GentiUza da Corte : cortezania , urbani- 
dade delicada. Lobo. Gentleza ( do Inglez ^eH^ec/- 
nessj ): os gentis homens , fidalgos, nobreza. 
forão recebidos de seít padre , e de toda offira g^n- 
tiieia da Corte. Azurara ^ cap. 25. e çap. ^1. f- 



cno 



R? 



dalgos, , e cavalleiros , com a mais gentileza da Cor- 
te. §. Galanteyo. §. Ter alguma coiífl por geinik- 
za ; i. éj reputar como coisa de gentilliomcm 
o fazè-la. E/^fr. 5. i. §. A Nobreza , a Fidalguia , 
a gente principal. Jned. i.f. 6oi. "a Infanta Do- 
na Beatriz com toda a flor , e gentileza de Por- 
tugal , que ali era junta:'' eráo o Príncipe , Du- 
ques , ícc. "este nome de gentileza , que quer 
canto dizer como nobreza , . . . porque os gen- 
lys forom homées nobres." Ord. Jf. 1. 65. 6. 

GENTILHÒMEM , s. m. comp. Homem bem 
apessoado, formoso. Barros. Eitfr. 2. 5-. §. Ho- 
mem nobre. Góes, e Lobo. "nom ficou nenhum 
fidalgo, nem gentilhomem que nom pedisse licen- 
ça ( para ir a uma facção de guerra )."'^ Ined. ^. 
28^. §. Gentilhomem : criado nobre de Reis , ou 
Embaixadores : v. g. gentilhomem da Camera. 
§. Andar gentilhomem em alguma ac/w , o// lan- 
ce : haver-se com valor , com nobreza. Gentisho- 
mens , no pi. F. do Arceb. 6. c, 19. Cotíto , 8. c. 55. 
dis gentilhomens, e Fieira, Carta 107. Tom. i. "não 
pareceremos pouco gentilhomens a essa Dama.'' 
Mas constantemente se dis os Gentishomens da 
Camera. 

GENTÍLICO , adj. Coisa dos Gentios , e Pa- 



gãos. 



GENTILIDADE , s. f. Gente que professou o 
Gentilismo. §, A falsa Religião dos Gentios. 

GENTILÍSMO , s. m. O mesmo que Gentilida- 
de : deste usamos mais geralmente significando o 
errado culro do paganismo. Vieira, 

GENTILÍSSIMO , adj. superi. de Gentil. Ferr. 
Cart. 8. Livr. i. '■^gentilissimo sprito.'' 

GENTÍO_, adj. Bárbaro idolatra, Pagão. §. Di- 
tos , e opiniões gentias ; i. é , dos Ethnicos. B. Vic, 
Ferg.f. 281. §, O Gentio ,suhhf: a gente que serve 
o gentilismo , barbara : o Gentio do Brasil. §. tt.. 
A gentalha, plebe. M. Lus. i. 190. -f. col. i. 

GENUFLEXÃO , s. f. O acto de ajuelhar. 

GENUFLEXÓRIO , s. m. Estrado pára ajuelhar 
com seu encosto. 

GENUINAMENTE, adv. No sentido genaino. 
Fieira. 

GENUÍNO , adj. Próprio , verdadeiro : v. g. o 
sentido , ou entendimento genuino de algum tex- 
to. Fieira. 

GEODÉSIA, s. f. A parte da Gccmerria, que 
ensina a medir as terras , ou figuras planas. 

GEODÉSICO , ou GEODÉTIGO, adj. "Instru- 
mentos geodeticos i" es próprios para a GeoJesia, 

GEOGR^APHÍ A , s. f. Descripçáo das terras e 
mares , seus rumos , distancias , confrontações , si- 
tuação , 3cc. §. Diz-se Geografia Politica, a que 
já razão das divisões dos Estados , formas do go- 
verno, &c. §. Livro que trata Je Geografia; v. g» 
"Strabáo na sua Geografia.^''' 

GEOGR.ÁPHICO , adj. Que respeita i Geogrc^ 
fia. 

GEÓ- 



I 




GEÓSP.APHO, s. m. O que sabe, ou escre- 
veu Geogr.iphia. 

GEÒLHO , s. m. ant. «Assentada em geolhos/' 
Góes , Chron. D. Man. P. i. cap. 55. bis. V. Joe- 
lhos, r . ,• • 1 ' 

GEOMÀNCIA , s. f. Adivinhação , que se per- 
tende fazer cora circules , e figuras feitas na ter- 
ra. Barros. 

GEÓMETRA , s. c. Pessoa que sabe Geome- 

GEOMETRÍ A , s. i. Parte da Matbematica , que 
ensina a conhecer a grandeza , razões , e propor- 
ções das grandezas continuas , ou sejáo linhas , 
ou figuras , ou sólidos , ou superfícies. 

GEOMETRICAMENTE , adv. Pelas regras , ou 
pelo methodo dos Geómetras. ^ 

GEOMÉTRICO , adj. Concernente a Geome- 
tria : V. g- methodo, ordem — . 

GEORÁL , s. m. ant. "Um georal de prata : 
inovei antigo. Elucidar. 

GEÒSO , adj. Em que há geadas: v- g. tempo 
— . Cardoso, janeiro — . 

GÉRAqÃ;0 , s. f. O acto de procrear por copu- 
la entre 03 animáes ; e nas plantas por meyo do 
pó fecundante. §. Família , parentela , descendên- 
cia. §. Gente , naçáo. B. i. 5. 8. 

GÉRÁDO , part, pass. de Gerar. 

GERADOR , s. m. ou adj. Pessoa , ou coisa 
que gera , dá ser. §. fig. Etijr. 2. i. ''gerador de 

vícios.'-' t T-i ■ J 

GÉRÁL , s. m. antiq. por General. Elegiada, 
Canto 11. f. 241. nova ediç. o Geral do mar.^.O 
Chefe de alguma Ordem Religiosa. §. Aula da 
Universidade. §. Dar — : ganhar todas as vazas 

GÉRÁL , adj. Genérico , quasi universal, §. Em 
çérãl ; i. é , 3. mayor parte dos indivíduos , das 
pessoas , das coisas , das vezes. §. Fenlos géráes , 
ou 05 gérdes : ventos de monçáo , que reináo con- 
tínuos em certa estação. Freire. §. Pessoa geral ; a 
que se dá com todos , e é de fácil , e commum 
trato. Eiifr. 2. ^. 

GERALMENTE , adv. Em geral. 

GERAPÍGA , s. f. Uma composição purgante, 
feita de azevre , canella , &c. 

GÉRÁR , V. at. Produzir por meyo de copula 
carnal ; ou entrando o pó fecundaiue nas partes 
da planta adaptadas para o admicrirem , e rece- 
berem. §. Causar algum effeito. §. Ser causa da 
exi^.tencia. §. Produzir, causar , no f. v. g- '■'gerar 
desconfiança." Port. Rest. 

GEREBÍTA , 
assucar , cachaça, 

GERGELAda , s. f. Doces , leitos de gergelim 
com mel. Conto , 9. 2^. V. Gcrgilada. 

GERGELIM , s. m. Planta , e semente delia , 
miudi , redondinha , e chata , oleosa. 

GERGILÁDA, s. t. Bolo fcico de farinha com 



s. i. Agua ardente de borras de 



calda de assucar , e gergelim. Cardoso. 

GERIFÁLTE, s. m. Ave de rapina , de que há 
varias espécies : o — Lettrado , que tem o fundo 
das pennas branco , com salpicos negros , e miú- 
dos. §. o Rochaz , que é de plumagem negra. 
§. o Griz , que tem o preto posto nas pennas bran- 
cas como grãos miúdos. 

GERIGÒNQA , s. f. Linguagem da gira , in- 
ventada por certos vadios , e ladrões ditos siga- 
nos. Eíífr. ?. 2. §. fig. Linguagem barbara cor- 
rupta. 

GERIPÍGA. V. Jeropiga. 

GERÍZA , s. f. Ódio , aversão , antipatia. V. 
Ogeriza. 

GERMÁHO , s. m. ant. Germano, irmão de mãi 
e pai , não uterino somente , ou só de pai. Elu- 
cidar. 

GERMÁIA, s.f. ant. Germana, irmã de pai e mãi. 
Elucidar. 

GERMANÁDO , part. pass. de Germanar. V. 
Agermado , e o verbo, o gosto germanado com o 
poder. T. d' Agora, T. i.f. 152. "sáo o áspide , e 
vibora germanados.^^ Feyo, Trat. i.J. 19. 

GERMANAR, v. at. Unir , confederar, "quem 
com a terra se não quer germanar " Farella. vi- 
ver germanado com os parentes : germanar-se com 
os Príncipes Catholicos nas coisas da Religião. 

GERMANÍA, s. i. Gerigonça ,_ gira, lingua- 
gem dos siganos , garotos , e ladrões. Eitfr. 5. 2. 
/. 174. ií. 

GERMANÍSSIMO , superl. de Germano. V. Ger- 
mano. Fieira, "palavras germanissimas." 

GERMANO , adj. Próprio , verdadeiro , não a- 

dulterado, 

GERMAYVELMÈNTE , adv. Irmãmente, ElU- 

cid^r. 

GERMEYDÁDE, s. f. quasi germanidade. Obra , 
amizade de irmãos de pai e mãi. ant. Elucidar. 

GERMÈYMENTE , adv. ant. Irmãmente. Elu- 
cidar. 

GERMIDÁDE , s, f. ant. Germanidade , irman- 
dade. Elucidar. 

GERMINÀNTE, part. at. Que brotou , arvore. 
Faria e Sousa , poet. 

GERO , s. m. Herva vulgar nos Coutos de Al- 
cobaça. 

GERÚNDIO , s. m. Substantivo verbal , que de- 
nota a acção , ou attributo do verbo com rela- 
ção ao presente , ou como actual : v. g- em en- 
trando , ao cnirar. O gerúndio serve de sujeito 
Jas proposições , e tem seu verbo : v. g. "Por- 
que lembrando a el-Rei quanta verdade sempre 
achou em Bemoy .... causou recebe-lo com ran- 
ra honra." B. i. ^. 6 , e L. 4. c 9. "^f«^o os 
Mouros como Sua Real Senhoria favorecia ho- 
mens novos . .. era causa de grande escândalo 
para elles :" onde lembrando equivale a Icmbran- 
ui actual , e vendo a o verem os Mouros 'à-:. era 
•* cau- 



Y^ _ 



GIB 

causa. 5- O mesmo gcriindio é regido por pre- 
posições. Uiíl. yjfoiís. Ireq. Qmiõcs , Scl. "Como 
licava Antiocho itn te tit vmdo V "E n» , Senho- 
ra , se deitando lhe caiu este papel." "muitas coi- 
S.1S contem o Livro que entre kiido se verão." 
A/cH. e A/oça , fíií\'. 2. "a modo de accnscentnn- 
do." id. "J^tíH (j/ierendo , sem a traz^endo." V. an- 
tiga da Rainha Santa na Mon. Liis. "vede Se- 
nhora como tudo se alegra em vos saindo." Ulh- 
sea de Gabr. Ptr. "E com seu pai não casara , 
c/í cm casando morrera." Cam. Scl. "em sacceden- 
do." Coitto , 10. I. I, "chegou ao lugar em alvore- 
cendo." Cron. do Condest. c. ^q. e sem preposição: 
"£ como foi dia , muito cedo alvorecendo.'* Fi- 
ta Christi t Tom. i. f. 155. ^. V. o meu Epitc- 
vie da Gram. L. i. c. 5. n.° 11. e nota {e). V. 
aqui o are. Ditongar , onde o gerúndio ditongando 
é su)eito de faz perder &c. Barr. Gram. Dedicat. 
§. Os gerúndios dos verbos de acçáo com a pre- 
posição cm denotâo a celeridade ; v. g, "mandou 
ordem para que em vendo ( o inimigo ) commet- 
tcndo.^\B. :5. 3. to, Ord. Jjom. i. p^g. i\. §. 12. 
L. 2. f, 198. '■'em durando os tempos dos ditos 
degradimentos '^ "Como tudo se alegra em vós 
saindo.^^ Vlissea 8cc, onde o gerúndio , como se 
vc , é indeclinável , e regido da preposição , co- 
mo os infinitos , v. g. para tu saires sem que- 
rendo , entre lendo , &c. como se lè nos Clássicos 
mais antigos. Ord. Jfons. 1.4. 15. ^^sem Nos sendo 
presente." 

GESMÍM. V. Jasmim. 

GESSO , s. m. Uma terra branca. §. Gesso ma- 
te ; o gesso preparado para se dar por baixo da 
doiradura, múi fino, e mui branco. 

GESTO , s. m. Aceno , meneyo, para dar a en- 
tender os pensamentos. §. O rosto , ou parecer , 
o semblante, fizionomla. §, f. O gesto domando: 
a face. Fieira. 

GÈTA j s. m. Homem grosseiro , rude , igno- 
rante. 

GEZERÍNO , adj. Em Hespanhol , coisa de 
Jrgel. Cota ^ezerinn ; foite. §. "Hum galante ge- 
zerino :" valentão. Ulisipo,/. 83. f. { Ital. Ghtaz- 
zerino ) 

GÍL'A , s. f. Carcunda, Galvão, Desc. f. 90. tem 
gibas como camellos. 

GlBANÈTE , s. m. Armadura , espécie de gibão 
Á& ferm, B. P. Ined. 7,. 138. 

GIEAO , s. m. Vestido mterno, como veste, 
que cobria o corpo até a cintura §. Gibão de 
aç^outes : açoutes nas costas, fig. "hum gibão de 
cilício , que trazia acaráo da carne.^' Cron. de Cist. 
6. c. 5í. 

GIBITÈIRO , s. m. O que fazia Gibanetcs de 
•ferro , ou defensivos do corpo j talvez Aljube- 
teiro. V. 

GliÓlOCÚ , s, m. Brás. Grande cobra d'agua, 
das três palavras Brasilicas gi agua , buja cobia , 



GIN C7 

^/e abrcv. de aç^U grande. 

GILONÈTE.V. Gihwete. 

GlEOSO , ad). Carcunda , corcovado , convexo. 
Ai. L. o corpo giboso para hum lado. O camel- 
lo ( animal teo , e gihoíò \ Cuia , Sirm. p. iijij. 

GlEÓYA , s. f. Cobra de monstruosa erande- 
za , que dizem comer um boi de uma vez. ( na 
Lmgua Brasil, gi agua , boya cobra , cobra d'i- 
gua , porque ao modo ínglez , antepondo o susc. 
fica por adj, v. g. water cress , gm-pcwdcr , bride- 
groom , izbv. ) 

GIESTA , s. m. Junco da terra , cujas varas são 
múi lizas , dá flores amarellas. (^genista^ 

GIGA , s. f. Selha de vimes de pouca altura , 
e múi larga. §. Dança Ingleza , rústica, (^jig. ) 

GÍGAJÓGA , s. f. Jogo de cartas entre 4. pes- 
soas , e nove cartas. 

GIGANTA, s. f. Fêmea de altura agigantada. 

GIGANTE, s. m. Homem de eítatura , e cor- 
polencia miai alta , além das mayoies alturas do 
homem. 

GIGANTE, adj. De estatura de gigante. §. f. 
adj. Com^oeí gigantes. Chagas. Lobo: "meu amor 
se iez gigante.^^ Galhcgos : "espirito ^/^^«íe.^' %.Her- 
va — ; Acamhits Sjilvesiris ; e outra espécie , acan- 
thiis sativus. 

GIGANTÊO, adj. De gigante, "de huma es- 
tatura quasi gigantéaJ'^ Lusiad. 10. 141. a gigan- 
téa stiberba. Macedo, Panegir. corpo — . U/íjí. 4. 
ç)6. 

GIGANTOMÁQUIA , s. f. Guerra de Gigantes, 

GIGÓTE, s. m. Carne em bocados afogada. 
y^pol. Dial. pag. 209. "e como guisava elle este 
gigote." ( do Francez gigot ) 

GILAPRÍGA. V. Gérapiga, ou Gkopiga, ou Jil- 
riípiga. 

GÍLAVÈNTO , s. m. Sótayentq. Qjieirds. 

GILBARBÈIRA, s. f. Hetva , espécie de murta 
brava. ( bruscas , ou murina , íC ) 

GÍLLA , s, f. t. Med. Gilla de vitríolo , é vitríolo 
purificado. 

GILVAZ , s. m. Golpe , ou cicatriz delle na 
cara. 

GINETA , s. f. Montar d gineta ; i. é , com 
os estribos curtos , e com o ireyo apropriado, 
§. Sella da gineta. V. Brida. Ined. i. 27. §. In- 
sígnia antiga de Capitão , espécie de lança cur- 
ta , ou espontáo. Pinto Per. i. f. 115. f. "encos- 
tar a. gineta:" F/pconc. Jrte: renunciar á capita- 
nia, "as ginetas hão-se de dar em mãos de ma- 
lha , e não^^^^em luvas de ambar.^' Avisos do CeOy 
f. 90. ( numa Ode de Garção vem "Passe a gi- 
neta 'o timido guerreiro:" em vez de Peça a gi- 
neta : i. é , peça o posto de capitão , por igno- 
rância dos editores ) Conto, 9. ^o. "o alcançou 
com huma geneta , que o varou '^ idem , 7. i. 
II. "armado em huma coura de laminas, huma 
gineta na ipáo.^'' §. Uma espécie de doninha. 

( Cas- 



I 





JíM 




(Cmuis Hipnnu. ) §. Aptirados da gineta. V. 

Guisa. Ord. /Jjons. • j „ 

GIiNETÁDO , ad). Cavallo — : exercitado , e 
Picado á ginete. Prestes , Jm do Procurador.^ 
* GINETÁRIO , s. m. Versado no manejo a gi- 
neta ; cavalleiro , que monta á gineta. Eneida, 12. 
Tz^ CoiHo, 5. I- '• ''h""^ dos^ grandes gtnetai- 
ros , que nascerão em Portugal. 

GINETE , s. m. Cavallo de casta fina , docil , 
bem formado , ligeiro. §. O cavalleiro que irionta 
á gineta. §. Soldado d'a cavallo , que pelejava 
^om lança e adarga: daqui o amigo Capuao dos 
Ginetes, \uQ equivalia a General da Cavallar.a. 
rã. mlc. Gineta , fem. rédeas - : bros - : de 
cavalgar á gineta. Ined. ?. 5^7- í^»- . 
GINGÈIRA , s. í. Arvore , que da gmjas. 
GINGTERE. V. Gengibre. ^ 

GÍNJA, s. f. Fruto de caroço, vulgar , de cor 
vermelha. §• chulo , e vulgar. Homern velho , 
que se2ue as máximas , e usos antigos, e um — . 
1^0 J Injas no gamão encarniçados. Tokntmo, So- 

""ginsIO , s. i«. Uma raiz da China , que lan- 
ça um talozinho branco , e lenhoso , o seu co- 
simento repara as forças ; vende-se a peso de 

^^ &í'o , s m. naut. Travessão , sobre que anda a 
cana do leme, e sobre que se formão as obras 

mortas da popa. -, „ ^ ^ 

GIÒLHO , antiq. por ]oelho. Tenreiro , c. 6. 
GÍRA , s. i. Linguagem dos garotos , siganos , 
e ladrões , pela qual tiles se entendem , usando 
de termos inventados , ou dando novo sentido aos 

usuáes. , .,, 

GIRACÁL, adj. Jrroz — i o de melhor espé- 
cie que se produz na Ásia. Castan. 2./. 201. Con- 

^° GIRAFA , s. f. V. Giratacachèm. 

GIRÁLVA , s. f. Flor , aliàs goyalva. 

GIRÁNDULA , s. f. Roda, com foguetes , que 
vão ao ar, em se lhes dando fogo. 

GIRÃO , s. m. Cercadura , ou barra de cor di- 
versa , que se pói nas roupas. Com S';o« /er- 
des e hmncos. F. Mend. cap. 121. §. ManM de 
çirÕes ; de pedaços de varias cores , talvez de re- 
mendos varies. §. Hm — de terra : uma porção 
pequena. Elucidar. ^ , , , 

GlRÁR , v, at. Fazer mover a roda de algum 
centro , ou ponto. Esse q'M gira o Sol , cnjreia os 
ventos. B. áma,f. ^ Ulissea ,6.^a. yrava ^ es- 
pada ardente." o Sol girando os setls jrnoes fíjanos 
Garção, Ode 14. §• v. n. Andar em corno de al- 
oum centro. ^. And^r em derredor ; dar muitas 
voltas indo , è vindo. §. Ter de circuito r/rf|?- 
to , 10. 51. vem Hespanha a girar mais de 600. k- 
vuas. §. RoJeyar. "o r.iyo do Sol, que lustra 
quanto í^irn." Eneida , 8. 58. fomos girando a tcr- 
ifl. ti. N' Tom. i. f. 4B. tig. "acaeceu se ao uiance , 



como a joriuna gira seus ayiecimntos , que aquel- 
le Mouro mesmo foi cativo." Ined. 2. /. 587, 

GIRASÓL , s. m. Flor grande amarella, que vai- 
voltando com o sol , sobre a sui haste. §. — ori- 
ental : pedra preciosa. 

GIRÁT AGACHEM , s. m. Animal da Ethiopia 
alta , mayot que o Elefante. ( Stritiio camelíts ) 
V. Girafa. 

GIRA VAGO. V. Gyrovdgo. 
GÍRIA , s. f. V. Gira. §. Circumlocuçao aíFe- 
ctada. 

GÍRO , s. m. Volta , rodeyo , movimento em 
redor de algum centro '. v.g- o giro do Sol, da 
Lifa. §. Por seu giro ; l é , por seu turno , cada 
um por sua vez , á hora , ou tempo, que lhe com- 
pete ; dis se do serviço repartido por vários, "an- 
de a distribuição por giro ," i. c ^ a um cada se- 
mana. Ord. Jf. 1. pag. 102. «o Infante depois de 
fazer o seu giro ( a sua vez de residir as sema- 
nas na Corte ^folgav.i , por comprazer aos írmxos , 
de fazer os seus delles.'^ Ined. i. 106. repartiu a 
g,iros o serviço delia. B. i. 8. 6. §. Fazer o gvo 
da terra : andar todas as partidas , andar uma vol- 
ta inteira da terra. §. Gtro de cambio : operação 
dolosa, em que vários banqueiros, ou negocian- 
tes , por não pagarem , vão sacando uns sobre ou- 
tros , até lhes ser commodo o pagarem , ou se 
descubrir a sua operação. 
GIRÓFE , &c. V. com Gy. 
GIRÓM , s. m. ant. Girão. Elucidar. 
GIROVÁGOS , s. m. pi. Monges , que por ca- 
ridade andaváo vagando pelo Mundo , e visitan- 
do as cellas dos Anacoretas. 

GIS , s. m. Espécie de schisto , que deixa um 
risco branco , de que os alfayates usao para deli- 
near o talho dos vestidos, fig. corte , medida , re- 
gra. "Sendo Hei C David ) vivia muito pelo^^fí^, 
e çtiarente do necessário , excluído o supertiuo. 
Feo , Scrm. da Punf. foi. 91. f- 

GISÁDO , part. pass. de Gisar. §. t. i raçado, 
determinado : v. g. dctcve-se mais dias do me le- 
vava gisado. Castan. L. ?. /. 210. §. Cisado por 
gíiuado; ant. o apparelho. necessuio p.ua algaa 



tempo 



vagar necessário. El>íci- 



coisa , ou o 

GISÁR V. at. Lançar linhas com o gls , para 
guiarem a tesoira do albyate. §. t. Traçar , deli- 
near. §. Aíausiiibo , f 1 ]6. "os horizontes nota , 
os rumos giza."^ V. Gi:^ar. 

GIT. V. Hcrva nigclla. _ 

GÍTO s. m. Cano que communica o metal 
fundido da boca do frasco , ou forma , ao mol- 
de, para ahi receber a figura, que se lhe quer 

' 'giZÁR , V. at. V. Gisar. Dispor , desenhar , de- 
linear M. Lm. Viriato gizava com singular prit- 
davia: a liberalidade com que giza, e coria pdo 
alheio. P. Per. 2. ç. 9. mha-lbc girado o alvo : yc- 



# 



GLO 

ráo-se para onde tinháo ghado?'' Sagramor , L. 
I. c. 14. 

GLACIAL , adj. Gelado , congelado : v. g. o 
mar — . 

GLADIADOR , s, m. Esgrimidor com espada 
branca , que se dava em espectáculo no Circo 
de Roma. §. Como adj. ^^g I a diadoras hui lhas." 
y, Gladiatorio. Eneida,-/. i8j. 

GLADIAR , V. n. Esgrimir , fazer as vezes de 
gladiador. 

GLADIATÓRIO , adj. Que respeita a gladiado- 
res. Combates , espectáculos — • . 

GLÁDIO, s. m. Espada. Banos, i. ^. i. "oj 
dois gládios " i. é , poderes , espiritual , e ma- 
terial, Camões y Oitavas 3. o gladio íjue ferio o po- 
vo : fig. a peste , que ferio os Judeus. §, Gladio : 
instrumento mathemat. de medir os ângulos. 

GLANDÍFERO, adj. Que dà boletas, ou bolo- 
ta. Costa, arvore — . 

GLANDÒSO, adj. Ghnduloso. .Srtrroí , 5, 4. 2. 
as vvilheres são circuncidadas ( na Ethiopia ) cor- 
tando-lhe h:ma partícula glandosa , a que os La- 
tinos chanião nynfa. 

GLÂNDULA , s. f. Porçáo de carne esponjo- 
sa , que serve de aitrahir , e separar do sangue dos 
vasos contíguos , o humor supérfluo , &c. 

GLANDULÒSO, adj. Da natureza da glându- 
la, §. Composto de glândulas. 

GLÁSTO , s. m. Herva de que se faz o anil. 
GLAUCO , s. m. Peixe. B. P. 
, GLÉEA , s. K Torrão : desus. Servos addictos d 
gleba : homens que andáo annexos a uma terra , 
que não podem mudar-se sem licença do senhor 
deila , e quando esta se vende passáo os servos 
obrigados a habicá-la , &c. 

GLOBÍFEROj adj. Que dá globos , ou fru- 
tos redondos. Manuel Tavares, ^^globíferos Pi- 
nheiros.^' 

GLÒEO , s. m. Corpo sólido perfeitamente re- 
dondo. §. Globo terrestre , ou celeste : esfera em 
que está representada a Geographia terrestre; ou 
a situação dos astros no Ceo , sendo globo As- 
tronómico. §. Corpo redoido : v. g. globo de fogo. 
Eneida, 3. 129. — defumo. §. t. Militar Roma- 
no : Esquadrão redondo. Vasconcellos , Arte. Enei- 
da , 9. 99. Perturbar este globo me concede , E re- 
ge pelos ares esta lan^a. 

GLOEÒSO , adj. Da figura de globo , esfé- 
rico. 

GLOMERÁR , V. at. Ennovelar , amontoar , con- 
densar. Maus. f. 92. Landim. "Eolo densas nu- 
vens glomerando." 

GLÓRIA , s. f. Honra , reputação , louvor con- 
seguido por virtude, e acção nobre façanhosa. 
§. Bemaventurança , felicidade : v. g. "a eterna 
gloria." nem tão pouco Deus pelos pregadores d'en^ 
tão ( da Lei de Moisés ) tinha feito alglías pro- 
íiicssns expressas da gloria, mas quando muito de 
'Ton. //. 



GLO 



89 



bens tcmpovaes , que não passava da Terra de pro' 
missão, fco , Trat. i.f 2^6. col. i. §. Dar — a 
Deus ; i. é , culto , honras. §. f. levou connigo to- 
da ít gloria de pedras preciosas , para ganhar a von- 
tade da S. Donzela, Pios Sanct. Fid. de S. Inez. 

GLORIAR , V. at. Encher de gloria, Fietra: 
ojjicio para gloriar por huma parte , e para temer 
por todas. §. Gloriar , ou Gloriar-se : ter gloria. Glo- 
riar-se de alguma coisa : encher-se de gloria , ou 
fazer gloria delia , com jactância , e ostentação. 

GLORIFICAÇÃO , s. f. Elevação á bemaven- 
turança. 

GLORIFICADO , part. pass, de Glorificar, Que 
conseguiu gloria, bemaventurança. jirraes , 8. iz. 
alma — . §. Louvado , honrado, "para que Deus 
seja glorificado." 

GLORIFICADÒR , adj. Que dá a gloria , e 
Bemaventurança. B. Cartinha , f. 18. "VII. crer 
que é glorifícador." 

GLORIFICAR , V. at. Dar gloria , culto : v. g. 
glorificar // Deus. Fieira. 

GLORI()SAMÈNTE , adv. Com gloria, 
GLORIOSO , adj. Que causa gloria. §. Que go- 
za de gloria. §. Vãglorioso. "mui pomposo, glo- 
rioso, e gastador :" B. 3. 6. 2. vaidoso. 

GLOSA , s. f. Interpretação breve de algum 
texto : V, g, a glosa interlineal do sagrado T^xto. 
§. Poezia , em que o poeta discorre sobre o as- 
sumro de algum mote. §. Nota , que o Chancel- 
ler faz aos papeis , que passáo pela Chancellaria , 
declarando que são contra as Leis , e Ordenações, 
§. Censura. 

GLOSADO , part. pass. de Glosar, Censurado. 
Eufr. 3. 2. ^ 

GLOSADÒR , s. m. O que escreve glosas. §. O 
que glosa moles d'improvi30 , como nos oiteiros; 
§. O que censura , critica , diz mal de alguma 
obra. Resende, Miscell.. Eufr. ^. 2. 

GLOSAR , v. at. Interpretar brevemente algumi 
texto, §. Discorrer em verso sobre algum assum- 
to dado em um mote , e na mesma medida , com 
os mesmos versos , ou verso do mote servindo 
de ultimo fecho da Decima , Oitava , ou Soneto , 
em que se glosa o mote. §. Censurar , criticar, 
§. Fazer glosa , como Chanceller , a algúa senten- 
ça , carta , &c. que passa pela Chancellaria. 
GLOSSÁRIO , s, m. Vocabulário , Diccionario. 
GLOTÃO , s. m. Comilão. 
GLOTE , s. f. t. anatom. Fenda do laringe , pe- 
la qual entra , e sai o ar , que respiramos , e de 
que se formão as palavras. ^ 

GLOTÒNA , s. f. Comilona. 
GLOTOiVA.RÍ A , s, f. Vicio de comer muito; 
Lucenti, 

GLOTONÍA , s. f. Glotonaria, Costa , Firgil. 
GLOTÒNICO , adj. Que respeita á gula. A^. 
Conq. a gula çom glotonico apparato sentada d 
meza. 

M GLU; 





po 



GOD 



*■,** 




GLUTINÒSO , adj. Pegajoso como grude, gom- 
ma arábia desteita, Scc. 

GN 

N. B. Muitos Autores Clássicos escreverão fjh por 
PM : V. S. manho por magno ( e assim se deve es- 
íievet o verso da Lmiada ,4. 32-' ^«'í" «^^ 
çuerras civis de Jiílio , e Manbo : de César e 
Pompeo , que Lucano denomina Magníís a cada 
passo , e Cam. ciu Canto, est. 62. para rimar com 
ò verso antecedente caso estranho ! ) V. aqui os 
artigos Insinhe , Inexp.míbavel , Repmhante , Conhe- 
cer , J^nho , Tamanho , ó^c. sáo outras alterações do 
Sn em nh , nos deriv. do Latim ao Portuguez. 
Lobo C Cort. na Md. ) nota de affectaçáo de tal- 
lar Latino aquelles , que diziáo indigno , maligno, 
évc. com gn : com efteito os Poetas rimao mdi- 
no l malino com outros vocábulos em ino : v. g. 
Uno , é^c. mas os editores a cada passo , sem at- 



GOL 

de godo :'^ beber á regalona. Ulisipo , Com. 4. sC. 
7. V. Aciqiia. 

GODOMICILÈIRO, V. GiiadameciUiro. 

GODRÍM j s. m. Colxa estofada da índia. Artt 

de Furtar, f. 55- , 

GÓES , s. m. Como , 7. 8. 8. "foi mettendo Co 
navio contra uma galé ) tanto de ló , que fez do 
penáo goeu''^ 

GOGO , s. m. Gosma das gallinhas. 

GOIÁR. V. Guaiar. Arraes freq. diz goiar. 

GOIVA, s. f. Instrumento de marceneiro, co- 
mo formão , mas corta fazendo a feição de u.na 
porção de circulo , ou meya cana concava. §. A- 
gulha de artilheiro, para tirar a pólvora da pe- 
ça atacada , e ver se está húmida , Exam. d' Ar' 

tilheir. , 

GOIVÈIRO , s. m. A planta , que produz os 

goivos, t. usual. 

GOIVO , s. m. Flor vulgar , e bem conheci- 
da. §. Goivo de N. Senhora ( Leucoion ) , outra 



fítío &c. mas os eaitores a caua. passu , ^w... -v . v^„. v,. ^^-y^ — 7 .,■ v ^ " , r^^,„ ^^v^r 
Zslo ao consoante, .iu„do_o_, antes do ne d C*p^^^^^^^ . P— 



que o Poeta ommittiu por causa do consoante , 
c rimáo fno com maligno , &c. e já os editores 
ignorantes alterarão palavras táes como imprenhou , 
e imprenha , onde deviâo impremjr mpunhou , e 
impunha ( por impugnar y V. Paiva, S.i.j. ?!• 
■jr. e ^z. escrevendo o autot constantemente re- 
punha çot repugna. Y.f. ?o, ^í^. Outras vezes om- 
mittiráo o g antes do n : v. g- manijicencia , ema- 
ttijico ( V. estes artigos ) ; e ainda hoje muitos 
CS dizem assim na conversação familiar. 

GNÒMON, s. m. O ponteiro do relógio de 
Sol. §. Agulha do circulo polar, posta sobre o 



alegria ( de Gotivir , ou Goivir ) . 

GOLA , s. f. Ferro circular , que se poi ao pes- 
coço do homem d'armas sobre o peito , e espal- 
dar. §. Garganta. V. Golla. 

GOLÁPv-SE. V. Gorar-se. Eujr. 2.6. e i. i. 
golar-se a occasião ; perder-se. 

GÓLÈ, s. m. A porção de licor, que se pode 
engolir de uma vez , ou antes um golpe de vi- 

" GOLEAR ,v.n. Fallar muito. V. Golelhar. Eufr. 

' GOLÈLHA , s. f. t. vulgar. O esófago , ou ca- 
no do pescoço, por onde passa o comer para o 



Sol. §. Agulha do circuio poiar , puí-ia »uu.w - uv. uy 1^— "*"» V.Ti J n„-iirn 
meridiano de «m globo , a qual tem o mesmo ventnculo §. O falia mu^^^ 



movimento , que o eixo do globo. 

GNOMÒNICA , s. f. Arte , que ensina a tazer 
lelogios do Sol. , 

l&NOMÒNICO , adj. Que respeita a Gnomonica. 

GOA 

N. B. Busque com Gua os nomes, que alguns 
escrevem com Goa , e não vão aqui. 

GOANHAMBÍG , s. m. "Nome genérico de 9. 
fespecies de aves mui lindas do Brasil. Fasconc. 

GOARAZÉL. V. Corastl. Elucidar. 

GOARÍNA , s. f. Roupeta aberta por diante , 
que dava pelo juelho : melhor é guarina. 

GOCÈTE , s. m. — de malha : bossete ? ou do 
Francez gousset i Elucidar, "bacitiete Francez com 
sua babeira , e faldras e gocetes de malha :'' ou do 
Ital. gozzo , gozzeto , gorgelim , de gorjal ? 

GODA, s. f. Moeda dos Reis Godos. 

GODILHAO. V. Gudilhão. I 

GODO , s. m. C t. da gira ) Rico , regalão. "piar ' 



GOLELHAR , v. n. Fallar muito , chocalhar. 
GOLES , s. m. pi. do Brasão. Campo de goles ; 
i, é , de còr vermelha. 

GOLÉTA , s. f. Uma sorte de embarcação. 
GOLFADA , s. f. O liquido que se lança de 
uma vez vomitando , ou sendo sangue que sai 
do bofe , o que bofa das feridas, 

GÒLFÂO , s. Herva que nasce pelas lagoas. 
( nymph^a , ou nenuphar : alga palustrts) §. Gol- 
fo. C^wÕeí , Lusiad. no grandíssimo golfão se met- 
Cão. §. Gólãos , no plur. herva. 

GOLFÍM , s. m. Goljim , e balea , jogo pue- 
ril em que se tomão nomes de peixes , e ca- 
da um é obrigado a acudir com reposta , quan- 
do se aponta no seu nome. ^ 

GOLFÍNHO , s. m. Peixe do mar , alias por- 
co marinho. ( torsio ) 

GOLFO , s. m. Braço de mar estreito , que se 



mette entre duas tetras mÚito dentro , e dittere 
da Enseada, ou Bahia, que alarga muito, e en- 
tra pouco. C Ital. Golfo ) C/^ri»i. -5. c. 4. §• V. Gol- 
fão , herva. H. Naut. J. i.j. 119. 

GOLHELHÈIRO , adj. Paireiro , fallador. U/f- 



/zrf^i^StS 



GOL 

sipo , f. IO. ^. I. SC. I. "antes muJas, e corri- 
das , que desenvoltas , e f^olbelheiras.''^ 

GOLlAllDO , adj. Clérigo — ; o que come pe- 
las tavernas , jantando , merendando , e bebendo 
nellas. Ord. Jj. s,. 15. 18. 

GOLÍLHA , s. f. Cabeção com volta engoma- 
da , que trazem os Ministros de beca. §. Argo- 
la de ierro pregada num poste , onde se pren- 
de sigucm pelo pescoço. §. Acolxoado de go- 
lilba : peça dos coxins dos caparazóes intei- 
ros. 

GÓLLA, s. f. t. de Fortif. Entrada desde a pra- 
ça até o baluarte, ou a distancia dos ângulos dos 
flancos, 

GOLODÍCE , s. f. Comer guloso, "os gafanho- 
tos sâo estimados acerca delles ( entre elles ) co- 
mo cousa de sua golodice?^ B. 2. ^.4, coisa ape- 
titosa , de regalo. §. Glotonaria. Costa. §. lig. O 
desejo de tomar, "a golodice , e cubica da outra 
tiáo , que víráo.^^ Coitto y 7. 10. ^. 

GOLOSÁR , V. n. vulg. Escolher , e comer os 
melhores bocados. 

GOLOSÍNA , s. f. A gula , ou desejo de bons 
bocados. §. adj. Vianda gulosina ; gulosa , que ex- 
cita a gula j por ser boa , e delicada, "manti- 
mentos , e matéria de golosina ;^^ de regalo. £e- 
sende , Vida , c. 11. Lobo. §. Golodice, sotregui- 
dáo , no f. ( Ital. Golosina ~) 

GOLÒSO , adj. Que gosta de bons bocados, 
fig. Goloso de outra empresa , de repetir coisa 
que foi de gosto , vantagem até na guerra. Coit- 
to , 10. 9. 8. "ficarão elles tão gulosos.^^ §. Man- 
jar goloso ; que excita a gula , bom , delicado. 
Barros, ( Ital. Goloso ) 

GOLPE j s. m. Pancada , ou ferida de corpo im- 
pellido , ou atirado. §. Copia, quantidade: v. g- 
um bom golpe de pedraria. Amaral , 7. hum bom 
golpe de dinheiro , de vinho , de agua. M. Conq. 
§. — de cavallaria , ou infantaria , de gente. B. i. 
Ajuntou hum golpe dos seus. Castan. ^. f. 218. 
Vir de golpe ; muitos , e de sobresalto. Ined. 2. 
307. §. "Os batéis tornaváo por outro golpe de 
gente." B. i. S. 5. §. De golpe : de repente, rapi- 
damente, "os dias minguão de golpe." B. 5. 5. 
9. §. f. Infortúnio , desgraça : v. g. por morte. 
§. Talho , que se fazia por ornato nos vestidos 
lantigos ; tinháo por baixo vivos , ou estofos de 
còr diversa do da peça. §. De golpe , adv. a um 
tempo , de repente. F. do ArCeb. i. 5. de um gol- 
pe ; de hutíia vez : v. g. por de hum golpe gente 
no muro inimigo assaltado. Castan. L. 5. /. 214. 
§. Golpe de mestre : rasgo , lance , acção de ho- 
mem , que sabe bem daquiilo a que se refere o 
golpe. 

GOLPEADO , p. p. de Golpear : v. g, corpo , 
membros — . §. Kestido — ■■, com golpes abertos 
sobre forro de outra còr , que apparece de baixo 



GON 



9t 



GOLPEAR , V. at. Ferir com golpes. M. Conq, 'lio, is. ) 



11. 47. "a saín golpeando," §. Dar golpes no ves- 
tido. V. Golpe. 

GOLPÈLHA , s. í. Alcofa, B. P. §. Raposa, o 
lobo , e a golpelha todos são de huma conselba : 
£ufr. I. 6. f. 50. i. é, os máos dáo-se as mãos, 
ou são de ânimos conformes C golpelha, dimin. 
do Italiano Golpe por Folpe , raposa ) : andâo na 
mesma fábula ( conselba ). 

GOMADO , p. p. de Gomar. Feito com gom-: 
ma. 

GOMAR , s. m. Um animal amfibio , que des- 
creve Telles , Chron. 2. 6. 9. 

GOMAR , v. n. Abrolhar a arvore , dar gomo,- 
novedio , renovo. 

GOMÁRRA , s. f. t. da Gira. Galliriha. UlisipOi 
4. SC. 7. tenho uma gomarra cada dia , ou dois 
soldos. 

GOMELÈIRAS , s. f. pi. Os ladroes , que nasr 
cem pelos pés das arvores. 

GOMÍA , s. f. V. Agomia. Barros. F. Mend. 

C. 17,6. 

GOMIL , s. m. Jarro de dar agua ás máos. 
GÒMMA , s. f. Humor viscoso , que deitáo al- 
gumas arvores , que se seca , c congela , e se 
desmancha , ou dissolve com agua. §. Massa , ou 
massinha de livreiro. §. Tumor que nasce pelos 
braços das bestas i e nos homens , efteito de gal- 
lico. 

GOMMÁDO , adj. Em que se desfez gomma ; 
V. g. agua — . Fortes. 

GOMmIo , s. m. Casta de veado. ( PlatycC' 
ros ) B. P. 

GOMMÍFERO , adj. Que dá goma : v. g. ar^ 
vore — . D' Aveiro , c. 92. 

GOMMÒSO , adj. Que cria gomma , ou da con- 
sistência de gomma. 

GOMO , s. m. O olho que as arvores brotáo 
na Primavera. §. As partes, em que se divide a 
laranja , limão , fechadas sobre si em sua pelli- 
cula §. Divisão de nó a nó das cannas de as- 
sucar, Cannas de gommos curtos, ou longos, 
GONqo. V. Gonzo. Cardoso. 
GÔNDOLA , s. f. Barco chato , e longo , em 
que se anda pelos canáes de Veneza. Vieira. Cart. 
z.f. 270. huma gôndola de Salvaterra. 

GONÈTE, s. m. Um ferro de carpinteiro , que 
faz abertura funda na madeira. 

GONORRHÉA , s. f. Efquentamento , em que 
ha ardor de urina , e purgação pela uretra. 

GONZO , s. m. Dobradiça da porta , usa-se co- 
múmente no plur. "os poVdos gonzos." 

GORAR , V. n. Apodrecer o ovo debaixo da 
gallinha por não ser gallado. §. f. Frustrar-se , mal- 
lograr-se : v. ^. — o desenho , empresa , a occa- 
sião. Eufr. I. I. — a pertensão. Arte de Furtar , c. 
49. diz gorar-se. em Eufr. Lugar cit. 

GORÁz , s. tn. Peixe bem ordinário. ( rubel- 



M ii 



GOR: 



GORÍTA , s. f. V. Castello de navio. Góes ,f. jS. 
•p-. c. 2. foi cair com a corrente na gorica de bii- 
rfia não. 

GÓRJA , s. f. Garganta. Mentir pela gorja , 
ou desdizer pela gorja : frases antigas usadas nos 
desafios , com que os desafiados se desmeniiáo, 
e aftroncaváo. M. L.6. 54(5. col.i.^. J gorja do 
navio ; a parte mais escreita da quilha , aié onde 
começa a subir a roda da proa delle. Barros, i. 
IO. 4. f. ^64. ficoíí atravessado debaixo da gorja 
da não. Castan. 2. 119. ?«« fossem surgir as an- 

' ■■ •■ ■ -a — dos escO' 



GORDÁC^O , adj. aument. de Gordo. Leão , Or- 

iogr. f. 296. ^ 

! GORDÃA , s. í. A gordura , em que se achao 
os animáes : y. g. "os veados estão na gordãa." 

GORDÁL , adj. Uva — ; que degenera , e re- 
cebe o nome de Camarate. 

GORDIÂO , s. m. Euforbio , gomma. 

GORDÍNHO , ad). dim. de Gordo. 

GORDO , adj. Que tem muita enxúndia , e 
banhas , ou toucinhos , e o corpo mais avultado 

com ellas. §. Domingo gordo; i. é , de entrudo. _... 

§. Finho — ; grosso , que se bz em fio como o coras nas gorjas das nãos ininugas 
xarope. ve«í de proa. M. Pinto , c.^ 56. 

GORDURA , s. f. A enxúndia , banhas , o tou- 
cinho , e a corpulência , que causa a muita cellu- 
lar no corpo do animal. 

GORGEIÁR , V. n. Cantar a ave dobrando a 
voz , modular, 

GORGÈIO , s. m. Modulação , quebros da voz 
•da ave , que a redobra cantando suavemente. 

GORGÈIRA , s, f. Volta , ou peça de panno , 
rendas , pennas de adornar o pescoço. Góes , Cron. 

Man. P.\. c. 46. 

GORGÉL , s. m. Peça da armadura defensiva 

do pescoço ; antiq. 

GORGELÍM , s. m. diminut. de Gorgel ■■, antiq. 
GORGILIM : o mesmo que Gorgelim, 
GORGOLÃO , s. m. Golpe , golfada. Lan(^ão 
grandes gorgolóes d'agua pela boca : espadanas , 
talvez como as baleyas. Corograf. 2. 1.5. c. 5. 
. GORGOLEJAR. V". Gargarejar.^.GâT^Anxeat.V . 
GORGOLÈTA , s. f. Quarta de barro de gar- 
galo longo , no qual ha um raro , e passando 
agua por elle , caindo umas bolinhas que estão 
410 fundo , faz a agua um som ao beber-se. Bar- 
ros , Gram. f. i6z. "o vaso envergonhar-se-á , por- 
que o oleiro o fez púcaro , e náo gorgoUta í" 
GORGOLHÂO. V. Gorgolão. 
GORGOLÍ , s. m. Instrumento usado na Ásia , 
ipor onde passa por dentro da agua o cano do 
cachimbo , para esíriar o fumo , que se toma na 
boca. 

GORGOMÍLOS , s. m. pi, Os dois canáes do 
pescoço , por onde entra o comer para o estô- 
mago j e outro por onde entra e sai o ar do bo- 
fe , e para elle. a baleya tem gorgomilo tão es- 
treito , (}ue não pode ir engolindo as sardinhas se- 
não hua a hua. Fieira. §. A parte mais estrei- 
ta do bocal da borracha. Godinho. 

GORGORÃO , s. m. Seda de bom favo en- 
corpada. ( do Inglez gorgran. ) 



GORGUEIRA , s. f. Peça do 



antigo 



que ornava a garganta. Góes. Eufr. 5. 5. 

GORGULHO. V. Gurgulho. 

GORGÚZ , s. m. Dardo , lança curta usada 
antigamente. Ined. 5. 5O5. Gorguzes. Foral de Lis 

» i-i-. I r> i._ _ v'— __ e el . 



GORJÁL , s. m. Peça d'armadura , que defen- 
dia o pescoço. Barros, Castan. 2. 196. '^gorjal 
por baixo do barbote." — de malha. Cron. jP. 5. P. 
4. c. 60. 

GORMÁR. V. Goswar: 

GÓPvNE , s. m. A roldana do moitáo , na qual 
anda a corda ; o cadernal tem tantos gomes , quan- 
tos são os moitóes. Mechan. de Marie. 

GORO , adj. Ovo — ; que apodreceu ao tirá-lo 
a gallinha , e não deu pinto. §. t. Frustrado , mal- 
logrado : v. g. projeto — ; desígnio — . 

GOROTÍL , s. m. naut. O alto das velas , on- 
de estão os ilhós , por onde se enfiâo os enver? 
guês , com que ellas se fixão nas vergas. 
GOROUPÉS. V. Gurupés. 
GORRA , s. f. Espécie de barrete , táo usado 
até o tempo del-Rei D. ]. ^. como hoje o cha- 
peo. Cam. Lus. Na cabeia por gorra tinha posta, 
' Hmta mui grande casca de lagosta. §. Adetter-se 
de gorra com alguém ; insinuar-se na sua amiza- 
de. §. Uma corda do lagar , com que se aper- 
ta o pé das uvas , para se espremer, 

GORRliíO , s, m. Uma ave das índias de Cas- 
tella , que anda aos saltos , e cria nos buracos das 
paredes. ( passer , is. ) 

GORVlAO , s. m. Droga medicinal. Jrte da 

Ca^a ,f.j9. f' 

GÓS , s. m. Medida itinerária , que e igual a 
4800. ou 5000. passos geométricos. 

GÓSMA, s. f. Humor glutinoso , que os potros 
lanção das ventas, as gallinhas pelo bico. §. Nos 
talcóes , são bostellas , que lhes nascem na bo- 
ca , cabeça, ouvidos, e orelhas. Jrte da Ca^a, 
P. 4. c. 7. 

GOSMÁDO , p. p. de Gosmar. 

GOSMÁR , v. n. Deitar gosma. §. v. at. ( do 

Vasconço gormar ) Vomitar : no fig. ^'gosmar o 

comido ;" pagar com algum desconto o prazer 

trajo , gosado , ou sofrer a privação dos que gosava. 

£ufr. 5. 8. 

GOSMENTO , ad). Que tem gosma. Leão , O- 
rig. f. 99. §. f. O que cospe muito. 

GOSTADO , p. p. de Gostar. Provado : v. g. 




ioa^no Sistem. dos Regim. i. 6"pag. 501, "hastas, lo que se vende a provar se é bom , como o vi 
dardos , azagayas , gurgitzes 3 conchas , cabos de nho, azeite. Ord. Af. 4. 46. 7. e filip- 4- o .5. 
espadas.'' 



GOT 

GOSTAR, V. at. Provar. F.úoÂrceb. \.^. H. 
N. z.f. 288. '■'■gostar o vinho." §. Gostar alguém ; 
ret aíFeiçáo , gostar delle : v. ,?• aquílh homem 
não me gosta, ou, tão gosia de ív.iin. §. £/ífr, 
I. :5. '■'goscar-mos as peras." Jlbuq. ^. P. esperan- 
do por momentos gostar a amarga morte. Amaral , 
8. Arraes , 8. 12. "■gostar fel c vinagre.'' '■^gostou 
CL morte ( morreu )." B. 1. 5. 5. §. Gost.ir , n. 
gQiíar de alguma coisa , ou pessoa ; achar-lhe sa- 
bor , receber gosto, e prazer com ella. 

GÒS-TO , s. m. A sensação , que nos causáo 
os corpos saborosos applicados á ponta da lingua 
principalmente ; de ordinário se toma por bom 
gosto. §. i. Qualquer sensação agradável , que re- 
sulta da bondade física , ou moral de alguma pes- 
soa , ou coisa ; prazer , satislaçáo : v. g. o gosto 
da musica , de alguma noticia , ó-c. §. Ter gosto 
em maíeriíts intelkctuáes , e d'tngenho i i. é , bom 
juizo , bom discernimento. §. Levar em gosto : 
consentir , approvar com gosto. §. Gostos da vi- 
da ; prazeres , delicias , deleites , deleitações. 

GOSTOSAMENTE , adv. Com gosto , prazer : 
V. g. passámos o dia gostosamente entretidos. 

GOSTOSO , adj. Que causa gosto. §. Que es- 
tá a seu sabor , alegre , contente : fem. gostosa. 

GÒSTOZÍNHO , s. m. dim. de Gosto, este — 
de appetite convertido em lagrimas. 

GÒSTOZÍNHO, adj. dim. de Gostoso. Hum 
bocado — : um dito bem salgado , e — . 

GOTA , s. f. Uma pinga de liquido. §. f. Por- 
ção minima , ou mút pequena de algum liqui- 
do : V. g. tomei unm gota de vinho. §. Doença , 
que consiste em fixar-se nas articulações das 
mãos, ou pés o humor grosso e cru , que a na- 
tureza arroja ás extremidades do corpo. §. Gota 
artetica i a que dá nos artelhos , e juntas do 
corpo. §. Gota coral : epilepsia. V. Coral, §. Go- 
ta serena : privação total da vista , sem lesão ex- 
terna dos olhos. §. Gotas , na Archit. sáo de or- 
dinário 6, corpos pequenos de figura redonda , 
quadrada , ou cónica , que se pói por adorno 
no friso das columnas dóricas , debaixo do cri- 
ghfo. 

GOTÁDO , adj, do Brás. Salpicado de gotas. 

GOTEÁDO , p. p. de Gotear. 

(GOTEIÁR , ou 

(GOTEJAR , V. n. Cair gota a gota. H. Dom. 
P. z.f. 55. -p-. "a agua espalhada cai goteando." 
§. Cam. Ode ^. "as tranças ^oífjVíKí/o." §. v. at. Es- 
tillar gota a gota. Vieira, veremos a mesma espada 
jd goteando nosso sangue, "gotejava agua na boca 
da criança." Vergel. 

GOTEIRA , s. f. Telha na extremidade do te- 
lhado , por onde cai agua da chuva, §. Buraco no 
telhado , por onde cai agua em casa. Não ad- 
vertir huma goteira faz vtr abaixo buma abobe- 
da , ou casa toda. Ciita , Serm. p. ^6. §. Gotei- 
ras do doçd , cu ç.ama , sáo como sanefas xeçgr- 



GOV 



93 




tadas , que cercão o alto em redor. 

GÓTHICO , ad), Contornie á maneira , estilo , 
uso , costume dos Godos : v. g. "edifício de tra- 
ça Gothica.". §. Gosto , estilo — ; i. é , mao j 
rude. 

Goto , s. m. A boca , ou entrada do laringe , 
ou canal , por onde entra o ar que respiramos ; 
glote. Dar no goto ; entrar neile a agua , ou 
comer , com que se causa grande tosse , e tal- 
vez a morte , tomada a respiração. §. Dar no gO' 
to ; por antifrase ; causar gosto. £ufr. 2, 3. "gran- 
de riso vai lá ; deu-lhe no goto." 

GOTOSO , adj. Doente de gota. 

GOULiíO , adj. ou subsc. Devorador , glotáo. 

GOUVECÈR , V. at. ant. Gozar. Elucidar. — ■ 
d'outra jurdi^om. 

GOUVÉR. ; por , JOUVÉR. Elucidar. 

GOUVÈTE , s. m. Instrumento de marceneiro ,' 
com que lavráo as molduras. 

GOUVÍR, v. ant. Gozar. Leão^ Orig. Carta Reg. 
de 2^. de Janeiro 1542. 

GOVERNAÇÃO , s. f. V. Governo. Barros. ?. 
5. I. esta governação da índia. Clarim. 1. c 55. 
— da Ilha. Idem, 3. 10. 

GOVERNADÈIRA, adj. Mulher — ; governa- 
da , boa ecónoma. 

GOVERNADO, ad). Que rege bem , e econo- 
misa com prudência os seus bens , fazenda , e 
tamil ia. Homem governado. §. part. pass. de Go- 
vernar. V. Alimentado. Ser governado d' alguém : re- 
ceber delle comedoria , alimento. Orden. Jfons. ^. 
T. 109. os que som seus ( dos Clérigos ) vestidos , 
e califados , e seus governados : i. é , a quem dão 
vestido , calçado , e governo , ou comer. L. 2. 
cit. Ord. f. 206. e Í07. e Filip. 2. 58. i. 

GOVERNADOR , s. m. Pessoa , a quem se con- 
fia o Governo de alguma Praça , Província , Ca- 
pitania. §. Governador das armas : General do Ex- 
ercito. Governadora , f. "por tutora do Príncipe, 
e Governadora ( a Rainha D. Caiherina ) destes 
Reinos até o Principe ter 20. annos," Cron. J. 
^ P. 4.. c.fin. §, Governador de buma Igreja; ant. 
o padroeiro, it. os fregueses que etão ouvidos nos 
negócios delia , ou por serem fundações de ?cus 
antepassados , pois se uso é de Deos e ofRcios 
Divinos , a propriedade é dos fundadores. 

GOVERNÁLHE. V. Governalho. Sá Mir. Es- 
trang. f. 169. 

GOVERNALHO , s, m. Leme, Azurara , c. 99. 
Resende, Cron. jP.2./. 9^. col. 2. Gocs, Cbnn. Man. 
I. P. cap. 4;. 

GOVERNANÇA , s. f. V. Governo, «quinze Pro- 
víncias a que chamáo govertianç^as.^^ o. i. 9. 2. 
§. Governança ; antiq, alimentos, mantimento. Ord. 
Af. i.f. 488, dar-lhe-hão — do dinheiro das revel- 
lias : e L. z.f. 205. Imd. ?. 92. acudão com aqad' 
U proviião ; que para nossa governança será lu- 
çessaria. e Ined. ^.J. 149. matem os cavallos , e po- 
ntão- 



^ 



94 



GOZ 



e nao se 



nhão-se em sal para nossa governança , 
dè governança senão httma vez ao dia. 

GOVERNAR , V. at. Dirigir fizica , ou moral- 
mente. Governar o navio ; mareando-o , regendo o 
leme : governar um negocio ; determinar o modo , 
que tielle se ha de levar. §. Governar uma casa ; 
regulando a sua economia , e administração : go- 
vernar o estado ; dando Lers , e fazendo-as exe- 
cutar como Soberano , ou fazendo as suas vezes , 
em alguma parte da administração. §. Reger bem : 
y, g, governa o seU património. §. n. o navio go- 
verna ao Norte , o» ao Sul i i. é , dirige-se , vai 
para o N. ou S. Amaral , 1 1. "o navio nzo gover- 
na i" i. é , náo dá pelo leme. §. — se : regulaj- 
se , reger-se. Governar-se pelas circunstancias ; aco- 
modar-se a ellas. §. Reger-se , proceder. e//e se 
governou com tanta prudência , e esforço , e a jor- 
tuna o favoreceu de maneira , que com todos os 
seus salvos chegou ao Cinde. B. 8. ii. §. Qover- 
na-se o cmallo pelo freio : Vieira : o mareante pe- 
lo mappa. §. Deixar-se governar por alguém ; estar 
por seus conselhos , direcções , mandados, §. Go- 
vernar alguém ; mantè-lo , sustentá-lo , e dar-lhe o 
necessário. §. Governar-se : sustentar-se , manter-se, 
fazer as despezas necessárias á vida , e tratamen- 
to : daqui na Orden. L. z.T. 58. §. i.os caseiros de- 
vem i . . ser governados continmdamente , e princi- 
pal parte de suas vidas per os salários , é^c. i. e , 
alimentar-se , e viver dos salários : Governar alguê ; 
alimentá-lo. "quereis que me chame vosso , que- 
reis governar-me ,governai-me :'' i. é , dai-me o ne- 
cessário de comer e vestir. C V. Governança , e 
Governo ) Governar tem é no Indicat. prés. Go- 
verno, — érnas, — érna, — érnão: no Subjuni. go- 
ygrne , — érnes , — érnem : em todas as mais va- 
riações tem e mudo, 

GOVERNATRÍZ , adj. fem. Prudência governa- 
iriz ; i. é , de governar , reger , administrar. 

GOVERNÈLLO , s. m. ant. de governo , ali- 
mento , e mantença. Elucidar. 

GOVERNO , s. m. O acto de governar , reger, 
administrar. §. A província , em que o Governa- 
dor exerce a sua jurisdicçáo , e regimento. §. f. A 
guia , rédea , ou meyo , porque alguma coisa se 
rege , e dirige para ir bem , e se soster. Eufr, 5-. 
5. Cortar-lhe os governos ^ i. é, privá-lo desse meyo 
de soster-se, e reger-se. §. Regimen, direcção: 
V. g. para governo de sua vida. Palm. P. 2. c. 
98. §. Alimento , de comer. Orden. Aj. i. /. ^25-. 
dar de soldada 12. libras . . . ,epor governo pam , 
e biscoito , e auga. §. Renda para manutenção de 
algum estabelecimento. Severim^ Not. D. 5. §. 3. 
como não se lhe appHcotí { a.o Seminário ) governo 
conveniente. §. O governo do rab$ do peixe , o del- 
gado junto ás barbatanas caudáes. B. 5. 5. l. 

GOYÁLVA, s. f. Giralua, flor. 

GOZADO , p. p. de Gozar. 

GOZAR , s. f. Lograr , desfrutar , possuir 



GRA 

go2ar saúde. Lobo. gozar o interesse de mercês suas. 
Lobo. §. Gozar uma mulher ; que se nos entrega. 
§. Gozar do direito. Lavanha. Gozar do Reino , ou 
o Império. M. Lus. 

GOZARÍA , s. f. O vicio de ser ladrador , e 
mordaz ; no f. André da Silva Mascar, hora. en- 
tendei-vos Id com a gozaria da. plebe , que mordaz 
mi tudo entende. 

GOZO, s. m. Alegria, gosto, prazer interno. 
§. na Astrol. Vigor que de causa intrínseca vem 
\o planeta , quando está no lugar em que a sua 
torça se augmcnta , Síc. 

GOZO , adj. Cão — ; de casta vulgar , curco das 
pernas , e largo do corpo. ( canis. ) 

GOZOSO , adj. Cheyo de gozo , prazer, ^nei- 
á^ , 8, 1 50. e gozoso , e contente tm fim vizita os 
pequenos Penates, idem, 9. 22. §. Os mistérios go- 
zosos do rosário ; em que se celebrâo os gosos da 
Encarnação, Visitação, Nascimento de N. Se- 
nhor , a Purificação de N. Senhora , Scc. 

GRAÁDO , adj. ant. Grato , agradecido. Jned. 1. 
d 2. §. V. Grado. 

GRl, abrev. de Grande. De hum grã mestre obra- 
do. Ferreir. Egl. i. e y. Este adj. é invariável , co- 
mo são os abreviados Cr^nrf e Sant : daqui dire- 
mos os Gran-Mestres , os Gr an-Cruze s , melhor do 
que os Grãos Mestres , e Grãos Cruzes ; porque 
grande não tem nunca desinência cm io , e ecjui- 
voca-se grão nome , com o tal grão adj. c por- 
que imprimirão com desinência em am ditongos 
naíáes em ão , achando nos manuscritos_^M , ou 
gram Mestre, trans formar ão-no cm grão-., grãos 
aliás é masculino , e Cruzes feminino , gran é co- 
mum , com Sant para Sant* Anna , e San Tel- 
mo, San-João, éi-c. Leão . Orlogr. f. 221. e 238. 
fílt. ediç. Outros escreverão gram para o femini- 
no, e grão para o masculino : v. g-gram ptnz, gram 
volta, e grão Senhor. V. Caminha , Pões. f. 56. 
Ferr. Bristo , ^. 6, f. 52. o grã Mestre me levou en- 
tão a sua casa : e Egl. 1. "grã Mestre'' e "o 
grã Rei.'^ , 

GRÃ A. V. depois de Gram. Grã c melhor orto- 
grafia ; e V. como diífcre de Gran, aJj. abreviado de 
Grande. 

GRAÇA , s. f. t. theol. Auxilio , que Deos da 
para obrar btm. §. Estado de innocencia , ou 
livre de culpas : v. g. "estar em graça.'" %. Fa- 
vor , mercê : v. g. *'faça-me a graça.^' §. Bene- 
volência , cabimento , valia : estar na graça de al- 
guem : achar graça ante algum : "metter-se cm 
nossa ^r^$^.^' .5. 2. 6.7. §. Degrada : sem preço , 
nem custo. §. Ar agradável no semblante , ou 
meneyo do corpo ; sabor , sal , e gosto nas ra- 
zões discretas , c modo de as proterir : v. g. fal- 
ia, anda, canta com graça , c bom ar ; entta , 
apresenta-se , despede-se com boa graça. §. Orajas , 
dicos galantes, e discretos por brinco; oppoi-_se 
'a Sisos. §. De graça : por jogo, e bnnco , nao 



GRA 

de siso, náo seriamente. §. A stia graça; i. é , 
o seu nome. §. Indulgência. §. Agradecimento : 
V. g. por isso nem ç^r/ido , twn graças: render as 
graças. yJrraes , e P^ciga , Ethiop. f. iilt. §. Fazer 
graça de alguma coisa ; fazer quita , mercê , de- 
sobrigar da solução delia , perdoar. Sd Mir. Co- 
fued. Estraug. §. Zombaria. Ferreir. T. i./. 224. 
§. Canhar as graças a alpsem ; conseguir o seu 
tavor j e benevolência. M. Lt/s. Tom. 2. 

GRACEJADOR , s. m. O que diz graças , e di- 
tos galantes , talvez motejando. Gtl Fiçente , /. 
216. f. "fallador , gracejador,''^ 

GRACEJAR, V. n. Dizer graças. 

GRACÈTA , s. f. Ditinho galante. 

GRÁCIADÈI , t. farra. Uma herva deste no- 
me ; e um emplasto assim chamado. 

GRACÍNHA , s. f. dim. de Graça. 

GRAaÓSAMENTE , adv. Por graça , favo», per- 
doou — toda a divida. Vieira, pedir — : por grar 
ça , e favor. Lopes , Cron. J. i. §. De graça , sem 
custo. §. Com graça , galantaria , sal , sabor. §. "El- 
Rei o recebeu (ao Conde D. Duarte de Menezes ) 
mui graciosamente :^' com agasalho de graça , e 
mercê ; este modo de fallar , e receber diz-se pro- 
priamente dos que podem fazer graças , como os 
Soberanos (_Ined. 5. 81. ) , e é epiteto usado nou- 
tras Linguas : "good gracious Lord-'^ ou God , de 
Deus ; ou Most Gracious Sovereign ( que é for- 
mula de começar a escrever aos Reis de Ingla- 
terra ) muito gracioso Soberano , Deus ou Senhor. 
Ined. 5. 211. três ou quatro dentes que lhe ainda 
a natureza graciosamente deixara , quebrados em 
su/t boca ( era velho). Ined. i. 244. a Rainha 
escreveu mui — d Cidade ; para socegar ao6 alle- 
vantados. B. 1.8. 10. "respondeo graciosamente." 

GRACIOSIDADE, s. f. O ser gracioso, ador- 
nado de graça. Sd Mir. Eclog. Basto, a gra- 
ciosidade das mulheres, Men. e Moça , Écloga 5. 

GRACIOSÍSSLMO , superl. de Gracioso. — em 
contrafazer^ linguagens. Resende , Vida , c. p. 

GRACIOSO , s. m. Homem que diz graças co- 
mo por habiro. Clarim. 2. c. 29, o homem seja en- 
graçado , mas não gracioso , se quizer manter o seu 
decoro. §. Que representa papeis jocosos nas come- 
dias. §. Mdo gracioso; o que diz graças frieiro- 
nas , ou onde ellas náo convém. Couto , 4. 7. 7. 
/. i-^J,.f. col. 1. 

GRACIOSO , ad). Que náo custa dinheiro , gra- 
tuito. Leão , Descripção. §. Faceto. §. Lindo , bo- 
nito , engraçado. Camões, a boca graciosa , o riso 
honesto, além da sua formosura era tão graciosa , 
e despejada , que accrescentava etn seu parecer ( por- 
que esta graça be que airae o coração dos homens 
mais que uma seca perfeição de feições ) . Clarim, 
I. c. 18. idem. 3. c. 16. Luz da alma graciosa, 
e rosada, §. Apprazivel. v. g. graciosos valles , 
fomes , prados , flores. Lobo. burla — . Resende , 
Fidaf f. <?. §. Que deleita, e move a riso : v.g. 



GRA 



9S 




ditos — '. §. Espécie de uva deste nome. §. Da- 
do por graça , e náo em mercê , ou remuneração : 
V. g. "tença graciosa." Orden. 5. 18. :;. Ord. Af, 
I. 2. I. Cartas — ; oppostas ás direitas^ ou de 
justiça. §. Gracioso ■■, amigo de fazer graças , be- 
neficios. tão gracioso e mavioso , qne nunca soub& 
dar má reposta a ninguém. Azurara , c 28. Diz- 
se propriamente dos Reis , e Grandes Principes, 
( V. Graciosamente , e o que aí notei ) "Onde 
lhe a fortuna foi assas graciosa." Ined, :}. 217. 

GRACÍR , V. ant. Qratir , agradecer , gratificar.' 
Elucidar. 

GRAÇOLA, s. f. vulg. Brinco , ou dito insulso ," 
importuno. 

GRADAÇÃO , s." f. Figura Rhetorica ; na qual 
se ajuntáo razões , que se váo encarecendo , e exa- 
gerando gradualmente mais, e mais. 

GRADADO , part. pass. de Gradar. 

GRADADÒR , s. iji. O que grada a terra. 

GRADAR , V. at. Destorroar , e igualar com a 
grade a terra lavrada. §. y. n. Fazer-se grado, 
V. g. o trigo ; fruto , &c. §. f. Amor antes de gra- 
dar ; i. é, de crescer. Lobo, Écloga 10. 

GRADARÍ A , s. f. Fieira de grades. §. Os páos 
fincados em terrenos homidos para se edificar sor 
bre elles. 

GRADE, s. m. Instrumento da Agricultura : 
consta de páos cruzados , e duas cabeceiras den- 
tadas , com que se quebráo os torrões no campo 
lavrado , e se cobre a semente. §. Espécie de ra- 
ro miai largo de barras de ferro , ou madeira , 
para fechar alguma porta , ou janella. §. Arma- 
ção , em que o pintor prega , e estende o pan- 
no em que pinta. §. O parlatorio das freiras. 
§. Obra nas estrebarias , feita de barras de ma- 
deira , de traz da qual se pói a palha , que as 
bestas vão tirando pelas aberturas. §. Ferro com 
feição de grade , de que usáo os alveitares. V. 
Gradear, §. Grade da espora ; abertura no fim das 
hastes , por onde passa a soleira. 

GRADEADO , p. p. de Gradear. 

GRADEAR , V. at. Cauterisar o peito do ca- 
vallo , applicando-lhe ferro em braza, da feição 
de gtade. 

GRADEGÈR , v. n. V. Gradar. Fazer-se gra- 
do. Vasconc. Sitio ,/. 170. ao tempo de espigar , e 
gradecer o trigo. 

GRADÈLHAS , s. f. pi. Peça d'armadura an- 
tiga , espécie de malha mais rara , como grades 
miúdas. 

GRADELÍM , adj. Cor de flor de linho. ( de 
gris-de-lin i Franc. ) V. Grídilim , ou Gredelim. 

GRADÍNHA , s. f. Grade pequena , e miúda." 

GRADO , s. m. Vontade , consentimento , con- 
cessão , sem constrangimento de força , ou judi- 
cial. Vieira, "morramos logo , e de grado.^^ Enei- 
da ,8. 66. "de hom grado.^^ c 12. 197. "sometto- 
me de bom , ou de máo grado.'^^ "a mal seu 

gra- 



W 





^ 



GRA 

sr^do.'' Elegiada , f. 124. "^ seu malgrado-yMnu- 
smho , /. 5P. f.lé.si seu pezar , em que lhe 
peze "sei-n grado de seu dono :'^ contra sua von- 
tade.* Ord. Af.z.f. ?9i. P^r §"^0 àe seu dono. 
§ Mal a seu grado : a seu despeito , a seu pe- 
zar. 5. Clarim. L.i.c 29. ou c. i?. »/í. fí^í^'- on- 
de se lè "mal a seit grado." ( pag. 145- ) "^ 
mal de seu grado." Cominho , Cerco , 2. 9. e C/?ron. 
C«í L I. c. 28. §. Máo seu grado : o mesmo. 
Lopes ,'cron. J. u P- i. c 102. §. A/io ^míÍo ; 
i. e , a pezar , a despeito , em que psze : v. g. 
iogremos a occasiao , e máo grado a fortuna. Lo- 
bo. §. Galardão , pago , recompensa, dar bom , 
OU máo grado a alguém. Eufr. i. ^5. /. 35. /. e 
Mo 4. SC. 8. A. 5. SC. 4. íi^r máo grado a Jortu- 
na ; msldizè-la : nem grado , mm graça, j 1. e , nao 
merece galardão , nem agradecimento. F. do Ar- 
teb. §. Grados : concessão de dinheiros , que os 
Reis pediâo ao povo em Cortes , para necessi- 
dade pública , para se íazer o qual os povos im- 
punháo tributos temporários , que cessavao re- 
mediada a exigência ; doeste modo se lhes con- 
cederão as sisas, que o povo pòz , cobrava , e 
fazia cessar , ou diminuía a seu arbítrio. Maris 
na V. del-Rei D. J. u D. 4. c z.f. 150. ediç. de 
1672. §. Presente , premio. Resende , Cron. j. 2. j, 
80; col 2. Insd. 2. 126. os grados da. justa : pre- 
ços , prémios, que se havião de dar aos melho- 
res justadores , ou que cumprissem as condições 
da justa. Jned. i. 44?. venceo o grado ( por me^ 
Ihor justador ) que foi huma rtca copa. 

GRADO , adj. Grosso , bem crescido : v. g. 
trigo -^. Lucena, ^68. col. i. §• Gente mais gra- 
da: a gente nobre , de mayor graduação. F. do 
Arceb. i. c 19. §. f. Gradas esperanças : esperan- 
ças mais chegadas ao termo , do que as que es- 
tão em herva. %. Grandioso , liberal. Cron. do Con- 
dest. homem — ; ou antes grato. Cron. del-Rei D. 
Fernando, «era prestador, e grado.'' Ord. Af i. 

GRADUAÇÃO , s. i. Arrumação das terras no 
mapa segundo os gráos de longitude , e latitude. 
Barros. §. A graduarão dos Barómetros , e i ber- 
mometros , as divisões, que marcão a subida, e 
decida dos liquides ncUes contidos, e os grãos 
do calor ; ou do peso do ar. §. Grdos de dtgnh 
dade , officio , honra , preeminência. 

GRADUÁDAMElMTE , adv. De grão em grão. 

GRADUADO , part. pass. de Graduar. §. Ele- 
vado a alguma graduação civil, ou moral. Ded 
Cron. I. ntimero 6i)\. §. Douio , sciente , eminen- 
te. Fieira, o Filosofo discípulo da natureza , por 
mais graduado lyie ieja nella. ^ 

GRADUAL, s. m. Na Missa , c o verso que se 
canta depois da Epistola. B.Gram. f. ^5. "e a di- 
zer , fazei penitencia , responde o graduai' 

GRADUAL , adj. Psalmos — ; são os 15. Psal- 
íiioç dçSLJe o PsaltTio 119- atç o i^j. 



GRA 

GRADUALMENTE, adv. Por degráo? , ou grl- 
duadamente , do inferior aos gráos superiores. 

GRADUAR , V. at. Dividir em gráos ; v. g. — 
o circ:tlo. §. Arrumar as cartas geo^nficis segun- 
do os gráos , ou graduação das Ferras. §. Cara- 
cterisar: v. g- graduir os vidO' com nomes de vir- 
tudes. §. na Química, Preparar, calcinar, coser 
até certo gráo : graduar o fogo ; proporcionar a 
sua intensidade ao que se expói a elie. §. — se: 
tomar os gráos de alguma faculdade: v.g. gradu- 
ar-se em Filosofia. 

GRAFÒMETRO , s. m. instr. mathemat. E um 
semicírculo graduado , com sua alidada , e suas 
pinulas , &c. serve para tirar planos , medir ân- 
gulos , &c. 

GRAÍNHA , s. f. O gráo do bago da uva. 
GRÁIXA. V. Graxa. 

GRAJÁO , s. m. Ave , que apparece nos ma- 
res da índia. 

GRAL , s. m. Instrumento como vaso fundo de 
mármore , ou marfim , no qual se pisão , e tritu- 
rão medicamentos. 

GRALHA , s. i. Ave vulgar. ( cornix ) 
GRALHADA , s. i. Vozearia confusa , como a 
de muitas gralhas. B. a gralhada das aves : e tig. 
de gente. Fios Sanct. pag. CCIX. f. col. 2. "as gra- 
lhas , com suas vozes , e gralhadas.'" 

GRALHADÒR , s. m. òra , f. Grande fallador , 
ou falladora. 

GRALHAR, v. n. Fallar , fazer grande ruído 
a gralha : ou fig. da gente , que o faz como as gra- 
lhas. 

GRALHEÁDA , e deriv. V. Gralhíída. Barros. 
4. 5. I. he tanta — , e apitar que fazm ( as aves). 
GRALHO , s. m. Ave , espécie de Corvo, mayoc 
que a Gralha. ( graculus ) 

GR AM. V. Grãa , e Grão , e Gran. 
GRÃA , s. f. ou melhor Grã. V. antes de Gra- 
ça. Insectos de um vermelho miai ardente , que 
se criáo numas excrescências rpxis da casca de 
uma espécie de ensmheiro , ou carrasco ; delles 
se usa para tingir a còr chamada gra. §. fig. O pa- 
no tinto de grã. 

GRAMA , s. f. Herva vulgir , que serve de pas- 
to ao gido , e se usa na Farmácia. 

GRAMADÈIRA , s. f. Páo concavo, em que 
encaixa outro a modo de cute.lo de trilhar li- 
nho. §. Gancho usado nas estrebarias para abater 
a palha. 

GRAMADO , p, p. de Gramar. 
GRAMAIDÁDE , s. f. ant. Irmandade , obras de 
irmãos , amigos. Elucidar. 

GRAMAR , v. at. Trabalhar o linho com a gra- 
madeíra. §. t. chulo ; Comer, "gramou um arrá- 
tel de doce." , 

GRAMÁTA, s. f. Herva, de que se extrahe a 
barrilha , ou sal, que se ajunta ás pedras , que so 
fundem para fazer vidro. 



GRA 

GRAFíIÍNEO , adj. De grama. Cam. Lusiad. 9. 
54. de graminco esmalte se adoruavão. §. Que tem 
grama : v. g- prado — i gramíneo manto , do pra- 
do. 

GRAMMÁTEGO , s. m. ant. Grammatico. 

GRAMMÁTICA, s. f. Arte , que ensina a fal- 
lar , e escrever qualquer Língua correctamente , 
seguado o modo por que a fallaráo os melho- 
res escritores , e as pessoas mais doutas , e po- 
lidas. , . ': 

GRAfliMATiCÁL , adj. Que respeita á Gram- 
matica : v. g. preceitos — . £. Gram. J. 208. 

GRAMMATICÁLMÈNTE, adv. Segundo os pre- 
ceitos da Grammatica. 

GRArvlMATlCÁR , v. at. Dar preceitos gram- 
maticáes j tratar questões grammaticáes , exami- 
nar a, . exactidão , e conecçáo dos modos de fal- 

. GRaJvíMa1:'ICO , s. m, ,Q,que sabe, ou escre- 

ye de Grammatica. ■ . " C" . . , 

GRAMMATIQUÍCE , s. f. Censura grammati- 

cal. §. Rigorismo, e irnpeitinencia , miudeza de 

frammatico ; diz-se á ma parte. D. Fr. Mau. 
Yial. "essas gramatiqiíices?^ 
GRAMPONÁO , adj. Fr.audador , ou defrauda- 
dor. Resende i Miscell. ,'^l\idi:as grámpondos." 

GRÀN : abreviatura de Grande': v. g. a Gran- 
Jtussia ,0 Gnn- Mestre ; çs GTa.n-Cruzes, Nos bonó 
autores acha-se grão com nomes masculinos iy^^^í 
Grão Senhor , Gráo Mestre ; mas gran é sincope , 
e invariável em género, e numero: v. ^. o gran 
pai , gran mar , é"f. V, Eneida Port. 8. £st. 5. 7. 
28. ó^c. "o grã pai." Ferr. Carta 5. Z,. 2. Id. Carta 
6. o ^ri Ferrarez : a grá memoria : grá canto, a 
grá Lisbua. Cartay. Grã, e Sant sao contracções 
de Grande , e Santo. D/Mrt. Nm.de Leão , Orig, e 
Ortogr. ( V. Grã^ Q por isso sao indeclináveis, 
e invariáveis. Gran-Mestres, e Gran-Cruzes sáo me- 
nos ásperos, qac C^os Mestres , e Grãos Cruzes : 
e alias grão adj. confunde-se com o subsr. grão. 
*'havendo já gran pedaço.^^ Clarim. 2. c. 9. 

GRANADA , s. f. t. d"'Artelharia. Globo de fer- 
ro vasado , que se enche de pólvora , e se lan- 
ça á mio , para rebentar entre os inimigos. §. Pe- 
dia fina deste nome. §. Contas de vidrilho , que 
se usão nas pulseiras dos braços , e ao pescoço. 
V. Granates. 

GRANADEIRO , s. m. Nos Regimentos ha com- 
panhias de Granadeiros , que sáo dianteiros nas 
marchas , e incumbidos de lançar granadas á máo ; 
de comum sáo homens de grande estatura ; e por 
isso se diz , fig. que é um granadeiro o homem , 



GRA 



97 



GRANÁL , adj. Uomm — .V.Grado.D. Fr.Ma- 
nuel. 

GR.ANÁR, V. at. — a pólvora ; fazè-la em gráo- 
sinhos. Exam. de Bombeiros. 

GRANATES , s. m. pi. Pedras , que se pare- 
cem com o rubim escuro : gnmadas vulgarmente. 

GRÀNQA , s. í, Alimpadura :v.g, a grança do 
trigo ^ ou cevada. 

GRÀNCHA. V. Granja. 

GRANDE , s. m. Os Grandes do Reino sáo des- 
de os Duques , até os Condes , e alguns Vis- 
condes , que tem por privilegio as honras de Gran- 
des. §. Fivcr a la grande ; i. é , com grandeza no 
trato. Godinho. 

GRANDE, adj. Opposro a pequeno, em quan- 
tidade , ou intensáo , ou qualquer qualidade: v. ^. 
grande chuva , calma , amor , voz , peso , vento , 
riqueza , despojo , paixão , é)'C. eminente , insigne ,, 
mui notável: v. g. grande hr,mem , grande dia y 
éi'C. %. Mares grandes ; grossos. Barros. 

GRANDEFERÈNTE , adj. Epiteto , que se dá á 
frota formada em um certo esquadrão da antiga 
manobra. D. Fr. M. Epanaf. 

GRANDEMENTE, adv. Muito: v. g. "prohi- 

viver 



(t 



bem grandemente.^^ Cqm grandeza : v. g. 
grandeniente.^'*.:.^." ,.' \ 

GRANDE VO,' adj. poet. De grande idade, lon- 
gevo. Satyros -7-. ., .., 

'grandeza^,'?. ^f. O tamanho, extensáo de 
qualquer corpo. §. f. Grandeza do animo ; a ele- 
vaçáo , .superioridade que tem aos ânimos vulga- 
res , em ser destemido , liberal , constante , &c. 
§. Dignidade. §. Fausto , pompa , magnificência. 
§. Grandeza continua , entre os Mathemacicos , 
é toda a sorte de extensáo ; grandeza discreta , sáó 
as unidades , ou números. 

GR.ANDÍLOCO , adj. poet. De grande eloquên- 
cia , sublime , épico. Fence toda a grandiloca eí- 
critura. Ltís. 5. 89. 

GRANDÍNHO , adj. dim. de Grande. 

GRANDIOSAMENTE , adv. Com grandeza , 
magnificência ; V.. g. tratar-se — ; gastar — . 

GRANDIOSIDADE , s. f. A qualidade de ser 
grandioso : grandeza, tan por — que lhe leveni 
presentes. Cron. J. 5. P. 2. c. 87. 



ou mulher alta , e corpulenta. 

GRANADÍLHO , s. m. Arvore da índia , cuja 
madeira escura é m'5i massiça. 

GRANADO , adj. Grado , crescido , que avul- 
ta ; escolhido , de conta. Eneida. Arte de Purtar, 
c. 54. "gente mais granada.^' V. Grado. , 

Tom. II. ••"- ' "■'"** <"' 



GRANDipsO , adj, Magnifico : v. g. animo , 
funi^ão grandiosa. 

GRANDÍSSIMO, superl. de Grande. Lusíada: 
— golfão, "feitos d'armas grandíssimos.'^^ Idem. 
2. 50. 

GRANDURA, s. f. Grandeza. Jlbnq. P. 4. c 
5. §',• Extensáo. B. Clarim, c. -6. Couto, 4. 9- 8. 
"fortaleza da grandura &c." I^us. 6. 74. A pe- 
quena grandura de hum batel. 

GRANEL , s. Â granel ; solto nos payóes , em 
náo ensacado , nem enfardado , em monte : 



grão 



V. g. "trazem o cravo a granel ," e náo enfar- 
delado. V. Barros , ?. 5. 5. 127. col. 4. §. Agra-. 

N nel : 




kj 



GRA 

U2l: em abundância. 

GRANGEÁDO , pait. pass. de Grangear. §. t 
Gente escolhida , e grangeada de longe com largas 
mrcès. Marh , D. 5. c. 4- > 504. §• Cultivado i 
V. £. lavouras — • 

GRANGEAUÒR , s. m, O que grangea , bene- 
Êcía a fazenda para a augmentar. 

GRANGEÁR , v. at. Beneficiar , cultivar a sua 

sranja, ou herdades, para as fazer fructuosas. 

Cultivar , beneficiar , adubar os plantios , e 

sementeiras, para fructiíicarem. §. Grangear esta 

propriedade de commercio : B, i. 2, 2. o da índia 



GRA 

GRANÍVORO , adj. Que se nutre de gráos , 
e sementes : v. g' ave — . 

GRANIZADO , part, pass. de Granizar. Acom- 
panhado de granizo , ou feito em granizo. Ele- 
giada , f. 160. f. qual prenhe trovoada , que do 
húmido ventre tenebroso com granizada chuva o chão 

semeia. 

GRANIZAR, V. n. Cair o granizo: fazer em 
granizo : v. g. — a pólvora. 

GRANIZO , s, m. Saraiva , pedra miúda , que 
cái das nuvens , ou agua congelada em gráos. 
§. Grão miúdo, granito. §. f. — de pellouros , e 



í Adquirir : v. e. —fazenda-, e f. — a bene-\freáas', que sobre ehes caiao. Couto y 5. 4. 2; 
I. ^uv^uiMi . y 6 '...._,' j. ,r„,.„™ r„L„ /^t>\mtj c f Prp.-^ir. nistico . aue se cultr 



vckncia , favor y gra^a , vontade de alguém. Lobo 
Grangear nome , jama , reputarão , ódios , intnu 
gos , iz^f. Fieira. §. Trabalhar por conseguir qual- 
quer coisa. P, Pereir. 2. c. 46. grangeaváo como del- 
ias viessem desesperações ao Fice-Rei. Grangear al- 
gum; i. é, fazer por merecer a sua graça., be- 
nevolência. Paiva, S. i./. 58. Lobo. Grangear tra- 
balhos ; fazer por os ter : grangear doenç^as , ma- 
les , <ò'C. '^tratou de passar-se a parte do C^amo- 
rim ... e de se verem , o que o (^amorim gran- 
pfoíí murto.^' Couto y 6. 8. 2. 

GRANGEARÍ A , s, f. Serviço , beneficio , cul- 
tura de granja , e de todo o trabalho rústico , 
como lavoira , fabrico de vinhos , azeites : cria- 
ções de gados , &c. *'Sem terem conhecimento 
de agricultura, nem grangearia dos campos. ^^ Cou- 
to , s- 2. 10. §. Quinta de grangema; a que se 
tem para tirar lucro , e náo para mera recrea- 
ção. §. Grangearia de gado , trigo , azeite. Barrei- 
ros , Corograf. f. 58. f. §. Agricultura em geral. 
Castrioto Lusit. f. 11. ao tempo , que pela grangea- 
fia , € pelo commercio. §. f. Modo de fazer lucro , 
e proveito, &c. lucro , e proveito. H.P. a es- 
vtola he gtangearia certíssima para bens temporaes , 
e eternos. Leitão d'Andrad. Dialog. 20. p. 619. 
ponderando que Nuno Freire de Andrada , vindo 
de Galiza , e tendo cá Dom , sendo Mestre da 
Ordem de Chrisro , os seus descendentes , que são 
da Caza de Boubadela , náo tem o Dom , diz 
Que o tempo , e Os Reis forão fazendo disso gran- 
gearia, por terem mais de que fazer mercê, "esti- 
mar a fortuna he Grangearia :-* Carta Pastoral. 
y. Eufr. 5. I. lucro, vantagem , proveito. £»fr. 
I. 2. "se lhes acenaes com qualquer grangea- 

GRANGÈIRO , s. m. O caseiro , ou homem que 
administra a granja. 

GRANGÈO , s. m. Despeza que se faz na gran- 
gearia. ( melhor onogr. grangèyo ) 

GRANÍSO. V. Granizo. -■ ^ .^ 

GRANÍTO , s. m. Gráosinho : ^.g" o granito 
àas uvas. Luz da Aíedic. V. Grainha. Os granitos 
do figo ■■, da pctvora. 

GRANÍTO, adi. V. g. Tabaíò — ; .feito em 
graosinhos. 



GPvÀNJA , s. f. Prédio rústico , que se cultiva 
para lucrar em seus frutos. Arte de Furtar, c. ix. 
Sd Mir. Estrang. H. Bom. P. ?. L. i.c.çi ' ; . 
GRANSOLLÀ, s. f. anr. Ined. 2.4'ói. manda- 
rom o borgantim a filhar a guarda, e quando jo- 
r&m dentro acharam gransoUa , pelo qual nom ou- 
saram de sair fora: deve ler-se ^Mn /oi/« , gran- 
de niarulhada , turvaçáo do mar. V. Folia. 
■ GRANULAR , v. at. Dar a forma de gráos 
redonda-, v. g. deitando o metal em gotas na 
agua. t. quim. 

GRANZÁL , s. m. Agro de gráos. 
GRÁO , s. m. Umâ parte , ou diyisão do cir- 
culo dividido geometricamente; 'r:í'e, em ^60. 
partes iguáes. §. Divisão , ou escala no Thermo- 
metro , e Barómetro , para se examinarem os grãos 
de calor , e frio , para conhecer o mayor , ou me- 
nor peso da Atmosfera, e as alturas dos mon- 
tes. §. Gráos metajisicos ; escala de atiributos , ou 
nomes mais , e tnais genéricos , e menos com- 
prehensivos. §. Grão , na Geografia , a altura , 
ou longitude, ou antes as divisões dos círculos ', 
por que se mede a latitude , ou longitude , que 
também é em 560. partes ; com a differença , que 
os círculos da latitude , ou as porções dos Me- 
ridianos se contáo do Equador para os poios di- 
vididos em yo. gráos por cada banda do semi- 
círculo ; aos gráos de latitude se dá a cada um 
18. léguas Portoguezas. Fortes. §. Qualificação , 
ou dignidade acompanhada de certa considera- 
ção , honras, privilégios , que se adquire por me- 
recimentos : V. g. os gráos Académicos , que vai 
recebendo o que faz bacharel , e exame priva- 
do. Ord. Af. 1. 6]. Deus que todalas cousas crc- 
ou e estabeleceu cada huít em seu graao .... de- 
partindo-as segundo o graao em que as pòz. Segun- 
do o graao , condido , e estado que for. §. A clas- 
se , ou elevação ,' e graduação civil , e conside- 
ração , de que gozáo segundo a importância de 
seus postos , otficios ; v. g. os primeiros grãos da 
Milícia, ou Magistraturas. §. Grão de parentes- 
co : a distancia do rronco commum ; v. g. do pai' 
ao filho, neto, bisneto, 8cc. de um Irmao a ou- 
tro , áos filhos do irmão , &c. §. Grdo , lu Quími- 
ca , intensão : v. g- gtáo de calor. §. Grdo na^ 




GRA 

lentes concavas : diz-se cjue tem mais grãos a 
que é mais concava , e faz os rayos mais diver- 
gentes. §. Grão supremo ; na^^c : v. g. "possoio a 

supremo ■^■' ■ ^ 



GRA 



99 



virtude da caridade em grão 
no auge , até onde ella pôde chegar. Chegou o 
se» amor ao ultimo %xio, obra acabada no ulti- 
mo gráo de perfeição. §. Certas graduações, que 
os antigos Médicos daváo ás 4. qualidades, quen- 
te , frio , húmido , e seco : v. g, "o fogo é quen- 
te no oitavo grão," 

GR-âO , s. m, O fruto do trigo , que se dá 
íia espiga , e de que se faz farinha : grãos , ioda 
a sorre de páes. §. Legume , de que ha bran- 
• cos , vermelhos , e pretos : cicer , is. §. Grãosi- 
Mhos , milharás , granitos. §. Uma porção da gtan- 
deza de um» gráo de trigo: v. g. um grão de 
cncensow §. Peso ; 24. grãoi fazem um escropu- 
io , ou escr/^ptilo. §. Grão da atafona 5 a pedra de 
cima. §. A prata mais fina é a de Lei de 12. 
dinheiros , e em cada dinheiro ha 24. grãos , e 
eada^ grão se reduz até a J de gráo. Resumo do 

vdtof da Prata , f, 5^. b gráo de ouro é - de 

^ilate , e vai \20. réh.-^.- Diamante de grão ; o 
que tem de peso i. grão. .tí.'..ií5\1 

GRld r abreviati ds Grande r v.'^-. o Grãõ-^Pri- 
or , o Grão-A4estre , o Grão-Tu.rco , ó^c. por abu- 
so ; pois gran é abreviatura de grande , e inva- 
riável : v. g. gran-S4nhora , jran-mestres , gran- 
crit-zes , e niogr-ansf nem gr AOs , equivoco com o 
nome grão, "grand ., e Smt. são abrev. de^r^n- 
de c Santo J"^ Leão ,-■ Ortogf. f. 221. e 2:58. ult. 
ediç. "Do grã Juís , onde daremos conta.^' Ferr. 
Põem. T, 2. f. 16^. no Tonu i. P. i. pag. zii. 
das Decad. de Barros , ult. ed. véi ''■grão terra :" 
por- se alterar grar)i da primeira edição em ^rio, 
poLi mi ortografia de representar por am o di- 
tongo nasal ão , táo diversos em som. 

GRÁPA , s. f. Ferida na dianteira das curvas , 
e na trazeira dos' braços do cavalío. 

^GRASNADO, p. p. de Grasnar./^enoí grasnados, 
não ja Cantados. 

GRASNAR, V. n. Soltar a voz: V. g. grasnáo 
o corvo , grotí j gralha, águia, abtttre. Maminho, 
f. 9~>, 2. edi:. 

GRASNÍDO. V. Gasnada. 

GRASSÈNTO , adj. Da natureza , ou consis- 
tência da graxa, agua — e umtuosa. Fasconc. Si- 
tio , pag. 107. ult. ediç. 

GRATIDrtO , s. f," Agradecimento , conheci- 
mento do beneficio , no animo , nas palavras ^ e 
obras. 

GRATIFICAÇÃO , s. f. Demonstração de agra- 
^ecimento. Barros ,1.4. 12. ô templo de Belém 
*'éita memoria de gratificarão.". §. Premio , remu- 
neração. Cron. jf. I. c. 65. por Leão. 

GRATIFICADO , part. pass. de Gratificar. Re- 
munerado por gratidão. Eneida , p. 6i. 



^ GRATlFICAnOR , s. m. ou sdj. O que grati- 
fica : V. g. — de serviços , de boas obras. 

GRA ri FICAR , V. ar, Retriunerar , pagar a boa 
obra que recebemos , e os serviços. Maris , D. 
4. c. 20. com honras , e mercês gratificava cl-Iiei D. 
Manoel aos soldados, por gratificar a piedade. Freire, 
"c querendo gratificar ao Governador os grandes 
serviços... lhe mandou mais ?. annos da Governança 
da índia." Coute, 6 6.7. — agasalhado. B. i. 6k 5. 
— a boa obra qtíe lhe fizer ão. B. 7,. 1.7. 

GRATIFÍCIO , s. m. V. Gratificação. Tavares; 
p. usado. 

GRATÍR. , V, at, ant. Gratificar. Elucidar. 
GRÁTiS. V. de graça. 

GRATÍSSIMO , superl. de Grato. Um agradar 
vel. As vossas almas não erão gratissimas a Deus i 
Fieira, 4.1^6. 

GRATO , adj. Agradecido : v. g. animo — . 
§. Gostoso : V. g. manjar grato ao paladar. §. A- 
gradavel , bem visto. Freire, grata memoria ; gra- 
ta audiência. V. do Arcch. nenhuma coisa lhe era 
mais grata , que não antepor o rico ao pobre. Fios 
Sanct. V. de S. Plácido, "proveito grande , e gra- 
to.>> Lusiada. §. Grato ( de granted Inglez , ou do 
Francez agréer ) : outorgado , approvado , conce- 
dido. Cron. jT, ?. P. i, c. 56. se obrigou a haver 
I por grato , rato , firme , e valioso , &-c. 
' GRATUITAMENTE , adv. De graça , sem 
custo. 

GRATUITO , adj. Feito , dado , concedido de 
graça, de boa vontade, e livre consentimento, 
sem obrigação : v. g. "dom gratúito.^^ 
GRATULAqXo , s f. V. Agradecimento. 
GRATULATÓRIO , adj. Em que se dão, e 
rendem graças : v. g. discurso — ; oração- — . 

GRÁTULO, adj. Gratulacorio , que contem ex- 
pressões de agradecimento : v. g. com gra'iulas 
palavras. Elegiada, f. 75. Canto 15, Est. 5. grátu- 
lo desejo. 

GRAÚDO , adj. Cheyo de grãos. §. Crecido , 
grande. §. Grado: v. g. "gente grmda." §. Sem 
deixar graúdo , nem mmdo : sem excepção de ne- 
nhum , no f. Eufr. Prol. alias udo. V. Vdo. 
GRAÚLHO , s, m. Graínho da uva , bagulho. 
GRAVADO, part. p. de Gravar, Carregado, fig. 
A consciência gravada com culpas. §. Aberto ao 
boril. Elegiada , f. I58. "o morriáo gravado.'^ 
GRAVADOR , s. m. O abridor , que lavra ao 
buril, G azei. de Lisboa , em 1729, 

GPv.AVÀWE , s, m, Oppressão , carga , peso , 
exacção , ou vexame ; sem justiça : v, g. o grava- 
me dos tributos , é)'C. 

GRAVAR , V. at. Carregar , opprimir. §, f. Fa- 
zer grave , e pesado. §. Carregar : v. g. gravar o 
povo com tributou , vey.açÕ^es , exaccões.%. Insculpir, 
abrir , entalhar ao buril, 

GRAVATA, s. f. Tira de lençnria , que se do- 
bra , e enrola no pescoço por cima do colar da 
camiza. N ii GRA- 



c 



í:>»>\\S5^: 



GRA 

GRAVATA. V. CaravMii , ou Caraúatd. 
GRAVATÍLKO , s. m. t. d'Aftilh. A volia da 
agulha de gravaco, ou sacametal. Exame de Ar- 

GRaVá-TO , s. m. Pedaços de lenha miúda. 
§. Candeya de gravato ; que tem um gancho de 
ferro pelo qual se pendura. 

GRAVE , s. m. Moeda del-Rei D. Fernando ; 
I20. delles' íaziáo um marco , e valia cada pe- 
ça 15. soldos, ou 21. leáes dos nossos. Sèverim^ 

Notic. , , . - • 

GRAVE , adj. Pesado , que deixado a si mes- 
mo busca o centro da terra , ou da sua orbi- 
ta : V. g' "os corpos graves,^'' §. Som grave , ac- 
cento grave ; menos alto , e menos forte , que o 
agudo, e meyo entre elle, e o baixo , ou mu- 
do : V. g. em greda , greta , o í náo soa agudo 
como em creta , térdo. §. Amor grave i i. e , de 
iuizo , e probidade. §. Digno de ponderação , at- 
tençâo: v. g. "caso grave.'' §. Doew^^ ^r^ve i pe- 
rigosa. §. Delito grave ; i. é , náo leve ,^ menos 




que o atros. §. Autorizado , digno de te : v. g 
testemunha — . §• Serio , sisudo , decoroso : v.^ 
homem , varão — , §. Signo grave. V. Signo. ^ 

GRAVÉLLA , s. f. us. nã Chym. Gravellas sao 
ps bagaços das uvas secos , para se queimarem 
e aproveitarem as cinzas. 

GRAVELLÁDO , adj. Cittzas — ; as dos baga- 
ços da uva espremida no lagar , seccos , e re- 
duzidos a cinzas , de que se extrahe o sal : t. 

Chym. , 

GRAVEMENTE , adv. Com gravidade , deco- 
ro nas palavras , e acções, §. Perigosamente : ] 
v.g. gravemente eíi/mno. §. Sentir — ; peccar — ; 
mentir — , éi^c. 

GRAVÈZA , s. f. O peso ; dizemos a grave- 
za da cabeia , do corpo enjermo ; e fig. ^ grave- 
za do peccado , e da culpa : V. do Arceb. e Lua- 
na : i. é , a enormidade , ou peso , que por sua 
grandeza causa na consciência. Graveza das pe- 
nas. Pinto Ribeiro, Lustre do Desemb. do Pa<^o, 
cap. 3. pag. 63. Ord. 5. Ttt.ix. §. 6. é-c. a gn- 
veza do caso: do erro. Ord. Af. z. f. 390. Ined. 2. 
33. §. Gravame , oppressáo. Ord. Af. 5./. 233. 
a nós de grande — , e prejuízo. V. L. i. f. ^^' 
emrega-os sem nenhua graveza ( os bens tomados 
á Igreja ) . §. Mandar co graveza ; com aspere- 
za , pesadamente, pouco aíFavelmente. Jned, i. 
30(5. Propor queixas com graveza ; aggravando-as , 
representando-as pesadas. Ined. i . 337. §. — do ne- 
gocio ; o peso , importância. V. do Arceb. i.c. 8. 
Gravidade, tem mais graveza o Multerio. Kesm- 

áe , Lei. f. 117. .j:/.v 

GRAVIDAQIo , s. f. Prenhez. 

GRAVIDADE , s. f. Propriedade dos corpos , 
pela qual deixados a si mesmos buscáo , e pen- 
dem para o seu centro. §. Centro de gravidade: 
O ponto do corpo , em que todp o pesp delie se 



GRE 

concebe reunido , de sorte que sustentado esse 
ponto , todo o cotpo se sosterá sem cair , assim 
pôde pender fora da baze sem cair alguma es- 
tatua , torre , com tanto que o centro de gravir 
dade fique , e caia dentro delia. §. Graveza : 
V. g. gravidade da culpa. §. — da doença ; que e 
perigosa. §. Gesto grave, serio , decoroso ; 3ecór 

ro nas palavras. '^ . ' 

GRÁVIDO ,- adj. Pejado , prenhe. Mausinho , 
/. 81. Ç. Que sente o pejo , e incomodo da pre- 
nhez, Arraes.^^a- Santa. Virgem, estava prenhe, 
mas náo gravida." 

GRAVÍM , s. m. V. Garavim. Tenreiro , Itinen 
GRAXA , s. f. Unto velho ; a porçáo mais óleo- ■ 
sa do sebo. §. Cera e cebo , com pós de sapa- 
tos , para t)s engraxar. §. Doença dos cavallos, 
que consiste «m se lhe derreter a gordura , por 
calor , ou exercício violento , dentro do corpo , 
e entupir-lhe as vias naturáes. > 

GRÁXO , adj. Óleo — ; o que posto ao Sol 
engrossa , e faz fio como mel , que serve na 
Pintura para polimento , e mordente. iVtf/ieí , >4r- 

tCi f.57'f- : ," . E 

GRECÍSCO , s. m. Bord3dura.pteaosa.,ant, i:- 

lucidar. ; '-i^q ■^'' '""?^ '''^ 

GRECÍSMO, s. m. Frase Grega introduzida em 

qualquer Lingua. 

GREDA , s. f. alias Cré. Barro branco , massio, 
que deixa sinal no que toca. ( creta , <c. ) 

GREDELÍM. V. Grade liní.Gredt Um e mais usado. 
GREGÁL , adj. Pertencente á grei , rebanho. 
§. fig. Soldado gregal ; commum , náo distinto pot 
posto , nobreza , ou acção notável. 'j 

GRÉGE , s. i.y.Grey. Rebanho. Barros, 1.9.2. 
GREGO , s. m. A Lingua Grega. 
GREGOTÍL, s. m. Saber até o — ; i. e, o y 
Grego e til , que é o fim do alfabeto. 

GREGOTÍNS, s. m. Garabulhas , ou garatu- 
jas; lettrasmal feitas. Arte de furtar , c. 52. 
GREI. V. Grey. ( grei melhor ottograf. de gre- 

gi Lat. ") 

GRELADO , p. p. de Gielar. "o grão , a semen- 
te já esta grelada." 

GRELAR, v. n. Deitar a semente o talosinho, 
ou herva , que sai á Hor da terra , e cresce pa- 
ra fora delia ; talvez o trigo grela nos cellei- 
ros , lançar grelo. §. Grelar a coúve , alface; dei- 
tar um lalo com a semente , alias espigar. 

GRELHAS , s. h pi. Grade de ferro com seus 
quatro pés , sobre a qual posta em cima de bra- 
zas se assa peixe , carne , &c. 

GRELO , s. m. O olho , que rebenta da se- 
mente , e vem saindo para tora da terra. §. Fi- 
lho , ou renovo das arvores. H. Naut. T. 2. §. O 
talo com semente , que deixáo as couves , e al- 
faces já velhas. 

GREMÈIMÈNTE , adv. ant. Germana , ou ir- 
mamente, £//^í/<i<?r. 



líí'S 




GRI 

GRF.MIÁL , s. m. Peça das vestes , e ornamen- 
íos Ecclesiasricos , que se pói sobre o juelho dos 
Bispos. Prov. Hut. Gtin. T. 6.f. 65. 

GRÉMIO, s. m. Regaço. §. fig. e as donzellas 
dos grémios tire aos que erão promettidas i Eneida, 
10. 20. §. i. O grémio da igreja ; i. é , a commu- 
nháo , ou communicaçáo com os fiéis : no grémio 
da Republica ; i. é , na participação dos direitos 
de cidadão. Lobo. §. Corporação de officiáes , 
ou de alguma classe de mesteres embandeirados. 
. GRENHA, s. f. Os cabellos. Maus. a grenha 
rutilante do Sol. §. Grenha , de ordinário se to- 
ma por cabello embaraçado, F, Mendes. §. f. Os 
ramos do bosque enredados. Eneida Port. 

GRÉPO , s. ra. iSJome dos Sacerdotes de Pegú. 
F. Alendes. 

GRETA , s. f. Abertura , fenda : v. g, na ter- 
ra com o calot do Sol ; nas mãos , ou pés com 
o frio. §, Nos vasos , e paredes , que começáo 
a abrir. §. Fenda que vem ao cavallo múi ira- 
baIh.ido na dobra do juelho posteriormente. 

GRETADO , part. pajs. de Gretar. V. Far- 
pado. §. As mãos gretadas de frio. Arrues ,Z. 13. 

GRETAR , v. n. Abrlr-se em gretas , fender- 
se. Camões , Eleg. 6. gretando os húmidos pene- 
dos ; greta r-se a terra com calor j as mãos com frio : 
o vaso de barro com calor de mais , em quan- 
to náo está secco greta. 

GREVÁDO , adj. Calçado de grevas, os bem- 
grevados Mlrnúdoes arrastão. H.Nam. z. f. 19. 

GREVAS , s. f. pi. Botas , ou polainas de fer- 
ro , cobre , ou outro metal , de que se usava 
aa guerra antigamente. Eneida ,12. P5>. alias ca- 
neleiras. 

GRÈY , s. f. Rebanho : f. os súbditos , vassal- 
los , a respeito do Prelado : F. do Arceb. a res- 
peito dos Reis , ou pastores de seus povos : D. 
J. 2. trazia por em preza um Pelicano com a let- 
tra ^^pela Lei , e pela grey :^'^ i. é , darei o san- 
gue ( como o Pelicano , que o rasga , e solta 
do peuo aos filhos ) pela fé , e pelos meus po- 
vos. ( grei , do Lat. gregi , tirado o ^ , melhor or- 
tografia ) 

GRIDEFÈ , ad). .Meya — ; de pardo com pin- 
tas escuras : assim se diz como gredelim ( do 
Francez gris de Lin ) e náo gurdtfé. 

GRIFÀNHO,adj.De grifo, a mão—. LusiuTramf. 
f 128. f. 

GRÍFICO , adj. Da feição do grifo. Elegiada^ 
f. 20. os grificos pés. 

GRÍFO , s. m. Animal fabuloso , que fingem 
ter a pane superior de águia , a inferior de leão 
com quatro pes de grandes garras , e asas ligei- 
ras. Ultssea , 4. 6. §. Enigma com palavr.is muti- 
kdas. §. Grifos 3 na obra de talha , e Archit. são 
figuras , que se põem ao lado de outras mais nobres. 

GRÍFO , adj. Leura grifa ; a bastarda , que não 
é redonda ; caracter Itálico, 



GRI 



lOI 



GRILHÃO , s. m. Uma haste de ferro com 
dois elos , ou argolas , nas quaes se prendem as 
duas pernas 5 o preso pode andar com elles, mas 
com algum pejo : lhe poserão grilhões nos pés. 
Fios Sanct. p. CCXIII. §. f. Com tão grandes gri- 
lhões de caridade. Fios Sanei. pag. LXXXVL f. 
col, 2. "o Reino da Pérsia com aqucUes grilhõ- 
es das fortalezas ( que o Turco nelle levanta- 
ra )." Couto , 10. 8. I. id. f. I. 3. "lhe chamavão 
( a húa cidade ) grilhões de Grecia.^^ 

GRÍLHO. V. Grilhão. M. Lus. Castelhano , p. 
usado. 

GRÍLLO , s. m. Insecto , espécie de escara- 
beo , negro , que se ciia nos campos , e vive 
em buracos , e canta , ou faz um estridor ale- 
gre pelo verão. §. Andar aos grillos , como a ra- 
posa j estar múi pobre , náo ter quasi de que 
viver , como a raposa quando os anda caçando. 
Eufr. 4. 8. "mal vai á raposa , quando anda aos 
grítlos.'* 

GRÍMA , s, f. Antipatia, ter grima com alguém: 
( do Allemão Grimm. ) 

GRIMARICO , s. ra. Na Ásia Portugueza , Ju- 
iz louvado , que orça , e arbitra os frutos , e no- 
vidade , que ha de haver , e pelo seu orçamento 
se cobrão dos vigiadores. 

GRlMPA , s. f. Bandeira , ou figura de metal 
plana , que se põi para remate nas torres , e al- 
tos do edifício ; valeta. §. f. O cume , o auge, 
Eufr. 5. 4. o Portuguez timbre dos Espanhoes , e 
grimpa de todas as Nações. Ulisipo , /. 31. '^. mi- 
nha dama he grimpa da formosura. %. Mudar-se , 
mudável como grimpa : ser mui inconstante , co- 
mo a grimpa se volve com o vento , que muda , 
e varia. 

GRINALDA , s. f. Capella , coroa de flores. §. f. 
de pedraria, "arvoredos que á ilheta servião de 
grinalda." Lmit. Transf.f. 141. ;í^. j 

GR.ÍPHICO , e GRIPHO. V. Grijico , e Crifoí'^^ 

GRÍS , adj. Còr entre azul , e parda , cinzeti- ' 
to. V. do Condestavel. §. V. Ptncel, 

GRISALHO , adj. Branco , ou encanecido r v. g. 
cabello — : os — montes do topete. Garção , Ode 16. 

GRISÉ , s. m. Pano branco de Lá , de que 
usáo de ordinário os Padres Jerónimos , e d'an- 
tes os Dominicanos nos hábitos, f^. do Arceb. 

GRISÓL , s. m. Almofaça. £. P. V. Crysol. 

GRITA , s. f. Voz alta esforçada , de quenv^ 
brada com paixão , ou por soccorro , &c. 

GRITADA , s. f. Grito. Góes , J. 67. col, :j. man- 
dou dar huma grande gritada i e tocar as trom; 
betas, 

GRITADÈIRA, s. f. Mulher, que grita. 

GRITADOR , s. m. Homem que grita. 

GRITAR , v. n. Dar grito , levantar a voz com 
força. §. Fallar múi alto. §. Gritar por alguma 
coisa; pedí-Ia gritando. §. Gritar sobre, cu con- 
tra alguém-^ ipsáiv justiça sobre elle, accusá-Io bradanr 

do 







«.' 



GKO 

do d'sl2Lim crime. §. Clamar , ensinar , amoestar 
em voz forte , ou altamente ; reprehendendo. teu 
pai mo grita outra cousa , seião que segues más con- 
versações. Uluip , I. ? • , . „ , 

GRITARIA , s. í. Multidão de gritos. 

GRÍTO , s. m. Esforço violento da voz , com 
paixão , ou meramente por ser mais ouvido o que 
se diz. §. íig. o grito immortal da Fama. Uliss. i . 5. 

GRÍZ , s. m. Animal pequeno , de cujas pel- 
les se íazem forros. Ord. Aj. s-f- ^55- "^z ^«í* 
%es por errata. 

GRIZÈTA , s. f. Peça de metal , onde se en- 
fia a torcida das alampadas. ,, , „• 

GROMENÁR. t. Asiat.V. Zanibata. Mend. Fim. 

tap. 210. 

- GRONHÍR. V. Grunhir. 

5 GRÒNHO , s. m. Espécie de pêra. _ 

GRÓS , s. m. En gros : em grosso. Mercadoria 
— . Ord. Af. 2. pa.g. 449- &• 10. e L. 4. f- 52" ' em 
srds , não as retalhando.'^ 

GROSA , s. f. Doze dúzias : v. g. uma grosa 
de botões. §. Lima grosseira , de que usáo os car- 
penteiros , e sapateiros , para desbastar a madeira , 
e a sola. V. Glosa. 

GROSADÒR. V. Glosador. 

GROSAR , V. at. V. Glosar. §. Desbastar liman- 
do com a grosa, 

GROSSÁDO , adj. ant. Procuraç^om rasa , nom 
grassada ; sem vicio de raspadura , entrelinhas , ou 
accrescimos. O Elucidaria assim o interpreta ; mas 
pôde ser procuração solenne , e com todas as for- 
malidades, que não tem a rasa, do Fraricez ^roí- 
se , que è a escritura tirada da minuta , ou emen- 
ta , e revestida das formalidades. 

GRÓSSAMÈNTE , adv. Ganhar — ; contribuir 
— ; muito , em grande quantidade. £. 2. 6. 5. 
«todos contribuiríáo grassamente n'isso." Castanh. 
2./. 169. armar — com nãos. Ined. i. 525* tratar, 
negociar— . B. i. 9. 5. peitar — . B. 4. 7- 9- . 

• GROSSAMÈNTO , s. m. ant. Vicio da escritu- 
ra grossada, com addiçóes de fora ao contexto. 

Elucidar. ^ , ,, , , j • 

GROSSEIRAMENTE, adv. Mal acabada, im- 
perfeitamente. §. Impolidamente, sem aceyo. §. Sem 
urbanidade , inci vilmente. 

GROSSEIRO , adj. Não delgado , nem deli- 
cado. §. Homem — ; rude , de engenho não cul- 
tivado , e maneiras incivis. §. Ingcnho grosseiro ; 
que não produz pensamentos delicados. §. Gros- 
seiras canetas. §. Modo grosseiro. §, Obra grossei- 
ra ; achamboada , de fancaria , sem arte , nem cu- 
riosidade. 

GROSSERÍ A , s. f. A rudeza , falta de poli- 
cia , e urbanidade ; rusticidade. §. Um pano de 
linho grosso , c encorpado. 

GROSSIDXO , s. f. Espessldâo dos líquidos : 
V. g. — do sangue. §. Grossura, fig. — da terra, 
do trato. Couto, 7. 6, 5. f 10. iQ. 6, ''a grossi- 



GRO 

dão , e prosperidade das suas terras , c aldeya» 
das Minas de Sofala.^'' §. A — dos mares ; em tor- 
menta. Idem , D. 9. c 14. — das entradas de mer- 
cadorias. Id. 4. ^.6. 

' GROSSO , s. m. A mayor porção : v. g. o gros- 
so do exercito. §. Um grosso de cdv aliaria ; i. é , 
numero copioso , grande tropa. Fort. Rest. §. Um 
grosso de mais de 3000. índios. Prov. da Ded. 
Cron, foi. 164. cal, 2. §. Tomar em grasso : rece- 
ber , adoptar sem exame. Eufr. f. 55. "tomamos 
toda a novidade em grosso :"" approvar sem co- 
nhecimento. Lus. 8. 5s- Lobo , Egl. 4. C das mo- 
das estrangeiras ) "Nós tomamos tudo em gros- 
so.^^ §. Tomar em grosso : levar a mal , oíFender- 
se. "mas não tomes tanto em grosso semrazóes de 
huma mulher.-' Lobo , Egl. ?. §. Em grosso op- 
pói-se a por miudo : v. g. contratar , comprar , 
vender em grosso ; fallar , ou apontar em gro-- 
so algumas terras. Lucena, §. Desbastaremos o mr.$ 
grosso de suas superstições. Lucena. §. Em groiw j 
i. é , em coisa d'importancia , e consequência : 
V. g. "o damno é em grosso.^' §. Moeda de al- 
gumas terras do TS'orte , que se usa no calcula 
dos Câmbios : v. g. "grossos de Hollanda.» E tá- 
bem os tivemos. Jned. ^. 445- fweda de prata ,.;-'. 
e do crmbo dos grosos , que atáa ora mandamos 

lavrar, ibid. " os quaes dinheiros se chamáo 

meyos grosos." O marco de prata de Lei de 11. 
dinheiros continha 158. dinheiros, e cada dinhei- 
ro era - grossa , e daqui facilmente se calcu^ 

larà o seu valor em Setembro de 1472. então 
a prata em pasta , ou velha , valia i^oo. rs. o 

marco =s a 5. dobras e i. Idem ,pag. aa^. a la- 
vrada chã e branca 1820. rs. sendo os 120. rs. ac- 
crescido de feitio , e de lavramento ( por cada 
marco) e falhas. 

GROSSO , adj, Opposto a delgado , e fino : v. g. 
corda grossa , pano grosso , pdo grosso. §. Livro 
grosso ; de miãitas folhas. §. Grosso caracter ; gran- 
de. §. Linhas grossas. §. Gordo: v.g. homem — . 
§. Cheyo : v. g. voz — . §. Denso : v. g. ar — . 
§. Espesso : v. g- Hcor —. §. Rico : v. g. mer- 
cador — . §. Copioso : V. g. cakddes — . §. In- 
chado : V. ^. "tem uma face mais grossft.'''' §. Tú- 
mido , ou inchado , no f. v. g. o mar grosso d', 
inverno. Freire. §. Tempo grosso : temporal , tor- 
menta. Couto , 4. 1-6. tempo tão grosso , que 
(steve perdido. §. Jogar grosso , ou rijo 5 «• J > 
sommas consideráveis. §. Náa — ; i. e, grande. 
§, Dinheiro grosso , opposto a miiidos. §. Taboa0 
do grosso ; i. é, não desbastado. §. Grosseiro : v. g. 
'''grossos erros ;" grandes , e visiveis. Litccna. 
§. Grossas esmoUis. Lucena, a terra ou alfandega 
era grossa por rendimento ; i. é , rica, Lucena. 
§. Grosso presidio de soldados. Aí. L. ^'grosso po- 
vo que enchia.". Banos , i. 4. 5- ^ *• ^' ^- "P'^' 
'■ te- 



GRU 

fecendo-lhc que no capo andava gente grossa ( nu- 
merosa ) ." §. Pulsos grossos ; \. é , múi cheyos 
de sangue , não sumidos. §. Grossa sahã d'artc- 
Ihiírifí. Freire, §. Terra grossa ; tertil. Barros , 
íreq. §. Geutff grossa; rica, ou grada. £i*fr. iz. 
GROSSURA, s, ♦■". O contrario de delgadeza. 
§, Corpolencia : v. g. — do tronco ; do corpo. Ord. 
ylj. I. f. fOy. §. Uma das três dimensões, es- 
ptssidáo , nâo é a largura , nem o comprimenio 
nas coisas chatas , v. g- nas moedas , nas pare- 
des , a largura de sua galga. §. Gtórdura , grai- 
X.1 , oleo , enxúndia, mandou derreter grossura , e 
lançar por cima da mártir assim fervendo. Fios 
Sanct. pag. LXXVllL f. P. 2. pag. XX III. f. 
c I. a grossura dos sdís cavallos , gordura. Ined. 
^. 16^. Gon, Císt. 6. c. 11. "caldo sem azeite , 
nem grossura." §. 1. Grande abundância , que re- 
sulta , V. g. do grande commercio , trato , fetti- 
irdade : v. ^. a grossura da terra , do trato ; ren- 
da, r. do Arceb, B. 4. 4. 8. /z — do trato : o 
grande comercio ( da cidade ) em grosso. §. Gran- 
de fertilidade da terra , e suas producjóes. B. 1. 
I. I. "soube muitas cousas da grossiim da ter- 
ra." Grossura do povo ( muito numeroso , da ter- 
ra múi povoada ). B. 2. 3. 4. as riquezas natu- 
ráes , ou industriáes da terra. Idem, 5. 5, ^. "os 
Moutos como são ciosos de nòs , poucas vezes 
em terras , onde novamente imos ter , descobrem 
a grossura que tem, temendo que nos façamos 
Senhores delia , e os lancemos daquelle provei- 
to que elles lográo." §. "Comer coisas de gros- 
sura ^^^ carnes, e náo pescado (do Francez/sí- 
re gr as , opp. ãfaire maigre ). Cron. Cist. 6. c. 6. 
GROU , s. m. Ave que tem o pescoço , per- 
nas , e bico miai longos. ( gruis , is. ) 
GRÓZA. V. Glosa, e Grosa. 
GRUA , s. f. Roldana do guindaste. 
GRUARÍ A , s. f. ant. Herdade que paga foro de 
gruín. Elucidar. 

GRUDADÒR , s. m. O que gruda. 
GRUDADÚRA, s. f. Acçáo de grudar; o lu- 
gar onde se grudou uma peça com outra, "que- 
brou pdn grnãadura." ^"^"^ < 

GRUDAR , V. ar. Pegar , unir ccTm grude. §. U- 
nir , fazer de duas, ou mais peças um todo. fig. 
Fieira, mentira , que foi grudada de duas mentiras. 
GRtJDEj s. m. Matéria glutinosa , ou que pe- 
ga , e une estreitamente os corpos , cm que faz 
presa, extraída dos coiros dos animáes bem ■ co- 
sidos ; colla , de bfi-ixes de alguns peixes. 

GRUDIFÉ. V. Gridejé , ou Gredefé ( grisdejé de 
gris de poix ; grudifé é erro da plebe : do mesmo 
gris Francez véi gridckn , ou gredeteu , ác gris 
de lin^ '1'" 

GR.UDO , adj. Graúdo : grudo ,e rnifíd»; i. é , 
sem escolh;!. 

GR.UÈ1RO , adj. Falcão — ; que caça grous. 
,/írie áa Ca^a. 



GUA 



J03 



GRUÍN , s. m. ant. Focinho de porco. Elucidar. 
(^ gr uno , Ital. ) 

GRULHA, s. f. Em Hespanhol é o grou, eti- 
tre nós no tig, homem , ou mulher , miii fallador , 
que faz grande bulha. 

GRULHADA , s. f. Vozeria de grous : no fig, a 
bulha que fazem algumas pessoas fallando muito , 
em alta voz. 

GRUWETÁGEM , s. f. Os grumetes do navio. 

GRUMETE, s. m. Moço , que serve no na- 
vio para subir á gávea , e em outros misteres. 
( talvez do Inglez Groom-mate , que soa Grumete. ) 

GRUMIXÀMA. V. Igranamixama. 

GRUMO , s. m. Cabecinha de sangue qualha- 
do , ou de leite , ou qualquer liquido , que pá- 
ra nas bocas dos vasos , por onde houvera de sair. 
t. med. 

GRUMÒSO , adj. Cheyo de grumos , ou feito 
em grumos. 

GRUNHÍDO , s. m. A voz do porco gritando; 

GRUNHÍR , v. n. Soltar o porco a sua voz , 
quando grita. Men. e Mo^a , P. 2. c. 37. ao gro- 
nhir do porco. H. D. P. 3. L. 2. c. 15. Lobo. 

GRUPA, s. f. V. Garupa. Viriato , 16. 39- ^ 

GRUPO , s. m. t. moderno. Algumas figuras^i 
que se representáo apinhoadas , em Pintura , 01^ 
Escultura. 

GRUTA , s. f. Cavetna, ou concavidade da teri 
ra , entre montes. 

GRUTÈSCO , adj. Brutesco ; pintura , ou es- 
cultura , em que se representáo grutas , ou se or- 
na com figuras de folhas , caracóes , e outros 
insectos ; penhascos , penedos , arvores , &c. 

GUAÀNÇA, GUAANQÁR. V. Gm^a , Gancar, 
Ord. Afons. 

GUADAMECILÈIRO , s. m. O que faz guada- 
mecins. §. O que os guardava ■■, era oíficio da Casa 
Real. Prov. da H. Geneal. T. 6.f. 621. 

GUADAMECÍM , s. m. Sorte de tapeçaria an- 
tiga de coiros pintados , e doirados. Freire. 

GUADAMEXlM. V. Guadameám. 

GUADÀNHA , s. f. Fouce : a guadanha da m<jr- 
te. Aí. L'is. ( gadanha é como se pronuncia ) 

GUAFARíA. V. Gafaria. Ord. Jfous. 

GultO^^ J ^°"' ^^- ^'''^"'' ^f"^"^' 

GUÁGE. V. Gage. 

GUAI : Interj. que exprime dó , e compaixso 
do mal , que succede a outrem. Eufr. z. 4- gnai 
de quem má jãma cobra. Jrraes^i. 21. guai de 
nos. F. de Suso , c. 40. f. 218. B. Gram.f. icO. 
guay dos que a ganhão (fazenda) com mão titolo. 

GUAí A , s. f. Choro , lamento , geiíiido , ou 
canto triste, e lamentoso. L(ão , Orig. f. 68. 
Quaia é palavra Arábica, e signifca canto triste. 

GUÁIACO , s. m. 'Espécie de ébano da alti;ra 
do freixo , outros dizem ser espécie de buxo ; 
usa-se na Farmácia contra o gallico. (^Ebervísin- 
diçUi ) GUA- 







GUA 

GUATAR , verb. ativ. ( ou melhor GuAyar ) 
Cantar em som de lamentação. Anaei diz goi- 
ar ; os Hespanhóes gtfaiar , e Duarte Nunes , 
Orh. diz que é Arábico. Lanamendi , e BtiUet 
escrevem gfiaiar , e derivão-no do Fasconco , 
g«/ji/z : não virá a caso do Grego Toao, lugeo? yíí- 
raes falia de um , que ia ás synagogas para ou- 
vir goiar , e cabecear os "judeus. 
• GUÁIVA , s. K Fosso , ou cava do castello. Ou- 
retn. Diar. f. 599- §• ^' ^aut. f. 154. T. u os 
piolhos lhes jizerão tdes gaivas pelas costas , e ca- 
beça , que disso claramente morrerão ; i. é , covas , 
buracos , se não é que se deve ler gaziv-^i. 

GUAJE. V. Gage. 

GUÁLDE, adj. Modificação de cor amarella. 
y. Jalde. Lobo. «cetim amarello gitalde.^" 

GUALDÍDO , adj. Comido , perdido , gastado. 
Eufr. 5. 5. /". i?i. sardinha que o gato Uva , gual- 
dida vai. Leão, Orig. C 18. adverte ser voz ple- 

bea. I , ■ 

GUALDO , adj. O mesmo que Gttalde. «setim 
amarello gualdo.^' Lobo , Corte , D. i^. 

GUALDRÁPA , s. f. Mantas , ou pano lon- 
go , que se pói á roda das sellas de quem mon- 
ta em meyas ; em gerai a trazem os Ecclesias- 
ticos nas suas mulas. §. "Mais mula , e menos 
gmldrapa ;'"" frase proverb. i. é , haja mais do que 
é substancial , e menos aecidenfes , ou adornos , 

&c. 

GUALDRIPÁR , v. at. chulo. Furtar, ^rte de 

Furtar , /. ^i4- 

GUALDRÓPE. V. Galdrope , e Aldrope ; o usa- 
do hoje é Gualdrope. 

GUALIÓTE. V. Galeote. Ord. Jf. í.f. 405:. 

GUALTÈIRA, s. f. Carapuça de uma só Lua. 
Fieira, "tragão os pastores as suas gualteiras.^'' 
F. Mend, c. 124. 

GUÀNÇA. V. Gaanc^a , ou Ganância. Ganho , 
iuero, antiq. Concord. de\-Rei D.'J. i. art. s7- 

GU ANDARA, s. í. V. Gandara. Ined. ?./. 494- 

GUANDU , ou GUANDU , s. m. O mesmo que 
andú , legume do Brasil. 

GUANTA , s. f. t. Asiat. Medida como canada. 
F. Mendes, huma guanta de rubins. 

GUANTE , s. m. Luva. Fieira , Cartas , T. 2. 
§. Luvas de ferro d'armadura antiga. Ourem , Diar. 
f. 598. aos guantes seguiáo-se as brasonaras , ou 
hraconeiras. V. Gâgc. Ord. Jf. i. ^u 60. o guan- 
te direito. 

GUAPÍCE. \^ilentia , brio. §. Vulgarmente se 
loma por aífectada bizarria no trajo. 

GUAPO, adj. Animoso, arriscado. i;nc/í//J , 11 
165;. entre os tnais guapos do Ligurio baulo. §. Lou- 
' ' .-Jeganie. §. Guedelhas guapas : tou- 
cado antigo. 

GUARÁZ , s..m. Pássaro Brasil, de que taz men- 
ção Fieira. r r ^ 

GUARqÃO. V. Gar^ho. Ord. AJ, i. ;. 19^. 



GUA 

"guar^ões , e mulheres , de que hajáo de haver 
prol.» . ^ 

GUARDA , s. m. O homem , que vai a bor- 
do dos navios vigiar , que não se descarregue na- 
da a furto. §. s. iig. Pessoa que tem á sua conta 
vigiar alguma coisa , ou outra pessoa , e pela sua 
conservação, "espertados os guardas.^' Floi Sanu. 
pag. CFIL %. Anjo da Guarda ; o que foi dado 
ao homem , para o livrar dos males do corpo , e 
alma. §. Corpo de guarda : lugar onde está algu-, 
ma companhia , ou número de soldados para vi- 
giarem , e guardarem algum stio , posto na paz , 
o qual corpo se diz também guarda. §. Guarda 
grande : corpo de 2. ou mais esquadrões , que 
se avança das linhas do exercito , e de no te se 
recolhe mais a ellas. Mudar a guarda , rende-la , 
entrar ou sair de guarda. §. Dar guarda a algua 
coisa ; ir a guardá-la ; e aos navios , comboyi-los. 
Couto , 8. c. 7. §. Coisa que defende de golpe , 
Scc. a guarda da cabeça era h/ía cabeia, e pd- 
le de serpente. Palm. P. A.f- ^9- §• Guarda do cam- 
po : corpo de 15. a 20. Infantes com Ofílciáes, 
que na guerra tem cada Regimento, avançado 
na sua frente , e toca as caixas aos Generáes , 
quando passão. §. Guardas : vigias. §. Coisa que 
guarda , e conserva de damno : v. g. "as guar- 
das do Reino são amor , e medo." §. Estar a 
guarda ; v. g. de uma fortaleza : estar de guarda 
a ella , ou guardando-a. §. Dar em guarda ; i. e, 
para guardar. Lobo. §. Conservação por tempo , 
sem damno ; dura : v. g. vinho de guarda ijr«w de 
guarda. §. Guarda do altar : pano em que se 
envolve o corporal. §. — do frontal : pano que 
da extremidade do altar , pende sobre o meyo do 
frontal. §. Parte da lança , que guarda a mão 
entre as cavas, e.a empunhadura. §. na Agtic. 
Vara longa , deixada ao podir , com um ou dois 
olhos. §. Guardms das fechad'fras , são do inte- 
rior delias a roda , resrello , e cruzeta , onde en- 
trão as partes do palhetâo das chaves. §. A'íu- 
dar as guardas ; i. é , estas partes ; e no íig. mu- 
dar a coisa de sorte, que alguém se ache no- 
vo , e atalhado com a mudança. Guardas da pon- 
te ; pedras empinadas , que servem^ de peitor.l. 
§. No jogo das Cartas a guarda, é a carta do 
mesmo metal , com que se acompanha o Rei ou 
Dama, Scc. para com ella se ganhar na outra va- 
sa. §. Dia de guarda; em que não se trabalha a 
honra de algum Santo , ou outro objecto de Re- 
ligião, e se ouve Missa. ^.Guarda ( s, m. ) dos 
estudos : homem que servia nas aulas menores de 
castigar os estudantes ã ordem dos Mestres. §. Ca- 
pitão da guarda d'elRei ; da gnatda dos Archei- 
ros , ou do corpo e pessoa del-Rci ; antigaitien- 
te erão os Capitães, dos Ginetes. Scvcrim. Notic. 
Discurs. 2. §. 4. O. Archeiros chamárão-s; Alabar- 
deiros , quando os instituío o Senhor D. Sebas- 
tião. §. Guarda do mato , ou vinha , homem que 



GUA 

a vigia. §, Guarda , f. ou Guardas do Norte : sáo 
duas estrclhs as míis chegadas ao Polo Arrico. 
§. Dar alguma mva de guarda ; i. é , por cer- 
ta , como os dias Santos , que o Parocho dá á 
Missa Conventual. §. y1 gtt.irdíi das ovelhas : o 
pai do rebanho. §. Guarda do nome , sáo as ris- 
cas , ou cetras , que se bztm no nome, para que 
a firma se náo turte facilmente. Pinto Per, L. i. 
í. 20./ 82. asstuar o mme com guarda: e\ Rei com 
guarda : rubrica , ou cifra do nome. "o Regedor 
poerá sua marc^ , ou guarda :" nos assentos. 
Jnedit, 5. pag. 571. 

GUÁRDA-FÈCHOS , s. m. Peça de coiro , com 
que se cobrem os fechos da espingarda da chuva. 

GUÁRDA-INFXnTE , s. m. Donaire , ou an- 
quinhas , que as mulheres punháo , para relevar 
as sayas que vesciáo por cima. 

GUÁRDA-MAIÓR , s. f. Senhora idosa , e viu- 
va , que guarda as outras Damas do Paço. 

GUÁRDA-JrtÃO , s. m. O arco , que nasce dos 
copos da espjda , e termina na maçã. 

GUARDA-PÁTAS , s. m. Uma sorte de touca- 
do antigo , e desusado. 

GUÁRDA-PÓRTA , s. f. Pano, ou cortina, 
que se pói diante de alguma poita. V, do Arceb. 
Eitfr. I. I, 

GUARDA-REPÓSTA, s. m. Foguete , cujo estou- 
ro é múi retardado. §. No tlHiidar. se diz , que 
é olTícial ái. Casa Real , que guarda os doces , 
e postres da mesa. 

GUARDA-REPÓSTE , s. m. Guarda móveis , 
oíficio da Casa Real, antigo. M.Lus. 6. f.i\. col. 1. 

GUÁRDA-RÍO, s. m. Av<sinha , que frequen- 
ta as margens do rio , espécie de Alcyáo , ou ma- 
çarico. ( ifúáa ") 

GUÁRDA-RÒUPA , s. m. Pessoa que tem á sua 
conta a roupa de outrem , sua limpeza , Síc. §. Ar- 
mário onde se guarda a roupa, 

GUARDA- VENTO , s. m. Obra de madeira , 
posta interiormente diante d.;s portas das Igre- 
jas , &c. 

GUÁRDA-VÍNHO , s. m. As paredes, que for- 
mão a lagariça. 

GUÁRDA-DE-VÍSTA , s. m. Sentinella á vis- 
ta. Cron. jP. I. c. 21. 

GUARDA- VOLANTE, s. m. Peça do relógio , 
alias G<i\lo , que cobre o volante. 

GUARDADO , part. pass. de Guardar. 

GUARDADOR , s, m. O que guarda , vigia, 
defende: v.g. "guardador úe ^zào." Lobo. ^'■guar- 
dador de casrellos , ou torre." Palm. P. \. e 2. 
frcq. V. c. 74. — dn sã honra , e do seu estado. Ord. 
yij. 5. j. 119. — dos portos , e alfandegas, f. 171. <"• 
Ord §. Pião, ou pilar do Manejo. 

GUARDADOR , adj. O que guarda , poupa : 
V. g. — do seu. cães do gado guardadores. Cam. 
Egl. I. §. Protectpr , qup gu.rda de mal. *'a 
Deusa guardadora." Lus. i. 102. ^'guardador da 

Jom. JI. 



GUA 




105 



Lei de Deus." Cron. Cist.f. ^89. — do decoro; 
das dcccncias dos foros , 'ò'C. 

GUaRDALÈTE , s. m. Um estofo de lá. Re- 
gim. dos Panos. 

GUARDAMÈNTO, s. m. Guarda. Por — de nos- 
sa honra. Ord. Jf. 2. f. ^80. 5. O acto de evi- 
tar, por vtais guardamento de vossos damnos. Ord. 
Af^.f. lOi,. §. ;?. 

GUARDANAPO , s. m. Toalha pequena , que 
cada pessoa tstende desde baixo do seu prato 
até os juelhos , ou sobre elles somente , para 
lhe náo cair comer sobre os calções , para se 
limpar , &c. 

GUARDAPÉ , s. m. Brial , ou saya por baixo das 
roupas abertas. 

GUARDAPÓ , s. m. Sobreceo. F. Mend. c. 151. 

GUARDAR , V. at. Vigiar , e defender como 
guarda algum posto , lugar , coisa , ou pessoa, 
§. Arrecadar para conservar , e ter seguro. §. De- 
fender. §. Otservar : v. g. guardar a fé , as leis , 
a p,. lavra. §. "a usança de toda terra guar- 
da, que os Emperadores ..." ( fr. Latina ) Ord. 
Af \. 6^. II. §. Guardar a injuria ; conservar 
lembrança delia , para a vingar. §. Recolher pa- 
ra conservar : v. g. guardar fruta. §. Guiar , _e 
vigiar que náo dane. — o gado nos pastos. Não 
guardar outro gado ; no fag. náo cuidar senão 
naquillo. "e como Bimnarder náo guardasse ou- 
tro gado ( senão tratar seus amores ) ainda bem 
náo era manhã, já elle andava ribeira deste rio 
(onde morava a dama)." Men. e Mo^a ^ 1. c. 
29. §. Defender : v. ^. — a cidade , a costa do 
mar §. Guardar costas a alguém ; ir em sua com- 
panhia , e defeza. §. Guardar sua anthoridode ; 
Fieira : conservá-la , não a perder. §. Reservar : 
V. g. o Ceo te guardou para esta empreza §. Guar- 
clar animo vingativo ; i. é , desejo de vingança. 
Lobo. §. Reter : v. g. guardar as urinas. §. — 
os dias santos : não trab;!lh:ir. §. — se: desviar- 
se , evitar , fugir , acaurelsr-se ; abrigar-se ; v. gm 
da chuva ; doi enganos , ciladas , i^c acautelar- 
se , vigiar-se, encobrir-se de alguém, porque não 
saiba nossas coisas , ou nos não faça mal. Ao- 
nia já se guardava da ama ( porque não sou- 
besse os seus amores , e visse o que fazia nel- 
les ). Men. e Moca , i. c. 27. 

GUARDIANÍA, s. t. OfRcio de Guardião» 

GUARDIÃO , s. m. Um dos Superiores i^os 
Conventos Franciscanos , e é o Prelado ordiná- 
rio de cada Convento. 

GUARDÍM , s. m. Usa-se no pi. Guardins ; e 
são cabes de suspender , e levantar, mbaracd- 
rão-se humas embarcações nos guardins das veU.s. 
F, MendeSy c. 59. 

GUÁRDINVXO, s. m. Um jogo de meninos, 
em que se dão certos saltos. 

GUARDÒNHO,adj. V. Parco. Guardador, pou- 
pado. B. P, 
^ O GUAR- 





» f 







GUA 

GUARDÒSO , adj. Parco , poupado , guardador 
do seu. C-^rdoíO. 

GUARKCEDÒR , ad]. Que cub , sara : íig. o 
tempo — àe mJiicos uuiles. 

GUARECER , v. at. Curar , sarar , remediar. 

Palm. P. I. c. 5. P. Pereira, L. i. c. 22. §. Salvar, 

livrar: v. g. ião j agindo , por guarecer as vidas. 

P. 2. c. 117. §. V. R. Sarar, convalecer. 



Barros. Arraes , i. 2. "c^uem de sandice adoece , 
tarde, ou nunca gu^rece.'-> UiusfO , At. i. íc. ?. 
§. Livrar de perigo na guerra. ímã. z. f. 317. 
*'cí(arecer na espessura dè um ^rnofrte.''' §. Vi- 
ver , mantei-se. "som licos d'herdaffiento3 , e 
possisióes de guisa , que podem bem gifarecer :' 
Ord. a]. 2. /. 180. conservar se em aigúa par- 
te. §. Curar-se. M. L. §. — se: guardar-se , salyar- 
se. M. L. outros afogados no vão , que tornavão a 
buscar para se guarecerem da outra parle, "o des- 
mazelado náo se soube guarecer :'' aproveitar- se do 
aviso para livrar de mal. Resende , Vida , c. 9. _ 
GUARECÍDO , pare. pass. de Guarecer. forâo 
guarecidos , e sãos das feridas. Palm. P. z. c. 160. 
GUARÈNTE, s.m. O trabalho do alfayate, quan- 
do agusrenta , ou redondeya , e encurta : v. g. a ca- 
pa , capote por baixo. §. fig. "viviáo peio gis e 
guarente:" feo, Scrm. f, <jz. -p: mui parcamente. 
GUARGÚZ. V. Gorgaz. 

GUARÍDA , s. t Cova de animács , covil de 
feras. §. Emparo , refugio , abrigo , valhacouto. 
Barros, i.f. i?6. -p: col. i. buscando esta guarida 
do rio ( oiide se recoihiáo dentro de uma esta- 
cada ) : ^. 3. 5. z. abrigo , salvação. §. Manter gua- 
rida '. conservar-se em bem , segurança , bom es- 
tado, ant. §. Fazer guarida com algiiem ; conser- 
var-se com elle em bom estado , e correspondência. 
Blucid. buscando — em outros Conventos. Aí. L, 
Eufr. 3. 2. Palm. P. í.c. 31. o veado a quem a na- 
tureza ensinava a buscar — contra o leão. 5. '■'Gua- 
rita ou Guarida que he mais Portuguez." B. 3. 2.7. 
GUARÍDO.V. Guarecido. Curado, são. Ined. z.f. 
501. "tanto que elle foi guarido.^^ §. Livre de qual- 
quer perigo. 

GUAPvíNA , s. f. Túnica militar curta. B. P. 
j/irte de furtar , c. 1 2. 

GUARÍTA , s. h LNJas Fortif. Torresinha feita 
nos ângulos dos baluartes , onde as sentinellas se 
abrigáo da chuva , e escondem ao inimigo ; tam- 
bém ha guaritas portáteis de madeira em praças 
descobertas. B. 3. 2. 7. ^'guarita, ou guarida , 
que he mais Portuguez." 

GUARITÈIRO , s. m. Gariteiro. Os guariteiros 
de casas de jogo. Visita das Fomes , /. 209. 

GUARNECEDÒR , s. m. O que t"az , e prega , 
ou ajunta guarnições. 

GUARNECER , v. at. Ornar com guarnecimen- 
tos. §. Pòr guarnições. §. Adornar , adereçar. 
§. Fortiíi.ar com gente : v. g. — a Pra^a , Ci 
dade. §. — o falcão ; pòrlhe o caparão , pios 



GUD 

cascavéis í &c. §'. -^ ^ parede; caiá-la depois de 
rebocada. 

GUARNECÍDO , part. pass. de Guarnecer. §. A- 
dornado com tranjas , cairéis , titãs. §. Hcmem 
— : armado. Cron.' de D. João i. c 58, Arraes, 4. 
9. §. A praça — de presidio. §. Reforçado. §. Ca- 
sas guariiecídíis de niovíis ; providas, ornadas, ade- 
reçadas, §. Repaiiado. tendo — a lassa frota, 
Lus. I. 29. ' -''"^ '■ "^ 

GUARNlt^ííO j s. f. Aparelho de ornar, como 
fitas , galões , rendas , bandas , que se ajuntáo 
aos vestidos. §. Moveis dê adornar , como corti- 
nas , Scc. '§. Pedraria de adornar-se a mulher, 
8íc. §. Gente para guarnecer praça. §. Na anti- 
ga Milícia , manga de arcabuzeiros , que guarne- 
cia o esquadrão. Fasconc. Arte Militar. §. Guar- 
nii^Ses da espada , sáo os copos , punho ^ e cruz. 
§. Guarnxi^ões de tavallo ; a armadura dos de pe- 
leja : it. os arreyos. Clarim, x. c. 24. as armas , e 
guarnições de cavallo. §. — da náo ; a gente _de 
guerra , que a guarnece. §. Mesas de guarnição : 
táboas que estão no costado do navio , e onde a 
enxárcia vem atat-se numas espécies de moitões. 
§. f. A guarnição das virtudes. Lobo. 

GUARNÍDO , part. ( do Francez ^^rwi ) Vesti- 
do , ornado, barregáas dos clérigos , que "as tra- 
ziáo vestidas , e guarnidas tam bem , e milhor , 
que os Leigos trazem as suas molhetes.'^ Ord. Af. 
2./. 194. 

GÚARNIMENTOS , s. m. pi. Pejias de guarne- 
cer, aparelhar; jaezes, B. Clarim, c.yi. '-monta- 
do em vez de cavalio num bogio seilado com 
todos os guarnimentos." Castcin. 6. c. 28. "mulas 
ajaezadas com ricos guarnimentos." §. Guarni- 
mentos de casa : Testam. dd-Rei D. J. 1. adereço, 
móveis : — da pessoa. Ord. AJ. 2. 28. §. 49. e 50. 
GUÁRTE : abreviado de Guarda-te. Foge , des- 
via-te. 

GUASTÁR. V. Gastar. Destruir. Cron. do Con- 
destavel. 

GUÁY. V. Guai. Barr. Gram. pag. 160. 
GUÁYA , s. f. Redomonho nos cavallos. V. 
Guúia. 

GUAZÉL, ant. V. Corazil. Elucidar. 
GUAZÍL , s. m. Governador, entre Árabes , e 
Persas. Barros. 

GUAZILÁ,DO , s. m. OfRcio de Guazil. 
I GÚÇA , s. f. ant. Aguça , pressa , activa dili- 
I gencia. Elucid. 

GUDJvO , s. m. t. Asiat. Logea soterranea dos 
mercadores, ou armazéns soterraneos. Barros. 

GUDILHAO , s. m. Porção pequenade lá, ou 

algodão amassado , como a dos colchões depois 

de tempos de serviço. Arte da Ca<^a. huns nos, 

e gudilhóes do tamanho de grãos pequenos. 

GUDÍNHA , s. i. Quinra pequena , chousa. 

GUÉCHE , s. m. Couto , 6. 9. 14. « ■^. lO- ?• <>' 

muros erão dt — . Cron. J. 5. P. 4« «"• ??• 

GUE- 



GUE 

GUEDELHA , s. f. Cabello longo , crccitio. Guia 
de Cíisddos. Madeixa, os homctis gal/imes , e no- 
bres , em íir libcnus tinbão a stiu guedelha com 
isto tão soii , . . . . ii/!nioravão Princczas. £ufros. 

1. i, f. 24. gAnho, lucro. §. lig. Meyo, azo. fi- 
eira , Cartíis , T. i.f. 2 1, §. ( Cin.iiinHs , ;. ""^^Cir- 
doso. §. Guedelhas de mia : felpa , roupa felpu- 
da de seda. Itied. 1. 445. vestidos de guedelhas í/í 
seda fina como selvagens, §. Fer-íe có alguém , có 
o inimigo às guedelhas ; travado , pelejando, fr. 
famil. CoULO , 5. ?. 9. §. Ter gorda — ; fr. chul. 
ganho , proveito , lucro. §. Cbapeo de — ; felpi;- 
lio. Castanb.í^. c. 258. cbapeo de guedelha leonado, 

GUEDELHÚDO, adj. De cabello longo, cre- 
çido. Cardoso. 

GUÉDRE, s. f. Flor( Sambucus fenúna ) B. P. 

GUÉLA, s, f. Garganta. Barreto , Ortogr.j. i^^. 
"q ti se pronuncia simplesmente da guela." Do 
sangue da gutia desparzido. Eneida ^ 12. 84. ( Ital. 
gola yoa Fíancez gueitle ) 

GUÉLRA , s f. A parte do peixe entre a bo- 
ca , e a ventrecha , que se descobre , e mostra de 
ordinário uma còr vermelha. 

GUÉO , s. m. Nas Javeiras de Seiuval é arma- 
riosinho na poupa. 

GUERRA , s, f. Todo O acto hostil , com que 
se faz , ou procura mal ao inimigo , para o ven- 
cer , aprisionar , matar, tomar-lhe terras, ou na- 
vios , &c. Os povos de Portugal requererão ao 
Senhor Rei D. João i. que não casasse , nem 
fizesse paz , nem guerra sem consentimento de 
todos , porque eráo estas coisas que pertenciáo 
a todos. Leão, Croiu^. i.cdiç. lôA^-. pag. 152. co/. 

2. §. Gueira civil ; a que se faz entte os Cida- 
dãos do mesmo Estado. §. Homem de guerra ^ ou 
gente de guerra: os m.ilitares. Gocs. §. Guerra guer- 
reada ; a que se taz por entradas , correrias , 
choques , sem batalha campnl. Cdstan. L. -2^. f. 
141. col. I. Leão, Cron. jf.i. c. 55-. e 56. p. itíi. e 
188. edil, de 1641. foi. §. Fazer guerra aos ap- 
petites ; rcsistir-lhes , destruí-los. 1'. Pãneg. i. Sa- 
hirã /íí. .guerra dos negócios temporacs. V. do Ar- 
ceb, 2. 2. 

GUERREADO , part. pass. de Guerrear. §. V. 
Guerra guerreada. §, f. Corw^ão — do desejo. Ined. 
1. 115. §. fig. A mais guerreada demamU ; e de 
mais trances , e recontros. V. do Arceb. 5. 3. 
"guerreada pertençáo i" requestada , 8cc. 

GUERREADÒR , s. m. Guerreiro , bellicoso. 
'■exércitos guerreadores :'^^ adjectiv. Ined. z.f. 502. 
como subst. Descobrim. do Pegu ^ c. §. 

GUERREAR , v. at. Fazer guerra. íjueria guer- 
rear a díí:íí/e ( tendo-a em cerco, prohbindp-lhe 
os viveres :, e ,esbombardeando-a , 8cc. ). B. 2. 9. 
I. Jd. 3. 4,. \. "guerrear os Mouros d'aquelle es- 
treito.-" Aíaris , D. 4. c. 17. "Príncipes Gentios , 
que elles tinliáo guerreado.'^ §. Fazer guerra 
guerreada j d'entradas. Leão , Cron. Af. ^. pag. 



GUI 



107 



20Ó. ult. ed. Ined, 2. /. 277. 

GUERREIRO , adj. Inclinado á gupra , bel- 
licoso , gucrreador. §. Que segue a milicia. §. Pró- 
prio da guerra : v. g- Animo guerreiro , os seus 
guerreiros , ou soldados ; apparato guerreiro. §. Bem 
armado , e disposto para a guerra , crespo de ar- 
mas c guerreiros combatcnies : v. g. vinhão as 
fustas tão guerreiras : Castello mui guerreiro. Bar- 
ros , 2, 9, 7, "galé mui armada , e guerreira/' 
Palm. P. 5. f. 49. f. 

GUERRkjÒNES, s. m. pl._ chamava um ma'o 
Portuguez ás guerras , e facções do Grande Al- 
buquerque : V. Casinnb. L, y cap. 118, pag. 245'' 
e o malquistou com ElRei U. Manoel, escrcveti- 
do-lhe que o Heroe lhe gastava a fazenda em 
guerrejones com Mourinhos alienados. 

GUETE , s. m. Quitação de casamento , ou li- 
bello , por que o Judeu dava sua mulher por des- 
obrigada do contrato do mAtrimonio , e desem- 
bargada para poder casar com outro. Dar o gue- 
te. Ord. Af. 2. ~ii '-Carta de quitamento , que 
antrelles ( os Judeos ) he chamada guete , &c." 
M. Lus. 6. f. 19. í-, :, 

GUETO , s. m. Bairro dos Judeus em Roma. 
V. Guete. 

GUÍA , s. f. A pessoa que vai diante , ensi- 
nando o caminho : alguns o fazem masculino 
sendo homens os grdsis. §. Carta de guia : itine- 
rário , roteiro , que aponta o caminho que se 
ha de levar : it. avisos , directório. §, Carta de 
guia : salvo conducto. §. Carneiro de guia ; o 
que precede ao rebanho com chocalho no pes- 
coço. §. /r sua guia : seguir sua derrota. Castan. 
8./. 21. col. I. §, O guia da contradança; a pri- 
meira pessoa da serie , e que a começa. §. Na 
empa , a vara sobre que se assentão em cruz as 
travessas. §. Nos coches a 4. ou mais , é a pa- 
relha dianteira. §, Guias : os cordoes com que se 
governáo os guias , bestas. §. Cordão , com que 
se prende pelo cabeção o cavallo, que anda con- 
torneyando no picadeiro , on que se deilx d guia. 
§. O chete, autor, principal, e motor, ou di- 
rector de alguma empreza, facção. §. Carta de 
guia : passaporte que se dá pela Policia , e seus 
Intendentes , ou Ministros a quem pertence , ás 
pessoas , que passáo a outro lugar , ou Cidade 
com certas coisas ; y. g. com oiro em barras , 
■com gado, &c, delia consta, que o oiro, e o 
gado tição registados , a porção que leva , Scc. 
Ord. 5. 115. 24. e Leis sobre a saca do oiro das mi- 
nas , é^c. 

GUIABÉLLA , s. t. Herva, hcrba stella, spica plaU'- 
taginis , pes conncis , coronopus. 

GUIADOR , s. m, O que guia : v. g. guiadot 
da dan<^a. Barboza. §, O que dirige, aconselha, 
&c. Clarim, f. 188, co/. i. Apolto guiador das 9. 
Musíis. Hist. de Isea, f. 170. o Anjo guiador í/e 
Tobias. Lmiada , 5, 78. Azurara , Prol. Ined. f . 

O ii 5o6« 





:j^ j>.Ns:^ J^ff^ 



claridade — . 



GUI 

506. ^^gíiiadores x£o escalamento 
Clarim. 5. c 16. 

GUIAWÈiNTO , s. m. Guia , encaminhamento. 
Òrd. Af. i.f. 285. guerra he— de amizade, — de 
sua perdi^om. Jiied. ^. 160, 

GUllO, s. m. Bandeira , que se levava na guer- 
ra. P. Per. 2. /. 128. o Galão Real saía em re- 
contros de menos circunstancia ; não assim po- 
rem a Bandeira Real. §. O cavalleiro <]ue leva- 
va o guiáo, §. Bandeira , que se leva no prin- 
cipio àas Procissões. §, Sinal de Musica , como 
um til , que se pói no fim da regra da solfa , 
para mostrar onde está assinada a primeira figu- 
ra da regra seguinte. 

GUIÁB. , V. at. Ensinar a alguém o caminho , 
indo diante : v. g. guiar um cego feia mão ; o ex- 
ercito na marcha. §. Ensinar o caminho , no 1. 
§. Gtíiar-se feia razão , ou pelos conselhos ; diri- 
gir-se. §. Encaminhar , dirigir : v. g. — mi ne- 
gocio. Cdmir.ho , estrada , ijiíe guia para a cidade ; 
para os pr.-iZeres , para a gloria ; i. é , leva , con- 
duz , encaminha. §. Giiiar-se : encaminhar-se , na- 
vegar, ^^gítiando-se a esmo contra Tarifa." Ined. 

2. 478. 

GUÍLHA , s. f. Seara. B. Pereira verte seges , 
etis. §. Guilha : fraude , lograçáo de guilhote. 
«tirar pela gmlha algúa coisa ;" com astúcia ve- 
lhaca. Costa , Terem. T. i.f. 25O. 

GUILHERME , s. m. Instrumento de carpentei- 
to, o qual corta só pelo meyo. 

GUÍLHO , s. m. A peça de pedra , ou ferro , 
onde se revolve embaixo o eixo do moinho per- 
pendicularmente. 

GUlLHÓTE , s m. Homem , que desfruta a 
terra que náo semeou. §. Folgazão , vadio. £. P. 
§. Fraudador , enganador. §. Vadio que anda co- 
mendo por casas alheyas. £itfr. ProLfaçathos cor- 
po y e ^wío como guilhotes em sala : sala aqui é 
mesa , ou banquete como hoje se diz. §. Tolo. 
"tomáo-me por guilhote." Prestes. §. Dizem al- 
guns , que guilhote é voz Arábica , e significa o 
usufruciuarjo. ( Mayans de Ciscar , Orig. Totr. i. 
pag. 548. ) Guiller no anfgo Francez é enganar , 
Tromper. V. o (Vocabulário do Roman de la Rose.) 
GUINADA, s. f. O acto de guinar : r. naut. 
"de duas guinadas que deu ( com a sua náo ) 
sobre duas galés . . . ambas se despejarão deixan- 
do os cascos vasios :" ( remettidas pata as abal- 
roar. ) B. 2. 3. 6. Amaral , 6. §. Guinada de riso: 



GUI 

GUINCHAR , V. n. Gritar , bradar sem pronun- 
ciar palavra ; t. vulg. 

GUÍNCHO , s. m. Grito sem pronunciar pala- 
vra : t. pleb. §. Ave marítima , que cria nas ro- 
chas , e arvores , que pesca num dia para mui- 



tos , e tem o seu ninho bem provido , donde 
vem o rifão : tenho tiinho de guincho ; i. é , coisa 
que desfrute. Eufr. ^. 2. 

GUÍís' DA , 3. i. Corda , que serve de guindar. 
GUIx\DALETA , s. f. Corda , que no guindas- 
te serve de Jevantar os pesos. 

GUINDAMÀINA, s. t. t. naut. Abater a bandeira 
por giíindamaina , é abaiè-la , e tornar logo a er- 
guè-la. D. F. M. Epanajoras , /. 166. 

GUINDAR, v. at. Levantar ao alto por meyo 
do guindaste : içar velas. Ined. 2. ^48. 

GUINDARÈZA, s. f. Corda que serve de guin- 
dar , e levantar ao alto alguma coisa ; v. g. ao 
tope d'um mastro. Azurara, c. 29./. 8p. col. 2. 

GUINDASTE, s. m. Máquina de levantar ao 
alto grandes pesos ; consta de uma roda debaj- 
xo de um bailéo «ostentado por escoras do pião 
sobre que anda a roda de uma roldana chama- 
da grua , per cima do bailéo , a qual grua faz 
mover a aza , ou vela latina. 
GUÍNDE , s. m. t. Asiat. Jarro. 
GUiNDÓLAS , ou Bandolas ( o primeiro pare- 
ce ser o certo ) são velas armadas em quaes- 
quer hastes , ou vergas , para governar o navio , 
que ficou desmastrado por tormenta. V. Cruzeta 
GUINÉA . ou GUINÈO . s. Peça de oiro In- 



gleza , 



, ou GUINÈO, s. Peça 
moed.t que vale ySo. e tantos réis , va- 



lor intrinseco i contém 21. Shellings ( ou Che- 
lins ) , se tem o justo peso , e é sem febres. 

GUINGlO , s. m. Excremento do bicho da se- 
da. 

GUINGÁO , s. m. Lençaria d'algodâo. 

GUÍNOLA , s. h Resende , Miscellan. f. 11 1. eol. 
I. vimos grandes Judarias , j^wt/coí , guindas , c 
louras. Pina , Cron. J. 2. c. 115. "saiu elRei , c 
a Rainha mui ricamente vestidos , e diante del- 
les os Mouros , e Judeus com as touras , e gui- 
nolas.^^ Guinda parece ser mascarada de vários 
vestidos , e cores , do Hespanhol quinola ? Qjii- 
nolla , em Francez antigo significava escudeiro. 
C Diclionnaire de la Langue Romane. ) 

GUIRLINDÉO. V. Garlindeo. 

GUIS. V. Gis , ou Gesso. Arte da Pint. f. 90. 

GUÍSA , s, f. antiq. Modo , maneira : de gui- 



rdo ^Ital. Ghignata) gargalhada. B. P. Cantar ds\sa. Eufr. Prol. â guisa. Arte de Furt.f. 525. 
guinadas. B.Gram.f. 220. §. Dar guinadas: tu-U. Ord. Af. 5. j. yjS. §. ?. e 5. "escolhcitos e 



^ir com o corpo , desviar-se de ouvir. §. O ca- 
valLo , que náo vai caminho direito , dd gui- 
nadas. 

GUINAR , V. n. naut. Desviar-se o navio um 
pouco da esteira , que leva , hora a um bor- 
outro , mas seguindo sempre o mcs- 
6. Fomos guinando a dias. 



apurados 'dd guisa , e da gineta.^^ Os da guisa 
eráo os homens d*armas arnesados , guizados , e 
armados de todo ponto ; os da gineta cavallos li- 
geiros. Scverim , Notic. Disc. 2. §. 9. dis , que D. 
J, 2. de Castella entrou com yj). humens de ar- 
mas , 1^600. ginetes , e 60^. infantes ; onde 
" a hmens d' armas , que tâbera 

etáv) 



ginetes te cotrapoi 



GUM 

eráo de cavallo, V. Guisado , e Gutsãmento. 

GUISAdO , part, pass. de Guisar. §. Qlvnlki- 
ros g/lhados ; i. é , providos dos necessários appare- 
Ihos , e prestes para irem á guerra, "saber os fra- 
des como som gnizados '.''^ que modo de vida tem. 
Oíd. jif. x.f.i 50. §. "os peòes devem ser guisados 
ao ar :'^ afteitos ás injurias do tempo. C/í. Ord. f. 
?9(>. §. Glisado de anuas ; apparelhado, provido del- 
ias. Cit. Ord. f. Y)-j. '■^gmsados de boas lanças, e 
dardos, e cuiiellos , e puulwaes.'^ e L. s- J- 'éS. 
e /. 160. "escudeiros de cavalios , e armas gtti- 
sadas?^ §. part. e subsc. Comer leito : v. g. o 
comer está guisado ; tenho para dar-vos um gui- 
sado. §. M.io gitis.ido : máo leito , m.í acção. 
§. Guisado , subst, os meyos necessários, "não tem 
guisado , como laçáo as ditas dcspezas :^' ou não 
ter prevenido os meyos í Ord. Ã[. 3.77. §. i. 

GUISAMÈNTO , s. m. Apparelho, o que é ne- 
cessário : V. g. para o serviço de uma Igreja , 
como velas , hóstias , vinho , &c. Andrade , Cron. 
3f. 5. P. I. c. ^i. Para se armar o Soldado para 
serviço : Ord. Af. 2. 65. 7. as armas , cavallo , &c. 
que deve ter o aconttado , ou apurado : beestei- 
ros que tragão os guisamentos , que perteencem a 
feito de beestaria. Ord. Jf. i.f. 597- 

GUISAR , v. at. Preparar o comer , fazè-lo pa- 
ra se comer. §. Azar , ajudar , auxiliar. Orden. Af. 
L.^.f. II. "ou guisasse como de feito fogissc da 
ptisom :" desse modo. §. — se. o feito nom se 
guisou assim: náo se ordenou , verificou, Ined. 3 
54. Deus te guise ( dirija , encaminhe ) como ha- 
jas honrra em este mundo. ibid. f. 77. 



GYM 



109 



GUISO , s. m. Cascavel pequeno 



GUÍTA , s. f. Cordel de 



Íjequen 
gado, 



ou bratante. 



GUITARRA. V. FíoLi. Leitão , Miscellanea. 

GUITARRÍNHA , s. f. dim. de Guitarra. 

GUIZES. V. Giiz. 

GULA , s. f. A garganta , guela, §. O vicio de 
comer , e beber sobre posse. §. t. d*Archit. Fu- 
te da cornija , cu cimalha da feição do « dei- 
tado , composta de duas porções de circulo , a 
qual termina a cornija, r. do Arceb. f. 280. §. Gu- 
ias , entre marceneiros , espécie de gailopa , que 
faz uma gula inteira com seus filetes. 

GULÂO. V. Gou-lio. 

GULOSO, mais próprio que Goloso ; de gula. 
Couto , 10, 9. 8. no fig. appetitoso de outro bom 
successo , em guerra. 

GUME , s. m, A pane do instrumento , que 
corta : v. g. o gume da faca , da espada , do míir 
chado i o fio opposto á cota. H. Pintv. "ferro bo- 
to sem gume." §. Dar de gume ( opposto a dar 
de poma , de cota , ou de chapa ") -,1. é , com a 
parte afiada. Auto do Dia de "^uizo. 

GÚMENA , s. f. naut. Calabre , ou qualquer cor- 
da grossa do navio. 

GUMÍL. V. Gomil. H. Dom. P. 2. e Galhegos. 

GUMlLÈPilE , s. i. t. faimac. Upa resina aro- 
inatica. ( Gummi elemi, ) 



GÚNGHO , s. m. Ave , que frequenta a Lagoa 
de Óbidos. 

GUNDRA, s. f. Gundras carregadas de cairo 
para amarras. Cron. jP. 3. P. ^. c. 74. 

GÚNE , s. m. Matéria fibrosa , de que na Ásia 
se tece tela grosseira para sacos , &c. 
GURDIFÉ. V. Gridefé. 
GURGULHÂO , s. m. Bulhão d'agua. 
GURGULHÁR , v, n. Brotar , sair gutgulhan- 
do : V. g. a fonte — . V. Bulhar. §. Ferver como 
o gurgulho no trigo , ou tulhas, 

GURGÚLHO , s. m. Bichinho negro , que se 
cria entre o irigo , arròs , e outros grãos encel- 
leirados , os quaes vai destruindo , e roendo. Bev 
nardim Ribeiro , Écloga 5. est. se for mudado teu 
bem , ■ò^c. 

GURGULHÒSO , adj. Cheyo de gorgulho , ou 
roido delle. 

GURGUTUÓ, inter), que quer dizer, aca- 
bou-se , foi-se , feito é : t. chulo. 

GURGUZ. V. Gorguz. foral de Lisboa. 
GURUPÉS , s. m. O mastro , que vai meyo 
deitado , ou lançado obliquamente sobre a proa 
do navio, ou a sua toda de proa. 

GUSA , s. f. Uma viga de ferro nos moinhos 
das fundições. 

GUSANÍLHO , 9. m. dim. de Gusano. 
GUSANO', s. m. Bichinho , que se cria na ma- 
deira , e a fura , e assim nas carnes. Naufr. de 
Sep. Canto 7./. 12. ult. edi^. Barros , D. i. ?. 4. 
Albuquerque , Com. foi. 12. "o navio vinha mui 
comesto áogusano.^^ Couto, 7. 9> i^- o Gusano {om- 
tros escreverão Busano ) Mend. P. c. 128. "cheyas 
de gusano." ( o Hespanhol é gusano , e delle o 
tomámos, ) B. 2. 7. 4. (dii^' «'í- «as Busano , e 
?. 2. 8. 

GUTEDRA, s. f. ^'Guiedras de Coiro , <^ue vi- 
nháo das Maldivas." Cron. J. 3. P. 2. c. 40- ? 

GUTERÁL. V. Gutural. Sever. Disc. Pol. 2. ull. 
edíC. Tomo 3. 

GUTÈTA , s. f. Pos de — : remédio contra a 
gota coral. 

GUTI , s. m, Planta Brasilica , arvore frutifera , 
que descreve Fasionc. Not. f. z66. 

GUTTURÁL , adj. Que sai da garganta. Lettra 
gutural ; a que se pronuncia modificando-se o 
som na garganta. Severim , Disc.f. 66. f. "pala- 
vras gutturaes " formadas no papo. 

GÚZA , s. f. "Ferro em guza , e embarra:" f. 
usado nas Ferrarias, ou preparação das minas de fer- 
ro , talvez o que está extraído das minas, m.a9 
não fundido , ou depurado. 

GYIVINÁSIO , s. m. Academi.i , aula pública de 
estudos , ensinos , exercícios. >írr;ífí , t. 5. £ 5* ^' 
Fasconc. Arte. '■'■gymnastos da arte militar." 

GYMNÁS TICO , adj. Concernente ao exercí- 
cio da luta, aprendido nos gymnasios da Grécia. 
Leão, Ortg.f. i\. 



f. 




HA 

GYr.IN(3?ÓDIA , s. f. Folias usadas entre os Gre- 
gos , em que os moços cantavio louvores dos 
que morriáom guerra. y1^. Z,WU. 

GYMNOSOPHÍSTAS , s. m. pi. Os Filósofos , 
oa sábios da índia , Jogues , Brâmanes , ou Gem- 
n-mes , ou Sermancs. Fr. João dos Santos. 

GYMNOSPÉRMA , t. d'Hist. Nat. V. Jngtosper- 

fíia. ^ . 

GYRÃO , s. m. No Brás. Peça de pano corta- 
da em triangulo. §. Escudo com gyrões i i. c , di- 
vidido em triângulos com as pontas unjdas no 
centro dos escudos. §. K Manta de remendos : e 
passar o gyrão , é desfazer-se de coisa vil , de 
nenhum preço, como uma manta de retalhos. 
Eiífr. Prol. §. Capa , ou vestido de jogral , e ar- 

tequins. ^ j 

GYRÓFE , s. cu adj. Cravo gyrofe : o cravo da 

índia. ( de caryophyllum Lat. ) 
GYROFÈIRO , s. m. Arvore , que produz o 

gyiote , ou cravo da índia. 



H 



H, s. tn. Consoante, que denota aspiração 
nas Línguas, em que ha vogáes aspiradas. 
F.m Portuguez só temos Ç ^^ S"^ "^^ parece ) 
o da interjeição ah, e náo usamos ai deile , 
porque devendo o sinal de aspiração preceder a 
vogal , ficaria contundido o ah com ha , do ver- 
bo haver : o h depois do / e « , tem um úni- 
co som , como em lhe , Ibama , ninho , maninha , 
<ò-c. §. Conserváo-no também depois do t em 
algumas dicções Gregas , adoptadas pelos Lati- 
nos , que representavâo o Grego ô por th ; mas 
nós não damos ao th de Theologo , &c. o mes- 
mo som que os Gregos lhe daváo , antes soa co- 
mo um mero t. 

HA, em vez do artigo A ,_^nos livros antigos: 
V. <r. ha casa da índia era mni recheada , éi^c. V. 
Ho'. ( derivado de hac , hoc , Latin, ) Outras vezes 
se acha nos bons Autores ha e hds por a pre- 
posição, precedendo ao artigo a ou as: v.g. ''vir 
has mãos :" por , a as mãos , ou ds mãos : "des- 
cobre-se huma traição que está armada ha for- 
taleza :" por, a a 'fortaleza , ou d fortalezj, co 
mo hoje escrevemos. ( Andrade, Cron. P. 2. c. 45. 
710 fim, e no Argumento docap. a6. pag. iii. e 223. 

ult, ediç. ) . j TT 

HÁ , segunda pessoa do Imperativo de Haver. 

Ferr. Cioso, f, 29. ult. ed. V. Rave.^ Camões. ''H^n, 

dó do cotpo só que está sem alma." "Crina, Cri- 

m . ha dó de miin." Clarm. de Barros. 

HÁ, interj, de qucn se ri. Cam. Rei Seknco. 

É aspirado o /; nesta dicção , para se distinguir 

do h:i do verbo haver. 

HÁBIL, adj. Gap-iz : v. g. stijtito hábil para 

empregos , por prudência , costumes 9 &c. P. Per. 



HAB 

2. (. li. no fim. quão discreto, quão habil , quão 
letrado. Paiva , S. i.f. 161. e como elte era muito 
habil , e tinha graitde inclinação d Mathematica. 
Couta, ^. i. z. §. Termos hábeis; i. é, o estado 
físico , ou moral bem ordenado , ou conveniente 
a algum fim , em que c possível , e commodo 
fazer alguma coisa, "isso tem lugar , ou se fará 
em termos hábeis." 

HABILIDADE , s. f. Capacidade mental , ou mo- 
ral , pira alguma coita. §. Pessoa dotada de bom 
engenho para as lettras. F. do Arceb. era conhe- 
cido por huma das melhores habilidades da Ordem, 

HABILIDOSO , adj. Sujeito , que tem habilida- 
de para as lettras. 

HABILÍSSIMO , superlat. de Habil. Continha , 
I. Cerco de Diu, L. i. Fios Sana. pag. XCIX. 
coL 2. Mez de Agosto, habilissimo para falar das 
coisas Divinas. 

HABILITADO , part. pass, de Habilitar. 

HABILITAR , V. at. Fazer habil , capaz , sulH- 
ciente para algum emprego , exetcicio , estudo , 
doutrina, que requer preliminares, "ainda que ( a 
pessoa ) defectos tivesse,. seu querer ( del-Rei 
que deu a ài^niáidé) habilitava a parte." Barr. i. 
10. 6. Lucena, para habilitar ainda nesta parte os 
instrumentos da divina palavra. §. Habilitar al- 
guém para majores empregos ; fazendo-o passar pe- 
los menores. §. Habilitar sua pessoa : fazer pot 
passar como homem de marca , e habil para coi- 
sas de peso , e substancia. B. 3.4. 9« §• — ^^ • 
tazer provas , dar attestaçóes , que mostrem há- 
bil o sujeito , que se habilita. §. — se , para pas- 
sar a estudos mais di^ceis , precedendo o ensino 
dos prévios , e mais fáceis. 

HABILMENTE , adv. Com habilidade , destreza, 
esperteza. Tirou-se — daqtíelle embaraço. Tratar as 
matérias , os negócios — . 

HABITARÃO , s. f. Lugar de morada , ou vi- 
venda. 

HABITADO , part. pass. de Habitar. 

HABITADOR , s. m. — òra, i. O que habita al- 
gum lugar : o habitador do Nilo. 

HABITANTE, part. at. de Habitar. V. Habi- 
tador. §. subst. Lusiada, 7. 20. "Novos , e vários 
são os habitantes.^' Idem , Eleg. i. Selvático no 
mundo, e habitante na dura Scitbia. Azurara , c. l-j. 

HABITAR , V. at. Morar em alguma casa , ou 
terra. §. Habitarem os casados ; fazerem vida de 
casados, cuidando da propagação da prole. M. 
L,. sem mais querer habitar com AriovigUdo , se fez 
viuva, 

HABITÁVEL , adj. Que se pôde habitar. 

HÁBITO , s. m. Vestido , vestidura : v. g. o 
habito religioso ; hábitos ricos , ou humildes. Lobo. 
§. Insígnia equestre de ordem militar : v. g. o 
habito de Christo. §. A figura , e apparencia ex- 
terna das feições , e membros : v» g. o habito des- 
ta planta , dtste animal. §. Costume , ou fac ili- 
da- 




HAR. 

dade , c propensão para alguma coisa , originada 
de mCii repetidos attos; uso delia: v- g. adqui- 
rir liabito de ct:ld:ir , de orar , <ò'C. 

HALílTUÁDO , p. p. de Halv.tiiar. Sujello — a 
úlgU:í coisa ; que tem adquirido habito de a fa- 
2er , usir. §. Coisa habituada : v. g. a crueldade 
— «o sete animo ; que existe nelle habitualmen- 
te, "pcccados veniaes habituados,^^ Paiva , Serm. 
i.f. 28. 

HABITUAL , adj. Em que temos feito habiro : 
V. g. defeito habitual : estudo habitual. §. Peccado 
habitual ; o que sempre nos macála a consciên- 
cia , até ser perdoado. §. Doetiç^a habitual ; a que 
alguém padece sempre , ou quasi sempre. §. Gra- 
5<í habitual ; a que tem teito assento na alma : 
t, theol. 

HABITUÁUIÈNTE , adv. Por habito. §. Con- 
tinuamente. 

HABITUAR , V. at. Fazer contrahir habito , 
acostumar. §. — se: contrahir habito de fazer al- 
guma coisa , fazcndo-a repetidas vezes. 

HAEíTÚDE , s. h Habito, costume. Alma Jn- 
strmda. p. us. 

HACANÉA , s. f. Cavalgadura mayor que faca , 
e menor que cavallo de marca ; de ordinário se 
chama hacanea a cavalgadura das damas , e ou- 
tras personagens. Galhegos , 4. 99. V. Facanea. 

HACTÉ, V. Até. Estaco i Antig. 

HADEPUXA, interj, chula. D. Fr. Man. yha- 
depuxa que jóia sois P"" espécie de admiração. 

HAGIAMÁLES , s. m. pi. Uns Religiosos Ma- 
hofnetanoá. Godinho. 

jHAGlÓGRAPHOS , âdj. Livros — ; os da Bi- 
blla , que não sáo de Moisés , nem dos Profe- 
ta?, ( agicgrapbos , de ay,«ç e y^í(pni ) 

HALIÉTO , s. m. Filho degenerado da águia. 
Arracs , i, 15. ou espécie de águia , que vive de 
peixe. ( haliettís. ) 

HÁLITO , s. m. O alento , ou a re^praçâo , 
que sai peia boca. §. t Hálito do fogo ; a ma- 
téria sutilissima , que se exhala ddle , Scc» ri- 
eira. 

HAMADRYADAS. V. o Diccion. da Fabula. 

HAMÉG , s. m. Confeição Farmacêutica. V. 
BiacQloqamtidos. 

HÁQUE , s. m. Peso de oiro na Costa da 
Mina : 16. baques fazem uma onça , e valem 
1 2í^8oo. reis. 

HARDA , í-. f. Espécie de doninha. ^ 

HARMÁLE, s. Herva, com que os Árabes se 
esfregão, para afugentar os espíritos malignos. 

HAR.MONÍ A , s. f. Consonanfia musica , que 
resulta das vozes postas nas proporções regula- 
res. §. Proporção das partes de um todo. §. Sy- 
metria. Freire. §. Fiver em boa harmonia i i. é , 
cm boa paz , e amisade , e correspondência so- 
cial. §. f. Miísiça e — de vinudis. £. Pmeg. 1. 1 
/. xp4. ' 



HAS 



1 1 1 



HARMÓNICO, adj. Em que ha harmonia. 

HARMONIZAR , v. at, Pòr em harmonia. Se 
fora possível harmonizar um concerto tão descon- 
certado. §. f. — os génios insociáveis : uma famí- 
lia de génios inconciliáveis , <ò'C. 

HARPA , s. f. V. Arpa. 

HARPÃO. V. Farpão, Fieira, 5. 107. Galbegcs ^ 
i. 94. "■harpões de Cupido j^'" seguindo a Ortogra- 
fia HespanhoLi. 

HARPAR , v. at. Tocar , ou pòr na arpa algu- 
ma lertra , ou toada. £ufr. i. i./. 9. '■'barpar hura 
Conde claros." 

HARPÉO , s% m. Ferro de harpoar. Eufr. 2. 7. 
sei lançar o harpeo onde ferre. 

HARPÍ A , s. f. Monstro fabuloso ; ave com 
cabeça , e rosto de mulher. V. o Diccion. da Fa- 
bula. 

HARPOÁDO , part. pass. de Harpoar. 

HARPOADÒR , s. m. O oíRcial da pescaria das 
baleyas , que as harpòa. 

HARPOÁH. , V. at. Ferir a baleya com o har- 
peo , ferro barbado , ou farpado , que se prende no 
corpo do peixe. 

HARPOEIRA , s. f. Corda , que prende o har- 
páo , ou harpeo. Barros, i. 4. c. ^. 

HASTA , s. f. Lança , pique. 

HASTARÍ A , s. f. Lugar , onde se encostão as 
lanças. Palm. P. 5. f. 67. 

HASTÁRIO , adj. V. HaHato. Viriato , p. 80. 
usa-se subst. 

HASTÁTO , adj. Armado de hasta. Fasconc. 
Arte : usa-se subsr. 

HASTE , s. f. V. Hastea. Queirós , F. do Basto. 
Galvão, Serm, i.f. 79. "alta haste." 

HÁSTEA , s. f. O páo , em que está enxeri- 
do o ferro da lança , da alabarda ; em que está 
segura a bandeira , guião, &c. Galhegos diz has- 
tea ; e Fieira : iia hastea da Cruz onde Deus está 
estendido. 

HASTERÍ A, s. f. O mesmo que Hnstaria. Palm. 
P. ?. /. 69. f. 

HASTIL , s. m. Cabo de lança. 

HASTÍLHA, s. f. Cabo de lança, haste pe- 
quena. §. f. Rachas, lascas da coisa, que se ra- 
cha , e fende em miúdos. Fcz-se em hastdhas : o 
vulgo diz estilhas , e os artelheiros estilhados, "pa- 
recendo-lhe que a bastilha da coronha ( que re- 
bentara ) era pellouro. ' Couto , 9. ^o. 

HASTíLHEIRA , s. f. Peça , a que estão en- 
costadas as hastas das lanças , ou as lanças. §. Dos 
Ourives. V. Estilheira. 

HASTÍM, s. m. Uma medida de medir ter- 
ra ; i. é , uma lança pequena ; outros dizem Es- 
tim. 

HvVUSTO , s. m. Gole , on golpe de bebicj. 
p. usado. 

HAVE, Imperativo de Haver. Ha, ou unu 
Clarim, ç. 28. Crina, Cii.ia, não we deixei mul- 
tar 





HAV 

tar have compaixão de mim : tnah v^k hum ha- 
veche , que dois te darei i i. é , um toma , que 
duas promessas de dar. Eiijr. "^ve misericórdia 
de my. ' Jzftrara , c 52. pag. 166. col. 2. 

HAVER , s. m. Riqueza , bens , posses , facul- 
dades • V S. todo o sett haver ; todos os sem ce- 
res ê haveres ; fazendas , effeicos commcrcia- 
veis' D'aqui haver de peso comezinho , 1. e , coi- 
sa que se pesa , e é de comer. "Que nenhum 
nom recebesse Hordem de Cavallana por preço 
-d-híiver ;" d nheiro , ou coisa que o valha. Oíd. 
Jf. I. 65. 18. . , 

HAVER , V. at. Ter , conseguir , alcançar , ob- 
ter • v j? e houve delia dois filhos: houve o per- 
dão dei-Rei: trabalhott o noivo por haver a flor da 
noiva antes das bênçãos. Trancoso , P. 2. c.z.J. Ha- 
ver «m homem alguma mulher: gosar delia, i^^/- 
meir Dial. ?. "houve-tm hum homem.'^' §. Haver , 
n existir • v. g. ha homens virtuosos , e outros que 
o não são. Ha vinte dias ; i. é , sáo passados 
vinte dias até hoje. Tal e a explicação , que dao 
os nossos Grammaticos ; eu porcrn tenho ,^que 
Haver sempre é activo , e signihca Possuir, ler ; 
e nunca neutramente Existir. Ha homens , e ira- 
se eliiptica , i. é , o mundo tem , contem ho- 
mens : ha dias , o lempo ha decorrido djas : ncsia 
terra ha hoas frutas ; a espécie das trutas , cen;- 
nas boas nesta terra , ou , a gente ha ( tem ) bo- 
as frutas nesta terra : e assim concorda regular- 
mente o verbo com suieitos subentendidos do 
singular , e não segundo a regra taUa de Jrgo- 
te, e outros , que quando o verbo çignihca ex- 
istir , concorda no singular com nomes sujeitos 
do plural ; e porque ? «Dizei-lhe quç também dos 
Portuguezes ( ^c. a nação , gente , povo , terra 
dos Portuguezes ) Alguns traidores houve {^ teve ; 
al^úas vczes.=' Lusiada. "Repugna hãver ( se. a 
Ra^cureza , ou condição do homem ) em hua al- 
ma , no mesmo tempo , duas consolações.'» "I o- 
dia haver (^ se. o negocio ter, a conclusão del- 
le ■) muitos f e poderosos contradiciores. ''Isao 
ha , nem pode haver ( se. o cartório , ou seme- 
lhante deposito de memorias ) aquellas antiquís- 
simas escrituras." «Também no prespnte pode 
hr.ysr ( ter, se. a espécie humana ) homem tao 
grandes , como os que já foráo." *'Nem por is- 
so deixa de haver ( se. homem , como ''não ha 
homem gcito de conseguir nada d'elle." ) outros 
meyos menos custosos^de a diviriir." E deste mo- 
do se devem explicar as sentenças semelhantes ; 
c não suppondo o verbo impessoal , que o não 
é ; nem recorrendo a adraittir uma desconcordan- 
cia tão irregular , e abjurd-imente idiotica. As 
Línguas tem menos idiot-smos , do que cuidào 
GS que náo as sabem analysar , nem dar razão 
d.is apparentes irregularidades , senão parando na 
tòdea das palavras , c frases , como acontece tal- 
yeí aos que náo dçviáo sçr idiotas, ao menos 



HEB 

pela sua profissão. §. Haver algua coisa a al- 
guém ; adquirí-la , consegui-la de outrem para cl- 
le. "esta vantagem, que lhe houverão." B. i. 10. 
4. "os Bjxás porque eráo seus amigos lhe hou- 
verão a jornada ( alcançarão delRei , que lha des- 
se )." Couto i 6. 10. 20. §. Haver algua moca de 
sua virgindade ; deflorá-la. Ord. Jf. ^. 15. i. §. Pos- 
suir , ter : neste sentido parece antiquado , se não 
é quando o usamos com os participios ; o que 
também já náo é miai frequente , porque dize- 
mos : re/2i!?o comprado, e náo hei comprado, &cc. 
§. Julgar , ou ter para si. Eufr. ^ 2. e ha que 
nifece tudo. §. — se; port<ir-se : v. g. houve-se 
muito bem , oit mal. §. Havè-la com alguém i i. é , 
tratar : v. g. havia-o com homem executivo i i. é , 
tratava o negocio, ou corria elle com &c. Vid. 
do Arcebispo. Hemos por havemos, '■^banos de con- 
fessar ice." Cathec. Rom. jcx). nov. edi^. 

HAVÍDO , p. p. de Haver. Tido. §. Sujiin. "Te- 
mos , dice ElRei , avtdo o capitam :" i. é , já te- 
mos , ou temos achado capitão. Jned. z. 235. 

HA.Y , Interj. de dòr , e pranto. "/w> míseros 
filhinhos !" Seg. Cerco de Diu, f. 248. §. Hay a- 
cha-se nos impressos antigos por ha y ^ on ha hi ; 
V. g. "náo haji homem;" por, não ha i homem. 
Fios Sanct. de Fr. Diogo do Rosar. edv^. de 1 567. 
e assim o diz ainda o vulgo: nãohú gente , eb-c. 
e náo c este o único erro , que os mal impres- 
sos cem divulg^.do no povo. 

HAZ ( V. Âz ) do Latim acies , ou antes de 
aas antigo , corrupto de ala , de exercito , ou es- 
quadrão. Os "lobos em haz" diz Sá Mir. i. é , 
em esquadrão , ou bando : e o mesmo poeta : 
"por minas oídenáo hazcs :" de acies , Lat. esqua- 
drões em forma de batalha, //ifí/. 2.J2I. "alise 
pozerom os Mouros todos em haz." 

HELDÒMADA , s. t. Espaço de 7. dias , sete se- 
manas , sete annos , contorme as hçblomadas são 
de dias , semanas , ou annos. 

HEBDOMADÁRIO , s. m. Nos Coros das Col- 
legiadas , Síc o que preside na semana. 

HEBDOMÁTICO , adj. Anm — i infausto , e 
era cada sétimo , ou nono annn. 

HEtRÁlCO , s, m. Lingua Hebraica: v.^'. "sa- 
be o Hebraico." 

HEtRAiSMO , s. m. Locução , oq frase da Lin- 
gua Hebraica , e peculiar delia. ( Okastri ad Gen. 

Canon. y~ 

HEBRAIZÀNTE , s, m. O que cegue a leitura do 
Texto Sagrado Hebreu, antes que as Vetsóes. §. O 
que é Judeu. 

HEBREU , adj. Da ííaçáo Hebraica , de or- 
dinário se toma por Judeu. §. A Lingua Hebraica. 

HECATÒIVILE , 5. t. Sacriricio de cem victinias 
da mesma espécie : v. g. cem bois , &c. 

HÉCTICA, s. f. Tísica. 

HÉGTICQ , adj. Tísico. 

HEDIONDO , adi. Fcticjo , fedorento. Ficirx, 

«Cha- 



HEM 

«Chaga viva , asquerosa , hediondaV ( do Hespa- 
nhol hediondo ) 

HEGÍRA, s. t. Época dos Mahornetanos, que 
concáo delia; que toi a fugida de Mafoma para 
tora de Meca, que é o anno de 650. depois da 
Morte de Christo. 

HEI-LA , HEI-LO : por , heis O , heis a ; heis an- 
tlq. por tendes ( mudado o s em / , por eufo- 
nia , o que mostra , que eis não é adverbio , mas 
heis escrito sem h, como os antigos escreviáo de- 
rivando-o de avoir Francez mais proximamente , 
que de hahcrc Latino ). Ferr. Cioso , 5. 8. '^hey-lo 
velho sae chorando de prazer." 

HÈIDO , s. m. Entre rústicos o pateo do cur- 
ral. V. Eido , ou Eiio. 

HEIDÚQUE, s. m. Pagem do coche del-Rei de 
Polónia. Gaz. de Ltsboa , por Alontafvoyo. 

HELÍACO, ad). t. astron. Nascimento — do pla- 
neta , ou occaso — ; i. é , quando o astro appa- 
rece , ou desapparece , por se apartar , ou ache- 
gar ao Sol. 

HÉLICE , s. f. V. Ursa mayor. §. t. geom. Es- 
pira. 

HELIGÒN , s. m. Monte fabuloso , em que ha- 
bitáo as Musas. 

HELIOTRÓPIA , s. f. Uma pedra fina verde , 
e rayada de veyas de outra cor, ( heliotrophiitm ) 

HELIOTRÓPIO , s. m. V. G^rasoí. Fieira. 

HEMATÍTES , adj. t. farmac. Pedra hcmatiies. 
(Jmematites ) 

HEMICÍCLO , s. m. Abobada de — ; a que tem 
a figura de meyo circulo. 

HEIVIICRÀNEA, s. f. Doença vulgarmente dita 
enchaquèca , ou enxaqueca. 

HEMISPHÉRIO , s. m. Ametade da Esphera : 
V. g. hemispheiio terrestre. 

HEMISTÍCHIO , s. m, Ametade de um verso. 

HEMITRITEU , s. m. r. medico. Meya terçã. 

HEMÓPTICO , adj Doente de hemoptyse. 

HEMOPTYSE , s. K Doença , que consiste em 
lançar sangue tossindo. 

HEMORRHAGÍA, s. f. Fluxo de sangue : t.med. 

HEMORRHAGÍAGO , adj. Doente de hemor- 
rhagia. 

HEWORRHOIDÁL , adj. Concernente ás almor- 
reimas. 

HEMORRHÓIBAS , s. f. pi. Almorreimas. 

HEMOS : poT , Havemos, '■'■hemos de confessar 
Scc.^^ Cathec. Rom. 300. nov. edií^. 

HENDECASYLLABO , adj. Que tem onze syl- 
labas : v. g. verso — . 

HEPÁTICA , s. f. Herva offlcinal : licben, ( He- 
fíitka , <c) 

HEPÁTICO, adj. Concernente ao figado. t. mcd 

HEPTÁGONO, ad). De 7. ângulos. 

HEPTARCHÍ A, s. f. Sete Reinos, ou Governos. 

HER. V. Er. 

HERA , s. f. Arbusto , cujos ramos sarmento- 

Jom. II. 



HER 



113 



SOS se estendem miVito , e trepáo pelas arvores , 
paredes , Scc. dá cachos , e bagos j com ella se 
coroaváo os Poetas. 

HERÀNC.A , s. f. Os bens, e acções do defun- 
to , que ficáo por sua morte ao herdeiro , dedu- 
zidas as dividas , a que esses bens sáo responsá- 
veis. §. Herança j/icente ; a que não foi adida , 
ou recebida pelo herdeiro. 

HERUÁTICO , ad). Pertencente a herva. Powia. 
da Perda, de Hespanha. 

HER BOLARIA, s. f. Mulher , que faz vene- 
nos, ou feitiços com hervas. Costa, Firg. 

HERBOLÁRIO , s. m. O que cultiva e vende 
hervas ofRcináes. Erva bem conhecida dos herbola- 
rios. Celta , Serm. p. 259. 

HERBOPvIZÁR, V. n. Recolher plantas, flo- 
res , frutos , paia examiná-las como Botânico ; ou 
para as conservar para usos Médicos , ou de Ar- 
tes, r. mod. adopt. 

HERBÒSO , ad). V. Hervoso. Eneida , n. M». 

HERCOTECTÒNICA , s. f. Arquitectura militar. 

HERDADE , s. K Prédio , casa , quinta , ou ter- 
ra de lavoira : em geral , bens de raiz de^ toda 
sorte , bens sólidos, ''bem de Senhor não e her- 
dade." Eufr. I. 5. §. Herdade de hçrmar , ou er- 
mar , era o prazo , que quando se devolvia ao di- 
reito Senhorio , este podia despovoá-lo dos mo- 
radores , se quizesse , e lazè-los ermos. Elucidaria. 

HERDADO , part. pass- de Herdai. Adquirido 
por herança. §. A quem se deixarão bens , m- 
stituindo-o herdeiro: v. g. deixar os filbos—. F: 
Fie. Verg. f. Z9S. §• C^Lue tem , possue herdade. 
não ha terra , onde sejao herdados os fidalgos. Or- 
den. Aj. 2./. 356. os herdados, e casados .v.a 

terra, 

HERDÀNÇA. V. Herança, antiq. 

HERDAR, V. at. Instituir alguém herdeiro , dar- 
Ihe herança. Eiífr.f. 16^. maitos herdáo aos «- 
tranhos , e desherdão suas almas. Resende , MisceL 
f. III. f, col. z. o desherdoif . . • e herdou a ou- 
tro irmão. B. 2. 5. IP. ''herdar os filhos em ricas 
heranças , e não os herdar em bons costumes c 
doutrina.» Barr. Dial. f. 297. §. Adquirir por he- 
rança : V. g. herdou ima casa. §. Herdar o pat , 
ou mãi , i. é , os seus bens. Este moç^o herdou scJt 
pai. §. Adquirir bâes de raiz. Ord. Af. 2. 59. 21. 
Q_^e os leixeis ( aos Fidalgos ") comprar , e herdar 
em vosso Regno , honde qiíerqsíe o poderem fazer 
por seus dinheiros : alludem a algúas terras , onde 
não consentiâo , que Fidalgos cóprassem bees de 
raiz. V. ibid. O §. 2P. §. Dar senhorio de tetras , 
herdades , e bens de raiz. Imd. 3. 05. '' Hcrdando-u 
Q El Rei ao Conde ) em seus Regnos em tantas 
toitalezas e terras.'^ 

HERDEIRA , s. h Mulher que recebe herança. 

HERDEIRO , s, m. Homem, que recebe he- 
rança em virtude da Lei , ou do testamento : ha- 
' deiro Jorrado , alias sea ; e tmeisano ( term. jurd.) 





m 




HER 

O que o testador náo pôde preterir , ou desher- 
dar em consequência de alguma Lei , salvo nos 
casos, em que por ella se lhe concede desherda-lo. 
§. Herdeiros dos mosteiros : os herdeiros de seus 
padroeiros , e fundadores , os quaes tinháo certas 
rações delles , pitanças , e prestações para casa-' 
mentos , &c. §. Herdeiro de mais pre:o : um dos 
mais nobres , ou principáes coherdeiro"s. Doe. ani. 
HEREDITÁRIO , adj. Que vem por herança : 
V. g. bens — . h que vem dos pais : v^^. do- 
ença — . 
"HERÉE , s. f. Herdeira. Elucidar. 
HERÉEO. V. Heréo. Ord. Jf. 
HEREGE , s. c. Pessoa , que de certa sciencia 
detende doutrina contraria aos Dogmas , com ad- 
hesáo , e pertinácia, o herege ( homem ). "a he- 
rege ficou multiplicando a brados novos oppro- 
brios.^' F, do Arceb. i. 32. §. f. — de amor : o 
que não é namorado ; o que não crè nas coisas 
maravilhosas , que elle causa. Valm. L. 2. c. 9. 
§. Fiear — ; 1. múi irado , desesperado. Palm. P. 
2. c. 142. 

HEREGÍA , s. f. Erro d» entendimento com 
pertinácia , em pontos de Fé , ou dogmáticos. 
ílos Sanct. V. de S. Thomaz , pag. CXLIII. f. 
cal. 2. Fieira , Cart. T. 2./. 42. de ordinário di- 
zemos heresia. 

HERÉJA , s. f. Mulher que cahiu em here- 
sia , e que a sustenta. Tentai. T.Hol. f. 45. V. 
Herege. 

HERÉL , s. m. anr. Herdeiro , Senhor. Ord. Aj. 
2. f. 26. Senhor ,e herel dos CasteíLs de Marvom. 
HERÈO , s. m. Na Ord. Manuel. L. i. T. 49. 
§. 30. parece significar o senhor , ou proprietá- 
rio ( do Latim Berus ) ■■, assim nas demarcações se 
citâo os heréos confinantes. §. Herdeiro. Orden. Af. 
frei]. V. L. 5. T. 2. princ. §. O que paga ao Em- 
phyteuta os reditos da parte do chão , ou cam- 
po , que tomou á sua conta para beneficiar. M. 
L'ts^ 5. 192. "repartir o paul por hcreos.^^ 

HERESIA , s. f. Assim dizemos , e não here- 
gia. V. a explicação em Heregia. §. f. Erro , des- 
acerto. £'t'r. 2. 5. 

HERESIARCA , s. c. Autor , ou autora de al- 
guma heresia. 

HERMAPHRODÍTA , s. f. Fabula dos Plane- 
tas , /. 54. f. Mulher , que tem as partes da ge- 
ração de ambos os sexos. 

HERMAPHRODÍTO , s. m. Homem , que tem 
as partes da geração de ambos os sexos. 

HEllMÁR. V. Ermar.Ord. Af. z.f. 191. q'tefa- 
^a hermar as terras das Igrejas : despovoar , des- 
habitar. 

HERMETICAMENTE, adv. t. qulm. Faso her 
meticamente fechado ; i. é , fundida a boca : v. g. 
do tubo , por mcyo do fogo , e feitas as pare- 
des delle uma só peça , como se yè ngs Ther 
tnomeiros. 



HER 

HERMÉTICO , adj. Sciencia — ; Química. 
HERMÍDA. V. Ermida. 
HEilMÍNi-.O. V. Arminho. Ord. Af. 5./. 155. 
HERMITAO. V. Ermitão. 
HERHO. V. Ermo. 

KERMODÁTILO , s. m. Planta , e fruto me- 
diei ml. (^biilbus agrestis^ 

HÉRNIA, s. f. Inchação dos testiculos , carno- 
sa , ou ventosa : de comum se diz ua que pro- 
cede de descer o intestino pela rotura , ou dila* 
ração do annel inguinal ao bolso dos grãos , ou 
testiculos. 

HERNIÁRIA , s. f. Herva. ( millegrana maior , 
ou herniaria ,• £. ) 

HERNIÁRIO , adj, us. subst. Cirurgião , que 
se apphca a fazer restituir o intestino descido ao 
bolso dos testiculos , ou geralmente cura hérni- 
as de hojTiens , e mulheres , e faz as operaçõ- 
es necessárias , para remediar as descidas , quan- 
do o intestino náo se restitue sem operação. 
HEROA, s. m. Heróc. Ferreira ^ Pom. 
HERÓE , s. m. Varão iliustre , e grande , cu- 
jas façanhas o fizerão digno de honra , e me- 
moria. 

HEROICIDADE, s. f. Obra heróica. 
HERÓICO , adi. Próprio de Ktroí , q-ecoT- 
stitae o heroe : v- g. virtudes , animo — . §. Poe- 
ma her Lo : epopeya. 

HERólGÒMIGO , adj. Poema — ; de assumto 
cómico . cantado em estilo heróico. 

HERÓÍDES , s. t. Epistolas de pessoas nobres , 
como as do Poeta Ovidio. 

HEROÍNA , s. f. Mulher heróica , que obra ac- 
ções heróicas. Fieira. 

HERPES , s. m. pi. InHammação da pelle com 
chapas , ou bostelinhas múi pequenas , e ama- 
rellas , as quaes vão correndo a carne , e estes 
se dizem herpes corrosivos. §. Outra casta de her- 
pes ( alias formica , ou mtlliaris ) são os em que 
se fazem na pelle uns grãos como milho. §. fig. 
Cortar os herpes á opinião ; i. é , o que ella tem 
de máo. Palmer. P. ?. c. 16. 

HÉRVA, s. f. Nome genérico de todas as plan- 
tas , cujo talo perece cada anno depois de ter 
dado a sua semente. §. Por excellencia , herva 
venenosa; v. g. frechas untadas de herva, ou her- 
vadas. Cam. Ode 10. "da penetrante fonte e for- 
ça de herva?^ "os Mouros buscavào herva :^"' se. 
venenosa , para hervarem as frechas. Ined. §. l//)i 
prato de hervas : se. guisadas para se comerem. 
§. Filho das hervas ; enjeitado , sem pai sabido, 
ou conhecido. §. Lanhar o habito ás krvas ; a- 
postatar o frade. §. Hervas usadas para amavias. 
"Amor náo cura d' hervas ( não ha mister , ou 
náo faz caso das que se dão para curar a pai- 
xão ) nem de encantos." §. Herva , nas esmeral- 
das : falha. 

HERVAC.ÍL , s. nj. Campo onde ha nmiti 

het- 



'\^^.^^ 




HET 

herva. Castâ}u 4. e. 4i. Ntiufr, de Scp. f. u^. f. 

M. Pimo , c. 57. apaulado e cheio de grandes — . 

HKllVÁDO, s. m. Uma herva odoriFer.i. Lobo , 

Cone , D. y. ^'hcrvados , e aroeiras.^' ( B. P. ane- 

í*'" ) 'O . „ . 

HERVÁDO, pnrt, pass. de Hcrvar. §. f. "Trazia 

o peito beiv-Jdo ;" i. c , dinado contra alguém, com 
inimizade, §. Coberto de hervas. §. Setas heiya- 
das. Ulistpo , f. i6j. f. jig. dardo hervado de in- 
veja , c raiva. Lobo , Deieng. Duc. 2. 

HER VAGEM, s. f. Bastidíio de herva para pas- 
tos. Leão , Descripi^. Men. e Moca , /. 52. f. na 
terra qtíe be de póuca hervagem pe,-e:c-nos o gado. 
Tenreiro , Iiiner. c. 52. §. M liervas que se cozem 
com a vaca , e se servem na mesa. 

HERVÀNCjO , s. m. V. Grli. 

HERVÁR , v. nt. Untar as setas , cu outras 
armas cortantes com sumos de hervas venenosas. 

HERVÁRIO , s. m. CoUecçáo de hervas , e 
plantas seccis guardadas , e conservadas para o 
estudo da Historia Natural , em livros de papel 
branco, onde estáo mettidas , descriptas , e clas- 
sifiradas. r. mod. adopt. ( do Francez Herbier ) 

HERVEGÈR , v. n. Cobrir-se de herva : V. ^. 
— o campo , o prado. B. P. 

HERVÍLHA, s. K Grão , espécie de legume 
vulgir, que se come cosido. 

HERVILHÁCA, s. f. Herva, e gráo , que nas- 
ce nas searas , e dá um gráo negro redondinho. 
§. Lingnagem meiada de hervilhaca ; i. è , cheya 
de Barbarismos , como fallava o vulgo na Índia, 
Camões , CartA i. da índia. 

HERVILHÁL , s. m. Agro de hervilhas. 

HER VINHA , s. f. dlm. de Herva : trigo que 
rem bervinha , cuja farinha tem máo sabor. 

HER VOEIRA , s. i. Puta , deshonesta. Docum. 
ant. Elucidar. 

HERVÒSO , adj. Abundoso de hervagens. Ele- 
giada , /. 50. Costa , Firg. Écloga i. Prado — . 

HESITAÇÃO, s. f. Duvida, enleyo , em que 
está quem hesita ; perplexidade , irresoluçáo. 

HESiTÁR , v. n. Failar parando , co-mo quem 
duvida , e náo está certo no que diz. §. Estar 
irresoluto. 

HÉSPERO , s. m. Astro , que segue ao Sol no 
seu o caso ; o mesmo que se diz Lucijero , quan- 
do madruga ar^tes de sJir o Sol, 

HESPHERICO, ad), O que sabe Astronomia Fí- 
sica , e a Geografia. Castan. L. t.j. 208. Deve-se 
escrever esférico , de esfera. 

HETERÓCLITO , adj t. gram. Irregular na de- 
clinação. §. K Extravagante no modo de viver, 
e proceder. 

HETERODOXO , adj. Que segue outra seita , 
ou doutrinas. §. Herético. 

HETEROGÉNEO , a li. D'outra natureza , ou 



HIE 



115 



<ii 



espécie : v g. substancias — > matéria — . 
HETERÓSCIOS , adj. pi. t, geograt. Os 



povos 



que habitáo nas Zonas temperadas , cujas som- 
bras viio para as partes contrarias. 

HEXACÓRBO, s. m. t. musico. Intervallo , que 
consta de quatro tons , &c. 

HEXÁGONO , adj. t. geometr. Que tem seis 
ângulos. §. s. m. t. de Fortif. Praça de seis balu- 
artes. 

HEXÀMETRO , ad) Verso — ; na Pões. Lxvi 
na , o que conua de 6. pés , verso Heróico Lntino. 

HÉXAPLOS , s. m. pi. Collecçáo de 7, traduc- 
çóes ; V. g. dos Livros Sagrados. 

HEY-LO, V. Hei-la , Ha-lo. 

Hl : articular relativo , usado ellipticamente co- 
mo adv. c ás vezes com preposições ; que quet 
dizer esse l'tgar , usado antigamente como o y 
Francez , donde o derivámos. B. Ciar. f. 6. não 
ha hi coisa , que estando em meu poder , eu não 
faç^a. Ferreira, Soneto em Lingua antiga. Sem quedar 
ende por contar hi rem. não ha hi quem me so- 
corra. Cron. do Condesl. c. 58. Camões , Eleg. t. 
5. f. ultimo, se nelta ha hi m'idar-se hum triste 
estado. §. Usa-se com preposições : ahi , d'hi ; 
desbt. Eufr. f. 191. Veja-sc 7. adv. relat. Regim. da. 
Fazenda, 240. wi.f.^^de hi em diante serão fran- 
cos.'' Dès í : d'ai , depois disso ; alias , também. 
Orden. Af. freq. Acha-se nas reimpressões , ou edi- 
ções modernas mal impresso assim de si (V. as 
Obras de Barros da ultima ediç. e os Inéditos da 
Real Academ. ) com sentido tão diverso. 

HIÀNTE, part. at. adoptado do Latim. Usa- 
se na poesia : v. g. as hianres fauces , ou gue- 
las ; i. é , mSi abertas, ''hiante se embasbaca nas 
sutis pelloticas do loquaz embusteiro.'^ 

HIÁTE, s. m. Embarcação de vela e remo, 
mui vulgar em Inglaterra , e Hollanda , e entre 
nós vem hequentemente do Porto a Lisboa. 

HIATO , s. m. Abertura , v. g. da boca , oc- 
casionada pela pronuncia das vogâes , principal- 
mente quando concorrem : v. g. buscario-o evo. 
casa. §. Abertura grande da boca do animal. §. r. 
Hiato da terra. Costa , Firg. 

KIEÉRNO , adj. poec. Do Inverno. Eneida^ 12. 
est. 104. do hiberno lampo. ' 

HIEMAL , adj. Do Inverno. "Solsticio hiemal. 
Costa, Vtrg. 

HÍERA, s. f. t. med. Medicamento , ou remediQ 
santo ; i. é , especifico múi eííicaz. 

HIERARÇUÍA. V. '^erarqtiia. 

HIEROGLÍPHICO. V. Jcroglifico. 

HIGUALDAÇÃO , ant. Igriiaçáo. 

HIMFÁR , v. n. Ter o diatragma um movimen- 
to convulso , pelo qual rerirando-se este muscu- 
lo para baixo com impero, impdle ao mesmo 
tempo as partes , que estão debaixo , formando 
um ruido a modo de arroto : bimpa o que esia 
sufFocando o choro , ou quem reprime a grande 
paixão , e também o que tem o estômago mu 

cheyo de comer, , 

^ P ii *^^" 




m 



ii6 



HIS 



HIPÉRBOLE. V. Hyperbole. 

HIPOCAMPO , s. m. Peixe , alus cavallo ma- 

HIPOCENTAURO , s. m. Monstro fabuloso , 
meyo homem meyo cavallo. Fniato , 1 1. io8. 

HIPOCRÈNE , s.f. Fonte do cavallo. V. o Dic- 
cion. da Fabula. 

HIPÓDROMO, s. m. Picadeiro de exercitar ca- 
vallos a correr. Kéáro , F. da Princeza Tbeoãora. 
HlPOGRÍfO. V. Grifo. 

HIPOMÀNES , s. m. Humor , que mana da na- 
tura da égua , quando está com o cio ; é uma 
das fabulas que traz Virgílio , talvez porque as 
bestas depois de se cobrirem algiias vezes se es- 
premem , e lançáo uma porção da matéria esper- 
matica dos cavallos i Costa , Firg. 

HIPOPÓTAMO , s. m. Animal como o caval- 
lo , mas sem pello , nem crina ; anda nos rios de 
Coama e Zoiala. Santos , Ethiop. L. 2. c. 5. 
HIPOTHENÚSA, V. Hypotbmiísã. 
X HIR. V. Ir. (de ire Latino , que não tem h , 
nem a nossa pronuncia o requer, por não ser 
o i aspirado ) ^ 

HIRIVÁR. Diz-se no Elucid. que e ant. por 
derribar ; talvez se deva ler apartadamente, "tijo 
hl rivar :^' fez ahi derribar. Elíiciddr. V. Ribar. 

HIRSUTO , adj, Cabelludo. Lus. 4« 7i- ^ b^^' 
ba — ; intonsa , mas comprida. 

HÍRTO , adj. Arriçado : v. g. o cabello — ; du- 
ro , áspero , inculto. Arraes , 7. 4. Corte Red , 
Na'{fr. f. 60. Teso, não flexível. Eneida, 10. 175. 
"trazem os chapeos recheyados d* algodão , para 
que sempre andem irtos.^^ V. £. 4. 6. 2. §. Olhos 
hinos ; immoveis. Naiifrag. de Scpalv. §. Aspeio : 
fanOs hirtos. §. Inrractavel , rispido : v. g' hirto 
Inverno ; condiç^ão hirta. 

HIRUNDÍNO, adj. De andorinha. Insulana. §.Pe- 
dra hiriindina. V. Chelidonia. 

HÍSPIDO , adj. Eriçado , ou arriçado , arripia- 
do ; diz-: e dos cabellos , pello ; e íig. da terra 
pelos gelos do Inverno. 05 hispidos campos. 

HISSOPE , s. m. F. do Jrceb. L. 6. c. 20. V. 
Hysope. 

HISTÓRIA , s. f. Narração de successos civis , 
militares , ou políticos. §. Historia Natural : ex- 
posição dos objectos , e productos da Natureza 
por meyo de suas propriedades , e caracteres, dis- 
postos em certas Classes , Ordens, Géneros, 8cc. 
Svigundo o Systema do que a escreve. 

"historiado , part. pass. de Historiar. Pai- 
rei historiado ; em que entráo figuras, e se re- 
presenta algum facto histórico. 

historiador, s. m. Escritor de Historia. 
historial , adj. V. Histórico. 
HISTORIÁLMÈíNTE, adv. Historicamente. Re- 
ferir — : tratar o negocio — 



HOM 

a fundação de alguma Cidade , &c. segundo as 
Leis da Historia. Lopes, Cron. "J.i.P. 2. Prol. "his- 
toriar largo.^^ F. do Arceb. L. 5. c. ^o. Hist. do Fk- 



HISTORIAR, v. at. Escrever algum successol pòr no hombro. M. L>ís. "a bandeira mais caiu 
civil 3 mihtat , ou politico, a vida de alguém,* da, que hmbnada,''* 




ttiro , num. 1:52. §. Historiar um painel: repre- 
sentar as figuras conforme á historia que se pin- 
ta , e com os vestidos , e ornatos , atmas , SvC. 
do tempo , a que se refere o successo represen- 
tado. 

HISTÓRICO, adj. Historial, que é narrativo 
segundo as Leis da Historia , que contém algu- 
ma historia : v. g. compendio histórico : estilo — . 
HISTORIÓGRAPHO , s. m. Chronista , Chro- 
nographo. D. Fr. Mau. Epanaf. 

HISTRIÃO , s. m. O que representava mas- 
carado nos antigos Theatros ; hoje o Farcista , 
que faz habilidades de saltos , e jogos de mãos. 
Fieira. 

HO , em vez do artigo 0. Leis del-Rei D. Ma- 
nuel , e a sua Crónica por Góes : antiq. 

HO , s. ant. xMerenda. Elucidar, "dar hum hó?^ 
HOBOÁ. V. Oboé. (, do Francez Hambois ) 
HODIERNO , ad]. De hoje , deste dia : pou- 
co usado. 

HÒGE. V. Hoje , como dizemos. 
HOJE; usa-se adverbialmente ( de Ãoí e die ter- 
mos Latinos ) e significa este , ou mste dia. §. fig. 
Ao presente , agora. §. Até o dia de hoje ; hoje 
em dia , &c. Ferr. Cioso , 2. 2. "hoje em dia.^' 

HOj'EMDÍ A , adverbialmente. Barros, Dec. 2. 2. 
2. e Clarim, c. 79, Fios Sanct. pag. XCF, inda ho- 
je em dií vemos o mesmo : e pag. CLU. -p'. col. i. 
HOLLÃO. Espécie de droga tecida. Reg. das 
Cizas , c. 53. 

HOLOCAUSTÁR , V. at. Offerecer em holo- 
causto. 

HOLOCAUSTO , s. m. Sacrifício , em que to- 
da a victima era consumida pelo fogo. ''oííere- 
cer-se em holocausto.''* H. Pimo. Arraes , 9. 18. 

HOM , s. m. ant. O mesmo que homem ( á 
imitação do Francez on , corrupto de homme. V. 
Condiilac , Gramm. chap. 7. pag. 125. ed. 1780. 
Gramm. General, et Raisonnce , Part. 2. eh. 19. ) 
*'Cá sem razom seria ao afllicto accrescentar hum 
affliçom.^^ Orden. do Sr. D. Duarte Manuscr. 
^ que na Ajons. 2. f. 275, se Ic : Cd sem razom 
parece aaqudle que he atormentado dar-lbe homem 
outro tormento. ) D'aqui os usos de homan sen\ 
artigo , cit. no art. Homem. V. Ined. T. ^ P^S- ^• 
até o fim. para homem concertar a despeza com a 
recepta : empero homem anda no mar : porto segu- 
ro , que homem nom pode ver. 
HOMAXEM. V. Imagem. Elucidar. 
HOMEREÁR , V. n. Hombrear com algUem \ pòi^ 
se em parallelo , igualar-se. Fabul. dos Planetas, 
aprendão os homens a não querer hombrear com 
Deus. §. Fazer hombridade. §. v. at. Levar , ou 



HOM 

HOiMKREIRAS , s. f. pi. Patte do vestido , que 
cobre os hombtos. §. V. Uuibrciras da porta. Lf(- 
su. Transf. f. loi. f. '^bombiaras do portal,^' 

HOMLRIDADE , s. L o ar varonil , de iiomeni 
bem apessoado. Scg. Cerco de Dm , /. ^64. "a 
graça e dombrulade.^' §.Altlveza,subctbã de se igua- 
lar ao Superior. Caria de Gma. §. Desabro do 
animo destemido. Etifr. i. 4. homem q:ie mostra 
hombridade de pòr a boca foiuo em Deus. §. Vi- 
rilidade , ou estorço próprio de vnrâo lorte , e 
constante. Arraes , 2. 7. Hist. dos Far. Jllmr. d<. 
Távora,]. 105. §, Desprezo de melindres , e tra- 
to atemmado ; talvez severidade aftectada. G/fia 
de Casados , f. 92. fallando de um que despreza- 
va os pertumes , diz : (jiíe se o Jazia por hom- 
bridade , era impenmeiícia. §. Favor , e hombrida- 
de de V. S. D. F. Man. Cart. Fam. c. 60. 

HÒMBRO , s. m. A parte do corpo humano , 
donde nasce a raiz do braço , desde ahi até^ o 
pescoço. §. Tratar alguém , fallar-lhe , ou olhá-lo 
por cima. do bombro ; i. é , com desp.ezo , como 
a inferior ; tratar de menor. §. Trazer o olho so- 
bre o bombro, no f. vigiar-se. B. 4- 7- ^^- "^ '^- 
vava tanto o olho sobre o bombro , receando que 
a gente , que virão , fosse trás elles.^^ §. Hom- 
bros , no F. eslorço , torça , activa diligencia : v.^. 
por hombros d obra. 

HOMÉCA , s. f. Barco usado na Conchinchina, 
HOMEM , s, m. Individuo da espécie humana , 
dotado di corpo orgânico , e alma racional ira- 
mortal , capaz de aperfeiçoar as suas faculdades 
por estudo , e observação , ou ensino. §. Ter ho- 
VKm i i. é , protector , que auxilia com favor , 
ou fazenda. §. Homem del-Rei ^ i. é, seu Vassal- 
lo. M. Lus. §. Homem de Deus ; santo , virtuo- 
so. §. Chamamos nosso homem ao su;eito , que 
achamos digno de louvor ; e do contrario dize- 
mos , que níío é o nosso homem. Sd Mjr. Estrang. 
f. 170. §. Homem d' armas ; o que ia á guerra 
armado de todas as peças d'armas , e de ordi- 
nário a cavallo ; donde vem que talvez se con- 
irapói d gente de pé , ou peões. V. Ord. Af. L. F. 
T. 87. §. 5. "seendo já homêes d'armas i""^ e "di- 
zem que querem teer arnezes, e pòem-se (alistào-se) 
por homêes d' armai , nom havendo pêra ello conthia 
(, não tendo bens para as manter).''^ Ord. Af. i. 
/. 420. §. Homem de sua pessoa, diziáo ser o que 
linha esforço , e valor pessoal. B. i. 8. 10. "Ti- 
moja ... era capitão mór , havido por homem de 
sua pessoa:'^ e freq. §. Opposto á gente da ma- 
leaçáo nos navios de guerra. V. Armas. Couto , 
9. c. 20. §. É um homem ; \. é , valente. §. Ho- 
wem , sem artigo, por nenhum homem : v. g. não 
sabe homem corr.o se ha de livrar dãs ciladas 
dos vidos. V. Ined. ^. pag. 6. onde se toma pot 
aquelle que falia de si i e as mulheres também 
o dizem por si. B. Clarim. 2. c. 22. ult. edJc. pag. 
zzy. (^ diz Arnla donzclla ) qualquer coisa que ho- 



HOM 



117 



mem p.)r elle fizer: e a pag. 2:50. onde véi o ho- 
iucm , com o artigo de mais. Ha-os homcm^ de 
trazer nos amores assi mornos. Cam. Anfitr. i. jí". 
2. Filod. 2. SC. 5. Ferr. Com. f. 24. e ^i. ult. ed. 
Ulisipo, Com.f. ^8. f. 118. e 191. £^fr- i. se. ^. 
para subir fica homem niíiis ligeiro : i. é , um ho- 
mem. Cam. Egl. I. Estes modos de faliar são re- 
líquias do Francez , que nos ficarão. V. o are' 
Hom. §. Homem de alguém : v. g. "é meu homem :'' 
meu servidor , criado. §. E' o meu homem : o meu 
valedor , o que eu tenho por excellente. §. Ho- 
mem de rijia , ant. o que vivia nas Cidades, ci- 
dadão , burguez , ruão. §. Homem bom ; de bem i 
íidalgo , nobre. Nobiliar. f. 69. hum homem bom 
irmão dei Rei d' Inglaterra. 

HOMEMZARRlO , s. m. t. chulo. Homem de 
grande corpo, 

HOMEMZÍNHO , adj. Crescido , quasi homem. 
§. it. Homem baixo , pequeno. 

HOMENAGEM , s. f. Juramento de fidelidade , 
que se presta pelo vassallo ao Soberano , ou Se- 
nhor , de quem recebe alguma praça , governo , 
terras , ou feudo. §. A torre da menagem , nas 
fortific. antigas. Leão, Cron. Af. F. c. 5. "forças, e 
omenagem." §. Lugar que se dá como prizâo a 
alguém , donde não poderá sair , até lhe não le- 
vantarem a menagem : v. g. deu-lhe por homena- 
gem , ou menagem a Cidade. §. Tomur menagem j 
i. é , juramento de fidelidade , debaixo do qual se 
promette alguma coisa. Alburq. Comm. freq. 
HOHEZÍO. V. Homizio. Ord. Jf. 
HOMICÍDA , s. com. Matador de qualquer ho- 
mem. §. Usado como ad). "ferro homicida." Lo- 
bo , Deseng. P. 2. Disc. 4./. 156. uU. ediç. Na Ele- 
giada se lè : "ferro homicida tira ao Rei homicida 
ávida." Eneida, 9. 155. "juntamsnte soou o ar- 
co homicida." E assim parece , que esta palavra 
é invariável , como parricida , matricida , injantici' 
da , hypocrita , e semelhantes : v. g. o vigia , a 
e o lingua , &c. mas V. Homicida, *'eu ficaria 
em ser sua homecida." Ulisipo, \. 2. f. 185. «/.'. 
edi^. B. 1.7.1. protestando por todalas religiões se- 
rem homicidos em lOdaLis mortes <é^c, ( últ. ediç.") 
HOMICÍDIO , s. m. Morte de homem. V. Hl- 
mizio. 

HOMICÍDO , ad). Que mata , ou fez morre. §. f. 
Desejos homicidos da vontade. Camões. Eufr. 3.4. 
desejos homicidos do descanso ; i. é , que matão u 
descanço, 
. HOirllCIÈRO , s. m. ant. V. Omizieiro. 

HOivilSÈlRO , s. m. ant. V. Omizieiro , ou Ho- 
miziâo. 

HOiriIZlÁDO, part. pass. de Homíziar-se. §. Que 
tem homizio com alguém. V. o Verbo. 

HOMIZIÁL , s. ant, O mesmo que homiziar. 
Servos , homiziaes , adultérios : Foral de Bragan- 
i^a: escravo-;, matadores, adúlteros. 

ROMZVÃO , s. m. antiq. O que filhou , c es- 
tá 




l\M At.' 



i8 



HOxM 




i?^ 



tá em homizio com alguém, por morte, ou fe- 
rimento , causado nelle , ou seus parentes. Orden. 
Jf r T. 73. não seja aqilelk , qne se defender ( e 
matar ) homiziáo daquelle , que o comtvetter , mm 
de seit linhagem ; i. é , matador punível , e sujei- 
to á pena de homizio ( falia do que se deten- 
de em sua casa , na estrada , &c. ) Em uma Lei 
de 1 368. C nas Ord. do Sr. D. Duarte manus.ritas ) 
se lè : "se o homizio for começado por morte 
de algúo , e da outra parte atá húo anno nom 
for morto , oii cal cousa nom for feiti , que 
11 seja igual aa morte , os parentes do morto es- 
„ colhão húo daquelles , qual quizerem , que di- 
zem que fez o homizio , e todos os outros se- 
" iom quites do homizio.'^ (V. £sprtt des Loix, L. 
28. chap. 20. , e Robenson'$ Htstory of Charl. F. 

Sect. I. pag. 52. ) ^ • , 

HOMIZIAR , V. ar. Fazer com que alguém ma- 
tando , ou fazendo outro damno , fique em ini- 
mizade , ou homizio , com outrem a quem o fez. 
Coes , Cron. Mm. P. ?. c 54- Couto ,4.A.c. 2,. e 

6. 6. c. 7. Ficar elle homiziado com aqaeúe 

Rd : em homizio, fazer com que fique inimiiío 
de outrem , inimizá-lo com outrem. Couto ^ 4.0. 
6. ««tratou de homiziar elReí de Tidore , e os mais 
vizinhos com elles (os Portuguezes ).^' Nenhia 
cousa homizia o homem tanto com sigo , como ma- 
les , <i>c. Çam. Cana 2. para o homiziarem com 
elRei. Castanh. 7. c. 58. ( imputando crime a quem 
querem homiziar) §. — se: filhar homizio, ou 
ficar em homizio com alguém. §. e fig. Esconder- 
se por medo daquelles , com quem se fazia , ou 
eontrahia homizio , e depois , esconder-se da Jus- 
tiça por crime. V. Homizio. , 

HOMIZÍO , s. m. antiq. de Homicídio ; 1. e , 
morte de homem , ou mulher, fazem muitos ho- 
mezios, e//^ríoí. Orden. Af. 4. T. 44. p. 165. ^■^^' 
las Leis antigas de Hespanha , o matador fica- 
va sujeito á pena de pagar; homizio ( pena pecu- 
niária de tantos soldos., segundo a _qualidade , 
porque havia cavalleiros que vingavÃo !$>. sol- 
dos , quando os mataváo , e por taidamento, gran- 
de vilta , ou deshonra , vingaváo 500, soldos , ain- 
daque na Afonsina , L. ?. T. 55. §. 10. se diz , que 
o fidalgo per deshonra, que fizesse a outr.) , 
nom pagava senom 500. soldos ) e ficar por ini- 
migo dos parentes do morto , que tinháo direi- 
to de acoimar, e vingar, ou demandar sicisfaçáo 
da morte do parente ao matador ; daqui vem as 
frases do Nobiliário { f. iBi. e em outros luga- 
res ) Fiihar homizio ; i. é , contrair inimizade , por 
haver feito morte ; daqui a Ordenação , que man- 
da conseguir perdão dos parentes do morto. Ord. 
5. 124. §. 9. ( veja-se Ordenamiento de Akald, Tu, 
22. Lei 1. ) Ficar em homizio , i. é , inimizade. 
Couto , 4. 5. c. 2. Ord. Afons. 5. /. 15- segundo a 
qualidad? do dito omizio , ou amizade : e V. o 
Tu. 75. §. I. e o T. 53. todo. Daqui o provérbio: 



HON 

"esquivança aparta amor, boas obras homizio:''^ 
i. é', as boas obras fazem cessar os ódios, cau- 
sados de mortes , e assacinios dos parentes. Uli- 
sipo , 5. SC. 6. f. 167. O mesmo homizio se filha- 
va , ou se ficava em homizio , ou homizião , alem 
dos casos de mortes, por outras grandes viltas, 
e deshonras ; v. ^. o marido , que abandonava a 
molher , ficava homizião , ou em homizio c'os pa- 
rentes delia, V. Elucidar, art. Omizio JI. §. O 
estado do que andava escondido, por se livrar da 
vingança dos parentes do morto ; e hoje o que 
se esconde por não ser preso por crime : andar , 
estar em — , ou homiziado. 

KOMOCEN TRIGO , adj. Que tem o mesmo 
centro , ou semelhante. 

HOMOGÉNEO , ad). Similar , da mesma na- 
tureza : V. g. a matéria é composta de partes ho- 
mogéneas , ou heterogéneas ? 

HOMOLOGAR , V. at. t. forense. Ratificar pu- 
blicamente. 

HOMÓLOGO , adi, t- geom. Que rem igualda- 
de , ou semelhança de razão : v- g. ''dois triân- 
gulos , cujos lados são homólogos ;'' i. é , cujos la- 
dos são proporcionáes. 

HOMÒiMYMO , ad). Equivoco; i. é , termo que 
debaixo do mesmo som, rem diverso signifca- 
do: V. g. paltna , que no f. significa victoria ; a 
palma no próprio ; e no f". a da mão , Scc, 

HONESTADO , part. pass. de Honestar. 

HONESTADÒR , ad). Que honesta , cora. 

HONESTAMENTE , adv. Com honestidade , de- 
cência. 

HONESTAR , V. ar. Condecorar, todo teu bom 
siso , com que esta minha vida mais honestas. Fttr. 
Carta 10. L. I. §, Ornar. §. Corar , cohonestar. 
Port, Rest. 

HONESTIDADE , s. f. Castidade ; modéstia , e 
continência no olhar , fallar , &c. pudor. 

HONESTO, adj. Casto, pudico. §. f. SuiHci- 
ente , competente : v. g. por honesto preço ; ra- 
zoado. /'V^ honesta fortuna : bens razoado? , ou 
competentes. Ferr. Põem. 2. /, 40. os santos pcstos 
em guarda honesta. Fios Sanct. pag. LXXFIII. 
§. Honroso , razoado : v- g. honestas condições da 
paz. Marinho. 

HONOR, s m. Honra. Perdi meu honor , mal 
dizendo^ e ouvindo pior. Eufr. 2. 4. Barr. Car'iuh.J,f. 
59. "dina de honor.'" §. Dona de honor : senhora 
que serve no Paço ; são senhotas nobres , e viu- 
vas que assistem ás Rainhas : antigamente hou- 
ve Dofízellas de honor. 

HONORÁR. V. Honrar. 

HONORÁRIO , s, m. Dadiva, ou premio por 
serviço , que se dá aos Professores das Scienci- 
as , aos Advogados , Scc. 

HONORÁRIO , adj. Emprego de honra , sem 
emolumento pecuniário. 

HONORIFICAMENTE, adv. Com honra, hon- 
rosamente. ^^' 



HON 

HONORÍFICO , adj. Que traz honra , honro- 
so. §. Que tnz honra sem emolumento , e sem 
pensão : v. g, titulo , emprego — . 

HONRA , s. h Respeito , estimação , que se dá 
a al^ijm objecto em razão de sua virtude , ou 
por motivo de religião ; em razão de Oííicio , 
Ma|5 siMtura , dignidade , merecimento. §. Vir- 
tude no proceder: v. g. "homem de honra." §. Boa 
fama , credito. §. Tratamento respeitoso , obse- 
quioso , religioso , segundo o objecto a que se 
faz. "Como me negais a honra , que se me de- 
ve , já vos compro o beneficio , que me fizerdes , 
antes nunca acabais de me pagar." Aukgr. f. 159. 
■jJ". §. Cargo , dignidade. §. Pudicícia, castidade, 
honestidade, "se as viuvas estiverem em s/t^s hon- 
ras :" viverem honestamente ( Ord, Âj. i. f. 239.) 
ou talvez não casarem mal , e conservarem os 
privilégios do defunto marido. §. Levar algria 
moi^a de sua honra ; deflorá-la. Orden. Couto , 6. 
8. 2. §. t. jurid. Honras eráo terras , onde alguns 
senhores tinhão suas casas, ou solares, e por vas- 
sallos aos visinhos delias, as quáes eráo isentas 
de tributos reáes , governadas por Juizes pos* 
tos por elles , dos quaes havia appellaçáo para a 
Chincellaria ; nellas não entraváo Juizes del-Rei, 
ou Alçadas. As Honras , parece que tinhão diver- 
sas denominações , segundo o modo por que se fa- 
zião , ou con-.t'rniào. V. Paramo , e Amadigo ■■, 
e a Ord. Af. 2. T. 6^. §. 10. Na mesma Ord. 2. 
/. ?44. e 584. se faz menção das malJidias dos 
fdalgos ; e no L. i.f. 160. se lè : "se os Fidal- 
gos fazem novamente tomadas', ou malladias , 
ou comedorias , ou outr.is honras :" por ventura al- 
gum casal , ou aldeya ficaria honrado por ma- 
ladia , de haver adoecido nelle , e haver-se cu- 
rado algum fidalgo ? assim como elles honravão 
em Paramos os lugares , onde se criarão seus fi- 
lhos , porque ahi moraváo os que lorão amos 
( maridos das amas , difFerentes dos ayos ) dos 
f lhos. Então virá maladia de maladie Francez , 
e se 6' tenderia o termo a serviços, e prestaçõ- 
es a enfermos. Outros o derivão de Áfaal , e 
Maal-Aían , Anglo Saxonico , homem tributá- 
rio , ou escravo. V. Elucidar, art. Maladia. §. Hon- 
ras devassas : aquellas terras que perdiáo os di- 
reitos , ou privilégios de honras. M. Lus. Tom, 
5./. 157. f. col. I. %. Ponto d' honra: aquillo que 
alguém faz honra de fazer , ou não sofrer : v. g. 
*'tem isto por ponto d'honra.^^ §. Honras funeraes. 
V. Exéquias. §. fazer honra : honrar. §. Tra- 
tada com honra ; i. é , nobremente. 

HONRADAMENTE , adv. Com honra. 

HONRADO , part. pass. de Honrar. V. §. Ho- 
mem honrado ; i. e , virtuoso moral, ou civilmen- 
• te ^ que é respeitado por tal. §. Homem nobre , 
não fidalgo. Orden. Af. L. 2. T. 60. §. 8. "se for 
Fidalgo , ou pessoa honrada , ou for de linhajem 
honrado.» L. 5. T. 53. §. 20. e L, i. 25. §. 61, Se^ 




HOR 



119 



for FuKAgo , ou Fassallo , ou pessoa honrada .... 
c se Jor de mais pequena condii^om , seja açoutado, 
§. Ales teres honrados , assi como Aifayates , C.apa- 
tciros , Ourivezes , Cindieiros : Orden. cit. 5. T. 20. 
§. 14. e outros mesteres nom tam honrados. 
§. Cortczío , primoroso. §. Que estima a honra , 
e modo nobre de proceder : v. g. "coração hon- 
rado.^j' Fi:i>-íi. §. Conforme ás leis da honra : v. g. 
"acções honradas.''^ Vieira. §. Que dá honra : 
V. g. honradas feridas ; commenda honrada. Viei- 
ra. §. Lug^r honrado ; que tem o privilegio de 
honra. M. Lus. §. Casto : v. g. "mulher honra- 
da." §. Estava honrada ; i. é , intacta , com a 
pureza virginal. §. Companhia honrada j i. é , de 
gente nobre. 

HONRADÒR , s. m. — òra , f. Pessoa que faz 
honra a outrem. Freire, era grande honrador dos 
Ministros da Igreja. 

HONRAR , V. ar. Declarar por honrado ; i. é , 
nobre , digno de honra , e estimação , louvan- 
do com palavras , cnnobrecendo com emprego , 
cargo , commissáo , que se confia de pessoa de 
merecimento , e virtude. §. Resj)eitar , venerar : 
V. g. honrarás teu pai , e tua mai. §. Tratar com 
com coitezia. §. Dar culto religioso. §. Assistir 
por obsequio , e fazer . honra. §. Dar privilegio de 
honra : v. ^. honrar hum casal. M. Lus. 5. /! 159. 
§. Honrar : celebrar honrosamente ; v. g. honrar 
a memoria , com elogio , louvor , monumento. 

HONRAS , s. f. pi. de Honra. Honras funeraes, 
V. Exéquias. §. Honras milhares : as demonstra- 
ções de respeito , que se fazem aos militares de 
certa graduação j v. g. nos seus enterros , &c. 

HONROSAMENTE , adv. Com honra , honori- 
ficamente. 

HONROSO , adj. Que traz , ou faz honra : 
V. g. titulo , posto , ofjicio , dignidade , recebimento , 
palavras — ; morte , triunfo — . §. Honrado : "em 
gente , inda que honrosa." Lus. 8. 7. 

HÒNTEM , adv. No dia, antecedente ao de ho- 
je. _§. f. Ha pouco tempo. §. Usa-se com prepo- 
sições : V. g. desde hon tem , até hontem. 

HORA , s. f. A vigésima quarta parte de um 
dia natural. §. Não via a hora de chegar a seu 
Remo ; i. é , desejava muito chegar. Aí. Lus. §. An- 
da para cada hora a mulher ■■, i. é , está múi 
próxima a parir. §. Por hora ; i. é , agora. §. Ho- 
ra Um , hora o'itro ; i. é , uma vez um , outra 
outro. §. Md hora : expressão vulgar negativa : 
V. g. má hora que me pesasse, Ulisipo , / 8. -jt''. 
i. é , náo me pesou , ou fora má hora , a em que 
me pesasse. §. Em boa hora , ou embora : modo 
de fallar, com que concedemos, approvamos. §. He- 
ras , no plural : livro com o Officio de N. Se- 
nhora , &c. §. Horas Canónicas ; as do Breviário j 
i. é , as preces , salmos , 8cc. que se recitáo a. 
certas horas nos coros , ou cada Sacerdote em 
sua casa. §. Agora : v. g. ba hora isto bem dias ; 

por. 




■l^sA )\^ 



I20 



HOR 



wf "jF' 



por, ha longos tempos. Etifr. Prol. §. Pessoa de 
iodas as horas; de humor igua , que sempre es- 
S do mesmo \,ordo. E^fr Prol % Vn aqueho 
ras; i. é. a deshoras. tarde. E^fr. i- 6. §. Bff- 
m hora a algum negocio, oujssoa, .. e boa 
nccasiáo tempo de bom humor. E'4r.i. 4. §.;'Nao 
louTíoTlora-r a minha veya poética ne sem- 
pre me corre. Fm, Pom. %. Dar a boa hora de 
nW%a coisa: v. g. da chegada a algue , dar-lhe 
ofembora: ^araiens. B 4. 4- - ^f^^- "^^''i' 
lhe dava a boa hora da via chegada. J.^- 
quãa hora não era nossa x 1. e , cra-nos intel.z 
ímprospera 5 succedia-nos mal riella ; v. g. em fe.- | 
to de guerra. B. ?. 8. 5- Ao mesmo sentido de 
hora feliz vem nos versos de Lobo Dcseng. P. z. 

''ToRÀRlO, adj. imft^í-; as que mo3tráo a 
hofa no relógio do Sol. §• índice hormo ou 
Gnomon : V. Gnomon ; ponte-ro sobre o G obo 

HORDAS , s. f. Famílias errantes dos Árabes , e 
Tártaros. Gazetas de Lisboa. „ ,. tj 

HÓRDEM , HORDENAQOM , &c. V. sçm H. 

Orden. Afons. , ^ ,. r, a Af 

HORDENÁIRO. V. Ordmarío. Ord. AJ. 
HORDÉOLO , 3. m. t. cirurg. Aposiema , que 

nasce nas extremidades das pestanas , ahas terçol , 

ou torsol. , . , 

HÓRDIM. V. Oráem religiosa. Lima. ínz. 

HORDINHÁIRO. V. Ordinário. ;E'f' ,^\^"!;, .^ 
HORÉLA, s. i. dim. de Hoia C eHulo ) Eujr, 

HORFÕOS. V. Orfao. Ord. AJ. , . „ 

HORISONTÁL , adj. Que respeita ao honson- 
ttf. §. Relógio horisontal j cuja roda se move ho- 

risontalmente. , , t^t „ .,1-, 

HORISONTÁLMENTE, adv. No mesmo pla- 
no do horisonte, e nao perpendicular a elle , pa- 
rallelo ao horisonte fisico. 

HORISONTE , s. m. Circulo que divide a es- 
fera em partes iguáes , e tem por centro ,0 pon- 
to em que está o observador , e este e o Ho- 
risonte mathematico ; o fsico e aquelle extremo, 
em que ultimamente pára a vista , e onde nos 
parece unir-se o Ceo á Terra ; alias horisonte sen- 
sível , ou visivel. 

HORWÍNIO , s. m. Planta , que dizem excitar 
o appetire venéreo. ( horvmum , U ) Madeira 

HORNAVÉQUE , s. m. V. Corna , ou Obra Lor- 

nma. Fortif. Moderna. 

HOROLOGIÁL, adj. Estrella — ; nmz das 
duas , e a primeira , das que estáo na .boca da 

buzina. ^ tj „ •-. 

HOROLÓGION , s. m. O mesmo que Breviá- 
rio entre os Gregos, ou livro de preces, e ho- 

ras canónicas. . ,r^ j . 

HORÓSCOPO , s. m. t. astrolog. V. Ascendente. 



Hora do nascimento d« algué , o astro que jpte- 



HOR. 

HÒRRA , s. f. Madeira nascida debaixo da a- 
gua em Ormuz , que vai ao íundo se a soltao 

hÔrRÈNDARTÈNTE, adv. De modo horrendo. 
HORRENDÍSSIMO, superl. de Horrendo. NMtjr. 

de Sepidv.f. 89- , 

HORPvÈNDO, adj. Que causa horror : v. g. 

çolpes , trovões , cataduras -^ . Fieira. 

HORRÈNTE , p. ptes. ( do Latim borrem ) 
Que tem , ou causa horror : crespo , áspero. "^ 
couraça dos Ruitilos vestia Com as escamas áspe- 
ras horrente." Eneida , 11. 117. 
I HÓRREO , s. m. V. Tulha. Ceileiro. Vergel das 

' Plantas : p. usado. 

HORRIBILIDÁDE , s. í. A capacidade de causar 
horror , e o horror causado : v. g. a hornbiliii- 
de da voz do elefante. Fasconc. Arte. perder a vi- 
da com tal horribihdade. M. L'M. F. Mendes , c. ■ 

I5O. e 167. , rr • 1 

HORRIBILÍSSIMO , superl. de Horrível, — as- 

peitos. Ele?iad.f. 16^-. f. , .> / 

HÓRRIDO , adj. Horrendo : v. g. hórrida bata- 
lha. Camões, os hórridos latidos de Cerbero. M. 
Conq. §. Inculto , áspero. Fieira. Línguas barba- 
ras , incultas , hórridas. Q^iíem mais desprezivd , e ^ 
hórrido ^ue Diógenes^ ( no seu corpo > Barros , 

Gram. f. 268, " ^ ^■ 

HORRÍFERO. V. Horrífico. Camoa , Oitav. se- 
gundas. Temor — . , c • 

HORRÍFICO , adj. Que causa horror fisico no 

corpo. §. Que causa horror no animo : v. g. a 

horrífica tempestade. Camões. Eneida , 9. 125. o 

horrífico Mezencio. a — Megera ; o inferno — . 

HORRIPILAqlO , s. K Atripiamenco dos ca- 

bellos. t. med. . ■, ccu ■ 

HORRÍSONO , adj. De som horrível, Horn- 
sono rumor ?^ M. Concj. Cam. Ectogaó. o pego hor- 
risono suspira : as — vagas proallosas. 

HORRÍVEL , adj. Que causa horror ; medo- 
nho , tremendo , horrendo ; v. g. morte , tormen- 
ta . , r , 

HORROR, s. m. Tremor do corpo por lebre. 
k. f. Grande medo de algum objecto terrível, 
ou temível. §. Grande aversão a alguém , ou al- 
guma coisa. 

HORRORIZADO, part. pass. de Horrorizar, 

HORRORIZAR , v. at. Causar horror. 

HORROROSO , adj. Que causa horror. 

HORTA , s. 1. Lugar onde se ena , e cultiva 
hortaliça , legumes , em pequena quantidade. 

HORTÁDO, part. pass. de Hortar. òariOi , l. 
:. 8- al^um ^engivre hortado á cuch.ída ; mais 
que lavrado com arado , culcivado em horta , e 
pouco terreno , não em grande. 

HORTALtQA , s. f. Couves , altaces , legumes , 
Scc. que se cuUiváo nas hortas. 

HORT4R , v. at. Culcivar em horta a enxa- 
da , e com cultura curiosa. Barros, mats hortado 



\ Kf 2^ 



HOS 

d enxada , q'ic lavrado ao arado, a gente não 
se dava a o jispor( cultivar em grande o gengibre) 
somente hortava algum. B. i. 4. 3. 

HORTELÃ A. V. Ortelãa. 

HORTELÃO, s. m. O que cultiva a horta. 

HORTELOA , s. K Mulher do Hortelão , ou que 
cultiva hortaliças. Camões y Ridond. f. ^zi. "-hor- 
teloas delias são huns Seraphiís.''^ §. Hortelã é a 
herva de cheiro. 

HORTENSE , adj.' Que se cria , e cultiva hor- 
tando , ou nas hortas : v. ^. plantas , arvores — . 
Fas:onc. Not.f. 266. 

HORTO , s. m. Diz-se particularmente do lu- 
gar , onde o Senhor suou sangue. O Horto de 
Gethssmani; horta. §. Umas couves, que crescem 
múiio. f^. do Arceb. 

HORTOLÃO. V. Hortelão. 

HOSÀNiN" A. Termo Hebraico , que quer dizer : 
salvos de perigo , ou damno , ou s.ilvados. 

HÓSPEDA 5 s. t. Mulher que dá pousada nas 
cstdagens , ou quartos de aluguel. §. Fazer a 
coma s-'in a hospeda: tomar as medidas, sem con- 
sult.u pessoa , ou attender a accidente , que nos 
pôde perturbar , e atalhar as determinações. £rí- 
jrcs. ^. 4. §. Mulher a que se dá hospedagem. B. 
Clarim, f. 41. eol. i. §. ant. Esposa , mulher. Elu- 
cidar, art. Hospeda. 

HOSPEDADO , p. p. de Hospedar. §. Hospeda- 
do, a Fé entre elles não seria hospedada , e de 
pouca dura : talvez erro , por hospeda ? Feyo , 
Trat. 1. f. 10. f. que está de passada, como o 
hospede , não arraigado , nem de assento. 

HOSPEDADÒR , s. m. O ^ue hospeda gratui- 
tamente. 

HOSPEDAGEM , s. f. Gasalhado, que se dá gra- 
tuitamente , ou por dinheiro. §. Hospedaria. B. P. 

HOSPEDAR , v. at. Dar hospedagem , receber 
em casa , e dar gasalhado gratuito , ou por di- 
nheiro. 

HOSPEDARÍ A , s. f. Casa de agisalhar hospe- 
des. §. por hofpedagem. B. 2. ?. 5. 

HÓSPEDE, s. m. O que agasalha o passagei- 
ro , ou pessoa que vem de tora áqueila terra. 
§. Passageiro. §. A pessoa que é agasalhada , e 
recebe esse benefício. §. Dono d.i estalagem. Ç. £s- 
tar hospede ; i. é , novo , v. ^. — em algnma ar- 
te , ou sciericia : fazer-se hospede. V. Novo. 

KOSPEDÈIPvO , s. m. O inspector da hospe- 
daria , o que cuida delia , e dos hospedes. 

HOSPÍCIO, s. m. Habitação , domicil o ;, p. u- 
sado. §. h Hospício da miséria , da desgraça : i. é , 
lugar, ou pessoa , em que ha misenãs, desgra- 
ças. § Co.i vento , ou cnsi religiosa, pequena, 
onde se agisalhão os Religiosos da Ordem , que 
passào pela terra ^nde está o hospício. §. Hos 
piralidade. "viol.-rem a Santa Lei do hospício.''" 
Couto f 4.9. 4. Hospcclagem que se faz a al;uem. 
Z,íts. 2. 26. o hoipicio qite o crsí Dwmcdes dava : 

Tom. JI. 



HOU 



111 



e 2. 81. vedem o hospicio da deserta areya: o 
desembarque , e estancia nas prayas. 

HOSPITAL , s. m. Casa onde se curáo doen- 
tes pobres. §. Onde se agasalháo hospedes , e vi- 
andantes pobres. 

HOSPITAL, adj. Que pratica , onde se obser- 
va a hospitalidade, "a raeza hospital.^' Sabell. Ln~ 
nead. i. 2. 9. 

HOSPITALÁRIO , adj. Da ordem da cavalla- 
rii do Hospital , ou Cavalleiro de Malta. 

HOSPITALEIRO , s. m. O que serve , e tem 
inspecção nos hospitáes. §. Que dá hospedagem 
por caridade. 

HOSPITALIDADE, s. f. A virtude de dar hos- 
pedagem , e gasalhado aos amigos ; ou aos po- 
ores peregrinos , e estrangeiros : as obras des- 
ta virtude, "caridades , e hospitalidades.^'' Couto , 

5. 2. 8. ^ . 

HOSPODÁR. Titulo do Principc de Valaquia. 



Gazetas. 



HOSTÁO , s. m. antlq. Deste termo se cor- 
rompeo , e formou o outro Estão , ou Estaos, 
V. Estaos. Leão, Ong.f. 115. Hospedaria. 

HOSTE , s. f. antiq. Tropas , exercito para fa- 
zer guerra. Nobiliário. Ulissea. Eneida , 10. 15-. 
se Imçarão em meto das hostes do inimigo. Cou- 
to, ç. u 9. i Ital. Oste ) §. Inimigo que nos faz 
Síuerra. Heira , T. 4. f- ^zi. Pinto Pereira y 2. 

HÓSTIA , s. f. Victima dos sacrifícios dos pa- 
gãos. §. Roda delgadinha de massa de pão ázi- 
mo , sobre que o Sacerdote diz as palavras da 
Consagração , a qual se converte por ellas no Cor- 
po , Sangue, Alma, e Divindade de Christo. 
§. Hóstia pacifica; nos Sacrifícios judaicos, a vi- 
ctima ofterecida para alcançar , ou agradecer be- 
nefícios. §. Hóstia Immaculada ; o Cordeiro Ciu- 
cincado , o Redemptor. 

HOSTIL , adj. De inimigo , que esta de guer- 
ra : V. g. invasões hostis; procedimentos hostis; 
animo hostil ; i. é , de fazer damno como inimigo. 

HOSTILIDADE, s. f. Acção inirriga, de guer- 
ra, com que o invasor, ou invadido se tentâo 
fazer mal hostil , e inimigamente. Freire. 

HOSTÍLMÈNTE , adv. Como inimigo , que es- 
tá de guerra, para qne hostilmente profanassem , 
<ò^c. Guerra do Alem-Tejo. estar hostilmente na 
Cidade. 

HOUSIA. y. Vssia. 

HU , adv. antiq. Onde , ou aonde : v. g- nao 
cries galíinhds hu mora rapoza. Eufr. B. Lima, 
Eglogi 16 , a mel vai-se buscar hu hacolmeas: 
e logo : hu se me foi o gado í hu te kvão os pes , 
Bieiío amigo'. Eufr. \. 6. M. Lus. T. 5. /• ^i». e 
',19 c derivado do Francez ou, que se pronun- 
-ia u. Com preposição clara, da terra , ú Auti- 
rão O aver. 0?d. Af. 5. T. 49. §• i- Respondenw^éc 
t terra de hu era natural. Lopes , Cton. J. i» 
P.UC.Z9. Q «^'' 



121 



HUM 



HUCHA , s. f. ant. Ucha , arca , cofre. 
HUCHÓTE , s. m. antiq. dim. de Hucha , ou 
XJcha. Co frete , arquete. 

HUGONÓTE, adj. Herege Calvinista. Ribeiro. 
HUGUÍCIO , s. m. Ined.^^. 66. e chama-lhe ha- 
guicio a estn tal proposição irónica ( falb de um 
conselho , que parecia util a um terceiro , pa- 
ra desviar o aconselhado de lhe fazer outro bem) 
contraria do verdadeiro entendimento de q-íevn a pro- 
fere levantando bum pouco a voz. V. Elucidar. 
SuppK ■ 

■ HÚI , inrerj. que denota espanto : "hui por 
mim/' Ferr. Bristo ., z. ic. 8. -D. fr. Man. Cart.y. 
Cent. ç, e em mais partes. 

HUIVADÒR , adj Que huivJ. os lobos — . 
HUIVÁR , V. n. Dar huivos. 
HUIVIÁR.. V. Huivar. Bernnrd. Lima, Egl.i^. 
HÚIVO , s. m. Guincho aturado do lobo , ou 
cão , quando andáo ao cio , oa tem fome , ou 
está fechado , &c. 

HÚLA , HULO : Palavras coTipostas de híi e 
dos artigos a, Q o, que signihcào onde está a, 
onde o : v, g. ^'hulas honras devidas í" ( por eu- 
fonia se entremette o / ) Na Fida do Arceb. vem 
nlla , ullo , erradamente. Leão , Descripç, "ullas ri- 
quezas? ullos thesouros dos antigos íveis da Per- 
_ sia í" i. é , onde estão , que é feito delles ? '■'■ullas 
' partes que deixamos a Deus i" V. Ulò. 
HUM : por , hu , onde. Doe. Ant. Eiucidar. 
HÚM , interj. com que chamamos alguém , ou 
lhe pedimos , que olhe para nós. Eufr. z. 4. 

HÚM , adj. numeral, de unus latino: -úo sei 
porque os Etymologistas se obstináo a escrever 
€ste adj. com h , já que nem o pede a Ecymo- 
logia j nem a pronuncia , que não é aspirada. 
Duarte Nunes ao Lião , Ortografo Etymologista , 
diz ( nas Regras gerdts , f. 280. ediç. de 1784. ) 
que hum se ha de escrever pelo costume , que 
náo carece de razão ; mas a que elle dá é sem 
fundamento , _e falsa. "Porque se dixeramos um 
e uus , ua e uas , causana duvida , por se encon- 
trarem com outras dicções de Uiffcrente signifi- 
cado." Mas i.° hum , r>dj. com h polo contrario 
se confunde com hiim , interjeição , o que não 
succede a um : z.° estou para ver as outras dic- 
ç.ões de diferente significado , jquc se confundão 
com uma ou tia ,' umas ou uas : 3. ° mas que- 
a nossa as tivesse , nós mudamos de ortografia 
em coma de comer , e coma nome ; casa nome, e ca- 
sa verbo ; passe nome , e verbo ; e seiscentos outros 
de ortografia idêntica , e sentidos tão diversos ? 
Seguirei por tanto a Etymologia conforme com 
a razão , e o exemplo do bom editor Craesbeek , 
que imprime sem h as Décadas de Barros , e Cou- 
to. V. Um , Uma. 

HÚMA : variação femin, de Hum. V. Úa' , ou 
Uma. 
HUMÁGEM. V. Imagem. Doç. ant. 



HUM 

HUMANADO , part. pass. de Humanar. Christo 
— . Mon. Lus. T. 2. Deus • — . Fios Sanct. f. 175:. 
■cl. 1. 

HUMANÁL , adj. Humano ; v. g. carne — sub- 
sistente. Burros., Cart.f.^^. natura — . 

HUMÀíVAIViÈínTE, adv. De modo humano, 
conforme á natureza humana lim-:.'da , e fraca, 
§. Com sentimentos , e mostras de humanidade. 
Lus. I. 49. ^'humanamente os recebia." 

HUMANAR , v. at. Reduzir ao estado , condi- 
ção , e misérias do homem , da creatura. Seu Di- 
vino poder tanto humanou , porque o humano em 
Divino se tornasse. Cam. Son. 241. §. No fig. fazer 
a alguém humano , benéfico , afFavel , compassi- 
vo. §. Humanar-se : fazer-se homeni , tomar a 
natureza de homem : v. g. o Ferbo Divino hu- 
manou-se , e padeceu por nós. §. f. Fazer-se hu- 
mano , benigno , affavel. '■•hmtanou-se Christo , 
accomodou-se á fraqueza humana." Paiva, S. 1. 

HUMANIDADE , s. f. A natureza do homem. F. 
do Arceb. i. 5. §. f. Benignidade compassiva ; 
brandura de condição ; lhaneza sem suberba. Lo- 
bo, com piedosa humanidade dobrarão estai lagri- 
mas. Barros, i 6:5. -f. col. i. §. Humanidades : 
Letrras Humanas , boas arres , a Grammatica , 
Rhetorica , e Poesia , a Musica , a Filosofia ,■ 
&c. Ler humanidades no ColLgio. Agtol. Lusit. . 

HUMANÍSSIMO ,. Superl. de Humano. Ferreira ,^' 
Põem. 

HUMANÍSTA , s. c. Pessoa dada ao estudo das 
Humanidades. Severim. 

HUMANO , adj. De homem ; i. é , que tem 
corpo orgânico , e alma racional , e é sujeito á 
dor, morte, de faculdades limitadas, sujeito a 
aíFectos , e paixões, &c. §. Dotado de humani- 
dade , no f. §. Lettras humanas. V. Humanidades. 
F. do Arceb. i. 19. "Lettras que por mais appra- 
ziveis , e dignas de serem sabidas de todo ho- 
mem , lhe chamarão os antigos humanas.^^ |. Us 
humanos ; por , os homens. Camões. 

HUMECTÁR , V. at. t. de Med. Humedecer 
com diluentes. 

HUMECTATÍVO, adj. t. de Med. Que hume- 
dece. ' ' 

HUMEDECER , v. at. Fazer húmido , com agua,' 
talvez até embrandecer. §. — se : fazer-se hú- 
mido. 

HUMEDECÍDO , part. pass. de Humedecer. Hú- 
mido por arte, ou trabalho. 

HUMÈNTE : por Húmido ; poet. a noite — . 
Põem. da Destruirão d'Hespanha. p. us. 

HUMERÁRIA , adj. Feya — ; que passa pela 
clavícula ao hombro ; t. de Anatòm, 

HUMIDADE , s. f. O ser húmido, §. Abundân- 
cia de fluido , que reçuma , ou revê do corpo 
lento. %. A — do ar , da noite ; da tara uiva- 

Ihada*' 

HU- 



^^..^ífflS 



HUM . 

HÚMIDO , nd). Que rem partes a(jnosas , e li- 
quidas. §. r. e vulgar , Homem húmido ; inconti- 
nente. 

HUMILDADE, s. F. Virtude, que consiste no 
conhecimento do nada que somos , e na praf- 
ca conforme a este conhecimento , retreyando o 
enteaJimento , e o amor próprio , onde a Re- 
ligião , e a tazáo dictáo ; su)cirando-nos , e obe- 
decendo aos superiores ; não ttatando com suber- 
ba aos próximos , &c. §, f. Baixeza , vileza : V, g. 
— do tiacmicuto , do trajo. Lobo. 

HUMILDADO , p. p. de Humildar. Feiro humil- 
de , abatido , humilhado. 

HUMILDAR, V. at. Fazer humilde. §. Hmnil- 
àar-se : "Divindade , a que se k'/múdavão?^ B. i. 
5. 2. Fios Sanei. f. 176. f. c. 2. /ízar. c. 70. "/;«- 
tnil.lar nossas almas ao Senhor" 

HUMÍLDE, ad). Dotado de humildade. §, f. Mo- 
desto. §. BraxQ , pobre : v. g. nascimento , paii 
humildes j geração — , trajo — . §. Frase httivil- 
de ; i, é , baixa"', do vul^o. Lobo. §. Sem brio , ple- 
beu : V. g. vingan^'^ — . Lobo. §. Humildes viai- 
das , habito , trato , ojjuio — , modo de vida — . 
§. TSáo alto , rasteiro : v. g. a herva humilde em 
f c;?;p/jn -^ ío dos altos troncos. 

HUMILDEMENTE , adv. Com humildade. 

HUMILDÓSAMÈNTE , adv. Humildemente. Ord. 
Jfons. Prol. '■'HMmildosamente pedimos aa sua cle- 
mência." 

HUMILDÒSO , adj. V. Humilde. Barros , Cart. 
humildosa oraRo. Contenenças — . Ined. l. SM' 

HUMILHAÇÃO. V. Htmiliacãe. 

HUMILHADO, part. pass. dè Humilhar. 

HUMILHAR , V. at. Abater o suberbo , faze- 
lo humilde. Jrraes , 2. 20. §. H/milhar a cerviz 
ao jugo : su)eitar-se , render-iC. Ulissea, 4. 89^ hu- 
milhar «ínV na^ão altiva; domando-a corri guer- 
ra , cansando-a , &c. não so humilhar n^^cÕes. M. 
C. I. 85. §. Humilhar: L se Camões sofjbesse hu- 
milhar a grandeza do seu engenho : \, é , acomo- 
dá-lo ao 'assumpto humilde das Eglogas. Surru- 
pita , Prol. ás Rythnfís de CavAoes. o tyrano hu- 
milhará vossa vtda , mas não vossa verdade. Fco , 
Trat. z. pag. i^i. ^. §. flmúbãr-ie: haver-se hu- 
mildemente', fazer mostra de humildade a supe- 
rior i V.- g. ajoelhando , í>tc. ' Barros : "todos se 
punhão em juelhos como se tivessem noticia da 
Divindade , a quem se htmilbavão:/^ fctzendo. de- 
monstrações de animo humilde. Couto y 10.7.9 
Âui Gomes se humilhou , e aceuo't a mercc , é-c. 
Jdém , ^. 7. 10. o Bíirnagais se lhe humilhou to- 
do. §. Humilhar-se , servindo minisietios humildes. 

HUMILHÒSO : por, Humilde: Amo do Dia de 
J-íizo i t-jlvez por humiitoso. N';t.i: 

HUMILIAq.tO,s. f. Hr.mildade de- animo in- 
terior, e espontânea. § I)emons=nçáo externa de 
humildade ; v, g- ajuelhanJo , abaixando a cabe- 
ça , &c. í :/una. achar-ie sem tão bom lastro ionio 
%e a hum.l.açáo. 



HYD 



í^3 



HUMÍLLIMO , superí. dè Humilde. Cam. Lus. 
4. 54. humíllima miséria. . 

HUMILMÈNTE, adv. Humildemente. §. Com 
modéstia. §. Baixa , e vilmente. 

HUMIZÍA, s. f. ant. huma humizia , e sessen- 
ta pré os. Elucidar. 

HUMOR , s. m. Liquido que gira , e circula nos 
vasos do corpo humano , e nos d .s pKmras , pa- 
ra a vegetação de ambos os corpos. §. t. Boa , 
ou má disposição do animo , bordo : v. g. enar 
de bom , ou mão humor. 

HUMORAL, adj. Que consta de humor: v. g» 
hérnia humoral de sangue. 

HuO : por , Um , ou Hum. antiq. Resende , H. 
de Évora. ( de Mo Lat. )' 

HUQUER, s. m. Embarcação Asiática Cntan.6. 
c. ^5. §. Composto de hii e quer ; onde quer. 

HÚRCA. V. Ur ca. 

HUSSÁRDOS , s. m. pi. Gente de guerra de 
Huniiria , e Polonir,. Gazetas de Luboa. 

KUSTEDA , s f. ^'•Hmtedas , e hustedúhas ; dro- 
ga de lã." Artigos d.is Qzãs , cap. 5^ Y.Usteda, 

fíUYVÁR. V. Hiivar. 

HY , adv. relat. V. /. _ 

HYACINTHÍNO, adj. De Hyacintho , ou Ja- 
cinto flor. Camões , Eleg. 6. flores — . 

HYADAS , s. f. pi. Sete estrellas no Signo de 
Tauro. Âvellar. 

HYCHARIA. V. Vcharia. 

HYDRA , s. f. Uma serpente mui vistosa , e 
venenosa, §. Serpente de muitas cabeças-, que 
cortadas C fingem 03 Poetas ) tornaváo a renas- 
cer ; daqui a frase , secar a hydra ; fazer impos- 
sivel : Eufr. 5. 4. ou tentar acabar , o que nao po- 
de ter fm-,. f>. Constellaçâo austral , que consta de 
25. estrellas. Camões. 

HYDXARCrÍRO , s. m. t. de Quim. V. AloUgU^. 

HYDRÁULICA, .s. f. Parte da F sica Mathe- 
matica, que ensina a conduzir, e levantar as 
aguas, e fazer máquinas, que servem para as 

clcvâr 

HYDRÁULÍGO, s. m. O que snbe Hydraulica." 
§. Que pertence á Hydraulica , adj. v. ^. v.iaqHX' 

na — . T • o 

HYDRIA , s. f. Vaso para agua. UUssea , 1. í'9. 
Ai bydrias de cristal se sepuhavão; em neve, pa- 
ra as resfriar. ''O uso á.xs hydrias.'^ Cita, Serm. 

P' ?^6- , , , j 

HYDROj.s.m O macho da hydra, serpen- 
te aquatil. §. Constellaçâo nova , que Ktpler d.Z 
constar de zo- estrellas ; é austral mai, que a 
Hydra , está entre, o Tucano , ea Doirada. 
HYDROCÉLE , s. f. t. de Med. Hérnia aquosa. 
HYDROCÉPIÍALloys-m. t. de Med. Hydropesia 

da cabeça. , ,, ^, , 
HYDRODYNÀMICA , s. f. A parte da AiCcha- 
ivca , que se, versa no conhecimento dos prin- 
cípios , leis , e elíeitos do mov.mento dos Ou- 



■ 





\m i< 



HYM 



í?y 



124 

dos. Michan. de Mãrie, 

HYDRÔGENO, adj. Que gera, ou produz a- 
gua : V. ^. g(t^ — . t. de Chymica. 

HYDROGRAPHÍA , s. f. Desciipçáo dos ma- 
tes T a Arte de Navegar ; v. g. mapas d'hydro- 
graphia ; professor íí'Hydrographia. Faiconc. NotU. 
HYDROGRÁPHICO, adj. Que respeita á Hy- 
drographia : v. g. cartas — , descripcões — . 

HYDRÓLEO , $. m. Composição Medica de 
agua , e olcot 

HYDROMÀNCIA, s. f. Adivinhação por meyo 
■da agua. Barres, i.fol. 18^. 

HYDROMÀNTICO , adj. Que respeita á hy- 
drotnancia. 

HYDROMÉL , s. m. t. de Med. Agua-mel. 
HYDROMETRÍ A , s. f. Arte de medir as aguas, 
HYDRÒMETRÒ , s. m. Instrumento usado dos 
Chymicos , para conhecerem as gtavidades especi- 
ficas das aguas putas , e principalmente das impre- 
gnadas de quaesquer substancias ; e quanto mais 
impregnadas estão , mais eleváo e suspendem o 
bydrometro. 

HYDROPESÍA , s. f. Inchação em qualquer par- 
te do corpo , por agua , que se derrama , e ajun- 
ta ahi ; é doença acompanhada de sede insaciá- 
vel. §. 1. Desejo insaciável : v. ^. — de honras , 
riquezas , dignidades. Camões , Oitavas L Fieira, 
era hydropesia de tormentos. Macedo , Domin. hy- 
dropesia de dignidades. 

HYDROPHOBlA, s.f.t.de Med. O medo, ou aver- 
são , que os mordidos de cão danado tem á a- 
gua : a doença do mordido por cão derramado. 
HYDRÓPHOBO , s. m. Doente de hydrophobía. 
HYDRÓPICO , adj. Doente de hydropesia. §. f. 
IVIúi desejoso , sequioso , sedento insaciavel- 
mente : V. g. — de honras ; de sangue innocen- 
te , ó^c. 

HYDROSTÁTICA , s. f. Parte da Mechanica , 
que trata do equilíbrio das forças oppostas dos 
corpos fluidos. Mechan. de Marte. 

HYEMÁL j adj. De inverno : v. g. Solsticio — ; 
hyberno. 

HYÈNA , s. f. Fera quadrúpede parecida ao lo- 
bo , que tem quatro dedos em cada pata , e um 
bolsinho entre o ano ,60 rabo : dizem que 
contrataz a voz humana , que faz parar o ani- 
mal , em roda do qual anda três vezes ; que 
acode á musica branda , e ao som delia se dei- 
xa açaimar. Cam. Egl. 7. §, Um peixe deste no- 
me. ( Hyena , £. ) 

HYGRÒMETRO, s. m. Instrumento físico para 
observar a humidade , ou secura do ar atmos- 
férico. 

HYMENÈU , s. m. Poet. Fab. Deus das vodas. 
§. fig. As vodas. 

HYMNO , s. m. Composição poética em lou- 
vor , e honra dos Deuses ; ou de Deus , e seus 
Santos. 



HYP 

HYÓISDE , adj. t. de Anatom. Osso — ; que está 
na extremidade d.i lingua. 

HYOISDÉO, ad]. t. de Anat. Pegado ao hyoisde : 
V. g. Cartilagem hyoisdéa, 

HYPÁLLAGE , s. f. Figura , que consiste em 
se inverter a ordem da expressão dos pensa- 
mentos , como V- g. dizendo : traz o perfume as 
atiras : em vez de ; trazem as amas os perfu- 
mes das fores. Também dizemos de ordinário : 
mover alguém a compaixão ; onde parece ser hy- 
pallage : mova ás estrellas magoa , dor d gente ? 
HYPÀNTE, s. t. Grego. A Festa da Purifica- 
ção. 

HYPÉRBATO, ou HYPÉR EATON, s. m. Fi- 
gura Grammatical , em que se não guarda a or- 
dem natural da construcção : v. g. quebrar aqui 
terei a nau em nada : por , terei em nada o que- 
brar a nau aqui. Eneida , 10. 75. Que mais pu- 
blica muito , que palavras. Camões. 

HYPÉREOLE , s. m. Figura Rhet. Exageração , 
encarecimento , com que se representa alguma 
coisa : V. g. fere o clamor os Astros : vão as on- 
das orvalhando as estrellas. §. s. f. t. geometr. Fi- 
gura circular : — oval ; usa-se femin. 

HYPERBÓLICAMÈNTE , adv. Por hypcrbolc 
Rhetorico j exageradamente. 

HYPERBÓLICO , adj. Encarecedor , exagerador: 
V. g. homem , ou palavras , e estilo hyperbolicos. 
§. Linha — ; i. é , da hyperbole Geométrica. 

HYPEREÓREO , adj. Do Norte. Camões , e Cos-^ 
td na prosa. 

HYPERCATALÉCTO , adj. Verso Latino , que 
leva uma syllaba de mais. Costa. 

HYPERCRÍTICO , s. m. Critico , censor áspe- 
ro , e acre. 

HYPERDULÍA , s. f. Culto que se dá á Hu- 
manidade de Christo , ou á Santa Virgem. 

HYPERMETRÍ A , s. f. Figura Poct. ou Gram. 
que consiste em dividir uma palavra em duas : 
V. g. seie-centos. 

HYPHEN , s. m. Sinal ortographico ; é uma li- 
nha curta horisontal , que divide as dicções ; v.g. 
olhi-branco , Amo-cephalo , ^-r . 

HYPOCÁUSTOS , s. m, pi. Fornos soterrane- 
os , com que se aquecia a agua dos tanques dos 
banhos. 

HYPOCENTÁURO , s. m. Monstro fabuloso 
meyo homem , e meyo cavallo. Fios Sanct. pag. 
LXFIJI, col. I. 

HYPOCONDRÍA, s. f. Melancolia. V. Hypo- 
condriaco% 

HYPOCONDRÍACO , adj. Doente de hypocon- 
drja , ou vapores , que sobem ao cérebro , e cau- 
são tristeza. 

HYPOCÒNDRIOS , s. m. pi. t. anatom. As partes 
laieráes da região superior do baixo ventre. 
HYPOCRÈWE. V. o Diccion. da Fabula. 
HYPgCRISÍA, t. f. Mostras falsas, dissimula- 
rão 




hf^^^itw i:r 



HYP 

çáo de religião , piedade , e devoção. 

HYPÓCRITA , s. ou adj, invariável. Pessoa que 
usa de hypocresia. Edit. da Aícsa Caisoria , 22. 
de Dezembro de 1768. algum espirito desordenado , 
hypocrica , e fanático ; mulher — . 

HYPODIÁSTOLE , s. m. t. ortogr. Hyphen ás 
avessas , antyphen. Barreto. 

HYPODÓRiO, adj. Aíodo — : modo de can- 
tar ma's baixo , e grave , que o Dorioi 

HYPOGÁSTRICO , adj. Do hypogasrrio. 

HYPOGÁSTRIO, s. m. t.de Med. A parte inferior 
do baixo ventre. 

HYPOLYDIO, adj.t. de Mus. Modo — ; i. é, mais 
baixo, e grave, que o iydio. Fernandes. 

HYPOMIXOLÍDiO , ad), c. mus Modo — i é o 
oitavo dos modos da Musica , que com sua mel- 
lodia alegra, feruandes , Arte ^ j. 12^. 

HYPOPHRYGIO , ad|. c. mus. Modo — ; a que 
hoje chamáo quarto. Fernandes , Arte da Mus 
f. 12^ f. 

HYPOQUÍSTIDOS, s. m. t. de Farmac. Sumo de 
herva Putegas , espessado. 

HYPÓSTASIS , s, f. Supposto, ou pessoa : t. de 
Mecaphys. 

HYPOSTÁTICAMÈNTE , adv. De modo hy- 
poscacico. 

HYPOSTÁTICO ,adj. União — ; i. é , de duas 
naturezas em um «íígeito ; v. g. da Humanida- 
de , e D.vindade em Christo , tazendo , ou fi- 
cando uma só Pessoa. 

HYPOTHÉCA , s. f. Obrigação dos bens de 
raiz a alguma divida; a qual é consensual, fei- 
ta por convensáo dos contractantes ; jííí^ifM/ , se 
for teita á ordem do Juiz ; e legal , se se fizer 
quando a Lei manda ; v. ^. a que o pupillo em 
virtude da Lei tem nos bens do seu tutor. 

HYPOTHECÁDO , parr. pass. de Hypothecar. 

HYPOTKECÁR , v. at. Obrigar bens de^raiz ao 
pagamento , ou livramento de alguma divida , ou 
obrigação , e segurança do credor. 

HYPGTHECÁRIO ; adj. Conccínente a hypo- 
theca : v. g. ac^ão — . §. Credor — ; a quem hy- 
pothecáráo bens. 

HÍPOTHENÚSA, s. f. t. geom. O lado do tri- 
angulo rectângulo , que fica opposto ao angulo 
recto, o quadrado da — he igual é"C. Euclid. 

HYPÓTHESE, ou 

HYPÓTKESIS , s. f. Supposição , que se faz de 
que é verdadeiro, ou certo algum facto, ou prin- 
cipio : V. g. de que a Terra se move em redor 
do Sol ; para delle , e por elle dar razão , e ex- 
plicar vários eíFeitos , e fenómenos ; ou se veri- 
ficar alguma coisa , como consequente da hypo- 
ihese também verificada. 

HYPOTHÉTICAMÈNTE, adv. Por hypothe- 
te , suppondo , mas não dando por certo. 

HYPOTHÉTIGO , ad). Fundado em hypothesc, 
iHYfOTYJPÓSIS , s. f. t. rhetor. Descnpçáo ani- 



IBE 



1^5 



mada , pintura viva , que faz grande impressão. 

HYRERICÃO, s. m. Herva de S. João. 

HYSÓPE , s. m. Hastezinha com cabellos na 
ponta , ou bola furada , com que se borrila com 
agua benta o povo nas Igrejas. 

HYSÓPO , s. m. Herva de bom cheiro. ( hys- 
sopmn , í. ) 

HYSTÉRICO , adj. Que respeita ao hystcris- 
mo , procedido delle : v. g' accidentes — , acha- 
ques , doeni^as — . 

HYSTERÍSMO , s. m. Doença das mulheres , 
que procede do utcro , ou madre mal disposta , 
ou atacada por humores acres , &c. t. de Med. 



1, s. m. Lettra vogal , a nona do Alfabeto Por- 
tuguez : separei aqui as palavras que come- 
ção por 7, das que começão por ^P, por serem 
Lettras tão diversas , que uma é Vogal , e outra 
Consoante. 

I , adv. relativo , usado sem preposição , ou 
com ellas ; equival a esse lugar , essa época : v. g. 
*'í vos contámos.'^ Barr. Clarim. "í estavas tu ?" 
Ferreira , Bristo. d'i , para i , de i ; dès, i , ai, 
per i. Ajunta-se ás vezes á preposição a com ou- 
tras : V. g. à' a i , per a i. Vem do Francez y , 
e os nossos Escritores lhe fazem preceder um h 
contra a Etimologia, escrevendo hi ou hy. V. 
Inedit. I. /. 594. JJe hy , dès i , des hy , des y : 
depois d'isso, Ord. Afons. Prol. Jned. 2. 552. vem 

I por ide , imperar, de Ir. B. ]. i. 8. Senhor i 
tomar o passo , porque nelle está nossa vida. 

IA. Com estas vogáes puras representamos sons, 
em que o a deve ser precedido do y '• v. g. iya 
( de iL^at ) tiya , liya de ler , friya , riya de rir , 
&c. nós não dizemos secamente ri-a , ti-a , vi-a. 
Quando o artigo o j a, se segue aos pretéritos em 
í , entremetie-se por eufonia y: v, g. "eu yi-ya 
hontem ; vi-yo hoje :^'' para evitar o hiyato , co- 
mo fazemos com n em buscão-no , bmcdrão-no , 
ferem-no. Feio contrario dizem : v. g. "f^ conheci-ya 
muito bem, e miãitas vezes a viya na praça;'* 
ou ''eu viya-a na praça.'' Um ouvido attento 
distingue isto míãito bem , e que o ^ de viyn 
é precedido de uma consoante , que rão prece- 
de ao outro a artigo relativo em "eu viyii-^ acs 
Domirngos á Missa.'' Nos pluráes c bem clara a 
necessidade do n antes do artigo por eufonia : 
V. g. "elles v\yh-no , fcriyão-no das lanças , &c.'^ 
Pronuncie cada um o vi apartadamente do a de 
via , como vulgarmente se escreve , e distingui- 
rá bem de vi-ya como realmente soa, o ^ que 
é o que soa em Idé-ya , fc-ya , cá-ja, cai-j/?, 
&c. porque cair não porque se escreva cahir. 

IBE, s. f. Mausinho,J. 122. f.huma torpe Ibe 
deu. V. Ibis. IFI- 



■ 9 r 




tt^-i 



ICO 

IBÍRAPITÀNGA. v^ Pao Brasil, ou Brad'. 

ÍBIS, s, f. Ave ao Egypto i espécie de cego- 
nha , q'ie se nutre de serpentes, e taz nellas gtan- 
de d'escraifáo , era venerada dos antigos T.gypcios. 

ÍCA , s. f. antiq. chulo. Moça do trato , con- 
cubina. 'Ulisipo , Comed. f. 4. este meu amigo ti- 
nha hmna iça , e huma das noites passadas cian- 
do elle em casa da amiga. V. /. 215, e 155. f. 
Mayãs de Oscar , Orig. T. 2. /. 295. 

iqÁR, V. at. Levantar as vergas, e as veJas 
para' navegar. Freire. 

I€HACÒRVOS. V. EchaCorvos. Ord. AJ. 2. 7. 

an. LV.f. 128. , / . , 

IGHÂO , s. m. Medida itinerária , que e igual 

a 6 - léguas Portuguezas. Lucena. §. V. Elckâo. 

Jned.\. 107. era Icháo Ao Infante. V. Uchao. 
ICHNÈUMON , s. m. Rato da índia. Barrete. 

( Ichneumon ) , 

ICHiNOGRAPH-ÍA, s. f . Delmea^çao , ou planta 
em ângulos, e linhas, de alguma Praça, For- 
taleza , ou ^dificio. , ^ 

ICHNOGRÁPHIGO , adj. Concernente a Icnno- 

graphia. 

ICHÓ , s. f. Armadilha de caçar coelhos , e per- 
dizes da feição d'alçapáo. Arte da caça , /. 97. 
líesende , Cron. J. 2. c. 128. o faz. mascul. §. Ou- 
tros dizem Icho% no sing. e no pi. Ichozes. 

ÍCHOR , s. m. Matéria podre , ténue , e sntil , 
que deitáo de si as chagas, e apostemas , distin- 
ta do pus , ou matetia crassa j espécie de sorc- 
sidade ; t, cirurg. 

ICHÓZ. V. Icho. 

ICHTYÓPHAGO , adj. Que se sustenta , e ali- 
menta de peixe. 

ICÓLEMO. V. Ecónomo da Igreja. Orden. Ajons. 
2. 59. 12. pag. ?50. 

ICÒNICO , adj. t. de Pint. e Escult. Fe'to ao vi- 
vo , ao natural : v. g. retrato — ; estátua — . 
Nimes , Arte de Pint. f. 40. Chama Iconicas Ima- 
ges , porque era costume em a cidade Olímpia , 
donde se disserão Jogos Olimpiss , q^pe aqtulks q.'fe 
vencião ^. vezes a estes , lhe fazião retratos do 
tamanho do seu corpo , e muito ao natural , a es- 
tas chamão Iconicas , &c. para fazer o tetrato bem 
ao vijo , e iconico. Id. f iio. ult. cdic. 

ICONOCLASTA, ou ICONOCLÁSTE , s. c. Des- 
truidor de Imngen? ; nonv que se deu aos he- 
reges que ncpaváo dever-se culco a nennuma 
Imagem , e as desuuíáo on:ie as achaváo. 

ICONOLOGÍ A , s. f. t, de Pint. e Archit. Re- 
presentação das virtudes, c vi-ios moráes , ode 
Qualquer qualidade d'alma , representada por meyo 
de alguma fi;.;ura com apparencia de pessoa vi- 
va : V. g. os Anjos repreicitados como moços, 
o Eterno Fidre como ancião , &c a Fortuna co- 
mo uma mulher vendada ; a Prudência como es- 



IDE 

;;elho , e serpente , enroscada nelle , &c. 

ICTERÍCIA, s. f. Vulgarmente fel derrama- 
do , que faz ficar o corpo extraordinariamente 
amarello ; é doença , e o termo Medico : a que 
traz amarellidáo se diz icterícia branca ; ha outra 
espécie delia chamada negra, que tem diversa cau- 
sa : tiricia. 

ICTERIGIÁDO , adj. Atericiado. P. Ribeiro^ Re- 
laç. I. 

ICTERICIÁR. V. Atericiar. "que tem ictericiado 
aquelle corpo." P. Ribeiro , Rda:. i. 
^CTÉPaCO , adj. Doente de "ictericia. 

ÍDA , s. f. O acto , ou acção de ir. 

IDADE, s. f. O tempo, que alguém tem vir 
vido , ou viveu , desde o seu naciinento : v. g. 
''tenho trinta annos de ida(>.e.^^ §. Uma p^rte dos 
annos que alguém vive , dentro dos qunes se 
diz ser menino, joven , homem , Scc. v. g. ida- 
de pueril , juvenil , e varonil. §. Éra , ou sécu- 
lo : V. g. idade de oiro. Sá Mir. §. Época na 
Chronologia ; a primeira idade desde a criação de 
Adão até o Diluvio , &c. mas é arbitrário fazer as 
idades , ou épocas. §. Idade da Lua ; o tempo que 
passou , desde que ella foi nova. §. Idade , no 
compi-to das gerações illustres , é o espaço de 54. 
annos. Severim , Not. f. 86. 

IDÉA , s. \. (melhor idéya ) A imagem do ob- 
jecto , que se appresenta á alma , ou a percepção , 
e conhecimento d'essa imagem. Lus. 10. 7. edios 
Barões . . . cuias claras ideas vio Proiheo ; i. c , 
imagens de homens que havião de ex_stT. §. Ima- 
gem , eximplar , molde , modelo, nao me propo- 
nho mostrar uma idea de santidade para todo g(- 
rero de virtudes. Resende , V. do Inf. c 1. §. De- 
senho , traça. §. A Suprema idea ; por, Deus. M. 
Conq i. 87. §. Formar. ; ter ; dar idea de algu- 
ma pessoa , ou coisa : idea elara , obscura , diain- 
cia , confusa ; adequada , ou inadequada ; comple- 
ta , incompleta ; são os diversos gráos de perfei- 
ção , ou imperfeição , com que a alma percebe , 
ou conhece as coisas. 

IDEADO , p. p. de Ide^r 

IDEAR , v. ar. Traçar , desenhar alguma obra 
na mente. Fieira, o livro , que tenho ideado. Fa- 
rella. o que os Polnicos idearão. 

IDÊNTICO , ad). t. Lo-ico : V. g. proposii^ão 
idêntica ; i. é , que é a mesma , e não àivcrfa 
de outra : escrever livros idcnticos ; i. c , que di- 
zem o mesmo que outro, sem novidade, r.em 
variedade. Prov. da Dcd. Cron. foi. 297- ordens 
idênticas ás que fcão nfcridas ; 1. c , conformes 
cm tudo ás mesmas. 

IDENTIDADE , s. f. l. Lógico. Qualidade de 
.ser a mesma coisa , e não diversa : rcjeiar-se os 
embargOí. pila identid.ide du matéria, , ou por não 
conterem matéria nova , m.is o mesmo que já 
se expòz. Nas 5. Pessoas Divinas ba identidade 

d( namrcza, 

IDEN- 



ff 



IDO 

IDENTIFICADO , part. pass. de Identificar, ri- 
cir/i , 4. H. 12. 

IDb'.NTlFICÁR , V. at. Fazer de duas, ou mais 
coisas , uma só , e a mesma. Barreto , Pmt j. 
14. sendo o amor hioii ter lho identifica. Fiei- 
ra, as Pessoas Divinas se itnem todas ( nãa fal- 
lo bem ) se identificao todas em hlt^na só essência. 
T. y./ 100. 

IDÍLIO, s. m. Poema campestre Pastoril ; em 
alguns se tem introduzido pesc.idores , chamados 
por distinção idílios mzruimos. Sívenm. (^ idyllinni) 

IDIOMA, s m. Linguagem, Língua. 

IDIOPATHÍA , s. t. Doença de qualquer par- 
re do corpo , em que elia só padece, estando o 
mais são : t. medic. 

IDIOPÁTHICO , adj. t. med. Doença — ; que 
oftende um membro , sem dependência , ou com- 
municaçáo do mal com outro membro , V. ^. a 
catara^ra no olho. 

IDIOTA, adj. invariável no género. Mulher, 
ou homem idw.a ; ignorante , sem estudos , let- 
tras , nem instru çáo ainda leve, e ordmana. 
Fios Sanct. p. 15^. f. Barr. Dial. f. 234. Fieira, 
6. f. :^. "povo idiota.^^ Nanfr. de Sepnlv. "hum 
idiota '.^■' ( SC. homem ) como subst. íen/H os idio- 
tas pTz com a virtude. H. Pinto , Ferd. Amiz. c. ip. 

IDIOTÍSMO , s. m. A ignorância do idiota , ou 
das coisas , e noticias vulgarissimas. Dcditcc. Cron. 
Jot. !<;. §. Modo de bliar , frase , construcção 
contraria ás regras da Grammatica Filosófica Uni- 
versal , mas propr a de algum idioma em par- 
ticular ; ou contraria ás regras de uma Lingua, 
mas própria de alguma Piovincia , e nelia usa- 
da universalmente : v. g. eu parece-me , por , a 
mim parece-me , ou parece-me, Note-se porem , que 
os idiotismos são mais ruos do que se cuida, 
sendo universalmente usados; talvez são ellipses 
V. g. eu parece-me ; i. é , eu , quanto o entendo , 
pare.e-me &c. ha dias ; \. é , o tempo ha decor- 
rido , ou passado dias : ha hotnens ; i. é , a espé- 
cie humana ba ( tem , posjue ) homens : nesta 
terra ha boas frutas { ha a. gente , tem a gente ) 
&c. vi mim me parece , é uma repetição por mais 
energia , análoga a vi com estes olhos ; Scc. 

IDO , p. p. de Ir, "eráo idos ( os capitães ).^' 
£, 2.J.. 5. no supino , "se haviáo ido." tem-^e ido 
}a muita geme. §. part. ^Hdo elle." Feo , 7r. i. 

/• 247- f- 

IDOLA , fem. de ídolo. Eujr. frei], "a. minha 
idola ;" i. é, a am.ante a quem adoro. vi. i. se. 
I. Ulis.f. 165. f. 

IDÓLATRA, adj. invariável, m. e fem. Pes- 
soa que adora os ídolos. §. í. O que ama mui- 
to , e com aíFecto desordenado. §. Prciprio de 
idolatra : v. g. "■idolatra cegue ta.." Ftriatn , 10.55. 

IDOLATRADO , p. p, de Idolatrar. §. fig. Mui- 
to adorado , e amado : v. g. bdkza — : o viçiu 
entronizado i e idolatrado, 



IGN 



127 



m 



IDOLATRAR , V. at. Adorar Ídolos. §. f. Amar 
míáito , adorar o objecto amado, arrependido de 
ter idolatrado as estatuas da ingratidão. Fieira y 
Cart I KJ. Tom. 2. 

IDOLATRIA, s. f. Culto Religioso dado aos 
ídolos. §. h Amor excessivo , adoração do obje- 
cto amado. 

ÍDOLO, s. m. Imagem de falsa divindade, a 
que CS Idolatras , e o Gentilismo dão culto. 
§. Objecto múi amado , adorado. §. Idéya , ou ima- 
gem do objecto , que se appresenta ao entendi- 
mento. Arraes , i. 5. imagem fantasiada. ArraeSy 
B 23. formarei hum ídolo, e idea de Deus. 

IDÒNEAMÈNTE, adv. Com aptidão; propor- 
cionadamente, poderião idoneamente serviras Igre- 
jas. F. do Arccb. 5.2. 

IDONEIDADE, s. f. Aptidão, proporção, ca- 
pacidade de uma coisa , em ordem a outra , ou 
a algum fim. Feo , Tr. 2. f. 179. 

IDÒiNíEO , adj. Apto , próprio , capaz , perten- 
cente, sufficiente. Anaes,i. 17. os ministros idó- 
neos da sua Jgreja. Fieira, idóneo para tão ár- 
dua empreza : pessoa idónea para tão grande ne- 
gocio. M. Lus. tempo idóneo para receber purgas, 

IDOS , s. m. pi. Os Idos dos mezes entre os Ro- 
manos cahiâo no dia 15. de cada mez ; exceptos 
os de Mayo , ]ulho , Março , e Outubro , que 
eráo aos 15. jH. Lus. a sua conta começa des- 
de os 8. dias antecedentes , i. é , desde o fim das 
Nonas. 

IDOSO , adj. Homem ,de annos , velho. 

ÍDUS. V- Idos. Idus é mais conforme á Ety- 
mologia. Costa. 

IFÀNTE , ou IFFÃNTE , antiq. por , Infante. 

IGACÁBA , s. f. t. do Brasil. Talha grande. Fas- 
concellos , J^otic. 

IGÁR , V. at. Igualar , emparelhar. Barr. 2, 5. 6. 
Nuno Fas , quando se igou com os Bumcs ; i. e , 
chegou a distancia de pelejar. V. Iguar. 

IGARVÀNA, t. do Maranhão. Homem navega- 
dor. Fieira. 

IGJNÁRO , adj. Ignorante. Camões , Outavas 2. 
e Eneida , 10. 222. o povo — . 

IGNÁVIA, s. f. Priguiça , inércia , deleíxo , 
frouxidão , negligencia , falta de industria. Costa. 

IGNAVO , adj. Priguiçoso , não industrioso , 
inactivo , inerte , indiiigenie , deleixado. §. En- 
torpecido : V. g. a morte ignava , e fna. Eneida , 
II. 203. e 9. 22. "t:ra-me deste medo , e anciã 
ignava." §. Fraco , covarde. Guerra do Alem-Tcjo. 

ÍGNEO , adj. De fogo , que tem a sua natu- 
reza. §. De fogo , e luz. "oí ignecs cdrros do 
famoso mancebo Delio." Lus. 7. 67. §. Còr de fo- 
go , ardente, em letras ígneas entalhado^ um avise. 
Uliss. 4. 54. 

IGNÍFERO , adj. poet. Que traz fogo : v. g. 
igniferos pellouros ; o ignií^ero aposento , i. é , on- 
de ha fogo , o Inferno. Uliss. A- 17. 

IGNI- 






IGNIPOTÈNTE , adj: poet. Epithcco , que se 
dá a Vulcano ; Senhor do fogo, que tem o to- 
íco em seu poder. Eneida , ii. I7^ 

IGNITO , adj. Feito em brasa: v. g. "ferro 

miiío.'^ p. us. .£.,.„„ 

IGNÍVOHO , adj. poet. Que vomita fogo . v. g. 

Etna — . . , r „^ 
IGNIZÁR-SE, V. refl. Accender-se em togo. 

jyova S>imma TheoL p. us. 

iGiVÓBIL , adj. Baixo , vil , humilde : v. g. tias- 
timmto—, não nobre. Macedo : Luo, D^^^Jf^l' 
f.cji.f. E nmhti Iftgarmho de seu Ârcebtspado Imí- 
ve mn obsci*ro e ignóbil... me f'c. 

IGNOhlLIDÁDE , s. f. Falta de nobreza , hu- 
mildade , baixeza : v. ^. — do nascimento. 

IGNOMÍNIA , s. f. AíFronta , deshonra , inta- 

IGNOMINIOSAMENTE , adv. Com ignominia , 
deshonra : V. JJ. momíí--. j , , 

IGNOMINIOSO , adj. Que deshonra, deslustra, 
desdoura o nome ; aífrontoso , infame , vergo- 
nhoso : morte , castigo , pena , palavras , epubetos 

'"ignorado , p. p. de Ignorar. Que se nao sa^ 
bc. §. Vulgarmente se diz por estranhado. 

IGNORÂNCIA , s. f. Falta de noções , noti- 
cia , conhecimento ; imperícia, dizet-me que terra 
he esta . . . qfie por ignorância delU [ por nao a 
conhecer ) mo caya em algum descuido, Falm. ?. 
f. 149- f' §• Ignorância vencível , a de que ai- 
euem se pode tirar com diligencia , que nao ex- 
cede as suas faculdades. §. — mvencml , pelo con- 
trario , a de que se tíáo pôde sair sem meyos 
extraordinários. , , , 

IGNORxVnTE, adj. Que esta no estado de 
ignorância. §. Imperito. §. Náo sabedor. 

IGNORANTEMENTE, adv. Sem saber , impe- 
fitamer^te. Fios Sanct. pag. çn. «peccára í^/o- 
rantemente.''^ 

IGNORAR, V. at. Náo saber; v, g. ignorais 
leis , e a doutrina. §. Náo conhecer. Naujr. de 

Sep. f. 6q. 

IGNOTO, adj. Desconhecido : v. j?-. í^nvií igno- 
tas. Eneida, 7.28. a ignon Espanha. Lus. 8,45. 
§ Mulher ignota ; de obscura condição , que n n- 
gaem conhece. Leitão , Miscell. §. Palavras igno- 
tas ; cu)o sentido se ignora. Leio , Ortg. J. 1 47. 
palavras j4 ignotas aos d'aq'iú\e tempo. %. im 

1 ignota , muito mais ignota em nome. Coutnil:o,J. ^ 

IGRANAM1XÂ.MA, s. f. Fruto do Brasil, co- 
mo cereja , em em baixo uma coroazinha de to- 
lha verde. Fa^conc. Not. Lá chamáo-lhe vol-ar- 
mente gruniixàma ; são vermelhas ^ ou roíxas. 

IGREJA, s, f. A congregação dos tieis de- 
baixo de seus legítimos Pastores. §. I<i reja Uni- 
versal : todos os fieis unidos em uma so cren- 
ça , e Baptismo, que reconhecem por seu^ Pas- 
tor universal 45 lcg'tim.o Succvispr de S, l earo, 




IGU 

§. o Templo , ou Casa de oiaçáo. §. f. Os Ec- 
clesiasticos. 

IGREJÁRIO, s. m. ant. Pequena Igreja. Elu- 
cidar, it. Todas as igrejas , de que se failava. 

IGREJÍNHA. , s. f. Pequena Igreja : dim. de 
Igreja. §. Desmanchar a igrejinha ( tr. Iam. ") i. é , 
o projecto , desenho , obra. 

IGREJÒA , s. f. Igreja grande , donde talvez 
vem Grijó , que ourros dizem ser diminutivo, 
de ecciesiola. V. Elucidar, art. Egreijairo ^ T. i. 
pag. 591. col. I. 

IGUAL , ad). Que tem a mesma grandeza con- 
tínua , ou numer.ca , que outro. §. Da mesma 
natureza , e qualidade , ou sorte , física , ou mo- 
ral : V. g. 05 espíritos iguaes ao nascimento. §. Con- 
forme : V. g. as obras iguáes ás palavras §_. Sem 
excesso, ou diminuição : v. g. repartirão—. 
§. Em que se guarda a igualdade , ou equida- 
de. Ferreira, Carta 1. L. i por kis j^mí^í, iguá- 
es , f justas, "sáo apassionados , e haveis-lhe de 
pôr nome dt iguaes.^' Feo , TrM. 2. /. 49* e. 2. 
§. Esteve Marte igual: fr. poet. i. é , a victoria 
indecisa. Ad. Conq. 11.28. §. Que não se alte- 
ra , ne.m perturba : v.^. animo , sembUnte igual. 
Arraes , 1.5. §. Dizemos tg'iai a \ v. g. esta va- 
ra é igual d^Uella : mas também damoi» por com- 
plemento outras preposições a este adiectivo ; 
V. g. grangeou para as obras dos seus antepassa- 
dos fama igual com a q'ie já tinhão. Hht Dom. 
P. X. Addiç^ão de Bemjica. '■'•p.ira q'te ficasse igual 
d'elte." Marros y i. L. 7. c. 7, Camões, Fdodemo y 
Ato I. SC 7. namorar-se de q-im M) hc x^aild' 
ella. E se o valor de vossos amadores Houver de 
ser Igual com vosco me.ma. Cam. Son. 7,i. %. Es- 
tando as cuis.is em igual (^ceteris partbus) Pal- 
mer,P. 5, c. ^i. §. Por igual ,:iáv. igualmente: 
V. g. estimando por igual a vida , e a morte. 
IGUALADO, part.^^pass. Ac Igualar. 
IGUALADÒR , s. m, O que iguala. B. P. 
IGUALAMÈNTO , s. m. O acto de igualar. §. O 

ser feito igual. 

IGUALANQA , s. f, antiq. Igualdade, 
1GUÁLÁ.R, v. at. Fazer igual em extensão, 
altura , largura , grossura , espaço , número , gran- 
deza : V, g. se igualara com a noite aq-fstle jogo ( se 
jogisse toda a noite > Eneida ,9. 81. §. Fazer 
igu.d em condição, ou estado moral, e predi- 
camentos: V. g. a natureza igualou a todos nos 
direitos da conservai^ão , <ò'C. o dinheiro íguaU de 
algum modo as condiiõfs , e estados. Ferreira , 
drta iT,. do L. 2. ir a justi;a a todos igualan- 
do. §. Jgualar a alguém tm alguma arte ; ser-lhe 
1 ^u;il. *UguabH na pintura aos mayores mestres 
via arte.'-' §. Ser ig-ial fisicamente Elegiada , J. 
lâi , vem-sç \':itles c'o tempo igualar serras, "a ter- 
ra' de Bengila , Fértil de sone , que outra náo 
lhe i^uaii.'^ Lus. 7. 20. §• Eneida , 8. 86. neutr. 
£ iduala Q Dms em ^sta getuiloa : frauta tunhu- 



IGU 

mt ha íJU! n ma Iguale ; i. é , íe)a igual á tua. 
Ferreira , Egl. 9. theatro , q'ie igualava com as va- 
randas do Pa^o. Port. Rest. Tom. i.f. xi^.£d em 
foi. §. Aplanar : v. g. igualar o caminho c]'4e tem 
altih.iixos. §. Arrasar : v. g. igualar os montes com 
a pl.tntcie. §. Ign.tlar , entulhando , a cava , a Viil- 
la. Freire. §. Arrazar a medida. §. Assentar por 
igual : V. g. o marfim por lastro , min bem Arrit- 
m tilo , e igualado para servir de cama. Hist. Naut. 
Tom. 2. f. ;i t. §. — se , apassivado. não faltou a, 
este triunfo para se igualar com todos os dos Ro- 
manos. Couto , í^. 4. 6. 

IGUALDAÇlO , 8. f. Repartlçáo por igual : 
V. g. dos moços de servir , e trabalhadores , po- 
ios moradores do lug.ir. Doe, Ant. 

IGUALDADE , s. h Identidade , "semelhança de 
grindezi , razão , proporção ; extensão , lançamen- 
to , altu-a ; condição, estado, sorte , torcuna , 
circunstncias. §. Ópposto a variedade : Semelhan- 
ça , bica de mudança , alteração : v. g. igualda- 
de do animo sempre o mesmo ; do caractvr nxo mu- 
dado. %. Do estilo : Modo de tallar uniforme , 
seti ostentação , nem variedade de figuras. §. L- 
quidade. Ferreira , Egl. 6. onde a juuica , onde a 
igualdade morai Natural — . Ord. Aj, z.j. Í09. 
Deus de cujo saber , e igualdade não podemos du- 
vidar. Cathec. Rom. 488. 

IGUALDÃNÇA , s. f. ant. Igualação , igualda- 
de. Ord. Af. 1. S9. 21. por se guardar — entre 
atjítelles , ã que S'C. 

IGUALDÁR , V. ant. Igualar , v. g. impondo 
fintas , sem excepções de pessoas. Doe. Ant. 

IGUAJLÈZA , s. f. Igualdade; equidade. Sua fé , 
slmprez.^ , e igualeza. . .iehuve. Resende, LeU.f.ij. 

IGUALHA , s, f. Pessoa da sua igualha ; i. é , 
sua, ou seu igual em condição. B. Per. trase vulg. 

IGUALMENTE, adv. Com igualdade, demo 
do igual , proporcionado : v. g. "repartir iguM- 
mente /'' dando partes . iguáes áquelle a cjuem se 
reparte. §. '■^ IgU.tlmcnte d dor minha ser chora- 
do Não podia em meu versa o meu Ferreira.^' 
Carjfinha , Epi^t o dono do navio , q'te tinha igunl- 
mente de nobreza, e compaiúo. Lobo, Deseng. 
§. Aíoverse o corpo igualmente ; sem se accele- 
rar, nem retardar o seu movimento em nenhum 
tempo , que dure. §. Com equidade. §. Sem acei- 
tação de pessoas , ou causas. §. For igual : v. g. 
*'o campo declina , ou ergue-se igualmente.''^ fig. 
Amar igualmente. Igualmente formusa , c discreta. 
§ Igualmente morrem os Reis , e o vulgo. ^.Te- 
mia os inimigos igualmente que os cidadãos. 

IGUÁR,'v. at. ant. Igualar : emparelhar-se. 
*^ig 'arão o Garavo ,^^ .empirel^arão-se com elle. 
Ined. 2 ^42. e f. 5^8. '■^tguou-lhe o vento do Po- 
nente :** ventou-lKe. 

IGUARIA, s. f Manjar, vianda delicada. §. fig. 
Acções , que strvem de iguaria ao% murmuradores. 
Guia de Casados, 

Tm. 11. 



ILI 



I2p 



I IGUARÍQO , s. m. V. EgoAriçp. "que andaváo 
I com as egoas as vacas dos nossos íguarií^os :" 
Ique elles ajuntaváo as suas vacas com as cguas 
delRei , que pastoráo , ou cr;áo. Elucidar. 

ÍLEON , s. m. Anat. Um dos intestinos , e é 
o ultimo dos delgados. 

ÍLHA , s. i. Terra toda rodeyida do mar , ou 
agua de rio. §. 1. Ilha de ca^as : um qu.>rteirão 
com rodos os seus lados , ou máiras casas jun- 
tas rodeyadas de ruas por todos os lados. 

ILHÁDO , part. pass. de Uhar. 

ILHÁES , s. m pi. As ilhargas, ou vasio do ca- 
vallo , e outros animáes : dar aos tlháes ; alentàt 
cançadamente , dar aos folies. Sagramor , L. 1. 
:. 20. f. 76. "rebentou o cavallo pelos tlháes.'^ 

ILHÁR , V. at. Pòr só de per si , sem com- 
municaçâo , como a ilha , que a não tem coin 
o continente, ilhar o que vai electrisai-'Se , ti- 
'ando-lhe a communicaçáo com o pavimento , 
'vc. Ilhar mn/t portão , ou ponta de terra , abrin- 
do esteiro , por onde entre o mar , e fique ro- 
deyada delle. 

ILHARGA , s. f. Lado do corpo humano , dos 
quadris aré os hombros. §. t Ilhargas: conselhei- 
ros , validos , pessoas , que andâo junto de o^? 
trem. §. Rir até rebentar pelas ilhargas : hyper- 
bole ; rir muito. §. Perseg'iir de dor de ilharga j 
com muita importunidade ; ir. vulg. §. De mão 
na ilharga : fr. vulg. com subetba. §. De ilharga ; 
obliquaiíiente , d'e3guelha. §. Ilhargas: ^v^ho:iSy 
de que se fazem os lados altos dos caixões , que 
não são os tampos , nem testos. 

ILHARGÁDO , s. m. A ilharga, de uma pelle 
ou coiro ilhargado , ou lombeiro. Doe. ant. 

ILHARGUÈIRO, adj, CoUateral. ^. P. desus. 

ILHÉO , ou ILHÉU , 3. m. Hhçta. Barros. 

ILHÉO, adj. Natural das Ilhas Ma.leira , &c. 
ou de qualquer Ilha. 

ILHETA, s. f. Ilha pequena. Eneida, a. 100. 
LUíit. Transf. f. 141. 

ILHÓ , s. m. Furo redondo nas bordas do ves- 
tido , guarnecido de pontos de íio , para que se 
não desfie , por elle se enfia a agulheta com ata- 
cador. Leão , Ortogr. f. z6^. iras ilhoo , para dçno- 
i tar o' agudo. 

ILHOTA , s. f. V. Ilheta. 

ILÍACA, s. f. V. Ilíaco. 

ILÍACO , adj. Dor — : vólvulo , ou volta do 
ileon , de que se causa não poder sair o excre- 
mento , acompatihada de grande dòr. §. Feya tlia- 
ca , é um dos ramos descendentes da veya ca- 
va , que vai peias ilhargas. 

ILICIADÒR. V. lili^ad.r. 

ÍLIO. V. Ileon. 

ILLAÇÃO , s. f. O acto de inferir , tirar con- 
sequência. §. A consequência, inferência, que se 
deduz : v. g essa illação não é boa. 

ILLÁPSO , s. m. t. ascético. Inliuxo pelo qual 
R Deus 



\ 






v; 



IV 



Deus se communica á alma. P. Manud Bernar- 
des. 

lULAQUEÁDO , p. p. ae lUaquear. Entenàtmcn- 

fo — com sofsnus : consciência — com culpas , es- 
çrdpulos j éi'C. 

ILLAQUEÁR , V. n. Cahir no laço ; f. na ten- 
tação. Fer , e não illaquear , é impossível. F. de S» 
João da Crlíz, §. v. at. Enlaçar , enleyar , enre- 
dar : V. g. illaquear o emendhnento com sofismas : 
illaquear no erro priidencial , ou moral. 

ILLATÍVO , adj. De que se deduz illaçáo : 
V. g. principias illatívos ; juize illatívo ; pelo qual 
se tira alguma conclusão , consequência , inic- 
cencia. 

ILLÉCEBRAS , s. f. pi. Carinhos , caricias , at- 
trativos. Landim : p, usado. 

ILLEGÍTIMAJVIÈNTE , adv. Contra direito , con- 
tra o que as Leis exigem, ou ordenáo. 

ILLEGÍTIMIDÁDE , s. f. Falta de condição , 
circumstancia, ou qualidade, que faz o acto nuUo em 
respeito da Lei , não sendo conforme ao que el- 
la manda : v. g- de pessoa a quem nâo compete 
a acção intentada , do procurador náo-bastante , 
&c. §. Bastardia, 

^ ILLEGÍTIMO , adj. Não legitimo , t\áo confor- 
me aos requisitos da Lei. §. Bastardo. 

ILLÉSO , adj. Que não recebeu mal fisico : 
V. g. caíít , e ficou illeso ; nem moral : v. g. fi- 
tou sua reputarão illesa , e sem labéo. 

ILLIBÁDO , adj. Nâo encetado , não tocado , 
illeso, nem levemente oíFendido. Lei de iz. de 
^ulho de 1769. 

ILLIÇÁDO, p. pass. de Illiçar. Enganado por il- 
licio. 

ILLIÇADÒR , s. m. — ora , f. A "pessoa , que 
illiça. Ord. L. 5. T. 6$.' dos Bulroes , ou Burlões ^ 
s iniciadores. 

ILLIÇÁR , V. at. Enganar áquelle , com quem 
se contrata , vendendo , empenhando , hypothe- 
cando bens como livres, e sem encargo, quan- 
do o illiçador sabe , que a coisa , que vende , 
hypotheca , empenha', já está sugeitã , e obriga- 
da por outro contracto , ou divida : também illi- 
ça o que contráhi dividas , dizendo que tem don- 
de as pague , e não tem com eííeito , quem ven- 
de o que tinha empenhado a outrem ; ou o que 
não tem , &c, Orden. 5. 65. pr. as cousas que il- 
líçou , vendeu , ou empenhou. Sá Mir, "o que a má 
m*alicia inliç^a.^^ 

ILLÍCIO , s. m. O crime de illiçar. Cortes dei- 
Rei D. jT. 4. 

ILLICITAMÈNTE , adv. De modo illicito. 
ILLÍCITO , adj. Não permittido pelas Leis Ci- 
vis , ou Religiosas. 

ILLÍDIR , v. at. Destruir refutando : v. g. illi- 
dir os fundamentos , provas , razSes, Senteni^a da 
Inquisição contra frieira , num. 68. 

ILLOCÁVEL , adj. Que não pôde . occupar lu- 



gar , como os corpos occupão, "Deus c illocd' 
vel.^^ 

ILLUCIDÁDO, p. pass. Illustrado. Fita Christ. T, 
I. Proem. 

ILLUDÈNTE, part. at. de Uludir. Edital do S. 
Ojjido em Julho de 1769. "confessores illusos , e 
ílludentes.^'' 

ILLUDÍDO , part. pass. de Illudir. 

ILLUDÍR , V. at. Zombar. §. Enganar. §. Frus- 
trar com engano : v. g. illudiu os intentos de He- 
rodes. Fieira. §. Não observar , zombar da obser- 
vância : V. g. Carneades illudia os preceitos da BJnto- 
rica. §. Illudir as Leis , e ordens ; nâo as observando 
com algum pretexto , ou frustrando a sua execu- 
ção cora cautella. 

ILLUMIÁDO , part. pass. de Illumiar. Fios Sanct, 
pag. CCX. f. col. 1. 

iLLUMiÁR , V. at. V.liluminar. Flõs Sanct. pag. 
CCX. f. col. 2. assi a illumiou Deus , e a ensino» 
de tal maneira, ó-c. e pag. 156. col. 1. a candeia 
illumiasse a todos. 

ILLUMINAC^ÃO , s. f. Espargimento , ou eífu- 
sâo da luz solar , ou da chama. §. Luminárias 
postas ; ou velas juntas acesas na Igreja , &c. 
§. Pintura de illamina^ão ; a que se faz em per- 
gaminho , como a pintura á tempera , com al- 
gumas differenças da Arte. Sevenm , Not. diz : as 
illumin/tções ; por , pinturas à'illumtnai.J.o. §. Illumi- 
nação Angélica. V. llluminar. §, Illustração. 

ILLUMINADÒR , s. m. O que laz illuminações," 
ILLUMINÁR , V. at. Alumiar , dar luz : v. g. 
O Sol illumina os astros. Fida del-Rei D. J. i: 
§. Fazer pinturas d'illumÍH3çâo. §. lUustrar : v. g. 
illuminar a sua illustrissima família. §. Ulustrar 
declarando ponto doutrinal , ou verdade , com 
que o entendimento recebe luz : illumina am 
Anjo a outro declarando-lbe verdade , que respeita 
a Deus ; illumina os homens , declarando-lbe ver- 
dades , que elles ignorão. .§. Illuminar o discur- 
so ; orná-lo com os lumes , ou esmaltes da elo- 
quência. V. Lume. 

ILLUMINATÍV^O, adj. Que serve para fazer 
illuminações : v. g. cores — . 

ILLUIVíINÚRA , s. f. Uluminaçáo. "para lho 
mandar fazer ( um debuxo ) de iluminura?^ Góes , 
Chron. D. Man, P. 2. c. kj. "na qual arvore, e 
outras cousas de iluminura &c.'^ Id. ibid, 

ILLUSÃO ., s. f. Escarneo , mofa. Jrraes , 5. 
^4. §. Engano dos sentidos : no arco da velha não 
ha cores , senão enganos corados , e illusóes da 
vista. Fieira. §. Engano do Demónio , que faz 
appaieccr uma coisa por outra. §. Falsa appari- 
çáo. §. Erro do entendimento , que toma urna 
coisa por outra , o hlso pelo verdadeiro , o máo 
pelo bom. §. Fig. de Rhetor. de que se uSa pa- 
ra zombar de alguém. 

ILLÚSO , part. pass, irreg. de Illudir. Zomjjado, 
'escarnecido, "puz minha filliA cm perigo de se 

ver 



LU :^ 



k 



IMA 

ver illusa.^'' §. Enganado. Fieira , 4. 11. ty. 

ILLUSÒR , s. m. O cjue íaz illusóes , que en- 
gana, não íllffsos , senão illusores , porque também 
9ftídão, que enganão o Demónio. Vieira , i. n, 17. 
. ILLUSÓRIAMÈNTE , adv. Por escarneo , por 
2ombaria. saudarão , que illusoriamente lhe fize- 
rão no Pretório de Pilatos. Exceli, da Ave Ma- 
ria ^ f. 15. 

ILLUSÓRIO , adj. Feito para enganar ; cm 
que ha engano. 

ILLUSTRAqAO , s. f. O dar luz , e noticia 
clara de alguma coisa ; discurso que dá luz , e 
illustra sciencias , ou passos de Aurores obscuros , 
ou antiguidades. §. Inspiração : v. g. illustraçáo 
Superior , ou Divina. Marinho , Anttg. de Lisboa. 

ILLUSTRÁDO , part. pass. de lUustrar. vossos 
feitos illustrados com outros tiuilos. Couto , 6. 2. 4. 

ILLUSTRADÒR , s. m. — ora , t. Pessoa, que 
illustra. §. adj. Coisa que illustra : v. g. notas il- 
lustradoras ão texto. 

ILLUSTPvÁR , V. ar. Fazer illustre , nobre ; 
ennobrecer, §. f. v. g. com estas Leis ilíustráráo Oi 
Romanos suz Republica. Vascom. Arte. "a Santi- 
dade , com que se tllustrão.'^ Fieira. §. Decla- 
rar com explicações , notas , commeatos , inter- 
pretações , alguma matéria obscura : '■'■illustrar o 
entendimento , com razões , conselhos.-''' §. Illfis- 
trar o discurso ; illuminá-lo. §. intrans. Dar luz. 
Fita Christi , Proem. T. i. 

ILLUSTRE, ad). Nobre, esclarecido por nas- 
cimento , ou méritos. §, íig. Ac^ão illustre 5 illus- 
tre família , posteridade — . ■ 

ILLUSTREMEiSíTE , adv. Nobremente ; de pes- 
soas , ou com pessoas nobres , e illustres : v. g. 
illustremente nascido : casado — . 

IMAGEM , s. f. Figura , representação , seme- 
lhança, e^apparencia de alguma coisa, pintada, 
em vulto , ou im.aginaJa , e fantasiada ; e repre- 
sentada com palavras. 

IMÁGEMZÍiMHA, s. f. dim. de Imagem. 

IMAGINAÇÃO , s. f. Potencia , com que a al- 
ma representa na fantasia algum objecto real , ou 
que ella forma , ajuntando partes heterogéneas , e 
de outras coisas : v. g. Se um Pintor á cabeça 
humana unisse pescoço de cavallo, azas , e pen- 
nas &c. faria um ente de imaginação. §. Imagi- 
narão viva ; essa potencia de conceber , ou per- 
ceber , e representar os objectos bem, e vivs- 
menie. §. Objectos imaginados , ou imaginários. 

IMAGINADO , p. pass. de Imaginar, Que existe 
na imaginação ; que não existe ; sonhado. 

IMAGINADÒR , s. m. — òra , f. Pessoa que 
imagina. 

Ii\lAGINÁR , V. at. Representar na fantasia al- 
gum objecto , que existe , ou que vamos afi- 
gurando , e desenhando ; fingir ; ideyar ; traçar , 
cuidar, 

IMAGINÁRIA, s. f. Arte de fazer imagens de 
Tulto. 



IMl 



Í3Í 



IMAGINARIAMENTE, adv. De modo imagi- 
nário ; só na imaginação : V. ^. - — doente. '-'^ 

IMAGINÁRIO , s. m. O que faz imagens do 
vulto , estatuário. 

IMAGINÁRIO, adj. Que não tem outro ser, 
senão o que lhe dá a imaginação , ou fantasia. 
§. Espaços imaginários ; os que cuidamos existir 
rem tora do Universo. 

IMAGINATÍVA , s. f. Imaginação , ou potea* 
cia , e faculdade de imaginar. '•"/ 

IMAGINATÍVO , adj. O que anda imaginan- 
do , e cuidando coisas , que não existem i e de 
ordinário que o molestão. 

IMAGINÁVEL, adj. Que se pôde imaginar,' 
conceber , e representar na fantesia. Fieira, "não 
só singular , e inaudito , mas não imaginável.^* 

ÍMAN , s. m. Pedra ferrenha , que tem virtu- 
de de attrahir o ferro. §. íig. Attractivo ; quali- 
dade , que actrahe , e ganha a amizade , atnor , 
aíFeiçâo de outrem : v, g- d virtude é o imaa 
dos corações virtuosos. 

IPtlLECILLIDÁDE , s. f. Fraqueza do corpo. F. 
do Arceb. i. c. 2. §. Imbecillidade da razão , do 
^ntendiínemo. §. Falta de valor. 

IMtECILLITÁDO , adj. Enfraquecido.^^rr^ej, 5. 
10. "nos pòs para governo huma razão tão im- 
bectlínada.^^ 

IMBÉLLE , adj. Não guerreiro , não bellicõso.' 
Barros :, 4. 6. i. "gente trac-a , e imhelle.''^ Lusía- 
da , 10. 2a M. Conq. 7. 47- "velhos imbelles;''ue^ 
que não tem forças para servirem na guerra. 
I IMBÚTO. V. Imbuído. Latidim. p. as. 

IMGÍDO. V. Exido. ..'"'' 

IMÍGO , por Inimigo ; antiquado. CamÕés , é OU» 
tros muitos Clássicos. Garção. "Camões diz-ia ími- 
go , eu inimigo.^'' 

IMlTAqÁO , s. f. O acto de imitar. §. Objér 
cto , ou coisa feita á imitação de outra. 

IMITADO , part. pass. de Imitar. 

IMITADOR , s. m. -- òra , f , Pessoa , que imi-; 
ta, §, adi. V. g. A arte imitadora da natureza. 

IMITÀNTE , p. de Imitar. V. o verbo, perlai 
imitantes a cor da Aurora. Camões , Lus. 10. 102. 

IMITAR , V. ac. Fazer alguma co'sa de sor- 
te, que se pareça com outra , que se imita: v. ^. 
a arte im'ta- a natureza ; fazendo os artistas flo- 
res táo parecidas ás naturáes , que se enleya a 
vista , e não pode discernir a natural da contra- 
feita. §. Imitar alguém ; arremedá-lo , obrar , ha- 
ver-se, portar se como elle. §. Ter semelhança, 
frizar : v. g. Os fermosos limões afli cheirando ^ Es- 
tão virgíneas tetas imitando ; i. é , pr.recendo , se- 
melhando. Luúada , f). 56. Arremedar : v. g- P^^r- 
las ricas , e imitantes a cor da Aurora. Lus. ro. 

IMITÁVEL , adi. Qne se pode imitar. Fmra. 
IMIZÁDE, s. f, àntiq; V, Lúnúzaãí. 
IMMACULÁDO , adi. Sem macula , sem man- 



a li 



cha- 




IMM 




cha : fig. sem culpa , nem labeo : v. g. 
culada Conceição da S. Firgem. 

IMMACULÍDÁDE , s. f. A falta , ou carência de 
macula ; o ser immaculado. M. Lus. 

IMMANÈNTE , ad). Aci^ão — ; que fica no su- 
jeito , que a faz ; que náo se communica a ou- 
tro objecto externo ; opposta a transeunte. 

IMMANIDÁDE , s. h Inhumanidade , crueldade. 
P. P. i.f. i8. '■^mimavidade de feras." Cam. Eleg.io. 
diz que a falta de compaixão , ou insensibilida- 
de dos aífectos sena imanidade de jeras. Couto , 
8. 55. a — dos brutos animaes. 

IIVIMANÍSSIMO , superl. de Iramano. Vlissea, 4. 
54. '■'■immanisimas harpias.'' 

IMMÀNO , ad). Cruel , ferino. VUssea ; t. poer. 
IMMARCESCÍVEL , adj. Que náo pode mur- 
cliar. F. de S. J. da Cruz. ^'immarcessiveis açu- 
cenas." 

IMMATERIÁL, adj. Que náo tem a natureza 
da matéria ; náo extenso , náo divisível , &c, 

IMMATÚRO , adj. Não maduro : f. morte — ; 
antes do tempo destinado ; em idade tenra, ou 
juvenil ; anticipada. Camões , Egl. 2. e Eleg. lO. 
*'immatura idade ;" i. é , juvenil ; em flor, no fig. 
IMMEDIÁTAMÈNTE, adv. Logo no lugar que 
se segue , sem ficar outro de permeyo. §. Lo- 

fo no instante seguinte , em continente. §. Sem 
icar outra pessoa de permeyo : v. g. recorrer 
immediatamente a el-Rei ; sem ir a algum Ma- 
gistrado , ou OíRcial , primeiro que a S. Ma- 
gestade. 

IMMEDIÁTO , adj. Pegado , unido com outro ; 
seguinte na serie , sem que fique outra coisa de 
permeyo , ou pessoa. §. Immediaío a alguma pes- 
soa ; i. é , que fica logo próximo : v. g. — na 
graduarão , poder , idade ; que náo depende de ou- 
trem , senão desse de quem se diz immediato : 
V. g. os Soberanos são immediatos a Deus nas coi- 
sas temporáes : causa immediata ao juizo da Co- 
roa ; que nelle se deve começar logo. Irtmedia 



IMM 

a 'mmi-\ terreno , território ^ espac^o ; assumto. Fieira. %. Ex 



cessivo , mui grande : v. g. trabalho — . §. Do/í- 
r^Q — ■ excessiva, immodica. Orden. L. 4. T. 64. 
IMMEiNSURÁVEL , adj. Que se náo pôde me- 
dir , cuja grandeza se não pode medir por meyo 
de nenhuma unidade. §. no f. "Caridade mmen- 

suraveU'' ^ , , 

IMMÉRITAMÈNTE , adv. Indignamente, dcs- 

merecidamente , sem merecimento. 

IMMERSÃO , s. f. O acto de mergulhar o me- 
nino que se baptiza. §. t. de Astron. Entrada do 
astro pela sombra do outro , que o encobre , e 

eclipsa. . 

IMMINÈNCIA, s. f. Lugar alto, cabeço. §. V. 

Eminência. . . 

IMMINÈNTE. V. Eminente. §- Pengo tmmmen- 
te ; instante , que está sobrevindo. 
I IMMÍTE, adj. Não manso. Mausinho,J. I5. y- 
a fera immite. p. us. 

IMMIZIDÁDE. V. Inimizade. Ined. 3. 65. 

IMMÓBIL. V. Jmmovd. Lus. 9- 5?- í^''"- 2-04. 

o — fado. , , , 1 

IMMOBILIDÁDE , s. f. A qualidade de ser im- 
movel : v. g. controverteu-se a immobilidade da 

terra. 

IMMODERAqlO , s. f. Falta de moderação ; 
excesso , demasia ; descomedimento. 

IMMODERÁDAMÈNTE , adv. Sem moderação j 
excessiva , descomedida , demasiadamente. 

IMMODERÁDO , adj. Falto de moderação j des- 
comedido. §. Excessivo ; demasiado. 

IMMODÉSTAMÈNTE , adv. Sem modéstia. ^ 

IMMODÉSTIA , s. f. Falta de modéstia ; mao 
despejo , e desenvoltura ; insolência. 

IMMODESTÍSSIMO , superl, de Immodesto. 

IMMODÉSTO , adj. Falto de modéstia. 

IJWMOLAQÃO , s. i. Sacrifício cruento. Jrraes 
ij. 16. e 18. M. Lus. . í 

IMMOLÁDO , part. pass. de Immolar. Chnsjo 
nosso Redemtor immolado por nossa redenção. 



roa ; que ne e se deve começar logo. mmeaia- nosso ivtuamu, nu...umuw ,.«■ ,.>.-._ _ ""^ J" " 
to ào^Rei; que 5Ó a elle conhece por superior ,U^rro5 , (7wm. /. ij^. fieira. Cbnsto mmohào na 

I I (I- j_.- J„ C.rWr.. 



só delle depende. 

IMMEMORÁVEL , adj. De que não ha memo 
lia , principalmente acercado principio , por mui 
ta antiguidade, Fasconceltos , Sousa , Brito. 

IMMEMORIÁL. V. Immemoravel. De tempo — 
de que não ha memoria quando foi , começou 
V. g prescrip^ão — . 

liMMEWORlÁVEL. V. Inmemoravel. F. de Suso^ 

f. XII. 

IMMENSAMENTE , adv. Sem modo , limite , 
ou medida : v. g. — grande ; misericordioso — . 

IMMENSIDÁDE, s. h A qualid.ide de serimmen- 
so, illimitado por extensão alguma sabida, ou 
imaginada. §. f. Grande número , somma : v. g. 
immensidade de gente , riqueza , despoj{)s , ó-c. 



Cruz. . 

IMMOLADÒR , s m. O que faz immolaçao. 

IMMOLÁR , V. at. Sacrificar victima degoUan- 
do-a , e ensanguentando as aras. "As aras de Bu- 
sitis infamado , onde os hospedes tristes immola- 
va.^" Lus. 2. 61. 

IMMORTÁL, adj. Não sujeito á morte: v.g. 
«a alma racional é ímmortal." §. fig. Que não ha 
de acabar , ou esquecer : v. g- nome — i fama — - 
IMMORT ALIDADE , s- f. A qualidade de ser 
Ímmortal , no próprio , e no fig. v. g. A immor- 
talidade da alma i a immortalidade do seu nome, 

ou fama. 

IMMORTALIZÁDO , p. p. de Immortalizar. 
IMMORTALIZADÒR , ajj. Que immortahza. 



IMMÈNSO , adj. Que não pôde medir-se ; que obras, efeitos . •„,„,„„-! í; F 

n^ tem limites. V^^astiísimo : v. g. immen.«) LUMORTALIZÁR , v. at. Fazer mimorr.l. M. 



awzs 




IMP 

Fazer que dure para sempre : v-g- immortalizar 
sctt nom^ si*a manoria. §. — se : hzer-se immor- 
ul por fama, M- Conq. 

IMMORTAlmÈNTE, adv. Sem fim, sem ter- 
mo : V. ?• "viver mmortnlmente?^ 

INMORTlFlCAqÃO , s. f. O náo se mortifi- 
car. Fuira , Carta 52. T. 2. Falta de mortificação. 
IMMORTIFICÁDO , adj. Que náo se mortifi- 
ca com penitencias i que náo reprime as paixões. 
Vieira. ".;lma tão immoriificada.^^ Tom. 5. /. 169. 
IMMÓTO , adj. Sem movimento , ou immovel. 
Camões, Elegia i. "E com o gesto mmioío e des- 
contente." Id. Ltts. 2. 28. "por náo darem no pe- 
nedo immoio.^^ E Lus. 10. 15. "fazendo votos Em 
váo aos Deuses vãos, surdos, e immotos :" i. e, 
insensíveis. 

IJMKÓVEL , adj. Que se náo move , sem mo- 
vimento i náo mudável , náo mudado : v. g. sem- 
blante — . 

liviMUDÁVEL, adj. Que se não muda. V. Im- 
nmtavel. o destino , o Jado — -, semblante — . 

IMMUNDÍCIA , s. t. Falta de asseyo , de lim- 
peza. §. Sugidade. §. Lixo. §. Insectos , como pio- 
lhos , &c. Sarros. §. fig. tira de todo a noda , e 
immundicias de todos os peccados ( que antes do 
Baptismo são commettidos ). Cathec. Rom. i^6. 

IMMÚNDO , adj. Sujo , impuro. §. Ammd^s im- 
ntundos ; aquelles que pela Lei Judaica náo po- 
diáo os Judeus comè-los : entre os Judeus repu- 
lava-se immundo o que tocava em cadáver. §. Es- 
pirtto iinmííndu : o demónio tentador para com- 
mettcr culpas contra a honestidade. 

IMMÚNE, ad). Franco, livre, isento, que go- 
sa de immunidade ; v. g. — da jurisdicção ^ do 
feder , <i)'C. 

IMMUNIDÁDE , 8. f. Isenção , liberdade ; o não 
ser sujeito : v. g. "immuntdade de pagar tribu- 
tos." pecca como sobre carta de seguro , e immu- 
nidade da pena. Fieira, 4. 16. §. Immnnidades da 
Igreja: os privilégios, e isenções das Leis Civis 
em certos casos ■■, v. g. de se náo tirarem delias 
os presos , que a ellas se acolhem. Lobo. 

IMIMUTAÈíLIDÁDE > s. f. O ser immudavel , 
ser sempre o mesmo ; attributo que propriamen- 
te compete a Deos. §. Negação de mudança , per- 
severada estabilidade. 

IJVIMUTÁVEL , adj. Immudavel ■■, incapaz de 
mudança. L/^ena. o eterno ^ e immutavel decreto 
de Deus. Fieira, "as boas obras fazem a salva- 
ção certa , e immiítavel :" infallivel. 

ÍMOS , prim. pess. do plur. no Indicar, de Ir , 
c presente. Nos imos dizem os bons autores ; mas 
já na Eitfros. 4. 9. e Souza , F. do Arceb. se acha 
vamos por imos. 

IMPAÇÃO , s. f. Doença dos Falcões, hydro- 
pesia , que lhe dá, Avie da Caç^a. 

IMPACIÊNCIA, s. f. Falta de paciência , pai- 
xão , agastameaco , ira. §. O náo tolerar , não 



IMP 



33 



sofrer , náo compadecer : v. g. n todo poder , e 
mando he annexa impaciência de companhia. F. do 
Arceb. 2. c. 25. 

IMPACIENTAR , V. ar. vuig. Inquietar, irritar, 
fazer perder a paciência. Não me venhdes impa- 
cientar agora. 

IMPACIENTE , adj. Intolerante ; náo sofredor ; 
que não tem paciência ; irado, agastado. §. Que 
não sofre , náo consente. ZeÍo, Tom. 2. pag. 2. 
Chron. os Reis são impacientes de parlaria no 
mando. 

IMPACIENTEMENTE , adv. Com impaciência. 

IMPACIENTÍSSIMO , superl. Muito impaciente. 

IMPACTO , adj. t. de Med. Mettido fixamen- 
te , e á força : v. g. podridão impacta nas entra- 
nhas. 

IMPALPÁVEL, adj. De partes sutis , e lizas , 
que o tacto mal sente : v. g. farinhas — , pos 
— , partículas — . 

ÍMPAR, adj. t.de Atíthm. Número impar; o que se 
não pôde partir igualmente sem fracções , ou que- 
brados : V. g. 5. que se divide em i- : 5. em 2 ~ . 

IMPAR, V. n. V. Himpar. F. M. c» 214. hum 
pouco impando como quem queria chorar. 

IMPASSIBILIDADE , s. f. A qualidade de náo 
ser sujeito a dor , padecimento , trabalho , toP- 
mento . 

IMPASSÍVEL , adj. Livre , isento , não sujeita 
á dor , ou padecimento. "Deus creou o homem . . , 
para que fosse immortal , e impassível." Cath. Rom. 
f. \6. 

IMPÁVIDO , a<lj. Sem pavor , intrépido , des- 
temido. Farella. ^^impávido em avançar nas ba- 
talhas." 

IMPECCABILIDÁDE , s. L A qualidade de ser 
impeccavel. 

IMPECCÁVEL , adj. 'Não sujeito , incapaz de 
peccar. Fieira. 

IMPECCÁVELMÈNTE , adv. De modo impecca- 
vel. Fiveu a S. Firgem — . 

IMPEDERNECÈR , v. ai. Fazer tornar de pe- 
dra : e fig. duro , insensivel como a pederneira. 

IMPEDERNIDO , part. pass. de Impedernir-se, 
Duro como pedra. §. f. Duro , áspero , insen-i- 
vel : V. g. "cond.ção impedernida." Naufr. de Sep^ 
f. 106. Corarão — . 

IMPEDERNÍR , y. át. Fazer Ja natureza dae 
pedra : i. fazer duro , surdo, insensivel : v. g^ 
^Utnpedernir o coração contra os conselhos da pru- 
dência." Jmpedernir-.e. V. Empedermr-se. 

IMPEDICjÃO , s, f. Opposto a permissão : c de 
Theolog. §, O acto de impedir. 

IMPEDÍDO , part. p.iss. de Impedir. §. fig- Aí, 
Conq. 6. 7^0, "a Gula sentada á meza está gros- 
sa , e impedida " i. é , sem acçáo , sem energia , 
entorpecida , empachada , pejada. 

i.-ViPEDIÈNTE 5 adj. IinpcdimcníO 



t 






impede contranir-se matrimonio , mas não dissolve 
o ji contrahido. V. Dirimente. 

IMPEDIMENTO , £. m. Obstáculo, estorvo, 
embaraço físico , ou moral , com que se estorva 
íazer-se alguma coisa; v. g. mover-se o corpo, 
receber ordens , contrahir matrimonio : Ser impe- 
dimento cm algfirría coisa. Paiva. Cas. 6. 

I31PEDÍR , V. at. Tolher , atalhar , embaraçar, 
estorvar , por obstáculos : v. g- o pouco credito 
lhe impede não vos vir ojferecer a vida. Lobo. Es- 
U penedo impede a corrente daqaclle ribúro , e o obri- 
ga a torcer o passo. Impedir qife se faça alguma 
coisa : impedir a passagem , e a volta : impedir 
o castigo , ou que se castigue : eu não o impido : 
7m impidais.7//íí. dlsea , /. i?o. f. ^"antes qUe 
filinha sorte impida , ou mude." Ferr. Carta 9. L. 
2. §. Obstar moralmente , fazer impraticável : v.^. 
a falta de consentimento impede contrahir-se matri- 
monio. Impedir o coinmercio; as vendas emjraude 
da Lei , 0^ dos credores. 

IMPELLÉNTE , p. pr. de Impellir. A causa — , 
a for^a — . 

IMPELLÍDO , p. pass. de Impellir : v. g. o cor- 
po — . §. Incitado , &c. V. o ver'bo. 

IMPELLIR , V. at. Empuxar , empurrar , por 
em movimento , abalar. §. fig. Incitar , estimular. 
Camões, o som da tuba impelle os belíicosos âni- 
mos, Lus. 6. <?^. o navio impellido dos ventos^ e 
das ondas. §. — a pella , da mão do jogador , 
chaçar. §. na guerra, *^Impellem-nos d'ali com mor- 
raes danos." Eneida ,9. 125, 

IMPENETRABILIDADE , s. f. Propriedade da 
matéria , que consiste em ser impenetrável. 

IMPENETRÁVEL , adj. Fisic. Que não pôde co- 
existir no mesmo espaço occupado por outro 
corpo ; é um dos attributos da matéria. §. Que 
se não deixa passar de tiro , ou golpe cortante , 
ou bote : V. g. cota impenetrável , impenetrável 
malha : rocha impenetrável ao ferro. §. Onde se 
não pôde entrar por força : v. g- Praça — . 
§.Que se não pôde alcançar: v. ^- segredo — . §. — 
ao logro , e engano ; que se não dá , não cái nelle. 

IMPENITENCIA , s. f. Obstinação na culpa. 

IMPENITENTE , adj. Sem rependimento , í-em 
penitencia do peccado , e vida irregular. Cron. 
Cist. 1. ^, 

IMPENSADAMENTE , adv. Imprevistamente , 
insperadamente , inopinadamente , cl'improviso. 

IMPENSADO , adj. Não cuidado , não preme- 
ditado , imprevisto , súbito. §. D'impensado , adv. 
Eneida, 11. 158. "rnrbar:io-se as esquadras íí'/K!- 
p;;í//rfo."§. Não conhecido, não suspeitado, veneno 
— bebem. 

IMPERADO, patt. pass. de Imper.-"-. Fieira, a 
misericórdia mandada , ou imperada da cAridãdc. 

L>iPEilADÒR , s. ra. Os ni;ssos Clássicos es- 
ctevem de ordinário Evipcrador , hoje claramen- 
te se áii Imperador , que c conlorme ao Latino 



Imperator , donde o tomámos : entre os Latinos ; 
e fallando nos tempos da Republica , significa 
General de E.Kercito , declarado tal por decreto 
do Senado , havendo vencido alguma grande ba- 
talha , ou acciamado pelos Exércitos. §. Depois , 
e agora significa Soberano , que o é , ou foi de 
Reis, e Príncipes Coroados, ou que de algum 
modo lhe são superiores ; como o Imperador dos 
Romanos , o da Rússia , Ethiopia , <ò-c. 

IMPERANTE , s. m. O Soberano , Rei , o que 
tem o Summo Império no estado civil , ou ci- 
dade. §. adj. Signo imperante , na Astrologia , é o 
Signo , que domina por estar na casa Superior. 

IMPERAR, V. at. Governar como Imperador; 
como Soberano. §. Mandar com Império , co- 
mo Senhor , ou Superior. Sarros , i. 5. i. usa 
deste verbo com paciente. "Para redempçáo de 
cantas mil almas , como o Demónio naquelLs 
panes da Infidelidade imperava.^^ "Rainha Can- 
dace , a qual em nossos tempos imperou os Ethio- 
pas.^^ B. -2,. 4. 2. "aquella região , que ella /(fífc- 
rãvfl.'''^ tbid. '■'■Imperar a algnem.^^ H. Pinto. 

IMPERATÍ VÃMENTE, adv. De modo impe- 
rativo , imperiosamente. 

IMPERATÍ\"0 , adj. Modo — , na Gram. as 
variações verbáes , corn que mandamos fazer , oú 
sofrer alguma coisa : v. g. escreve, lè ■, sofre , pa- 
dece: pedimos, rogatr.os , avisamos , exhortamos , 
geralmente declaramos o nosso querer. 

IMPERATRÍZ , s. f. A mulher do Imperador. 
§. A que por ú mesma tem a soberania , e at- 
tribuiçóes próprias do Imperador, "a Imperatriz 
Maria rhere7a , mái de José I." 

IMPERCEPTÍVEL, adj. Que não faz impressão 
nos sentidos. §. Que o entendimento não perce- 
be. §. f. Mui ténue, sutil , v. g. pó — . 

IMPERCÉPTf VELAIÈNTE , adv. De modo im- 
perceptível , insensivelmente. 

IMPERFEIÇÃO , s. f. opposto a perfeição. Le- 
ve falta , deteto de pouco momento. 

IMPERFEiqOÁDO , p. Não perfeito , não aper- 
feiçoado. 

IlViPERFÈITAMÈNTE , adv. Mal acabada , de- 
feituosamente. 

IMPERFEITO , ad). Não acabado , mal acab.i- 
do ; com falta , ou falto , defeituoso ; não aper- 
feiçoado. §. Tempo impcrfito , na Musica. V. Per- 
feito. §. Pretérito imperfeito , na Gram. variação 
do verbo , que indica , que a acção contnuava , 
e não estava acabada em um tempo )i passa- 
do : V. g. honteni estava eu vendo : lia por um 
livro, Scc. é o presente do passado. 

IMPERIAL , adj. Pertencente ao Imperador. S. 
Âíagsstade Imperial : tratam eirt o que se d* aos 
Imperadores , fallando como de terceira pessoa. 
5. Calcas — : calças de mfiita f\bricn , c artifi- 
io curiosissimo , usadas antigamente , e prohi- 
uidas por ElRcy D. João o 3. Extravag^ntet 

dei- 



S -iif.:^ 



IMP 

del-Rei D. João III. e por D. Sehàst. m Lei de 
i(^. de Novembro de 1560. §. Tcri^a , qnana , quin- 
ta imperial , no Jogo dos centos , são As , Jlei , 
Valete , Dama , &c. 

IIMPERlÂLMEiNTE , adv. De modo imperial. 

IMPERÍCIA , s. f. Falta de perícia , ignorân- 
cia ; grosseria na arte , que se exerce, f^ascon- 
cellos , /írte. a imperícia dos Capitães. 

IMPÉRIO , s. m. Os direitos de que goza o 
Imperante , ou Soberano. §. O território com os 
Vassalios do Soberano , e propriamente dos Im- 
peradores. §. Império mero : o poderio absoluto do 
Soberano sobre seus vassalios , com direito de 
os punir tirando a honra , a vida , os bens. §. A<íe- 
ro, ou misto império: jurisdicção que o Soberano 
dá aos Magistrados para julgar as controvérsias , 
e impor pena de motte , confiscação de bens , 
5cc. §. Império mlxto ; o poder de julgar causas 
civis , e impor penas pecuniárias , e entre as at- 
flictivas corporáes a prisão, e outras, que não 
sejão de sangue. §, í. O dominio 5 ou grande in- 
fluencia , que tem c-m nós as pessoas ^ a quem so- 
mos sujeitos por direito , ou pui amor , ou von- 
tade , ou por reconhecimento de superioridade , 
&c. §. O dom .TÍo íorte, que tem em nós as pai- 
xões. §. poet. Dizemos império da morte , por a 
sepultura , &c. 

IMPERIOSAMENTE , adv. De modo imperioso , 
com palavrs imperiosas; de modo irresistível, a 
necessidade manda — . 

IMPERIOSO , adj. Que manda com império , 
que exige a execução dos seus mandados com 
suberba. Barros. 5. 5. 7. por ser homem Cavalleiro 
de sttíi pessoa , era hum pouco imperioso e que- 
riíi que todo omundo lhe obedecesse. §. fig. Que tem 
grande dominio , e influencia : v. g. as imperio- 
sas paixões. 

IMPERÍTO , adj. Indouto , ignorante, official 
— , homem — , capitão — . 

IMPERMANÈNCIA , s. i. Inconstância , instabi- 
lidade. 

IMPERMANÈNTE , adj. Que náo permanece, 
instável, que náo podia durar, inconstante. 

IMPERMANÈNTEMÈNTE , adv. De modo im- 
permanente. 

IMPERTINÊNCIA , s. f. Coisa , que não per- 
tence para o ponto , despropósito. §. Importuni- 
dade. §, Condição , humor importuno , cansati- 
vo , molesto , pesado. §. Capricho enfadoso de 
quem está de máo humor. 

IMPERTINENTE , adj. Desapropositado. Leão, 
Croti. J. 1. c. zj. não parecerá impertinente diztr 
quem elle foi , é)'C. fora de lugar , importuno. 
§. DifHcil de contentar. §. Importuno , enfado- 
nho, pesado. 

IMPERTINENTEMENTE, adv. Cem imperti 
nencia. 

_ IMPERTURBABILIDADE, s. f. Qualidade do ani- ' 



IMP 



35 



mo , que náo se altera , nem perturba. 

IMPERTURBÁVEL , ad). Que se náo pertur- 
ba , não se inquieta , não se altera : v. g. semblante 
— ; v/ílto — ; animo — ; socego — ; a paz im- 
perturbável dos bemaventurados. 

IMPESSOAL , adj. Gram. Ferbo impessoal ; que 
não lem algumas variações correspondentes a al- 
guma pessoa da oração ; v. g. feder , chover ; por- 
que não dizemos eu fedo , nem cu chovo. 

ÍMPETO , s. m. Movimento furioso , com gran- 
de violência , ou impulso. §. f . O Ímpeto das pai- 
xões ; o abalo grande , e a força com que fa- 
zem obrar, movido por seus ímpetos , e não por 
conselho de homens nobres 'ò-c. £.4. 8. 8. "náo se 
hão de cómetter as guerras temerariamente por 
impeto.^^ Couto, 8. ^5. §. Quebrar o ímpeto , acti- 
vamente , ou neutramente ; diminuí-lo , ou dimi- 
nuir-se ; diz-se dos corpos impellidos , ou do& apai- 
xonados : V. g. "quebrar o ímpeto á torrente , ao 
potro furioso.^' Q_uebrar-lhe o ímpeto da ira , do 
amor ; ou quebrar o ímpeto , neutro ; diminuir-se, 
afroJxar. Palmeír. P. ^. §. Se anda nos ímpetos da 
Corte dos Heis , diz , que he por amor doi filhos: 
Barros , Fie. Ferg. foi. zcji,. 

IMP_ETRAqJvO , s. f. Acção de impetrar. Im- 
pe trairão do perdão. Cathec. Rom. i^6i. 

IMPETRADO, part. pass. de Impetrar. 

IMPETRANTE , part. at. de Impetrar, subsranr; 
O que impetra , e requer ; e o que já impetrou. 
Ordeh^ 5. 57. 2, 

IMPÇTRÁR, V, at. Pedir, supplicar. Eneidsí , 
1,. 85-, impetrar aos Deuzes paz. §. Conseguir cora 
supplicas : v. g. impetrar Benefcios tia Corte de 
Roma. Orden. Impetrar favor , mercê , gradas. Fi- 
eira. Impetrar a fortaleza ■■, licença dcl-Kei para 
fazè-la. B. 4. 6. 10. Pina , Cron. D. Duarte , c. :!,i. 

IMPETRATÓRIO , adj. Que se pôde- impetrar. 
Calvo , Hom. 2. :58o. 

IMPETUOSAMENTE » adv. Com ímpeto ; v. g, 
corre o rio impetuosamente ; desejar impetuosa- 
mente. Paiva , Serm. i. /. 28. ir. 

íMPETUOSíDÁUE,s. f. O ser impetuoso , mo- 
vimento impetuoso : v. ^. — do vento , do maca- 
réo , é^c. 

IMPETUOSO , adj. Que se move com ímpe- 
to : V. g, vento — , corrente — . Camões, animo im- 
petuoso tias paixões ; vehemente , ardente , arro- 
jado , accelerado. 

IMPIADÁDE , e deriv. V. Impiedade, é-c, 

IMPIAMENTE, adv. Com impiedade. 

IMPÍDA. V. Impedir. Uliss. 4. 11 5. q/ie etk ine:-> 
mo se impida o crescímeuto. D* Aveiro , c. 45. "sem 
haver quem nos iuipida.^^ Cam. Son. 61. 

Ilili-íDÒSO , adj. ou EMPIDÒSO : V. camirm 
impiJoso pela agrura da terra. B. Ciar. c. 51. E 
outros litgaics , oiuie estava por tempos impidczos 
(!c peste. PinLiro , Scrni. da Trasladação dos csíos 
iíElRci D. A^Iaivwl ,f:!. XIlll. E.\. luboa. 1^57^ 

livl- 



iriPIIiDÁDE, s, f. Transgressão das obrigações 
cm que estamos a respeito dos pais , da pátria , 
e a respeito de Deos ; e neste ultimo senti- 
do , irreligião no que toca á crença , e á mo- 
r\[ ■ crime contra o culto devido aos Santos. 
§. Deshumanidade , crueldade , talta de compai- 
xão. , , _ 

IMPIEDOSAMENTE, adv. Sem compaixão. 

IMPIEDOSO , ad|. Sem compaixão , deshuma- 
no, esquivo._ Elegiada , f. lyo. formna impisáosà, 
e amor porfido. 

IMPÍGEM. V. Empigm. 

IMPIÍSSIMO , superl. de ímpio. Co»ío , 5. 1.2. 

príncipes — . 

IMPINÁR. V. Empinar, 

IMPINGÍR , V. at. Dar : v. g. impingir uma 
bofetada a alguém. §. Fazer ouvir constrangida- 
mente : v. g' impingiu-we am sermão ; os sem 
versos. " 

ÍMPIO , adj. Que falta ao que deve aos pais , 
e á pátria. §. Desprezador das Coisas Santas , 
Sagradas , e Religiosas. §. Dito , ou feito em des- 
prezo delias. §. O que está em culpa mortal. H. 
Pinto , àa Lembr. da Morte, c. 6.J. 238. sem a 
graça divina não pode o impio justificar- se. 

IMPLAGABILIDÁDE , s. i. O ser implacável, yí 
— do seií caracter ; daqitelta alma cruel , do t rano. 

IMPLACÁVEL , adj. Que se não aplaca ; que 
não afroixa de sua ira , raiva , odio , vmgança , 
castigo ; inexorável. Camões , Ode 5. as ires jurias 
escuras implacáveis d gente. 

IMPLACÁVELMÈNTE , adv. Sem se aplacar. 

IMPLANTADO , pare. pass. de Iniplantar. V, o 

verbo. 

IMPLANTAR , V. at. Plantar , inxerir , arrei. 
gar: v. g. implantar nos corações tenros stnllmen- 
tos de solida piedade. Ined. \. f. 280. (onde d-z 
mprantar ) §. ^ raiz da Ungm está implantada , 
( ligada com ligamentos no osso bjiotde. Recopl. da 
Ctrurg. §. //r implantado ; o que está metido nu- 
ma cavidade do ouvido debaixo do tympano , 
para receber a impressão do ar externo vibrado , 
e a communicar ao órgão auditivo. 

IMPLICAR Ao, s. i. Complicação , enredo. §. Im- 
plicância , inconsistência , contrariedade , incom- 
patibilidade. Fieira, grande implicação he do vos- 
so amor , amares-me tanto , e nio vos deixardes ver. 

I ,iPLlGÁDO , pjrt. pass. de Implicar. §, Con- 
trario , opposto a si mesmo. Fieira, "vráo tudo , 
e n^da viào , não pôde haver cegueira mais im- 
vUcada I"* 

IMPLIGADÒR , s. m. O que implica , envolve, 
"calumniadores iníames impUcadures de bons e 
máoí numa sonhada conspiração.'^ 

IMPLICÂNCIA , s, f. Implicaçr.o , contrarieda- 
de , incompatibilidade : v. g. implicância é ser ifm 
tempo n)ite e dia no mesmo lagar ; correr o »;d- 
vio corpo , e estar parado. 



IMPLICAR , V. n. Ser incompatível , repugnar ; 
V. g. existir uma coisa , e não existir ao mesmo 
tempo , implica ; ver ^ e não ver implica. Fieira. 
§. — se; meter-se , enredar-se , ter pane : v. g. 
implicar-se em negociações arriscadas : implicar-se 
uma matéria , ou questão com oníras connexas. 
§. Implicar o animo dos q'{e inquirem a verdnac 
com q'festÕes ; embaraçar, cnleyar. /írraes f^^. 4» 
§. Envolver : v. g. implicáo-«Oí no ins'tl:o de 5. 
de Setembro. Prov. da Ded. Chron. foi. 179. Arraes^ 
ió. 70. £m quantos males te implicarão os tetts pec- 
cados. §. Repugnar. Aí. Conq. 9. 117. '■•implica a 
seu valor.'' §. Fazer perplexo , contundir o en- 
tendimento. Fieira , 4. n. I). o mesmo David se 
explicou ; e nÍo sei se nos implicou mais. §. /jm- 
p tcar-se : proceder em contradição , e incoheren- 
cia com sigo mesmo. Por onde implica-se e dd 
no seu esctdo qtent se honrar de S Agusitnho , 
e nao se prezar de S. Thomaz. Feo , T'^. z.J. 227. 

IMPLICITAMENTE , adv. opposto a Expl cí- 
tamente. Não declarado expressamente por pala- 
vras; V. ^. cremos implicitamente iodos os Dogmas 
catholicos , ainda que não saibamos referir exp i- 
citamente quaes seião muitos dclles 

IldPLÍCiTO , ad). Tácito , não expressado com 
palavras : v. g. crença , fé implícita , pacto pn- 
pllcito ; não expresso , tácito, 

IMPLORAq \0 , s. f. O acto de implorar. 

IMPLORADO , p. p. de Luplorar. Soccorro — , 
p^toctnio , auxilio , favor , mercê , justiça , &c. 

IMPLORAR , V. at. Pedir com lagrimas , cho- 
rando ; f. encarecidamente : v. g. implorar mercê , 
auxilio , misericórdia ; a eq'fidade do Sobçrano. 

IMPLUME , adj. Que ainda não tem pennas : 
V, g. os implumes filhinhos. Camões, Egl. 6. Sem 
pennas : v. g. "animal implume.'* 

IMPOLÍDÒ , adj. Rude , não policio. Calvo , 
PToin- l- pag. 17. "o interior da tiguri rude , e 
impoltdo." §. Na'.^Ões — ; inculcas , sem policia , 
ainda que sejáo civilizadas. 

IMPONDERÁVEL, adj. Qje se não pôde as- 
sas ponderar , ou estimar , ou avali.Jt. FÀ'i do 
Príncipe Eleitor, esta im['>orid'^iàvcl capacidade. 

IMPÒR , V. at. Pòr em alguém : v. g. '•'itrpor 
o Sacerdote , ou o Bispo as mios , bcizcnJo , 
dizendo preces , &c." §. Impor a al;^ue>n nm cri- 
me ; assacar-lho , attribuir-lho c.iluinniosairente. 
Freire. Jmpòr falsos testemunhos. Calvo , Hom, i, 
pag 369. e 57^. — a si. §. Impor obrigarão , o'4 
tributo: carregar alguém com algnma obrigação. 
Aí. Lus. impor obrigações aos ojjiciács da casa: 
tributo imposto por /1'tgusto. Fiara. Impor pcni- 
itncia ; obrigar a fazc-Ia , cumpri-la. §. AUegar 
cm falso : V g. ^'impòr ao texto." §. T.nganai : 
V. g. im\iòi com pretexto de j-isdca §. Pòr: v. g, 
impor nome. §. Entre impressores, impor ajor- 
ma em uma rama de ferro com suas g'tarni{ões de 
pão ao redor , f cunhas para apertar. §. Fazer crec 

com 



IMP 

com encano. P.P.z.f.iiS. mofakciâo conseJheh 
ros prejudiciais , que por se lhe mostraran ami- 
gos o impunháo superior em tudo. §. Impor-se : 
por-se , ou attribuir se al2,um foro , costume , 
uso : V. g. impor-se m fidalgo ; as vMlades , 
e doudices em que vos ides impondo. Vihipo , /. 

14. 

IMPORTACjÃO ,s. f. t. mod. usual. Entrada de 

mercadorias para o Reino. 

IMPORTADO , part. pass. de Importar. 
IMPORTADOR , s. m. O que manda vir , e 
introduz efFeitos commetciaveis na Terra, t. mod. 
adopt. V. Importar. 

IMPORTÂNCIA , s. f. Valor, somma. §. Aquil- 
lo em que se preza , avalia , estima. §. O peso , 
o preço , valor , consequência , momento : V. g- 
a importância da despeza ; a importância da s^l^^ 
vai^ão , &-€. "Negocio de tomo , e importaticia." 
IMPORTANTE, adj. Custoso, de preço: v.g. 
Uma carregaí^ão — : "casas, que estão importan- 
tes." §. Digno de estima , apreço ; de pondera- 
ção ; coisa de consequência : v. ^. o ríegocio da 
salvaria é o mais importante de todos. §. Útil , 
ou necessário : vida tão importante , e preciosa d 
púhlka saúde. 

IMPORTAR , V. at. Trazer para dentro , intro- 
duzir : V. g. — mercadorias estrangeiras. §. f. Tra- 
zer : V. g. a memoria da minha doce pátria im 
porta-we desacostumadas soidades. Arraes , i. f. 5 
e 7. os gaf^tnhotos com a destruirão das novidades 
importão dano 4 Republiía. c. 4- detrimento , que 
importarão d Christandade. o que tem importado 
d Christandade grandes desaventuras. id. 4. 26 
Mausinho^ f.j^, f. a novidade importa admira- 
ção. §. V. n. Ter certo valor , preço : v. g. a car- 
regarão importa em tanto ; a despeza importa pon- 
co. excede ao que podia importar a frota de Sala- 
mão. ^'importão ( os direitos de cada háo , sem 
a pimenta, cada anno a el-Rei ) 4?- contos." e 
do q'(e imporia o ouro da nossa Mina ; i. é , som- 
ma em valor. Fasconc. Sit. f. 17. e traz lucro, 
renda, emulumento. id. f. 140. d Camará impor- 
ta o terço 800^. (. do pescado > §. Ser útil , ne- 
cessário! §. Ser d'importancia , em que nos vai 
miiito i digno de ponderação : cumprir ; custjir ; 
merecer cuidado , atcençáo : v. g. importa mHito 
para a boa administração da Republica , que o> 
Regedores sejío inteiltgentes e bem intencionados , e 
igualmente activos , e diligentes : estas casas impor- 
táo-we já em tantos mil cruzados : nada me impot- 
ta o por vir , se não sei os momentos que heide du- 
rar , <ò'C. que lhe não negasse uma coisa , que lhe 
importava todo o bem do seu Remo. Cron- J. ^^ 
P. i.c. 2,i. §. Valer , ter o mesmo sentido , sen- 
toiça , effeito. "clausulas o mesmo importantes " 
Jned. ] p 5;0. 

IMPORTA VEL , adj. Que se pode importar , 
ou trazer , de comum para negocio. "Meicado- 
Tom. 11^ 



IMP 137 

não defesas , não de 




rias , e efFeitos importáveis 
contrabando. 

IMPORTUNAÇiíO, s. f. Acção de importunar: 
D. Fr. Man. Cart. Fmi. C. 25. §. Coisa , que im- 
portuna. 

IMPORTUNADO , part. pass. de Importunar. 

IMPORTUNADÒR , s. m. — òra , f. Pessoa qu<f 
importuna. Sd Mr. Filhalp. Ferr. Cioso. 2. 2. '/m- 
portunador de Faustina ( para amores ). 

IMPORTUNAMENTE , adv. Cora impoitunir 
dade. 



IMPORTUNAR , v. at. 



Instar ; molestar , di- 



zendo , pedindo , ou fazendo alguma coisa repe- 
tidas vezes , ou tora de tempo, "inda importunas ? > 
Ferr. Castro , /. M5. 

IMPORTUNIDÁDE , s. f. O ser importuno : v.g. 
a —de algum sujeito. §. Da coisa que vêi tora de 
occasião opportuna , e incommóda. a importunidade 
d'esta visitarão. 

IMPORTUNO , ad). Pessoa que importutia. 
5. O que pede com affinco , e continuação, to- 
ra de tempo e occasião. 

IMPOSiqÃO , s, f. o acto de impor : v.g' im- 
posição de mãos do Bispo nos Ordinand^ em st- 
n l do poder que lhes confere. §. O acto de pot 
nome , o acto de pòr preceito , e dar penuencas. 
§. Tributo em geral. M. Lfis. Tom, 5. Ord. AJ, 
i f. I4Í. "pooem em suas terras mipojííjooes no- 
vas: " ef. lU' Lanhar pedidos , epoer imposiçooes 

no tempo da guerra. . • 1 „ 

IMPOSSIBILIDADE , s. f. O ser impossível ; re- 
pugnância , implicância. §. Falta de posses , fa- 
culdades , forças. ... 
IMPOSSIBILITADO , part. pass. de impossibi- 
litar, O que não tem posses fisieas , ou moraes. 
IMPOSSIBILITAR, v. at. Privar alguém das 
forças , poder , faculdades íisicas , ou moraes : 
V s a idade , e a doença me impossibditao de ir, 
capara ir a vossos pés : as desgraças ,e revezes 
me impossibilltão o tratar-me com o anttgo explen^ 
dor: impossib.lita-me a Lei , em que nao posso dis- 
pensar , é<. §. Representar como impossível , nao 
tactivel, de não effeituar-se , ou conseguir-se. Jí. 
4. 8 I. 'Hmpossibilitando-lhe aquelle negocio.' 
%. — se: pòr-se no estado de impossibilidade. 
Quem trabalha com excesso impossibilita-«e para 
trabalhar bem. desbaratdes-vos em prodigal'dades, 
impossibihtais-vos para acudir ds necessidades (, pn- 

var-se das posses ) . • • f^ 

IMPOSSÍVEL, adj. Que não pode existir, ra- 
zer-se , fisica , ou moralmente , ou humanamen- 
te : v £. é impossível que os 5- ^"^'^'^^ ''^ '*'" 
triangulo não sejão igudcs a dois rectos^ que o 
homem de bm minta ; q'fe seia nrite e dia no mes- 
mo horisonte fiãco , ó^c. Usa-se substant. v. g. ra- 

zer o i>npO'dvel" , .. ,.<» ., 

IMPOSTA, s. f. Espécie de cornija , sobre a 

qual assenta a pedra de que se vai criando^. 



'i 



F 







IMP 



e arqueando a volta do arco. 

IMPOSTO, s. m. Imposição, tributo. Regimen- 
to de 1674. 

IMPOSTO , part. pass. de Impor : v. g. pena — ; 
nome — ; tributo imposto ; <&-c. 

IMPOSTOR , s. m. Embusteiro. Aí. Litsit, Tom. 
6, f. ^01. col. I. embaidor. 

IMPOSTURA , s. f. Trapo que se ata por isca 
ao peixe , ou coisa com que se enganáo os animáes 
que queremos tomar, "quem pesca com impostu- 
ra'' Paiva t S. i.f. 16. f. §. Calamma imposta 
3 alguém. §. Embuste ; engano artificioso , em- 
baimento. Papets Ministerides. 

IMPOTÊNCIA , s. f. Falta de poder ; impossi- 
bilidade física , ou moral causada por Lei prohi- 
bitiva. §. Falta de poder, ou virtude de gerar; 
V^ g. no castrado , no falto de erecção , &c. §. vi- 
rão aqttílU impotência do fogo (que náo prendia 
na Igreja "). B. 4.7. 18. 

IMPOTENTE , adj. Que náo pôde gerar por 
defeito físico. §. fíg. — desejos ; votos — j e^jor- 
JOi — . oiio impotente % do que não pode vin- 
gar-se , nem fazer mal á pessoa odiada. 

IMPRAGTICABILIDÁDE , s. t. O ser imprati- 
cável , incapaz de pòr-se em praxe , ou execu- 
ção : V. g. a — deite projecto ; desta ordem , de- 
íermtna^Oj <ò-c. 

IMPRACTICÁVEL, adj. Que não pôde pòr-se 
em pratica , ou praxe : v. g. recurso , ou expedi- 
tnte — j Lã — . %. Caminhos impraticáveis C ^o' 
onde se não pôde andar por., serem impidosos , 
barrancosos, agros, cegos, alagados , &c. V. Pra- 
ticar por algum caminho. 

IMPRECAÇÃO, s. f. Maldição, praga. §. Ro- 
gativa de bens para alguém, M. Lus. i. iji. 
•sobre a cabeça lhe fazia o ministro certas ím- 
frecações.^^ 

IMPRECAR , V, at. Imprecar bens , o» males a 
'alguém y pedú ao Cco bens, ou males para el- 
le. Fieira, não era maldirão, ames era o maior 
bem , que se podia imprecar d noite. 

IMPREGNAÇÃO, s. f. O estado do corpo im- 
pregnado. 

IMPREGNADO , part. pass. de Impregnar. 
IMPREGNAR , V. at. t. de Chym. Fazer entrar 
um corpo nos poros de outro. Carnes betn impre- 
gnadas de sal. O ar — de vapores sulfúreos. 

IMPREMÍDO , IMPREMIDÒR. V. MpressO , e 
Impressor. Ainda usamos de impremido , como su- 
pino : V. g. « tendo-se imprmido as obras de João 
de Barros." Neste mesmo sentido dizem: tem-se im- 
fresso muitos livros deste assumto. V. Imprimido. 
IMPRENDER , v. at. Fazer prender , pegar ; 
v.^ g. panellas de pólvora , que rebentando impren- 
dcrao fo^o nas velas. QjHiros , r. de Basto. 

IMPRENSA j s. f. Maquina de imprimir li- 
vros, «dar o livro A imprensa i'> manda-lo im- 
primir^ 



IMP 

IMPRENSADO , part. pass de Imprensar. §. figv 
"Trajos , que trazem os membros imprensados i'* 
i. e, múi apercados, sem livre movimento. F. do 
Arceb. foi. lói, f. cot. i. 

IMPRENSAR , V. at. Apertar na Prensa. 

IMPRESCRIPTIBILIDÁDE , s. f, O ser impre- 
scriptivel, a impescriptibilidade dos Direitos Ma- 
jestáticos , e da Soberania , da Jurisdição Regia , 
dos bens furtados , e occupíidos com md fé. 

IMPRESCRIPTÍVEL, adj. Que não sofre pre- 
scnpçáo. Gouvea. V. Prescrip^Õo. Direito — . 

IMPRESSÃO , s. f. O effcito , ou sinal , que 
causa o corpo movido contra outro , ou applica- 
do com mais , ou menos força : v. g. a impres- 
são , que causa o choque , ou embate ; qrte deixa, 
o sinete. §. Abalo , que os objectos fazem nos ór- 
gãos sensórios ; e f. no animo : v. g. pouca , o/* 
nenhuma impressão fez na alma. F. do Arceb. foi, 
166. pouca impressão fez a vista dos ínv.-isores nos 
corações dos sitiados. M. Lusit. fazerem md im- 
pressão nos cosvmes ( as riquezas da índia ), Barr, 
Paneg. i. §^ O eíFelto causado pela atmosfera , 
suas variações , e meteoros : v. g. "cerra sujei- 
ta a tão varias impressões.''^ §. Fenómeno : v.g, 
exhalaçoes , e impressões meteorológicas. Fasconcel- 
los , Notícias. §. A Arte de imprimir livros ; o tra- 
balho de os imprimir. 

IMPRESSIONADO, adj. Commovido , preoc- 
cupado de coisa , que nehe fez impressão. Fi- 
cou tão impressionado daquella verdade , da njvi- 
dade que lhe derão. 

IMPRESSIONAR , V. at. Fazer impressão no 
animo : e reflex. chegarem estas ( falsidades ^ a S, 
Majestade, e se deixar impressionar tanto delias ^ 
que duas vezes disse a meu sobrinho , estava mui- 
to mal comigo. Fiara , Carta. 95. Tom. 2. 

Impresso , part, pass. irreg, de Imprimir. Re- 
presentado , retratado: v-g. o sinete deixou sua fi- 
gura impressa na cera. §. Livro impresso, §. lig. 
*'Manda-me Amor , que cante docemente o que 
clle já em minha alma tem impresso.''^ Cam. Can^. 
B. e Seg. Cerco de Diu , c. 18. "medo que o gran- 
de Cerco nos corações vulgares tinha impresso.^'* 
§. Dor impressa no coração : a tua imagem im- 
piessa em minha alma : palavras impressas na me- 
moria. V. Imprcmido. 

IMPRESSOR, s. m. O que imprime livros. 
IMPRETENDÈNTE , adj. Desinteressado: v. g. 
dar — . 

IMPRETERÍVEL , adj. Que se náo pôde pas- 
sar além : V. g. — prazo. §. f. Que se não pôde 
passar sem executar : v. g. as impreteriveis or- 
dens de sua Magestade, Ded. Cron. e Leis Mo- 
dernas. 

IMPRETERIVELMENTE, adv. De modo im- 
preierivel. Observará — o que a Lei ordena : gra" 
duacão — observada. 

IMPREVISTAMENTE, adv. Improvisamente j 

seiu 



IMP 

sem se esperar, nem prever. 

IMPREVÍSTO , adj. Náo previsto , impreme- 
ditado , nâo supposto , ou cuidado : v. g. í«««- 

IMPRIMÁDO , p;:rt. pass. de Imprimar. 

IMPRIMADÚRA , s. h t. de Pintura. Prepara- 
ção , ou aparelho da tela , ou pano , ou da ta- 
boa com o primeiro banho , ou cores , sobre que 
se pintáo as figuras, jine da Pint.f.ó-j. f. 

IMPRIMÁR , V. at. Preparar , aparelhar a te- 
Ja , taboa , pedra , lamina , com a pintura , ou 
máo de tintas, sobre que se hão de pintar as 
figuras , ou assentar oiro. Nims , jirte da nnt 

IMPRIMÍDO , IMPRIMIDÒR. V. Impresso , Im- 
pressor , como hoje se dizem. Stnal imprimido na 
alma. Caihec. Rom. f. 4?8. "o Senhor Rei U. 



IMP 



U9 



Manuel concedeu privilégios á muito nobre ar- 
te de Imprimidor.^^ 

IMPRIMÍR , V. at. Deixar representada , e im- 
pressa alguma figura em materu capaz de a re- 
<;eber , e co servar : v. g. imprimiu em cera u- 
tna cabeça de Newton : deixar as pisadas impres- 
sas m hreya. "Donde hum pé se levanta , ou- 
tro se íriipri.m'> Uliss. 8. lU. §. f. imprimiu a na- 
tureza tws ânimos um amor do qite é bom , e 
aversão do q^te é mdo : imprimir a sita domrina 
no animo. Vasconcellos , Arte. a ociosidade jmpri- 
me vicios nos auimos. Falm. P. i. 105. não teve 
4) mundo lugar para imprimir nelle sitas cousas , 
ajíeiçoando-o , so)ugando-o a ellas. Cron. Cist. 6. 
c. IO. §. Imprimir um livro : representar em ietira 
de forma , o que nelle estava escrito de máo ; 
-estampar. §, Imprimir nodcias, seniimentos no animo , 
entendimento. Ined. i. 592. — suspeitas no povo. 
ib. pag. :558. 

IMPROBABILIDÁDE , s. f. Falta de probabili- 
dade ; o náo ser provável. 

IMPROBABILÍSSIIVIO , superl. Miiito improva- 

vel 

ÍMPROBO , adj. poet. Máo moralmente. Enet- 
da , 12.62. o ímprobo estrangeiro. 

IMPROPERÁDO , patt. pass. de Improperar. 

IMPROPERÁR , V. at. Keprehender m)uriando ; 
lançar em rosto. F. da Rainha Santa, quando An- 
ua improperava a Tobias, sendo improperado da 
vigia. Gíilbegos. 

IMPROPÉRIO , s m. Reproche , o lançar em 
fosto algum delicto : culpa , que injuria aquclic 
9. quem se diz o impropério. 

IMPROPORCIONÁL , adj. Náo proporcional. 

IJViPRÓPRlAlviENTE , adv. Com impropriedade. 

IMPROPRIEDADE, s. h O contrario de pro- 
priedade : V. g. impropriedade no fallar , usando 
de termos pouco significantes , ou que náo sao 
os que o uso tem ipplicado para a significação 
do que queremos exprimir. §. Impropriedade de 
frase , e palavras ■, insignificantes , contrarias ao 



bom uso , não convenientes ao assumpto , á pes- 
soa , ao estilo. Indecencia da acção com a idade , 

caracter , &c. . • j j- 

IMPRÓPRIO , ad). Em que ha impropriedade. 
§. Indecente. §. Contrario ao génio , leis , usos , 
costumes, estilos. A/. L. §. Náo exacto, nao gá-j 

nuino. 

IMPROVÁDO , part. pass. de Improvar. 

IMPROVÁR. V. Reprovar. Landim. 

IMPROVÁVEL, adj. Náo provável. , 

IMPROVIDÈNCIA , s. t. Falta de providenciai 
rieira, 4. n. 129. §. Descuido , negligencia. Ep^ 
naf. a improvidencia dos Príncipes. 

IMPRÓVIDO , adj. Náo provido , sem provi- 
dencia ; desacautelado , desprevenido para o que 
cumpre ter provido , disposto , prevenido, ma- 
lícia cega e improvida." Calvo ^ 2. Hom. U. 

IMPROVISADO, part. pass. de Improvisar, yer', 

SOS — . 

IMPROVISADOR , s. m. O que glosa , ou poe- 
tiza de repente sobre qualquer mote , ou assuiUr 

to: t. mod. usual. j»'«,' 

IMPROVISAMENTE, adv. De repente , d iin- 

proviso , sem demora , consideração , ou nonci» 

prévia. i_ 

IMPROVISAR , V. at. Discorrer em veiso de- 

repente sobre algum assumto. 

IMPROVÍSO , adj. Sem se prever , nem espe- 
rar ; não previsto: v. g. acontecimentos impTO\\sos^ 
e não esperados. Fasconcellos , Arte. §. De impro- 




viso : àe rtvcnie , sepn se esperar. . , .^ 

IMPRUDÈNCIATs *• Falc^ ^^ prudência. §. Ac- 
ção contraria aos dictames da prudência : V. g, 
"tem leito mil imprudências." §. Fazer alguma coi- 
sa por imprudência , e náo assinie. §. Ignorância , 

inadvertência , erro. ^ j„„^u . 

IMPRUDENTE , adj. Que nao tem prudência. 
§. Ignorante. "Que são grandes as cousas, e ex- 
cellentes , Que o mundo encobre aos homens ífW- 
prudenies." Lus. IX. 69. . , 

IMPUBERDÁDE , s. t. Idade do que ainda nao 

chegou á puberdade. , 

IMPÚBERE , adj. Que ainda nao chegou a pu- 

^IMPUDÈNCIA , s. f. Máo despejo , desaver- 



temeridade 



gonhamento. "por summa _ 

dencia.'^ Vieira , 4. «• íi- §• Desaloro , 



e impu- 
descara-. 



'"impudente, adj. Desavergonhado, desafora- 
do , despejado , descarado ; sem pudor. 

IMPUDENTEMENTE , adv. t.om í^P^^^" 
cia ; desavergonhada , despejadamente. Fuira. qw 
tão impudentemente se vè blasjemado. 

IMPUDENTÍSSIMO, superl. Muito impudente. 

IMPUDICÍCIA, s.f. Lascívia ,deshonest.dade 
quebra, oíFensa' da cast-dade. //o5 toí. p^. 
iCYXXlF. col. 1. daqui nascem humicidios , aduite^ 
^rios , impudicícias : tntregdrao-se a toda — . 

S a *^"- 





140 



IMP 




IMPUDICO , ad). Lascivo , deshonesto , náo cis- 
to : homem — ; palavras , modos — ; gesios — . Hmi 
impudico amor desatinado. Cam. 

^IMPUGNAÇÃO, s. f. O acto de impugnar. §. Ra- 
zoes com que se impugna. 

IMPUGNADO, part, pass. de Impugnar. 
IMPUGNADÒR , s. m. O que impugna. 
IMPUGNAR , V. at. Resistir : v. g. impugnar as 
Leis, ordens. Arraes , ?. 4. §. Contrariar, refutar 
com razoes algum arrasoado , doutrinas , &c. 
— - os embargos : dizer razões por que náo sáo ad- 
missíveis , ou de receber j razoar, aliegar contra 
o seu recebimento , antes de o Juiz os receber , 
e mandar contrariar articuladamente. 

IMPULSÍVO , adj. Que dá impulso , póe em 
movimento ; que obriga , incita , estimula. 

IMPULSO, s. m. A força com que se actua 
contra algum corpo para o mover. §. f. Impul- 
so natural, instinto. §. Instigação, inspiração, 
incitamento , conselho , estimulo. §. Fieira, ao me- 
nor impulso do dedo : fazer alguma coisa por im- 
pulso de alguém : dar impulso para um crime : 
po_r impulso Divino : ceder ao impulso da tenta- 
rão , das paixões , do amor. 
_ IMPULSOR, adj, ou subst. O que impelle, im- 
cita , a obrar alguma coisa, "conselheiro , e im- 
pulsor ( d'este mal ) .« Costa, Terenc. 2/227 

IMPUMPE , s. m. Espécie de cão da Catraria. 
Samos, Ethiop. P. i./. 32. 

IMPUNE, adj. Náo punido, impunido : v. £ 
.•'fcos , e delictos impunes." gr 

IMPUNEMENTE, adv. ScST castigo : v.s. ma- 
tar , e roubar ~. & á «♦ 

IMPUNHÁR. V. Empunhar, e Impugnar. Cron. 
^'Áíi' ' ^"Z- ^^- ^ ^^*™ Paiva, Serm. freque/jt. 
IMPUNIDADE , s. f. A falta d^ castigo devido 
aos crimes , e delinquentes. Pinheiro, 2. f. 122 

IMPUNIDO, adj. Náo castigado com a pena 
merecida : v. g. crimes , e delictos — . 
IMPURAMENTE, adv. Com impureza. 
IMPUREZA, s. f. Falra de pureza, limpeza, 
aceyo. § -- do sangue i do que descende de Mou- 
ro , ou Judeu, §. Impureza de consciência culpa- 
da, f letra. §. Do corpo polluido. 
IMPURÍSSIMO , suped. de Impuro. 
.IMPURO, adj. Não puro, sujo, turvo: v. g. 
vtnlM, agua — i n. que tem mistura. §. Linçua- 
gem impura ■ a que tem barbarismo. §. Tome • 
V. g. desejos — . §. Manchado de culpa : v. £ "con- 
sciência impura.^^ §. Não innocente, náo singelo • 
V. g. tendão — . §. Mãos impuras , moralmente ; 
do que commetteu crime, recebeu peitas, rou- 
bou , &c. rteira. §. Olhos impuros ; que olháo com 
concupiscência. §. Ouvidos-; que escutão obsce- 
nidades , e torpezas : Iwgua — ; que as diz 

IMPUTABILIDÁDE, ^1 Q ser imputável. íim- 
pulabilidade das culpas. ^ 

IMPUTADO , part. pass, de Imputar. 



INA 



IMPUTADÒR , s. m. O que imputa. 

IMPUTAR , v. at. Declarar alguma acçáo per» 
tencente a alguém , e feita por elle : v. g. im- 
fuizo-lhe a morte díste homem. §. Attribuir: v.g. 
imputzo-lhe a culpa deste desastre. 

IMPUTÁVEL , adj. Que se pôde imputar, dar 
em culpa : v.g. faha imputável ao téU deleixo , o» 
negligencia. 

IMPYREO. V. Empyreo. 

INABALÁVEL, aoj. Que se não pôde abalar, 
inconcusso : v.g. " alliança estabelecida sobre fun- 
damento inabalável." Gazetas de Lisboa. 

INÁBIL. V. Mabil. Ulisipo,/. 186. f. Os mais 
derivados com Inh. 

IN^CABÁVEL, adj. Que senão pôde acabar, 
nem terminar. 

INÁCqlO, s. f. Cessação de obrar, ócio; 
inércia , deleixamento. 

INACCESSÍVEL, adj. Onde se não pôde che- 
gar : V. g. lugar — j rochedos , montes inaccessi- 
veis , rochas. Fieira, alteza inaccessivel , jortuna , 
estado — . §. Homem — ; a que se náo pôde en- 
trar , que náo da entrada , que se náo deixa con- 
versar , tratar. §. Sciencias difficeis , árduas , e trans- 
cendentes ás medíocres capacidades, mas não inac- 
cessiveis aos bons entendimentos, que seriamente se 
entregão a ellas. 

INADVERTÊNCIA , s. f. Falta de advertência ; 
descuido , esquecimento. 

INADVERTÍDAMÈNTE , adv. Sem advertên- 
cia. 

INADVERTÍDO , adj. Em que se náo adver- 
tiu ; teito sem consideração , nem reflexão. §. Que 
nao adverte no que faz. Barreto , Prat. « os po- 
derosos não os cuides inadvertidos." 

INALIENABILIDÁDE , s. f. O ser inalienável : 
V. g. a — dos direitos de Soberania. 

INALIENÁVEL, adj. Que se não pôde alhear, 
ou alienar. Prov. da Ded. Cron. f. i8y. 

INALTERADAMENTE , adv. Sem alteração , 
mudança , abalo , perturbação , commoção , v. g. 
do semblante , do animo. Ouvio , e respondeo ds 
apontas inalteradamente, e com tal serenidade 
de rosto , e animo , <ó-c. 

INALTERÁVEL , adj. Que se náo altera , mu- 
da : V. g. as inalteráveis Leis da natureza , os 
inalteráveis Decretos da providencia. §. Que se não 
deve alterar: v- g. as inalteráveis ordem de S. 
Magestade, §. Que não se muda , abala , altera : 
V. g. semblante — ; animo — ; coração — ipaz — 
tranquillidade — . §. Imperturbável. 

INANiqÁO, s. f. Vacuidade de algum vaso, 
do estômago , falto do liquido , ou corpo , que 
o enchia. 

INANÍDO , part. Falto de liquido, de humor, 
da sustancia nutriente : f. de forças , &c. 

INANIMADO , ad). Sem alma. Fieira. "* instru- 
mentos inanimados,'', 

IN AP- 



S .ílf :^ 



.-4^ 



INC 

INAPPETÈNCIA , s. t. t. de Med. Falta de 3)3- 
•petitc : V. ^. — de comer , de beber , de conversar 
vmlheres , ou satisfazer ao pritido venéreo. §. Fas- 
tio. 

INATURÁ.VEL, adj. Insuportável, insofrível. 

INÁUDÍTO , adj. Nunca ouvido , novo : V. g, 
caso , s/(cces50 , aírevimemo , amor — . Fiara, cx- 
ferliucta — . Insul. feitos — . H. P. f. 235. 
*' ret^ióes incógnitas , e inauditas." 

IJNÁUFERÍVEL , adj. Que se náo pôde tirar, 
de i^ue ninguém se pôde privar , ou ser priva- 
do. Dcd. Qonol. P. i. n. 511. "direitos inaufe- 
ríveis. ' 

INAUGURAÇÃO, s. f. O acto de inaugurar : 
V. g. a inauguração da Estatua Equestre d hon- 
ra do Senhor Rei D. "José I. de saudosa memoria. 

INAUGURADO , part. pass. de Inaugurar. 

INAUGURADÒR, s. m. O cjue inaugura, fo- 
rSo os Inauguradores C. Sextio , e L. Puplíc. 

LN AUGURAR , V. at. Dedicar, consagrar ; v. Ç. 
templo , sacerdote , estatua a algum Santo , ou 
Heroe , &c. 

IN AVERTENCI A. V. Inadvertência. Incd. 3. 458. 

INCA , s. m. íJo Peru tanto valia como Rei , 
Soberano. 

INCANSÁVEL , adj. Que náo cança com tra- 
balho , a que se náo pôde fazer cançar. §. Que 
náo descança , incessante , assíduo , continuo no 
trabalho , indefesso. 

INCANSAVELMENTE, adv. Sem cançar. §. Sem 
descançar. 

INCANDILÁDO , e INCANDILÁR. V. Encandi- 
Jado , Encandilar. Jncandilar-se a vista; escure- 
cer-se. £. P. antes encandeyar-se a viita. 

líNíCAiNTÁVEL , adj. A distancia , ou interval- 
lo entre tom , e semitom na Musica , a qual se 
náo pôde exprimir com a voz , nem cantar. Nu- 
nes , Trat. das Explan. f. 68. 

INCAPACIDADE , s. f. Falta de capacidade fí- 
sica. §. Falta de habilidade , talento , de sufficien- 
cia '. V. g. i^ incapacidade do lugar , que não dá 
commodo a tantos : a incapacidade , que tem por 
falta de lettras , de costumes. §. Imperícia , igno- 
rância. §. Inhabilidade jurídica : v. g. excepção de 
- — do procurador. Ord. Af. 5. T. zi. 

INCAPACITADO , parr. pass. de Incapacitar. 
Feito incapaz , deshabilicado. Fieira , Cartas , Tom. 
2. /. 316. velhice, que ha tantos annos me tem 
incapacitado p.tra este exercido ( de pregar ) . 

INCAPACITAR , V. at. Fazer incapaz , inha- 
■fcil , inútil. Esping. Perf.f. 27. incapacitáo o /erro 
para delle se lavrarem armas : o mão ensino , os 
mãos mestres incapacitáo os discípulos , para depois 
aprenderem bdii nenhuma arte : a Lei incapacita , 
ou inhabilita para os empregos ^ &-c. 

INCAPAZ, adj. Sem capacidade física: v. g- 
casa incapaz de accommodar muita gente. §. Inha- 
bil , insuiiitiente para as Lettras , empregos ■■, in- 



INC 



141 



dighô. §. Ignoratíte. §. Incapaz ; que não com- 
porta. 

INCAPILLÁTO , adj. Calvo. M. Conq. ç. 21. 
fallando da occasiáo , diz que tem a fronte po- 
voada de cabellos , e que por detraz é calva , 
e incapillata. p usado. 

INCAUTAMENTE , adv. Sem cautela , dcsa- 
cauteladamente. 

INCAUTÍSSIMO , superl. de Incauto. 

INCAUTO , adj. Desacautelado , imprudente : 
o incauto vulgo ; aves incautas ; vistas incautas j 
o incauto caminhante. 

INÇADO , part. pass. de Inçar. Invado de er- 
ros. Couto. 7. I. 2. 

INÇAR , V, at. Povoar de filhos algum lugar 
em múi grande copia ; diz-se dos bichos , ani- 
máes , insectos: v. g. a coelha , que ia prenhe , em 
poucos mezes inçou a terra de sorte , que não si 
colhia fruto , que lhes ficasse em alcance : os pio- 
lhos inçaráo-lhe o corpo. §. f. Negras, e mulatas 
soem ser fecundas , e inçar huma casa de tantas 
manchas , quantas delias nascem. Carta de Guia: 
§ Ini^ar as escolas de erros; o público demdsdotí- 
trinas. V. Lobo, Corte , f. 3:58. escolas inçadas ííe 
enganos : os erros , em que fervem, e estão inçadas 
suas obras. " Ceremonias Judaicas de que a In-, 
dia se começava a inçar.''^ Couto , 6. 7. 5. 

INCENDÈR. V. Encender. Ferreira , Egloga 5. 
Lilia, que Amor co' a vista incende, e es- 
panta. 

INCENDIADO , part; pass. de Incendiar-se. 

INCENDIAR, V. at. Pôr fogo. §. Iwetidiar-se l 
reflex. arder , tomar fogo. 

INCENDIÁRIO , s. m. O que maliciosamente 
põe fogo , ás casas , pães , &c. Orden. Af. ç. 85. 
5. " incendiários de máo preposiio." Eeo , Tr. 2. 
/. pi. f. Epanaf. f. 561. 

INCENDIÁRIO , adj. M. Conq. 2. 28. OS raios 
incendiários do fluido elemento. 

INCENDÍDO , part. pass- de Incender. Cam. Sen. 
84. V. Encendido : posto que incendido seja mais 
análogo a incêndio. 

INCENDIMÈNTO ; por , Incêndio. Elegiada , 
/. 14?, f. 

INCÊNDIO , s. m. Grande fogo, que abrasa 
edifícios , searas , matas , cidades. §. Incêndio das 
paixões , ira , amor , &-c. grande ardor. Serem causa 
de grande incêndio de guerra naquellas panes. B, 
I. 4. 9, §. Os Médicos dizem , que as aguas 
vermelhas do doente tem sett incêndio. 

INCENSADO , p. p. de Incensar. §. f. Aduk- 
do. 

INCENSAR , V. at. Perfumar com incenso : 
V. ^. incensar os altares, o SantiJJimo , ou ao 
Sacerdote, dirigindo a elle o movimento, que se 
i-az com o thuribalo. " com seus thuríbulos nas 
máos incensando." Fida do Arçeb, L. 6. c. 18. 
§. f. Adular , lisongear, 

IN- 




I 



^ 




14* 



INC 





10 



WÁ 



71 



INCENSÁRIO , s. m. V. ThUfibuh. Gdhegos. 

F. Mendes, cap. 90. . 

INCENSO, s. m. Goma aromática, c cheiro- 
sa que se queima de ordinário nas Igrejas. §. In 
censo macho, é o primeiro, que deltiUa a arvo- 
re em lagrimas limpas, e puras: o outro dito 
fêmea , náo é táo limpo , e vem mifturado com 
matérias heterogéneas. §. Incenso, ou incensos, no 
f. loHVores , lisonjas : " dar incensos." 

INCENSÓRIO, s. m. Thuribulo. 

INCENTÍVO, s. m. Estimulo , mcitamento : 
v (T. «* os incentivos do amor." acipipes , iguarias , 
salsas , que são incentivos da gula : a mitstca in- 
centivo da alegria : serve de incentivo d virtu- 
de : incenrivo da perdigão. Fmra , 5. 169. 

Feyo , Tr. 2. f. rz. , „ . 

INCERTAMENTE, adv. Com mcerteza. 

INCERTEZA, s. f. Falta de certeza, duvida : 
V. çr. a incerteza dos sucessos , e emtos da guer- 
ra f a incerteza com que Jalla nas coisas : — do 
(ntendimemo não convencido ; da vontade erradia , 
e caprichosa. § Contingência. 

INCERTIDIo, s. f. ant. Incerteza, Ord. A], 
2. /. 194. traz incertidoem. 

INCERTO, adj, Náo persuadido, náo capaci- 
tado. §. Duvidoso. §. Contingente ; arriscado: 
V. g. d cerca desta verdade inda me acho jncetto : 
a nova tenho por incerta : tão incertos são os suc- 
cessos da guerra , e úas navegações ; os tempos , que 
reinão no mar : incertas são as coisas da vida , 
que de comino vão fallindo nossos fundamentos , e 

ts per ancas. 

INCESSANTE , adj. Náo interrompido , con- 
tinuo : V. g. O incessante discurso do Sol : trabalho 

INCESSANTEMENTE , adv. Sem se interrom- 
per , ou descontinuar ; continuadamente. 

INCESSÁVEL , adj. Incessante. " graças inces- 
saveis." Exceli, da Ave Maria. 

INCESTÁDO , patt. pass. Polluido com inces- 
to, o leito — í matrimonio — . 

INCESTÁR , V. at. Resende , Misceltanea , f. 1 1 1. 
foi. i.diz: os Mouros incestaváo os Judeus, que 
sairão deste Reino , forçando-lhes as mulheres , fi- 
lhas , e filhos ; i. e. deshonraváo com incestos , 
abusando das parentas. 

INCESTO , s. m. Cópula carnal entre paren- 
tes por consanguinidade , ou aiíinidade , dentro 
no quarto gráo. Lusíada , e Ordenai^. L. 5. 

INCESTUOSO , adj. Que commetteu incesto. 
§. Em que ha incesto : v. g. matrimonio — . M. 
L. S' í 5- e 2. f. 9. f. _ 

ÍNCHA, s. f. Ódio, Leão, Ong. c. 18. diz, 
que c plebeu. V. Inchado com soberba. 

iNCHAqlO , s. t. Extensão , e grossura pre- 
ternatural de alguma parte do corpo. §. K Des- 
vanecimento , orgulho. Farella. Arraes , Prol. e 
^ÍJTi. f. iQ. mortificar a inchação de bum es- 



INC 

plrito altivo- V. de Suso , cap. 42.' 

INCHAÇO , s. m. Inchação. %, f. Incha , pai- 
xão, agastamenco grande. Sá Mir. tal inchaço 
inda em ti jaz. 

INCHADO , parr. pass. de Inchar. §. As velas 
inchadas do vento , bem enfunado nellas ; i. é , pan- 
das, tesas. Arraes, i. i. §. Discurso , estilo incha- 
do ; que tem lalsa grandeza , c elevação , pom- 
pa falsa. §. O fruto — ; que está para amadure- 
cer. §. O mar inchado com a tormenta ; grosso. O rio 
inchado com a cheya. Naufr. de Sep, os olhos 
inchados de chorar -^ inflammados, 8cc falsa, e 
inchada divindade. Pinheiro , 2. 94. §. Ficado 
com soberba. Cron. J. 5. P. 2. c. 88. §. Vão , 
com corpo oco , e volumoso. §. Fig. " pompas , 
e ventos, titulas inchados." Ferr. Castro ,f. 148. 

INCHAR , V. at. Fazer inchar , ou inchado. 
Cardoso. §. f. Enfunar : v. g, incha o vento as 
velas. §, Fazer augmentar de volume : v, g. in- 
char a hexiga soprando , o ventre rarefazendo-se 
o ar , ó'C. §. In.har , n. ficar inchado no piopr. 
e no f. ensubetbecer-se. Hist Dom. P. 2. desva- 
necer-se. Vieira, de se desvanecer , ou inchar de 
mais bem nascido. 

INCHIRIDIÃO, s. m. V. Enchiridião. H. Pin- 
to , f. 49 f o inchiridião do filosofo Tbeofrasto, 

INCHOÁDAMÈNTE , adv. Pri cipalrnente Sen- 
tença da Inquisição contra o Fieira , n. 68. " a 
qual ainda não está comprida mais que incboa- 
damente." 

INCHOÁDO , adj. (^ch como q") Principiado. 
Fieira. 

INCIDÊNCIA , s. f. r. de Catoptr. Catheto de 
incidência i uma recta tirada do ponto radiante, 
ou do objecto perpendicularmente á superfície de 
um espelho. §. Minutos de incidência. V. Minu- 
to. 

INCIDENTE , s. m. Successo que sobrevem. 
§. Accidente , circunstancia , que se ajunta á coi- 
sa , e facto principal. §. Incidente : successo me- 
nos principal da historia. Fida do Arceb. 5. 14. 
'' Cortar a historia a miude com incidentes." 

INCIDENTE, adj. Camisa, om quentão incidente -^ 
aquella que vêi por occasião da principal : t. 
forense. Fieira. §. Incidente , t. de Med. (_ de in- 
cido , cortar ) V. Incisivo. 

INCIDENTEMENTE, adv. Por incidente, por 
occasião , ou á volta do ponto principal. Gotf- 
vea , Prol. tratar alguma matéria — . 

INCIDÍR , V. at. t. de Med. Incidir os humores j 
fazè-los mais ténues , e gastá-los pouco e pou- 
co, (do Lat. úicído , de c£Úo) §. Incidir : cajr, 
acontecer. " duvida que ás vezes incide." Leãe , 
Ortogr. f. 298. p. us. (de incido, Lat. de caJo.') 

INCINERAÇÃO , s. f. O acto de queimar al- 
gum corpo até o reduzir a cinzas , v. g. as ramas 
das arvores, Scc. Lei de 21. de M^rco de ii*oo, 

INCINERADO , part. pass. Reduzido ao estj- 

do 



S ^m 



INC 

do de cin2a pela combustão. 

INCIRCUNCÍSO, adj. Não circuncidado. §. fig. 
Que jaz na culpa , peccado i e estes são incir- 
tuncisos no espirito. 

INCIRCUNSCRÍPTO , adj. lllimitado; náo con- 
tido , ou encerrado em limites. De/ís é incircun- 
sctipio , i nio estd em lugar. 

liMCJSÃO , s. f. t. de Cirurg. Corte , golpe com 
lanceta , ou canivete , para tirar sangue ; humor 
de arvores. 

INCISIVO , adj. Que corta : v. g. a agK^ for- 
te com sita virtude inciaiva , ahre , e penetra o 
ferro. 

INCÍSO , adj. Cortado ; ferido com ferro de 
gume : V. g. " ferida incisa." §. jnciso , usa-se 
subsr. por hase , que fazendo sentido breve , c 
separado da proposição principal , lhe accrescenta 
alguma circunstancia : v. g. vos viveis quietos , 
e descansados , sem temores , nem cuidados : sem 
temores , nem cuidador , são Incisos. 

INClSÒR , adj. Dmtes inciores ^ sáo os deci- 
ma , e debaixo , que correm desde uma presa , 
ou desde um dente laniar , ou canino , ao outro. 
INCISÚRA , s. i. V. Incisão. 
INClTAqlO , s. f. o acto de incitar. P. P. 
Prologo. 

INCITADO , part. país. de Incitar. 

INCITADOR, s. e adj, Pessoa, ou coisa , que 
incita : taes rodeios teverão . . . e taes incitadores 
buicarom , e menerão ás orelhas del-Rei ( para arrui- 
narem o Duq.ie). Ined. i. i^^ó. e z. 56, dtna- 
dos — , e mais perversos conselheiros : Para o ma- 
tar teve grande incitador em Rume Can. B. 4. 5. 
15. " esporas incitadoras da virtiíde.^" H. Pinte , 
/. 45 ?• (ol. I. 

INCITAMENTO , s. m. Estímulo , incentivo : 
V. g. incicamentos da gala , da luxuria , da emu- 
lai^ão , da virtude , éi-e. §. Conselho , persuasões. 
entrava em sttas terras ... per incitamento do 
jiiadechan. B. 4. y. 13. 

INCITAR , V. at. Excitar , picar , pungir , es- 
timular, aguilhoar: v. g. incitar a c/tnosidade , 
a ira incitou-o ; incitava-me a ambição a traba- 
lhar , <b-c. 

INCITATÍVO , adj. Que incita , estimula , in- 
duz, provoca: v. g. píilavras incitativas d devo- 
ção. Lucena, «tinha cada hum seu appetuo inci- 
tattvo.'> Como, 5. 6. 4. 

INCLEMÊNCIA , s. f. Falta de clemência. §. fig. 
Rigor : V. g. a inclemência dos ares deste climn ; 
mclcmencias do tempo. §. Má , grave influencia : 
V. g. inclemência dos astros. Fascon. Not. 

INCLEMENTE, adj. Náo clemente, crueL §. f. 
Galhego'. "raio inclemente;'^ áspero, desabrido: 
ares destemperados, e inclementes; tempo, clima 
inclemente; lugar inclemente,, e desabrido. No- 
mliarí]Uia, 

INCLEMENTÍSSIMO , jupçrlat. de Inclemente. 



INC 



H3 



TNCHNAq;{0 , s. f. Pendor da coisa que náo 
esta perpendicular. H. de S. Dom. P. i. f ,42. 
^. vinha a fazer no alto do campanário tal in- 
chnaçao. a inclinação das arvores, puxadas do 
^ruto , ou impellidas do rento. Mon. Lus. 7. /. 
'71- §. O curvar o corpo, abaixar a cabeça por 
acatamento , e cortesia , ou ajoelhando , &c. Lo- 
bo, Corte, D. 12. §. Inclinarão de uma linha, 
ou superfície para a outra , consiste em vir-se 
estreitando mais e mais o espaço entre ellas , 
ao contrario da divergência , ou parallelismo. §. Iw 
clmaçao do Planeta , t. de Astron. o angulo que 
a sua orbita faz com a Ecliptica. §. Inclinalãa 
na guimica, e emborcar pouco e pouco o va- 
so , para derramar o liquido de sorte , que venha 
sem o pe , o qual fica no fundo. §. IncUnaçaa 
da agulha , consiste em ir-se abaixando a extre- 
midade , que está voltada para o Polo , cuja al- 
tura se vai enchendo , o que succede logo que 
se passa o Equador. §. Propensão , indole , dis- 
posição : V. ^. — para as lettras , armas , paz , 
gííerra, commercio, vimde , off vidos. V, do Ar- 
ceb. I. I. 

INCLINADO , part. pass." de Inclinar. §. Plano 
— : maquina que facilita a subida dos corpos, 
como uma táboa posta em ladeira. §. Sujem 
bem, ou mal — ; propenso ao bem , ou mal. 
§. Baixo. " mostra o pescoço ao jugo iá incli- 
nado.^' Lus. 1. 16. ^01 

INCLINAR , v. at. Fazer deixar a posição re- 
cta , e perpendicular : v, g. inclinar o corpo para 
cortejar: o collo inclina. Eneida, 10. 205. ^^ Incli- 
nai yot um pouco a Majestade." Lusíada ^ 1,9. 
inclmao as arvores as copas impellidas dos ventos : 
f. inclinar o animo d virtude , o génio ás letras j 



encaminhar. Arraes , :}. 5. « inclina Deus os cc- 
raçoes_ dos Reis a coisas de seu serviço :'* " in- 
clinavão o animo á piedade.^" Cam. Son. 41. §. In- 
clinar o vaso ; í-lo voltando pouco , e pouco pa- 
ra o vasar. §. v. n. Pender, ir perdendo a po- 
sição recra perpendicular , a planura horisontal 
e iazenJo-se em ladeira. §. Ter propensão , in- 
clinação , geiro para. Guia de Casados, mulher que 
inclina a ísta vã gloria. §. Dirigir-se : v. g. in- 
cfna o animo a maiores coisas. ^'■Inclinão seu pro- 
pósito e porfia A ver os berços, onde nasce o 
dia.^^ Lmiad. §. — se: ter propensão para seguir : 
V. g. inclinar-se as lettras, ás armas : ít. favore- 
cer , promover. §. Inclinar-se a victoria a al^tm 
dos partidos ; ir-se declarando por esse , a quem 
se inclina. Chron. Af 5. inclinar-se a fortuna da 
guerra. §. Inclinar-se o dia ; quando o Sol se 
vai pondo. M. Lusit. 

ÍNCLITO , ad). Illustre , famoso , notável. ín- 
clitas proezas ; os Ínclitos Heis de Portugal. M. 
Lus. Eneida , 1 1. 205. ^Unclita donzella.^' 

INCLUDÍR. V. Incluir, ant. 

INCLUÍDO , part. pass. de Incluir, v. g. foi 



i 



W 



ia- 





i^arTíV 



INC 



m 



incluido no numero; mas dizemos carta inclusa 

^"IncÍuÍR , V. at. Encerrar , fechar dentro de 
ou ra c^sa^ v. >• incluir uma carta dentro de ou- 
ir/ Compreheníer , abranger, conter em seus h- 
mUes -7 5. inclúe o Senhorio de Bragada 400. 
SrTm. fig. incluiáo entre úhuma grande inconye- 
Sia. M. Lusit. §. Incimr no nmnero ; com- 

^iKSÀ:Tf.'vi^i?^- ^— '-^ ' /• 

'^INCLUSÃO , s. f. Oset incltíso ,_mettido den 
tro comprehendido. §. fig. '^^tnclmao na paz :» o 
Ter 'aaml^ido e.r^ a^ueilcs , a ,uem^ se conc^ede 

SaSes^^rorféòs ío" e^To /^ f istia.» 

JnClSsÍVAIVIÈNTE , adv. Ficando meloso : v.^. 
Joseteno. - : i. é , fiando o seteno inclu- 

"irCLÚSoTpart. irreg. de Incluir. V Incluid^ 
Carta inclusa em omra: sentença mclusa m bre- 
vespaSvras. B. Lima, «a semença, que jaz no 

^"nCOBRÁVEL, adj. Que se t,áo p6de cobrar : 
v/^? ivV- : >4tó rfe 20. de Feverem de 

'^ÍnCÓGNiÍo , adj. Ignoto , desconhecido :v.^. 
a incosniia enseada. Lm. 10. 129. "gentes m 
'^^o^^J^> Lus. 4. 65. /'planta a mu^os2^^««j. 
Fasconc. Notic. «mal '"cognito rarella te 

I rieira. «filho de pais mco^míoí se diz o 
e'xposto , ou bastardo. §. Que nâo se da a co- 
nhecer , ou publica por quem e -, v. g. ti-Ket 
Ta]alà incógnito deLm do titulo de Conde do 
Norte. V. Encoberto. §. \ima mco^?mW, no calcu- 
lo ; i. é , quantidade desconhecida , cujo valor se 
ignora . e náo é determinado. 

INCÒHERÈNCIA , s. f. Falta de coberenc.a. 
§. Discrepância; v. g. entre o que se d.z , e o 
que ee obra : desconvenienca-, desconlormidade , 
S. g. das testemunhas em seus d.tos ou dos d,- 
tos de uma mesma testemunha § Inconsequên- 
cia. Vieira, e os Catholicos amda com »^^^or J 
coherencia confessando qmDeUs he }fo,J^cao 
confiadamente como se os nxo houvera '^^ff^&^^l 
Jc. Qtte incoherencia dos peccadores ! cremos, que 
ha inferno para sempre, t vivemos como se tal nao 
fosse U. Incoherencia em algum sistema: admissão 
% principies , que náo vão contormes com ou- 
tros . ou íactos Scc. - , 

INCOriERENTE , adj. Que nao tem coheren- 
cia S fii Que náo conforn-a , nao combina , que 
«e 'encontía com outra coisa: v. g. dizu coisas - : co/- 
íL incoherentes com a verdade : a tcstemmha nao 
procede coherente ; 1. é , contranando-se no qu. 

'VnCOHERÈNTEMÈNTE , adv. Sem cohetencia , 



INC 

sem connexáo ; sem conformidade com o que se 
fez , ou dice antes : v. g. obrar — \ responder , 
depor , jfsrar mcoherentemente. 

ÍNCOLA , s. m. O morador na terra onde es- 
tá , e habita. Camões, Lus. ?. 21. t. poet. £ nel- 
la ( Lusitânia ) então os íncolas primeiros. 

INCÓLUME , adj. Sáo , salvo , iHeso. Farella. 

p. usado. 

INCOLUMIDÁDE , s. i. Isenção do que esta , 
ou ficou sáo , salvo , illeso. p. usado. 

INCOMBUSTÍVEL , ad). Que se náo queima 
no fogo : V. g. o espinheiro incombustível , qite 

vio Moyses. 

INCOMMENSURAVEL , ad]. t. de Geometr. 
Quantidades incommensuraveis sáo as que náo tem 
medida commúa. 

INCOIVIMODÁDO , part. pass. de Incommodar. 

INCOMMODADÒR , s. m. O que incommoda 

os outros. j 

INCÒMIVIODAMÈNTE , adv. Com descommodo. 

INCOMMODAR , v. at. Causar incommodo , 
inquietar , perturbar. 

INCOMMODIDÁDE, s. f. Descommodo. 

INCÒMMODO , s. m. Descommodo , trabalho : 
V. g. sofrer os incommodos de uma jornada , via- 
gem ; de uma prisão , do xndo tempo , <ò'C. ^ 

INCÒMMODO , adj. Que incommoda , que da 
trabalho , inquiençáo. §. Que estorva , e _e con- 
trario : V. g- inverno incommodo d navegação. Lu- 
cena. §. Que náo tem commodos : v- g- casa — • 

INCOMMUNICÁVEL , adj. Que náo se aiun- 
ta , ou communica : v. g. o mar Fcrmelho e in- 
communicavel com Mediterrâneo pelo Egypto. 
§. Pessoa que náo se deixa , ou nao se pode 
communicar. §. Coisa que se náo pode repartir , 
ou participar a outrem : V. g. " merco , segredo 
incommunicaveis." Fieira, como podiao ser incom- 
municaveis os peitos, que criarão o mesmo sum- 

mo bem. , r ^ • 

INCOMMUTABILIDADE , s. f. O set mcom- 

mutavel, . , / 1 

INCOMMUTÁVEL , ad). Que se nao pode , ou 
não se deve commutar : v. g. voto — . Coiispf 
rac. f. 29. col. 2. Que se náo deve trocar : que 
se náo poda mudar ; v. g. ^ vida — ; a eterna , que 
náo é como a presente transitória , e mudável. 
INCOMPARÁVEL , ad). Que náo admitte com- 
paração por náo ter igual em grandeza , ou ou- 
tro attributo físico , ou moral. 
INCOMPARAVELMENTE , adv. Sem compara. 

INCOMPATIBILIDADE , s. f. Repugnância , 
■ mplicancia de coisas, que náo podem compade- 
-er-se, ou existir juntamente em um sujeito h- 
„ca , ou moralmente : V. g. ha incompatibilidade 
cm ser o mesmo curpo , e ao mesmo tempo Jrio , 
e quente ; cm ser compassivo , e crUil ; or. 

Ln COMPATÍVEL, adj. Que repugna , i«^P'^"^^J^» 



^ . 



ãif^ 



INC 

envolve cohtradiçáo ; que náo pôde compade- 
cer-se com outro fisica , ou moralmente : v. g. 

Sif betuíiventrirado , e desejar sempre mvos e novos 
bens , são coisas incompatíveis : a prfidencia c in- 
compatível com os tenros aniioi. %. Génios , h/tmo- 
res , Índoles incoínpativeis ; descoatormes que se 
não dão bem. 

INCOivlPATÍVELMÈNTE, adv. De modo in- 
compaável. ninguém pode incompativelmente server 
ao mesmo tempo a dois senhores tão distantes , a 
quem não pôde assistir. 

INCOMPETÈiNCíA , s. f. Falta de autoridade , 
ou jurisdicçáo. '■^Incompetência do juiz ;" a quem 
náo compete o conhecimento de alguma causa : 
V. g. allegar — de juiz , ou juizo , ou foro. 

INCOMPETENTE , adj. J/liz , ou juizo — , 
a quem , ou onde não pertence o conhecimento 
da causa por laica de jurisdicçáo , ou de alçada. 
y. do Arceb. " era dada em juizo incompetente:' 
§. Impróprio, inútil: v. g. fr/Z incompetente /íí- 
zer esta obra. 

INCOMPLETAMENTE , adv. De modo incom- 
pleto, 

INCOMPLETO , adj. Não completo , a que 
falta alguma parte : v. g. obra — ; a que falta 
Tomo , Livro ; com falta de folha. §. Obra náo 
acabada. 

INCOMPORTÁVEL , adj. Insuportável : v, g. 
dor , vici-o incomportável ; os ardores incomportá- 
veis da tórrida zona, Lucena, trabalhos incompor- 
táveis. B. ^. 5. 9. despezas , injurias , afrontas in- 
comportáveis: tributo — ; vento de refegas incom- 
portáveis. F. Mendes , c, 61. ^'Incomportáveis di- 
vidas.'* Feyo , Serm. da Purif p. 92. ^. Passar 
peitas ninharias da entrada , a incomportáveis re- 
laxações. Ceita , Serm. p 3^6. 

INCOMPORTÁVELMÈNTE , adv. De modo 
incomportável : v. g. trabalhar — , aturar — . 

INCOMPOSSÍVEL , adj. Que não é possível 
juntamente com outro : v. g. " ser perdulário , e 
querer ajuntar thesouro , cosas sáo iniTompojíívfij." 
Vieira. " a immenbidade diquellas obras, que sem 
ella eráo incompossivei.J* 

INCOMPÒSTO , adj. Sem composição de par- 
tes. Conspir. f. 20^. " estava a terra a princpio 
vazia , iniructuosa , incomposta," 

INCOMPREHENDÍDO , part. pass. Que ninguém 
comprehendeu. ''Incomprehendido juízo do Ceo." 
Eneida ,2. 104. 

INCOMPREHENSIBILIDÁDE , s. f. Qualidade de 
ser incomprehensivel : v. g. a — da natureza Di- 
vina. 

INCOMPREHENSÍVEL , adj. Que o entend'- 
niento não sabe , ou não pôde comprehender , 
perceber : v. g. os mysterios da Religião são in- 
comprehensiveis d razão , não jd contrários a ella. 

INCOMUNHÁR. V. Encomunhar 

INCONCÉSSO, adj. Defezo, prohibido moral- 



INC 



^45" 



mente. Lusíada ^ ^. 141. hum \ncQnces50 amõr de- 
satinado. 

INCONCILIABILIDÁDE , s. f. O ser incoticilia-" 
vel ; V. g. a — das Leis oppostas, §. — das Índo- 
les y princípios ; dos costumes irregulares com a si 
moral. 

INCONCILIÁVEL , adj. Que se náo pôde conr 
ciliar com outro : v. g- textos inconciliáveis ; gC' 
nios inconciliáveis ; 6^'f. 

INCONCORDÁVEL , adj. Que se não pôde con- 
cordar com outro j inconciliável: v-g. "contradi- 
ções inconcorddveis.''^ 

INCONCÚSSAMÈNTE, adv. Verdade inconcus- 
sa mente affirmada , e demonstrada. 

INCONCUSSO , adj. Firme, não abalado: V. ^.' 
verdade — , Jiddidade — ; provas ,^ razoes , argit- 
mentos — ; i. é , sólidos , que se náo refutão. 

INCONFIDÊNCIA , s. f. Falta de fé , ou da. 
fidelidade devida ao Príncipe. §. Tribunal da Incon- 
fidência , onde preside um juiz , para conhecer des-. 
te crime. 

INCONFIDENTE , adj. Infiel ao Príncipe. 

INCÒN CRUAMENTE , adv. Sem congruência.' 

INCONGRUÊNCIA , s. f. Falta de congruên- 
cia , de proporção , de conveniência , proprieda«! 
de , boa conformidade. 

INCONGRUENTE , adj. Que é falto de con- 
gruência. §. Desconvcniente , que náo concorda, 
não rima ; no fig. 

INCÒNGRUO, adj. Incongruente, impróprio J 
não pertencente , não conforme á utilidade , ou de- 
coro : V. g. não lhe serd incongrua 4 Poesia. Vor 
relia. 

INCÒNHO , adj. V. Conho. 

INCONNÉXAAIÈNTE , adv. Sem connexáo ; 
desatadamente. 

INCONNEXAO , s. f. Falta de connexáo. 

INCONNÉXO, adj. Desatado, sem connexáoj 

INCONQUISTÁDO , adj. Não conquistado §. f; 
vontade — ; não vencida , por mais que a gran- 
geyem , oa queirão violentar. ^ 

INCONQUISTÁVEL , adj. Que se náo pode 
conquistar, tomar á força darmas. 

INCONSEQUÊNCIA , s. f. Conclusáo tirada de 
principios , de que se não segue , ou como náo 
deve ser tirada. §. O não seguir uma coisa a ou- 
tra sua antecedente : v. g. a nullidade do despo- 
sorio pela inconsequência do matrimonio. M. Lus, 
§. Falta de connexáo entre as coisas , que se dis- 
serão , e as que se vão dizendo. §. Falta de con- 
formidade no dizer, crer, professar, e no fazer , 
e obrar ; incoherencia. 

INCONSEQUENTE, adj. Em que ha incon- 
sequência. V. §. Homem — ; que se não confor- 
ma com sigo no que pensa , diz , e obra , admit- 
tindo coisas contradictorias , obrando o contrario 
do que entende , ou promettia ; incoherente , in- 
constante. 

,'.j..i« ;-^ --. j IN- 




í 





1^' 



r. 



j^6 INC 

■ 'ínCÓnSEQUENTEMENTE , adv. Com incon- 

sefluencia. _, 

INCONSIDERAÇÃO , s. f. Falta de pondera- 
ção , advertência , cons deraçáo. §. f. Leveza ; 
facilidade com que se falia , oo obta sem refle- 
xáp , e temerariamente ; imprudência. 

INCONSIDERADAMENTE, adv. Com incon- 
sideração. Mend. P.C. II 8. — , e sem entender o que 

tAlavâ. 

INCONSIDERADO , adj. Falto 3e ponderação , 
de reflexão i inadvertido , imprudente. " havido 
t)or diligente, mas não escaparia de nota de »i- 
considerado."^ F. do Jrceb. 5. 7. Lobo. respondeu 
hum dilkf com inconsiderada liberdade : resQlu^ão 
-— : acção — . §. Imprevisto : v. g. caso -, — . Se 
aJgum caso inconsiderado impedir , que não possão 
ser baptizados. Cathec. Rom. i^6. 
_ INCONSOLÁDO , adj. Sem consolação , por 
ft|p a receber , ou falta de quem console. 

INCONSOLÁVEL , adi. Que não adraitte con- 
solação , que se não pode consolar. 

INCONSOLÁ VEEMENTE , adv. De modo in- 
tonsolavel : v. g. " chorar inconsolavelmente.^^ 

INCONSONÀNCIA , INCONSONÀNTE, V. Dis- 
sonância , Dissonante. 

INCONSTÂNCIA , s. f. Falta de constância ; le- 
yiandade , ou leveza , com que se muda de re- 
soluções , de opiniões , de aíFectos , de caracter , de 
inclinações. §. Instabilidade , variedade : v. g. — 
da fortuna , que muda de comino em bem ou 
tnal. §. Falta de firmeza no sofrimento dos tra- 
balhos. §. Do movei , hora accelerad© , hora re- 
tardado. 

INCONSTANTE, adj. Não íirmè : v. ^. homem 
'— no parecer , na resolução , nas. opiniões , nos aj- 
Jectos. Vario , leve , mudável : v. g. o tempo , ou 
Atmosfera — ; a fortuna , e estado — das coisas 
humanas : inconstante nos trabalhos , na fé , <ò^c. 
que cede , vacilla. §. — no movimento ; o corpo 
que hora se retarda , hora se accelera. 

INCONSTÀNTEMÈNTE , adv. Com inconstân- 
cia. 

INCONSTANTÍSSIMO , superl. de Inconstante. 

INCONSÚLTO , adj. Não consultado. A-f. Lus. 
O cabido , inconsulto o mesmo Rei , se resolveu : 
í, é , sem consultar. 

INCONSUMPTÍVEL , adj. Que se não conso- 
me , ou perece : v. g. " a matéria do altar era 
i comumptivel relo fogo, &c.'' Fieira, o asbesto 
he inconsumptivcl no fogo. Barreto. 

INCONSÚTIL , adj. Títnica — ; de uma só pe- 
ça , inteiriça, sem costura nenhuma, qual foi a 
de Christo , feita pela S. Virgem. 

I.slCONTAMINÁDO , ad). Não manchado, sem 
labéo ; v. g. virtude — , castidade — . Livre : 
V. g. terra , ou sujeito — da peste ; fonte — ; pu- 
ra, fig. " a honra guardai incontaminada?'' Fios 
ifanÇi' pag, CIX. fonti do «í^ct/ incontamitvada so- 



INC 

bre o lodo da Cw\e. Farella. alma — : 

INCONTINÊNCIA, s. f. Vicio opposto á con- 
tinência , ou temperança em geral. Camões. " in- 
continência deshonesta i" i. é , no vicio torpe da 
carne : a incontinência de Tibério. M. Lus. §. Ta- 
continencia da urina ; o não poder contè-la, e 
urinar sem se sentir. Polyant. Aledic. 

INCONTINENTE , adj. Immodetado , ou sem 
moderação nos appetites em geral ; e particular- 
mente do appet te venéreo : v. g. " mulheres f/i- 
continentes.^^ Aíon. Lus. estilo da vida incontinen- 
te , e dissoluta. Mon. Lus. não presumas de Tito- 
na incontinente effeito : i. é , culpa contra a cas- 
tidade. M. Conq. §. Repentino , apressado , feito 
logo. Barr. 2. 9. 2. a industria tão incontinente, 
que teve no alagar as suas lancharas. 

INCONTRASTÁVEL , adj. Irresistível , contra 
que não ha coisa , que se tenha : v. g. armas 
incontrastaveis ; razoes , provas — 9 verdades — ; 
união — de potenciais , forças. Fort. Rest. 

INCONTRASTÁVELMÈNTE, adv. De modo 
incontrastavel : v. g. provou incontrastavelmenre. 

INCONVENIÊNCIA , s. f. Falta de concórdia , 
de conformidade : v. g. perderão-se muitas arma- 
das pela inconveniência dos Capitães, Lobo. 

INCONVENIENTE , s. m. Obstáculo , estorvo , 
que desvia o êxito de alguma negociação , obra , 
trabalho, negocio. F. do Arceh. L. 6. c. 2:5. " in- 
terviérão táes inconvenientes-^' Fieira. " inconvenien- 
tes , que se devem evitar.'' 

INCONVENIENTE , ad). Não conveniente. 

INCÓRDIO , s. m. t. de Cirurg, Tumor : v. g. 
o incordio nas vinlhas. 

INCORPORAÇÃO, INCORPORADO , INCOR- 
PORAR. V. com £n ; posto que com in parece 
melhor ortografia , e Fieira diz chamar 'a DeUS 
incorporado. §. Incorporado no ccrpo de Leis ; in- 
serto , incluído. §. Incorporação : união_ de um 
membro para se formar um iodo. Leão^ Des- 
cripcão. 

INCORPOREiDÁDE, s. f. A qualidade de ser 
incorpóreo. Fieira, no Sacramento a carne de Chrisz 
to se vestiu da incoiporeidade do espirito. 

INCORPÓREO , adj. Que não é corpóreo , não 
material : v. g. " a alma é incorpórea." 

INCORRECÇÃO , s. f. Falta de correcção j 
V. g. de uma edição , do estilo. 

INCORRECTO , adj. Não emendado ,^ com 
erro , defeito : v. g» obra — : a que se náo deu 
a ultima lima, ou mão. §. Não sujeito a repre- 
hensâo , nem emenda : v. g. DeUs sendo incorre- 
cto pila sua rectidão.^ 

INCORREGICILIDÁDE , s. f. A perseverança 
no erro , ou culpa , falta de emenda. 

INCORREGÍVEL , adj. Que se não emenda 
de erro , ©u culpa : v. g. homem — , vic-o — . 

INCORRER , melhor que Encorrcr. Cahir , fi- 
car sujeito: V. g' incorrer m (Ciisura, excomu- 
■ nhao. 



ãi .^ 




INC 

nhão. V. Emnido , Encorrer. " wtomr nota de 
ingrato.^' Vieira, , Tom. 2. Cait. 52. 

INCORRÍDO , supin, de Incorrer, tenho incorri- 
do m culpa de tiegligente. Barros , 2. :;. 3. p^rt. a 
pena incorrida, excomunhão incorrida. V. In:tlrso. 
havido por incorrido em crimes de tesa Mugestade. 

Cron. Cist. 6. c. 19- , , , - 

INCORRUPqÃO, s. f. Falta de coTrupçao tí- 
sica, das coisas que náo apodrecem. Fios Sanct. 
f, 224. f. a — da vida futura. " que este corpo 
corruptível vista incorrup^o.'^ Cathec. Roman. f. 
,éi. §. — da Lingoagcm. Severim , Disc. Pol. 2. 
§. f. — do juiz i que se náo deixa peitar : — - 
da testemunha ; que se náo corrompe : — da, ho- 
nestidade inconquistadã , é'C. 

INCORRÚPTAMÈNTE , adv. Sém corrupção 
fisca , ou moral : v. g. perseverou o cadáver incorru- 
praniente : o juiz limpo de mãos , e que procede 
incorruptamente , desprezando peitas , desauendend 
a mdos respeitos, <à^c. Com integridade, casta- 
mente: V g conservar — a, sua pureza. Vieira 

INCORRUPTIBILIDÁDE, s. f. O ser incorru- 
piivel \ V. g. a — d'esta madeira , íios metdes , &c. 

INCORRUPTÍSSIMO , superl. de Incorrupto. 

Calvo , Hom. P 2. /. 500. ^ ^ 

INCORRUPTÍVEL , adj. Que nao e sujeito 
a corrupção fisica ÇConspir. f. ?0, ou moral; 
V. g. madeira — ; honra , virtude , inteireza , pu- 
reza , castidade — ; juiz , magistrado , guardas 
— ; o Rei — . Ord. Jf. 3. 31. I. . 

INCORRUPTO , adj. Sem corrupção hsica , 
ou moral: V. Jncorrupcão : v. g. cadáver — ; 
p^Q — ; jfdz incorrupto ; donzella — ; castidade 
; inteireza — . códices mais incorruros , e emen- 
dados. Paiva , S. I. /. 34- vocábulos — do Latim 
m Porutguez. Leão , Ortograf. V. Infúro. 

INCR ASSADO , part. pass de Incrassar. 

INCRASSAMÈNTO , s. m. O estado da coisl 

incrassada. 

INCRASSÀNTE, part. prés. Que mcrassa. 

INCRASSAR , V. at. t, de Med. Engrossar : 
V. g. incrassar os humores delgMos ; o jno incras- 

sa o sangue. , . , . • 

INCREDIBILIDADE , s. f. O ser incrível. A in- 
credibilidade desta maravilha $e accrescenta com a 
circunstancia do tempo. 

INCREDÍVEL , adj. Incrível. 

INCREDULIDADE , s. h O contrario de cre- 
dulidade. §. A repugnância a crer o que se deve 
crer. 

INCRÉDULO , adj. Náo crédulo. §. O que 
náo crè as coisas , que são para se crerem. 

INCREiVEL , adj V. Incrível. Ferreira , Car 

ta 1. L. t. 

INCREMENTO , s. m. Augmento , crescimen- 
to : V. g. — do calor ; da febre. §. Crescente : 
V. g. " incremento da Lui." §. Ifirremefífo na Gram. 
]Uat. o auâmenco que teni os casos do oome em 



INC 

mais slllabas que o Nominativo. 

INCREPÁDO, part. pass^^ de Incrcpar. 

INCREPADÒR , s. m. O que increpa «Wíreí 
pador acerbo de descuidos.-'* 

INCREPÁR, V. at, Repreliender com aspere- 
za , severamente : v. g. os Pregadores hora m- 
crepando , ora arguindo : increpava-o demnos 
justificado: increpando-//;e a inobedtencta. UUssea, 
8. 118. ameaça , detém , increpa , e chama. 

INCRIÁDO, adi. f^áo criado, sem principio ^ 
V. g. "o verbo incriado.''' Vieira. 
' INCRINÁR-SE. V. Inclinar-se. 

INCRÍVEL, adj. Que náo merece , ou nao se 
pôde crer ; que excede á credulidade , ou a» 

crediro. _. , .-_ 

INCRÍVELMÈNTE , adv. De modo , que naO 

é crivei. _ » 

INCRUÁDO , part. pass. de Incruar-se. Os grãos 
ficarão incruados ; quando estando a cozer-se nao 
acabão de amoUecer , e como que lornao atraz. 
5. Incruado estômago \ indigesto. 

INGRUÁR , v. at. Fazer tornar a endurecer 
o que se ia cozendo ao fogo. §. Fazer cru , 
cruel. V. Encruar. §. refl. hicruar-se ; tornar ao 
estado antigo o mal que ia sarando , ou dinii- 
nuindo : V. g. incrua-se a tosse ; a chaga que ta 
a melhor, ou a sarar , e assim_ o estômago ^ue ta 
fazendo o cosimento , e digestão. ^ , 

INCRUENTO , adj. Em que nao ha effntao 
de sangue : v. g, sacrificio — , como o da Mis- 
sa. §. Incruenta anatomia do coração humano ; exa- 
me pouco severo. §. Victoria incruenta : aras — , 

INCRUSTAÇÃO, s. í. O acto de incrustar^ 

ou incrustar-se. 

INCRUSTADO , part. pass. de Incrustar. 

INCRUSTAR , V. ar. Cobrir de côdea , ou cas- 
ca : V. ?. — com óleo , e tintas grossas. §. Incrus- 
tar barrando ; ou congdando-se algum humor , 
que se espessa, e endurece : v. g. incusiao-se Oí 
7ora',Ões ; e algumas sustancias amma^s ; a gruta 
cõ conchinhas , lotíças , pedrinhas , &c. t. mod., 

^'^INCUBAQ^O , s. f. O estar a gallinha deita- 
da sobre os ovos para os tirar. 

INCUBADO , adj. Coberto da ave , das galli- 
nhãs : v. g- ovos incubados ; que esiao , ou esti- 
verão a chocar. . 

ÍNCUEO , adj. Que se deita por cima , como 
o homem no acto da copula. V. Súcuba ' l'au- 
nos , e Satyros incubos,'' Fios Sanct. V. de J- 
Paulo , Prim. Erem. 

INCUDE , s. f. poet. Bigorna. Vlissea. 

INCULCA , s. K Representação por vezes dO 
préstimo, e habilidade de alguém. Lobo. peta in- 
culca, que de mim fizeste. §. O acto_ de suge- 
rir- V g a incul.^ de comelho nao 'Jnistao § 1 es-- 
soa que vai tomar informações para as noticiar ;, 
V. ir; «deitai inculcas :'' 't. ped.r que «e adqu^a 
.0 X ii no? 



\ 



Lf 




:Jiv\\> 



INC 





hoticiã de coisa necessária , ou para nosso ser^ 
yiço : o que vai dar noticias , novidades. 

INCULCADO , part. pass. de Inculcar. 

INCULCADÒR , s- m. O que inculca. 

INCULCAR , V. at. ( os Clasicos escrevem de 
comum Enculca , Enculcar , <ò'C. ) Dar noticia : 
V- g. de coisa que se busca , quer comprar , ar- 
rendar, para mm enculcar , e avisar os segredos 
da hoste ao inimigo. Ord. Af. i. fJig. :5o 5. §. Dar 
á conhecer alguém com elogio , recommendaçáo , 
ou alguma coisa : v. g. inculcar o sen medico ; 
iticulcar os seus remédios , fazenda ; as habilidades 
do amigo» §. Repetir , e repizar , para impremir 
no animo : v- g- inculcar esta doutrina. §. Incul- 
car i ensinar, propor para seguir, aconselhar. So- 
mente enculcamos líç^ão commum a toda íjualida- 
de^ e idade (a da Historia). B. 5. Prol. §. — se: 
dar-se , vender-se : v. g. " iwulcão-se por valen- 
tes.-^ §. Dar mostra de si , descobrir-se : v. g. '■'■in- 
(úlcão-se néscio?.'" 

INCULPABILfSSIMO , sup. de Inculpável. Mui 
sem culpa , innocentissimo. Dedua^ão Chronolog. 

INCULPADO, ad). Sem culpa. Mausinho. "í«- 
culpada idade." §. Náo culpado , nem criminado. 

INCULPÁVEL, adj. A que se náo pode attri- 
buir culpa, innoceute : v- g- homem inculpável; 
vida inculpável. 

INCULPA VELMÈNTE , adv. Sem culpa , inno- 
çentemente : v- g- " viver inculpavelmente?^ 

INCULTO , adj. Náo cultivado , desaproveita- 
do : V. g. "terras incultas." §. Sem enfeite: v. ^. 
**formosura inctflta.^^ Camões. §. Sem «nsino , cul- 
tura , policia de lettras , artes : v. g. ^^ingenbo in- 
cvrfto , homens , nações — . Fieira. §. Sem con- 
certo : V. g. *' a barba inculta." N. de Sep. f. 60. 

INCULTURA , s. f. Falta de cultura nas ter- 
ras i falra de enfeite, ornato. §. Rudeza, §. Fal- 
ta de cultura rntellectual ; de policia , urbanida- 
de , civilidade. §. Falta de cultura a respeito de 
artes , e mecânicas. §. Jncultura do trajo ; no es- 
tilo y <bt. 

INCUMBÊNCIA ,-$. f. Encargo, obrigaçáo im- 
posta de fazer alguma coisa. 

INCUIVIBÍDO , part. p. de Incumbir, negocio — 
a alguém ; sujeito — de alguma coisa. 

INCUMBÍR , V. at. Encarregar : v. g. as mais oc- 
tupaçjães , negocias que lhe incumbiáo : incumbi-yo 
áe me procurar umas casas. §. v. n. Estax a car- 
go , ser do seu officio , obrigaçáo : v. g. ao Rei 
incumbe procurar a pública felicidade , e seguran- 
ça de seus vassallos : a seu ojjicio incumbia man- 
dar os homens a Ormus. Marinho, .então nos in- 
cumbia a nos rogar , e pedir a Deus. Fieira. 
.** a ti mandar , a mim obedecer incumbe." 

INCURÁVEL , adj. Que já náo tem cura : 
v- g- a doença — . ■§. Sem jcmedio : v. g., o mal. 
moral — . 

INCÚRIA, s. f. Negligencia, descuido j de- 



IND 

leixamento , falta de curiosidade , no indagar ; 
ou fazer as coisas : v. g. erros na escritura por 
incúria dos copiadores. Mon. Lm. 

INCURIÓSAIUENTE , adv. Sem curiosidade , 
com deleixo , com pouca diligencia : v- g. escre- 
ver — ; examinar as coisas — . 

INCURIÒSO , ad|. Sem curiosidade. 

IjMCUPvSÃO , s. f. Correria de inimigo». Freire. 

INCURSO , s. m. O acto de incorrer , ficar 
sujeito , e digno : v. g- o incurso da pena ; o in- 
curso da excomunhão ; i. é , o incorrer nella : v.g.' 
maieria , íjtíe escuse do incurso da excomunhão, 
Prompt. Adorai. §. Incursão hostil. Ribeiro , Rest. 
p. zu 

INCURSO , part, pass. irregul. de Incorrer. In- 
curso na pena ; o que se fez sujeito a ella pe- 
lo crime: incurso em excomunhão; aquelle em 
quem ella caiu , ou que caiu nella. V. Incorrido. 

INCURVÁDO, part, pass. V. Encurvado. Cal- 
vo , Hom. 1. f. 448. 

INCURVÁR , V, at. Encurvar. V. 

ÍNDA , adv. Ainda , nesta hora , a este tem- 
po. Blmeau diz , que inda é mais culto. 

INDAGAÇÃO , s. f. O acto de indagar ; pes- 
quiza , exame : v- g. a indagação da, verdade ; 
especulação. 

INDAGADO , part. pass. de Indagar. 

INDAGADOR , s. m. O que indaga , especu- 
lador : V. g. indagador de segredos naturdes ■■, das 
vidas alheyas 5 da verdade ; de amigualhas. In- 
dagadora , fem. a filosofia indagadora da verda- 
de , e da virtude. 

INDAGAR , V- at. Ir buscando , rastejando , 
alguma coisa para a achar , como o ciçador bus- 
ca a caça ; especular : v. g. indagar os sitios , e 
propriedades dos lugares. Barreiros , Corogr. Inda- 
gar a verdade ; as vidas alheyas , (ò-c. informar- 
sé miudamente. 

ÍNDE , por inda vem nos Cómicos , fallando 
gente rude : v. g, inde mai , por ainda mal , &c. 

JNDECÈNCIA, s. f. Coisa, ou acção contra 
a decência , decoro , modéstia , urbanidade : v. g. 
" foi tratado com taes indeccncias'-^ Fieira. 

INDECENTE, adj. Contra o que é decente, 
indecoroso , immodesto : v. g. palavras indecen- 
tes ; movimentos do corpo indecentes-; trajo inde- 
cente ; erros indecentes d sua nobreza ; coisa in- 
decente ao historiador. 

INDECÈNTEIMÈNTE , adv. Com indecencia. 

INDECENTISSIMAMÈNTE , adv. Com muita 
indecencia. 

INDECENTÍSSIMO, superi, de Indecente. 

INDECÍSAAIÈNTE , adv. Sem decisão , sem 
decidir. Fieira. " se podia ler indecisamente.^^ 

INOEGíSÂO , s. f. Falta de decisão. §. Irre- 
soluçáo : V. g. indecisões dos parentes , do cara- 
cter deleixado , ou timulo. 

INDECISO , adj. Náo decidido , náo sentçii- 

<i»? 



IND 



IND 



149 



éiftdo : V. g. qncsm — i demanda , ou causa — : 
combate , ou k/rti/.'.-! — ; em que a victoria nao 
fico» claramente coni. nenhum dos partidos, ou 
combatentes. §. Homem imicciso ; irresoluto no 
que ha de ^azer. M. L'ts. 7. i45- 

INDECLARÁVEL, ad). Que se nao pode de- 
clarar , indizível, Chiigas. 

INDECLINÁVEL, adj. Nome iudccUnavel ; que 
náo tem variedades de formas, ou lerminaçóes. 
Eit, tft, e//e, são declináveis , porque tena as 
variações , mt , mim , niigu ; te , ti , tigo i íc , í« , 

sigo. j j • 

. INDECORÁDO , adj. Desacreditado , desdoira- 
do , deshonrado : v. g- não fica esta scieiicia — • 

IN DECORO , adj. Contra o decoro , mdecoro- 
so : V. ?. indecora inhumanidade. ^ 

INDECORÓSAMÈNTE , adv. Sem decoro , sem 
honra, sem reputação; feya , indecentemente , 
torpemente ; v. g. com as jaces indccorosamente 
iljchadas ; o sevo indecorosamentc descomposto. 
t INDECOROSiSSIWO , superl, de Indecoroso. 
modo , termo — i palavras , acções indecorosissi- 

INDECOROSO , adj. Contra o decoro , mde- 
cente; immodesio , torpe, feyo; vergonhoso, 
opprobrioso : v. g. morte indecorosa ; vida — ^ ; 
lucro — ; indecorosas condições de puz : indecoro- 
sa condição do animo torpe ; indecorosos tei mos. 

INDEFECTÍVEL , ad]. Que náo falta : v- g. 
as indetectiveis noções da Lei Natural ; que náo 
se dcsbzem , ou a pagão em nenhum homem , 
ou nunca lhe faltáo. , 

INDEFENSÁVEL, adj. Que se não pode de- 
fender; V. g. praça — . Cron. J. 3. P. f-c. 90- 
fovoac^ão — . §. f. Proposição uidefensavel. V. In- 
sustentável . 

INDEFENSO , adj. Sem defesa : y. g. "Cida- 
de indefensa ; " sem muros , fortificações , nem de- 
fensores. §. Causa indefensa ; sem quein a defen- 
da em juízo. " morrerá a innocencia indefensa." 
INDEFERIDO , parc. pass. A que se náo dá 
despacho conforme ao pedido. " este requerimen- 
to foi indeferido.'^ t. forense. 

lNDEFÉ;SSO , adj. Incansável. " indefisso ope- 
rário." Agiolog. Liu. " estudo indefesso."^ 

INDEFiCIÈNTE, adj. Que nunca falta, nem 
acaba : v. g- " thesouro indeficientt.^^ 

INDEFINÍTO , adj. Náo certo, náo liniitaílo , 
náo determinado : v. g. n/mero — ; extensão — ■ 
§. Linha ináefiniia ; t. de Geomeir. que se ti- 
ra sena determinada extensão. 

INDELÉVEL, adj. Que não se pôde apagar; 
diz-se das impressões , lettras , caracteres ; e do 
caracter , que os Sacramentos imprimem. 

INDílLIBERAqÃO , s. f. Falta de deliberação, 
irresolução , enleyo , do homem atalhado , apou- 
cado , enleyado ; indetetmina^áo no que 56 ha 
^ fazer, querft. 



INDELIEERÁDO , adj. Que náo está delibe- 
rado. 

INDEMINTJTO , adj. Que náo sente , ou náo 
tem deminuiçáo : v. g. indeminuto nas forcas. 



INDEMNIDÁDE, s. f. O ficar livre, e resar- 
c.do do damno causado : v. g. pedio para sua 
indemnidade 20^. reis. 

INDEMNlSACpÂO , s. f. O acto de indeoini-. 
sar. §. Indemnidade. 

INDEiVlNISÁDO , patt. pass. de Indemnisar. 
INDEMNISADÒR , s. m. O que indemnisa. 
INDEMNISAR, V. at. Reparar, recompensar," 
retribuir, para emendar o damno, que se cau-. 
sou. t. usado nas Leis dei Rei D. "^ose. 1. 

INDEMNISÁVEL , adj. Que deve ser indem- 
nisado : v. g- perda , damno , prejuízo indemnisa- 
vel a alguém , e por eutrem que lh'o cau- 
sou. 

INDEPENDÊNCIA , s. f. opposto a dependên- 
cia. A liberdade de sujeição , de fazer o que 
se quer sem autoridade , ou consentimento de 
outrem ; sem respeitos , 8ec. de viver a seu ar- 
bítrio. §. fisicamente, O estado das coisas que 
náo tem connexão entre si. 

INDEPENDENTE , adj. Que não tem vinculo 
físico ; que náo tem connexão física. Casas tn- 
dependentes ; i. é , com serventias que náo de- 
pendem uma da outra, §. Sem sujeição : v. g. 
bárbaros errantes independentes de Soberanos , oít 
Chefes ; i. é , isentos de jurisdicçáo , obediência. 
§. Pessoa — ; não dependente de superior. §. Ho- 
man — ; sem família , nem pessoas de sua obri- 
gação. 

INDEPENDENTEMENTE, adv. Sem depen- 
dência : V. g. viver , tratar algtmt negocio inde- 
pendentemente de outros. - 
INDESATÁVEL , adj. Que se nao pode de- 
satar : V. g. cadeya — . 

INDESCULPÁVEL., adj. Que náo admhte des- 
culpa: V. g' erro — ; que se não pôde xlescul- 
pat : pessoa — . 

INDETERMINAÇlO , s. f. Falta de determi- 
nação , irresolução , incerteza , falta <le decisáo : 
V g. a indeterminação <lo sentido vago Ae uma 
palavra ; de votos desconform£s i iie parecer , qui 
se não resolve em coisa certa. . 

INDETERMINADAMENTE, adv. De modo In- 
determinado ; sem determinai lugar , tempo j 
certas pessoas , ou coisas. 

INDETERMINADO , adj. "Náo determinado , 
náo fixo, náo decidido: v. g. o sentido deste 
vocábulo ainda está indeterminado : causa , ques- 
tão j tontroversia indeterminada pela Lei ^ oa pelo 
Juiz, pelas experiências 3 por algum bom distur- 
.50, prova. §. Duvidoso, incerto, hesitado., irre- 
soluto no que sfi ha de fazer. Eneida , 8. 5. 
^ ^« Esteve Marte indeterminado : " poer. i. «, 
a yictoriaj ou batalha ^ foi indecisa. M4L Conq- 



C 




^s^ 



IND 




)H 




m 




■4. 80. Igttal €Stev6 Marte como indeterminado 
«4 victoria. _, 

INDEVAÇaO. V. Indevoçao, 

INDEVÍDAMÈNTE , adv. Sem obrigação : sem 
direito de exigir. §. Sem merecimento. 

INDEVÍDO , adj. Náo devido. §. Mal appli- 
cado : v. g. indevida administração do azotígue. 

INDEVOÇlO , s. i. Falta de devoção. 

INDEVÓTO , adj. Falto de devoção. F. do Ar- 

Ceb. y. I. 

ÍNDEX. V. índice, s. V. Alidada. 

ÍNDEX , adj. Dedo — ; o que está entre o 
polegar , e o grande. B. ^. i. s. 

INDIGAqlO , s. í. t. de Medic. O que dá a 
conhecer alguma coisa , e é uma_ espécie de sinal 
delia : v. g. estes symptomas dão grande indica- 
çáo de ttma tisica : indicação é esta , de que a 
buis está mtii irritada. 

INDICADO, part. pass. de Indicar. Os remé- 
dios — ; que mostra pedir a doença , ou que a 
arte indica. 

INDICADOR , adj. V. Indicativo. 

INDICÀNTE , part. prés. de Indicar. Que in- 
dica ( t, de Medic. ) v. g. causa indicante ; sinal 
indicante da doença. §. £>ias indicames ; aquelles 
que mostráo , ou dão indicios do qae a natu- 
reza fará nos dias críticos : v. ^. o quarto dia 
para o primeiro setcno , o undécimo para o 
^uatorzeno , 8cc. 

■ INDICAR , V. at. Mostrar com o dedo índi- 
ce ; os Médicos usão deste termo no fig. e indi- 
car é dar sinal , indicio : v. g. o pulso da ar- 
téria indica as doenças ; táes symptomas indicáo 
tal doença. §. Mostrar , descobrir : v. g. lingua 
comprida indica mão curta : o sinal d roda da 
Lua indica vento , ou chuva ; <ò-c. 

INDICATÍVO , ad). t. de Gramm. Modo — : o 
sistema de variações verbáes , com que expri- 
mimos a asserção , ou affirmação pura , e ab- 
solutamente : V. g. leyo , corria, , dancei , dançarei , 
cantara quando ett entrei. §. Que dá indicio , 
mostra : v. g. não era indicativo da nobreza o 
assoberbar os humildes: 

INDICqAO , s. f. t. de Chronolog. O espaço 
de quinze annos ; é um dos três cyclos , que 
compõem o Periodo Juliano ; usa-se nas Bulias dos 
Papas , &c. A indicção primeira , segunda , ter- 
ceira , é^f. i. é , o primeiro , segundo anno , e 
os mais da Indicção. 

ÍNDICE , s. m. Taboada do livro , onde s» 
apontáo os argumentos dos capítulos ; ou por 
ordem alfabética as matérias , que nelle se era 
tão , ou pessoas , ou lugares , &c. Vej. índice 
Horário , no Arr. Horário , ou antes em Gnumon 

INDICIADO, part. pass. de Ind ciar. Aqnelle 
de quem se deu indicio : v. g. fulano indicia- 
do pela testemunha : foi indiciado de rco , ou 
cúmplice neste ddiçto, Prov. da Ded. Cronol. 



IND 

INDICIADÒR , s. m. O que deu indicio? 
§. ad|. Que dá indícios. 

INDICIAR, V. at. Mostrar por indicios, dar 
indicios : v. g. indicia não haver casado com eU 
lei. Mon. Lfts. querendo indiciar de longe. Fieira , 
Cart. 1 50. Tom. i . §. Indiciar a testemunha al- 
guém , acusando levemente , ou por conjecturas , 
e sináes , ou indicios. 

INDICIAS , ou INDIZIAS , s. f. pi. O mesmo 
que voz , ou coima ; aliás penas de sangue , e 
de armas , que pagavão os que íerião , ou mata- 
vão, Elucid. 

INDÍCIO , s. m. Sinal , vestígios , que mos- 
tráo , e abrem caminho a cuidar , suspeitar , pre- 
sumir com probabilidade a verdade de tacto: v.^. 
" depois de morto virão-se-lhe no corpo indicios de 
veneno -y condemnar por indícios, sem mais prova , 
é grande injustiça; /;íJ indicios mm o tt menos for- 
tes , que fazem mais ou menos provável a exis- 
tência de algum facto , ou succes^o. Conchas , 
e pescados enxeridos na terra : e outros indícios 
claros , que ali foi mar. Leão , Descr c. 4. 

INDIFFERÈNqA , s. f. O equilíbrio das ac- 
ções da alma , não se inclinando ella mais a crer , 
ou ter por falso , do que a descrer , ou ter por 
verdadeiro ; não se inclinando antes a querer , 
amar , desejar , do que a não querer , não amar, 
não desejar. §. Liberdade de indiferença ; a que 
tem a vontade de querer , ou deixar de querer 
a seu arbítrio, e apprazimcnto. §. Pouco caso: 
V. g. " mostrou o povo na sua morte indife- 
rença ;" i. é , fez pouco caso delia para a sen- 
tir , ou estimar. Tratar com indifftrença ; i, é , 
sem mostras de amizade , nem aversão. 

INDIFFERÈNTíi , ad). Que está no estado de 
indiíFerença , sem inclinação nem pendor antes 
para uma coisa que para outra : v. g. a vonta- 
de hmnana é indiíFerente para amar , ou abor- 
recer , ou deixar de amar , ou de aborrecer este , 
ou aquelle objecto : o entendimento é indiiíerente 
para receber noções verdadeiras , oU falsas ; i. é , 
tem igual aptidão. §. Igual : v. g, ião indiíFeren- 
te me é a morte , como a vida ; a dor como o 
prazer , dizia o Euoico. 

INDIFFERENTEMÈNTE, adv. Com indiíFe- 
rença. §. Com igualdade , sem dístincção. §. Sem 
mostr.ir afFeição, nem aversão: v. g. tratar al- 



guém 



Natural de alguma terra 



INDÍGENA, s. c. 
dis-se das pessoas ; e fig. das plantas , ou ani- 
mács , que não torão transplantados para ella; 
Barros, todos confessão serem estrangeiros , e não 
próprios indígenas , e naturáes da terra, o gentio 
natural , e próprio indígena da terra. Dec. i, 
L. 2,. c. 7,. 

INDIGÊNCIA, s. f. Pobreza, falta do neces- 
sário. §. O estado de quem necessita do preci- 
so ; V. g' *' ostentar grandeza na indigência.", 



IND 



IND 



151 



Pobre , necessitado de ha- 



w- 



[í. qiif 
" d'S- 



t't- 



§. Os remédios da arte suppoe a indigência da tia- 
tureza. Barreto , h-at. 

INDIGENTE, adj. 
veres , e bens. 

INDIGENTEMENTE, adv. Com indigência, 
vi indigentemente." 

INDIGENTÍSSIMO , superl. de Indigente. 

INDIGESTÃO , s. f. Falta de cosimento dos 
alimentos no estômago. §. f. Falta de ordem , e 
boa disposição nos estntos. 

INDIGESTO , aJj Que não tem feito co-i- 
menfo no estômago; que sente cruezas nelle. 
§. Comer indigesto ; i. é , mal digerido : i* 
se digere mal. §. f. Mal ordenado : v. g 
curso , voto , pratica indigestos?^ §. Homem 
digesto ; que exprime mal os seus conceitos pe- 
la desordem , com que os declara ; de conversa- 
ção , e pratica cansativa. §. Mulher indigesta ; 
desagradável. 

INDÍGETE , s. m. Varão illustre deificado. 
Lusíada , 9. 92. Ulisip. Com. Prol. " não vos 
julgando por somenos dos indigetes.'^^ 

INDIGNACJÂO , s. i. Paixão , escândalo con- 
tra , ou de alguma má acção , principalmente 
de ver os máos prosperados , e os indignos com 
os benesses devidos aos beneméritos. " tive indi- 
gnação aos máos , vendo a paz do peccador.^^ 
Cathec. Rom f. 106. §. esta indignação , fve ti- 
nhão d'elle. B. 7,. y, 2. §, Cair , incorrer na in- 
dignação do César. Vieira. %. Figura com qae o 
Orador procura excitar a indignação dos ouvintes , 
ou dos luizrs. 

INDIGNADO , part. pass. de Ind:gnar-se. Ira- 
do , enfadado , escandalisado de alguma má ac- 
ção , e contra seu autor. §. Corarão indignado ; 
i. é , agastado contra a injuria , da afilronta , 
&c. §, Olhos indignados ; que mostráo a indigna- 
ção do animo. Aí. Conq. 9. ço, 

liVDÍGNAMÈNTE , adv. Sem merecimento. 
Eufr. I, I. §, Com indignidade. §. Sem causa, 
sem razão, como os Príncipes ás vezes se indigna- 
rão indignamente de seus Capitães. B. 2. 7. 6. 

INDIGNAR. , V. at. Inspirar , causar indigna- 
ção. Deus os indignou de si mesmos : i. é , contra 
si mesmos. B. 3. 7. 4. Couto, 4. 6. 7. para in- 
dignarem a V. yíltrza contra mim. §. Sofrer 
mal. Mattsinhó , /. 1 16. e da porta jerozes indi- 
gnando o pczQ , índa lá dentro estão bramando : 
indigna o rio a ponte : t. poet. §. — k : irar-se , 
agastar-se , escandalisar-se. §. f. " Indígnar-se o 
rio contra a ponte." Sousa. §. Dedignar-se. Enei- 
da ^ 11. 95. e mais se indigna a arte muda exer- 
cer. 

INDIGNIDADE, s. f. Falta de dignidade, de 
mérito. §. Injuria afrontosa. Fieira , Cartas , Tom 
2. /. 221. t Serm. T. i. /. 468. mais blasfémias . 
e mais indignidades: fazer , sofrer 3 tolerar indi- 
gnidades. 



INDIGNÍSSIMO , superl. de Indigno. 

INDIGNO , ad). Não digno , desmerecedor , 
ranro de bem, como de mal: v. g. a formo sU' 
a indigna de aspereza. Lttsiada , 9. 76. meus 
dias assi corta Na sua flor indigna ãe tal gol- 
pe. Ferr. Çastr. f. 164. elle merecia esse castigo , 
e ajfronta , m^s tU eras indigno de lho dares , 
■jHe foste rco do mesmo delicio i i. c , inhabil mo- 
ralmente. §. Baixo , vil , contrario á nobreza , 
caracter , profissão : V. g. isso é indigno de um 
homem de bem , mentir, e sustentar a mentira. 

LVDILIGÈNCIA, s. i. Falta de diligenciai ner 
gligencia , descuido, deleixamento. 

INDILI GENTE , adj. Negligente , descuidado. 
Lobo. 

INDINAÇÃO , e deriv. Veja com g antes 
do M : Indignai^ão , indignado , é'C. Os nossos 
Poetas Clássicos , e ainda os modernos , usão 
de indino , e outros vocábulos , que aliás se es- 
crevem com igno , V. g. maligno , adoçados em 
ino , que os Editores tem o cuidado de impri- 
mir , sem attensáo á rima consoante cm ino , 
accrescentando-lhe o g antes do H. 

INDIRECTAMENTE, adv. De modo indlie-; 
cto. 

INDIRECTO ; adj. O que se faz com des- 
treza , sem mostrar , que isso é o que princi- 
palmente intentamos ; v. g. quando desapprovo , 
e reprehendo a um daquillo em que outro pre- 
sente também é culpado ; neste caso reprehendo 
a este indirectamente , e a reprehensão , se diz 
indirecta. §. Conseguir algum Beneficio por meyos 
indirectos ; i. c , de modo contrario aos Cânones. 
Ganhar dinheiro por vias indirectas i de modo 
criminoso , ou não legitimo. 

INDISCIPLÍNA , 3. f. Falta de disciplina. Sftc- 
cessos Alilit. f. 44. 

INDISCIPLINADO, adj. Tropas — j faltas de 
disciplina. §. Moço — ; sem educação. 

INDISCIPLINAR , V. at. Fazer esquecer a dis- 
ciplina , e regularidade da vida, e serviço, 
aquirida pela disciplina, o ócio , os prazeres , as 
licenças indisciplinão a milícia , como a conversa- 
■^ão do século m que era religioso mais que de 
nome. 

INDISCIPLINÁVEL , adj. Incapaz de discipli- 
na , educação , ensino. 

INDISCRETAMENTE , adv. Sem discrição ; 
sem prudência , inconsideradamente. 

INDISCRETO , adj. Falto de discriç'0 , no 
que diz, e no que obra. §. Imprudente, incon- 
siderado. §. Devoção indiscreta ; zch — ; que não 
;e contem nos verdadeiros limites , usado fora de 
cempo. §. Ciúmes indiscretos ; imprudentes , te- 
nerarios , &c. 

INDISCRIÇÃO , s. f. Falta de discrição , de 
iuizo ; imprudência , inconsideração. 

INDISCRIMINADAMENTE, adv. Sem fazer 

àU- 



í 



^ 



\ 





7i 



aifferença ; indlsimcta , indifferentememe : v.^^. 
*' qualquer corpo liquido indiscriminadamente.' 
~ INDISÍVEL , e deriv. V. Indizível. ^ 

INDISPENSÁVEL , ad). Que se náo pode dis- 
pensar com ninguém : v. g. lei , obrigação — . 
l Em que se náo pôde dispensar : v. g. a lei 
da incerteza da morte he indispensável." Pieira. 
§. De absoluta necessidade. Port. Rest. ^e indis- 
pensável a verdade da Historia. 

INDISPENSÁVELMÈNTE, adv. De modo m- 
dispensavel , necessária , absolutamente ; v. g. m- 
dispensavelmente necessário, obrigado—. 

INDISPONÈNTE , part. at. de Indispor. 

INDISPOR , V. at, O contrario de dispor : v.^- 
bóa compleição indispõe contra doenças contagio- 
sas. §. Indispor um homem contra outro ; desfa- 
zer a boa disposição de animo, ao menos a 
indiíFerença , em que estava a seu respeito , e la- 
zer com que o veja mal. . , , ., 

INDISPOSIÇÃO, s. f. Falta de disposição. §. Al- 
teração da saúde. , x i- n c 

INDISPOSTO , part. pass. de Indispor, àem 
disposição para fazer alguma coisa. §. Alterado 
em quanto á saúde. §. Com máo animo contra 

alguém. , , ,. 

L^DISPUTÁVEL , adj. Que se nao deve dispu- 
tar ; tora de toda controvérsia. 

INDISSOLUBILIDADE , s. f. O ser indissolú- 
vel : V. g. a indissolubilidade do voto , do contra- 
to i do encanto , é^c. ^ 

INDISSOLÚVEL , adj. Que se nao pode desa- 
tar ; v.^. — la^o, vinculo moral. Fieira. " desna 
natureza he indissolúvel.'" o indissolúvel vinc«/o 
do matrimonio ; que se não pôde soltar , desunir , 
dissolver : encanto — . 

INDISSOLUVELMENTE , adv. De modo in- 
dissolúvel : V. g. as palavras dos Príncipes se pro- 
mettem , indissoluvelmente átão , a quem se dizem. 

Escola das verdades. 

INDISTÍNCTAMÈNTE , adv. Sem distmcçao, 
sem diíFereoça : v- g. " os Infantes , e os filhos 
dos Reis indistinctamente.'' M. L- 

INDISTÍNCTO , adj. Confuso , posto sem dis- 
tinção , sem ordem , promiícuamente. §. Náo 
distincto , não diíFerente , não diverso , o mes- 
mo , idêntico : v. g. d Ordem de S. Bernardo se 
reputa por indistincta da de S. Bento, com _in- 
distinctas lagrimas chorava o damno , e o perigo. 

M. Lus. , . i 

INDISTINGUÍVEL , adj. Que se nao pode 
distinguir, conhecer, diíFerençar de outras coi- 
sas parecidas : v. g. retratos tão semelbMtcs , que 
são indistinguíveis ; experimentar os remédios m- 
distinguiyeis dos damtios. D. Franc. Man. Cartas. 
INDIVIDÁ-R. V. Endividar, fieira. " os ma- 
ridos se individão." 5. /. 45'^. Lobo , Corte, vos 
me individaes para me empobrecer, 

INDlVIDUAqiVO , s. f. t. lógico : AquiUo que 



essencialmente faz que uma coisa seja indivi- 
dua. §. As circunstancias particulares de cada 
coisa : V. g. saber com individuação o successo. 
§. Fallar com individuarão ; i. é , com distincçáo 
de cada coisa. §. Singularidade individual Fiei' 
ra. mas esta individuação , q^íe não eta tão fá- 
cil de ler. 

INDIVIDUADO, part. pass. de Individuar. Ca- 
so , successo — . 

INDIVIDUADÒR , s. m. O que individua nar- 
rando , &c. 

INDIVIDUAL, ad). Que é próprio do indivi- 
duo. §. Próprio , peculiar : v. g. a pátria indi- 
vidual d'esta princeza. §. Dijferenç^a individual : 
aquiUo que faz um individuo distincto dos ou- 
tros da espécie. §. Tempo individual , entre os 
Médicos , aquelle em que elles devem applicar , 
ou sobreestar na applicaçáo dos remédios. 
INDIVIDUALIDADE , s. i. V. Individuação. 
INDIVIDUALMENTE , adv. Com individua- 
ção. 

INDIVIDUÀNTE , part. prés. de Individuar. 
Que constitue , e faz individuo : v. g. diferen- 
ça individuante. Barreto. 

INDIVIDUAR , v. at. Fallar de cada coisa in- 
dividualmente , com dist.ncçáo particular , erniu- 
damente exacta : v. g. narrou o facto individu- 
ando o seu autor , a hora , e dia do succe.-so , 
o lugar , e testemunhas , e outras mil ãrcunitan- 
cias , <b'C. 

INDIVÍDUO, s. m. Um membro singular de 
qualquer espécie : v. g. um homem , uma m.u- 
Iher ; uma certa arvore , esta maçã , &c. §. Cui- 
dar do individuo i i. é , de si mesmo. 

INDIVÍSAMÈNTE, adv. De modo indiviso : 
V. g- pertence indivisamento aos herdeiros , e por 
morte de mu aos que lhe sobnviverem. fructos com- 
míís entre os Arcebispos e Cabida , e indivisamen- 
te se governava tudo. F. do Arceb. 5. c. ^ §. Una- 
nimemente , sem diversidade de pareceres, nem se 
dividirem votantes a varias partes. 

INDIVISIBILIDADE , s. f. O ser indivisível : 
a indivisibilidade dos átomos. 

INDIVISÍVEL, adj. Que se não pôde divi- 
dir. §. Um indivisível , subit. uma pirticula míni- 
ma. §. Coisas miudissimas. Fieira. " pesava os in- 
divisiv.eis.'^ 

INDIVÍSO , adj. Náo dividido , não separado ; 
que é juntamente de diversas pessoas. 

INDIZÍVEL , adj. Que se náo pôde dizer, nar- 
rar , explicar: v. g. com indizível prazer. 

INDIZÍVELMÈN TE , adv. De modo indizí- 
vel. 

INDÓCIL , adj. Que náo admitte ensino , int 
sinuação , persuasão : v. g. indócil para o vicio , 
e doíil para a virtude. 

INDOCILIDÁDE, s. í. O ser indócil, náo ad- 
miítir ensino , ter aversão a doutrina. 

IN- 



IND 

INDÓCILMÈNTE, adv. Com indocllldade : V. g. 
portíir-se indocilincnte. 

INDÒCTO, V. Indòiito. "sabiamente indòcto?^ 
Fios Sana. p.ig 155:. f. col. 2. 

ÍNDOLE , s. f. Inclinação , propensão do ani- 
mo natural , boa ou má; génio. Eneida , lo. 
202. 

INDOLÊNCIA , s. f. Insensibilidade á dor. 

INDOLENTE , adj. Insensível á dor. 

INDOMADO , adj. Não domado , indómito. No- 
vilho — ; feras — ; nai^õcs — ; corarão indoma- 
do do amor \ as indomadas trás do Inverno 
Vliss. I. 8^. " saUagens mdomitos.^^ £l(giada,j. 

INDOMÁVEL, adj. Que se náo pode domar , 
amansar : v.g. potros — . §. fig. " corações indo- 
tnaveis.^'' 

INDÓMITO, adj. Não domado, indomado, 
náo amansado : v. g. um potro — . §. lig. " o f^o- 
go he elemento indómito " Vidra, a jori^a in- 
dómita dos ventos. L.vceria, logo se domou o in- 
dómito Saulo Fieira. 

IN DOUTAMENTE, adv. Com pouco saber, 
pouca doutrina. 

INDÒUTO , adj. Sem saber. Resende , LelL /. 
19. Fieira, "o confessor náo deve ser mdou- 
to;" imperito, "almas indoutas." Ferr. Cart, 2. 
L. 2. 

INDUEITÁDO , adj. De que náo ha duvi 
da , ou ninguém duvida. " varão de virtude 
lâo esclarecida , e indubiiada." Feyo , Trat. 2. / 
2n. f. 

INDUBITÁVEL, adj. Que náo admitte duvi- 
da , sem duvida : v. ç. documentes indubitáveis j 

INDUBITAVELMENTE , adv. De modo que 
se náo pôde duvidar , ou que náo fique lugar 
a duvida : v. g. mostrar , provar , attestar — , 

INDUCqÃO, s. f. O acto de induzir, insti- 
gação , induzimento , persuasão. §. t. de Log. e 
Rhet. Argumento , que se taz pela enumera- 
ção dos particulares , da qual se tira alguma 
conclusão : v. g. Pedro , João , Francisco , &c. 
sáo mortács ; logo todos os homens são mor- 
táes : nesta casa não entrámos , senão eu , 
tu , e Pedro ; eu não tirei a bolsa , nem Pe- 
dro que anda tora da terra ; logo toste íu. 
§. Consequência. 

INDUClAS , s. f. pi. r= forense. Espaço , v. g pa- 
ra pagamento , que se concede aos uevedores 
pendendo a lice em juizo , para deliberar , &c. 
Ord. Âf. T,. f. 76. 

INDÚCTO. V. Induzido. %. Introduzido : v.g. 
formas mdúctas na imaginarão pelos Anjos. p. 
usado, 

INDULGÊNCIA, s. f. Facilidade em perdoar. 
Vieira. §. O acto de diminuir alguma pena , ou 
castigo , levantar tributo ; levar em conta , e 

Joài. II. 



IND 



153 




[tolerar ImperFeiçóes. §. t, Eccics. Graça pela 
I qual os Pastores Ecclesiasticos , a saber , o Pa- 
pa , Arcebispos , Bispos , e Patriarchas rcmit- 
tem , e perdoáo a pena ao peccador arrependi- 
do , que tinha de 0$ purgar neste mundo , ou 
no Purgatório. §. Indnlgen-ia Plenária ^ e Plenii- 
sima. V. estes dois Art gos, 

INDULGENGiÁR, v. at, Tratar com indulgên- 
cia , sem severidade , ou crimeza : v. g. indul- 
genciar a sita mocidade ; uma culpa nascida de 
imprudência. 

INDULGENTE, adj. Que perdoa facilmente' 
i. Frouxo , remisso em castigar §. Cj/i/o;©/' — i 
1. é , passaculpas. 

INDULGENTEMENTE, adv. Com indulgen- 
-ii. 

INDULTAR , V. at. Conceder indulto ; livrar , 
salvar. Prov. da Ded. Cronol. j. 164. col. 2. " m^ 
duUar o templo oos desacatos." §. Indultar-^e : 
1 UHT-se de algum indulto. '' iniultou-se com Al- 
vará de niercc , para poder negociar em co.sas 
Jetesas."''' 

IN DjLTÁRIO , adj. O que logra a graça coti- 
cediJa por induito. 

INDOLTO, s. m. Graça especial, concedidi 
ptlu Papa , contra as Leis do Direito commuin 
Ecdesiastico ; v. g. para tomar Ordens sem os 
ordinários intersticios : ou concedida pelo i>obe- 
rano ■■, privilegio : V. g. indulto para trazer ar- 
mas dejezas ; para vender géneros , de que ha es- 
tanque ; para introduzir ^ e despachar contrabatif 
dos ; é>'C. 

INDURAQ-SO , s. f. t. de Cirurg. Consiste a 
induraçáo em fa^er-se o tumor duro como pe- 
dra, §. tig. ^'indnra^io, e cegueira dos pecca- 
dores.'-* Arraes t 5. c. i|. 

INDUREGÈR. V. Endurecer. Fazer duro ; e fa- 
zcr-se duro. H Pint.f. 2^9. 

INDUREGÍDO , part. pass. de Indurecer. Ar- 
rucs , 2. 14. " indurecido nos trabalhos ; nos cri- 
mes, nos peccados :^^-' obstinado, calle)ado , in^ 
sensivel. 

LYDÚSTRIA , s. f. Arte , destreza , para gran- 
gear a vida i mgenho , traça , em laviar , e fa- 
zer obras mecânicas, em tratar negócios civis , 
&c. § De industria , adv. de propósito , as- 
sinre , sobre pensado. Fios Sanct. Fid. de S. Pa-r 
trido. Fieira. " de industria deixou no campo 
as pedras ;" advertidamente. Couto , 6. i. i. /. 
I. f. 

INDUSTRIADO, part. pass. de Industriar, das 
coifas movidas , e mdustnadas por Racs Himed, 
B. i, 10. 4. " imped mento (de tortiticaçóes ) in- 
dustriado pelos Mouros." Id. ?. 2. 2. sua morte 
ser de peí^unha industriada per Mouros. Id. ^. 5-7. 
IN DUSTRl ADÒR , s. m. — òra , f. Pessoa que 
industria 
INDUSTRIAL, adj. Que procede da industria ; • 



í 




«•»OC5^ 



INE 



mi 






V. g. lucros , ganhos industríáes ; os dos artífices , 
mecânicos, setviçáes, Sic. 

INDUSTRIAR, V. at. Adestrar, amestrar , 
ensinar a aite , traça , manha , maneira : v. g- 
industriar em artes , e mechanicas , com qtie se 
ganhe a vida ; industriar no meneyo dos negó- 
cios i nas artes da paz , e da guerra ; na arte de 
Uzongear; naquidij qiíe se ha de dizer , otí fazer. 
§. IndUiíriar algua coisa: dar o alvitre delia, a 
naça , ardil , e modos de se conseguir. B. ^ 
IO. 2. o qual modo de nos guerrear Lacs amena 
industriou com este Avelar. Idem , 3. 9. 9. 

IMDUSTRIÓSAMÈNTE, adv. Com, ou por 
industria. 

INDUSTRIOSO j adj. Dotado de industria , 

traças , actividade , arte e destreza , para ganhar 

a vida , tratar negócios , 8cc. v. g- homem — . 

§. Feito com indústria : v. g. obras industriosas. 

. INDUZÍDO , parr pass. de Induzir. 

INDUZIDÒR , s. m. — òrm, t Pessoa que in- 
duz i instigador , instigadora. " acompanhado dos 
induzidores." Como yA- ^' 2- §• Introductor: v.^. 
*^induzidor de novos costumes." Alma instruí- 
da. §. Que incita , seduz a mal obrai. 

INDUZIMENTO , s. m. Persuasão, instiga- 
ção por palavras , promessas , para se fazer al- 
guma coisa ; V. g- fazer doação por induzimen- 
to , e não de seu moto próprio. Orden, por indu- 
Zimento da Rainha. M. Lus. 
■ INDUZIR, V. at. Persuadir, instigar, acon- 
selhar: V. g. clle me induziu a deixar a casa 
de meu pai , e devassar a minha honestidade : in- 
duzio-me a que jurasse. §. Introduzir , trazer , 
causar : v, g. coacção que induz temor : segredos 
perpétuos induzem ^suspeita : indicias fortes , e que 
quasi induzem em certeza : induzir alguém em 
trro ; hzer que erre. 

INÉDIA , 3. h Abstinência de comer. 
INEFFABILIDÁDE , s. t. A qualidade de ser 
inefFavel , indizivel , inexplicável : v. g. a inet- 
fabilidade da gloria de Deus. 

INEFFABILISSIMO , supcrl. de Inefíavel. 
INEFFÁVEL , adj. Indizível , inexplicável com 
palavras : V. g mysterios ineíFaveis ; bondade — ; 
amor — . Lucena. 

INEFFÁVELMÈNTE, adv. De modo inefFa- 
vel. Fieira. '' inejfavelmente não adorasse a fé de 
ião estupenda novidade,^^ 

INEFFIGÁCIA , s. f. Falta de efficacia. 
INEFFIGÁZ , adj. Não efficaz. 
INELÉCTRICO , adj. Corpos — ; aquelles em 
•que não se excita a electricidade , què não a 
communicâo a outros, nem a recebem em si. 
INELUCTÁVEL , adj. Invencível , inevitável. 
'André da S. Mascarenhas , e Tent. Theol. " ra- 
»2Óes ineluctaveis ;" contra que se lutaria em vão, 
INENARRÁVEL , adj. Que se não pôde nai- 
titf ineíFavcl: v. g» inenarrável formosura. 



INE 

INÉPCIA , s. f. Tolice , fatuidade , imbecilH- 
dade de entendimento. §. Pensamento , ou ac- 
ção Êlha da inépcia ; parvoíce , pequice , san- 
dice. 

INEPTIDÃO , s. f. Incapacidade, falta de ha- 
bilidade para coisa alguma. 

INEP ríSSIMO, superl. Muito inepto. 
INEPTO , adj Inhabil , não idóneo. Fieira. 
homem inepto para as lettras , para os empregos ; 
por falta de intelligencia , actividade, habilida- 
de, §. Absurdo: v. ^. pensanwuo — . §. Coisa in- 
discreta, mal entendida, feita sem juizo. Stn- 
tença da Inquis. contra o Fieira. 

íiNÉRCIA , s. f. Falta de arte , destreza, in- 
dustria ; desaso ; priguiça , repugnância para o 
trabalho , e grangearia ; deleixamento em coisas 
de nossa obrigação. §. A inércia natural do cli- 
ma ; a fraqueza , priguiça , em que clle induz , 
e faz cair. Fieira. §. na Física} Força de inér- 
cia : a propriedade que tem os corpos de coii- 
tinuarem no estado de quieiapo , ou movi- 
mento , em que os puserão , ate que uma for- 
ça contraria os faça passar a outro estado , 
vencendo a resistência , que os corpos oppóem 
a essa mudança. 

INERME , adj. poet. Desarmado. Lus. ^. iii. 
o pastor — . Eneida, 12. 74. tntre os Prosado- 
res o usáo o Autor do Elogio do Marquez de 
Marialva , f. ^o. e Farella , Num. Foc. f. 472- 
INERRÀNTE , adj. t. de Astron. Fixo : v. g. 
estrella — . 

INERTE , adj. Falto de arte , de industria." 
§. Que causa frouxidão, tibieza, pussillanimida- 
de. Lus. 4. 15. "o temor gelado, e inerte.^* 
§. Ocioso : V. g. vida — . §. Sem industria, gran- 
gearia : V. g. os vassallos inertes. §. Sem acção , 
sem movimento. Elegiada ,f. 200. f. diz inerto. 
INÉRTO , por inerte. Ekgiada^f. 200. f, 
INESCRUTÁVEL, adj. ( do Latim , inscrUtor") 
melhor ortografia , que inexcrutavel. Ded. Cronol. 
V. Inexcrutavel. , 

INESGOTÁVEL , adj. Que se não pode es- 



gotar , nem ensecar. 

INESPERADAMENTE, adv. Sem ser espera- 
do , imprevistamente. Fieira diz insperadamente., 

INESPERADO. V. Imptrado. 

INESPÉRTO. V. Inexperto. 

INESTIMÁVEL, adj. Que se náo pode esti- 
mar i que náo tem preço ; que se não pôde es- 
mar , orçar , ou calcular : v. g. os inestimáveis 
ihesouros. §. Que não tem valor limitado. 

INEVITÁVEL , adj. Que se não pôde evitar. 

INEXCRUTAVEL, ad). Que náo pôde ser 
descoberto , penetrado , especulado. Fieha. o exa- 
me inexcrutavel , com que ali se penetrão , c apu- 
rio as consciências : <}Uando com o raplandor 
vai inexcrutavel : os inescrutáveis jitizos de Deus ; 

.&ç. y. Inescrutável, 

IKt 



INE 

INEXCUSAVFX , adj. Que se não pôde escu- 
sar , dispensar. M. Lus. Indesculpável. 

INEXGOTÁVEL. V. Inesgotdvd. Duarte Ribeiro , 
Obras, pa^. 270. 

INEXHaUSTO , adj. Nâo exhausto , não ex- 
haurido , não ensccado , infindo ; v. g. fonte inex- 
hausta ; thesouro — . Fieira. 

INEXISTENTE , adj. Que não existe , nem 
tem ser : v. g. coisas sonhadas , c inexistentes ; 
credito , e cabeddes inexistentes ; <i^c. 

INEXORABILIDADE , s. f. A qualidade de ser 
inexorável. Pastoral do Bispo do Porto. 

INEXORÁVEL, adj. Que se náo move aos 
rogos , que náo se abranda , não concede a cl- 
Ics : V. g. " inimie;o inexorável. ^^ §. Por virtude , 
constância, fortdeza na execução da Lei, a 
pezar da compaixão, dos rogos, importunações, 
e empenhos. F. do Jrceb. 117. nesse ponto era 
inexorável , pcrq^^e não havia dobrar-se por ro- 
gos , é^c. jf.'<!/z — . Piteira. §. Que não cede a 
compaixão : v. g. tirano — . 

INEXPERTO , adj. Sem experiência , exerci- 
cio , uso do mundo. " Soldados inexpertos," D 
Franc. Man. Cart 15. Cem. 5. 

INEXPIÁDO , ad). Crime — ; peccado — j não 
exp ado , por que ainda se não satist^ez. 

IWEXPIÁVEL, adj. Imperdoável, que não pô- 
de ser expiado , irremissível : v. g. crime — ; 
culpa — . 

INEXPLICÁVEL , adj. Indizível , ineíFavel. 
§. De que se náo pode dar razão: v. g. fenó- 
meno — ; effeito — ; câífsa , mistério — . 

INEXPUGNÁVEL, ad). Invencível por força 
d'armas : v. g. praça — ; fortaleza — . §. fig. 
uinimo , constância , virtude — ; castidade — ; 
prudência — ■■, que se não vence com artes, 
razões , força , violência , peitas , e artes corru- 
ptoras , Ã:c. 

INEXPUGNAVELÍSSIMO , superl. de Inexpu- 
gnável. Couto , 6. 10. 16. " Tartarcan se ale- 
vantou com a serra de Junager , que era cousa 
inexpttgnavclíssirua." 

INEXPUNHÁVEL , V. Inexpugnável. Cron. jP. 
?. P. ^. c. 8. terr.l — . 

INEXTIMÁVEL , adj. Que se náo pôde ava- 
liar , calcular , esm.ar. £. 4 8, 7. " o que gas- 
tou em guerras , dadivas excessivas , e mercês 
que cada dia tazia , que era cousa inextimavel." 
V. Inestimável. 

INEXTÍNCTO , adi. Náo apagado : v. g. es- 
tampa, imagem, memoriai inextincta. 

INEXTINGUÍVEL, adj. Que não pôde apa- 
gar-se : v- ^. fogo — . §. K Sede — 9 amor — ; 
cdio — . §. Sarna , peste inextinguível ; praga de 
insectos inextinguíveis. §. Fieira, tão inextinguí- 
vel no soberano exemplar : a sede — de passa- 
tempos. Ma eáo. 

INEXTRICÁVEL , adj. Táo embaraçado , ou 



INF 



^55' 



intrincado , que ninguém se pôde sahir delle : 
V. g. inextricável laberinlo. Fieira, inextricáveis 
enredos , sofisterias , cavillaçpes , <ò'C, rede inextii- 
cavel. Firiato, 17- encanto — . 

INFALLIBILIDÁDE, s. f. O ser infallivel : v.gí 
a intallibilidade de Concilio Universal legitima', 
mente congregado , <ò'C. 

INFAI.LIBILÍSSIMO, superl. de Infallivel.' 

INFALLÍVEL , adj. Que se náo pôde cngaJ 
nar. §. Que nunca falha , que náo deixa de 
succeder , de acontecer. §. Ferdades infalhvsis 
são as demonstradas com evidencia. 

INFALLIVELIDÁDE. V. JnfallibiHdade , como 
hoje dizemos. 

INFAMADO , part. pass. de Infamar. §. AfU' 
Iher infamada com um homem , a quem dizem 
com elle. §. Infame , em pena. Ord. Af. 5 i ?. 
§. 2. §. batxos , e cachopos infamados com tantos^ 
naufrágios de Portugueses : Scylla infamado já 
com tanta morte. ferr. Ode 6. L. i. 

INF AMADOR , s. m. O que infama : — òra , f. 

INFAMAR , V. at. Tirar a reputação , diífa- 
mar : v. g. intamou-o aquelle cabtmntador ; inta- 
maráo-no seus crimes, e deshonestidades. §. Desa- 
creditar : V. g. infamou os remédios , e mesinhas, 
os Judeus infamarão o nome Cinistão com a Gen- 
tilidade ; ante os gentios. Feyo , Trat. S. Estev, 
afortuna infama ajusta Lei do Ceo. Cam. Sou: 
208. §. Infamar-se : fazer-se infame , desactedi- 
tar-se com sua deshonra. 

INFAMATÓRIO , adj. Que tira a fama, cre- 
dito , reputação , que deshonra alguém : v. g: 
libello — . 

INFAME, adj. Sem fama, credito, nem re- 
putação boa. §. f. Yd : v. g. homem — ; vida 
— ; por crimes , ou costumes deshonrosos j 
como os do devasso , do taful , &C. Oíden. 

INFÂMIA , s. f. Má fama , máo nome , igno- 
minia , deshonra , descrédito. Infâmia de fa.to ; 
a que resulta de acção infame , e torpe , se- 
gundo a opinião dos bons : infâmia de Direito ; 
a que a Lei irroga a quem commette certos 
delictos , ou faltas. §. Duo contra a fama , ot» 
credito, e reputação de alguém. Jhuq. i. c 44- 

INFANCjÂO , s. m. ant. Título antigo de no- 
breza , inferior ao de Rico Homem : talvez se 
dava aos filhos segundos , e posteriores dos Ri- 
cos Homens , e Capitães das tropas dos Infan- 
tes , bem como se dizem Infantes os filhos se- 
gundos dos Reis, e os outros, que não berdáo 
o sceptro. *' Irn-áos menores dos ricos homens , 
que isso quer dizer a palavra : iufam^ão.'^ Lei- 
lão de Andrade, DiMogo 18. p- 5 '4- " //i/^H- 
coes moços fidalgos, que inda não erao cavaki- 
ros, que os Castelhanos dizião donzelles." Leao^ 
Oriçr. c. 17. Sesse, Decis. i. Regn. Aragon.n. 7. 
d.st que náo podíão crear Cavalieiros , senão aos 
Iiifanioes , c seus descendentes , excepto em 





ijó 



INF 





batalha. Fidalgos de geração ', ou linhagem , 
Of^p. aos de mercê , ou carta. Idem , n. zc. 
** Infancõis sáo Fidalgos de Linhagem , menos os 
de ca: ta." Jnfan^Ões de Solar , erátj iguács aci 
Ricos Homens, e ei.:es eráo tirados dos Fidalgos 
de Solar. F. Sevcrtm , Notic. Disc. 3. §. 22. e 
o Hesp.mhol Oivrica , cap. 8. foi 191. Nas Or- 
denanças antigas , que iez em Toro elRei D. 
3oáo o 1. de Caitella , vem nomeados nesta or- 
-dem : Prelados , Cavaileros . , y Escuderos , y 
• Inbnçones de nuestro reyno. Na Orden. Âf. i. 
44. §. 26. A Infançoões , Comendador Moor , 
JFiíLilgo , oít Cavalkiro de grande estado. Na 
mesma Ord. Aj. z 6z. pr. mandou , e defendeo , 
qite Conde, ou Rico homem, ou Infançom , nem 
Cavalkiro , nem Arcebispo , nem Bi-po , <&-c. Dis- 
se o Rico homem : « honrada está agora a fi- 
lha do Infançom ( por casar com elle )." No- 
híliario. Nas Leis das Partidas se diz , que sáo 
fidalgos , mas não tidos em conta de Grandes , 
mem podem usar de outro Senhorio ( qualidade 
<3e Senhor nobre , e attribuiçées annexas aos 
foros desta Ordem ) , senão do que os Reis 
lhes concederem : e sendo por alguns Foráes 
os Cavalletros FUlãos accrescentados ao foro de 
Jnfan^des , parece que estes eráo sinónimos de 
Fidalgos , e não mais. V. Nobiliário , /. 71. 

INFÂNCIA , s. f. O estado do minino , que 
ainda não falia. §. fig. O principio : v. g. a in- 
fância do mundo , da fé , da Religião. Lucena. 
a infância da Igreja. Feyo , Trat. z. f. 17. §. fig. 
A _ ultima velhice , que é igual d infância em 
muitas coisas. 

INFANqÒA , s. f. de Infani^ão. Nobiliário. 

INFANqÒNO , adj. De infançáo : v. g. des- 
membrados do seu solar — . Successos Milit. 
,^ INFANTA , s. f. Ptinceza do Sangue Real , 
irmáa del-Rei , ou do Principe Successor. Góes, 
Cron. do Princ. cap. 5. Barros , Cl^r. f. 199, 
-jlr. € 208. Resende, Cron. de D. J. 11. c. 20^./. 
122. jr. col. I. Historia dos Far. 111. de Távo- 
ra , f. 154. F. Infante. 

INFANTADÍGO , s. m. ant. Coisa , ou terra 
<3e Infançóes. Elucidar. 

INFANTADO , s. m. Os estados , terras , ren- 
das , para suprir ás despezas da Casa do In- 
fante. M. Lus. 
.. INFANTÁL , adj. Pertencente ao Infante. 

INFANTARÍA, s. f. Soldadesca de pé. 

INFANTE , s. ra. O filho de Rei , irmão do 
Príncipe herdeiro.^ Bluteait nas Prosas Academ. 
diz , que Infante é mascul. neste sentido , e que 
tem o feminino Injanta ; os Clássicos também 
o usáo no feminino. Andrad. Cron. J. 5 sem- 
pre. Lobo , Corte : huma Infante neste Reino ti- 
nha hima criada : mas hoje dizemos geralmen- 
te Infanta, e para isso temos autoridades clás- 
sicas. F. Infama. §. O menino que inda não 



INF 

falia , seja macho , ou fêmea , um Infante , uma 
Infante, quem logo fraco infante de outro mais 
poderoso ( Cupido ) foi íUJeito. Cam. Ode 10. e 
Elegia I. §. hg. Que e^tá no principio de seu 
ser -y recente, nacido de pouco : v. g. o in- 
Unte Sol. poet. Mal. Ccncf. 10. Est. 21. o in- 
fante dia. §. Soldado de Inianteria. §. O Infan- 
te herdeiro : o Pnncipe por excellencia , succes- 
sor esperado. Ined. ^. J4. e este titulo tive- 
ráo antign mente. (^ V. Principe ) Cit. Ined. a In- 
l-ante mulher do Infante herdeiro. §, Entre Bene- 
diccinos era o mesmo que Corista : antiq. 

INFANTECÍDIO , s. m. Morte , assassínio de 
criancinhas , infantes. Leis dd Rei D. ^o^é. 

INFANTERÍA, s. f. segundo a derivação de 
Infante ; mas de ordinário se diz : Infantaria. V. 

INFANTÍL , ad). De minino , de Infante. H. 
Dom. P. 5. L. ?. c. I. §. Égua — ; i. é , casti- 
ça , para cria. V. Favlil. Elucidar. 

INFATIGÁVEL, adj. Incansável, 

INFATUÁDO, part. pass, de Infatuar. Fatua- 
mente persuadido , presumido : v. g. — de fi- 
dalgo , de douto 5 de bdlo. V. Enfatuado. 

INFATUAR , V, at. V. Enfatttar. o Sal de 
Tártaro enerva , e infatua ao $al corrosivo. Po- 
lyanth. Medic. (.420. 

INFÁUSTAMÈNTE , adv. Infelizmente. 

INFAUSTO , adj. Não prospero , infeliz : v. g. 
infausta sorte. Vlissea. successo — : did — í mu- 
dança — á Igreja. §. Dias infaustos ; em que 
tem de succeder desgraça a alguém , segundo 
a errada opinião do vulgo. 

INFÉCÇXo , s. f. O estado da coisa , ou 
pessoa infecta , inficionada , atacada de doença : 
V. g. a infecção gallica ; a — maligna. §. Con- 
tagio. 

INFECTO , adj. Inficionado. §. Sangue infe- 
cto , diz o vulgo ser o dos Chtisváos novos , ou 
dos qu:; tem casta de Mouros ; dos quaes quem 
pôde asseverar , que não tem algumas gotas ? 

a yaç 9r<j t(Ç éo» •/Ókí\i uiròf àiíyva '. era a lingua- 
gem modesta de Teiemat o , na Odisséya. 

INFÉGTUOSO , adj. Que traz , ou causa in- 
fecção ; que põe mancha , nódoa : v. g. — ao 
amor. Tavares. 

INFECUNDIDÁDE, s. f. O ser infecundo. 

INFECUNDO, adj. Estetu: v. g. mulher infe- 
cunda ; terreno — . 

INFELÍCE , adj. Infeliz, desditoso, de-sgra- 
çado , malaventurado , desaventurado. Assim o 
escrevcr.ío os bons Autores , e ainda não é desu- 
sado , sendo que mais dizemos infeliz , e infe- 
lizes. 

INFELICEMÈNTE , adv. Infelizmente ; por , 
ou com infelicidade. 

INFELICIDADE , s. f. Paira de felicidade , má 
ventura, ou sorte ; desdita , desgraça, intoriunio. 

INFELiCÍSiílMO, supcrl. de Infel.z. 

IN- 



5 ,A!f;^í 



INF 

INFELICITADO , part. pnss. de Infelicitar. A 
c]ue se não deu parabéns. §. Ftito intciíce. 

INl ELlClTÁRj V. at. fazer infel z : vocab. usu 
ai, §. Lijcliciíar-ie : fazer-se inicllz. 

INHiLiZ. V. Injelice. §. Prodia-i^ão inldiz de 
e«Çf///;o ; medíocre , ou má, §. Injcliz engenho , 
que náo produz coisas boas. 

INFí;LÍZÍ\ÍEi\TE, adv. Por infelicidade , com 
infelicidade , desaventuradamente. 

iNFEiVSÍoSLAlO , superl, de infenso, '^ Infemh- 
sima naçáo.^^ A^dceão. 

INrtNSO , adj. Inimigo , contrario. " Infenso 
aos Profetas." Feo , Trai. S. Estev. duqndla sem- 
pre infensa e veneno.a vutropok. Fieira , 4. 11, 141. 
tallando de Conscantinopola. 

INFERÊNCIA, s. f. lllaçáo , inducçáo ; con- 
sequência , que SC lira raciocinando. 

INFERÍDO , part, pass. de Inferir. §. Trazi- 
do , causado : v. g. gravames que se Unhão in- 
ferido d sua coroa. Ded. Cronol. P. 1. tu 318. 
( de infero , Lat. ) 

INFÈRIO , adj. poet. Infernal. Destr. de Hes- 
panha : p. usado. 

INFERIOR , adj. Que está por baixo , ou a- 
baixo de outro no lugar ; e fig. na sorte , qual da- 
de , condi çáoi subalterno : v. g. ciciai — . §. Súb- 
dito. Fieira. 

INFERIORIDADE , s. f. A qualidade de ser- 
inferior , íisica ou moralmente , em situação ; 
forças , poder ; estado , nobreza , qualidade ci- 
vil , partes, prendas, grandeza, Scc, 

INFERIR , V. at Dedtizir raciocinando , con- 
cluir : V. g. destes primipios , argumentos , o« ra- 
zoes se infere a verdade , que eu quer ta provar. 

INFERNADO , part. pass. de Infernar. V. H. 
Dom. P. ^. L. ^. c. II. homens de vid^ perdidís- 
sima andavão mais infernados , que os Gentios. 
V, do Arceb i^. " trazia a alma infernada"," 

INFERNAL, adj. Do inferno; semelhante no 
inferno, ou coisas delle : v.g. " homens irijerraes." 
Jned. I. 409. peccados — ; mortáes. Ord. j^f. 5. 7.- 
I. caminho — . Sarros , Dial, r^i^, o ( caminho) 
aue levÃo tã infernal é aos pàyes como aos fi- 
lhos. Opiniões — ( dos hereges ). Cron. de Cister , 
pag. iTji. §. Maquina, — , é um navio de 5. 
cobertas , carregado de pólvora , bombas , cat- 
caisas , metralha , cadey s velhas, estilhaços de 
canhões, &c. Exame de Bombtiros , /. 387, 

iNf ERNALIDÁDE, s. f. Desordem , confusão 
de mortes , damnos , ruinas , tormentos , e df<- 
res , como no inferno, Co'íto , 4. Z,. i. f, z. " por 
meyo daqueila infernahdade (^ de bombardas , e 
outros tiros de fogo , e arremesse» )." os eS' 
for^ad-)s Pcrtuguezes , contra qmm se desfazia to- 
d.a aq'ieli.1 mfenvlidade. F. Aiend^s. 

INlERNALMENFE, adv. A maneira do Ir- 
ferno, dos que nelk padecem : v. g. " viver in- 
firi\almmti*\ 



INF 



^S7 



INFERNAR ; v. at. Wetrer no inferno , con- 
Jeninar ao hferno. a desgovernar , e infernar 
s'ias almas. V. do Arceh. 3. 9. §. /njernar-se , rc- 
flcx. metcer se no inferno, ou f^zcr-se merece- 
dor do mfiírno , com peccados, e cn'pas. §. f. 
Aiiligirse , desesperar-se, como os condemnados. 

INFÉPvNO , s, m. Lugar de penas eternas de- 
pois cie. ta vida , onde os Ímpios , e os que 
moríerão em peccado mortal padecerão a pri- 
vação da vista de Deus , e tormentos de sen- 
tido para todo sempre. §. Buraco , em que an- 
da a roda no moinho d'agua. §. Talha do moi- 
nho , pura onde se tira a massa. §. Fazer in- 
ferno a alguém ; i. c , bulha , motim ; dar ma- 
traca , investida que o afine ,/e lhe apure a pa- 
ciência : fr. vulg. 

ÍNFERO , adj. Inferior , ou í>aixo. Barreiros , 
Corogr.f. 200. mar infero , e supero, p. usado. 

INFÉRTIL, adj. Não fértil, que cultivado 
não produz fructos : v. g. terreno infértil ; cam". 
po infértil. 

INFERTILIDADE , s. f. O nao produzir os 
fructos, que se semeyão , e cultivão : a infecun- 
didade consiste em não produzir a terra o que , 
quando é fecunda , dá de si espontaneamente. 

INFESTADO , part. pass. de Infestar , Casa in- 
festada de espíritos malignos ; i. é , frequentada , 
e maltratada delles : terra — da praga dos ga- 
fanhotos , e bichos , que destroem as lavouras : es- 
tradas infestadas de ladroes, 

INFESTÀNTE , part. prés. de Infestar. MaL 
Conq. 6. z6. 

INFESTAR , V. at. Fazer estrago , hostilida- 
des como inimigo : v. g. infestar os campos , 
costas , mares. §. f. Os ventos infestão as vinhas ; 
duas famílias se infestaváo com mortaes ochs. 
Fieira. §. Costa infestada ; mares infestados de 
cossanos. Fieira. §. " Seus mares infestar á.^^ M. 
Conq. 7. 62. 

INFESTO, adj. Múi nocivo , e inimigo. Z"'3 
4. 19- "a força dura , e infe.ta." Leã.o , Cr^^r, 
"J. L c. \6. Cidade tão infesta A Christanáade. 
Pini. Per. L. 2. /. 157. "ii-imigos n,ais . . . in- 
cestos. B. 4. 8. 6. fogo — . Cam. Cnnc. 11. 

INFIADO , e dctiv. V. Enfiado. Eufr. t, f.. 
f. 90. 

INFIBULAqÃO , s. f. Opef:^çáa Ciri^-gica , que 
consiste em se ajunr-" u com aneis os lábios 
de alguma ferida , ou da natura da mulher, por 
ciúme , ou guarda de castidade ate o dia do 
noivado, como usáo alguns bárbaros. 

INFICIONARÃO, s. f. V. Jníec<^Ro. 
^ INFICIONADO , part. p->ss de Inficionar. %. In- 
ficionado com veneno. Njiufr. de Sep.f. 60. -^. 
B. I. 10. I. animo inficionado de erros , hereíi^s. 
^. do Arceb. l. i. " tornar ao grémio da S. M. 
íg'-cja as partes iw/jfioHíS.l-íí.'? Conçienciíts — , de 
peccados. Idem, 5. 11. 

INr. 



158 



INF 



^ 




ijiii I 



l||ÍI;; 



INFICIONADÔR , s. m. ou adj. Q-jse inficio- 
na, o homem de mão viver iníicior.ador dos cos- 
tumes de qítem o conversai §. t. íis. Fapores , ex- 
halacões — . 

INFICIONAR , V. at. Fazer infecto , insalu- 
bre , pestilente : v. g, Inficionáo os ares as ex- 
halacoes podres , e mephhicas : a corr/ípcão dos ca- 
dáveres inficiona os ares : a transpiração detida 
nos poros exhaUntes , e resorvida pelos inhal.^n- 
tes , inficiona a massa do sangue : inficionar as 
aguas com peçonha. §. i. ^'Inficionando com a 
própria còr ( de sangue ) o rio Guadiana/' Cron. 
de Cister , L. 3. c. ^. §. f. Inficionar o animo com 
tms doutrinas. Maris , D. z.c-s. vendo quanto a 
vizinhança de França y e Inglaterra havia de m- 
íicionar nelles ( nos estados de Flandes ). Trfi- 
cionar com heresias. Cron. Cist. pag. \-ji. col i. 

INFIDELIDADE, s.- í. Falta de fidelidade , ou 
quebra de íé proníettida a Deus , ao Soberano , 
ou empenhada a outro homem. §. Gentilismo. 
Barr. D. i.f.85. f. o Demónio naqudias partes da 
infidelidade imperava. 

INFÍDO , adj. Não fiel , desleal : v. g. o in- 
fido amante: quando as infidas gentes. Lus. 2. i. 
é poet. 

INFIEL , adj. O que commetteu infidelidade. 
V. §. Infiéis : os que náo seguem a Lei de 
Cnristo. Lusiadas. aos infiéis, e não a mim, q'ie 
creio o que podeis. 

INFIELDÁDE , s. f. V. Infidelidade. Fios Sanct. 
Jned. I. 122. — mais abominável. 

INFILTRAQÍÍO , s. h O acto de infiltrar. 

INFILTRADO, part. pass. de Infiltrar. 

INFILTRAR , V. at. Introduzir algum liquido 
subtilissimo em alguma cavidade , como o li- 
quido se filtra pelos poros, o apostema he ma- 
téria muito infiltrada, e arreigada na parte. Re- 
copil. da Cirurgia, ou porque 5e infiltra , e pega 
tias partes , onde nasce. Ferreira , Cirurg, 

ÍNFIMO , superl. de Inferior. O mais baixo 
de todos na posição física; e na graduação mo- 
ral : o mais vil de todos. 

INFÍNDA.MÈNTE. , adv. Sem termo , infini- 
tamente. — liberal. Azur. Tomada de Ceuta , 
Prol. 

INFÍNDO , adj. Sem fim , infinito : v. g. in- 
findo número de gente ; — praga. D. Franc. 
Manuel. 

INFINIDADE , s. f. O ser infindo : infindo nú- 
mero, ou infinito. Resende , Leilw , f. 17. — de 
gente, despedtndo as rodas infinidade de fogue- 
tes. F. do Arceb. L. 6. c. 19. 

INFINÍTAPtiÈNTE , adv. Sem fim. 

INFINITÍSSIMO , supcriat. de Infinito. Z,«- 
cena , f. 350. " peccados infinitissimos.^^ Ek^ia- 
áa , /. 251 -f. 

INFINITIVO , s. m. e adj. O Infinitivo , ou 
Modo infinitivo do Verbo, c uai Substantivo abs- 



INF 

tracto 5 que denota o attributo do verBo sepa- 
rado de toda a relação com pe3so\s , tempos , 
números ; e de toda espécie de affirmaçáo , ou 
relação com tempos : delle se usa como dos 
outros Substantivos : i^. g. " o astrolábio , e ou- 
tros instrumentos , que úteis tem sido ao nave- 
garj^^ ou á navegação. " pjor segurar dobrarem 
o c.ibo( B. I. a. 5. ) :'^ segurar regido de por ; 
dobrarem ( infin. pessoal ) regido de segurar , e 
cabo regado de dobrarem Temos em Portuguez um 
infinitivo: v.^ leres , amarem , serdes , que equiva- 
lem a o teu ter, ou li.^ão ; o seu amar d'elies ; o ser 
delies : e usáo-se como Substantivos combinados 
com um Adjectivo possessivo ; precedidos de pre- 
posições , e sendo sujeitos de proposições : v. g. 
" o serem feyas náo é deshonra : para serdes bem 
quistos : por quererem bem hou verão máo galar- 
dão : vem-lhes de serem néscios : &c." Alguns 
Grammaticos tem por impossivel e repugnan- 
rie um Infinitivo pessoal, afemdos ás difiniçó- 
es do Infin livo puro Latino: chamem-lhe co- 
mo quizerem , mas em Portuguez lemos editas 
palavras equivalentes a dois elementos , ou par- 
tes- da oração ( as^im como os nossos Verbos , 
Advérbios , e Interjeições-, e Conjunções equi- 
valem a outros muitos), que =e analysão , ou 
exprimem por outns. '^ ordenou (o Governa- 
dor ') ficarem ali todos os pedreiros ■," ( Ccíito , 
6. A- 5 ) onde ficarem é pacienre de ordenou: 
'■' o Imperador desejava muito de ficardes na sua 
terra (^Barros , Clarim.) ;' ficaaidei.' regida por de ; 
\. é , a sua ficada delies , a vj}:a fiadi : q'ie 
se podem substituir por que firasscm , e q'ie fi- 
qiien , subjunctivos , onde o Verbo perde o seu 
caracter. " O vosso engeit.ir o que os outros an- 
dào buscando ( Clarim. L. 2. c. 24 pa,g. i6j. )" 
pode-se suprir pelo Infinito pessoal : o engatar- 
des o que 03 outros &c. cona na mesma pa- 
gina: '"não he sem c^usn Joigardes '■." supprivel 
por o vosso folgar. Todavia sempre nos Infini- 
tivos pessoáes prevalece o caracter substantivo, 
e por iíso concordão com o artigo o no géne- 
ro masculino , bem como o infinitivo puro. 
" Foi fUsto não somente ordenar prémios aos 
bons , e penas aos máos , no outro mundo , mas 
também serem jnlgMos em publico ( Catlhc. Rom. 
106. ) :" onde se vc , que joi juito é verbo , e 
attributo no sing: masc. de ordenar , e de se- 
rem julgados : mas os epítetos , que se njun- 
tão aos pessoáes , concordão com a noção pro- 
nominal , que elles contém ; v- g. julgadoi : e 
o serem bellas ( as damas ) ; o serem doutos , 
letrados ( os homens ). Daqui vem , que quan- 
do se calla o Adjectivo , que se houvera de re- 
petir , mas já fica expresso , parece , que o trás 
;í memoria , ou se relere a nomes do plural : 
V. g. '■'■ Letrados ., que o são fracos:" "quero 
mulher formosa , mas que o seja mais na al- 
ma :'' 



i ^ 



INF 

ma :" i. c , que seja o ser formosa. Seja o ser 
parece absurdo ; " Ser Md e ser pai brando , c 
amoroso :" " l^essoa , e ser c o (, se. ser ) de 
Florença , para um Príncipe a tomar por mu- 
lher." Uli^ipo , Connd. " Qtiam cerco é , nobres 
Portuguezcs , o serdes em todo o tempo kaes 
a vossos Reis naturaes 1" Seveiin. Diíc. l. ^a^. 
65. Eà\c. de 1791. Talvez os Poetas usáo do 
Infinitivo puro cm vez do pessoal : v. g. " Só 
podes pcrrender o não ser { por seres ) vista , 
Mas não depois de vista o ser deixada ( por se- 
res d.i^ada):^' Cani. Ekg. 8. onde vista e dei- 
xada concordáo com Bclisa , subentend. e não 
com o ser , que sempre é masculino. ( V. o meu 
Compendio de Gramutatica , L. 1. ca>p. 5. «-8. e 
(). e a Nota. ) 

INFINÍTO, adj. Sem fim, nem termo, em 
qualquer grandeza ; arcributo , intensiva , ou 
extensivamente : v. g. Deits é infinito : // maté- 
ria mo é infinita. §. no h Coisa miíi grande , 
a que náo sabemos termo ; ou por exageração 
múi grande. Arraes , i. 20. jiii infinito e>n vo* 
comolar : i. é. múi extenso. §. Lmba — j illi' 
mitada. §. Infinito , adv. infinitamente. 

INFÍNTA , s. f. Finta. Fazer — ; mostra fin- 
gida, cacha. Md. 2. 321. "jize/-io m/ínírt de que- 
rerem vir sobre a Cidade." 

INFÍiMTO, adj. Fingido, dissimulado. Eufr. 
l. 6. Anlegr. f. 14. f. 

INFIRUIÁDO , part. pass. de Infirmar, — o 
contrato ; por náo solemnemente tratado. 

INFIRMAR, V. at. Tirara firmeza , enfraque- 
cer , fazer de nenhuma força , momento : v. g. 
infirmar as provas , autoridades , ditos das teste- 
nimbas , o credito que se lhe deveria. §. — a 
Lei , sentença , testamento i i. é , annullar. 

INFISTULÁDO , part. pass de Infistular. Fe- 
rida — . §. fig. Odío — , no coração, 

INFISTULAR , V. at. Fazer passar a fistula o 
que era ferida, §. Fazer que algum mal se per- 
petue , e faça incurável como a fistula. Eufr. 
5. I. lem.^ran-as tão doridas . . . se me infistuJá- 
ráo com esta magoa de saudade. 

INFLAqSO , s. f. Itichaçáo. Ãecopil. da O- 
rurg. §. f. Orgulho. 

INFLADO , adj. no fig. Inchado , ancbo , or- 
gulhoso. Barros , ^. 10. 10. foi. 262, e não in- 
ilauo,«em imperioso. §. EsíÚo inflado, efioxo. Fer- 
nandes de Lucena 

INFLAMJnAÇÃO , s. f. Tumor preternatural , 
causado pelo sangue , com vermelhidão , e ca- 
lor : a inflammaçág é de diversas espécies , se- 
gundo os lugares , que occupa, §. O acto de 
inflammar, ou inflamuar-se alguma coisa. §. O 
encendimento , ardor, v. g das pedras mectida. 
no fogo , do ferro candente. V. Cmu jf. ?. P. 
^.c.6i. §. O erxendimento e grande rubor do 
rosto , afogueado por calor , ou paixãot '':«4-- 



INF 



^S9 



INFLA.MMÁDO, part. pass. de Inflammar. §. Ac- 
ceso , encendido , abrazado : v. g. inflammado 
com calma. § frieira, "estava Tgnacio com o ros- 
to infammado " por paixão do animo. " Com 
cal milagre os ânimos da gente... inftammd' 
dos-^'' Lm. 3. 46, §. Ares — . Mausinho , f. 50. 
§. Acce.o : V. g. o espirito de vinho — . 

INFLAMMAR , v. at. Por em chama física, 
§. Causar inflammaçâo , doença. §. Encender , 
tazer em braza : V. ^. — o rosto , de calma , 
ou paixão. Q^ueiros , Fida de Basto. Inflammar o 
animo em vingança : instigar , estimular , fazer 
arder. Freire. " mfiammavão mais a indignação.^* 
"/;//?tí>»m^r-íe em caridade." H Pinto. §. A ver- 
gonha lhe inflammava as faces. Arraes , 10. 14. 
§. Com doutrina inflammou a alma. Calvo , 2. §B6. 

INFLAMMATÍVO , adj. Que inflam ma. In- 
sul.j. 21. a :}. " sustancia inflammativa." 

INFLAMMATÓRIO , adj. t. de Med. Cálido i 
calidissimo : v. g. o azedo é — . "o sangue está 
'nflammatorio i^' i. é , miai esquentado , bilioso , e 
roixo. §. Doença inflammatoria ; i. é , accompa- 
nhada de calor , ardor , pulsação , rubor , e dor : 
V. g. gotta arthetica inflammatoria. 

INFLEXIBILIDADE ^^ s. f. Qualidade do corpo, 
que consisre em náo ser dobradiço , flexível, 
§. f. Firmeza: v- g. — do animo; que não ce- 
de : obstinação do animo , ou vontade. §. Ac- 
ção de animo inflexível. Ded> Cronol. 

INFLEXÍVEL , adj. Que náo dobra: v. gi 
lima lamina de aço — . §. f- Que não cede por 
constância , obstinação, animo , justiça inflexível. 
Fieira. 

INFLORÁDO , part. pass, de Inflorar. a abelha 
— ; mectida na flor. t. poet. Alfeno , Pões. 

INFLORÁR-SE, v. at. refl. Metter-se na flor, 
V. g. a abelha, §. Inflorar , at. entretecer flores C 
V. ^.inflorar agriníilda. 

INFLUENCIA , s, f. Influxo físico , ou acção , 
com que os corpos acrúão , e opéráo em ou- 
tros , em consequência da qual influencia se faz 
TOS influídos algum efFeito , ou mudança. §. fig. 

poder de causar elteicos moráes : v. g. a vir- 
tude tem nvnta autoridade , e influencia nos âni- 
mos : A influencia das riquezas , ou dos homens 

1 ixs ; da nobreza no povo ; das Leis nos costu- 
mes , 'Ò^C, 

INFLUIÇÃO , s: f. Influencia, CnmÕes , Oita- 
vas I, e Lus. 9. 85. Por alta influição do ini' 
móbil fado. — de minha estreita. 

INFLUÍDO , part. pass. de Influir. " oura 
mór Luz em nós do Ceo infiuHa.^^ Ferreir. Car- 
ta 12, L. I. §. f. Miai desejoso: v. g- os nossos 
influídos em dcztjo de vingança. M. Lus. — MO 
fantástico sonho. Cam. Egi. 2. 

INFLUIDÒR , ad]. Que inHúe. Fabul. dos Pla- 
netas. Mnrte galante influidor de desatinos. 

ÍNFLUÍR , v. at. Fazer cotrer para dentro ai- 




r/r» 
"/ 

/ 



INF 



gunla coisa. §. fig. Actuar , produzir úpim ef- 
feito de modo não vizivel; v.^. os auros itiÃúe.Ti h.í 
atmosfem. §. Ter influencia moral : v. ^ «.* p^í/- 
, xões influem no animo ; as Leh nos costrinws , a 
devassidão dos grandes no animo do vilgo : in- 
fluir na morte de alguém ; mandando-a fazer , 
aconselhando, ajudando com msirumenros , d s- 
farces, &c. §. Inspirar : v. g. iniiuT valor, adio 
amor : influir sono. " espirites Divinos influindo." 
Cam. §. Injllir-se em contemplncão ; enlevar-se , 
rr etier-se miíito nelia : Lron. Cist. i. c 29. em- 
bebtr-se. 

IiNFLÚXO , s. m. Acção de um corpo em 
ouiro , ou do corpo na alma , ou desta no cor- 
po , da qual ac^áo resulta al^um efFcito fisico , 
ou moral. §. Influxo da graça Divina ■■, influen- 
cia. §. Maré enchente. Mal. Coníj. 1 1. ?. " nos 
menores infuxos ;*' i, é , quando sào aguas mor- 
tas. 

INFORMAÇÃO , s. f. A noticia , que se dá , 
ou que se recebe. §. O acto de informar-se a 
íórma na matéria ; t. Fis, Estol. §. Instrucçáo , 
direcção. O sentido moral , qtíe serve d intorma- 
ção dos costumes. Fios Sanct. pag. 15?. ir. col. i. 
INFORMADO , part. pass. de Informar. £stou 
informado : o seu requerimento está , Joi informa- 
do. § A que se deu forma. (V o verbo ^ Cor- 
po — . §. Corpo informado d'atma ; o que de- 
pois de formado recebe a alma racional. Ca- 
thec. Roman. f. ^6. 

INFORMADOR, s. m. O que informa. 
INFORMANTE , part. ar. de Informar. Usa-se 
substantiv. o informante; i. é , o informador. 

INFORMAR , V. at. Dar noticia , informação ; 
<3ar a conhecer : v. g. as palavras dos homens nos in- 
formáo do seu animo , ou conceitos. D. Franc. M. 
§. Instruir. /oVmrt , e regra de informar o Povo 
Christão. Catbec. Rom. 5. §. Informar-ic : insrruir-se, 
aquirir noticia , noções : v. g. — do estado da Re- 
publica, da milícia. M. Lus. %. Informar a alma o cor^ 
po ; t. Fisico Escol, entrar nele , e vivifica-lo. L7íí- 
sea , 4 20. Jlmas trouxe a informar , . . sat primei- 
ro cadáver. Mã'{sinho , f, 44. ^\informa o ges- 
to:" i. é , tomar o gesto. §. Informar , at. dar 
forma a obra informe, cuias píirtes estão des- 
membradas , imperfeitas. Fieira, Canas. 

INFORME , ad). Sem tórma , sem feição , ou 
feitio; rude , tosu) , imper cito. '' foi cruido c 
Sol informe.''^ Fieira. " anaoca o tscituarlo hu- 
ma pedra tosca , bruta , informe.''^ P'íeira, " Os 
filhos dos USS03 nascem injurmes." §. jJclo injur- 
me , testamento — ; i é , sem as solemnidades 
que a Lei requer. §. Confusão iuforme ; mal fei- 
ta, 

INFORTUNA , s. f. t. de Astron. Planeta mali- 
gno , cu)a influencia occasona infortúnios. 

JNFORTUNÁDO , ad], Cheyo de infortúnios, 
{Jesgtaças: jdiz-se das pessoas , e das coisas. 



INF 

t. mod. usual. " a misera Cadcya infortunada.^^ 
4ljeno , Foes. 

Ii>JFORTÚNIO , s. m. Fortuna adversa , des- 
graça , infelicidade. 

INFRÁGC^AO , s. f. Quebra itamenro , ou que- 
bra , violação : V. g. infracção da Lei , da je , da 

fJUZ , iÒ'C. 

I.nIFRÁGTÔR , s. m. — òra , f. Transgressor , 
o que infringe a Lei. Lei de 7. de Dezembro 
de 1 769. 

INFRASGRÍPTO , adj. Abaixo assinado; ou 
escrito maiS abaixo. M. Lus. 4. 48. f. ed. 2, 

INFREQUENCIA , s. f. Falta de frequência. 

INFREQUENTE , adj. Não frequente. 

INFRIGIDÀNTE , ad], t. de Med. Qiie refres- 
ca , ou esfria. Xarope — . 

INf RINGÍR , V. at. Quebrantar , não obser- 
var : V. g. infringir a Lti , o p^cto , os trata- 
dos , a paz, 

INFRUCTÍFERO , adj. Infructuoso , estéril. 
f^/iiconcellos , Not. arvore — ; súvmIos — . Lo- 
bo , E^l. 8. 

INfRUCTUÓSAMÈNTE, adv. Sem fruto , ou 
sem proveito. 

INrRUGTUÒSO , adj. Que não d.á fruto : v. g. 
campo — i arvore — . B Gramm f. 271. terra 

— . Couto , 6. 4.. 7. §. f. Rogos — ; tr<ibalhcs 

— . §. Baldado no eíFeito , inefHcaz : v. g. Lei — . 
M, Lus. bum infructuoso aproche. Port. Rest. 

ÍNFULA, s. f. Insígnia dos Sacerdotes de 
ApoUo. Entida , 2. 105. 

INFU.nADO, e INFUNÁR. V. Enfunado. H. 
Pinto , /. 215. " injunados na falsa gloria do mun- 
do " Lusit. TransJ. f. i}8. f. vento que infuna 
a não. 

INFUNDÍQA , s. f. A urina , lexivia , em 
que as lavadeiras póem de molho a roupa su- 
ja , antes de a lavarem. 

INFUWDiDO , part. pass. de Infundir, §. Pos- 
to de infusão. Curvo , Potyantb. 

INtUNDÍR , V. ar. Hòr de infundiça : v. g, 
infundir a roupa. §. Deitar licor em algum va- 
so. §. Entre Químicos : Pòr algumas raizes , 
hervas , lenhos , &c. em agua , para exírahir 
delles alguma substancia , tintura , sabor , Scc. 
§. In.spirar : v. g. infundia castidade naquelles , 
em quem punha os olhos Fieira, intuidir animo ^ 
temor lhes infunde esprito beliuoio. Eneida ^ 9. 172, 
infundir desejos , affícios. §. Filhas de Apollo , 
^ujo aUnto infunde melodia Galhegos. §. Dcits 
infunde , cu introduz a alr-\n no corpo : infun- 
diu :ono a Adio. Calvo , Hm. i. J ^^o. 

INFVRqÃO, s. f. a t. Renda ou aluguei 
de casas Çdgo ao Senhorio Jl/4iidí.r. 

INfÚbÁ, s t. V.isp de barro a modo de bi- 
Ih* com 1 ico para v nho , ou agua. 

INFUb^O , s f, O acio de Lrçar íiquor cm 
algum vaso, §. O pòr algum corpo de muliio, 

pa- 



^ 



ING 

para lhe extrahir sueco , tintura , &c. t. de Quí- 
mica, h. O liquido com o corpo posto nelle 
para esse fim. §. O acto de intundir a alma no 
coipo. Fasconcellos , Not. 

INFUSO , part. pass. irreg. de Infundir. Tntun- 
dido. §. Mna intusa fio corpo ; introduzida. 
§. Sckncia iiifusu ; adquirida por inspiração di- 
vina , ou milagre , e sem estudo , ou medita- 
ção. 

INFUSTAMÈNTO , s. m. O fedor , que to- 
máo as vasilhas de vinho , que hz^ mal a este 
liquido , quando nellas se infunde. AlArte , /. no 

INFUSÚRA , s. f. t. d'Alveit Fluxáo de humo- 
res , que causa doença ás bestas ; espécie de 
aguamento. Rego, Cavali Snmul. 88 

liNGENIÒSO. V. Engenho 0. B. i. ?. u. 

INGENlTV) , adj. Nascido com a pessoa , con- 

natural. 

INGENTE-, adj. poet. Muito grande. Lus, 7. 
6i. gloria — . Kisauie , Ldl. /. 77. 

INGENUAMENTE, adv. Sinceramente: V. g. 
responder — Fuira. dizer — . M. Lus. 

INGENUIDADE , s. i. Sinceridade , singeleza 
do animo não dobrado. Mon. Lus. 4. da inge- 
nuidade do animo. 

INGÉNUO , adj. Entre os Latinos , era o fi- 
lho de pái libertino , ou Cidadão Romano §. Sin- 
cero , singelo , sem dobrez , não refolhado. 

INGERÊNCIA , s. í. O acto de ingerlr-se. 

INGERÍR, V. at. Metter dentro. §• hg-," '"^f- 
riudo neste negocio táes condições , alem das 
ajustadas , e taes associados , ou administrado- 
res , que perverterão , e danarão tudo. §. Inge- 
rir-se ; reflex. introduzir-se , intrometter-se , in- 
tervir em algum negocio , ter parte nelie. 

INGLORIÒSO , adj. Desacompanhado de glo- 
ria ; de que não resulta gloria. Sevmm , Not. f. 
4YJ. ult. edi^. triunfo — , morte — ; trahalho 

jnglorioso. 

INGRATAMENTE , adv. Com ingratidão. 
§. Desagradavelmente : v. g. instrmiento que soa 

INGRATIDÃO , s. t Falta de agradecimen- 
to , ou náo confessando o beneficio , ou nao 
fazendo boa obra ao bemteiíor , ou tazendo- 
ihe mal pelo bem. 

IN GR ATITUDE. V. Ingratidão. Jgiol. Lus. 

INGRATO , adj. Náo grato , que náo reco- 
nhece , não confessa , não paga o beneficio 
§ ad). t. de Fisica ■■, Desagradável aos sentados : 
V. g. s^bor — i muã.a — . §. fig- Fcrdade. 
ingratas. 

INGREDIENTE , s. m. Qualquer droga , que 
entra na composição de iguarias, mezinhas, 8cc. 

ÍNGREME, adj. Alto, direito, sem lade.ra , 
difficil de subir : v. g. monte — ; quebrada — . 
Sobe íngreme pcra cimít . . . e tão direita de to- 
das as partes , que pana l^e a forão talhando 

Tom. IL 



INH 



l(i\ 



ao picão ò-C. Como, 7. 3. ti. fallando da ser- 
ra de Assari , na índia. Ibid. de todas as par- 
tes fica tão Íngreme , que se vai o hme dos olhos 
a huma pessoa , se olha pêra baixo. §. y^m ín- 
greme ; o que náo tem de-tes , e e umca , e 
só peça , ou laiz. §. fig o Padre foi Íngreme . . . 
ds esmolas do Conim-mestre ( S. Pr^"Ç^/^i"» 
só , sem moço , nem matalotagem ) . Mend. tint. 

' INGRESSO , s. m. Entrada ; v. g. ingresso na 
Religião. Prov. da Dcd. Crcnoi f \i6. §■ — no 
porto. Fida de S João d/t Cru% §• O acto de 
entrir. Leão , D^scrip ão. " no ingresso.'^ 

ÍNGUA , s. f. Encordio na coixa junto , OU 
próximo ao pente. . _ . 

INHÁBIL, adj. Não hábil; incapaz, msutti- 
ciente para empregos, estudos, &c pela natu- 
reza , por falta de talentos , lettras , ou partes tí- 
sicas ; ou peUs Leis. §. Wommi ■—; sem mereci- 
mento , nem talento. V Í>'po , f. 186. /. (,o W 

não fere oh') ,. .-, A-„r 

INHAlilLENTÁR. V. Inhablitar. Orta , Col- 
loq. o agnocasío inhabilenta a Fenus ■■, faz impo- 
tente ( Soa mabilema^ 

INHAEILIDÁDE , s. f. O defeito , que con- 
siste em ser inhab.I. V. Qo n não fere o ^ 

INHABILITÁDO , part. pass. de Inhabilitar. 
para o servido publico , ou acção fisica , por doetv-, 

ça , aleijão, &c. - 1 tm c • 

INHABILITÁR , v. at. Fazer inhabil tisica , 
ou m.oralmente. V. Inhabil. M- Lus. ( o n nao 
fere o h )§. — ^e para algua coisa ; P"^ / 
qual tinha aptidão, capacidade moral. ^Soa íH<2- 

bilitar) , ,. , IV • 

INHABITÁDO , ad]. Deshabitado , solitário , 
ermo. Camões. « inhabitada a terra lhe parece. 
Lus l. 44. " O monte inhabiiado.^' Id. hgi. 7. 
Son'. 45. ( o nh aqui não soa nhe , ou o n nao 

fere oh) ^ - ' j u., 

INHABITÁVEL, adj, Que se nao pode ha- 
bitar. ( o n náo fere o /; ) . 

INHAME, s. m. Kaiz farinácea, e^pe.i,e de 
batata grande , que nasce da planta chamada 
taioba no Brasil: são bravas, ou hortadis, dao 
uma farinha múi subtil. Barros. (^Colocasia , oa 

/Irum Esyptiuin) ../>.- 

INHAPURE, s. m. Ave da Ethiopia. Santos , 

^' InÍíATÈZA , .. f. In ptidão. r. us. « Sua í«^^- 
!cza , ç pouco vdot." Pinto Ré. Ac<,. d Adam. 
D. loão IV. p. ío8. iinateza) . 

INHAZÁRA , s. f. Anmial Ethiop.co , que pa- 
rece ser o mesmo , que o Tamandura Bras.L.O, 
Ethiopia Oriental de Santos , f U- /• 

INHÈNHO , ad). Tonto , decrépito. 

INHERENCIA , s f. Un^áo int.tna da coisa 
inherente com aquella , a que esta umda, ^o 
nh náo soa nhe ) j^. 



102 



INI 



r/V 



INHERÈNTE , adj. Que está unido intima- 
mente : V. g. a brancura é inherente á neve. Fiei- 
ra. §. no f. habito inherente na alma. §. Direitos 
inherentes ao Soberano , e que não podem alie- 
nar-se delle. (o nh não soa nhe ) 

INHERÍR , V. n. Estar inherente. ( o n náo 
fere cã) 

INHIBiqXO , s. f, O acto de inhibir. (Soa ini- 
hição ) 

INHIBÍDO , part. pass, de Inhibir. f Soa in- 
ibido ) 

INHIBÍR , V. at. Prohibir judicialmente , co- 

mo Magistrado Civil , ou Ecclesiastico , que se 

faça , ou continue alguma coisa. Ç Soa initiir ") 

Breyj para inhibir o Conservador da mesma Re- 

■ ligião na causa que corria. V. do Arceb. z. 14. 

INHIBITÓRIA, s. f. Decreto , que inhibe , 
bu prohibe. Orden. 2. Tit. 14. Ç Soa inibitória ) 

INHONÉSTAMÈNTE , adv. Sem honestida- 
<3e. Nmes , Trat. d' £xplan.f. 10. f Soa inones- 
tamente. ) 

INHONÉSTO , adj. V. Deshomsto. Musica — ; 
' lasciva. ( in-onesto ) 

iNHÓbPITALIDÁDE , s. f. Falta de hospita- 
lidade. ( o « náo fere oh') 

INHÓSPITO , adj. Que náo dá hospedagem , 
agasalho , por má vontade , ©u incapacidade : v. g. 
os bárbaros inhospitos , as inhospitas arejas ; pra- 
yas , sertões inhospitos. 

INHUMANAMÈNTE, adv. Sem humanidade. 
V o « náo fere o /; ) 

INHUMANIDÁDE, s. f. Falta de humanidade, 
crueldade. ( o « náo fere o A ) 

INHUMÀNO , adj. Deshumano , sem humani- 
dade , cruel. §. Náo humano , sobrehumano. 
Cam. Canhão 2. e Redond. " a vista inhumana.^' 
Q Soa in-umano ) 

INICIAÇÃO , s. f. Acção de iniciar, ou In- 
troduzir alguém nos mysterios secretos de algu- 
ma Religião. 

INICIADO , part. pass. do Verbo Iniciar. 

INICIAL , adj. que de ordinário se applica á 
primeira lettra de alguma palavra , verso , ca- 
pitulo, &c. ' 

INICIAR , V. ar. Começar. §. Mais frequen- 
temente se usa na significação de introduzir al- 
guém nos mysterios secretos de qualquer Re- 
ligião. ^ ^ 

INÍCIO , s. m. V. Principio, p. us. 

INICO. V. /niqrto, como hoje se diz. 

INIMICÍCIA , s. f. Camões , Lus. 7. 8. Inimisa- 
dc. Inmicicias. Id. 8. 65. perpetua — . p. us. 

INimcíSSIMO, superl. de Inimigo. Comovo 
f. 9. " era seu inimicissimo." 

INIMÍGO , adj. Não amigo. Fazer alguém ini- 
migo de outrem ; ou com outrem. Cron. J. 2. 
F. Z.C. 62. fizesse a ambos inimigos c os Mou^ 
ros. §. Que está em guerra com outra nação. 



INJ 



§. Que aborrece : v. g. " inimigo das Lettras.'' 
§. O inimigo , por exceli, o Diabo. 

INIMISTÁDO , patt. pass. de Inimistar. Coff- 
""ho ,f.y.f. 

INlJviiSTÁR , V. at. Fazer alguém inimigo de 
outrem. Cron. J. 3. P. 4. c. 99. por o mo ini^ 
mistar lom eIRei de Tidore. §. — se com alguém ; 
razer-se seu inimigo. Eneida ^ ia 16. 

INIJVIITÁVEL, adj. Que se náo pôde, ou náo 
deve imitar, 

INIMIZADE, s. f. Falta de amizade, ódio. 
§. Canas de inimizade. Na Orden. L. i. Tit. ^. 
§. 5. enãJfons. 1. 36. 3. se faz menção delias ; e 
parece serem Cartas , que serequerião aos Magis- 
trados , pelas quaes alguém era declarado por 
mimígo de outrem , e por tal inhabilitado para 
o accusar em Juízo , depor contra elle , &c. to- 
rao revogadas por uma Lei de 1608. Collec^ão- 
I. Tit. 3, §. Betxar inimizades : reconciliar-se , 
deixar o ódio. 

ININTELLIGÍVEL, adj. Que senão pôde en- 
tender. 

ININTELLIGÍVELMÈNTE , adv. De modo 
não intelligivel. 

INÍQUAMÈNTE, adv. Com iniquidade , in- 
justamente : tem os Deuses ofendido — . Uliss. 
I. 33. 

INIQUÍCIA , s. f. Iniquidade, vaso de — . Lus^ 
8. (35. p. us. 

INIQUIDADE , s. f. Peccado , culpa , crime. 
Port. Rest. §. Falta de equidade. 

INIQUÍSSIMO , superl. de Iniquo. Jrraes , 
10. 65. 

INÍQUO , adj. Não igual , injusto , máo : v. g. 
o Regedor daquella iniqua terra. Lus. i. 94. 
§. Sentencia imcjua ; falta de equidade. §. f. Cen- 
sura — ; o juiz—. Fios Sanct. pag. LXXXFI. 

COl. 2. 

INJÉCqivO , s. f. r. de Anir. Introducção de 
liquides em os vasos do corpo , para se ver me- 
lhor a sua direcção , ou para o conservar con- 
tra a podridão. §. Vaso , ou membro , cujos 
vasos tem injecção. Gabinete onde ha muitas — : 
outros dizem , onde ha mijitos injectas , e pare- 
ce melhor ; porque injecção é o trabalho , e pre^ 
paração dos corpos injectas. 

INJECTAR , V. at. Fazer injecção ; preparar 
com ella algum membro , para o conservar , e 
outros fins. 

INJECTO , como subst. Membro , ou coisa 
conservada , e preparada com injecção , que a 
preserve de corrupção , ou mostre a direcção do 
vaso , &c. 

INJÚRIA, s. f. Dito, ou acção, pela qual 
se oíFende alguém , não guard.indo os toros ao 
seu decoro, honra , bens, vida. "dizer , ou fa- 
zer injurias,''^ 
INJURIADO , part, pass, de Injuriar. 

IN- 



INN 

IN.íURIADÒR. , s. m. O que Injuria. H. Pin- 
to, f. T^AX.col. 2. ■ ■ n A af 
1NJUR1A.NTE, s. m. O que injuria. Orá. ^J. 

INJURIAR , V. at. Fazer injuria verbal , ou 

real. 

INJURIOSAMENTE , adv. Com injuria , con- 
tra o que é devido, e justo. 

INJURIOSO , adj, F.m que ha injuria , e of- 
fcnsa. §. De ordinário se' diz , por aírontoso. 
§. O que taz , ou se porta com injura contra 
alguém. Mártir. Catecnmo. he injurioso d Provi- 
(iaicia q'tem é)-c. 

INJUi FADO , adj. ant. Injuriado. Elucidar, tra- 
tar com injustiça. 

INJUSTAMENTE, adv. Com inju-tiça. 

INJUSTÍC.A, s. t. Falca de juiti^a, 

INjUSriL;ÒSO , ad|. Não obs;;tvante das Leis 
da Justiça, praticador de injustiças, "este ty- 
rano era tão taUo , e injastiMSO.''^ Co:ho , lo. 

IO. 7. ^ 

INJUSTO, adi. Homem — ; que obra contra 
as Leis , contra Direito. §. Coisa — ; contra Di- 
reito : V. g. sentença — . §. Injasto posunuor ; sem 
titulo justo. 

IN LI Q AR, V. Jlliçar. Ord. Jfons. 5. 

INLiqOM. V. EleHão. Ord. Ajuris. 

INLIZADOR. V. Illi^ador. Ord. Af. 5, /. ?3^ 

INMIGO. V. Inimigo. 

INNASCÍVEL,ad). t. de Theol, "o Padre Eter- 
no sendo innascivel :'^ ( Fieira ) i. é , que nao 
pôde ser gerado , nem nascer como o hlho. 

INNÁTO , adj. Ingenito. §. Que nasce com 
o homem , ou que homem tem desde que nas- 
ce : V. g. " ideyas innatas." 

INNAVEGÁVEL, adj. Que se não pode na- 
vegar. Mar — . F. Mendes , f. 97- f- §• ^^r 
vio — ; incapaz de poder navegar , por arrui- 
nado , e miáito desbaratado. 

INNEGÁVEL, adj. Que senão pode , ou não 
deve negar. 

INNERVÁDO , adj. Encordado com corda de 
nervo. Eleginda , J 24^. ;!^. '' innervado arco, a 
que o Turquesco braço averba " 

INNOCENCIa, s. f. A virtude, que consiste em 
Tiáo fazer , nem haver feito algum crime : v- g- 
o estado da innocencia : a inno-eni-ia do acalsa- 
áo. §. SimpliJdade de costumes , em que não 
ha culpa ; idade de innocencia. 

INNOCÈNTE , adj. Que náo faz mal : v g. 
ritmemos , bebid.is — : ares — . P^ie ra. §0 Sem 
culpa. §. Ignorante. Lobo. sendo eu i^ríOce'^^e des- 
te costume. §. Idiota , simples ; singelo , sem ma- 
licia. Fieira ; e Camões , Cani^. ii- §• Criança , 
ou minino , em quanto náo tem malcia : usa-se 
Umbem como subst. fim, ou uma innocente. 

INNOCÈNTEWÈNTE , ad). Sem culpa , cri- 
me ; sem malicia. 



INO 



163 



INNOCENTÍNHO , adj. dim, de Innocente. 
Usa-se subst. por minino innocente. F- do Ar- 
ceb. 5. 12. "lhe deparou Deus este innocenti-. 

INNODÁDO , adj. Enred.ido. §. t "em tor- 
pezas , e vícios tnnodado." Dtstr. de Hcspor-. 

nba. 

INNOWINÁDO , ad). Que nao tem , ou a 
que se náo pòz nome. F. da Princesa D. Joan-. 

na. dchcto — . . , . , ^ n j jc 

INNÓTO , adj. Náo conhecido. A Ord. Af. ?. 

77. 5. trás inoto. V. Ignoto. 

INNOVAÇÃO, s. f. Novidade que se intro- 
duz na doutrina , legislação , esti:o,í , usos. §^Re- 
paro , concerto : v. g- mnovação do muro. Crotl, 
Af. 5. por Leão. 

INNOVÁDO, part. pass. de Innovar. Eujr. j. 
4. seita — : palavras — . Lobo. 

INNOVADÒB. , s. m. O que innova: _ 

INNOVAR, V. at. Fazer, ou introduzir no- 
vidades , innovaçóes nas Leis , costumes , dou- 
trina , artes , sciencias. §. Reparar , tornar a fazer 
d ' novo : e r.o íig. " acaba o anno o Sul , o 5>ol o 
innova.'' ferr. Egl. 7- §• Concertar. §. Moti. 
Lus. temendo , que se innovasse alguma ema,. 
§. Innovar palavríís ; introduzi-las de novo. Lobo, 

INNUMERABILIDÁDE , s. í. O ser innume- 
ravel. §. Infinito em número. 

INNUMERÁVEL , adj. Que se nao pode nu- 
merar. , j. -^ 

INNÚMERO , adj. Sem numero- LUs. ?. 60, 

" innumeros peóes." , r 1 ^ 

INNUMERÒSO , adj. Sem numero. Insulana. 
§. Fersos innumerosos ; sem harmonia , opposto a 
versos numerosos. „. 

INNÚPTO , adj. Náo casado , solteiro, tiisf. 
dos Loyos, " as nove irmãs innuptas :" as Mu- 
sas. .. 

INOBEDIÈNCIA , s^f. Desobed'-encia. _ 

INOBEDIENTE , adj. Náo obed.ente. Mansi- 
nho , /. 97. Edi^. 1." 

INOBSERVÁDO , adj. Nao ohserv-.do : v. g. 

« Lei inobíervada." 

INOBSERVÂNCIA , s. f. Falta de observância, 

INOBSER VANTE , ad). Que náo observa , nao 
euarda a regra , lei , in tituco. . 

INOFFlGiÓSAMÈNTE , adv. Contra a lei da 
ofíicio'idade ; contra o olficio , ou dever. 

INOFFIQÒSO , adj. Que não guarda com os 
outros os deveres, principalmente os da bene- 
ficência , humanidade, urbanidade. §. VoauiO 
tnoffidjsa ; a que se faz em contravenção dos 
devires ; v. g. preferindo o estranho ao_ co^- 
sanguíneo , sem razão. Vieira. §. Itiutil , meííl- 
caz : V. £. " remédios inoglciósos.'" 

INÓPIA , s. f. Pobreza , falta do necessário.. 
Cam. Lus 5. 6. " padecendo de tudo ^xo^ema í«o- 
pi^,» Na prosa ; Vida da Prmceza D. Jo^n- 





INOPINÁDAAIÈNTE , adv. Contra a opinião ; 
quando se náo cuidava ; v. ^. belier a mone ino- 
pinadamente ; forão presos — . 

INOPINADO , adj. Que sobrevem quando se 
náo espera : v. g. feito — . Liís. 8. ep. mal — . Cam. 
Egl I. 

INORME. V. Enome. 

INÓTO , adj. Desconhecido. Ord. Af. 3. 77. 
§. 5. V. Ignoto. 

INOVÁíi. V. Jnnovar. 

INQUIETAqlO, s. f. Falta de quietação, 
do corpo que se move. §. h Desassoce^o do 
animo , por doença , ou paixão. §, Inquietação 
do povo , amotinação no Estado , Republica. 

Inquietado , part. pass. de Inqu.etar. 

INQUIETADOR, s. m. O que inquieta. O 
vul^o dis neite sentido : desinqiiietndor. 

INQUIETAMENTE, adv- Com inquietação. 

INQUIETAR, V. at. Causar inquetação, por 
em movimento perturbado : v. g, os ventos m- 
q-.iietáo as ondas. §. fig. Inquietar o arlm. §. In- 
q'4ieiar alguém na po^se; pertender esbulhá-lo. 
§ Inquietar o Povo , o Estado : fazer motins , 
levantamentos i. ir hzei guerra : v. g. inquietar 
as na Ões v-S'iihas. §. Os remorsos inquietáo a 
co.isitencia. 

INQUIETO, adj. Posto em movimento; agi- 
tado : V. g. o mar — . §. O espirito — ; agita- 
do , ancio o. §. Buliçoso. §. Turbulento : v. g. 
6 piritos mats inquietos , qiíe o mar. §. Noite — ; 
pjssada em cuidados , ou dores , sem socego , 
desquicto. 

INQUILINO , s. m. O que mora em casa ar- 
fendada a respeito do senhorio. 

INQUINADO , part. pass. de Inquinar, o 
mosteiro — , pela devassidão de vida dos mon- 
ges, p. us. Crcn. Cht. 6. c. 50. 

INQUINAR. V. Manchar, sujar, polluir. 

INQUIRIÇÃO , s. f. O acto de inquirir. §. O 
contexto das perguntas do que inquire , e re- 
postas dos inquiridos. §. Especulação , indaga- 
ção : V.- g. inquirição da verdade. Armes. 

INQUIRÍDO , pari. pass. de Inquirir. 

INQUIRIDOR , s.m. Official da Justiça , que 
inquire testemunhas. §. Inquiridor de ten.ves a- 
Iheyas. Cron. jf. 5. P. 4. c. 41. o que averigua, 
e pesquisa, §. Inquiridor sagaz dos segredos da 
natureza; indagador. 

INQUIRIMENTO , s. m. Inquirição. Ord. Jf. 
2./. 419. 

INQUJRÍR , V. ar. Perguntar alguém sobre 
alguma coisa : v- g. inquirir testemunhas. §. /«- 
auirir alguma coisa : fazer perguntas para a sa- 
ber ; procurar achar , saber , indagar. Fieira. " A;- 
^«m'^o_ sobre os danos públicos. ^^ Paiva, Cns 
II. *'■ inquirirão de suas virtudes:*^ i. é, mior- 
mávão-se delias. 

l^^í^UlSlqííO j s. f. Tribunal , que conhece 



dos crimes em matéria de Fé , e de certos pec- 
■ cados , como Sodomia , &c. exercendo a juns- 
I dicção dos Bispos , e a que estes tinháo reser- 
, yado aos Summos Poncirices ; e juntamente a 
junsdicção civii em ter cárceres , e impòr pe- 
nas civis : conhece por delação própria , e vo- 
luntária , ou de accubadores ; consta na Capital 
de Mesa pequena , que se compõe de ^. In- 
quis dores; e de Conselho Ger.l, Scc. foi in- 
troduzido por ElRei D. João 111. em 15,1. na 
Cron. de D.J. ]. P. 2. c.Sz se diz que foi em Abril 
'5)v §• O acto de inquirir , intor.nar-se , bus- 
car, mui curioso na inquisição das terra:. B. 1. 
I. 2. 

INQUISIDOR , s. m. Ministro da Inquisição : 
Inqi/istdor Geral , o Presidente do Cons.iho Ge- 
rai da Inquisição. 

■iNREJviEDlÁVEL. V. Irremediável. Cron. Cist. 
f, 461. tn hartos inremediave s. 

INRETAR. V. Irritar , ammllar. antiq. Ll:i- 
cidar. 

INRISTÁR. V. Enristrar : Enrestar é o pró- 
prio. 

INSABIDÁDE, s. f. anr. Ignorância. Elucidar. 
Com insab.dade, e mingoa de siso, 

INSAJ^^DO , adj. Ignorante , mdiscreto. Pres- 
tes, Aut.j. 14. 

INSACÁR , por, Ensecar. Como , freq. V. En- 
secar. 

INSACÁVEL , por, inexhaurivel. Couto , j. 
6. 6. " toda a madeira tem saído destes ma- 
tos, que são insacaveis :^^ deve ser inseccavel. 

INSACIABILIDÁDE , s. f. O ser insaciável. 

INSACIÁDO , adj. "Não farto , não saciado. 

INSACIÁVEL , adj. Que se não farta : f. « a 
sede de ouro he — . M, Lus. desejo — ; tyranu 
insaciável. Couto, 8. 21. 

INSACIAVELMENTE, adv. Sem se fartar, ri- 
eira. se seguis tão — as riquezas. 

INSALUBRE, adj. Não saudável. 

INSaLU TÍFERO , ad|. Que não triz saúdtí. 

INSÀNAMENTE , adv. Doudamente , louca- 
mente. 

INSANÁVEL, ad). Incurável. §. f. Irremediá- 
vel : v.g. insanável ilkgiiimidade. Leis Joscjinas. 
i';suprivel : v. g. nutudade — . 

INSÂNIA, s. f. Loucura , demência , fatuida- 
de. Arraes, i. 5. e 2. 12. Lus. 8. 61. — desim' 
dida. 

INSANO , adj. Louco , demente. Lus. 4. 98. 
o insano pai dos humcn<. §. A insana confiani^a: 
amor — ; pacto — ; coi-Jissão — : o mar — . Lus. 
10. 91. 

INSATURÁVEL , adj. Insaciável. 

INSATURÁVELMENTE, adv. Insaciavelmen- 
te. Fieira, iendo os que o tomem — jamintos. 

INSClÈNCiA, s. í, Ignoiancta, imperícia. Aía- 
í-edo, 

Mí- 



Z.1Í í.é:>s 



INS 

lK:r;iÈNTE, adj. Não sciente , ignorante. 
Ji.ikiro , Kcl. 2 />. 91. 

lNt;CRIPC]AO , s. f Palavras gravadas nos 
pé 5 d.is estatuas, nas canijjas , Scc. para dar 
alguma noticia , ou tazer meaioiia de alguma 
coisa. 

INSCRÍPTO , parr. pass. adopt. do Latim. 
Gravado, exarado, aberto ao bunl , ou ou:ro 
insiiumento appropriado : V- g. letniio — . Ar- 
rac \ §. na Geometr. figura , ou solido , /«..cr/ tu 
tm oittta figura , ou solido ; i. é , dentro del- 
Ics 

INSCULPÍDO, part. pass. de Insculpir. Arra- 
is, 4. 10. instuipida em wedalha uma agulha. 

l.\'SCULPÍR , V. at. Gravar, exarar. Fie ra. 
Em nenhum lu-gar se pode insculpir com maii razão 
íííe úlitlo. 

I.NíSCULPTÒR , s. m. V. Abridor de estampas 
a buril. 

IinSCULPTÚRA , s. f. Arte de gravar. §. O- 
bra d sia arte. 

INSECÁVEL , adj. Inexhaurivel , que náo se 
pôde esgotar : v. g. po\^os — : matos insecaveis ; 
onde a madeira nunca acaba. V. Jiisacavel , e 
£n<ecar. 

INSEGTÍVORO , adj. Que se nutre de in- 
secto?. " Aves iiíseclivoras.^^ 

INSECTO , s. m. Animal , cujo corpo está di- 
vidido como emaneis: tács sáo os vermes, mos- 
cas , borboletas , formigas.' 

INSENSATEZ , s. f. O ser insensato , falto 
de senso comum ; insânia , demência , loucura. 

INSENSATO , adj. Insano, louco. Fieira. §. In- 
sensível : p. usado. 

INSENSllíiLIDADE , s. f. Falta de sentimento, 
ou sensação. §. Apathia. 

INSEiNi^íVEL , adj. Que se náo sente, em que 
CS sentidos náo adversem : v. g. movimento , 
crescimento. §. Falco de senrjmeito , ou sensa- 
ções. §. Que náo seate os males alheyos. 

INSENSÍ vELíiiENTE , adv. Imperceptível, in- 
advertidamente 

INSEPARAULIDÁDE, s. f O s;r inseparável. 

INSEPARÁV^EL , ad). Que se náo pó Je sepa- 
rar física , ou moralmente. §. Que anda sempre 
acompanhado de outrem. 

INSEPARÁVELiMENTE , adv. Sem se poder 
separar ; ou de modo que se náo pode sej>>irar ; 
V. g- achoH se u Ho — d coron. 

INSEPULTO , ad . Não sepjlrado. Hlít. NiUt 
I. /. 168 Oj osiO inscp ;ltos petos campos. 

INSiiRÍR , v. at. Eixenr. V. §. IntroJnzir ; , 
V. g' propriedades, q'ic a natureza insenu na pe- 
dra, de cevar. Alma Inítruida. inserindo castidade 
nos corações. Excdl. da Aye Mana , /. 4^. f. 

INSERFÁR, V. Enxertar : fig. 05 Persa» se 
ânsertarão n s T.irtaros. Aiua. Innr. 

INSERTÍA. V. Enxenia. Alma Instr, 



iNS 



^^S 



INSERTO , adj. Enxerido , mettldo : v. g. 
anda inserto hum documento no tomo terceiro: in- 
seito em hiim inArumeiHo ; i. é , no seu contexr 
to. M Lí(s. 

INSl CIDADE , s. f. antiq. Insipiência , igno- 
rância. 

INSÍDIA, s. f. Ciada. 5^rr. 4. Prol. « Traição, 
e Insidia?^ A insidias hum lugar accõmcdado» 
En.ida , 9. 57 Hvrai-me das insidias do inimigo, 
fios San tor. pag. CZXIII. Ordenar insidias. Ltí- 
siad. Vill. 64. liid. IX, ^9. das insidias do 
odioso Ba.cho forão na índia molestados. 

INSIDIADÒR , s. m. O que põe , ou arma 
ciladas. Fasconcellos , Arte , f. 82. §. fig. Insi- 
di.iílor da minha honra , e virginal pureza : o que 
tenta corrompè-la. 

INSIDIAR, V. at. Armar, por ciladas. §. f. 
Teniar corromper ; v. g. insidiar a honra de uma 
doiizella ; — • a mulher albeya ; insidiar a vida 
da mãi. Orden. Af. 4. 70. 4. quando esse Dona- 
tário .. , insidiou acerca do prigoo (perigo),' 
cu dãpno ( damno ) da pessoa do Doador. Jbid, 
§. 6. se esse filho insidiou acerca da vida de sua 
Madre. Hoje dizemos insidiar a vida , a hon- 
ra, <b-c. filip. 4. 65. 4. ^^ insidiou acerca 8cc.'' 

INSÍDIOS , s. m. pi. antiq. Sináes de posse 
usados pelos Officiáes , que a daváo judicialmen- 
te ; talvez corrupto de Insígnias , que significa o 
mesmo. Elucidar. 

INSIDIOSAMENTE, adv. Com traição ; de mo- 
do , com arte insidiosa , engano encoberto. Ord. 
Af. 2. f. 159. de propósito , e — çõmette algría 
grave offensa. 

INSIDIOSO , adj. Que tenta íazer damno oc- 
cultamente , e com engano , conoo o insidiador. 
Guerra Brás. *' insidioso prevertedor de seus na- 
turaes.^^" §. Que se dirige a insidiar : v. g. con- 
selhos insidiosos, 

INSÍGNE , adj. Notável, nobre, illustre , fa- 
moso, abalisado ; distincro entre outros; nv^n- 
te)ado em mal , ou bem : v. g. varão — ; mal- 
dade — ; malfeitor — ; Cidade — ; artista — . 

INSíGNEWÊNTE, adv. De modo insigne. 

INSÍGNIA , s. f. Sinal , que dá a conhecer 
a insigne difterença, que ha de uma coisa , ou 
pessoa , a outra. § Sinal distinctivo de posto , 
olíicio ; de honra, dignidade; de distÍTcçào , e 
nobreza; v. g. de famílias: divisa. § Medalha 
da Irmandade : v. g. a insignia de Santa Engra- 
it. 

INSÍGNIOS, V. Ifísidios. Elucidar. 

INSÍNHE. V. Insigne. Cron. J. 5. P. ?. r. 17. 
'* oKras insinhes" 

1-<ISÍNHÍA. y, Insignli. Barros , Dial f. ?c . 

INSlNUAC^ÃO , s. t-. Arnficio, com que o 
Orador destra e insensivelmente se r^sinúa nos 
ânimos dos ouvintes. §, Admoestação bfa'^da. 
§. Apontamento, aviso, conselho disfarçado, e 

in- 




i6G 



INS 



INS 



indirecto , p:ra se fazer , ou omittír algumi 
coisa. §. O registar algum acto em escritura pú- 
blica , ou nas actas dos Tabelliáes. §. Iiisintia- 
ção da doação (T. Ord. L, 4. 7'f. «^^Oí appro- 
vaçáo Regia. 

INSINUADO , part. pass. de Insinuar. §. Doa- 
ção — j approvada pela justiça , e no no^so 
Reino por el Rei. Ord. AJons. 4. T. 63. Fdip. 

IN3INUAD0R , s. m. O que insinua. 

INSINUAR , V. at. t, da Arte Orator. Instruir 
náo directamente, mas com destreza, inserindo 
no discurso o que se quer imin/tar nos ânimos. 
•' inSÍn?umdo , e msennao a castidade nos cor,í- 
çõcr.." Emii. da Ave Mana , /". 45. f- § Dar 
a entender , indicar , apontar com destreza , e 
indirectamente. §. Insinuar : introduz. r , ou dar 
alguma noticia , ou dar a entender náo dedara- 
damente. Barreto, Prat. vd miíita dijf',:rença em 
insinuar nesta matéria a tnagestade de qualquer 
sorte i oíí chegar claramente a nomeá-la. §. Metter 
como no seyo , í'^zer entrar no coração : v. g. 
*' insinuar o amor da virtude.^^ §. Insinuar-se: intro- 
duzir-se ; v. g- na graça , amizade de alguém. 
Vieira. §. Instillar-se : v. ^. insinuâr-se o humor 
pelos poros ; t. de Med. §. Insinuar ■■, r. forense ; 
registar nas actas públicas. §. Insinuar as doa- 
ções : Ord. 4. T. 61. fazè-las apptovar por elRei. 
Ord. Afons. 4. 68. 

INSIPIDEZ , s. f. A falta de qualquer sabor : 
^^ g, a — da agua pura. §. Semsaboria. a 
— do comer ; f. da conversaç^ão , é>^c. 

INSÍPIDO , adj. Sem sabor : v. g. fruto — . 
§. íig. Imprudente , parvo. " insípido o temor." 
Pastoral do Bispo do Porto. §. Prazer — ; gos- 
to — . 

INSIPIÊNCIA, s. f. Imprudência. 

INSIPIENTE , ad]. O néscio , que náo é pru- 
dente , nem bem regulado, o insipiente bfisca o 
que sabe bem , e he veneno saboroso. Arrdes , 10. 71. 

INSISTÊNCIA, s. f. O acto de insistir. B.P. 
e Ded. Qon. i. Div. 15- «• 924- 

INSISTIDO , part. pass. de Insistir, requerimen 
tos insistidos com toda, a vihemimia do scu génio. 

INSISTÍR , V. n. Ateimar ; continuar , prose- 
guir , persever.ir. Fieira. " a mesma maravilha 
obrigava o pintor a insistir." Çam Edign 7,. 
*' treme, teme o perigo , e náo fnj/iíe." §. Insistir 
vn alguma matéria ; dilatar-se talbndo nella. 
" Insistião e pertiaváo que tosse crutiíicado.^' 
fios Sanct. f. i8<. 

INSOCIABILIDÁDE, s. f. A qualidade de ser 

insociável. 

INSOCIÁVEL , adj. Inimigo de sociedade , 
convivência , conversação. 

INSOFRÍDO , adj. ativamente, O que não 
sotre; impaciente, f Cam. Dls. ^' ond.\s ins(.j ridas." 

INSOFRÍVEL , adj. IntoUcravel , insoporcavel : 



V. g. dor — ; senbcr — : Lobo , Corte. §. Amor 
tiisojrivil ; que náo pode sofrer-se de se mos- 
trar, e fazer desatinos de quem ama, Uis. 1.4. 
incapaz de se encobrir, se entender (Florença) que 
lh'o tendes insofrível , feito he , fdzei conta que 
vos h^ de por os pés nos focinhos. 

INSOFRÍVELMÈNTE, adv. De modo insofrí- 
vel, insoportavel : v. g. " doia-me insofi ivehmn- 
te.>' 

INSOLÊNCIA, s. f. Modo de obrar novo, 
e desusado , descostumado : no íig. desaforo , atre- 
vimento , arrogância, 

INSOLENTE, adj. Desusado, desacostumado, 
que raras vezes succeJe. Leão , Orig. f 146. 
■' os homens polidos náo devem usir de p. lavras 
insolentes." §. Extraordinário , em louvor. " hum 
peito soberbo, e insolente:" um valor superior, 
e desusado, ou extraordinário. C^m. Lus. 2. 52. 
fallando de Duarte l^âcheco. ^Lnttda , 8, 116. 
"oh de tormento género insolente ! ^' §. Arro- 
gante , soberbo , desaforado ; diz-se das coisas , 
e pessoas. 

INSÓLIDO , adv. Por inteiro , ou inteiramen- 
te, uma courela qne seja insoLdo de um d-^/s di- 
tos Senhorios. Ordcn. 2. 7,^. 27. " Concedo os 
meus poderes a todos juntos, e a cada um in~ 
solido : " a cada um por inteiro concedo o mes- 
mo que a todos juntos. 

INSÓLITO, ad|. Náo costumado, desusado: 
V. g. " modo insolito.^^ Successos Militares. 

INSOLULILIDÁDE , s, f, O ser insolúvel. 

INSOLÚVEL , adj. Que se não desata. §. f. 
Dificuldade — ; que se não pode resolver. 

INSOMNOLÈNCIA , s. f. Vigília , falta de so- 
no ; insomnjo. 

INSONDADO , adj. Que ainda se náo son- 
dou. §. f. A que se não tentou o fundo : v. g. 
" sciencia , e préstimo insundados." os abismos 
insondados da Infinita Sabedoria. 

INSONDÁVEL , Que se não pôde sondar ; a 
que se náo acha , ou não sabe o funJo. §. íig. 
Os insondáveis abismos da Sabedoria Divina. 

INSÒNTE , ad]. V. Iimocente. Sangíe — . 
Deitr. de Hesp. p. us. Sem crime, 

INSOPORTAVEL, adj. Insofrível, intollera» 
vel. 

INSPECÇÃO , s, f, O acro de olhar para al- 
gum ob|ecto, §. íig. Cu dado , vigia , e direcção 
de alguma coisa , ou sobre cUa , que se encar- 
rega >i alguém, 

INSPECCIONAR , V. ar. Vigiar , exercer in- 
specção sobre algum ramo de admin straçáo pú- 
blica. '* Inspeccionará as Casas de Permuta,'^ 
Lti de Mayo de 180^. (^ proverá^ se dizia no 
mesmo sentido. V. Prover) 

INSPECTÁDO , part. pass. de Inspectar. 

INSPECTÁR , V. at. Examinar, e declarar a 
qualidade dos assucares , e rolos de cabaço. — 

O 



\ .ar 



INS 

o mitcar , uma caixa , um rolo , &c. uma saca 

INSPECTOR , s. m. O encarregado da inspec- 
çá') de alguma Loisa : v. g. o inspector das fa- 
bricas y e maruifacturiis ; sobnestame. 

INSPERADAMÈNTiL, adv. V. Inesperadamen- 
te, Gum. Egl. I. 

INSPERÁDO , adj. Náo esperado , súbito , 
imprevisto. Sdccesio , cítio — : veyo — , sem ser 
eperado. Lusíada , Fariant. do Canto i. Est. xo. 
INSPJRAqÃO , s. f. O acto de inspirar. §. A 
noticia inspircida. §. na Mus. Pausa , que dura 
no tempo imperfeito a quarta parte de um com- 
passo. §. O receber o ar para o bofe , quando 
respiramos ; t. de Cirurg. 
INSPIRADO , pare. pass. de Inspirar. 
INSPIRADOR, s. m. O que inspira. Fios San- 
ttcr. f. 24?;, " o clementissimo inspirador." 

INSPIR.ÁR , V. at. Introduzir no animo al- 
gum sentimento , noticia , Scc. sobrenatural , ou 
naturalmente : v. g. inspirou Deus a "Jonas , que 
fosse pregar : inspirou-//;^ brevemente as suas opi- 
niões , o seu víilor : inspira amor : inspirava es- 
píritos Divinos. " Inspira immortal canto e voz 
Divina Neste peito mortal." Lusíada. Camões, 
favonio inspirava nas flores novo alento. Se em 
algum tempo Deus for servido de inspirar na 
tia^^ão Portugueza , que . . . queira intentar a 
conquista desta ilha, ebv. Mend. Pinto , c. 14^, 
§. Receber o ar externo para o bofe. §. Fazer 
entrar o ar. Eneida ^ 8. 107. e como ao folie in- 
spiráo . . . o espirito vehemente. 

INSPISSÁDO , part. pass. de Inspissar. V. o 
Verbo. 

INSPISSAR , V. at. t. de Farmac. Fazer espesso , 
condensar, " o azcvre é um sumo ínspissado " 
engrossado. 

INSTÁBIL , adj. V. Instável. « o mar insta- 
bil." L'ts. 10. 91. 

INSTABILIDADE, s. f. O ser instável; in- 
constância ; nenhuma firmeza : v. g. a instabili- 
dade do mar , da fortuna. Camões. 

INSTADO , p.nt. pass. de Instar. V. §. Aper- 
tado com instancia. M. Lus. os daquelle bando 
instados <í/í Rainha. 

INSTÂNCIA, s. f. Razão que se repete, e 
com que se insiste em pedir alguma coisa. '* á 
minha instancia ; ^' i, é , por meus peditórios. 
§. Eíticacia , vehemencia , com que se falia. 
§.^ Repetiçáp de ordens , mandados , recomenda- 
ções. B. 5, :}. 10. a instancia com que lhe el- 
Jld encomendava as cousas do Preste. §, Objec- 
ção , que se faz á reposta dada ao argumen- 
to posto. §. Primeira instancia ; o Juizo onde se 
começa a demanda , e se dá a primeira sen- 
tença : scgnmla instancia ; o Juizo superior para 
onde se appella , ou aggrava da sentença : ter- 
(iira instancia ; outro Juizo superior ao da se- 



INS 



i6y 




j gunda instancia , para o qual se appella , ou aggra- 
I va." na appellação se começa nova instancia." Vrd. 
yíjuns. 5. 2 5, 2. tanto que algua das partes , assi 
o Autor , como o Reo falece . . . logo cessa o 
Jtíf^o , e Instancia desse preito ; i. é , a discus- 
são , os termos d'eile. Ibid. §. ;. 

INSTANTANEAMENTE, adv. Em um mo^ 
mento, 

INSTANTÂNEO , adj. Momentâneo , que se 
raz , ou passa em um instante. 

INSTANTE , s, m. Momento de tempo : v. £: 

fez-se num instante." 

INSTANTE, part. at. de Instar. Estar emi- 
nente, para sobrevir logo. M. Conq. 12. 74. 
a instante woríí; o instante perigo. MaUsinho, f. 
?. y. S. Vehemente, affincado : v. g. rogos in- 
stantes. * ° 

INSTANTEMENTE, adv. Com instancia. Ba- 
lido das Ovelhas. Eneida, 12. 58. 

INSTANTÍSSIMAMÈNTE , adv. Com muita 
instancia : v. g. « pedir instantissimanmte.*' P. P. z. 
cap. 4, /. I,. jfr. j7ios sanct. pag. CL f .Fieira, 
Lart. 91. Tom. 2. peço instante , e instantissima- 
mente me ajude, é>'c. Cron. dst. 6. c. ^^. 

INSTAR , V. n. Estar próximo a succeder , a 
sobrevir: v. g. ^'instava capitulo geral." Sousa, 
li. Dom. §. v. at. Pedir com instancia ; v. g. 
o portador me insta." Chagas. " instar pela djs- 
pensaçao." M. Lm. 5. 207. Instar pela conclusão 
do negocio; fazer instancia. §. v. n. Por instan- 
cia argumentando. 

INSTAURAÇÃO, s f. Renovação, reforma, 
mnovaçao, reestabelecimento , reedificaçáo : v g. 
instauração de Filias, Cidades; de Universidade , 
que se rejorma. 
INSTAURADO , part. pass. de Instaurar. 
INSTAURADOR , s. m. O que instaurou. 
INSTAURAR , v. at. Renovar , reedificar , re- 
formar repirar , refazer: v. g. — as Leis, costu- 
mes , fabi-ícas. 

INSTÁVEL , adj. Mudável ; que náo perma- 
nece no mesmo estado , náo firme. Fieira. " na 
coisa mais inquieta, mudável, e instável: o in- 
stável Reino: afortuna instável. Jhl não te enga- 
ne algum contentamento , Que mais instável he qu^ 
o pensamento. Cam. Egl. i, 

INSTIGAÇÃO , s.' f. Secreta persuasão ; con- 
selho dado occultamente a alguém , para que fa- 
ça alguma coisa : sugge^jtáo, 

INSTIGADO , part. pass. de Instigar. 
INSTIGADOR , s. m. O que insti|a. 
INSTIGAR, V. at. Incitar, animar, induzir; 
aconselhar. Fieira, instigava-o^pmú />. §. "O de- 
mónio instiga;" i. é, suggére, e te-ta. 

INSTILLAÇÃO, s, í. Ò cair, e introduzir-se 
gota a gota, 

INSTILLÁDO , part. pass. de Instillar. 
INSTILLÁR , y, at. introduzir um liquido go- 
ta 



i 




IN»YV^ 



INS 



'^ 



ra a eota ' V. £• " iiistillar nos ouvidos o su 
nio desta herva.' §. Introduzir no animo al-U 
ma doutrina aos poucos. Lh de 6 de Nov 177^ 
r c Cam. Eclogay-emvos msim^ a fonte de Péga- 
so, o que nm canto pelo mundo estende. §.— mel ; — 
fel ■ deitar ás gotas. 

INSTÍNCTO , s. m. Conhecimento innato 
que os brutos tem do que é útil , ou no- 
ávo á sua conservação ; e para obrarem , 01 
deiLet^ de obrar , o que lhes é ut,l , ou no- 
dvo pra se propagarem , &c. Alguns F.losofos 
íèrS querido SetAonstrar , que no homem h., 
lítinao moral ; mas o homem nasce com d - 
posição para aprender tudo, e ignorante de tu 
5o e tudo deve á educação. §. Insp.raçao. H. 
n T 1 L 2 c 17. foi instincto do Ceo. por 
insTncto \arikular 'doEspirito Santo. Crort. Ciu. 6. 

^'instituição, s. f. Estabelecimento :_v.^. 
instituição do: feudos ■nornc.ç^o ^nsmu^i^oao 
herdeiro. §. Educação. Leao^Qon. Af J.f ^7^ 
S Instituições, pU livro didáctico, regras, pre 
íéltos. §. Fundação : v. g. inmm^ao de Jcad^- 

'"'SsT?íul^6fp2rpass. de Instituir C... 
Ode 10. no berilo instituído a nao poder deixar 
de ser ferido. — nas boas artes ; nos exercícios da 
guerra; nos preceitos da virtude; na dQUirina de 

Platão ; <i>^c, . . 

INSTITUIDOR, s. m. O que m:titue: v g. 
O instituidor de uma seita; de uma Cape da , 

INSTITUIR, V. at. Estabelecer, fundar: 
V. g. instituir morgado, capeJU , eb^c. Instituir 
mos, collegios , fabricas , ojjicmas %. Lobo m- 
itituir em sua casa pública mancebia de to d, s os 
vícios : a virtude para que os prumros forao in- 
stituídos, rieira. §. Nomear, declarar . v^^. 
instituir ao pai ou filho por seu herdeiro Orden 
L. 4. r. 8z; §. 1. §. Instruir, educar, v g. 
instituir na Lei de Deus. Camões. " hurn solda- 
do gentil imtitmrâo-'' Arraes , 1. 5- f P^«'^f 
ms instituio com Lás justas, o culto Mahomcu- 
CQ . . . . No qual me instituirão meus parentes. 

"^TnSTITÚTA, s. f. Livro elementar do direi- 
to Romano , mandado compor p^ra a es.ola de 
Direito por Justiniano Imperador, . . , . 

INSTITUTO , s. m. a.gimen parncul. r de 
alguma corporação, fundado na rrgra , ou re- 
gimento do' insntudor ; modo ^e-vida que se 
?e2uia • V. ?. mudar instituto de viver.' Arraes , 
6. io.'§. Intento, designio , sujeito, assumto. 

^ÍNSTRUCC;ÃO , s. f. Ensino, educação , do- 
cumento. Lobo. " instrnccdcs da poluica riMlitar. 
§. Apontamento , regimenro , que se da a al- 
|«çm, p.ra se reger por eile : v. g. .nsirucçocs 



INS 

( ,incias aos .V/íi/íf cí , que se enviâo ; aos Gover- 
nadores , procuradores , agentes , e pessoas , que nos 
vão fazer algum servido . Mm. P. 2. c ^^S- de- 
terminarão quebrar a instrucção , que lhe fora 
dada. Mon. Lus. §. ' InstrUc^ao do processo V. 

Documentos. 

INSTRUCTÍVO, adj. Que serve de instruir, 

^ue contém bom ensino : v- g- discurso , Imo 
instructivo, 

INSTRÚCTO , part. pass. irreg. de Innruir. 

Instmido, ensinado. Ined. i. ^?8. bem instru- 

tos e avisados Cahec. Eom. f A55- ^^'>'>'- '"' 

._. _- J^,,r..,,,-i Ap Arrin" C/imÕeS. < . C. 



structos na doutrina de Arrio." Camões , 5. _ 
' neste officio pouco imtrucios." H. Pmo. tas 
insrtuctos na Divina Filo.<fia. §. Provdo: u. g. 
■' mtructo de artes" A^^^olog. Lus. nunca com 
Marte instructo , e furioio. Luriada. §. o autor 
deve vir — a juizo ; i. e , apparelhado , saben- 
do o negocio , ou demanda , que vai prop^r 5 e 
tendo appareih.ido as provas deila. Ord. AJ. 5. 

/. 76. §.4. 

INSTRUCTÒR. V. Jmtruidor. 

INSTRUCTURA , s. f. Ordem, traça , ou 
edificação , de alguma obra de arquitectura. Bar- 
ros tf 91. louvãrão-lhe tcdos a mstructuta 
do palácio: e ^ 4. 2- "^ mstructura de seus tem- 
plos. §. Construcção mechanica. Severim , ±>'sc. 

var. , _ . TT„-,- 

INSTRUÍDO , part, p^ss. de Instruir. tiO]e 
dizemos " instrmdo nas Lettras divinas , e hu- 
Tianas i^^ e -;áo instrUcto. 

INSTRUIDÒR, s m. O que instrne , ensina. 

INSTRUÍR, V. at. Ensinar , dar ens.no :v. ^. 
instruir alguém nos preceitos da Rhe:onca , da H- 
losofía; em alguma Língua; na Arte de Remar; 
no que deve obrar. §. — alguém , tazet-lhe ad- 
vertência. . , 

INSTRUMENTAL , s. m. O instrumental : es 

instrumentos da musica de um coro. 

INSTRUMENTAL , adj Cau.a instrumental ; a 
que aiuda a obrar , e serve de insirurviento a 
causa principal. §. Parte iistrumcntnl da mu.-.ca ; a 
que é para se to.ar, §. Provas wUruwcntaes , ta- 
tás, ou dadas por imtnimento , per documet ter. 

INSTRUMENTO , s. m. Qn.dquer maquina , 
de que o artífice usa em suas ouras : v. g. os 
inst.umentos do Agricultor , do Ourives , do Sa- 
pateiro ; os instrumentos de que os mttsicos ivao 
som pura acompanharem as vozes , o>t tocan.<o-^ s 
de per i §. Tudo o que serve de tazer, ex.- 
cut r, conseguir alguma coisa. §. fig os delatores 
lorão instrumentos da crueldade dos tiranos. § Ac- 
ta , auto , escr.tura authentica , que serve de 
provar alguma cosa em Juízo; cartas, escritos 
de obriga^:âo, de qui...çào , &c. com uue Jie 
insrrue o processo , para comprovar o -^Ueg.ido. 

ÍNSUA , s. f. ílHcta formada por algum no. 

IKSUÁYE, adj. Não suave, de sensação .n. 



í ^ 



af ^ 



INS 

srata. TJ. Pinto,/. )',6. col. i. os doenUs de fe- 
ires , e fastio tem por insuaves ar coisas , que co' 
ntem. 

INSUAVIDÁDE, s. f. Qualidnde de ser insua- 
ve y de causar sensações desagradáveis : v. g- in- 
suavidadc do gosto , cheiro; da musica, <&'C. 

INSUBSISTÊNCIA, s. t. A qualidade de ser 
insubsistente, Prov. da Ded. Cronol. 

INSUBSISTENTE , adj. Que náo pôde sub- 
sistir : V. g. inscitui^ões — ; fábricas — j razoes 

INSUÉTO, adj. (V. Insólito.') Desacostumado, 
Landim, p. us. 

INSUFFICIÈNCIA , s. f. Falta de poder , for- 
ças , saber , valor , talentos para algum empre- 
go , dignidade. M. Lus. §. O náo ser bastante , 
quantidade náo sufficiente. 

INSUFFICIÈNTE , adj. Náo bastante ; náo suf- 
ficiente. §. Que náo tem os requisitos , partes , 
talentos necessários , para algum emprego , di- 
gnidade : V. g. procuração insufíiciente ; procura' 
aor , meyos insulftcienies ; posses — , faculdades , 
talentos insufíkientes ; chuvas — para regar as 
flamas , <b'c. 

INSUFFICIÈNTEMÈNTE , adv. Náo bastante- 
^inente, 

INSUFFLAQAO , s. f. O acto de insufflar no 
Baptismo, 

INSUFFLÁDO , part. pass. de Insufflar. 

INSUFFLAR , V. at. Soprar : v. g- insufflar so- 
bre a face do que se baptiza , quando se lhe 
diz , que receba o Espirito Santo. 

ÍNSULA , s. f. Ilha. p. us. Camões , Lus. 

INSULANO , adj. Ilnéo , isleno : usa-se sub- 
stant. os insulanos. Fasconc, Arte , f. 169. 

INSULAR , adj. Que diz respeito a Ilhas. 

INSÚLSO, adj. Sem sal, insípido, sem ^sa- 
bor ; sem graça , galantaria , nem discrição : 
V. g. comer — . §. fig. " historia insulsa." 

INSULTÀNTE, p. at. de Insultar. Que insul- 
ta : V. g. " palavras insultantes." 

INSULTAR , V. at. Accommetter violentamen- 
te ; atacar de repente com palavras , ou obras. 
*< insultar os homens honrados : " " insuUar-thes 
de quam baldado fora quanto tinháo feito con- 
aa Christo." Feo , Tr. S. Estev. 

INSULTO , s. m. Injuria verbal , ou por obra , 
feka de repente , e sem provocação de ordiná- 
rio. 

INSULTUOSO , adj. Disposto a fazer insul 
tos , ou que insulta. Freire. " receber Leis des- 
tes insultuosos." 

INSUPERÁVEL , adj. Invencível : v. g. nação 
— ; poder — . Fieira " AUiança , que o fez 
insuperável " §. f. Dijficuldades — . 

INSURDECÈNCIA , s. f. O íazer-se surdo , 
ou surdeza. Tradad. da Rainha Santa , /. 96. 

INSUSTENTÁVEL , adj. Que se náo pode 
Tom. II. 



INT 



169 




sustentar: v. g. provas , razões insustentáveis. 
Prov. da Ded. Cronolog. f. 285. 

INTACTO, adj. Náo tocado, illibado , illc- 
so \ V. g. a terra , as feras deixarão o cadáver 
intacto i ó rayo deixou intactas as parUs solidas 
do corpo , efcz seu efeito nos líquidos. §. " Ficou 
sua reputação intacta." Deposito — : <ò-c, 

INTARÈSSE. V. Interesse. 

INTEGÉRRimO , superlat. ( do Lat, integ^ ) 
Mui inteiro , no sentido moral. Reform. Christãa,f. i. 

ÍNTEGB-A , s. f. -^ integra , todo o contex- 
to pelas próprias palavras origináes do autografo , 
de alguma Lei , decreto , &c. 

INTEGRAqiíO, s. f. O scto de integrar. Be- 

zout traduz. . 

-INTEGRADO , part. pass. de Integrar, t. do 
Calculo : v. g. " Equações integradas." 

INTEGRAL , adj. V. Integrante. §. Calculo 
integral ; aquelle , pelo qual se acha uma quan- 
tidade finita , da qual se conhece a parte infi- 
nitamente pequena. Bezout traduz. 

INTEGRANTE, adj. Parte integrante ; que en- 
tra na composição do rodo , e o completa por 
inteiro. §. fig. As partes integrantes do Príncipe 

perfeito. ,. , . , 

INTEGRAR , V. at. t. do Calculo. Achar a in- 
tegral de uma quantidade diíFerencial. BezoUt 

traduz. 1 1 r\ 

INTEGRÁVEL , adj. t. do Calculo. Que se 
pode integrar, "quantidades integráveis.'''' 

INTEGRIDADE , s. f. A inteireza física do 
corpo, ou rodo, a que não falta parte alguma. 
Farella. §. f. Inteireza do juiz recto. " Simulan- 
do justiça , e integridade.^' Lus. 9. 28. §. — «<* 
consciência pura ; sem culpa. Alma Instruída. 
§. Complemento de coisa , a que nao falta par- 
te , ou requisito : v. g. para integridade do Sa- 
cramento. . 

INTEIRADO , part. pass. de Inteirar. £.itar 
inteirado das coisas; sciente. §. Pago , coberto 
do que se devia , ou faltava. §. o herdeiro m- 
teirado da sua sorte ^ ou quinhão na partilha-, 
a quem se deu por inteiro a sua parte da he- 
rança. . , 

INTEIRAMENTE, adv. Por inteiro, de to- 
do : V. g pago , imtrtiido — ■■, dabaratado .• 
Vieira. §. Perfetamente : v. g- repjirar , advertir 
— . Fieira. §. Sem faltar a co^sa alguma. §. Com 
inteireza moral : v. g. " magistrado que serviu 
inteiramente.''^ . , 

INTEIRAR , V. at. Fazer inteiro , ajuntando 
o que falta para a integridade : v- g- inteirar 
uma somma : soldando, unindo, emendando, 
quebras físicas, ou moraes Arraes ^ 2. 19. fa|fa 
do peccador reformado. §. Dar perfeita noticia. 
§. Inteirar- se : tirar perfeira informação, instruir- 
se bem de alguma coisa. §. Inteirar alguém , 
pagàndo-lhe o resto. ^_ 



INTEIREZA, s. f. V. Integridade. §. no f. 
Do que cumpre períeiramente com os seus de- 
veres. ^. do Arceb. i. 6. G^iv. Sim. i. f. 84. 
contra a inteireza do seu cfficio ; faltando aos 
deveres delle. §. Severidade , rigor na justiça. 
Lucena , /. 528. da inteireza com os grandes. 
§. Probidade. £ufr. i. i. §. O náo ser enceta- 
do , diminuído , mutilado ; o náo padecer detri- 
mento: V. g' a inteireza da castidade virginal. 
Cathec. Rom. f. 60. 

• - INTEIRIÇADO, part. pass. de Inteiriçar-se. 
r ' INTEIRIÇAR , V. at. Fazer inteiriço , como 
se náo tivera juncturas , ou articulações , as 
quaes se náo dobráo : v. g. o frio demasiado in- 
teiriça os corpos. §. Imeincar-se com frio : ficar 
irto , sem movimento. 

INTEIRíqo , adj. Que náo é feito de di- 
versas peças. Sousa , H. Dom. " as canoas in- 
teiriças ; " de um só páo cavado. §. Que sendo 
feito de diversas peças , náo se dobra pelas 
juncturas, ou articulações. 

INTEIRISSIMAMÈNTE , adv. superlat. de In- 
teiramente. " se guardasse inteirissimammte?'* Croru 

J. 5. P. 2. C. 17,. 

INTEIRÍSSIMO , superl. de Inteiro, a intei- 
lissima Virgem. Cathec. Rom. f. 57. 

INTEIRO , adj. A que náo falta parte algu- 
ma fisica integrante. Corpo do seu Rei primeiro. 
Que inda vimos com espanto .... inteiro Pos 
annos , que podem tanto ; i. é , preservado da 
corrupção. Sá Mir. Cana 5. eji. 9. §. Náo ra- 
chado : V. g. vaso — . §. Numero , somma in- 
teira ; a que náo falta nada : it. sem fracção , 
náo fraccionario. §. Dia , ou anno inteiro ; sem 
falta de um momento por passar. §. Perfeito , 
completo : v. g. inteira noticia. §. Que obra com 
inteireza , integridade : v. g. juiz — . §. Inno- 
cente : v. g. animo — , varão — ; incorrupto. 
S.^ Pagar por inteiro ; sem ficar resto. §. Que 
náo recebeo damno , diminuição : v. g. ficou o 
templo inteiro a pezar do terremoto : pelejar com 
forcas inteiras i i. é , sem haver perdido gente , 
armas, ou bagages, ou sem se haver cansado 
noutra peleja , ou marcha. Lucena , f. 5^1. col. 
t. " por levarem sobre os nossos as forças , e 
numero de velas, e gente, quanto mais podes- 
se ser inteiras." §. Inteiro na 'fama: de reputa- 
ção illesa. H. Pinto. %. Brio — ■■, sem abatimen- 
to. Galhegos. §. Intrépido : v, g. rosto — ; sem 
mudança que indique' medo , perturbação. §. Co- 
xim — de alguns caparazóes ; é o que volta 
por detrás do arção irazeiro , com seu acolxoa- 
do de golilha. §. Não usado , que náo sérvio 
Ferreira, Egloga 7. / 18^. Nunca o cheguei ói 
beijos ( o tarro ) , mas comprado .... Inteiro c 
tive sempre , e bem guardado. §. Inteiro , t. de 
Arimet. quantidade que náo c fracção, opposto 
a quebrados , ou fracções. 



INTELLÉCqÃO, s. f. O acto de entender. 
feteira , 9. 224. 

INTELLECTiVEL , adj. V. Intelkctivo. 

INTELLECTÍVO , adj. Dotado de intelligen- 
cia. §. Intellectual. 

INTELLECTUÁL , adj. Do entendimento , con- 
cernente a elle : v. g. " operações inteltectuáes.^* 

L\TELLEGTUÁLiMÈNTE , adv. Com a facul- 
dade intellectual ; mentalmente : v. g. olhando — 
para aq/teila parte. 

INTELLIGÈNCIA , s. f. Essência espiritual: 
V- g. " os Anjos são puras intelligenãas." §. Fa- 
culdade de entender. §. Conhecimento , juizo , 
discernimento : v. g. " sujeito dotado de miáita 
intelligencia." §. Correspondência secreta de uma 
pessoa com outra para algum intento : v. g. o 
inimigo tinha suas intelligencias com alguns dos 
nossos : ter intelligencia com o meu colliiigante , 
ou adversário para me enganar. Barros ; Resende ; 
Góes ; e Eufr. 5. 9. 

INTELLIGÈNTE , adj. Dotado de intelligen- 
cia , faculdade de perceber , e conhecer as coi- 
sas , suas relações , conveniências , &c. §. Peri- 
to , sciente. 

INTELLIGÍVEL , adj. Que se entende ; cla- 
ro, perceptível : v. g. "noções, termos, expres- 
sões intdligivds." 

INTELLIGÍVELMÈNTE , adv. De modo in^ 
telligivel : v. g. definir as coisas — ; fallar , es- 
crever — . 

INTEMÈNTE, part. prés. se fez nas obras in- 
temente a Deus. F. Mend. c. ij. 

INTEMPERÁDO , adj. t. de Med. Que tem dis- 
posição para doença , ou principio delia : v. g. 
intemperado do figado. §. f. O que se não sabe 
moderar , no comer , beber , &c. Conspirarão 
Univ. f. 500. 

INTEI^lPERAMÈNTO , s. m. Temperamento 
vicioso, t. de Med. Intempérie. 

INTEMPERANÇA , s. f. Demasia , v. g. no 
comer , beber. Fieira. '• intemperanças da gula.'** 
§. Intemperamento. §. " Intimperança da Lingua 
solta." 

INTEMPERÁR , v. at. Destemperar , desorde- 
nar. £dit. da Mesa Censória ^ 10. de "Junho 
de 1768. 

INTEMPÉRIE , s. f. Máo concerto , ou des- 
temperança dos humores; t. de Med. §. Des- 
temperança da atmosfera. 

INTEMPESTIVAMENTE , adv. Fora de tem- 
po. 

INTEMPESTIVIDADE , s. f. O ser fora de 
tempo próprio. A intempestividade deste obsequio 
m'o fez importuno, e suspeitoso. 

INTEMPESTÍVO , adj. Fora de tempo: v. g. 
fruto — i lagrimas — ; conselho — ; morte — . 
§. Anticipado , ou posterior , fora do rempo , 
estação, çccasiáQ opportuna. A noite — ; por, 

moi- 



INT 

morte amicipada. Cmu Écloga t, 

INTENCjSO, s. i. Tenção, fim, desenho, 
desígnio , intento. 

INTENCIONADO, adj. Com tenção boa , ou 
má : V. g. " juiz bem , ou mal intcticionado i ^' 
que intenta , c deseja obrar bem , ou mal. 

INTENCIONAL , adj. Qtie existe só no in- 
tento , ou tenção : v. g. maldade — . 

INTENCIONÁVEL , adj. t. escolast. Que exis- 
te no entendimento. 

INTENDÊNCIA , s. f. Officio de Intendente. 

INTENDENTE. V. Enundente. 

INTENDER , V. at. Fazer mais Intenso. §. In- 
tcnder-se : fazer-se mais intenso ; v. g» o calor , 
o frio, it febre. §. f. IiUcnder-se o amor; intender 
o amor. Fieira, intendem-se os luzimentos , o« 
rcsplaudores das pedras. Barreto. 

INTENSAMENTE , adv. De modo intenso. 

INTENSAO , s. i. V. iMoi^ão §. t. Fisico. O 
gráo de força , a energia de alguma qualidade : 
V. g- a intensâo do frio , do calor. 

INTENSÍSSIMO , supctl. de Intenso. Fogo , 
calor , desejo — . 

INTENSO, adj. Forte, esforçado: v. g. o ca- 
lor intenso do estio; o frio — do corarão do in- 
verno ; dores — . §. i. Iiitefisos dezejos ; amor — . 

INTENTAR , V. at. Cuidar , meditar , proje- 
ctar, pertender : v. ç. intenta coisas grandes; 
seu pai intenta desheràá-lo ; para intentar desfa- 
zer o casvmnto, M. Lrts. T. 7. J. 305. 

INTENTO , s. m. Aquiilo em que se cuida , 
medita ; o -que se traz no pensamento , a fim 
de se executar ; projecto. §. O que se deseja, mas 
o intento mostrava sempre ter nos singulares fei- 
tos &-C. i. é , desejo de ouvir, Lus. 7. 76. §. Pòr 
o intento em alguma coisa ; i. é , a mira. Lobo , 
Primav. P. t,. f. 132. 

INTENTO , adj. Applicado , attento. " inten- 
tos cm hum mesmo pensamento : " postos , fi- 
xos. B. 4.. 6. ^. emento ia polo ferir. Ined. ^. 
5 ^6. gente — somente no dispojo Ined. i . 101. Góes , 
Cron. Man. f. 56. 4. honuns pacíficos mais inten- 
tos a seu proveito , qtie , <à'c. Arraes , 3. 15. os 
'judeus intentos nos sinaes. 

INTERCADÈNCIA , s. f. Interrupção, abati- 
mento do pulso , que era forte , e depois da 
intercadencia o torna a ser. § Desfalecimento. 
Vírinto i 10. 128 §. Intercadencia no discurso: 
pratica que se cntremette , e corça o fio. Agiol. 
Luút. 

INTERCADÈNTE , adj. t. de Med, ^ulso — ; que 
tem intercadencias. §. Dias intercadèntes ; os que 
se dão entre os diaj críticos , e indicativos. §. f. 
l^áo seguido , não continuado : v. g- serão in- 
tercadèntes os aproveitamentos. Carta Pastoral do 

Porto. 

INTER CAL AqXo , s. f. O acto de introdu- 
zir um dia em um mez , como acontece nos 



INT 



171 




annos bissextos aos 24. de Fevereiro, o qual 
vem a ter 29. dias nesses annos. 
INTERCALADO, part. pass. de Intercalar : v. ^., 

dias — . 

INTERCALAR , adj. Dia — ; que de 4. em 
4. annos se insere , para formar o anno bissex- 
to. §. Ferso intercalar , é um que serve como 
de estribilho , e que muitas vezes se repete em 
qualquer poema : v. g. Versos a Daphnis , doces 
versos demos. Ferreira , Egtoga 7. Calhegos , i; 
19. " alegre soe o verso intercalar.^^ §. Espaços 
intercalares : o tempo entremeyo entre as Festas 
dos Mysterios da nossa Religião. Fieira. V. Emi 
bolismal. 

INTERCALAR , v. at. Inserir alguns dias , ou 
espaço de tempo em outro espaço , ou perío- 
do : V. g. para ajustar os annos lunares cora 
os solares , Hcc. Avellar , Chronographia. 

INTERCEDER , v. at. Pedir , rogar a alguém 
por outrem. 

INTERCÉpqlO, s. f. t. de Med. O enchimen- 
to dos vasos extraordinário , que impede a pas- 
sagem aos espirites , e afogando o calor natu-, 
ral causa uma mortal obstrucçáo. 

INTERCEPTADO, part. pass. de Interceptar. 
Tomado antes de chegar ao seu destino , a quem 
vai dirigido : v. g. mercadorias — 5 cartas — ; 
correspondência por escrito — . t. mod. usual, (do 
Lat. inter e capere) 

INTERCEPTAR , v. at. Interceptar cartas ; 
tomar as que se remettião a alguém : mod. usual, 

INTERCEPTO, adj. Tomado em meyo : v. g. 
angulo intercepto entre os lados. Methodo Lusít, 

INTERCESSÃO , s. f. Rogos , com que se 
pede o perdão do castigo, que outrem mere- 
ceu. §. Rogo , com que se pede algum favor , 
mercê , graça. 

INTERCESSOR , s. m. — òra , f. Pessoa que 
intercede, sede meu intercessor para com Deus , 
ou diante de Deus. Intercessor , fem. Ulisipo , 2; 
8. " ser medianeira , e intercessor.^^ 

INTERCOLUMNÁR , adj. Do intercolumnio ; 

posto nelle. 

INTERCOLUMNIO , s. m. V. Entrecolumnio^ 
O vão, ou espaço de uma columna a outra: 
t. d'Archit. 

INTER COSTÁL, adj. t. de Anat. Que fica; 
ou está entre as costelas. 

INTERDJÇXO , ou INTERDIQÒM , s. f. In- 
tetdicto Ecclesiastico. Ord. Af. 2 /. 6. " sentença 
de interdigam. ^'^ 

INTERDÍCTO, ou INTERDÍTO , s, m. Cen- 
sura Ecdesiastica , que prohibe o uso dos Sa- 
cramentos , os OfRcios Divinos, a sepultura Ec- 
desiastica : o interdicto é geral para todos o? lu- 
gares i ou local, para um só lugu ; om pessoal , 
sendo contra uma , ou mais pessoas ; ha inter- 
diçtos mixtos , ou deambulnonos , que sáo junta- 

Y li men- 



i 




17* INT 

mente locáes , e pessoáes. §. No foro civil , o . 
mandado , ou decreto do Magistrado : v. g. in- 
terdicto prohibitnrio , denioihorio , restitutorio , re- 
mperatorio, Orden. i. 68. §. 25. e L. 5. 7. 78. 

§• ?• 

INTERDÍCTO , ou INTERDITO , adj. Pes- 
soa , ou lugar, a que se pôz interdicto. Cron. de 
Cister , L. ^. c. 4. deixando interditas as Igrejas 
deste Reino. 

INTERDIZER , V. at. p. us. Prohibir. lhes in- 
terdizemos os oííicios da pregação. Constít. do 
Porto, 128. 

INTERÈS. V. Interesse. Ceita , e Feyo : desus. 

INTERESSADO , part. pass. de Interessar. §, In- 
teressado em alguma negociação : o que tem par- 
te nella , de cabedáes , ou industria, e ha de 
entrar ás perdas , e ganhos. §. 0_ que ganhou , 
lucrou, os Santos Innocentes ficarão interessados 
neste martírio. Feo , Trat. 2. /. 55. col. i . contra- 
tos , e grangearias em que tem interessado muito ; 
lucrado. V. do Jrceb. li 6, os — ; que gozarão 
do beneficio do milagre. 

INTERESSÁL , adj. Interesseiro , que náo faz 
nada gratuita , ou liberalmente. Trancoso , 2. 
P. c. 5. /. 171. homem interessai; coisa interes' 
sal. 

INTERESSANTE , part. prés. de Interessar. 
Wiíitos dizem mal parte interessante , por inte- 
ressada. §. Coisa , noticia — ; que interessa , im- 
portante , que excita a attençáo , curiosidade, 
usual adoptado. 

INTERESSAR , v. n. Tirar interesse , lucrar : 
V. g. todos interessáo em obrar bem ; nisto inte- 
lessáes honra , e credito : tudo em que pede inte- 
ressar gosto. Feyo , Trnt. S. Gonçalo , j. 257. -f. 
nelle interessaváo o alivio das suas paixões ; ga- 
nha váO) lucravâo. Id. f. 177. col. 2. §. at. Dar 
a alguém parte em qualquer negocio : v. g. 
" interessou-o no contrato do sabão." fig. " intetés- 
se a Deus sempre em seus desejos, nunca terá 
a tenção errada." 

INTERESSE , s. m. Proveito , utilidade , lu- 
cro : V. g. disso não tiro , nem recebo interesse al- 
gum : cada um trata dos seus interesses : servir 
sem interesse i i. é , náo pelo lucro , ou por pa- 
ga 3 ou recompensa. §. A somma , em que se 
monta o lucro , que cessa : v. g. " não se pa- 
gando a seu tempo a divida ; os frutos deti- 
dos ; do dinheiro detido pelo vendedor , que 
vendeu a coisa a dois , dcvem-se prestar os inte- 
resses.^^ 

INTERESSEIRO , adj. Que attende só aos in- 
teresses : V. g. homem — ■■, amor — . 

INTERFEMÍNEO , s. m. t. de Anat. O espaço 
entre as coxas onde ellas se unem. 

INTER GIVERSÁVEL , adj. Ç^ue se náo pôde 
xergiversar. Ferdades — ; prinçipws — ; preceitos 
r— « c mod, usual* 



INT 

INTER GI VERSA VELMÈNTE , adv. De modo 
intergiversavel : v. g, verdades , princípios tão in-, 
tergiversavelmente certos , e evidentes , «b-f. 

INTERiqÁDO. V. Inteirií^aáo. 

ÍNTERIM , s. m. ( do Lat. ínterim ) Nenhum 
Capitão reformado serve ínterim de companhia ; 
I. é , o espaço em que a companhia esta sem 
Capitão. Orden. Miiit.V, Albuquerque, Comm. P. 
I. c. 44. e Eneida, 11. 31. " em este Ínterim i" 
i, é , no em tanto. 

INTERINO , adj. Capitão — ; juiz — ; que 
serve na vagante , e impedimento de outrem , 
e que ha de deixar o posto náo seu , sendo 
provido em outro , ou desempedido aquelle por 
quem serve. Governo — ; quando náo ha Go- 
vernador efFectivo. 

INTERIOR , adj. comparar, de Interno. Mais 
interno. Usa-se subst. no interior da casa ; op- 
pondo-o ao exterior, o interior das matas , da 
terra , opposto á borda. 5. O homem interior : a 
alma , as suas potencias sem communicaçáo com 
os sentidos exteriores , ou antes a alma : v. g. 
" reformar o homem interior ; ou a vida inte- 
rior ;" i. é , os desejos , e obras , que pendem 
da alma. F. do Arceb. i. 5. §. Fogo interior ; 
occulto nos poros , ou tecido do corpo. §. Os 
interiores dos animdes : o debulho , deventre. Ek- 
giada , /. 178. Est. 2. §. fig. Os pensamentos , 
inclinações , intentos occultos. " quem lhe co- 
nhecera os interiores 1" 

INTERIORMENTE , adv. Remédio , que se to- 
ma — -y i. é , pela boca , ou por baixo. §. In- 
teriormente : entre si , na alma : v. g. estava-me 
ajfligíndo interiormente , stm dar mostras disso. 

INTERJEIÇÃO , s. f. Parte da oração , com 
que declaramos os aíFectos do animo -, são pa- 
lavras , que equivalem a orações inteiras ( V. a 
Grammatica ) ; v. g. ai , que vai tenho dor ; guai 
compadeço-me : em razão das palavras , cuja no- 
ção se envolve nas interjeições , regem estas , 
ou pedem outras palavras , que determinem o 
sentido das implexas : v. g. ai de ti , como , 
doo-me por causa de ti. bui por mim , e pala mi- 
nha vida (^Ferreira, Bristo , 2. se. 8. ). Hat 
tanta diligencia tão perdida ! Hai , i. é , eu las- 
timo tanta diligencia, &c. ou magoo-me , e a cau- 
sa é tanta diligencia ó-c. 

INTERLINEÁL , adj. Fersão — ; que vai es- 
crita no vão das regras do Texto. Fieira. Glos- 
sa — ; <&c. Leitão, Dial. 20. pag. 618. 

INTERLOCUÇÃO , $. f. Prática alternada en- 
tre muitos, dialogo. §. Prática, que interrom- 
pe o fio de outra. 

INTERLOCUTOR , s. m. — òra , f. Pessoa que 
pratica a revezes com outras. §. Actor nos 
Dramas. Ulisipo , Com. Prol. " dar lugar aos in- 
terlocutores.^^ S. O que falia pelos companheiros 
em nome de todos. V- Corifeu. 

IN- 



INT 

INTERLOCUTÓRIO , adj. Sentença interlocu- 
torta ; que náo decide a demanda priíicipal , mas 
alguma questão , ou ponto incidente. Lucena. 
V. Definitiva. A's vezes tem força de detiniti- 
va. Ordcnaç. ^. 

INTERLUiMO , s. m. O tempo , em que se 
náo vc na Lua claridade alguma , que é quan- 
do está junta com o Sol , e debaixo dcUe a 
nosso respeito. 

INTERMEÁDO , adj. Acompanhado de per- 
meyo , ou em cujo meyo se enttemetce outra 
coisa : V. g. doces lagrimas intermeyadas de ca- 
rinhos. 

INTERMÉDIO , adj. De permeyo : v. g. ca- 
pella intermédia ao coro, e d /greja, §. Os nti- 
mcvos intermédios da proporção ; os que estão en- 
tre os extremos. §. Castello , ou Cidadella inter- 
média ; a que náo é Real , nem Dodrantal ; 
nem dimiato , nem quadrantal : mas entre uma 
coisa e outra. §. Cores mtennedias ; sáo as de- 
clinações das cores principáes. V. Entremeyo. 

INTERMINÁVEL, adj. Sem termo, nem li- 
mite : V. g. intermináveis séculos ■■, disputas , ques- 
tões — . 

INTERMISS^ÂO , s. f. Descontinuaçáo : v. g. 
orar sem — ; i. é , continuamente. Fidra. Inter- 
rupção. 

INTERMITTÈNCIA , s. f. Parada , descont«iua- 
çáo ■■, intervallo livre: v. g. incermittencia da fe- 
bre , dor , i^c. t. de Med. 

INTERMITTÈNTE , adj. Que tem paradas , 
e não continua sempre : v. g. febre — ; dor 
— ; respiração — . §. fig. Vieira, a oração intermit- 
tente be como a respiração intermittente ; \. c , 
descontinuada. 

INTERMITTÍR , v. n. Cessar , descontinuar 
por algum tempo : v. g. " dòr que intermitte.^^ 
Madeira. 

INTERNxÍDO , part. pass. de Internar-se. Prov. 
da Ded. Cronol. foi. 166. 

INTERNÁR-SE , V. reflexo. Metter-se no ser- 
tão , no interno , ou interior, §. f. Internar-se no 
estudo de alguma sciencia : estudar profundamen- 
te. §. -;- se no amor , <ò'c. 

INTERNO , adj. De dentro , intrínseco , inte- 
rior : V. g. pavor — . Ultssea. doença interna do 
corpo. §. Interno mar. V. Aíar. 

INTERNÚNCIO , s. m. Agente da Guria Ro- 
mana nas Cortes , onde ella náo traz Núncio, 
§. Pessoa que traz aviso , noticia. P. P. 2. f. 
<íO. f. 

INTERPELLÁDO,adj. Descontinuado, interrom- 
pido. Palmetr. 4. p. 12. §. Devedor — ; a quem 
se pedio a divida j ou para quem se venceu o 
dia do pagamento ; e este c interpellado pelo dia 
do vencimento , por direito. 

INTERPELLÁR , V. ar. r. jurid. Citar , deman- 
dar , requerer o devedor. — o possuidor da coisa 
para não a prcsacvsr. 



INT 



173 



INTERPOLAR ;ÍO , s. f. Intermissáo , descon- 
tinuaçáo , interrupção , parada : v. g. interpola- 
ção dos negócios , das guerras , da correspondência. 
Castan. ^. /'. 65. houve interpolação no concerto. 
M. Lus. " as guerras se continuarão ainda que 
com suas interpolações.^^ " successivamente , e sem 
interpolação.^^ Cunla , Bispos de Lisboa. 

INTERPOLÁDAMÈNTE , adv. Com interpola- 
ção : V. g. " interpoladameme trabalhava, um dia 
sim , e outro não.'^ 

INTERPOLADO , adj. Náo seguido , náo con- 
tinuado : V. g, trabalho interpolado com diverti- 
mentos : " em dias interpolados ;'>> i. é , cessando , 
e descansando em uns , e trabalhando em ou- 
tros : telhados — j náo contínuos : laços interpola- 
dos ; entre os quaes se deixa vão sem laços. Ar-, 
te da Caça. 

INTERPOLAR, V. at. Descontinuar alguma 
acçáo , fazendo outra , para depois continuar a 
primeira : v. g. interpolar as guerras com jogo 
de canas , e sortilhas ; interpolar o trabalho com 
ócio honesto. §. Interpolar dias de ócio entre os da 
negocio, §. Interpolar os banquetes com musica , 
e narração de poemas. V. Intermeyado. §. Inter- 
polar as lagrimas ; suspendè-las. Paiva , Serm. 
Tom. i.f.^i^.f. 

INTERPOR , V. at. Pòr entre , cm meyo de 
dois. §, i. " Interpòr-se elRei de Aragão para con- 
cordar elRei de Portugal com o Infante seu fi- 
lho. ^^ §. Usar entre : v. g. interpor a sua autori- 
dade entre varias pessoas , para as acordar , <ò^c. 
§. Dar : v. g. interpor o seu juizo entre desavin- 
dos ; em disputa , ou litigio. §. Entremetter ; 
V. g. interpor o fwme de alguma pess&a autoriza- 
da , em algum negocio , para o concluir , por 
empenho, <ò-c. §. Interpor petição; para metter 
tempo. W.Entrepor. §. Interpor aggravo , recurso: 
aggravar-se , recorrer do Juiz a superior Alçada , 
ou á Coroa. 

INTERPOSIÇÃO , s. f. Postura de permeyo , 
ou entre duas coisas : v. g. — do rio entre duas 
ribanceiras ; da Lua entre o Sol , e a terra. §. O 
sobrevir de permeyo , de sorte que interrompa : 
V. g. a interposição da noite , que interrompe o 
dia , o qual sem ella seria continuo. Vieira» 
§. Desatar o no' da fabula Dramática sem imer- 
posiçáo de Divindade ; i. é , sem que entreve- 
nha com seu poder alguma Divindade. 

INTERPOSTO , part. pass. de Interpor. §. Ne- 
gociar , ou fazer alguma coisa por interposta pes- 
soa i i. é , por outrem de nosso mandado , ou or- 
dem. Fieira. §, Recuno , nggravo — r posto , ti- 
rado de juiz. 

INTERPRENDÈR , v. at. Accommetter , V. g. 
a praça d'iniproviso , de scbresaJto ; sobresaltar, 
surprender , e ganhá-la cem pouca resistência. 
Fieira, C^rta 81. Tom. i. §. Emprender: v. g. 
virtude que interprendeu tão santa obra. 

IN- 




-^r 



174 



INT 






INTERPRÈSA, s. f. Ataque improviso, com 
que se toma com pouca resistência alguma pra- 
ça ; snrpreza : v. g. tomar por interpresa ; suc- 
cedeít a interpresa de Amiens. Duarte Ribeiro. 
Port. Rest. e Fieira, Cartas. §. Em^ttzs.. Varelia. 

V. Sobresãlto. _ , , ^ 

INTERPRETAqJiO , s. f. Traducçao. §. Ex- 
plicação , exposição , de Texto , Lei obscura , 
de vontade não bem declarada. 

INTERPRETADO , part. pass. de Interpretar. 
'Sentido , lei , vontade , palavras , oráculo , texto , 
autor i acção — . Barr. 2. 5. 2. 
INTERPRETADOR , s. m. Interprete, o mali- 

tioso — . Ined. 2. 607. . 

INTERPRETAR , v. ar. Traduzir , verter o 
que taUáo duaspessoas em Linguas diversas , pa- 
ra se darem a intender ; o que faz quem falia 
ambas. §. Expor, declarar a mente, o sentido : 
V. g. interpretar Leis , textos , ditos , palavras. 
§. Declarar , ajuizar do intento , fim , significa- 
do de alguma acção : v. g. interpretar mal as 

acções indifferentes. 

INTERPRETATÍVAMENTE , adv. Por mter- 
pretaçáo , declarando o sentido das palavras. 

INTERPRETATÍVO , adj. Que serve de in- 
terpretar outra coisa : v. g. discurso , raciocínio 
— . §. De que se tira a interpretação de outra 
coisa : V. g. he occasião interpretativa da sua ruí- 
na. Prompt. Moral, 

INTÉRPRETE , s. c. Pessoa , que serve de 
lingua a outros que se não entendem. §. Tra- 
dutor. §. Expositor de Textos , Leis, &c. §. Ex- 
plicador , ou soltador : v. g. interprete de sonhos , 
agoiros , é>'C. 

INT^RPRÈZA. V. Interpresa. 

INTERREGNO, s. m. O espaço de tempo 
em que náo ha Rei no Reino , até a eleição de 
outro. Leão , Descr c. ult. 

INTERROGARÃO, s. i. Pergunta, que se 
faz : os Oradores fazem estas perguntas aos ou- 
vintes, e chama-se a isto figura, e inicrrogação. 
§. Ponto de—;na. Ortograt. é um ponto em 
baixo, e sobre elle em pouca distancia um tU 
perpendicular, para indicar o accento Oratório, 
com que se "deve pronunciar a palavra , ou pa- 
lavras , em que se contem alguma pergunta ; 
devera assinar-se no principio da frase interroga- 
tiva , mas pócm-no no fim : v. g- i Qjtcfues ? Na 
Astrologia : " que pronosticasse pela hora da 
partida , e sua interrogarão C o successo da nao).' 
£. 2. c. 9. Consulta ao astrólogo. §. Interroga- 
tório. Ord. I. 65. 61. lhes farão as — necessárias. 

INTERROGADO , part. pass. de Interrogar, ser 
interrogado com discrií^ão. Àpol. Dial. p. zzi. 

INTERROGAR , V. at. Perguntar: v. ^. " in- 
terrogar alguém. '' 

INTERROGATIVO , adj. Em que ha inter- 
rogação, frast intcrrogaúvíi - v. g- '<, 2«f í«fr 
res i 



INT 

INTERROGATÓRIO , s. m. Pergunta , que 
o juiz , o magisrrado , ou oificial competente 
faz judicialmente ás pessoas , que depõem ante 
elles , ou a réos. 

INTERROMPEDÒR , s. m. — ora , f. Pessoa 
que interrompe : v. g. interrompedor do discur- 
so , da festa, do prazer , ds paz. Fa^conc. Arte, 

INTERROMPER , v. at. fazer descontinuar , 
e cessar : v. g- interromper o diicurso : — a quem 
jalla , a quem está lendo •, a obra , o trabalho , o 
curso , ou corrente das aguas , e da vitoria : a luz 
não interrompia a noite. Fieira. §. Interromper as suas 
occupações , negócios , <ò'C. estorvar , suspender por 
tempo. Interromper seu gosto. M. Ltts. §. Rom- 
per , ou dar ás vezes. " interrompeu ( se, o si- 
lencio ) em espantosos suspiros."'' Ciou to ■, 9 f. 25. 
§. Interromper a prescripi^ão ; fazer algúa diligen- 
cia , com que ella náo corra : v. g- citando a 
quem ia prescrevendo , e demandar a coisa , 
que se ia prescrevendo, ou a posse , restituição, 

Scc. Ordcn. 4- 79- §• i- 

INTERROMPIDO , part. pass. de Interromper. 
" interrompida a prescripção por citação.'^ V. o 

verbo. Orden. 4. 79- i- _, 

INTERRÒTO, part. pass. de Interromper. Des- 
ordenado , não vindo bem unido , mas com es- 
paços , e claros : v. g. se o inimigo vem mal or- 
denado , interroto , e confuso. Vasconc. Arte. Ele- 

giadít , /. 24- f- 

INTERRUPÇÃO , s. f. Descontmuaçao , ces- 
sação por tempo , interpolação , intermissão. sen- 
do acabado com muitas interrupções de tempo. 
Farella. fazer — da prescripção. Ord. Af. ?. lo^^i. 

INTER Rtl PT AMENTE , adv. Com interrupção, 
interpoladamente. 

INTERRÚPTO , parr. pass. de Interromper. 
Descontinuado, interpolado: v- g, estudos iiuer- 
rupcos : — os muros ( que Dido fazia ). Eneida , 

4- 21. 

INTERSECÇÃO, s. f. t. deGeom. O ponto , em 
que as linhas se cortáo : v. g. o anglb se faz 
na intersecção de duas linhas. 

INTERSTÍCIO , s. m. Demora , que deve ha- 
ver entre o conferir-se aos ordinan.dos cada Or- 
dem , para não serem ordenados de salto. §. t. 
de Mcd. O espaço de doze horas, e o termo 
da febre. §. Deus ao criar do mundo allumtoít 
as trevas , que occupavão aquelU cabos . e interstí- 
cio escuro , e tenebroso, feo , Trat. 2 /. 247. 

INTER VALLÁDO , part. pass. de Intervallar-se. 

INTER VALLÁR, v. at. Por com intervallo , 
c distancia ; deixar intervallo. *' wtervallar as 
ruas d'arvoredos. §. f- Interv aliar dias de ato nos de 
trabalho ; &c. §. Intervallar-se , v. ai. refl-x. Ficac 
vão em meyo ; ficar claro, ou espaço vasio ,df lu- 
gar , e ordinariamente de tempo entre dois ter- 
mos. Lemos , Cerco, depois que se intervailassem 
alguns mezes. 



^ .af .-:?> 



INT 

INTERVÁLLO , s. m. O espaço de lugar , ou 
tempo , c]ue medcya cntie dois termos , ballsas , 
-épocas , Scc. v. g- o intervallo de uma colrmna 
d outra ; de um domingo a outro. §. D. Franc. M. 
Cana de Guia. par.i dcscaiii^âr a velhice , e dar 
bum Christão iiuervallo entre os negócios , e a 
morte j i. c , interpolação dos negócios. §. Inter- 
vallo , na Medicina j intermictencia. §. O espa- 
ço branco entre as regras de musica : v. g. " a 
figura está assinada lu linha , e não no inter- 
Vítllo.^^ §. A abertura do compasso, §. Na Ari- 
thmer. é a razão de um número para outro nu- 
ma serie proporcional: v. g, z. 4. 6. ou 6. 12. 
18 , Scc. §. Lúcido intervallo : o tempo em que 
os frenéticos , e delirantes tornão a seu juízo 
de sãos. " intervallo do furor , e remissão.''^ Or- 
df/;. 4. 81. I. e 2. •« dilaciáos intervallos.^^ §. Na 
Mus. é a distancia de um som grave a um 
agudo. 

INTER VENq^O, s- f. Acção de intervir, ou 
sobrevir. §. no Foro , Acção com que alguém se 
faz parte em algum negocio. §. Mediação , in- 
tercessão , aderência, freire, por intervenção do 
S. yípo:tolo. §. Intervenção de negocio : negocio , 
que intervém , ou sobrevem. Port. Rest. 

INTERVENIDÈIRA , s. f. Mulher corretora , 
ou alcoviteira , que desencaminha outras para os 
amantes. Paiva y S. t. /. 27^. 7^-. «' não ha mu- 
lher casta na conversação de intervenideiras.'^'' 

INTERVENTOR, s. m. — ora , f. Pessoa, 
que intervém. §. Pessoa , por cuja intervenção 
se faz , ou acaba alguma coisa. 

INTERVIR , V, n. t. Forense. Fazer-se parte , 
entre dois litigantes. §. Interpor a sua agen- 
cia , ou autoridade , para compor algum nego- 
cio , para o conseguir. " antrevir com vosso pai , 
e mái." Vliiipo , 5. 2. §. f. Não interveio bra- 
ço poderoso. Agiol. Lus. §. Estar presente : v. g. 
vasta, intervirem^^ nelles c\uatro testetnunhas., Orden. 
4» ^6. §. i. Leão, Descripç. f. 12. Bispo que in- 
terveio no Concilio Toletano. §. Pòr-se , succe- 
der , acontecer de permeyo : v. g. " interveio a 
peste , com que se dilatou a jornada.'^' em todos 
estes casos intervierão palavras : quando não in- 
tervém no contrato medo , força. , constrangimen- 
to , _ ignorância sobre coisa notável , «b-f. " inter- 
vierão inconvenientes.:"^ F. do Arceb. L. 6. c. 23. 
INTESTINAL , adj. Que respeita a intesti- 
nos. §. Hérnia — ; que se faz caindo o intes- 
tino para o bolso dos testículos, 

INTESTÍNO , s. m. Uma tripa , que do fun- 
do do estômago chega ao ano , e pelas vol- 
tas que faz , parecendo muitas tripas , se diz em 
geral os intestinos ; e parcialmente o intestino re- 
cto , o cólon , o jejuno , é'C. 

INTESTÍNO , adj. Interno « Discórdias , guer- 
ras intestinas ;" i. é , entre as pessoas da mes- 
ma cidade, nciçào. Ódios intestinos ;, entre çs 



INT 



175 




concidadãos. Lemos , Cerco. ** infelicidades mui 
intimas , e intestinas i i. é , entre as pessoas da 
terra, Lus. ^, 51. 
INTIBIÁDO , part. pass. de Tntibiar. 
INTIBIÁR , V. at. Fazer afrouxar , causar ti- 
bieza ; desalentar , esfriar o fervor do espirito , 
da devoção, § — se : fazer-se tibio , perder o 
fervor, afroixar, Fieira, esta he a razão, que, 
intibía , e acovarda. 

INTIMAÇÃO , s. f. O acto de intimar. §. O. 
ser intimado, 
INTIMADO , part. pass. de Intimar. 
INTIMADÒR , s. m. O que intima. 
INTIMAMENTE , adv. Mui Interior , ou in- 
ternamente : V. g. os ácidos unidos intimamente , 
e combinados com os alcalis. §. Com intimidade ; 
V. g. no trato. §, Entranhavelmente : v. g, " ale- 
grar-se intimamente.". 

INTIMAR, V. at. Declarar, dar a saber pot 
autoridade de superior : v. g. intimai o despa' 
cho do Ministro, a ordem delRet, algum sett de- 
creto. §. Fieira. « ititíma a David a resolução.'! 
Intimar inbibitorios. " Inumando com vozes mar- 
ciaes os combates futuros." Fid. de Santa Isa- 
bel, que intimada a guerra se retirassem do con- 
gresso. M. Lus. 7. 155. Mando» intimar a bul- 
ia aos frades. Corogr. Portug. §. Enculcar , si- 
gnificar , dar a entender com força, milagres qut 
nos intimão as excellendas da Encarnação. " in-. 
timar-lhe o máo estado em que está," §. " inti- 
mar as Sessões de uma Junta para algum dia ;'' 
ordenar , e notificar , que nesse dia , ou dias se 
terão. F. do Arceb. 2. c. 18. 

INTIMIDADE, s. f. A parte mais interior J 
ou intima : v. g. nas intimidades da alma. Car- 
ta Pastoral do Porto. §. Fiver com intimidade 
com alguém i i. é , como amigo intimo j e fami* 
liar. 

INTIMIDADO , part. pass. de Intimidar. 

INTBIIDÁR , V. at. Causai temor. M. Lus. 
intimidar 'os grandes corações. Port. Rest. intimi- 
dar a gente: intimidar na guerra, ou na paz, 
para obrigar a fazer alguma coisa. §. Intimidar- 
se : criar , ou cobrar medo. 

INTIMO , adj. Intrinseco , múi interno : v. g: 
união intirna das parles de algUm corpo. §, Ami- 
go — ; múi entranhavel , e familiar , que tem 
entrada no intimo da casa, e família. Galv. 
Serm. 1. f. 24. 

INTIMÒRÁDO. V. Destemido. Landim. 

INTITULAÇAO , s. f. V. Intitulamento. Leão; 
Cron. jíf. 5, 

INTITULADO , part. pass. de Intitular, foi in- 
titulado Príncipe, Ined. i. 212. §. Carregado, 
lançado no rol , ou titulo , v. g. da distribui- 
ção, sempre o feito fica intitulado no Livro da 
Distribuirão sobre o dito Desembargador ; que foi 
julgado por suspeito á parce. Jned. 3. 578. 




I '■ 



uv 

f, 



INTITULAMÈNTO , s. m. O titulo ^que sé 

(]â ou toma i desus. ^. P. 

INTITULAR , V. at. Nomear , dar por titu- 
lo ' v Z- " mxv.úoíl Barros Décadas da Asia a 
sua historia," Barreiros, intitular obras em no- 
mes alhiios: intitulaváo por Reis daq»elU povoa- 
ção Barros, cada. Ivm se intitule daai,ilh que ... 
mais participa. Fasconcelios , Arte. ^^ kmular-se 
Filosofo , Geomctra , <ò-c.^^ ^ , . , • !■ 

INTOLERÂNCIA , s. f. Falta de tolerância , A, 
ou sofrimento. Leão, Cron. 7. i. c 87- §• /"A-^ 
lerancia Religiosa ; o náo sofrer outra Religião 

"°IxnÍ oÍeRÀNTE , pare. at. ( deriv. de toleran- 
te ^ Pessoa que náo sofre. §. Intolerante em coi- 
sas de Relisião ; que náo permitte a pratica de 
sas ae lítu^ , ^ adootada , pelo que se l;raza jaz-se lau mu^iavtL , .-...^ ^ ..... ... 

outra , que nao seja a adoptaaa , y^iu ^ ^^^^i^di : pannos intratáveis por sita mmmdtcie ; 

diz intolerante. _ ,. ^ ._ , ;„c^f,;. ; ^ rf.i=3 mie se náo pode tratar com as 



tòs %. Construções intransitivas sáo as proposi- 
ções, em que entráo verbos intransitivos. 

INTR ATADO , adj. Náo tratado , náo com- 
municado , evitado. Dom João ir. íntrâtado pe- 
la Tmia de Rntrn , e esquivado. §. Nao experi- 
mentado. Resende, Lell. 56. "usar do novo, e 

intratado.^^ 

INTRATÁVEL, adj. Desconversavel , de con- 
dição desabrida , impróprio para a convivência } 
diz-se das pessoas. §. K Onde se náo pode ir , 
por desagasalhado , áspero , teyo , &c. Camões , 
Son. 195. " intratável se fez o valb , e frio. 
Ulils 8. :??. reiirar-se ao intratável monte. " bam- 
bual' intratável r por or.de se náo podia cami- 
nhar. Como , 6. 8. 7. Sitio intratável de serras , 
e penedias. V. do Jrcebispo ?. 5. §. O Jerro em 
braza faz-se tão intratável , como a neve eíl- 



iz intolerante. , . 

INTOLERÁVEL, adj. Insuportável, msotri 

-vel : V. g. calor — ■■,. insolência — . . 

. INTOLERÁVELMÈNTE, adv. De modo m- 

tolcravel. ^., • j^ . ^^ mi»- 

INTÒNSO , adj. poet. Nao tosquiado , de me 
lenas , e cabelleira largas ; de cabello longo 
V. z. a intonsa barba ; o intonso cabello. Ca- 
vwef. Eneida , 12. 40. o intonso yipolo ^ 

INTRÀNCIA, à- f-.í"§^e"^,',.^™p^* t 
pela intrancia dos. Jesuítas na China. §• /""^ ' 
^io • V. S. na intrancia do seu governo. M. Lus. 
\. Lmares de primeira — i que servem os que 
entráo nas Magistraturas , e sáo as terras , que 
náo sáo cabeças de Comarca , porque os Jm- 
les de fora destas se dizem de segmda intran- 
cia, assim como os das terras onde ha Keia- 

^°iNTRANSlTÍVO , adj. t. de Gram. Verbo — ; 
aauelle cuia acçáo nao se emprega em pacien- 
?f diverso ^do sSjeito delia: v- g. ^^^^J^^é 
Deve notar-^e , que quasi todos os Verbos , a e 
os de mero estado, c o substant./er se mao 
como transitivos : v. g. "La te estas Co as Mu- 
sas.» Ferreira , Odts. « Seja-se elle vos^o. £ujr 
« Lá se ficou c'os amigos:» &c. o que nos ver- 
bos neutros, ou de estado, se pratica , quando 
se apassiváo , ou quando damos energia ao su- 
ieito • V. g. a pedra parou, mas o galgo C q"e 
!em energia) parou-se: ou quando indicamos es- 
pontaneidade da acção. Assim dizemos o ho- 
mem lá ficou^^ voluntário , ou ^onstrang.do , 
mas dizendo « Lá se ficou ; h se estd , sem- 
pre designamos, que ficou por seu querer , e 
íssim está de sua vontade , e nao forçadamen- 
te Outias vezes se dá o pronome Se por igno- 
rância , e idiotismo: v. g. dormi't-se, on atjtes 
por imitação má do Castelhano. Cnu-se pode 
significar deixou-se cair: í/orm/r-íe usa-se no ta- 
mil- c sent. obsceno, por prostituir-se ; ou apas- 
siyando : v. g. dormem-se noites , ou sonos quie- 



coisa que se náo pode tratar com as 
mãos', de que se náo pode usar , tomando-a 

nellas. , % #-v j 

INTRÈCHO , s. m. (otf enrrecho ) O enredo 

da fabula Dramática. , ^ ., 

INTREPIDAMENTE, adv. Destemidamente , 

denodadamente , animosamente. 

INTREPIDEZ , s. f. Animo , valor, coração ; 
falta de temor , de medo ; despejo , desenvoltu- 
ra , denodo, ousadia, ardimento , Scc. p^^f- 

INTRÉPIDO , adj. Destemido , ardido , deno- 
dado , desenvolto no per;go. , „., 

INTRICADAMENTE , adv. Embaraçada , en- 

redadamente. , . x • .j« «< ;» 

INTRICADÍSSIMO , superl. de Intricado. i«- 

tricadis.imas demandas." F. do Arceb. 5. 8. ques- 
tões — , enreàos — , sofismas — - . 

INTRICADO , part. pass. de Intricar : v. g. 
um laberinto de ruas intricado; caminho—; ne- 
gocio — ; reposta — ; historias — . Vieira. D. Franc. 
Man. FarelU. Lobo. " guerras muito ma.s >/t- 
tricadas.'> §. Cabello-. V. Plica. Ord.Af. 5. 
f 195 e íe (o feito) nam fosse intnmcado, mas 
fosse simples, t claro, «Zb-r. V. Intrincado. 
INTRICAR , v. at. V. Intrincar. 
INTRIGA , s. f. Enredo occulto para obra 
má. mod. adopt. 

INTRIGADO , part. pass. de Intrigar, hstar 
com alguém; enredado, inimizado por intrigas. 
§. Drama bem — : fabula bem tecida , e enre- 
dada. V. Intrincado. . ■ c ^ 
INTRIGANTE , s. c. Pessoa que intriga. §. co- 
mo adj. a intrigante cubica. 

INTRIGAR, v. n. F^zer intriga, enredar, 
mexericar, " intrigar o drama." V. Enredar, In- 
trincar, e Intrincado. . , n , •.._ 
INTRINCADO , adj. V. Intricado. Palavras in- 
trincadas ; construídas, ou concebidas de sorte , 
que fica perplexo , c ditficil o seu sentido. R^ 
pert. da Orden. §. Enredado, emaranhado^ jW. 



TNT 

'Coilíj. 4. i^. vão ficotl fera tia intrincada sífra. 
§, Intrincado , fig. itrdio outra tea muno mais hem 
intrincada, í]Ue foi fazer crer a ElReiy que aqtiel- 
les capithi vinhxo alterados. Conto , 10. 6. 15. 
*' Drama bem intrincado \" enredado. 

INTRINCHEIRÁDO, e dcriv. V. com En. 

INTRINSECAMENTE , adv. Por dentío , inte- 
riormente. 

IN'1'RÍNSECO , adj. Interior, intimo: v. g. 
anior — . Camões. §. durr.t — ; intestina. Cou- 
to y 5. 6. I. P. P. 2. /. 158. §. Saber os intrín- 
secos a alguma pessoa , o« coisa \ os interiores , 
o que nellas ha de occuiro. Eufr. 5. 2. 

INTRISCÁDO , adj. Travado , perturbado , 
enredado : v. g. " intriscada revolta." Seg. Cerco de 
Diu, f. ^96. pressa — . /. 409. Lavor — . /. 
428. das pedras que ornavão as armas. 

INTRODÍR. V. Intraduzir. 

INTRODUCqiíO , s. f. O acto de introduzir 
alguém , ou alguma coisa , em algum lugar ; 
V. g. introducçáo de u\n sujeito em alguma casa; 
de fazendas estranhas no Reino : fig. introducçáo 
áe modas , usos , costumes. §. Entrada , cabimen- 
to : V. g. deu-lbe , ou teve grande introducçáo 
com Fulano. §. Discurso com que se introduz o 
Leitor, para a lição da obra principal. 

INTB.ODÚCTO, part. p, irreg. de Inrroduzir. 
— O direito. Ord. Af. 5. /. 198. §, 12. — o ar- 
tigo. 

INTRODUCTÒR , s. m. Aquelle , que intro- 
duz. 

INTRODUZIR , V. at. Metter , ou levar den- 
tro , hzer entrar : v. g. introduzio fazendas no 
Reino ; um sujeito em minha casa. §. Trazer de 
novo: V. g. introduzir um costume , estilo, moda, 
forma de governo. §. fig. Introduzir vicios : v. g. 
introduziu a ambição no Senado '■ deixo:i introdu- 
zis a lascivia em seu peito. §. Introduzir alguém 
em algum dialogo ; bzè-lo um dos Interlocuto- 
res. §. fig. Eva dando credito d serpente , intror 
duzio maldição , e morte d geração humana. 
Cathec. Rom. 60. 

INTRÓITO , s. m. Principio : dizemos o In- 
tróito d.'i Adissit. 

INTROMETTÈR , v. ar. Metter dentro, fa- 
zer entrar: v. g. intrometter-se em algum lagar. 
§. fig. " Intromettendo só huma operação trigono- 
métrica." Meth. Lusit. §. Intrometter-se na prati- 
ca; entrar nella de si. §. Axiomas ha que se in- 
tromettem a conselhos ; i. é , que querem ser , 
ou sç aproximáo a conselhos. Farella. §. Intro- 
viitter-se em fazer alguma coisa : ingctir-se , met- 
ter-se ; v. g, não deve o Príncipe intrornetter-se 
em conhecer das causas crimindes. Macedo, Har- 
monia Polit. sem nos intronrietcer em adivinhar. 
Port. Rest. " era Santo que intromettia ( fazia ) 
de Apostolo.'» Feo, Tr. 1. f. 167. f. 

INTRONiZAqiiO , e deriv. V. com Bu 
Tom. JI. 



INU 



177 




INTROVISCÁDA , s. f. C V. Bitrovíscada ) Ba- 
tida de trovisco no lio para matar peixe. £l/t', 
cidar. 

INTRUDÁR , e deriv. V. com En. 

INTRUSÃO,' s. i. Posse de beneficio, ou 
dignidade , tomada sem direito , ou com violên- 
cia, freire, a memoria da intrusão da coroa, 
Decr. de 31. Man^. de 1645. 

INTRUSO , ad). Empossado por violência ,• 
ou fraude em dignidade, ou beneficio, que náo 
toca ao intruso. Fieira. Herodes , Rei intruso , e 
tyranno. tinha-o por intruso no Pontificado. Coro^ 
graph. Portug. §. Instituido sem causa legitima: 
V. g. sua intrusa adoração. Vergel das Flamas y 
f. 15. 

INTUITÍ VÃMENTE, adv. t. de Theol. Como 
quem vè de tace a face, claramente: v. g, '*os 
Anjos , que vem , e conhecem a Deus intuiti: 
vãmente.'^'' Fieira. 

INTUITIVO, adj. Conhecimento — ; visão — ; 
i. é , de face a face ; em que se vè o objecto 
claro , e descoberto. 

INTUITO , s. m. Interesse que se tem cm 
vista , que se respeita , quando se taz alguma 
coisa com esperança de o conseguir. Ârraes, to- 
lerar 05 trabalhos da vida presente com o intuito 
dos prémios da jutura, 

INTUMECÈR , V. at. Fazer inchar. §. no f. 
Fazer ancho , suberbo , vaidoso, quando a sH' 
berba intumece as inchações da própria presunção. 
Farella. §. -^ íe : inchar-se. '^ Kazáo tem o Te- 
jo para se intumecer." " intimecem-se as agoas ao 
movimento da Lua.'* §. v. n. " Intumece Circe 
com furor do espirito.''' VHss. 4. 5. 

INTURVÁDO , part. pass. de Inturvar. 

INTURVÁR , v. at. Fazer turvo. Firiato ; 

?• 59- 
INTUSCÉPÇaO, s. f. t. de Fisica. Crescer por 

— ; i. é, recebendo alimento, digerindo-o , e 

assim ilando-o , como os animáes , e plantas ; ao 

contrario dos corpos , que crescem por apposi- 

çáo , ç concreção , como as pedras , &c. 

INÚLTO , adj. poet. Náo vingado. " que tem 
por coisa vil morrer ina/íoí." 

INUNDAÇÃO , s. f. Cheya , agua trasborda- 
da dos rios , que alaga a terra próxima. §. f. 
Grande número : v- g' a inundação dos bárba- 
ros ; dos Árabes. Not. de Portug. Disc. 5. §. 2. 
o tumulto , e inundação de requerimentos. Fieira. 

INUNDADO , part. pass. de Inundar, 

INUNDÀNTE , part. prés. de Inundar. Que 
inunda ; que trasborda , ou está trasbordando. 
Uliss. VIÍI. 1)2. Rio — ; agua — . Fr. Thom. 
da Fetgíf.. 

INUNDAR , V. at. Cobrir , alngar , saindo da 
madre : v. g. o rio inunda os campos. §. v. n. 
Derramar-se , trasbordar ; v. g. o_ rio cobrindo zs 
ribanceiras , e trasbordando. Leão , Dcscr. c. i ^. 

Z " iibri- 



í 



s 



INV 



fj 



7 




«« obrigáo o Mondego a inundar." §. f. " A fa- 
ma inunda;'^ neutr. yl/. Conq. ii, 4. 

INUSITADO , adj. Desusado. Camões , Z,«í. II. 
jQ^_ (( ouvindo o instrumento ininitado" 
INÚTIL , ad). Náo útil , sem proveito. 
INUTILIDADE, s. f. O ser inútil. 
INUTILIZAR , V. at. Fazer que seja inútil ^ 
frustrar, baldar o efteito. 

INUTILMENTE, adv. Debalde. §. Desneces- 
sariamente. 

INVADEÁVEL , adj. Que se náo pode va- 
dear, - 
INVADÍDO , part. pass. de Invadir. 
INVADÍR , v. at. Entrar enn som de guerra, 
e violentamente , ou hostilmente em terra es- 
tranha , para fazer damno , ou conquistar. Fiei- 
ra, Can. Tom. z. /. 163. §. fig. Tomar violenta- 
mente : V. g' invadir o sdio ; invadir os direitos 
da Soberania, <Ò'q. 

INVALESCÈR , v. n. Estabelecer-se_ , confir- 
mar-se , acquirir forças, e vigor. Leão , Di%' 
cripç. tanto invaksceu esta audaz temeridade. 
INVALIDADE , s. f. NuUidade. 
INVALIDADO , part. pass. de Invalidar. 
INVALIDAMENTE , adv. Nullamente. 
INVALIDAR , v. at. AnnuUar qualquer Lei , 
pacto , convenção , acto. Aí, Lus. 

-INVÁLIDO, adj. Fraco, entertno , que náo 
pôde servir por doença, ou velhice. §. f. Nul- 
lo , nlo obrigatório , insubsistente : v. g. Lei 
— , obrigarão — , mercê — . Fieira. §. Que faz 
pouca impressão. Arraes y 1. 7. 

INVARIAEILIDÁDE , s. f. O ser invariável. 
INVARIÁVEL , adj. Immudavel , inalterável , 
na forma , som , animo , conselho. Sorte — . 

INVARIAVELMENTE , adv. Sem variação , 
sem mudança, alteração. 

INVASÁO, s. f. O acto de invadir, accom- 
metter , e apossar-se violenta , e hostilmente. 
§. t. de Med. O ataque da doença a principio : 
V. g. a invasão áa febre. 

INVASÍVO , adj. Em que ha invasão. Gtm- 
ra invasiva; opposta a defensiva. M. Lus. estas 
comendas se hão de vencer em guerra invasiva nas 
Conquistas. 

INVASOR , s. m. O que fez invasão , o que 
accommette primeiro hostilmente, freire. " os 
seus nesta guerra erão os invasores." §. Injusto 
usurpador : v. g- " invasor dos bens Ecclcsiasti- 
cos.^^ Motu Lus. " invasor dos direitos de ou- 
trem." 

INVÉCTÍVA, s. f. Discurso forte, e vehe- 
mente, ou expressões desta natureza contra al- 
guém , ou alguma coisa : v. g. — contra os ví- 
cios , contra algum instituto , ac(^âo , «zb^r . M- Lus. 
INVECTIVAR , v. n. Fazer invectiva. — 
contra alguém. 
ÍNVÉJA, s. f. Desprazer, desgosto, que se 



INV 

recebe do bem , e prosperidade alheya. com in» 
veja do meit bem ; da virtude alheya , «b-f. emu- 
lação. §. Desejo honesto de nos sutceder outro 
tanto : v. g. ganhou muita honra com inveja dos 
companheiros. §. Não ter inveja ; fig. ser igual , 
não dar vantagem : v. g. " não lhe hcme inveja 
ao tormento." filodemo, 4. 5. §. A's inyejas ; 
i. é, á competência. Castan. L. 8. /• 161. col. 
I. Lucena y L. 4- c li- /• 277- "'• '• ^/ ,594- 
col. 2. o qual menino não houve inveja á fer- 
mosura de seu pai. B. Clarim, z. c. 14- «''• ^^' 

INVEJADO , part. pass. de Invejar. §. Desap- 
provado, aborrecido. Eufr. Froem. f. 224. por 
ser invemião nova y e em Linguagem Portugueza 
tão invejada , e reprendida. §. Tocado d'inveja. 
H. d'hea, f. 107. deixando a todos os cavalUi- 
ros invejados das suas obras. 

INVEJAR, V. at. Invejar alguém; ter inveja 
a seu respeito, como são malicioios , invejáo a vir- 
tude delias ( mulheres ) , e com esta raiva prague- 
jãoy e procurão defamâ-las. Eufr. 2. 7. §. Dese- 
jar : V- g. " invejo-lhe a boa fortuna. '' §. Inspi- 
rar inveja. V. o part. Invejado. §. Ser inimigo, 
e tratar mal por inveja. Vlistpo , f. 88. sempre a 
fortuna invejou varões fortes. Ined. 2. éo8. os 
que invejaváo D. Duarte. 

INVEJÁVEL , adj. Digno de invejat-se. Tá- 
cito Portug. f. 111. 

INVEJOSO , adj. Que tem inveja, §. Olhado 
com invejai odioso. Resende, Lell. f. 16. "no- 
me escuro , e invejoso y 

INVENÇÃO , s f. Invento artificioso. §. Ar- 
tificio , astúcia. " levar aquelle negocio por in- 
venção." Couto , 10. 7. 10. §. Ficção. §. Acção 
de achar o que era occulto : v. g. a mvençao 
da Santa Cruz. §. Arte , traça : v. g. " obra de 
boa invenção." §. O ingenho , ou taculdade de 
inventar , e achar coisas novas , ou náo vulga- 
res. §. Parte da Rhetorica , que ensina a achar 
•os pensamentos próprios para persuadir, e mo- 
ver. §. Invenções: extravagâncias, singularidades 
exquisitas ; diz-se á má parte. 
INVENCIBILIDADE , s. f. O ser invencível. 
INVENCIONADO , part. pass. Aparelhado com 
invenções , e adornos galantes. Ined. Tom. i.f.iii, 
" envencionadoi todos de festas , e prazer."^ 
INVENCIONÈIRO, adj. Cheyo de invenções,; 



alvitres extravagantes. 

INVENCÍVEL , adj. Que se náo pode veri- 
cer : v. g- homem — ; animo — ; fon^as — . §. f- 
Difficuldade — ; razoes — ; obstmai^ão — . Ca- 
minho — ; a cujo termo se náo pôde chegar :_ v. g. 
caminho invencível a quem vui a pé em tão bre- 
ve tempo. §. Paciência — ; inalterável a pezar de 
a irritarem. F. do Arceb. 4. 6. §• Ignorância—. 
V. Ignoran ia. 

INVENCÍVELMÈNTE, adv. De modo inven- 

^'^"'' IN- 



INV 

IN\'TMT\t>0, part. pass. de Inventai. 

INVENTAR , v- at. Descobrir algum pensa- 
mento novo; traçar alguma obra, industria, ma- 
quina, ardil, d:í 'seu engenho. §. Fingir, 

INVENTARIARÃO, s. f. O acto de inven- 
tariar, " ínventariaç^ão de bens.'* Syitm. dos Re- 

gim. Tom. 2. f. 17 V P^'"'- ^^'í- 

INVENTARIADO , part. pass. de Inventariar. 

*< Bens inventar iados.^^ 

INVENTARIANTE , part. at. de Inventariar. 

INVENTARIAR, v. at. Fazer inventario. §. Re- 
gistar no inventario, 

INVENTÁRIO, s. m. Registo, rol, catalo- 
go , que se bz dos bens , que o defunto dei- 
xa , cu dos bens , e moveis de algum vivo. 

INVENTÍVA , s. i. Engenho , faculdade de 
inventar. 

INVENTIVO , adj. Engenhoso; em que ha 
invenção. Filhalpandos. " começo invetitivo. *' 
£. Qarim. Prol. z. com mais inventiva degan- 

tia. 

INVENTO , s. m. Coisa inventada. Fieira. 

INVENTOR, s. m. — òra , t. Pessoa, que in- 
ventou , ou inventa ; que tem ingenho para in- 
ventar. §. " Inventos da sahida contra o inimigo." 
Barroi. 

INVERNADA , s. f. Chuveiros , nevoeiros , 
cerrações aturadas, que ha pelo inverno. Hiit. 
Dom. P. 1. f. 2. cal. i . htma invernada de aguas 
extraordinárias. V. do Arctb. 6. c. 25. 

INVERNÁDO , part, p.iss. de Invernar. Fi- 
car invcrnado em algum l(ígar ; detido pela chu- 
va, e ventos conrrarios , que cursáo no Inver- 

INVERNAL, adj. De inverno; e poer. Jriíber- 
no. Amaro de Roboredo , Diccion. 

INVERNAR , V. n. Passar o inverno : v. g. 
foi invernar a Cochim. §. Fazer inverno. Resen- 
de, Miscell. 

INVERNO , s. m. Estação do anno entre o 
Outono , e Primavera , fria , acompanhada de chu- 
vas , cerrações , &c. §. Quartéis de Inverno ; t. 
Milit. onde se abjáo as tropas pelo Inverno 



INV 



179 



INVERNÒSO , adj. De inverno, Cos^^- 



ÍC 



as 



geadas invernos as.'^ estacão — ; tempo — : a bo- 
lota — . CoAa , Egl 10, terra sempre — ; onde 
sempre ha inverno , frio , neve , regelos, F. do 
^rceb. 7,. 5. 

INVEROSÍMIL, adj. Náo verosímil, impro- 
vável. 

INVEROSIMILHÀNÇA, s. f. Falta de verosi- 
milhança, 

- INVESTÍDA , s. f. O primeiro ataque , o fe- 
rir primeiro da batalha. Fre:re. §. t. famil. Razoes 
e ditos , com que se mettc alguém a bulnd. 
*' Dar , ou \tv3.T invesiida.^^ 

INVESTÍDO , part. pass. de Investir, §. Ves- 
tido , envolto em alguma coisa, M* Lfts. P. 6. 



f. 496. §. V. Envestido. S. 5. 5". 2. " envestido 
no Reino." 

INVESTIDURA , s. f. O acto de conceder ,• 
e dar posse , cu confirmação de algumas ter- 
ras , feudos, dignidade, beneficio, o qual acto 
se faz pelo senhor, doador, ccrllator , 'dando ao 
investido alguma coisa , como um pendáo , ra- 
mo , anel , &c. em sinal da investidura, dando- 
lhe a investidura do ducado de Milão. Macedo , 
J/fizo Hist. f. ^5- a investidura do morgado de- 
pàidia do pai. Fieira. Conspir. f. 518. Salamao 
conseguiu a investidura do Reino. 

INVESTIGAÇÃO , s. f. Pesquiza, o acto de 
buscar , indagar , trabalhar , e rastejar pata achat 
alguma coisa : y. g. investigação dos segredos dd 
natureza. 

INVESTIGADO , part. pass. de Investigar : 
V. g, segredo tão investigado , e achado em fim , 

INVESTIGADOR , s. m. O que mvestiga. 

Gríinde, e nttentissimo investigador dos segredos 
das Leis da Natureza, estimado (mármore) em 
Roma, por diligencia de Menandro , grande in- 
vestigador da nuignificencia , <ò'C. Fase. Sitio ai 

Lisboa, f. 15T. 

INVESTIGAR, V. at. Rastejar, fazer diligeti- 
cias por achar , indo pelos vestígios ; e no r, 
aproveitando ae poucas noticias das coisas , ou 

pouco que delias se sabe , para achar o ma« 
que lhes diz respeito : indagar. 

INVESTÍR , V. at. ou neutro. Investir algum , 
ou com alguém; lançar se a elle , accommette-lo* 
§. Motejar com ditos picantes : t. famil. §. Ao- 
commetter hostilmente : v. g. investir a pra^a ; 
as nãos. B. i. /. 10. investir o imm'go em cam- 
po. §. Dar investidura, os cjue o Príncipe inves- 
tiu de algum Condado. Leitão , Miscell. por í* 
tornar a investir no senhorio de Roma. M. Lus^ 
" desapossava do Reino ao Rei de Cochim pe- 
lo tempo que as festas duravâo , e logo o tor- 
nava a investir.'' Como ,7. 10, 12. §. " Invés- 
tiu-se ElRei D. J. IV. no Reinado , de que 
seus maiores foráo esbulhados," Auto da Acclam. 

INVETERADO , adj. Envelhecido , mm an- 
tigo : V. g. costume — ; doença — i mal } 

ódio — . 111-. 

INVIÁDO, s, m. Sujeito mandado a Corte 
estranha tratar de negócios Políticos. Ribeiro , 
Juízo Histor. V. Enviado. 

INVIÁDO, part. pass. de Inviar. Lobo, Lor-, 

te , 79. , 

INVIÁR. V. Enviar , que e mais commum. 

INVICTÍSSIMO , superi. de Invicto. 

INVICTO , ad). Não vencido. Fase. yíríe. ^ 

ÍNVIDO , adj Invejoso , ou que tem od^o . 
" as parcas invidas '' Eneida , 5. 86. §. Leão , 
Oriv. na Dedic. em prosa. . 

1 INVlGlLivwaA, s. i. Falta de vigilância. 

I Z ii ^^* 



^ 




Vi 



& 



IR. 

IN VIGILANTE , adj. Que náo vigia , que sè\ lugares da Epopéa \ v. g. E vós ^ Tágides minhas ^ 
descuida de coisa sobre que houvera de vigiar, poíy creado , ti-c. Lm. Canto i. 

ÍNVIO, adj. Sem caminho, desencaminhado: INVOCADO, patc. pass.^de Invocar 



V. g. " Tiontes , ou cabeços inyios.^'^ ArrAes , 
4. 4. "■ deserto Ínvio." Godinho. 

INVIOLABILIDADE, s. t. O ser inviolável: 
j;. p-. — da Lei , da Pessoa do Soberano , «b^f. 

INVIOLÁDO , adj. Náo violado: v.^g. fé — i 
contrato ; pacto , juramento — ■■, reputação , decom , 
honra , pureza , castidade — . Lucena , /. 8i2. 
lío/JJ^o inviolada. Le5o , Cron. i. /. 85. 

INVIOLÁVEL , adj. Que se náo deve violar : 
V. g. castidade — ; pactos , leis , promessas , pre- 
feitos , asilo — , é^'C. Fieira. 

IN VIOLA VELMÈNTE , adv. Inteiramente, 
sem profanação , nem quebra : v. g. guardar iu- 
violavelmente o juramento ; a fé empenhada , ó-c. 

INVIPERÁDO , pare. p. de Inviperar-sc. Assa- 
nhado como a vibora. 

INVIPERÁR-SE , V. at. refl. Enfurecer-se , as- 
sanhar-se como a vibora. Mansinho , /. 17. ir» 
ejl. 5. Magera por mais se inviperar tom sanha 
nova. 

INVÍRA , s. f. V. Embira. Guerra Brasil, f. 

501. 

INVISCÁDO , pati. pass. de Inviscar. §. Pre- 
gado. §. f. 05 humores , que estão inviscados nos 
rins. Luz da Medic, 

INVISCAR , V. at. Untar de yifgo. Inviscar- 
se : pregar-se , prender-se no visgo. Ulis. 5. 7. 
?' quem em taes laços se invisca.'^ 

INVISIBILIDADE , s. f. O ser invisiveL Fiei- 
ra, a invisibilidade de Deus. 

INVISÍVEL , adj. O que se náo pôde vw. 
§. Que náo apparece. 

IN VISIVELMENTE, adv. Sem ser visto. 
INVITÁR , v. at. Convidar. Pinheiro , t. /. 
f)6. benignidade singular no invitar , e rogar, 
^tiunfo Evang. Invitar parece que deve ler-se 
na Gramrtí. de Barros , pag. :,6. onde diz : " E 
diz-sc contra o aquilã pêra evitar os mãos es- 
píritos , e imitar os bóos.^'' 

INVITATÓRIO, s. m. t, do Breviário. O 
verso que se diz em todo o Olficio ás Matinas 
com o Psalmo. §> Invitaiorio , poet. V. Invoca- 
ção. Galhegos. 

INVÍTE, s. m. V. Enviti. M. L. «muitas 
vidas, que os nossos perderão neste segundw in- 
vite :'" fig. por , batalha , ou conHicto. 

INVÍTO , adj. Forçado, snvolunurio, obri- 
gado , constrangido , violentado. " aceitou S. Vi- 
cente a obediência posto que invito.^^ Fios San- 
cior. f. CCr. cai 1. Jhii. " ordenaráo-no invi- 
to i^"" " ainda que náo tosse voluntária , náo foi 
invita." rieira. 

INVOCAÇÃO , s. f. O acto de invocar. §. Pa- 
lavras , com que se invoca auxilio , favor ; de 
j^ue OS Po£ta? usáo no principio , e em outros 



INVOCADÓR , s. m. o que invoca. Orden. 
5. 5. I. os invocadores dos espíritos diabólicos 
tem pena de morte. 

INVOCAR , V. at. Chamar em seu favor al-_ ^ 
gum Santo , a Deus. Os poetas invocão as Mu- 
sas , ou alguma coisa sagrada. §. Invocar espí- 
ritos inferndes : fazer ensalmos , ou conjuros , pa- 
ra que elles appareçáo. Orden. §. Mal. Conq. 4. 
1:58. " Agora Musa ... teu favor invoco."%. Cha- 
mar pelo nome. Vieira. 

INVOCA VEL , adj. Que pode invocar-se em 
auxilio, os invocáveis Numes, 
INVOLTÓRIO. V. Envoltório. 
INVOLUNTÁRIAmÈNTE, adv. Sem. querer. 
INVOLUNTÁRIO , adj. Contra vontade , om 
sem vontade , sem querer : v. g. erro — , cul- 
pa — . 

INVOLUTÓRIO , s. m. t. de Anat. Membrana , 
ou parte , que envolve , cobre , c forra outra. 
V. Envoltório. 

INVOL VEDOR , s. m. Enredador. Sd de Mir. 
V. Envolvedor. 
IN VOLVER. V. Envolver. 
INVULNERÁVEL , adj. Que náo pôde ser 
ferido. 

INXÍDRO , s. m. Provinc. Pomar pequeno , 
tapado , e bem provido. 

IPECACUANHA, s. f. Planta, e raiz Ameri- 
cana , medicinal : raiz de ipecacuanha emética , 
diversa da cathartica , uma é preta , outra bran- 
ca. 

IPERICÂO. Herva. V. Hypericão, 
ÍR , V. n. ( do Lat. ire , sem /; , que é des- 
necessário para a pronuncia , nem para mostrar 
a etimologia , nem nas variações táes como 
ia , ias , Íamos , ieis , ião ; que assim o escrevem 
Leão , Cron. e outros. Para exprimir o sentido 



deJr, usamos múit.is irregularidades: v. g. vo» , 
vais , vai , <ú)'C, deriv. de vado , Lat. e fui , fos- 
te , foi , é'C. fora , foras , é-c. V. a Granim. nos 
Irregulares da terceira Conjugação. ) Passar de 
lugar para outro , por si , ou levado : v. g. 



um 

ir A pc , ou a cavallo , por terra , ou por mar. 
§. Oppóe-se a vir algúas vezes : v- g. " elle 
ú, e eu vinha já de volta.-'^ " vai tu para elle 
vir com tigo , ou voltar com ti»o." §. Mudar-se 
para outro estado ; v. g. a saúde vai a melhor , 
a doença vai a peyor : o iiegocio vai a peyor. 
§. Continuar : v. g. O negocio vai bem ; i. é ^ 
leva bom caminho. §. Ir d mão a outrem ; im- 
pedir que elle faça alguma coisa. §. Aproximar- 
se : V. g. este homem vai para inepto , e tmperti' 
nente. §. Vai para três annos ; jd vai para os 
40. i. é, está perto , ou próximo aos ^. ou 
aos 40. aiinos. 5. Quanto vai ? i. é , que distan- 
ciai 



IRA 

cia ha? V. ,?. quanto vai de Lisboa a Selem ; 
quanto vai ào uicyo di.t até d iiotte ; i. é , o es- 
payo que mcdeya. §. Q/íí vai tiiito í i. c , cjue 
importa ? " Já .]ue a toicalcza delRei escá se- 
gura , morra cu muito embora , que pouco vM 
na minha viJa , e náo quero mais honr.ida mor- 
te :^' dizia um pobre Soldado na Índia , serran- 
do-se-lhe a petna. Como , 8. 40. §. Jitía , cami- 
nho (j'(e vai para a ponte ; i. c , que leva , ou 
guia para ella. §. Este verbo com o gerúndio 
denota a continuação , c imperttiçáo da acção 
significada pelo gerúndio: v. g. vai-je pondo o 
Sol ; os livros \ào-se vendendo ; inda vão cami- 
nhando. §. Ir-se a quarta, ou vaso; soltar de si 
o liquido por alguma abertura. §. Passar: v. g- 
vai-se o tempo. §. Wavegar : v. g. ir vento em 
poupa. §. Morrer : v- g. ioi-s^ como um passari- 
nho. §. Ir ao fundo , ir a pique o navio. §. Ir 
debaixo : ter mão successo, §. Ir de mal para 
•peyor : peyorar. §. Nem vai para lá i i. é , vai 
míái desviado , e longe. Eufr. 5, 2. '^ náo so- 
mente náo he formosa , mas nem para lá vai." 
§. Imos , primeira pessoa do plural no presente 
do Indicar, é usado de todos os Clássicos ; e 
Fieira , Hist. do Fut. n. 46. " imos caminhando 
pelo deserto.^* §. Ir. estar lançado ao longo : 
V. g. de huma banda vai a terra do Preste. Al- 
buq. 4. 6. §. Fai-me nisso a vida , a honra ; i. é , 
tenho empenhado nisso a vida , a honra , que 
disso depende ; importa-me. Eufr. i. i. §, Ir-se : 
sair , ausencar-se , lugir. " Se nos forão ;'"* fogi- 
ráo-nos. Ferr. Bristo , 4. 7. " forão-se-nos os ga- 
nhos , as esperanças ;''' perderáo-se-nos. §. Ir-se com 
alguém ; fig. seguir a sua opinião. " vou-me com 
as vossas conjecturas.^'' Arraes. 4. 24. 

ÍRA , s. f. Cólera, raiva. Applacar , reprimir, 
moderar , refrear a ira ; deixAr-se levar da ira ; 
<i)-c. 

IPvACÚNDIA, s. f. O vicio de ser iroso. 

IRACUNDO y adj. Iroso , colérico. M. Conq. 

II. 77. 

IB.ÁDO , part. pass. de Irar. §. f. mar irado ■■, 
tormentoso , poet. 

-IrlRÁR, v. at. Causar ira. Ferreira, L. 1. Car- 
ta S. iráo-Wí condições de gmtes jeras. §. Irar-se: 
ceder á ira , encolerisar-se ; diz-sc das pessoas , 
e fig. do mar , do vento , quando se põe em 
grande agitação , e tormenta. 

IRASCÍVEL, adj. Parte — ; da alma ; divisão 
PUosof. das suas faculdades , e a esta irascivel 
se attribue a ira , ousadia , o temor , a espe- 
rança , a desesperação. 

IRIÁDO , adj. t. de Farmac. Diaquilão ífiado ; o 
que leva pós de his Florentino. Curv^ , Observ. 
§, Que <em as cores do arco da íris : certas 
Lentes dos telescópios mostráo os objectos acó- 
• panhados de um circulo de luz iriãda : /? cor 
— da Luz , segundo os vários gráos de íefle- 



IRM 



181 




xáo , e refracçáo , &c. nuvens iriadas , <ò'C. 

IRÍL. V. Eril. Bem. Lima, f. t\. 

ÍRIS, s. m. O arco, vulgarmente chamado 
da velha ; o que se fa« no ar de miiitas cores 
em tempo húmido , em consequência da retrac- 
ção dos rayos da luz. Vieira, diz íris , temin. 
Tom. I. f. 200. e Duarte Nunes de Leão: " o 
arco da íris." Os Poetas usão deste vocábulo 
feminino , quando talião da íris da Mythologia : 
e figur. '< he o iris , que a paz nos assegura :"'' 
como o penhor , ou sinal de paz. §. Herva , e 
dor de varias espécies , cuja ííqx. tem múiras 
core? ( iris , idis ). A íris Lusitana é amarella. 
§. Peixe do rio Cávado.. Corogr. Portug. Tom. 
I. /. 511. §. Iris , t. de Anat. o circulo de varias 
cores , que rodeya a minina do olho. 

IRmXa , s. f. ( ou antes Irmã , e assim nos 
derivados ) A fêmea filha do mesmo pai , e 
mãi , a respeito dos outros filhos do mesmo 
pai , e mái , on de um delles somente. §, A 
irmã, do Sol , poet. a Lua. §. As 9. irmãas , 
poet. as Musas. §. Ser irmãa , i. é , do mesmo 
feitio ; da mesma peça , da mesma sorte , còr, 
§. Meya irmãa ; a que é filha só do pai , ou» 
da mãi. 

IRMÃAMÈNTE , adv. A modo de irmáof», 
em boa paz , e harmonia." ■ 

IRMANADO , part. pass. de Iritianar, 

IRMANAR , v. at. V. Germanar. §. f. Unir ,: 
ajuntar, emparelhar, confederar, assemelhar. 

IRMANDADE , s. f. O parentesco entre ir-- 
mãos. §. Comportamento como de irmãos, de- 
pois de lamentarem a pouca irmandade com qut 
o tratarão. Aí. Lus. 2. t^t^i. f. Feyo , Trat. pa^ 
ra isso pouca irmandade bastava. §. Confraria- 
de Irmãos , que servem algum Santo. §. A San' 
ta Irmandade , em Bespanha ; tribunal , que vigia 
sobre a policia das estradas â respeito dos sal- 
teadores, &c. §. Irmandade em armas: liga of- 
tensiva , e defensiva. B. 2. 5. 3. " requerimen' 
tos de confederação de irmandade cm armas." 
Os Reis de Portugal passaváo a alguns Reis 
do Oriente Cartas de Irmandade em armas. 

IRMÃO , s. m. O filho do mesmo pai , ou' 
mãi , ou de ambos , a respeito de outros filhos y 
ou filhas do mesmo pai , mãi , ou de ambo".- 
§. Aíeyo irmão : o que é filho só do pái , ou 
da mãi só de outros seus irmãos. §. Confrade 
de Irmandade , Ordem terceira. §. f . Coisa igual , 
semelhante : v. g. esta seda é irmãa d'estoutra j 
o sapato irmão deste , &-C. §. Irmãos em armas 
se dizião os Reis , que tmhão com outros liga 
oíFensiva , e defensiva , sendo amigos de ami-- 
gos , e inimigos de inimigos. B. i. 5. 8» 

IRM-ÍOSÍNHO , dim. de Irmão. 

IRMEÍLMÈNTE , por Irmailmente » de j^-w^' 
nitmente. Irmamente. Ehícid. 

IROWÍA , s. f. u de Rhet. Figuta , pda quaf se 

siH" 






I 



m 




sienifici o contrario do que sé diz, dando-se a 
eLnder , que se quer significar o contrar.o por 
„evo de algum gesto , do tom de voz , &c. 
Os Rhetoricos distinguem iroma tropo, e tro- 

*"mÒNlGÀMÈNTE , adv. Com ironia , por iro- 

"'irónico , adj. Em que ha ironia : v. g. dis- 

^''ík^òsof^di. Irado, colérico: v, g. ,a^ 

^, Cunha. « contra quem estava troso. Lobo. 

íkRA , intetj. pleb. Apage. 

IRRACIONAL, adj. Que nâo tem uso de 

razão como os brutos. Cam. Écloga 4- í«e a 

r/í«r.zriTracional lhe ensina. §. K Que usa mal 

da raSo. §• Irracional. V. Incommemuravel. Mnh. 

^ÍrRACIONÁVEL , adj. D"^^'^^^'^ '.^dS 

^?k^S5^&S,^.ím^entodosrayos, 
V. í do Sol, das estrfas. JvelUr , Cronogr. 
IRRADIAR, V. n. Lançar ra-yos de loz. Fita 

^^íÍllSS:^i/-prlvado d. n^ sensí- 
veis, como o Sol nò horisontc abafado, ou 

""ÍrR^CONCÍLIÁDÓ ; adr Nâô ieconciliado. 
ficarão irreconciliados , e como dmes. 
-^IRRECONCILIÁVEL , ad). Que se nao po- 
de reconciliar: v. g. tnimjgo-- . 

IRRECONCILIÁVELMENTE , adv. Sem es 

perança de reconciliação. , 

^ IRRECUPERÁVEL, adj. Irreparável. Mon. L. 
-r f crn verda — . Cron. Cist. Prol. , . 

^*tÚrEDU7ÍVEL, adj. Que se nâo reduz, m- 
^'Zf B;lno%erla\anL " irre^^.ívei; aos 

'TrSraGÁVEL , adj. Máxima , ^.mn. í.- 
refragavel ; i. é contra a qua -^O; h. que^. 
zer alleçar, fazer objecção : T^.tev.d^m , 
mayor qul toda exceiçáo , em quanto a prob. 

"^IrREGULÁR , adj. Que pecca contra as^e- 
cras : v. g. ediãcio — ; drama — ; foma 
lTa{Ro~U. re.i.0-; anómalo que nao se^ 
gue as regras geráes de conjugar. §. O que m 
correu em Irregularidade. 

IRREGULARIDADE , s. f. O defeito de ser 
itreeular , e não contorme as regras da arte . t. 
riid" l costumes nâo conforme a^ boa rno- 
ral ou ás regras da prudência. §. t. Lccles. in 
habiird .de par^a receber^, ou exercer as Orcens 
recebidas a qual provém do Direito Canon co. 

ÍRREGULÁkMÈNTE , adv. Com .rregulanda- 

^^ÍrRELIGIÍÍO , s. f. FaUa de religião ; \.Ji , 



IRR 

i de crença , "e pratka da moral Christá. Os cul- 
tores dos falsos Deuses também chamao nreli- 
mo o desprezo das ruas Leis sobre o culto : 
e o Deista chama irreligião a estupidez absur- 
da do Atheismo. , ^ . ,. •- 
IRRELIGIÓSAMÈNTE , adv. Com irreligião. 

Fallar — , viver — . . ,• • 

IRRELIGIOSIDADE , s. f. O ser irreligioso. 
IRRELIGIOSO, adj. Culpado, ou incurso em 
irreligião. Homem '-^ , acção , modo — , termo 
— .a irreligiosa affirma^ão doi que levemente 
jurão. Cathec. Rom. 

IRREMEDIÁVEL , adj. Que nao tem remé- 
dio ; desesperado: v. g. mal — . 

IRREMEDIAVELMENTE, adv. Sem remédio.- 
IRREMISSÍVEL , adj. Que se não pode , ou 
náo deve perdoar. Vieira. " ao peccado irret>us- 
sivel :" inexpiavel. « toda a sobredita pena se- 
rá irremissivei" 

IRR EMISSÍ VEEMENTE, adv. Sem esperança 

de perdão. , > i 

IR REMÍVEL , adj. Que se nao pode remir ; 

V. g. foro — . V. Remir. 

IRREP ARADO , adj. Nao reparado. ^ 

IRREPARÁVEL , adj. Que se nao pode re- 
parar , restaurar: v. g. dano , yerda , rmna — . 

IRREP ARÁVELMENTE , adv. De modo irre- 
parável : V. g. perdido — . 

IRREPREHENSIBILIDADE , s. f. O ser irre- 
prehensivel : v. g. a irreprehensibil.dade do sei» 
procedimento , da sua vida , e costumes. ^ 

IRREPREHENSÍVEL, ad). Em que nao ca- 
be , nem tem lugar a reprehensáo -, sem culpa , 
nem defeito, que a mereça. 

IRREPREHENSIVELMENTE, adv. De modO 

irreprèhensivel: v. g. vi\-cr—, proceder—. 

IRRESISTÈNTE , adj. Que nao resiste. 

IRRESISTÍVEL, adj. A q'ie se não pode re- 
sistir í V. <^> forca ; poder ; evtdaicfa — . 

IRPvESÔLUq-ÍO , s. f. Falta de resolução, 
indeterminação, incerteza ; vaciUação do an.mo , 
que hesita. Vieira: '' irresolttcao m conselho, c 

"^RRESOLÚTO , adj. Que hesita ; indjtertni- 
nadd : v. g. estar — . §• -^er — : não saber daY- 
se a conselho , nem detetTTiinar-se no que se 
ha de fazer; atado, enleyado. %. Pri^blema-i 

não resolvido. , . , 

IRRESCLÚVEL , adj. Que nao pode resol- 
ver se : v.g. problemas — , questões — . V- t- .<i« 

Med. tumores — . . , ■ Ja 

IRREVERÊNCIA, s. í. Falta de respeito, dâ 

''TrReWenCIAR, V. at.' Tratar com irrev^ 
rencia " lu^ar santo , que <« Mí^^í»" "^''Ç^* 
sujaváo, e ineverenciax^âo." fam. d' Aveiro , c. Aj. 
^REVERENTE , adj. Em que ha falta de 
revecencia ; v. g. palavras — • ^^^^^ 




IRR 

IRREVERENTEMENTE , adv. Com irreve- 
lencia : v- g. falhar — , assistir d missa — . 

IRREVOCAHLIDÁDE, s. f. O ser irrevogá- 
vel. Lets Joscf. uao pode haver ud — . 

IRREVOGxVVEL , ad). F^iiã c SoUsa. o irre- 
vocável Acherome : que se não pôde fazer vol- 
tar Jtraz. §. Doilyio — i inevogavel. rlus Sanct. 
y. de S. Plácido. '* às mentidas evocações dns 
alm.is irrcvocãvái.^'* §. O empo — ; q«e se não 
pode Fazer tornar atraz. 

IRREVOGÁVEL, ad]. Que se não pôde re- 
vogu: V. g. — demto, let. Fidia,. vontade — . 
§. Palavra — ; que se náo pode fazer tornar 
a traz , e que seja náo pronunciada. 

IRREVOGAVELMENTE, adv. De modo ir- 
revogável : mando/i , probibi/í , decidiu — . 

IRRlGAqlO , s. f. Banho leve, a modo de 
-quem rega. sobre as costas bmas irrigações de 
leite de peito. Curvo. 

IRRISÃO, s. f. Zombaria rindo, desprezo. 
Vieira, seja riso , mas não seja irrisão vossa, 

IRRISÒR , s. ra. O que escarnece rindo-se , 
fazendo zombaria ; mofador , derisòr. 

IRRISÓRIO , adj. De quem se ri por zom- 
batii. cláusulas ridiçuUs , e irrisórias : expressões 
irrisórias. 

IRRITABILIDADE , s. í. O ser irritável ; C- 
de Med. a irritabilidade dos nervos. 

IRRITAQ-SO , s. h O acto de bzet irrito , 
e declarar nulio : v. g. " irritação ào voto.^^ 
§. O acto de irritar ; i. de Med. §. O ser irri- 
tado : V. if. a irritação da fibra. 

IRRITADO , part. pass. de Irritar. Feito ir- 
rito , atinullado , invalidado. Leão , Cron. Jf. 5. 

IRRITAMÈNTO , s. m. t. de Med. A irritação. 

IRRITANTE, pait. at. de Irritar. Que irrita. 
y. Irritar. 

IRRITAR , v. at. t. de Tbeol. Annullar : v- g. 
irritar os votos ; as condiç^õcs. Prompt. moral. §. Es- 
timular , exasperar , indignar. §. Pungir , e pi- 
car; diz-se entre os Médicos, que os humores 
acres irritão ; põem em grande agitação, pungin- 
do , e picando , e causão contracções. 

IRRITATÍVO, adj. V. Irritante. 

IRRITÁVEL, adj. Sujeito á irritação no sent. 
Medico. V. Irritar. §. Que pôde ser irritado , 
annullado. §. Que se irrita , e ira facilmente. 
a irritável condição dos mãos poetas , fez que se 
dicesse : "Que os Poetas tem odios do diabo.'^ 

IRRITO , adj. V. Nulb. Voto irrito , promessa 
irrita , e nulla. 

-i IRROGÁDO , part. p. de Irrogar. a pena — 
feia Lei ; d jnjitria irrogada ao patrono ; éi-c. 

IRROGÁR , v. at. Impor , trazer , causar : 
V. g. irrogar tmxa pena -^ ueogzr ignominia. 

IRRUPÇÃO , s. f. Entrada hosul , c violen- 
ta ; correria nas tenas do inimigo : V. g- na ir- 
rupção dos Alanos, 
i 



ISE 



183 




ÍRTO, adj. V. Hirto. B. 4. 6. 2. respondia 
com palavras irtas i i. c, duras. lued. ?. 547. 

ISABEL , adj. Cavallo isabel. V. Cavallo, 

ISAGÓGE , s. f. Rudimentos , princípios ele- 
mentares , introducção : v. g. a isagoge da Dia' 
lectica. D. Franc. M, Cartas, " isasoge , ou anti- 
loquio.'*'' 

ÍSCA , s. f. O peixe , ou carne , que se póe 
no anzol , para tomar peixe. §. A matéria em 
que se recebem as faiscas feridas com fuzil da 
pederneira , para se accender lume. §. f. Attta- 
ctivo i anegaça ; pieyo de coramunicaçâo : v. g^ 
as delicias são isca dos vidos ; a riqueza isca de 
mos. Barr. Fie. Verg, f. 2(js* — «« ^«"i tempo- 
rdes. Barr. i. ^. i. 

ISCADO , part. pass. de Iscar. §; f. Tocado : 
V. g. " iscado da peste." Barros , i. i. c. i. 
íig. Iscado da heresia , da libertinagem dos 
mãos : madeira iscada cem bnu , e azeite (para ar- 
ier facilmente). B. 2. 6. 5. olhos iscados ííe íer-- 
nura , com que os amantes a cardumes pesca : p<i-. 
lavras iscadas d'enganosas do^ttras , <i''C. 

ISCAR, V. at. Pòt isca: v. g. " iscar o anr 
zol." Bem. Lima , /. 75. cevar. 

ISCHIÁDICO , adj. t. de Anat. Feya ischiadi- 
ca : uma das duas veyas saphenicas , alias c/âíí' 
ca. 

ÍSCinON , s; m. t. de Anat. A ultima parte da 
osso sacro , que está debaixo do espinhaço ^ 
com uma concavidade, cm que se encaixa a 
osso da coxa. 

ISCHÚRIA , s. f. t. de Med. Total etnbaraço da. 
urina , por obstrucçáo da bexiga , e é , ou legi- 
tima , alias suppressão baixa ; ou espúria , por 
outro nome suppressão alta. Luz da Medic. 

iSENQlO , s. f. O ser isento , livre , desobri- 
gado ■■. V. g. a isenção de tributos , e obrigações 
civis ; da fsi , de subordinarão , <ò'C. Imm unida- 
de ; independência : v, g- a isenção de PortU'^ 
gal ; a sua isenção , e soberania. M. Lns. §. Es- 
pecie de esquivança , que consiste em se dar 
por desobrigado das demonstrações de amor.. 
Camões , Canhão. 5. wo vossas isenções , e «;i- 
nbas dores. 

ISENTADO , patt. pass. de Isentar. Palm. P. 4. 
/. 50. f. o Reino leria isentado dos inimigos y 
que o cercavão, 

ISENTAMENTE , adv. Com isenção : v. g. 
responder — ; esquivamente. Prov. da Hist. Geneal. 
T. 5./. 568. §. Livre.de todo ónus, foro, en- 
cargo , &c. 

ISENTAR , V. ar. Dispensar , eximir , conce-- 
der immunidade : v. g. isentar dcs cargos ; isen- 
tar de reconhecimento de superioridade, ou subcV" 
iiinacão. Lobo. isentou a Ordem de Santií^go de 
Portugal da Hespanha : isentar o povo de irih'c- 
'os; o soldado da obrigarão. §. Fazer de condi- 
1 çáo isenta, Aíílevraf. J. 58^- 

ISEN- 



^í' 



.;i 



í 



" 1 




ISENTIDÍO , s. f. Isenção ; o ser isento de 
coidiçáo, ou de ónus, encargos, foragens. H. 

Pinto. , . , . . , 

ISENTO, adj. Lwre, desobrigado: v. g. isen- 
to de ir á guerra ; não ha homem isenro das 
Leis da natureza ; isento da jrtrhdic^ío ordiná- 
ria ; isento de violência : não ha quem fcja isen- 
to d? amor. Camões , Écloga 5. §. Reino tsento ; 
que náo conhece , nem deve vassallagem , ou 
serviço imposto por outro. M. Lm. Tom, 5. 
/. 169. col I. §. O que se náo cativa, ou ren- 
de ás mostras de amor , e benevolência, Paiva , 
Cas. ?. §. O que diz livremente o que entende, 
sem' resguardar temor , ou interesse , ou outro 

respeito. , ^ . , 

ISÓCELES, adj. t. de Geometr. triangulo —; e 
o que tem dois lados iguáes. Elementos de Eu- 
clides ^ L. I. , T-. . T 1J J 

ISOCHRONISMO , s. m. t. Físico. Igualdade 
de tempo , em que se faz alguma coisa ; v. g- 
cm que dois pêndulos íazem as suas vibraçooe. 

ISÓCHRONO , adj. t. Fisico , Que e igual em 
tempo : v. g. as vibrações curtas dos pêndulos 
iguáes são isdchronas. ^ 

ISÓGONO , adj. t. de Geom. De ângulos iguaes. 

ISÓPE. V. Hysope. 

ISOPERÍMETRO , adj. t. de Geometr. De pc- 

rimetro igual. 
• ISóPHaGO. V. Esophago. 

ISOPLÈURO , adj. t. de Geometr. Triangule 
isopleuro ; que tem os 5. lados iguáes. 

ISÓPO. V. Hysopo. 

ISÓSGELES , adj. t. de Geom. Triangulo — ; 
que tem 2. lados iguáes, . , , , , 

ÍSQUE, s. m. (do Inglez Wtsk) Jogo de 
Cartas, em que se reparte o baralho todo aos 
4. parceiros , e se levanta um trunfo , que e 
a ultima , que o pé , ou quem as dá , recolhe 
depois da primeira puxada. ToUnt, Son, 44- Oar- 
ção escreveu Wiskç- 

ISSECUTÒR. V. Executor. Elucul. 

isso , variação masculina do adj. articular 
Esse: usase sempre ellipiicamentei i.* quando 
náo queremos, ou não sabemos nomear a coi- 
sa próxima á pessoa com quem falíamos : v. g. 
que é isso que tendes nas mãos i não mostreis is- 
so aos Senhores , quero que adivinhem o qie tra- 
zeis ai: 2.° usamos de isso, quando náo que- 
remos repetir o que outrem nos disse, e o re- 
ferimos ao seu dito '. v. g. isso que me dizeis e 
acertado. §, Isso quando se ajunta com o ar- 
ticular todo, esie se usa na variação tudo. Isso 
náo varia em número. §. A)unta-se çom mes- 
mo. „ _ 

ISSÒUTRO , por essoutro , vem em. Fernão 
Mendes, c. 8?. Ediç. de 161 4. e o lugar pe- 
de que se)a issoutro , porqr.c quem talla refe- 
re este articular ao discurso de outra pessoa , 



no qual caso usamos de isso ( V. Isso ) , mas 
em Palmerim, P. :}. c ^z. vem ewowíro no mes- 
mo sentido, façamos nos jd agora nossa justa , 
que se essoutro , q'*e dizeis jora possível , <áfc. 
o mesmo na ediç. de Mend. P. em 1725. eit. 
cap. V. Isto. 

ÍSTHMO , s. m. Estreita facha de terra en- 
tre dois mares , ou porção de terra estreita , 
que communica uma península com a terra fir- 
me t. de Geograf, 

ÍSTO , variação mascul. de Este , da qual 
usamos como de isso , com a difFerença , ^ue 
isto se applica ros objectos próximos a nós, 
ou que nós trazemos , ou áquillo que dizemos : 
V. g. isto que vedes é um diamante : adivinhai 
que é isto , que tenho fechado na mão : isto que 
acabo de dizer. §. Não tem plural ; ajunta-se com 
tudo , e mesmo : v. g. tudo isto ; isto mesmo. Bar- 
ros na Gramraatica dis , que é variação neu- 
tra , mas nós não temos nomes de género neu- 
tro , e isto concorda com adjectivos na forma 
respondente aos géneros masculinos : v. g. isto é 
bem dito , bem feito , está averiguado , <ò-c. isso 
era bom; naas isto ( assi não fora elle verdade!) 
Sabei que Amor usa de enganos. Sa de Mir , 
onde elle masculino se refere a isso. 

ISTORIÁL , s. m. ant. Historiador. Cron. de 
D. Pedro de Menezes , r. 16. o grande Istorial 

Romano Tito Livio. 

iSTRlãO, s. m. V. Histrião, (do Lar. flJí- 
trio i onis) Fieira diz Estrião , Tom. 4- /• 25^, 
col. I. 

ITEM , adv. Lat. Significa também ; usam.os 
delle , qu.indo se fazem vários artículos , e enu- 
meração de coisas , nas Leis : v. g. Prohibo que 
entrem chapeos ; icem vteyas de seda ; icem joyas , 
é'C. §. Subst. Estar aos itées com algUem i i. é , 
á conta com elle ; e f, em altercações •. em re- 
cados , e repostai. CrtíMM. 5./- M<5. §. f. Por^ 
se o espirito aos itens com a carne; disputar-lhe 
a victoria , ou tomar .contas a consciência ás 
paixões, Conspirai^ão , f. ??V 

ITERAR, V. at. Repetir. " estas Sacramen- 
tos náo se hão-de iterar." Cathec. Rom. f. 209- 
ITINERÁRIO , s. m. Livro em que se con- 
tem a descripçáo da jornada , ou viagem , que 
se fez : v, g. o Itinerário; íÍ/í Terra Santa, o de 
António Tenreiro. Barros, i. /. 171. f- " modo 
de itinerário maritimo. 

ITINERÁRIO , adj. Que respeita a caminhos : 
V. g. medida itinerária. ■ \- 

ÍVA , s. f. t. de Med. Herva officinal {chamxpi- 
ívj,- yos^ Ha outra dita muscata , ou arteiica^ 
íabiga, ou ajugfl , x) Veia Tva.y ' i. 
1X1 DO , IXUDO , s. m. ant. V. Eixido. 
IZÈNTO , e deriv. V. Isenção , Isento , &e. 



) 



JAB 



JAC 



185 




J, s. m. Consoante , que modifica o son\ das 
vogács , a qvie precede , do mesmo modo que 
o g antes' do e , e do í : vulgarmente lhe cha- 
mão i cousoame ; denominação absurda , por- 
que estas Lettras nada tem de commum , nem 
na figura, nem na essencial dilFetença , porque 
i representa um som próprio , ou vogal ; e J 
representa a modificação de um som , ou con- 
soante : melhor se lhe chamara je , e ao ^ 

sue. 

JÁ , adv. Neste tempo , a este momento : 
V. g. já vejo; já estd feito. §• "^d mais: nun- 
ca , em nenhum tempo. Ulissea , 2. 79. §. Nes- 
te momento , sem demora : v. g. saia, , pana 
já , fa^x já e logo. %. Noutro tempo ; quando 
se une a participio do pretérito. Piol. dtiLusit. 
Transf. Na vossa Liisitania , terreno já tão cul- 
tivado. §. ^d que : logo que , tanto que , quan- 
do. Histor. de Isea, f. 15?. «• V;sto que. it. 
Quando: v. g. e já que ia levando da espada 
vara o ferir. Palmeir. i. P. frequentem, n. Ex- 
prime concessão. Leão , Discnp^. /. 29. e ja que 
as Sybillas adivinhassem por gra^a Divma .... 
mo se havião de mova as pedras , em que es- 
tavão os seus vaticinios ; ir. ellipt. per : e conce- 
dendo jd que as Sybillas , ou dado jd que p-c. 
§. "^d ajunta-se ás aifitmaçóes , ou negações , 
para lhe aogmentar a íorça : v. ^. andai , e re- 
volvei, já eu eide passar esse gyrao. Eufr. Prol. 
não já que eu o dezeje ■■, nunca já tal faret ; ja 
disto são sôfregas. Eufr. f. 207. §. Talvez se re- 
pete o adv. para dar a entender, que caímos 
no que náo nos occoiria: v. |. já, já, disse o 
cavalleiro , entendido sois vos. Barr. Qar. /• Uô. 
coi. I. nihalp. Ato 5. SC. 2. Ferreira, Cioso, 
Ato 4. SC. 6. §. Jd usa-se tubstanc, ou com 
preposição expressa ; v. g. " desde ja : desde 
este momento. 

JABOTIGÁEA , s. f. Fruto da pboticabeira , 
Brasil, é redondo como uma grande cereja ne- 
gra i a casca náo se come , e c mui astnngen- 
tc; tem um sueco mui doce, e caroço espon- 
joso ; nasce pegado imnied latamente aos troii- 
C03 , e ramos da arvore. Fasconçellos , Not. f, 

JABOTIGABÈIRA , s. f. Arvore grande , de 
tronco , e ramos múi lisos , casca delgada , que 
perde anmaalmente , ou antes todas as vezes 
que dá uma camada , e novidade de trutas ; e 
nos anno» chuvosos acontece dar cinco ou sejs 
novidades , e outras tantas vezes largar a casca 
exter or do tronco , e ramos , para ria casca no- 
va brotar a flor , que é miudinha , e branca , e 
depois o kuto ai mesmo : tem a folha peque- 

Jom. //. 



na , da feição de lança múi aguda j dá a jí- 
boticaha , e vive no Brasil. 

JÁGA , s. f. Fruta Asiat. e Brasil, na Asia se 
chama duriâo ; é como uma grande abobori 
coberta de uma casca , que parece como lixa 
mui grossa , e dentro uma massa branca ou an- 
tes amarella , quasi como gemma de ovo , fi- 
brosa , entre a qual como gomos esta a par- 
te que se come , e é múi doce ; p truto 
pende do tronco, e ramos por seu P^» e da. 
desde quasi o pé da arvore. Barros , ?. D. f. 
1^5. f. §. Bolça. B. P. e Cardoso. levQ a jaca 

teve. Bem. Lima. 

j ACARA , s. f. Tonilho era quartetos , com 
que se acompanhavão as loas , ou cantijgas com- 
pridas narrativas. Guia de Casados , /. 77. ?• 
cdic. Id. Cart. 1^. Cent. 4. .. 

JACARANDÁ , s. m. E' madeira Brasil, rija ,' 
e algum tanto aromatisa ; a madeira e preta , 
talvez com suas veyas arroixadas , ou branca ; 
serve para tazet moveis de casa, grades ; para 
cobrir madeira ordinária , fazendo-a em lami- 
nas , e para marchetar. . 

JACARANDÁTÀN , s. m. Espécie de jacaran- 
dá , interior, e náo preto, mas roixo, esbran- 
quiçado. , • • i 

JACARÉ, s. m. ou Jacarco. (« primcro ^ 
mais commum no Brasil ) O mesmo que o cro-, 
ccdilo , ou lagartos do '. ar múi grandes. 

J ACATA , s. m. ]ãpon.^z ; Rei. Luzen. /. 402. 

lÁQA , s. f. Emre os Joalheiros ; qua.quer 
coisa heterogénea , que se vè dentro da pedra 

fi"2. . _• ^ j- 

JAQA , variação do presente conjunctivo de 

Jazer: antiq. r» ;,. - 

JACENTE, patt. prés. de Jazer, t^ue jas, 
está sito : V. g. terras jacentes ao Poente. %. He- 
ran^a jacente ; a que ainda não toi adida , ou 
repartida entre os herdeiro?. Orden. L. ?. i . 00. 
§. I, §. Que está por baixo, a jacente agua 
molhe (a nuvem chovendo). Lus. F. 22. 
JACENTES , 9. m. pi. Baixos no mar. tpa-, 

naphoras , í. 207. , „ _ 

JAGINTÍNO , adj De jacinto. Camões , LUs, 
IX. 61. " flores jacintituis." 

JACINTO , s. m. Flor , vulgarmente dita lí- 
rio azul. §. Pedra precio-^a •, o Oriental e cor 
de casca de laranja; o de Portugal, cor da 
malmequeres ; o gib.idinho é o de Bohemia , 
vermelho como escarlata. {^hy.i:inthus) 
JACOBÍTAS , s. m. pi Nome de uns here« 

ges. Barros , ^. /. 87. • !• ,,; 

JÁqO , primeira pessoa do presente indicati- 
vo de Jazer ; jd^a , terceira pessoa ao presen- 
te do Subiunctivo. Eufr. 2. 7. N». 

JACTÂNCIA, s. f. O acro de jactar-se ; o 
blasonar , e vangloriar-se , era palavras : utania. 

JACTANCXÒSO , adj. Que se jacta ; V. gj^ 
Aa *"^"* 



v^ 



'i 



^ 




JAL 



JAN 



tttem — . Fieira. " jacmncioso de ser senhor de 
•sua casa:" ubno. 

JACTANTE , part. at. de Jactar, Jjcrancioso. 
Ltidada , IX. 45, 

JÁGTÁR-SE , V. at. reflexo. Glofiar-Se , ga- 
bar-se. Vaiconc. Not. " jacte-se embora o antigo 
mundo de seus famosos rios.'^ esta casa de que 
vos jactáes ser senhor. Fieira. 

JACTO, s. m. Tiro, acção de lançar; v. g. 
** o movimento violento ne mais vagaroso na 
mera , que no jacto." Farella. " "Jactos , e bo- 
tes cruéis de suas pontas." Alma Jnstr. §. De 
mt jacto : de uma vez. Fid. da Princeza D. "Joa- 
na. ♦' levado por partes , e não de um jacto." 
§. Fazer tantos jactos , o que tomou purga : ter 
tantas correnças em froxo mayor , quando vai 
á cadeira furada. 

JÁCTÚRA , s. f. Perda , damno. Fida da Rai- 
nha Santa. Camões , Eleg. 10. p. usado. 

JACULAÇáO , s. t. Tiro. a jaculaçáo da es- 
copeta; o que cila cursa, o seu alcance , o es- 
paço que seu tiro vinga. Relação do assacinio. 
|. f. " Chàma-me herege , heterodoxo , &c. eu 
perdoo estas jacítla^Ões." Pina. 

JACULÁDO , part. pass. adopt. do Latim. Feri- 
do com tiro d'arremesso , rayo , &c. 

JACULADÒR , s. m. poet. Que fere com rayo , 
lança , 8cc. 

JACULATÓRIA , adj; Orarão — ; aquella com 
que o espirito se levanta a Deus. Também se 
usa substant. uma jaculatória. 

JAEZ , s. m. JDeste jaez ; i. é , desta sorte , 
deste género. Mon. Lus. T. i.f. 16^. col. 2. f. 
Jaezes. 

JAEZÁDO , part. pass. de Jaezar. Lus. ^. 107. 

JAEZÁR , V. at. Ornar , apparelhar o cavalío 
ieom os Jaezes. V. Ajaezar , e Enjaezar. 

JAEZES , s. m. pi. A sella , ireyo , peito- 
sú , e mais arteyos da besta mais ricos , ou cu- 
riosos. 

JÁGARA , s. f. ou JÁGRA. Assucar feito de 
cocos , na Ásia. Barros , ^. 5. 7. " e jdgara , 
que se faz d'elles ( cocos ) a modo de açuca- 
re." Noutro lugar diz jagra , e lagra. Couto , 
7./. 2^4. c. I. Samos , Ethiop. Or. P. 1./. 88. 
col, z. jagra. Jagra , Coes , Chron. Man. I. P. 
tap. 42. 

JAGÒNÇA, s. f. Pedra preciosa de que faz 
menção Resende , na Miscell. e Góes , Cron. Man. 

P. 2. C. II. 

JALÁPA , s, f. Planta Medicinal purgativa. 
{jalapoum, jalappa vera; admirabilis Peruviana) 

JALDE ; adj. Còr amarella accesa. 

JALDÈTE, s. m. jogo antigo prohibido na 
Ord. Jj. 5. 41. §. II. 

JALEA , s. h Cerca embarcação Asiática. Quei- 
tós. 

JÁLNE , adj. ant. Jalde , amarello. ( do Fran- 




cez jaulne , jaune ) 

JALÒFO , adj. no f. Rude, boçal, bárbaro. 

JAi.lACARÚ. \^ Urnmbtbíi. 

JÁMÁíS. V. jf .-3!. Nunca. Canu Egl. 2. '' Ja- 
mais pude c'o fado ter cautela, Nem houve 
nunca em mim contentamento.'^ Idem , Lus. II. 
52. Q^e ci:hara jamais cantou victoria , Que assi 
rnere:a eterno nome , e gloria. 

JAMBEIRO , s. m. Arvore que Já jambos : 
t. da Ásia , e Brasil. 

JÀMLICO , adj. t. da Metrif. Lat. Fasos — ; 
em que eniráo rnúitos pés jambos,, ou pés que 
conscáo de uma syllaba breve , e outra longa : 
V. g. Diõ. 

JAMBO , s, m. Fruto do Brasil , como um 
ovo, loiro, esbranquiçado, ou tirante a cor de 
gemma de ovo , e coroado por baixo de ver- 
de ; a casca grossa , que tem um cheiro deli- 
cioso como rosas , é a que se come ; tem den- 
tro o caroço solto , que é redondo coberto de 
uma túnica parda , e chocalha dentro do fru- 
to. §. Pé de verso Latino ; .consta de uma syl- 
laba breve , e outra longa. §. Jambo , adj. pé 
jambo. V. Jambico. 

JÁNDO , adj. antiq. v. g. e qUe jando era í 
i. e , que tal , em bondade , ou formosura, 
Men. e Mo^a , /. 14. ^. bem podeis ver que 
jando era então ^ pois agora o he tanto. V. Fer- 
reira , Bristo, f. 68. Ulísippo y f. 142. Cron. do 
Condest. c. 80. no Argum. 

JANEIRAS , s. f. pi. Cantigas , ou musicas , 
que se daváo no primeiro dia do anno ; e as- 
sim presentes dados por boa estrea. Fida de Su- 
so, cap. 10. Cron. de D.J. i. por Leão, em foi, 
pag. 209. •' peça que se lhe costumava dar de Ja- 
neiras." Couto, 7. 10. 12. Epanaphoras , f. 127. 
Edic. de \66q. a fim de se lhe cantarem certas 
benções , e rogativas , costume de nossos anciãos , 
que com nome de Janeiras cntoavão placidamentc 
pelas portas dos mais caros amigos , lí^c 

JANEIRÈIRO , s. m. O que canta janeiras 
^ieiV^ , Carta 105. 

JANEIRO , s, m. O primeiro mez do nosso 
anno, tem 31. dias. 

JANÉLLA , s. f. Abertura na parede da ca- 
sa para entrar luz , c ar , mayor , e m.iis bai- 
xa que a fresca. §. Pequeno claro , onde falta 
alguma palavra na escriptura , ou postilla , que 
se toma. 

JANELLÈIRO , adj. Que sempre está á ja- 
nella. UUsippo, f. 24. ;!^. " moças jamlkiras." 
JANELLÈTA, s. f. dim. de Janella. Castanhi 

JANELLINHA, s. f. dim. de Janella. 

JANÈTA, s. f. ant. Animal gmeta. Elucidar. 

JANGADA , s. f. Grade de páos múi leves 
bem unidos , talvez com taboado por cima ; so- 
bre ellas se navega á vela. §. Paos dii^potos 

CO- 



JAP 

COMO jangadas ; i. c , unidos longitudinalmente , 
talvez cm duas camadas , e deste modo se con- 
duz a madeira desbastada pelos rios , ou por 
mar; aliás balsas. Croii. J. 3. P. z. e. yç. ma- 
deira de pdos . . . de que Jizerão jangadas atra- 
vessando hinis sobre os outros , q-ee hrtmas erão 
de 7,0. oinias de 40. páos , &-c. §. Na Ásia , é 
o Naire , que por certo premio empsnha sua te 
de livrar, defender, e proteger ao Portuguez , 
a custo de sua vida; c se olfendem ao seu afi- 
lhado , elle com sua parentella vingáo o oífen- 
dido , ou morrem na empreza. F. Couto , Dcc. 
4. L. 7. c. 14. /. 146. ;I^. col. 2. e Pinto Pt- 
reirit. 

JANGÁZ , ad). vulg. Homem múi alto. 

JANI-\NES. Uva janianes ; uma espécie , que 
aponta Aiarre. §. Homem de baixa sorte sem 
nobreza : v. g. pague-se ao Genestloghta.^ e Ja- 
nianes st converte em dom Tedom , e Marta San- 
ches em D. Ximena. 

JANÍQARO : V. Jantzaro: corrupto do Tur- 
co "janglichiari. Barr. 4. 4. \6. §. Corretor de 
Bulias na Cúria Romana. 

JANÍSSARO. V. Janizaro. Couto , 7. 7. 7. 

JANISTRÓQUES , s. m. r. vulg. Homemsinho 
de baixa estola. V. Janianes. 

JANÍZARO , s, m. Soldado Turco de Infan- 
taria da Guarda do Grão Senhor. 

JANTAR , s. m. A segunda das três comidas 
legulares do dia , entre o almoço , e a ceya , 
ou antes da merenda. §. Porção de dinheiro , 
que as Villas , e Cidades daváo aos Reis, quan- 
do íáo de correição para sustento de sua co- 
mitiva. M. Lfís. T. 5. / s]. cap. 27. dava-se a 
Bispos. 

JANTAR , V. ar. Comer ao meyo dia , ou co- 
mer depois de almoçar. §. Foragem , que se 
pagava ao Senhor da terra , quando ia a ella 
uma vez no anno. V. Elucidar. Art. Colheita. 
Também se pagava aos Senhores Reis ; e aos 
Bispos , quando visitaváo. 

JÁO , s. m. Medida itinerária da Índia ; cada 
jáo são 4. léguas e meya Portuguezas. F. M. 
{. 107. col. 2. . 

JaO DA CADENETA, s. m. Um jogo de 

ftiininos. - c j- 

JAO DA CRUZ , fr. vulgar , que significa di- 
nheiro : V. g' " faltou-me J?i,o da Cruz." 

JÃO-WIJÃO, s. m. pleb. Homem desairoso. 

JÃO-PANÃO , s. m. pleb. Homem trapento. 
B. P. traduz : inerte , para pouco. 
f JÂO-REDÒNDO , e Maria das flores. Nomes 
que dão aos bonecros , que os cegos mostráo , 
e fazem bailar. 

JAPINABÈIRO , 8. m. Arvore Brasil, frutífera, 
cujos frutos como grandes maçáas se comern , 
c dão tinta , com que os índios se enfeitáo. 
Vaiconç. Not, /. 266. talvez o Genipapeiro. 



JAR 



187 




( JÁQUE , s. m. Roupa , ou alfaya , ou ar- 
' reyo. ant. trazer velUido em jaques , e escofias, 

JAQUEIRA , s. f. Arvore , que da jacas na 
índia , e Brasil. 
JAQUEIRÁL , s. ra. Lugar onde ha muita» 

jaqueiras. CotUo , 5. 6. 4. 

JAQUETA , s. f. Cazaqueta de acolxoado , 
ou coberta de malha de ferro, para defender 
o corpo. Leão, Cren. J. 1. foi. 78- col- i. ^ 

JAQUETÁDO. V. Enxaquetado. t. de Brasão; 

JARDÍM, s. m. Porção de terra cultivada, e 
plantada de flores. §. Jardim das nãos; correr 

dor da poupa. . ,. ■ 

JARDINEIRA, s. f. de Jardineiro. _ 
JARDINEIRO, s. m. O que cultiva jardim; 
JARERÉ , s. m. t. do Brasil. V. Redefolle. « pes' 

car com jareré." ^ ' 1 , 

JÁRO , s. m. Herva , alias pc de bezerro. 
( jarus , colocasia , pes vituli ) 

JARRA, s. f. Vaso de barro para agua, pól- 
vora , &c. 

JARRÈTA , s. c. ou antes, ad^ Homem que 
veste mal ao gosto antigo. " é um jarretA,^ 
( talvez de Charro ? ) r r^ 

JARRETÁDO , part, p. de Jarretar. §. fig. Dece- 
pado , incapaz de acção , derribado. " eu jenho 
derribado o mundo, eu o tenho jarretado. Pai- 
va ^ S. T. ICO. ;;í^. 

JARRETAR, V. at. Cortar os nervos das 
juntas por dettaz : v. g. — o boi , para o fazer 
cair, e matá-lo. §. Cortar pernas, ou braços. 
M. Lus. '' jarretado das pernas." Vieira. Jertwo, 
jarretou-o, watoU-0. §. f jarretar as esperait- 
ças.» Fieira, T. 4- "• 37- §• ^- Impossibilitar al- 
guém para fazer al-uma coisa , como o boi jar- 
retado fica impossibilitado para andar. Lemos , 
Cerco. " a perda das gales , e dos soldados , que 
o penetrou mais , e o jarretoií." Arte de Fur^ 
tar f. uv '* sua mesma fortuna os carreta. . 
" Das ' razões com que este argumento se jar' 
reta." Pinto Rib. Rd. IH. n. 57- , . 

J \RRETE , s. m. Jarrète do boi , OU outro 
animal, é nervo, ou o tendão da perna do boi, 
e outros animáes , cortado o qual eUes nao po-, 

dem andar. 

JARRETÈIRA , s. f. A liga de atar a meya: 
§. Ordm da — : dizem que esta Ordem de Ca- 
vallaria Inglcza foi instituída, por occasiao de 
um Rei de Inglaterra levantar do chão a liga 
da meya , que caíra á sua dama , que era uma 
Condessa de Salisbury. 

JARRÍLHOS , s. m. pi- Cura de -— , e cura 
eallica, feita com bebida de certos púcaros de 
?osimento de salsa parrilha. §. Cosmmo dos car- 
rilhos ; i. é , de salsa parrilha. Madeira , f 80^ 

P I 
*JÁRRO , s. m, Vaso com asa e bico , em 
Aa ii *1"® 




JAZ 



JEJ 



que se traz agua para lavar as mãos , e por 
elle se vasa sobre ellas na bacia de agua ás 
máos. 

JÁSGA , por jaza , de Jazer, ^iie jasca em 
Leito : que esteja de cama. Docum. ant, 
JASÍGO , s. m. V. Jazigo. 
JASMIM , s. m. Uma flor branca vulgar , de 
cheiro mú\ delicado. 

JASMLNÈIRO , s. m. Planta ramosa , cjue pro- 
duz o iasmím. 

JASPE , s. m. Pedra parecida com a ágata , 
senão que c menos limpa , e mais dura de la- 
vrar ; é de uma còr só , ou de varias ; o mais 
estimado é o verde , salpicado de vermelho. 

JASPEÁDO , part pass. de Jaspear. Mármore 

— . Leão , Descr. c. 4. da cor e teiçáo do jaspe. 

Vasc. Sit. f. 1 55. mármore jaspeado de vermeiho. 

JASPEÁR , V. at Dar as cores do jaspe : 

V. g. jaspear Um papil ; as folhas do iivro. 

JATEMÁR. Arvore de madeira da Ásia. F. 
'Mend. c. i4?« 

JAVALÍ, s- m. Porco montes. 
JAVARANDÍM, s. m. Raiz Brasílica ofRci- 
nal. 

JAVÈIRA, s. f. Certa embarcação da carrei- 
ia de Setúbal. 

JAVRADÈIRA , s. f. Instrumento de tanoei- 
10 de abrir os javrcs. 

JÁVRE , s. m. Circulo aberto cm redor da 
borda das vasilhas de tanoa , no qual se em- 
bebem as taboas dos fundos. (Franc. j^We) 

JAZEDA , s. f. O lugar onde alguém jaz dei- 
tado, todas as runs acompanhadas de mortos , 
cdda um com aquella jazeda, que a sma derra- 
deira ventura o leixdra. Jzurara , cap. 90. 
§. i. Estancia dos navios na enseada. S- V. Ja- 
zida. B. 2. jol. 6. col. 4. com a md jazeda que 
O mar deu ao sair em terra: i. é, estando in- 
quieto. V. Jazigo. B. 2. 1. 2. e 5. " a fúria 
00 mar não dar jazeda." 

JAZER , v. n, c. de Geogr. Estar lançado , ou si- 
tuado: V. g. terras qae ja^em debaixo do curso 
ão Sol. Barros. §. Estar deitado na cama. Lo- 
bo y e Fieira. '^ Jazendo cada hum no seu lei- 
to.'i> e " jazia S. Inácio ... mal ferido." §. Es- 
tar enterrado : v. g. acjui jaz Simom Jmom , 
é>'C-. " onde o Profeta jaz." Lus. 7. 54. §. Ja- 
zer a herança ; não estar adida , on repartida 
pelos herdeiros. §. fig. Cair ^ e jazer em revel- 
íia: continuar na revellia. Ord. Ajvns. ^. f. 5)7. 
* jazet em reveltia quatro mezes ^ : « jazer na 
sentença de excomunhão ;" não se assclver. Ord. 
j^fons. 5. /. yy. §. Viver abatido. ■" o justo , e sá- 
bio jaz , e assi os deshonra ( o oiro ) , Que he 
necessário aos tristes contentar-se Scc.'^ ferreira , 
Põem. Tom 2. /. 15. §. Estar de assento. Esta 
dor jazia m.í alma com grandes raizes. Barros , 
i* I. ^. S. Estar lançado , quieto. " o vento 



jorme, o mar e as ondas jazem."^^ Llís. 2. 110." 
Jazer-se : estar deitado por vontade , e não for- 
çado. Camões , liedoml. " Jazia-se o Minotauro 
'^ á Italian^ si giaceva ) ." 

JAZERÃO, s. m. Couto , 9. 2^. estava o 
Governador com um jazerão miii forte , com suas 
mangas: era armadura defensiva do corpo. 

JAZERÍNO, adj. antiq. Outros escrevem Za- 
zcrino. V. ^zeriíio. Feito em Argel. Cdo Itai. 
Ghmzzjiiic ) 

JAZIDA , s. f. Acçáo de jazer na cama , po- 
sição do corpo de quem jaz. " cama tão es- 
treita , que não dava lugar de mudar sitio , nem 
jazida (do corpo ) .'^ Fida do Jrceb. i. 10. 
hum homem muito doente de não achar jazida na 
cama, se revolve de continuo. Paiva, S. i.f.iiz. 
§. Decúbito. §. Jazida , ou jirzigo do mar pa- 
ra desembarcar. Albuquerque , Comment. 

JAZIGO , s. m. Sepultura , enterro. §. Jazi- 
go da ca^a ; lugar onde ella se recolhe ; toca , 
ou ninho. Fasconc. Not. §. Dar o mar jazigo i 
estar quieto , pata se poder desembarcar. Cas- 
tanh. L. i. c, 21. P. Per. L. 2. 129, Andrade, 
Chron. i. c. 75. por causa do mão jazigo, que 
ali fazia o mar. Barros diz jazeda ; e Albuq. 
jazida. §. Saber o jazigo a algtimas coisas ; i. é. 
saber onde estão , em que consistem : v. g- sa- 
ber o jazigo d verdade , ás belkzas da Poesia , 
•é-c. Eufr. 5. 2. 

JEITÁR , V. antiq. Lançar , airemessar, §. En- 
terrar. Elucidar. 

JEJUADÈIRO. V. Jejuador. 

JEJUADÒR , s. m. O que costuma jejuar. 

JEJUAR , V. n. Abster-se de comer. §. Comer 
-ama só vez ao dia , e não carne, §. Jejuar a 
pão , e a^ua : comer uma só vez ao dia pão , 
e beber sò agua. §. Jejuar os ^. passos : jejuar 
] , dias da semana da paixão. §. íig. Jejuar de al- 
jitima coisa : ser ignorante : v. g. jejuaes de câm- 
bios , ^que é a verdadeira s.iencia. 

JEJUAR. (V. Jejuar^ Assim o escrevem al- 
guns, como Lua, Luar, por o pronunciarem, 
ou seja por mostrar a etimologia , onde analogica- 
menie se muda em nasal a vogal pura , a que 
se segue no Latim outra com n de per meyo : 
V. g. Luna , jcjuna : Romãa de Romana. Pai- 
va , S. u 89. f. se jejuais. Barros , Cartinha , 
/. 62. 

JEJUM , s. m. Abstinência de comer senão 
uma vez ao dia, e não carne. §. Borzeguins tm 
jejum ; sem meyas por baixo , ou múi largos , 
e cheyos de vento. Eufr. 4. 5. §. Jejum natu- 
ral : o estado do que inda nso comeu , nem 
bebeu nada no dia. §. ficar em jejum, f. não 
entender do que se ouviu : Deixar alguém ou 
jejum ; i. é , sem entender o que ouviu. Lobo. 

JEJUM , adj. O que está em je)um , com to- 
me, o farto do jejum não tem cuidoílo nenlmn : 



JOA 



JOG 



189 



adngio. azedo nos tcnvidndos jeiuns, e faminlos. 
Pinheiro, 2./. 95 tíg. ^s mrcez , de que nosso 
animo, aiitts d'isso jejum, era incapaz. Cathtc. 

Roíii. 654- , 

JEjl'NO,adj. t. de Anaiom. Intestino — e o que 
está pegado ao duodeno , e occupa cjuasi toda 
a região do embi-go. 

JELLÁLA , s. (. Asiar. Moeda de cobre , que 
valia i^ reis. Couto y D. 8, L. 4. c. 1. 

JENClONÁES penas, por couvcncictidcs j vem 
erradamente íml Ordetl. Aj. 4. i. 12. p/^g. 8. tal- 
vez de vir nos manuscritos "^vencionaes. 

JENIPAPÈIRO, s. m. Arvore que dá a fruta 
jenipapo, 

JENIPAPO , s. m. Fruto do Brasil , verde por 
fora , com uma massa , e caroço dentro , vulgar 
na Baía , e Pernambuco. §. Um sinal , ou ma- 
lha preta, que os mulatos tem vle nascença nas 
nádegas , ou pouco acima. 

JENOLÍM , s. m. Còr para iliuminar a Pin- 
tura, V. Aí acicate. Nunes , Jne, 
JENTÁR. V. Jantar; por uso. 
JERÁRGHÍA , s. f. ( f/; como i^ ) Classe: 
V. g- ha 5. jerarquias de Anjos no Ceo. A jerar- 
quia Ecclesiastica são os Pastores dos Fieis. 
§. f. Por Serafim. Camões , Ode 5. " vós minha 
fíicrarcjuia." 

JERÁRCHICO , adj, ( eh como q ) Ordem je- 
rarchica da igreja; i. é, dos Pastores, e Supe- 
riores dos Fieis. 

JEREPEMÒísíGA , s. f. Uma serpente Brasí- 
lica , que se fica immovel debaixo d'agua ; e 
dizem delia , que o animal , que a toca , fica 
tio pegado á sua pelle , que difficihnente o 
apartáo delia ; c seguro assim o leva ella para 
a agua. 

JEROGLÍFICO , ou JEROGLÍPHICO , s. m. 
Pintura emblemática , e significativa de concei- 
tos , como hoje o são as palavras escritas; to- 
ráo usados pelos Egypcios ; ou lepresentaváo 
ideyas mysteriosas da sua Religião. Fieira y 4- "• 
250 a es;e jerogiifico de Salamão, 

JEROPÍGA , s. f. A ajuda que deita a cris- 
talleira. Madureira. 

JESUÁTOS , s. m. pi. Religiosos , cuja Or- 
<3em foi «xtincta. 

JESUÍTAS, s. tn. pL Religiosos, cuja Ordem 
íoi extincta. 

JESUÍTICO , adj. De Jesoita : v. g- ories je- 
«uiticas , enredos — , intrigas — . 
JEZERÍNO. V. Jazer ino. 
JIBANÈTE. V. Gibanete, 
JÍBITEIRO. V. Gibiteira, 
JÓA. V. Jóia. 

JOALHEIRO , s, ra. O qae faz , e trata cm 
joyas. 

JOANETE , s. m. Mastro pequeno , ^ue vai 
aciraa 4o masiari o, §, Joanui-i : ossos xesalta- 



dos , e saídos nos dedos grandes dos pcs. Lobo. 
JOÀNGA , s. f. Embarcação Asiática. Castanh^ 

L. 8. /. 1 ?4. 

JOÁZ , s. m. Fruto vulgar no Bnxil. 

JOAZÈIRO , s. m. A arvore ^ ou arbusto j 
qde dá o jonz. 

JOB , s. m, atitiq. A galé toda atripulada de 
job a job , que não lhe ficava remo mamo. Ined. 
^. /. 285. e T, 2. /. ^78. o job da proa ; de u- 
ma fusrn. ( uõ Castelhano joba ) 

JOBÉLOS , s. m. pi. Nome com que antiga- 
mente tráo conhecidos os Hespanhóes , como 
descendentes , que se suppóem de Jobab. Aniigutd. 
de Lisboa. 

JOCOSAMENTE , adv. Por jogo , e brinco. 

JOCOSÉRIO , adj. Poema — ; cujo assumto 
é cómico , e ridículo , cantado porém ao modo 
das composições serias. 

JOCOSIDÁDE , s. f. A qualidade de ser jo- 
coso. §. Dito ) brinco jocoso. 

JOCOSO , adj. Faceto , que faz rir. CoUsas 
— . B. Gram. f. 281. ]ocósa Thalia; ditos jo- 
cosos : Carta, jocosa ; que contém jogo , galanta- 
rias , graças. Severim , Disc. 2. 

JOEIRA, s. f. Peneira de separar o joyo d<^ 



triga 



JOEIRADO, part. pass. de Joeirar, fig. as es- 
molas não havião de ser joeiradas por tantas mãos. 
M. Pinto , c. 6. 

JOEIRAR , v. at. Passar pela joeira. §. f. Se- 
parar o máo do bom , o verdadeiro do falso : 
V. g. ''joeirar verdades." A/. /.«í. §• f- " jfoe/rio 
trinta Bartolos , de que fazem huma Lei-'' £^: 
fros. I. ?. 

JOEIRÈIRA , s. f. 1 Pessoa , que joeira. 

JOEIREIRO, s. m. J » M" J 

JOEIRO , s. m. O que faz , e trata em joyas- 
( joeyro ) 

JÒÉL, $. ra. Um peixe, de que faz mea- 
ção Barreires. 

JOELHO , Sce. V. JueJho. 

JOGADO , part. pass. de Jogar. §. Jogado aos 
dados ; no f. em risco de perder-se. Sã Mir. 
" a cara liberdade , que tive aos dados jogada." 

JOGADOR , s. m. Jogadora , f. Pessoa , que 
joga habitualmente. §. Jogador Ae armas ; V- ^- 
da espada , florete : o que sabe atacar, e defen- 
der-se com estas armas « segundo í% regras da 
Arte. M- Lus. 

JOGAR , V. at. Occtzpar-se em jogo de tabo- 
lis ; caítas ; ou brinco ; ou d'armas : v. g. jogac 
os t-emos y o gamão, as damas ^ o xadrès ; jogar 
a cabra cega ; jogar o floreie. ^. Expor ., c per- 
der ao jogo : V. g. jogou o pão dos filhos , ^ 
dote da mulher: estes barbares )ogáo, depois dcs 
bens., a própria liberdade ^ {içando por cativos _ãi 
quem lha ganha. §, Jogar ; n. jogar o navio ; 
i. é, balancear, agiur-se de popa a proa, oa 

de 



^ 




190 



JOG 



JOG 



de fcombordo , a estribordo. §. at. Atirar , ou 
levar para atirar: v. g. fitstas , que jogaváo cã- 
tnshtes. Lucena, jogaváo canhões de 4B- §• Mo- 
vôr-se ; v. g' jogar ^ porta ms bisagras ; a roda 
no eixo. §. Manejar armas naturáes , ou de íer- 
xo : V. g. jogar aos murros , os couces ; jogar a esfa- 
da, o florete. M. Lm. ^'^ jogão das armas." Couto, 
iz. 4. 4. " jogavão dos temos : " remaváo. Palm. 
jP/z.*/. 'i?V §• Fazer, e entrar em jogos: v. g. 
io*gar a cabra cega ; jogar a argolinha , canas , ó^c. 
S- iogar das palavras : fazer equívocos , troca- 
dilhos , derivações. Fida do Arceb. L. 4. c. 21. 
§. Jogar de fora ; no í. não ter parte em al- 
gum negocio , ou transacção , por que corra al- 
gum risco. Eufr. 5. 5- §• f- O mundo anda jo- 
gando com nosco ; i. é , fazendo jogo de nos. 
V. Jogo. H. Pinto , /. 564. 

JOGO , s. m. Espécie de sorte j a que ex- 
pomos certa aposta de dinheiro , á condição de 
ganharmos, jogando carcas , dados , bola , &c. 
conforme certás leis : nestes , ou há certas re- 
gras de ganhar dependentes da sciencia do jo- 
gador , ou há essas regras combinadas com o que 
dá o acaso das cartas, que se repartem , ou 
. pontos , que os dados pintáo , ou é meramen- 
te dependente do acaso, e estes se dizem jo- 
gos de hasar. ( do Francez hasard ) §. Exercí- 
cio que se faz por divertimento ; e para espe- 
ctáculo , talvez imitando aos antigos modos de 
peleijar : v. g. jogo de argolinha , da barra , 
choca , o ateo ; do pAo ; das canas ; de esp.ada , 
florete : os jogos otympicos , floráes , <ò-c. Daqui 
fazer armas de jogo , que é justar , hzer ter- 
neyos , ao que só dava lugar o Soberano terri- 
torial , porque ás vezes se causaváo mortes , e 
passaváo a verdadeiras batalhas. V. Ordcn. L. 2. 
1. z6. §. 2. que na d/ç. de 1727. traz por er- 
ro armas de fogo. %. Rotfpas de jogo : vestidos 
mais asseyados , ou louçaínhos de função : Or- 
den. Jfons. 2. 75. §.2. oppostas a cota d'ar. 
mas , malha , e outras vestiduras defensivas d® 
corpo , e de armar-se. §. O jogo do cravo : as 
teclas. §. Aparelho : v. g- »>» jogo de fiveUas ; 
i. é, as dos sapatos, ligas, pescocinho: o jogo 
do coche ; um jogo de Breviários , das Obras de 
Camões , z^c. §. Brinco , escameo , zombaria : 
V. g. O' virgem que soubeste fazer jogo Do que 
no mundo tem mayor valia. Cam, Est. Set. \6. 
*' amor está de mim fazendo jogo.''''' " Levai-o 
em jogo : ^> ( falia de uma burla graciosa ) por 
graça , c brinco , e não por injuria : Resende , 
Vlda^ c. 9. sofrei como brincadeira, §. Meuer 
o jogo rta mão de algucm; dar-ihe o governo, 
e direcção do negocio. Couto , 10. o. 17. §. Di- 
to para rir. Eufr. ]. 4. dar a entender entre jo- 
go, e zombaria; i. é, como quem não falia de 
siso. Eufr. f. 155. f. §• Destreza , artificio , 
fingimento para illudir, " outra a quem eu de- 



pois viflí a conhecer o jogo:"^^ Eufr. T. 7. ar- 
te, astúcia, manha. " entender o jogo:^" (Cas- 
tanh. 1. f. 208. ) saber as artes , maquina- 
ções , intrigas, enredos, de que outrem usa 
contra nós. §. Andar alcançado do jogo ; i. é , 
de perda. Eufr. i. ?. §. Ficar em jogo com al- 
guém ; i. é , em igual partido , sem vantagem de 
parte a parte. Eufr. i. ^. %. Coisa com que se 
joga , brinca , de que se zomba : v. g. o homem 
é um jogo da fortuna. Relação do Enterrro do 
Príncipe D. Theodoiio. §. Jogos de espirito : at- 
gucias, facécias, dor.aires , ditos com equívocos , 
trocados , derivações. Edit, da Mesa Cens. 10. 
de Novembro de 1768. do Francez : jeux d'esprit. 
§. Jogos de palavras : graças. Azurara , c. 17. 
e c. 25. cujas palavras sempre trazião jogo , e sa^ 
bor i talvez porque jogava delias, fazendo equi- 
vo:os , trocados , e derivações. 

JOGRAL, s. m. antiq. Dizidor, poeta, can- 
tor , e talvez chocarreiro. " cá ovi gran ta- 
lento de ser teu jogral ," i. é , porque tive gran- 
de desejo de ser teu poeta. Fernão Lopes , Cron. 
J. 1. c. 71. Concordata delRei D. Af. 5. Sd 
Mir. Orden. Af. 5. 15. 18. Tudo Clérigo jogral, 
qus teiyx por oficio tanger , e por elk sopporta a 
mayor parte da sua vida. Concordata de D. Af. 
•^. ait. II. Cs poetas, de que se deriva ette 
nome , cancaváo seus versos ao som da harpa , 
e por isso se confunde o jogral com o niinis- 
trél , ou o poeta cantor, e tangedor do instru- 
menta, com que se acompanhava, com o musico. 
( talvez do Latim jocutaris , ou mais prox ma- 
mente do Ingkz jugler , jogler) §. Chocarreiro , 
bobo. Conto , 5. 8. ^. toii hum honwu por jo- 
gral , e não lhe falta mais que apsdrejanm-no 
por doudo. "■ ficarão huns jograes.^^ Pinto Ribâ- 
ro , Rít. I. §. 87. 

JOGUE, s. m. Na índia Orient. o gentio que 
peregrina por penitencia. Barr. i. 5. 8. 

JÒGUETÁR. V. Joguetcar. Sà Mir. Estrang. 
nem saberás como cu jogueto de arcabuz^ §. " O 
que dicer mal delRei joguctando :^^ zombando, 
brincando. Qrd. Afons. 5./ zi. Ferr. Briíto , 2. 5. 
não joguete elle cÕmíge. 

JOGUETE, s. m. Brinco, zombaria, donaire 
de palavra; jogos de espirito, e acção. Couto, 
8. 58. outro joguete de mais zombaria se fez 
nas casas &c. deitando excrementos sobre uns^ 
que minavâo o muro , cobertos com grossas man- 
tas , que o fogo não empecia , e ellcs penetra- 
rão. §. Brinco, divertimento, parecem joguetes da 
natureza. Leão , Descripção , /. 47- §• Fazer al- 
guma coisa por joguete ; '1. é , zombando. Pai- 
va , Cas. 6. 

JOGUETEÁR , V. n. Brincar com ditos , e 
donaires; zombar. Castanh. L. z. f n^. col. Z, 
V. Jugu^tar. §. f. Joguétear de espada , de ar- 
(•/«/'«j ; manejar como pot btinco , floreando. 



JOR 



JOGUÍNHO , s. m. dim. de Jogo. 

JÓIA. y. Juy.i. 

JOIGÁDO, V 7<7í>^<ío : antiq. 

jÒMO . s. m. Medida Itinerária Persiana, igual 
A 5. Farsangas , ou 9 >>. passos geometricoí. Bar- 
ros , D i. 

JÒiVlCO , adj. Ordem Jc/iica : na Arquir. aquella, 
cujas columnas são ornadas de volutas , Scc. 

JÒNOS , s. m, pi. Na Ásia Portug. são aquel- 
les , que cntráo a perdas , e ganhos com os 
Gancares ; e talvez tem a qualidade de emphi- 
leutas. 

JORNADA , s. f. Caminbo , marcha , que se 
faz num dia : v. g. " marchar a grandes jorna- 
das .^' Este espaço caicuia-se , segundo a pes- 
soa , ou animal o anda : v. g. ires jornadas de 
camello , (j/íe serão ao mais 24. legoas. Barros , 

1. 10. I. do homem 10. legoas. §. Expedição , 
facção. M. Lus. Uáo^Cron. de Af.A,. f. 150. " o 
corpo e a vida oíferecia para aquella jor/iiíí/(3.'^ 
Jornada d' Africn ., f. 11. §. Dia de batalha , ou 
batalha dada, Insíil.6. 10. M. Lus. z.f. 516. col. 

2. sem os inimigos quererem chegar d jornada : 
perdetí todas as esperanças desta jornada ; i. é , 
da batalha deste dia. Maris , D. 5. c. 4. f. 50^. 
§, Qualquer hcçáo , ou empreza , expedição bel- 
lica. Maris , /. 504. as jornadas que seus passa- 
dos fizerão contra a Pérsia. Co-:to ^ 4, 8. 14. a 
Jornada d' Ajricít ; do Sr. D. Sebastião. §. Me- 
dida itinerária Tartárica , igual a 2,0^. passos geo- 
métricos. 

JORNAL , s. m. A paga de cada dia , que se 
dá ao jornaleiro. 

JORNÉ , s. f. Cardoso. Huma — . Ined. i. 425. 
tríizia . . . vistida huuma cota de malha , e em 
cyma hum.^i jornee de vJudo cremesjm , é)^c. Feyo, 
Trat. z. f. 185, huma jorné qaarieada. 

JORNÊA, s, f. Cron. Af. 5. por Leão, c. 21. 
huma jornea de veludo , que trazia sobre a cota. 
Jornéa era vestido èom feitio de meyas canas , 
ou com a feição das telhas : os nossos Dic- 
cionaristas traduzem vestis imbricata. V. Coroca. 

JORNEE. V. Jornea. Ined. i. 425. 

JORRA , s. f. Breu , ou untura , com que se 
untâo por dentro as talhas , e outros vasos de 
barro. §. As fezes do ferro , que se separáo na 
forja. 

JORRÃO , s. m. Espécie de leito de carro 
para aplanar a terra , sem rodas. §. it. Pata ar- 
rastar fardos. Costa. V. Zorra. 

JORRAR , V. ar. Untar com jorra. §. v. n. 
Fazer bojo , barriga : v. g. " a parede jorra;^' 
perdendo a direcção perpendicular. §. Correr des- 
crevendo uma parábola. Barros diz que jorra a 
agua , que sai com impeto de uma catadupa ; 
e jorra tanto , que pode passar por bai.xo do seu 
arco um homem sem se molhar. 

JORRO , s. m. Cotovelo , ou barriga da pa- 



JUB 



rede, quando perde a direcção perpendicular. 
§. Arco, que descreve a agua, que vem com 
itnpeto lançada horisontalmcnte. Barros, i. ^.8. 
arco q'íe faz o jorro d'agua no ar. §. Madeira 
de. jorro ; por de rojo ; grossa , que se arrasta 
com carro , ou bois , opposta a lenha miúda pa- 
ra cozinha. Ord. Af. i. 67. §. 5. 

JOTA j s. f. ou masc. / pequeno. §. f. Huni/t 
jota ; i. é , porção minima, £ufr. i. ij. e 5. 10. 

JOUVÁIl , V. n. ant. Estar, que jouvaya ali ja- 
zendo. Elucidar. 

JOUVE, pretérito de Jazer. Jazeu. Orden. Jf. 
5. 58. 15. 

JOUVÉR, futur. subjunct. de Jazer. Jazer, dor- 
mir : V. g. Se jouver com alguma mulher. Nobi- 
liar. jazer deitado : jazer enterrado. Barros. 

JOUVÉSSE , variação subjunctiva do verbo Ja- 
zer. " queria que jouvesse.'^ onde seus corpos joui 
vessem , (ò-c- 

JÓVEN , subst. ou adj. Mancebo, Mal. Conq,- 
10. i^j. o Joven generoso. Ekgiada , f. 25:5. £st, 
]. o joven Capitão. " mulheres jovens.^* Lfiar» 
d'Ourem , /. 577. 

JOVÈNGA, s. f. Novilha. D. Frmc. ManueL 

JOVÈNCO , adj. Ord. Af. 1. 64. 8. í« vaca jch 
venca,^> 

JOVIAL , adj. Amigo de rir, e fazer rir : v. ^; 
" homem jovial. " §. Das coisas : génio — ; estila 
— ; <á>'C. 

JÓYA, s. f. Peça de oiro, prata, e pedraria 
de adornar, as joyas da mulher ; dei Rei , da Co- 
roa. §. íig. Adornado das joyas de todas as sci- 
encias. Surrnma a Camões. §, Minha joya : ex- 
pressão carinhosa, é uma joya , i. c , miai lin- 
do. §. Joya das columnas : astragala. §. Joya dos 
canhões, na Arteíh. bocal, a porção de metal 
mais levantada , que rodeya a boca do canhão , 
com sua guarnição. 

JOYÉL , s. m. Joya. Leão , Grig.f, 57. (do Itaí, 
gioiíllo ) 

JOYNA, s. f. Herva officmal. 

JÒYO , s. ni. Herva , e grão deste nome ; nas- 
ce nas cearas, e as afFoga. ( Loiuim , ti. ) 

JUBA, s. f. A coma, ou crins do Leão. Tel- 
les , FJist. da Ethiop. Aíansinhy , f. 140. f. 

JUBANÈTE , s. m. dimin. de Gibão , de armar 
o corpo. Jned. z. f. 6j. V. Gibaneie. Syst. dos Re- 
gim. T6. f. 505. 

JUEÂO , s. m. V. Gibão. Conto , 9. c. 7. Lcãot 
Orig. f 99. "jubão, ou gibão.^' 

JUBETARÍAj s. f. O ba:rro , ou a rua de jube- 
teiros. 

JUBETÈIRO , s. m. Algibebe. §. O que U-. 
zia gibanetes de aniiar. Elucidar. 

JUEETERÍA , s. f. V. Juhetaria. 

JUEILAqÃO , s. f. O acto de jubilar. 

JUBILADO , parr. pass. de Jubilar. §. f. Con- 
summado , perteicQ em saber. Fieira, 

JU, 




? 




tubÍláR V. ar. Alegrar , causar jubilo. I). ( JUDICIALMENTE, adv. Segundo a ordem do 
Tr^KM í V n. Adqullr missio honesta do ,u.zo por 
rrmc. /^i.-^- _. ,:,_^-„ „ nne lem servido JUDICIA 



^ 



seX miÃarJoulitterario, o que .em servido 
Ss annos, e náo pôde rtia-s servir. Banos, 
2 2 1." nbúnvão na guerra. 
^'jubileu, s.m. Graças, e mdulgenc.as, con- 
cedida pelo Papa de certo a cerco termo de 
íempo , a quem se confessa , communga , e diz 
ce«?° orações , ou laz outras obras p.as. 

TÚBILO , s. m. Alegria , gosto , prazer. 

JUCUNDIDÁDE, s. t. O ser jucundo; agrada- 

''1{jC&NDÍSSIMO, superl. de Jucundo. Arr.m , 

fP;^p"'"^LLr?Í., íestivaf cabeça!" 
^%VÁSoTarCo---te a ]udeus, ou ao 

^IuTaTsàNTE , part. pr. de Judaisar. Subsr. O 
que professa , c pratica o nto Judaico. 
JUDA-iSÁR, V. n. Guardar as Leis judaicas , e 

seus ritos. Jrraes , 3. t^. . , n, • ' „ ,; 
JUDAÍSMO , s. m. A Lei de Wo.ses , e ri- 
tos judaicos. Professar o - . §• f- Os que o pro- 

^"jUDARÍA, s. f. Covardia /«.^.Tom.!. 386. 
»< srande fraqueza , e assynada jfídfria. 

fuSÈNoS, adj. De Juieu. V. rfo jndeugo. 
Ord. Af. freq. opposto a Christengo. Siza — , q«e 
os Judcos tolerados pagavão. ^ a. ,r. A\ 

JUDERÈGA , s. f. antiq. Capitação de 50. di- 
nheiros , que pagavão os Judeos tolerados, hlii- 

'''ÍuDÈU , s. m. O que segue a Lei de Moi- 
sés , por inteiro, e os ritos , e costumes )udai. 

'"^JUDIAR , V. n. V. Jadahar. §. f. t. vulg. Es- 
carnecer. Estd judiando i:Qmigo ? 
JUDIARIA, s. f. Bairro de Judeos. ;ii. Lunt 
JUDICATURA , s. f. O poder de )ulgir. §. Ot- 
ficio de juiz. §. O lugar do juizo. , 

JUDICÁL, adj. Que pertence a lu.zo , toro, 
contestação , 'ou 'demanda , e defesa §. Gemo 
judicial , na Rhet. o que trata da demanda c 
defesa civil , ou criminal. §. '' tazer as Tcste- 
n.unhas , ou inquirições j.Jici^'c.- reperguntar .s 
que foráo inquiridas sem citação da pattc nas 
devassas , ou^ requerer o réo para assuu.r tcrwc 
de mdici^es , dando-se por soente de haverem 
sidb inquiridas contra elle , para poder por-lhe 
a. contraditas , que tiver , nos casos cr,mes. Ord. 
Af ^. 57. §. 2. e ^ "e as inqu-nçoes princi- 
UJ dJassamcnte tiradas tossem jatas }Udtciacs.> 
V. Devassamente. §. Carta de s^-gurant^n judiciar, 
de seguro para se defender solto o ico. Vrd. 
Af' 5. 57- h 



izo , por autoridade de juiz. 
JUDICIÁRIO , adj. Astrologia judiciaria i a 
que ensina a conhecer os futuros por meyo dos 
Astros, astrólogo — ; que usa da astrologia--. 
Lucena, e Barros.^. Arte •Judiciaria: o mesmo. Eujr. 
I. I. §. Poder — ; de julgar. 

JUDICIOSAMENTE, adv. Com Juizo : avisa- 
da, prudentemente. 

JUDICIOSÍSSIMO , superl. de Judicioso. 
JUDICIOSO, adj. Dotado de juizo, discreto, 
prudente. §. Feito com juizo : v. ^. " «co/A'/z judi- 
ciosa ; OS homens judiciosos. 

JUELHEIRA, s. f. Peças de pannos , que se 
mettem por baixo do canhão da bota , e co- 
brem o calção sobre o juelho. V. Embotadeiras. 
JUÈLHO , s. m. A junta da perna , onde aca- 
ba a coxa, opposta á curva. Por-se de juelbos , 
ou assentar-se em juclhos ; é descançar o corpo 
sobie os jueihos dobrados. Goe> , Cr. Man. l. 
I. c. 55. assemar-sc em — . §• Peça de instru- 
mentos mathematicos , com dobradiça, para os 
soster em pé. Forus , i.f- ^7°' 

JUGÁDA , s. f. Direito Real , que pagão os 
lavradores de terras jugadeiras , de ordinário e 
um movo de trigo , ou de milho por cada por- 
ção de terra , quanta um jugo de bois pode la- 
vrar cada anno; e se é terra de vinho, ou li- 
nho paga-se o oitavo. Outras vezes as terras ;//- 
cadeiras pagão só oitavo dos grãos , e tem ou- 
tras variedades segundo os foraes, costumes , ou 
privilégios. F. Orden. i.T. ^. §. f- 7'jg^àas : qu.es- 
5uer campos de semeyar. NMjr. de S.p.